PESQUISA 

Último Passe

Dentro de todo o equilíbrio com que indiscutivelmente analisou a derrota do Benfica no Funchal, frente ao Marítimo, Rui Vitória disse não aceitar que alguém viesse considerar que os donos da casa tinham tido o domínio do jogo. “Não posso deixar que se diga que o Marítimo foi a melhor equipa”, sentenciou. São duas coisas diferentes, porém. Claro que o Marítimo não teve o domínio de jogo – nem o queria, de resto. Mas nunca devemos estar à espera que quem quer seja na nossa Liga precise ou procure esse domínio de jogo quando quer ganhar a um dos grandes do futebol português. Foi o caso hoje, num jogo cuja chave foi a troca da confiança pelo sentimento de fatalidade iminente que a sucessão de finais provocou nos encarnados. Usando a expressão também hoje elaborada por Nuno Espírito Santo, na antevisão do FC Porto-Sp. Braga, o Marítimo teve uma ideia para o jogo e defendeu-a como podia. A ideia não era atraente, não leva gente aos estádios, no final aproximou-se perigosamente do anti-jogo – como se aproximam todos os jogos em que os pequenos estão quase a bater o pé aos grandes, ainda que os adeptos achem que isso só acontece aos clubes deles – mas deu indiscutivelmente mais resultado do que a abordagem ingénua e passiva desta mesma equipa ao jogo na Luz, há dias, onde encaixou 6-0 do Benfica. Dir-me-ão que o ideal está no meio. Que bom era que os pequenos conseguissem sacar pontos aos grandes limitando-se a perder a passividade mas mantendo a positividade. E eu até concordo. Mas para tal precisaríamos de ter uma Liga mais equilibrada em todos os aspetos, a começar pelos meios disponíveis a todos. O Marítimo ganhou ao Benfica por várias razões, sendo que a estratégia de perda de tempo no final foi apenas uma delas. Antes disso houve uma entrada estrategicamente muito bem conseguida, reduzindo os espaços que os tricampeões nacionais costumam utilizar e criando até mais ocasiões de golo do que eles durante a primeira parte. Depois houve também o aproveitamento da pressão a que vem sendo repetidamente submetido um Benfica que salta de final em final a cada semana, seja na Liga ou na Europa. Se por um lado jogos houve já recentemente em que a equipa de Rui Vitória podia ter feito um resultado pior, tendo acabado por ganhá-los no detalhe, graças à confiança que se monta em cima da sucessão de bons resultados – aquilo a que genericamente se chama “estrelinha de campeão” mas que é muito mais do que isso – acaba por ser normal também que, confrontada com uma semana na qual não podia falhar, ela vacile e se deixe diminuir pelo mesmo sentimento de fatalidade iminente que afetou o Sporting de Jesus na Primavera passada. A diferença, aqui, vê-se no dia seguinte. Muito do que é feito este Benfica se verá já na terça-feira e no próximo fim-de-semana, contra Napoli e Sporting. Aumenta a pressão, aquece a Liga.    
2016-12-02
LER MAIS

Último Passe

A forma como o Benfica destroçou o Marítimo serviu a toda a gente menos aos adeptos da equipa madeirense, que têm ali muito com que se preocupar. Serviu aos benfiquistas para mostrarem que a sua equipa está fortíssima: afinal de contas, os 6-0 são sempre um resultado imponente, mais a mais se contra uma equipa do mesmo escalão. E serviu aos portistas e aos sportinguistas para fazerem valer a tese segundo a qual frente ao Benfica a generalidade das equipas de menor dimensão comete erros infantis: os três primeiros golos encarnados nasceram de bolas que os insulares chegaram a ter controladas, dentro ou pelo menos nas imediações da sua área. O que uns e outros ainda não perceberam, no debate permanente e sempre hiperbolizado ao extremo, é que estão a dizer exatamente a mesma coisa. Dizem os benfiquistas que o Benfica está muito forte e têm razão. A forma como o onze de Rui Vitória parece adormecer os adversários no início do processo ofensivo, com um ritmo propositadamente mais baixo antes de meter as mudanças de velocidade à entrada dos últimos 30 metros, parte as defesas, que estão sempre obcecadas com a diminuição do espaço entre linhas, explorando-lhes as deficiências no controlo da profundidade e da velocidade. Seja por dentro ou por fora, seja no corredor central ou nas alas, o Benfica mete muitas vezes gente com bola atrás da última linha dos adversários e isso resolve-lhe os jogos. Depois, dizem os adeptos rivais que toda a gente parece facilitar a tarefa ao Benfica e, olhando pelo menos para o jogo desta noite, também tiveram razão. Aqui, as razões são duas. Por um lado, a pressão que a equipa de Rui Vitória mete na saída de bola dos opositores convida ao erro. Por outro, a falta de capacidade que estes mostram para tirar a bola das zonas de pressão leva ao reiniciar do processo e a mais uma vaga de ataque do Benfica. No fundo, a explicação para este Benfica avassalador com os pequenos e mais débil nos jogos com equipas do seu nível escreve-se com uma palavra: investimento. A qualidade do Benfica no processo ofensivo depende de duas coisas: das mudanças de velocidade e da posse de bola. A posse de bola depende de outras duas coisas: da capacidade para a recuperar rapidamente e da qualidade que o adversário (não) tem na sua circulação, de forma a conseguir mantê-la. Quando o adversário consegue, como o FC Porto, ter a bola e iludir esta primeira pressão – e a generalidade das equipas mais fortes têm gente capaz de sair a jogar – transporta o jogo para zonas e momentos nos quais o Benfica investe menos e é capazes de expor as debilidades que esta equipa tem. Por isso, nem o Benfica está uma equipa perfeita e imbatível, nem os adversários perdem os jogos de propósito. E em nome da sanidade do debate, seria excelente que uns o outros compreendessem isso.
2016-11-19
LER MAIS