PESQUISA 

Último Passe

A imagem da noite no Estádio da Luz é a de Luisão a apontar para a palavra “Respect” inscrita pela UEFA na manga de todas as camisolas das equipas participantes na Liga dos Campeões, depois de marcar o golo que deixa o Benfica com a certeza quase absoluta de que estará nos oitavos de final da competição. É coisa de capitão, de quem sente que esta equipa precisa de quem a puxe para cima, de quem quer instigar um momento de união fruto da revolta coletiva. Mas a verdade é que não foi isso o que de melhor se viu do Benfica na vitória por 2-1 sobre o Galatasaray. Essa união pode ter sido decisiva, por exemplo, quando Eliseu e o próprio Luisão fecharam a porta a Yasin Öztekin, impedindo-o de fazer o que seria o golo de um injusto empate. Mas aí já o Benfica estava com dez, fruto da expulsão de Gaitán, a resistir como podia a uma equipa turca que saiu pior do que a encomenda e que, tivesse tudo corrido com normalidade, podia já estar a uma distância superior a um golo, tantas foram as situações que os encarnados desperdiçaram para chegar ao terceiro tento. Quando foi preciso resistir, na verdade, o Benfica resistiu. Mas a verdade é que não devia ter sido preciso chegar a tanto. Contra um adversário que mostrou sempre estar satisfeito com o empate, o Benfica mostrou algumas lacunas, sobretudo na primeira parte, em que não imprimiu ao jogo um ritmo e uma continuidade que o favorecessem: falou nessa altura um dínamo a meio-campo, que não pode ser André Almeida nem Talisca. Mas também exibiu novas soluções, como o aparecimento frequente de Gonçalo Guedes na posição de ponta-de-lança, tanto vindo da direita como da esquerda, a provocar desequilíbrios constantes na organização defensiva dos turcos, porque permitia a Jonas baixar no campo e abria o corredor às investidas de um lateral que Sílvio, contudo, nunca soube ser. No final, o melhor foi mesmo o resultado, mas a verdade é que mesmo sem uma grande exibição o Benfica podia muito bem ter conseguido números amplos sobre o Galatasaray. É por ser melhor equipa que vai estar nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Não é por uma questão de respeito.
2015-11-03
LER MAIS

Stats

O Benfica recebe o Galatasaray naquele que é o jogo decisivo para definir o seu futuro na Liga dos Campeões. Os encarnados seguem com seis pontos e, olhando para as últimas edições da prova, isso chegou para apurar 34 das 37 equipas que chegaram a esta fase com tamanho pecúlio. Todos os anos há uma equipa que sai a matar e acaba a morrer. Na época passada foi o Olympiakos, que somou apenas três pontos na segunda volta, perdendo o quarto jogo, e por isso mesmo terminou o seu grupo em terceiro lugar. As outras dez equipas que somaram pelo menos seis pontos nos primeiros três jogos da última Liga dos Campeões acabaram por se apurar. Foi o caso de Atlético Madrid (tinha seis, acabou com 13), Real Madrid (de nove para 18), Leverkusen (de seis para dez), Borussia Dortmund (de nove para 13), Arsenal (de seis para 13), Bayern (de nove para 15), Barcelona (de seis para 15), Paris St. Germain (de sete para 13), Chelsea (de sete para 14) e FC Porto (de sete para 14). Ponto comum a todas: não perderam o quarto jogo. Aliás, das dez, só duas não o ganharam: o Arsenal, que empatou em Londres com o Arnderlecht (3-3) e o Chelsea que foi empatar fora com o Maribor (1-1). Não é comum uma equipa ser eliminada na fase de grupos com seis pontos somados ao fim dos primeiros três jogos, mas a verdade é que isso tem acontecido a uma todos os anos. Andando mais para trás, encontram-se outros casos. Em 2013/14, calhou a fava ao Napoli, única das 13 equipas que chegaram à quarta jornada com seis pontos a ficar pelo caminho. Aconteceu, contudo, num grupo atípico, pois o Ol. Marselha perdeu todos os seus jogos e Borussia Dortmund, Arsenal e Napoli acabaram os três com 12 pontos. Alguém tinha de cair… E em 2012/13, das 13 equipas que fizeram pelo menos seis pontos nos primeiros três jogos, a infelicidade tocou ao Bate Borisov, que perdeu as três partidas daí até final e acabou relegado para a Liga Europa.   - Gaitán marcou três golos nas primeiras três partidas europeias da época do Benfica, picando sempre o ponto. O último a consegui-lo tinha sido Nolito, que em Julho e Agosto de 2011 marcara sucessivamente nos dois jogos com o Trabzonpor (2-0 em casa e 1-1 fora) e na visita ao Twente (2-2). O último jogador a marcar nos primeiros quatro jogos europeus do Benfica numa época foi José Torres, na Taça dos Campeões de 1964: fez um póquer ao Aris, no Luxemburgo (5-1), e mais um golo na vitória da segunda mão (outra vez 5-1), e depois, na segunda eliminatória, marcou o golo benfiquista no empate frente ao La Chaux de Fonds (1-1 na Suíça) e fechou a contagem nos 5-0 em casa frente a esta mesma equipa.   - Samaris não pode jogar, por ter visto dois cartões amarelos nas primeiras três jornadas. Será o décimo jogo do Benfica sem o grego desde que ele chegou, o terceiro nesta época, onde já faltou às vitórias sobre Estoril (4-0) e Vianense (2-1). Desses nove jogos, o Benfica ganhou seis, empatou dois (0-0 com o V. Guimarães, na festa do título anterior, e com o Leverkusen, na despedida europeia da época passada) e perdeu um (1-2 com o Sp. Braga em casa, para a Taça de Portugal).   - Benfica e Galatasaray já se defrontaram duas vezes, ambas com vitórias dos turcos. A estreia foi na fase de grupos da Liga Europa de 2008/09, quando os jogos eram só a uma mão, e o Galatasaray se impôs na Luz por 2-0, com golos de Emre Azik e Umit Karan. Dos jogadores que atuaram nesse 6 de Novembro de 2008, restam nos dois planteis Luisão (Benfica) e Hakan Balta e Sabri Sarioglu (Galatasaray). Mais recentemente, o Galatasaray venceu o Benfica por 2-1 em Istambul, na terceira jornada da presente Liga dos Campeões.   - O Galatasaray foi mesmo a única equipa turca a ganhar na Luz. Os outros quatro visitantes deixaram Lisboa vergados ao peso de derrotas e eliminações. O Fenerbahçe perdeu por 7-0 na Taça dos Campeões de 1975/76 e por 3-1 na meia-final da Liga Europa de 2012/13. O Altay foi batido por 4-0 na eliminatória preliminar da Taça das Taças de 1980/81 e o Trabzonspor por 2-0 na ronda preliminar da Liga dos Campeões de 2011/12.   - Além disso, o Galatasaray também ganhou na sua outra visita a Portugal: à já citada vitória sobre o Benfica, na Luz, junta-se outra, em Braga, por 2-1, com golos de Burak Yilmaz e Aydin Yilman, depois de Mossoró ter adiantado os bracarenses.   - O Benfica já marcou 18 golos na Luz esta época, em seis jogos que ali realizou, mas vem da primeira partida em branco (0-3 com o Sporting) desde Abril, quando ali empatou com o FC Porto (0-0), e da primeira derrota desde Dezembro do ano passado, quando foi eliminado da Taça de Portugal pelo Sp. Braga (1-2).   - O Galatasaray vem de oito jogos seguidos sem derrotas, desde que recebeu e foi batido pelo Atlético de Madrid, na abertura desta edição da Liga dos Campeões (0-2, a 15 de Setembro). Não conseguia uma série de invencibilidade tão grande desde Março, quando encalhou ao nono jogo, frente ao Fenerbahçe (0-1, na Liga turca).   - Os turcos vão também com nove deslocações europeias consecutivas sem vencer. A última vitória foi a 12 de Março de 2013, em Gelsenkirchen, frente ao Schalke, por 3-2, graças a um golo de Umut Bulut no último minuto do jogo. Nesse jogo também marcaram Altintop e Burak Yilmaz.   - Carole, defesa esquerdo do Galatasaray, já representou o Benfica, em 2010/11. Foi o terceiro jogador a jogar nos turcos depois de ter vestido a camisola encarnada, tendo os outros sido o lateral Abel Xavier e o médio ou defesa central Fernando Meira. O caminho inverso foi feito apenas pelo galês Dean Saunders, que jogou no Benfica em 1998/99 depois de ter estado no Galatasaray em 1995/96.  
2015-11-02
LER MAIS

Último Passe

A jornada de hoje da Liga dos Campeões prova que é mais fácil a um treinador tirar o golo a um super-craque como Cristiano Ronaldo do que a outro transformar alguns jogadores pouco mais que banais em estrelas de dimensão galática. A derrota do Benfica em Istambul, por 2-1, com o Galatasaray, não adquire dimensão de drama, porque os três pontos conquistados em Madrid na ronda anterior permitem aos encarnados manter uma posição privilegiada, mas a equipa de Rui Vitória ficou a dever a si própria uma excelente oportunidade para deixar as contas do grupo praticamente encerradas. Tê-la-á de novo daqui a 15 dias, na Luz, nessa altura já sem a mesma margem de erro.A ideia que fica desta equipa do Benfica é a de que há ali material de primeira, mas que os pontos fracos estão à espreita atrás de todas as portas. Em Istambul, depois de um início de sonho, mais uma vez fruto da ligação entre Jonas e Gaitán, as duas maiores estrelas da equipa, os homens que a fazem subir de nível, a equipa do Benfica acumulou erros numa primeira parte em que deixou que o Galatasaray virasse o marcador  e, mesmo melhorando no segundo tempo, foi só graças à boa exibição de Júlio César (a sua terceira estrela) que evitou que o resultado assumisse contornos que podiam deixar sequelas para o derbi de domingo. Rui Vitória teve razão quando destacou que os detalhes ganham e perdem jogos a este nível: e se lhe tinham ganho o desafio de Madrid, perderam-lhe o de Istambul.O treinador do Benfica tem matéria prima para ir em busca do sonho de construir uma boa equipa. Tem de manter o rumo, a aposta no crescimento da juventude que tem ao dispor (e os 11-1 dos sub-20 na UEFA Youth League deixam-lhe as melhores perspectivas) mas iludem-se os que pensam que já tem essa equipa feita. As grandes equipas levam tempo a construir. Muito mais do que aquele que é preciso para as demolir. Mas isso é conversa para outro dia.
2015-10-21
LER MAIS

Stats

O Benfica procura em Istambul o arranque perfeito que nunca protagonizou na Liga dos Campeões, com a terceira vitória consecutiva a abrir. Os encarnados já não ganham três jogos europeus de seguida desde Abril de 2014, quando bateram sucessivamente o AZ Alkmaar (1-0 fora e 2-0 em casa) e a Juventus (2-1 em casa) a caminho da final da Liga Europa que acabaram por perder frente ao Sevilha, nas grandes penalidades. Na Liga dos Campeões não conseguem três sucessos seguidos desde 2005/06, quando garantiram o apuramento para os oitavos-de-final com uma vitória por 2-1 frente ao Manchester United, na Luz, derrotando depois o Liverpool por 1-0 em casa e por 2-0 fora. A equipa de Rui Vitória começou esta campanha na Liga dos Campeões com uma vitória por 2-0 na Luz frente ao Astana, indo depois ganhar ao Atlético de Madrid no Vicente Calderón por 2-1. O encontro com o Galatasaray pode assim garantir a terceira vitória consecutiva e nos primeiros três jogos internacionais da época. E para encontrar um arranque tão forte dos encarnados nas provas internacionais já é preciso recuar 20 anos, a 1995/96, quando a equipa comandada por Mário Wilson venceu os dois jogos da primeira eliminatória da Taça UEFA frente ao Lierse (3-1 fora e 2-1 em casa), impondo-se depois ao Roda, na Luz, por 1-0, fez 20 anos exatos no último sábado. Na Liga dos Campeões, o Benfica nunca ganhou os primeiros três jogos da fase de grupos, ainda que tenha vencido os primeiros seis no formato antigo, da Taça dos Campeões Europeus, em 1989/90: 2-1 e 4-0 ao Derry City; 2-0 e 7-0 ao Honved, 1-0 e 3-0 ao Dniepr, antes da derrota por 2-1 em Marselha. A única equipa portuguesa a ter ganho os primeiros três jogos da fase de grupos de uma edição da Liga dos Campeões foi o FC Porto, que até o fez por duas vezes. Em 2012/13 começou por vencer fora o Dynamo Zagreb (2-0), para depois se impor em casa ao Paris Saint Germain (1-0) e ao Dynamo Kiev (3-2) antes de empatar a zero em Kiev na quarta jornada. Mas em 1996/97 até ganhou as primeiras quatro partidas: 3-2 ao Milan em San Siro, 2-1 em casa ao IFK Goteborg e 1-0 e 3-0 no duplo confronto com o Rosenborg, antes de um empate a um golo com o Milan nas Antas.   - Pedro Proença foi o árbitro na última vitória internacional do Galatasaray, um jogo com a Juventus, a 11 de Dezembro de 2013, que os turcos ganharam por 1-0, graças a um golo de Wesley Sneijder a 5 minutos do fim. A vitória, obtida em circunstâncias muito difíceis, pois o jogo teve de ser adiado devido a um forte nevão, permitiu a qualificação da equipa então dirigida por Roberto Mancini para os oitavos-de-final da Champions. Desde então, o Galatasaray não ganhou nenhum dos dez jogos europeus que fez, empatando três e perdendo sete (três deles em casa).          - Benfica e Galatasaray só se defrontaram uma vez, na Luz, na fase de grupos da Liga Europa de 2008/09, quando os jogos eram só a uma mão. Ganharam os turcos por 2-0, com golos de Emre Azik e Umit Karan. Dos jogadores que atuaram nesse 6 de Novembro de 2008, restam nos dois planteis Luisão (Benfica) e Hakan Balta e Sabri Sarioglu (Galatasaray).   - O Benfica nunca ganhou na Turquia, onde empatou dois jogos e perdeu outros dois. As derrotas foram sempre aos pés do Fenerbahçe: ambas por 1-0, na Taça dos Campeões de 1975/76 e na meia final da Liga Europa de 2012/13. Os empates sucederam em eliminatórias preliminares, frente ao Altay (0-0 na Taça das Taças de 1980/81) e ao Trabzonspor (1-1 na Liga dos Campeões de 2011/12). Os encarnados saíram sempre a sorrir, pois ganharam os jogos em casa nas quatro ocasiões.   - O Galatasaray perdeu na única vez que jogou em casa com uma equipa portuguesa. Foi o Sp. Braga quem foi ganhar à Arena do Galatasaray, em Outubro de 2012: Ruben Micael e Alan fizeram os dois golos de uma vitória por 2-0. Em contrapartida, o Galatasaray ganhou nas duas vezes que jogou em Portugal: à já citada vitória sobre o Benfica, na Luz, junta-se outra, em Braga, por 2-1, com golos de Burak Yilmaz e Aydin Yilman, depois de Mossoró ter adiantado os bracarenses.   - Carole, defesa esquerdo do Galatasaray, já representou o Benfica, em 2010/11. Foi o terceiro jogador a jogar nos turcos depois de ter vestido a camisola encarnada, tendo os outros sido o lateral Abel Xavier e o médio ou defesa central Fernando Meira. O caminho inverso foi feito apenas pelo galês Dean Saunders, que jogou no Benfica em 1998/99 depois de ter estado no Galatasaray em 1995/96.
2015-10-20
LER MAIS