PESQUISA 

Último Passe

A primeira derrota do Sporting na Liga, inesperadamente surgida frente ao U. Madeira, por 1-0, na Choupana, apareceu num jogo que os leões dominaram de início ao fim e no qual até falharam ocasiões de golo suficientes para ganhar com algum à-vontade, mas veio confirmar a tendência de perda que a equipa de Jorge Jesus vinha revelando nas últimas semanas, naquela série de vitórias arrancadas a ferros por 1-0. Um golo de Danilo Dias, provavelmente na única vez que o União foi até à baliza de Rui Patrício, e um punhado de grandes defesas de André Moreira fizeram o resultado final de um jogo em que o individual se sobrepôs ao coletivo, deixando a liderança leonina à mercê do resultado que o FC Porto fizesse a seguir, em casa, contra a Académica. O União levou para o campo o mesmo autocarro que já lhe tinha valido um empate a zero com o Benfica, na terça-feira: linha de quatro homens atrás, com três médios de trabalho à frente deles no corredor central e os extremos obrigados a baixar para fechar as laterais. Parte do seu sucesso foi, portanto, coletivo: nasceu na união e na organização defensiva. A questão é que, mercê das suas habituais combinações triangulares, o Sporting até teve muito mais situações de finalização na área do que as que tinha conseguido o Benfica. Mas ou os remates saíam desenquadrados ou aparecia André Moreira, o super-inspirado condutor do veículo, absolutamente inultrapassável nesta noite, a detê-los, mantendo o zero nas suas redes. Ao Sporting terá faltado alguma frescura física – que a equipa deixou em Braga, nos 120 minutos de quarta-feira. Slimani foi menos intenso, Jefferson e Ruiz apareceram pouco… O perigo leonino saía quase sempre do flanco direito, onde estavam Esgaio (poupado em Braga) e Gelson (que só jogou 60 minutos nessa partida), o que dixa pensar que no resto do campo havia jogadores fatigados e que parte do insucesso terá de encontrar explicação no facto de Jesus ter deixado de rodar totalmente a equipa numa sequência de quatro jogos em 11 dias (Besiktas, Moreirense, Sp. Braga e U. Madeira). Daí a ansiedade dos responsáveis leoninos, a pressa para contarem com os reforços de Inverno. Só que a este Sporting não falta só acrescentar em números: é preciso acrescentar em qualidade também, é preciso ter quem resolva individualmente os jogos que o coletivo não ganha.
2015-12-20
LER MAIS

Stats

O Sporting recebe os albaneses do Skenderbeu com a obrigatoriedade de vencer se quer manter aspirações a seguir em frente na Liga Europa. Na verdade, os leões só ficaram pelo caminho na fase de grupos desta competição uma vez, na terrível época de 2012/13, durante a qual também registaram a segunda pior série de jogos seguidos sem ganhar nas provas europeias: cinco. Para já, as duas derrotas por 3-1 com CSKA e Lokomotiv de Moscovo e o empate a uma bola com o Besiktas em Istambul mantém a série corrente em três. Apenas três? Não. O sucesso na prova depende da capacidade para interromper já esta série. Em toda a sua história europeia, os leões já conheceram três séries de seis desafios sem ganhar na Europa. Uma em 2000/01 (os seis jogos na Champions, com Real Madrid, Leverkusen e Spartak Moscovo), outra dividida entre 2006/07 e 2007/08 (dois jogos com o Spartak Moscovo, dois com o Bayern, um com o Inter Milão e um sexto já na nova temporada, com o Manchester United) e a mais recente em 2008/09. Nesta última, o Sporting de Paulo Bento até passou pela primeira (e até hoje única) vez a fase de grupos da Champions, mas nos oitavos-de-final baqueou com estrondo ante o Bayern de Munique, com derrotas por 5-0 em Alvalade e 7-1 na Baviera. Somados a estas duas derrotas, os quatro empates com que arrancou para a temporada europeia de 2009/10 (0-0 e 1-1 com o Twente; 2-2 e 1-1 com a Fiorentina) valeram os tais seis jogos sem ganhar, antes dos 3-2 infligidos fora de casa ao Heerenveen. Para ficar de fora na fase de grupos da Liga Europa de 2012/13, o Sporting nem precisou de tanto. Começou por empatar em casa com o Basileia (0-0), para depois perder fora com o Videoton (0-3) e o Genk (1-2). O empate caseiro com o Genk (1-1) e a derrota em Basileia (0-3) deixaram a equipa verde-e-branca sem hipóteses de progressão, mesmo tendo ganho o sexto jogo, em casa, ao Videoton (2-1). Desta vez, é bem provável que um quarto jogo sem ganhar, a somar às derrotas com as duas equipas moscovitas e ao empate com o Besiktas chegue para causar sérios danos às aspirações europeias do Sporting de Jesus.   - Jorge Jesus cumprirá o 100º jogo como treinador nas competições europeias. Dos 99 que já fez, ganhou 50, empatou 22 e perdeu 27. O primeiro fê-lo ao comando do Estrela da Amadora, na Taça Intertoto, em 1998/99, frente aos polacos do Ruch Chorzow, tendo-lhes depois juntado mais dois no Belenenses, em 2007, 14 no Sp. Braga, 78 no Benfica e quatro no Sporting. Por competição, soma 40 desafios na Liga dos Campeões, 56 na Taça UEFA ou Liga Europa e três na Taça Intertoto. O mais que esteve foram cinco jogos seguidos sem ganhar na Europa, por duas vezes.   - O Sporting ganhou o último jogo europeu que fez sem Rui Patrício na baliza. Foi a 7 de Dezembro de 2012, na Liga Europa, em Alvalade, contra o Videoton. Jogou Marcelo Boeck – do atual plantel também Esgaio esteve em campo, fazendo nesse dia a sua estreia pela equipa principal – e os leões ganharam por 2-1.   -O Skenderbeu perdeu os derradeiros quatro jogos internacionais. Na fase de grupos da Liga Europa foi batido em casa pelo Besiktas por 1-0 e fora pelo Lokomotiv Moscovo por 2-0. Antes disso, no play-off da Liga dos Campeões, tinha sido duas vezes derrotado pelo Dynamo Zagreb: 4-1 em Zagreb e 2-1 em Elbasan. A última vitória europeia do Skenderbeu aconteceu a 5 de Agosto, por 2-0, em casa, na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões, frente ao Milsami Orhei, com arbitragem do português Soares Dias.   - Tal como o Sporting, também o Skenderbeu lidera ex-aequo a Liga albanesa. Tem 19 pontos em sete jogos, os mesmos que o Partizan Tirana, correspondentes a seis vitórias e um empate.   - Nunca nenhuma equipa albanesa conseguiu ganhar ou sequer marcar um golo a uma equipa portuguesa nas provas da UEFA. O melhor resultado obtido por clubes albaneses foi o empate a zero do Dinamo de Tirana frente ao Sporting, na capital albanesa, a 23 de Outubro de 1985 (faz 30 anos na sexta-feira). O Sporting passou a eliminatória, ganhando por 1-0 na segunda mão, graças a um golo de Venâncio.   - Depois dessa eliminatória entre Sporting e Dinamo, houve apenas mais um jogo entre clubes portugueses e albaneses. O Benfica ganhou por 4-0 na Luz ao Partizan Tirana, mas o mau comportamento dos jogadores visitantes (quatro expulsões), levaram a UEFA a anular a segunda mão.
2015-10-21
LER MAIS

Último Passe

A vitória do Sporting em Coimbra foi, além de natural e justa, um pretexto para Jorge Jesus tirar uma série de conclusões acerca da sua equipa. E uma delas é a de que nem tudo tem de funcionar como quando o técnico dirigia o Benfica, pois os leões têm a sua especificidade.Por exemplo. Slimani é um ponta de lança alto e forte no jogo aéreo, mas não é Cardozo, que era sempre quem saltava fora quando o Benfica queria resguardar-se um pouco. Ao invés de Cardozo, Slimani não é só o ponta-de-lança com mais DNA goleador. É também quem mais corre, para dar profundidade e até largura no ataque, e quem mais defende, tornando-se o homem fundamental nas transições defensivas da equipa. Por isso, se a equipa quer defender melhor, não é Slimani o homem a abater.Depois, se no Benfica não colocava sequer a hipótese de deixar de fora os jogadores mais experientes para dar a titularidade aos miúdos, já no Sporting Jesus verifica que não só pode como deve fazê-lo. Era óbvio que Carlos Mané vinha reclamando a titularidade a meias com Ruiz - que não respondeu bem à carga de jogos bissemanais - ou que João Pereira já reclamava um dia de repouso para assentar ideias (mesmo tendo sido forçado) e que Esgaio poderia substituí-lo sem perda de qualidade. Em Coimbra, ambos responderam à chamada e foram importantes para a equipa.Por fim, é evidente que João Mário já é, a par de Bernardo Silva, bem mais que o melhor projeto do atual futebol português. Na Luz, Jesus nunca teve espaço para dar ao médio que rumou ao Mónaco. Mas em Alvalade terá de ser diferente e João Mário tem boas chances de manter o lugar, mesmo depois do regresso de William e da entrada de Aquilani no seu ritmo de competição.
2015-08-30
LER MAIS

Stats

O Sporting recebe o Paços de Ferreira em jogo entalado entre as duas partidas contra o CSKA Moscovo, que numa semana vão decidir o futuro dos leões na Liga dos Campeões. No histórico recente, os leões não se têm dado mal com este tipo de calendário: ganharam sete das dez últimas partidas de campeonato que fizeram entre dois jogos europeus, uma delas precisamente contra o Paços de Ferreira.Foi em Fevereiro de 2012 que, entre os dois jogos contra o Legia de Varsóvia, na caminhada que a levou à meia final da Liga Europa, a equipa leonina se impôs ao Paços de Ferreira em Alvalade por 1-0. Valeu na altura um autogolo de Ricardo, na sequência de um livre de Schaars que o guardião pacense socou contra o peito do defesa, fazendo a bola entrar nas redes no ressalto. Tal como agora sucede com Jorge Jesus, o treinador leonino da altura – Ricardo Sá Pinto – estava a iniciar carreira à frente da equipa, depois de ter substituído Domingos Paciência: tinha-se estreado na primeira mão da eliminatória contra os polacos, um 2-2 em Varsóvia, e carimbou o apuramento europeu ao terceiro jogo, ganho em casa ao Legia por 1-0, depois da tal vitória contra o Paços de Ferreira.Das dez últimas partidas de Liga entaladas entre compromissos europeus, os leões fizeram seis em casa, tal como agora sucederá contra o Paços de Ferreira. Curiosamente, foi em Alvalade que encaixaram as duas derrotas únicas neste período: 0-1 contra o Rio Ave a meio de uma eliminatória preliminar ganha ao Horsens, em Agosto de 2012, e 0-2 ante o Benfica entre os jogos de uma ronda europeia perdida contra o Glasgow Rangers, em Fevereiro de 2011. Essa eliminatória contra os escoceses foi uma de quatro que a equipa verde-branca perdeu, tendo a derradeira sucedido em Fevereiro último, contra o Wolfsburg. - O Paços de Ferreira tem sido um adversário historicamente complicado para o Sporting em Alvalade: em 12 jogos ali feitos para a Liga, só perdeu sete. E esta tendência tem-se agravado ultimamente, pois desde Setembro de 2009 que os leões não conseguem duas vitórias seguidas contra os castores: o Paços ganhou em Alvalade em 2010/11 e em 2012/13 e empatou em 2014/15. Seguindo a regra da alternância, esta seria época de vitória do Sporting. - Freddy Montero marcou nas duas últimas visitas do Paços de Ferreira a Alvalade: fez o golo leonino no empate a uma bola na época passada e apontou dois nos 4-0 de 2013/14. O Paços de Ferreira é, com três golos marcados, um dos seus adversários prediletos, apenas suplantado pelo Arouca, a quem fez quatro. - Do outro lado, era o peruano Hurtado (atualmente jogador do Reading) o talismã do Paços de Ferreira, pois já marcou duas vezes em Alvalade (um golo no 1-1 da época passada e outro na vitória pacense por 1-0 em 2012/13). - As duas últimas vitórias do Paços de Ferreira em Alvalade para a Liga fizeram estragos. A 15 de Janeiro de 2011 (3-2, com golos de Samuel, Manuel José e Pizzi a sobreporem-se a tentos de Liedson e Diogo Salomão), o resultado foi a gota de água que levou à demissão de José Eduardo Bettencourt, presidente do clube e da SAD. A 5 de Janeiro de 2013 (1-0, golo de Hurtado), a derrota dos leões fez cair os leões para o 12º lugar da Liga e provocou a substituição de Frankie Vercauteren por Jesualdo Ferreira. - Ricardo Esgaio pode voltar a enfrentar o adversário que lhe assinalou a estreia na Liga; alinhou um minuto, em substituição de Cédric, na derrota do Sporting, em casa, ante o Paços de Ferreira, por 0-1, em Janeiro de 2013. - Jorge Simão, jovem treinador do Paços de Ferreira, completa o circuito dos grandes, depois de ao serviço do Belenenses, sempre no Restelo, já ter perdido (0-2) com o Benfica (de Jesus) e empatado (1-1) com o FC Porto, em jogo que deu o título aos encarnados. - O primeiro jogador expulso por Manuel Oliveira, árbitro do jogo, na Liga foi Hélder Lopes, do Paços de Ferreira. Aconteceu num empate do Paços em Guimarães, na época passada, ao 14º jogo que este juiz dirigiu na competição.
2015-08-20
LER MAIS