PESQUISA 

Stats

Júlio César completa frente ao Atlético de Madrid 50 jogos nas redes do Benfica, desde a estreia, a 21 de Setembro de 2014, na receção ao Moreirense, que os encarnados ganharam por 3-1. Dos 49 jogos feitos até aqui, ganhou 35 e manteve a baliza a zeros por 25 vezes. Além disso, jogou 34 vezes na Liga portuguesa, oito na Liga dos Campeões, quatro na Taça de Portugal, duas na Taça da Liga e uma na Supertaça.   - Benfica e Atlético de Madrid jogam pelo primeiro lugar do Grupo C da Liga dos Campeões, sabendo ambos que já asseguraram a presença nos oitavos-de-final da competição. O Benfica basta-lhe um empate para ser primeiro e dessa forma evitar jogar com os vencedores dos outros grupos na ronda seguinte, enquanto que o Atlético precisa de vencer para assumir a liderança.   - O Benfica não perde um jogo europeu em casa desde 16 de Dezembro de 2014, quando ali foi batido pelo Zenit (1-0). Essa foi, aliás, a única derrota europeia dos encarnados na Luz nos últimos 19 jogos, que deram ainda 15 vitórias e três empates.   - Griezmann marcou cinco golos nos últimos cinco jogos que fez pelo Atlético de Madrid (dois ao Galatasaray, um ao Granada, ao Espanyol e ao Sp. Gijón), série na qual só ficou em branco frente ao Betis.   - O Atlético de Madrid só sofreu dois golos na atual Liga dos Campeões, os marcados por Gaitán e Gonçalo Guedes em Madrid. Fora de casa, não sofre golos em competições europeias desde Abril, quando Chicharito Hernández fez o 1-0 que chegou ao Real Madrid para o eliminar, nos quartos-de-final da última Champions.   - O Benfica procura a quarta série de três vitórias seguidas esta época. Vem neste momento com duas (Sp. Braga e Académica) depois de ter empatado em Astana. Antes, já conseguiu ganhar de forma consecutiva a Moreirense, Belenenses e Astana, a Paços de Ferreira, Atlético de Madrid e Vianense e a Tondela, Galatasaray e Boavista, encalhando sempre ao quarto jogo.   - Por sua vez, o Atlético de Madrid segue com doze jogos seguidos sem derrota, pois a última vez que perdeu foi com o Benfica, a 30 de Setembro. Desde então, ganhou nove jogos (seis dos quais consecutivos, antes do desafio da Luz e empatou três, com Real Madrid em casa e Deportivo e Astana, fora.   - O Atlético procura, assim, a sétima vitória seguida, algo que já não consegue desde Novembro e Dezembro de 2013 e Janeiro de 2014, quando ganhou consecutivamente a Elche (2-0), Sant Andreu (4-0 e 2-1), FC Porto (2-0), Valência (3-0), Levante (3-2) e Málaga (1-0). Encalhou a 7 de Janeiro de 2014 num jogo da Taça do Rei contra o Valência, que acabou empatado a um golo por causa de um golo de Hélder Postiga nos descontos.   - O Benfica ganhou as suas duas Taças dos Campeões Europeus contra equipas espanholas: Barcelona (3-2 em 1961) e Real Madrid (5-3 em 1962). E desde 1982, quando ganhou ao Betis por 2-1, que não vencia espanhóis. Voltou a fazê-lo na visita ao Atlético de Madrid, a 30 de Setembro deste ano, quando se impôs por 2-1 no Vicente Calderón.   - O Atlético também viu esse jogo de Setembro interromper uma série de jogos felizes contra portugueses. Em 19 jogos contra portugueses, os colchoneros só ganharam nove, mas tinham vencido cinco dos últimos seis antes de receberem o Benfica nesta Liga dos Campeões.   - Fernando Torres, avançado do Atlético de Madrid, marcou ao Benfica na final da Liga Europa de 2013, ajudando o Chelsea a vencer por 2-1. Antes, porém, tinha ficado em branco nas duas partidas dos londrinos frente aos atuais campeões portugueses, em 2012. Como em branco voltou a ficar no jogo de Madrid, em Setembro, ainda que tenha entrado apenas a 13 minutos do final. - Também Jackson Martínez fez três golos ao Benfica, com a camisola do FC Porto, mas para tal precisou de nove jogos. Pelo Atlético defrontou os encarnados uma só vez, tendo ficado em branco. É uma história parecida com a de Jonas, que enquanto esteve no Valencia marcou dois golos ao Atlético, em oito jogos. E quando jogou pelo Benfica, também ficou em branco.   - Há vários jogadores com ligação aos dois clubes neste desafio. Os benfiquistas Jiménez, Salvio, Pizzi e Sílvio já representaram o Atlético de Madrid, ao passo que os colchoneros Oblak, Siqueira e Tiago já vestiram a camisola dos encarnados.
2015-12-07
LER MAIS

Stats

Mais um zero na suas redes e o FC Porto assegurará um ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga. O último jogador a marcar ali nesta competição foi Lima, a 14 de Dezembro do ano passado, na vitória do Benfica por 2-0. Depois de receber o Paços de Ferreira, o FC Porto só volta a jogar em casa na Liga no dia 20, contra a Académica. Mas se a celebração do ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga pode chegar já nesta ronda, os dragões terão ainda outra marca em mente na próxima partida. É que desde o segundo golo do Benfica nessa partida de 2014, os dragões somam já 1475 minutos de jogo sem golos dos adversários no seu estádio. Faltam-lhes 106 minutos para igualarem uma série estabelecida por Vítor Baía e Cândido de Janeiro a Dezembro de 1994. Nessa altura, os dois guarda-redes que o FC Porto usou estiveram 1581 minutos sem sofrer golos em casa no campeonato, entre um golo de Hermé (nos 4-1 ao U. Madeira, a 5 de Janeiro de 1994) e outro de Figo (no 1-1 com o Sporting, a 11 de Dezembro do mesmo ano). Atualmente, Helton, Fabiano e Casillas foram responsáveis pela manutenção do zero nos jogos com V. Setúbal (4-0), Belenenses (3-0), Paços de Ferreira (5-0), V. Guimarães (1-0), Sporting (3-0), Arouca (1-0), Estoril (5-0), Académica (1-0), Gil Vicente (2-0), Penafiel (2-0), V. Guimarães (3-0), Estoril (2-0), Benfica (1-0), Belenenses (4-0), Sp. Braga (0-0) e V. Setúbal (2-0). Dezasseis jogo completos, mais 35 minutos na partida perdida contra o Benfica. A ajudar à festa, Iker Casillas é também o guarda-redes há mais tempo sem sofrer golos na Liga, se contabilizarmos também os jogos fora de casa. O último golo sofrido pelo FC Porto foi obtido por André Fontes, a 2’ do final do empate (2-2) que os dragões cederam ante o Moreirense. Desde aí, são 452 minutos sem sofrer golos na prova, ainda assim a 50 minutos do recorde desta época, que são os 502 minutos fixados pelo bracarense Kritciuk antes dos golos encaixados na partida contra o Benfica, na passada segunda-feira.   - Brahimi marcou golos nos últimos dois jogos do FC Porto, as vitórias em Aveiro contra o Tondela (1-0) e na Choupana ante o U. Madeira (4-0). Se voltar a marcar contra o Paços de Ferreira iguala a sua melhor série de 2014/15, em que fez golos consecutivamente a Nacional, Athletic Bilbau e Estoril.   - Ruben Neves poderá fazer o 50º jogo com a camisola do FC Porto. Soma até este momento 49 partidas e um golo, logo na primeira de todas, os 2-0 ao Marítimo a 15 de Agosto de 2014. Dos 49 jogos, 30 foram na Liga portuguesa, 14 na Liga dos Campeões, três na Taça da Liga e dois na Taça de Portugal.   - Fábio Cardoso estreou-se na Liga portuguesa a jogar contra o FC Porto, mas não levou uma história muito feliz para contar em casa: Paulo Fonseca fê-lo entrar a sete minutos do fim da derrota do Paços no Dragão (5-0) em Fevereiro. O mesmo sucedeu, aliás, com Minhoca, que se estreou na Liga portuguesa contra o FC Porto, lançado como titular por Henrique Calisto na derrota (3-0) no Dragão, em Fevereiro do ano passado.   - Jorge Simão, o treinador do Paços de Ferreira, empatou o único confronto com o FC Porto e com Julen Lopetegui. Foi em Maio e o empate, ainda ao serviço do Belenenses, no Restelo (1-1) valeu a certeza matemática do bi-campeonato ao Benfica de Jorge Jesus, que ao mesmo tempo empatava a zero com o Vitória em Guimarães.   - O FC Porto ganhou os últimos seis jogos com o Paços de Ferreira, todos eles sem sofrer golos. Na última vez que marcaram um golo ao FC Porto, por Melgarejo, em Março de 2012, os pacenses roubaram dois pontos aos dragões, fruto de um empate a uma bola na Mata Real. No Dragão, então, os castores não fazem golos desde Maio de 2011, quando eram dirigidos por Rui Vitória e ali empataram a três golos, com um hat-trick de Pizzi.   - Jackson Martínez marcou nos últimos cinco jogos do FC Porto com o Paços de Ferreira, isto é, em todos desde Janeiro de 2013. Essa vitória portista, por 2-0, no Dragão, representa a última vez em que o sucesso do FC Porto sobre o Paços não teve golos do ponta-de-lança. Boas perspetivas para Aboubakar, que não marca desde a receção ao V. Setúbal (a 8 de Novembro) e fez apenas dois golos nos últimos dois meses: esse um outro, contra o Maccabi, a 20 de Outubro.   - O Paços de Ferreira só ganhou duas vezes ao FC Porto em toda a sua história, ambas em casa, mas a última já foi em Maio de 2003, com os dragões em descompressão, a caminho da final da Taça UEFA, que jogaram dez dias depois. Cadu fez o golo solitário da vitória pacense, já em período de descontos.   - O FC Porto só perdeu duas vezes em 26 jogos com Carlos Xistra a apitar, na Liga, a última das quais em Janeiro de 2008, em Alvalade, com o Sporting (2-0). Nos quase oito anos desde essa partida, Xistra apitou 15 jogos dos dragões, com 12 vitórias e três empates. Sucede que também o Paços de Ferreira costuma dar-se bem com este árbitro, o único da atual primeira categoria com o qual, tendo feito mais de um jogo, têm uma percentagem de vitórias superior a 50%: ganharam 11 das 20 partidas com ele a apitar (55%).
2015-12-04
LER MAIS

Stats

Apesar de viverem momentos de forma radicalmente opostos, Jackson Martínez e Jonas, na teoria os goleadores mais temíveis de Atlético Madrid e Benfica, sabem bem o que é defrontar o adversário que terão pela frente na segunda jornada da Liga dos Campeões, pois ambos têm experiência na Liga da equipa que agora vão defrontar. Jonas marcou dois golos em oito jogos pelo Valência contra o Atlético de Madrid, enquanto Jackson fez três em nove partidas pelo FC Porto contra o Benfica. Jackson enfrenta uma seca goleadora que já dura desde 30 de Agosto, quando marcou o terceiro dos três golos com que o Atlético se impôs fora ao Sevilha (3-0). Desde então foram 216 minutos de jogo sem qualquer golo, repartidos por seis jogos: os 5’ finais desse em Sevilha, mais partidas com o Barcelona, o Galatasaray, o Eibar, o Getafe e o Villarreal. A partida no El Madrigal, aliás, é simbólica do que tem sido este arranque de época de Jackson em Madrid: saiu ao intervalo, para dar lugar a Fernando Torres. Até aqui, Jackson, que raramente perdia um minuto no FC Porto, ainda não fez um jogo completo – em sete desafios, foi quatro vezes substituído e saltou do banco para o relvado no decurso das partidas nas outras três ocasiões. Contra o Benfica, Jackson fez nove jogos, sempre completos, marcando três golos, o último dos quais a 10 de Maio de 2014, na vitória portista por 2-1, no Dragão, com que se encerrou esse campeonato. Depois disso, ficou em branco nas partidas da Liga passada: 0-2 no Dragão e 0-0 na Luz. Antes, já tinha marcado no primeiro clássico (empate a dois golos na Luz, em 2012/13) e numa vitória por 1-0 no Dragão, a contar para uma meia-final da Taça de Portugal de 2013/14, que os encarnados depois acabaram por reverter com um 3-1 na Luz. Ao todo, três golos em nove jogos, nos quais soma três vitórias, três empates e outras tantas derrotas, com a curiosa particularidade de nunca ter repetido o mesmo desfecho em partidas consecutivas. Já Jonas enfrentou o Atlético de Madrid por oito ocasiões com a camisola do Valência, marcando dois golos, o último dos quais a valer um empate (1-1) no Vicente Calderón, na Liga, a 31 de Março de 2013. Antes já tinha marcado numa derrota no mesmo palco (4-2) a contar para a meia-final da Liga Europa de 2011/12 e depois ficou em branco nas duas partidas da última época em Espanha: duas derrotas, por 3-0 em Madrid e 1-0 em Valência. Aliás, é curioso que, tendo Jonas perdido quatro, ganho dois e empatado dois dos oito jogos com o Atlético, esses resultados tenham vindo das duas vezes numa série repetida: vitória-empate-derrota-derrota. A cumprir-se a repetição, é hora de vitória. Essa curiosidade não é tanto uma razão de esperança para os benfiquistas como o momento atual do ponta-de-lança brasileiro, que leva sete golos em oito jogos esta época. Com um senão: foram todos marcados no Estádio da Luz.   - O Benfica ganhou as suas duas Taças dos Campeões Europeus contra equipas espanholas (Barcelona, 3-2, em 1961 e Real Madrid, 5-3, em 1962), mas viu recentemente os espanhóis transformarem-se na sua besta negra. Os encarnados não ganham a uma equipa espanhola há precisamente 33 anos. A última vitória ocorreu a 29 de Setembro de 1982, quando bateram o Betis em Sevilha por 2-1, na segunda mão da primeira eliminatória da Taça UEFA. E não é que tenham deixado de defrontar espanhóis. Desde essa altura fizeram 15 jogos, com sete empates e oito derrotas: Barcelona (0-0 e 1-2 em 1991/92), Celta Vigo (0-7 e 1-1 em 1999/00), Villarreal (1-1 e 0-1 em 2005/06), outra vez Barcelona (0-0 e 0-2 em 2005/06), Espanyol (2-3 e 0-0 em 2006/07), Getafe (1-2 e 0-1 em 2007/08), ainda mais uma vez Barcelona (0-2 e 0-0 em 2012/13) e Sevilha (0-0 em 2013/14).   - Em contrapartida, o Atlético Madrid tem sido feliz no confronto com portugueses. Em 18 jogos, os colchoneros ganharam nove (cinco dos últimos seis), empataram cinco e só perderam quatro, o último dos quais em Coimbra, frente à Académica, em Novembro de 2012 (2-0, na fase de grupos da Liga Europa). Em Madrid, a última equipa portuguesa a pontuar foi o Sporting (0-0, em 2009/10) e a última a vencer foi o FC Porto (3-0, na mesma época).   - O Benfica ainda não marcou um único golo fora da Luz esta época, tendo perdido todas as deslocações pelo mesmo resultado: 1-0. Foi assim na Supertaça, com o Sporting, no Algarve, mas também nas partidas com o Arouca (em Aveiro) e o FC Porto (no Dragão). O último golo marcado pelo Benfica fora da Luz foi obtido por Ola John, a 29 de Maio, em Coimbra, na final da Taça da Liga, ganha por 2-1 ao Marítimo.   - Nas provas europeias, o Benfica não ganha fora de Portugal desde 3 de Abril de 2014, quando bateu o AZ em Alkmaar por 1-0, graças a um golo de Salvio, nos quartos-de-final da Liga Europa. Depois disso, empatou a zero com a Juventus em Turim, voltou a empatar a zero com o Sevilha (no mesmo estádio), perdeu em Leverkusen por 3-1 (outro golo de Salvio), empatou a zero no Mónaco e perdeu por 1-0 em S. Petersburgo com o Zenit.   - Já o Atlético não sofre um golo em casa nas provas europeias desde 11 de Março de 2014, quando ali ganhou ao Milan por 4-1 (marcou Kaká pelos italianos). Depois desse dia, ganhou por 1-0 ao Barcelona, empatou a zero com o Chelsea, venceu Juventus (1-0), Malmö (5-0), Olympiakos (4-0) e Leverkusen (1-0) e empatou sem golos com o Real Madrid. - Fernando Torres, avançado do Atlético, marcou ao Benfica na final da Liga Europa de 2013, ajudando o Chelsea a vencer por 2-1. Mas ficou em branco nos dois encontros da equipa londrina frente aos benfiquistas nos quartos-de-final da Champions de 2012.   - Há vários jogadores com ligação aos dois clubes neste desafio. Os benfiquistas Jiménez, Salvio, Pizzi e Sílvio já representaram o Atlético de Madrid, ao passo que os colchoneros Oblak, Siqueira e Tiago já vestiram a camisola do Benfica.    
2015-09-29
LER MAIS

Artigo

- O Sporting não ganhava um jogo em período de compensação desde 11 de Janeiro, quando um livre de Tanaka lhe valeu uma vitória por 1-0 em Braga. Para encontrar uma vitória em tempo de compensação com um golo de penalti é preciso recuar até 8 de Fevereiro de 2006, data de um jogo em casa com o Paredes, para a Taça de Portugal, em que o 2-1 final surgiu aos 90+2’ numa grande penalidade convertida por João Moutinho.   - Adrien vai numa série de seis grandes penalidades consecutivamente convertidas. A última vez que falhou foi a 11 de Maio de 2014, na jornada de despedida da Liga, quando permitiu a defesa a Vagner (Estoril). Desde então, marcou a Schalke, Estoril, Marítmo, V. Guimarães, Sp. Braga e Tondela.   - Ao fazer o golo do Tondela, Luís Alberto sucedeu a Bruno Amaro (Arouca), Pinheiro (Trofense), Bruno Fogaça (Naval), João Duarte (Moreirense) e Gamboa (Santa Clara) na honra de fazer o primeiro golo da sua equipa na Liga portuguesa. Dos seis, só Fogaça e João Duarte não o fizeram na baliza do Sporting.   - Ao bisar frente ao V. Guimarães, Aboubakar conseguiu algo que Jackson Martínez nunca foi capaz de fazer na primeira jornada das três Ligas que disputou. O colombiano, aliás, ficou mesmo em branco na abertura de 2012/13, um empate a zero frente ao Gil Vicente, e marcou apenas uma vez na estreia das duas derradeiras Ligas. Mas Jackson tem uma Liga a marcar sempre nas primeiras cinco jornadas e isso Aboubakar ainda terá de tentar.   - O FC Porto obteve a 10ª vitória consecutiva frente ao V. Guimarães no Dragão, um recorde entre as equipas que estão na edição deste ano da Liga. Desde Fevereiro de 2005 que o V. Guimarães não pontua no terreno dos azuis e brancos: na altura empatou a zero.   - Varela fez um o primeiro golo no Dragão desde 19 de Janeiro de 2014. Na altura obteve o segundo de uma vitória que também ficou pelos 3-0 e contra outro Vitória: o de Setúbal. Da equipa do FC Porto que alinhou nesse dia só restaram no jogo de sábado ele, Alex Sandro e Maicon.   - Armando Evangelista entrou na Ligada pior maneira: com uma derrota por 3-0 no Dragão. A última vez que o V. Guimarães estreara um técnico na Liga antes desta correra igualmente mal: em 2011/12, Manuel Machado saiu após a primeira jornada e a equipa ficou entregue ao seu adjunto Basílio Marques, que a 28 de Agosto de 2011 se estreou com uma derrota por 3-0, em casa, com o Beira Mar. Na jornada seguinte entrou em funções Rui Vitória.   - Mitroglu e Nelson Semedo fizeram um golo cada um, na estreia na Liga portuguesa. O último jogador a estrear-se com golo pelo Benfica tinha sido Jonas, que entrou ao intervalo para o lugar de Lima e fez o quarto numa vitória também ela por 4-0 frente ao Arouca, a 5 de Outubro de 2014. Curioso é que também nesse jogo o Benfica só abriu o ativo aos 75’.   - Jonas obteve frente ao Estoril o oitavo bis com a camisola do Benfica. O primeiro deles, aliás, foi mesmo um hat-trick, contra o Sp. Covilhã, na Taça de Portugal (vitória benfiquista por 3-2), naquele que foi o seu segundo jogo pelos encarnados. Desde esse desafio, o brasileiro bisou mais sete vezes, contra Moreirense, Estoril, Nacional, Académica, Belenenses, Marítimo e, de novo agora, Estoril.   - Os 4-0 ao Estoril são o melhor arranque de Liga do Benfica desde 1997, quando a equipa liderada por Manuel José se impôs ao Campomaiorense, na Luz, pelo mesmo resultado (golos de Calado, João Pinto e bis de Paulo Nunes). Para encontrar uma abertura com vitória por mais de quatro golos é preciso recuar a 1975 e a um 9-1 ao Leixões, com cinco golos de Nené, dois de Moinhos, um de Shéu e outro de Toni.   - O Estoril segue numa série horrível de 12-0 em visitas à Luz, depois do empate a um golo que ajudou os encarnados a perder o campeonato de 2012/13. Nas três épocas seguintes, os canarinhos perderam por 2-0, 6-0 e agora 4-0. Aliás, a equipa agora dirigida por Fabiano Soares tem sido freguesa habitual dos grandes sempre que os visita. Desde que, ainda com Marco Silva aos comandos, ganhou em Alvalade ao Sporting na despedida da Liga de 2013/14, vai com uma série de resultados amplos consecutivos: 3-0 em Alvalade, 6-0 na Luz, 5-0 no Dragão e agora 4-0 na Luz. Em todos esses jogos teve um penalti contra…   - Os três grandes ganharam os seus jogos na jornada de abertura na Liga. Algo que não acontecia há 21 anos, desde que, em 1994, o Sporting venceu fora o Farense (2-0, com golos de Juskowiak e Sá Pinto), o Benfica bateu o Beira Mar em Torres Novas (também 2-0, com golos de Paneira e Clóvis) e o FC Porto se impôs em casa ao Sp. Braga (ainda 2-0, com tentos de Rui Filipe e Kostadinov).   - Os 29 golos marcados nos nove jogos da primeira jornada da Liga são o arranque mais goleador desde 1996, quando em igual número de partidas se fizeram 34 tentos. A média de golos por jogo, porém, já tinha vindo a crescer nas últimas duas épocas, tendo há dois anos estado também acima dos três golos por jogo (26 em oito jogos).   - O Sp. Braga conseguiu, frente ao Nacional, a primeira virada da Liga (de 0-1 para 2-1). Curioso é que a última virada do Sp. Braga tinha acontecido no mesmo local e frente ao mesmo adversário: de 0-1 para 3-1 a 28 de Fevereiro de 2015, contra o Nacional, na 22ª jornada da última Liga.   - Gonçalo Brandão marcou ao Rio Ave o seu primeiro golo desde 18 de Outubro de 2003, data em que assinou o tento belenense na derrota em casa frente ao FC Porto, por 4-1. Desde então, além do Belenenses, representou Charlton, Siena, Parma e Cluj, mas nem por uma vez fez um golo.   - Os 3-3 no Restelo assinalaram a terceira época consecutiva do Rio Ave a marcar três golos no campo do Belenenses. Na época passada os vila-condenses tinham ganho por 3-1 e há dois anos por 3-0. Ponto comum às duas vitórias foram golos de Del Valle, o venezuelano entretanto emigrado para o Kasimpasa, da Turquia.   - Espetacular recuperação do Boavista em Setúbal: de 0-2 para 2-2 com um jogador a menos, por expulsão de Idris, aos 69'. O Boavista não recuperava um resultado num jogo que tenha acabado em inferioridade numérica na Liga desde 5 de Novembro de 2005, quando depois da expulsão de Areias, um golo de João Pinto, aos 87', valeu um empate (1-1) ante o Belenenses no Restelo. Na época passada, em casa contra o Rio Ave, também recuperou de 0-1 para 1-1 depois da expulsão de Beckeles, mas o jogo acabou dez contra dez, pois também foi expulso o vila-condense Prince.   - Nuno Coelho (Arouca) abriu em Moreira de Cónegos o caminho à vitória do Arouca, com um golo de cabeça que apenas o segundo na Liga. Sempre que ele marcou, porém, o Arouca ganhou: já tinha sido ele a garantir a vitória em casa ante o V. Setúbal, em Janeiro último (1-0).   - O dérbi da Madeira, com Breitner (U. Madeira) e Briguel (Marítimo) em campo (e não jogava a RFA de 1982…) sorriu à equipa azul e amarela. Não é novidade o Marítimo perder (já tinha saído derrotado nas últimas três visitas ao Nacional. Mas é novidade o U. Madeira ganhar: nos cinco anos que o União passara na I Liga empatara sempre em casa com o Marítimo e perdera nas deslocações aos Barreiros.   - A derrota em Paços de Ferreira significou o 10º jogo seguido sem ganhar na Liga para a Académica de José Viterbo. O treinador, que foi tão importante na recuperação, ganhando três dos primeiros quatro jogos, está ainda a cinco jogos de igualar o recorde de 15 sem vitória que custou o lugar a Paulo Sérgio, antes de ele entrar.
2015-08-17
LER MAIS