PESQUISA 

Último Passe

No dia em que se apresentou um novo – e até ver primeiro – candidato à presidência do Sporting, a tentação será a de se olhar para a lista de Pedro Madeira Rodrigues e procurar entre os seus apoiantes um grupo de adeptos “notáveis” que garanta credibilidade e uma boa hipótese de sucesso na ida às urnas. O Sporting, porém, mudou muito desde que o grupo que o liderou nas últimas décadas caiu em desgraça, levando à eleição de Bruno de Carvalho. E as eleições nos maiores clubes nacionais também.No Sporting, que ainda assim é o único dos três grandes onde as eleições vão para além de um formalismo (e a isso não é estranho o facto de ter ganho muito menos do que os rivais nos últimos anos), o apoio desses tais “notáveis” seria mais um empecilho do que uma real vantagem. Foi em boa parte esse beijo da morte que custou a José Couceiro, uma das melhores e mais modernas cabeças do futebol português, a derrota nas eleições que conduziram Bruno de Carvalho ao trono do leão. A última coisa que poderá acontecer nas eleições de Março é, por isso, vermos um candidato saído do grupo de herdeiros do roquetismo, o movimento que mandou no clube entre meados dos anos 90 – com Pedro Santana Lopes – e a demissão de Godinho Lopes, há três anos. Mesmo que nesse lote de presidentes tenha havido homens tão diferentes como o impulsivo Dias da Cunha, o mais fleumático Soares Franco ou até o patriarca Roquete.O peso dessa liderança e a revolução que foi a sua queda, para abrir caminho a Bruno de Carvalho, faz com que neste momento não se discutam tanto ideias e projetos, mas sim a figura do atual presidente. Talvez ainda seja cedo, mas a Madeira Rodrigues ainda não se ouviu grande coisa acerca do que pretende fazer, mas sim sobre aquilo que o líder atual tem feito de errado: as fugas para a cabina em noites de derrota, as voltas olímpicas em dias de vitória e até a forma dissimulada de falar da obsessão de Bruno de Carvalho com o Benfica, referindo que os anos que este já leva à frente do clube foram de títulos, sim, mas para os encarnados. No fundo, Pedro Madeira Rodrigues e quem está com ele já perceberam uma coisa: nas eleições de Março, mais do que o Sporting, vai discutir-se Bruno de Carvalho. O que ele fez bem – renegociação com a banca, mais dureza nas negociações de jogadores, apoio ao vídeo-árbitro e combate aos fundos – e o que ele fez mal – posições que estão muito perto da irresponsabilidade na relação com outros clubes, radicalismo excessivo naquilo que defende. Até por isso, o candidato diz que espera um combate a dois. É que já sabe que quanto mais gente aparecer a querer discutir Bruno de Carvalho, menos hipótese terá cada um de convencer os votantes dos seus méritos particulares. Até por isso, sem ter ainda desfeito o tabu que evidentemente levará à sua recandidatura, o presidente já veio dizer que todos os candidatos serão bem vindos. Quantos mais, melhor.
2016-12-27
LER MAIS