PESQUISA 

Último Passe

Não há muitas formas de iludir a questão: o Benfica está uma equipa fortíssima no ataque e não é por ter beneficiado de alguns erros defensivos do adversário que se explica que tenha sido capaz de golear o Belenenses pela segunda vez neste campeonato. Depois dos 6-0 da primeira volta, na Luz, hoje foram 5-0, a garantir a liderança isolada por mais tempo do que quando ganhou ao Estoril, há três jornadas, mas viu o Sporting reassenhorear-se do topo da tabela antes de ir dormir. Desta vez, a equipa de Rui Vitória pode saborear o primeiro lugar pelo menos até segunda-feira, quando os leões receberem o Rio Ave. E o mais importante, a uma semana do decisivo clássico com o FC Porto, é a qualidade ofensiva que a equipa está a demonstrar. Um hat-trick de Mitroglou e um bis de Jonas, os suspeitos do costume – os dois juntos têm 34 golos em 21 jornadas – poderiam levar a que se pense numa equipa que abusa da qualidade das suas individualidades, mas essa explicação, como a da evidente fragilidade defensiva deste Belenenses, são chão que já deu uvas. A verdade é que este Benfica está a meter combinações ofensivas vistosas no campo com uma rapidez de troca de bola e de posições que atrapalha qualquer defesa. Pizzi e Gaitán estão também numa forma extraordinária, Renato Sanches – que nem fez um grande jogo no Restelo – empurra o meio-campo para a frente e nem a ausência de Fejsa e Lisandro López veio abalar a segurança defensiva da equipa. Pelo menos contra um Belenenses demasiado macio e positivo para ser levado a sério num jogo em que Lindelof nem chegou a ser verdadeiramente testado. O Benfica poderia ter-se adiantado no marcador logo nos primeiros minutos, pois perdeu no arranque várias situações de golo cantado, mas à medida que o relógio avançava e o Belenenses se sentia mais confortável, poderia até pensar-se num jogo equilibrado. Mas um frango de Ventura, que não segurou um cabeceamento de Mitroglou, inclinou a balança a favor dos encarnados ainda antes do intervalo. E mais dois golos logo a abrir a segunda parte, por Jonas e outra vez pelo grego – que marcou pela quinta jornada consecutiva, igualando Slimani – acabaram de vez com a discussão em torno do resultado. Até final, a única dúvida era a de se saber por quantos golos iria o Benfica ganhar. Foram cinco, a confirmar a 11ª vitória seguida dos encarnados e a manter bem alta a média de golos das últimas partidas – 15 em três jogos –, lançando desde já o desafio ao FC Porto, que de hoje a uma semana visita a Luz. Aí, sim, o Benfica precisará de confirmar o estatuto de melhor ataque: um ataque que fez 59 golos em 21 jogos, mas que marcou apenas um em quatro partidas contra os dois rivais na corrida ao título.
2016-02-05
LER MAIS

Stats

Ricardo Sá Pinto, atual treinador do Belenenses, tem muito boas recordações do FC Porto. Começou a carreira nos iniciados do clube azul-e-branco, antes de se mudar e de se revelar no Salgueiros, e foi nas Antas que marcou o primeiro golo da sua carreira profissional, batendo Vítor Baía, já o guarda-redes da seleção. Depois disso, como jogador, esteve 12 anos sem perder nas Antas e no Dragão. Só como treinador foi infeliz na visita ao FC Porto: perdeu o único jogo que lá fez e acabou com oito jogadores. A promoção dos juniores aos seniores do Salgueiros aconteceu no final da época de 1991/92, mas a estreia na Liga Sá Pinto só a fez a 22 de Agosto de 1992, numa derrota em Faro, contra o Farense, por 2-0. Ao quinto jogo na Liga, fez o primeiro golo. Palco? O Estádio das Antas, a 20 de Setembro de 1992: Sá Pinto desfeiteou Vítor Baía, a estabelecer o momentâneo empate a um golo, mas o FC Porto acabou por vencer esse jogo por 4-1. Foi a primeira derrota naquele estádio, sendo que a segunda surgiu no e meio depois: 1-0 na última vez que lá jogou pelo Salgueiros, antes de se mudar para o Sporting. Ora no Sporting, Sá Pinto nunca perdeu nas Antas nem no Dragão. Foi batido em finais, em jogos em campo neutro, chegou a perder em Alvalade ou a ver a sua equipa perder com ele lesionado. Mas com ele em campo, o saldo é excelente: uma vitória (2-1 para a Liga, em Março de 1997) e quatro empates, todos a um golo, entre Dezembro de 1994 e a última vez que lá jogou, em Março de 2006. Este jogo, da meia-final da Taça de Portugal, foi, aliás, o mais parecido com uma derrota para Sá Pinto no Dragão, pois os portistas acabaram por se impor nas grandes penalidades. Já sem ele em campo, pois saiu no início do prolongamento, para dar lugar a Tello. Como treinador, Sá Pinto só defrontou o FC Porto uma vez. Foi a 5 de Maio de 2012, na liderança do Sporting, e perdeu por 2-0 no Dragão, com bis de Hulk nos últimos dez minutos de um jogo que os leões acabaram com oito homens, devido às expulsões de Onyewu e Polga e a uma lesão de Pereirinha quando o técnico já tinha esgotado as substituições. O segundo confronto esteve para acontecer, mas foi evitado pela demissão do treinador após a derrota na Hungria contra o Videoton, por 3-0. Três dias depois já foi Oceano Cruz quem conduziu a equipa ao Dragão. Para nova derrota por 2-0.   - O FC Porto ganhou os derradeiros 18 jogos em casa. A última equipa a não perder no Dragão foi o Benfica, que ali venceu por 2-0 a 14 de Dezembro de 2014 e desde então já por lá voltou a passar, o mesmo tendo sucedido com Bayern, Chelsea ou Sporting, só para citar os mais fortes adversários. Se ganharem ao Belenenses, os dragões elevam a série de vitórias consecutivas no seu estádio, algo que não conseguiam desde 2003/04, quando estiveram exatamente 19 jogos seguidos a ganhar em casa, entre uma derrota com o Real Madrid (1-3, a 1 de Outubro de 2003) e um empate com o Deportivo da Corunha (0-0, a 21 de Abril de 2004).   - Essa derrota com o Benfica foi também a última vez que o FC Porto sofreu golos no Dragão em partidas da Liga portuguesa – desde então, o zero nas redes azuis e brancas tem sido a regra. Já lá vão 13 jogos inteiros desde o último golo ali marcado por um adversário no campeonato: Lima. São ao todo 1205 minutos, em nome de Fabiano, Helton e Casillas, mas ainda assim aquém dos 1384 minutos consecutivos de imbatibilidade conseguidos por Zé Beto e Vítor Baía entre Outubro de 1988 e Maio de 1989.   - Os 13 golos sofridos pelo Belenenses à sexta jornada são o pior arranque defensivo dos azuis na Liga desde Outubro de 1987, quando chegaram a esta ronda com 14 bolas nas redes (e com elevado contributo dos 7-1 que encaixaram nas Antas, frente ao FC Porto). As coisas nessa época recompuseram-se e a equipa acabou a Liga em terceiro lugar, com a sexta melhor defesa (38 golos em 38 jogos).   - Lopetegui não terá as melhores recordações do Belenenses, pois foi frente aos azuis, no Restelo, que perdeu as esperanças matemáticas de ser campeão nacional da época passada. O empate a uma bola ali obtido significou que o Benfica se sagrou campeão à 33ª jornada, com outro empate, em Guimarães.   - O Belenenses nunca ganhou no Dragão e a última vez que o fez nas Antas foi em Outubro de 2001, vai fazer 14 anos. Filgueira e Zé Afonso marcaram então para os do Restelo, tendo Pena reduzido para os azuis e brancos. Desde essa vitória conseguiu três empates no terreno do FC Porto. Dirigiram essas equipas João Carlos Pereira, Jorge Jesus e Marinho Peres – dois deles passaram pelo banco do Sporting, como Ricardo Sá Pinto.   - As maiores vitórias do Belenenses no terreno do FC Porto foram por quatro golos: 6-2 em 1944/45 e 4-0 em 1974/75. Nesta última vitória estiveram dois jogadores que viriam a ser bicampeões pelo FC Porto em 1978 e 1979: Freitas e González.   - Varela estreou-se na Liga portuguesa contra o Belenenses, lançado por José Peseiro para o lugar de Deivid a 11 minutos do final de uma vitória do Sporting sobre os azuis, em Alvalade, a 19 de Agosto de 2005.   - Ventura, o guarda-redes do Belenenses, foi bicampeão nacional pelo FC Porto em 2007/08 e 2008/09, jogando apenas uma partida em cada edição da Liga.   - André Sousa, médio do Belenenses que fez o primeiro golo no empate em Arouca, na semana passada, estreou-se na Liga no Dragão, lançado por Ulisses Morais numa derrota por 4-0 frente ao FC Porto., a 22 de Setembro de 2012.   - O jogo marca o regresso ao Dragão do árbitro Jorge Ferreira, que ali expulsou Maicon no empate (0-0) do FC Porto com o Boavista, em Setembro de 2014. O FC Porto ganhou os outros dois jogos que fez com este árbitro na Liga (5-2 ao Rio Ave e 3-0 ao Marítimo), ao passo que o Belenenses ainda está para conseguir vencer com ele: soma um empate e uma derrota, esta em casa com o Benfica.    
2015-10-03
LER MAIS