PESQUISA 

Stats

Rui Vitória vai defrontar a equipa que mais projeção lhe deu no futebol nacional, o V. Guimarães, podendo por isso aproveitar o conhecimento adquirido nas quatro épocas que lá passou. No caso do atual treinador benfiquista, porém, isso não tem sido uma grande vantagem, pois apesar de uma carreira sempre a subir de nível, não tem um histórico particularmente feliz contra ex-equipas suas: em Guimarães ganhou apenas três dos oito jogos contra o Paços de Ferreira, dois dos quais fora de casa. Há duas ilações a tirar deste histórico. A primeira é que nos oito jogos de Vitória contra a equipa que tinha orientado antes da atual, o ataque foi a tónica dominante: não houve um único zero de nenhuma das equipas, pois ambas marcaram sempre. E a segunda é que Rui Vitória se sente melhor como visitante a um estádio onde já foi feliz do que como anfitrião das suas ex-equipas: tem uma vitória, dois empates e uma derrota nos jogos com o Paços em Guimarães e duas vitórias, um empate e uma derrota nas visitas ao Estádio Capital do Móvel. O melhor resultado, aliás, obteve-o em Paços de Ferreira com o V. Guimarães. Foi uma vitória por 5-1 logo em Novembro de 2011, com hat-trick de Edgar. Boas perspetivas, uma vez que o jogo de sábado se disputará no campo do adversário. A primeira época de Rui Vitória em Guimarães – que, recorde-se, o treinador ainda começou em Paços de Ferreira, tendo por isso amplo conhecimento do adversário – foi a melhor no confronto com a ex-equipa, tendo o atual técnico do Benfica obtido duas vitórias, por 3-1 e 5-1. Em 2012/13 perdeu em Paços de Ferreira por 2-1 e empatou em Guimarães a dois golos. Em 2013/14 ganhou em Paços (3-1), mas perdeu em casa (1-2). E na época passada ambos os jogos redundaram em empates: 1-1 em Guimarães e 2-2 em Paços de Ferreira. Mais um bom prenúncio na viagem do Benfica a Guimarães, pois esta é a primeira temporada do treinador no seu novo clube e a primeira vez que defronta a anterior equipa. Quererão os adeptos benfiquistas acreditar ainda que a tendência para deixar pontos no confronto com as ex-equipas terá ficado definitivamente para trás das costas agora que Rui Vitória deu o salto para um grande. É que, além do mais, esta época o treinador ribatejano já recebeu o Paços de Ferreira, a equipa que orientou antes de se ocupar do V. Guimarães, e levou o seu Benfica a vencer por 3-0 em casa, naquele que foi o primeiro jogo de Vitória na Liga contra uma ex-equipa no qual não sofreu golos.   - Sérgio Conceição, atual treinador do V. Guimarães, foi um dos dois treinadores capazes de ganhar por duas vezes ao Benfica na época passada – o outro foi André Villas-Boas. Enquanto treinador do Sp. Braga, Conceição bateu a equipa de Jorge Jesus em casa para a Liga (2-1) e na Luz para a Taça de Portugal (2-1), curiosamente em dois jogos nos quais começou sempre a perder e virou o placar. Foram as duas únicas vitórias que conseguiu sobre o Benfica em oito jogos, nos quais soma cinco derrotas e um empate (0-0), com o Olhanense, em Março de 2012, na primeira vez que defrontou o Benfica como treinador.   - Além disso, Conceição também só ganhou uma vez a Rui Vitória e foi na época passada: 2-1 para a Taça de Portugal, com o Sp. Braga, em Guimarães. De resto, sempre com o opositor no banco que agora é seu, o atual técnico vimaranense soma três empates e três derrotas (sempre um com cada clube que dirigiu: Sp. Braga, Académica e Olhanense.   - Desde Setembro que o V. Guimarães perde em casa jogo sim-jogo não: ganhou ao Tondela e depois perdeu com o Sp. Braga; empatou com a Académica e depois perdeu com o Nacional; venceu o Rio Ave e depois perdeu com o Marítimo. A sequência não favorece a ideia de uma segunda derrota seguida em casa, algo que os vimaranenses já não conhecem desde Abril de 2014, quando foram consecutivamente batidos por Estoril (1-3) e Arouca (2-3).   - O central benfiquista Jardel vai defrontar o adversário contra o qual se estreou na Liga portuguesa. Foi a 16 de Agosto de 2010 que Daúto Faquirá o lançou num Olhanense-V. Guimarães que acabou empatado a zero.   - Muitos jogadores do plantel vimaranense foram lançados na Liga por Rui Vitória, atual treinador do Benfica. Foi o caso de Douglas, Pedro Correia, Josué, João Afonso, Bruno Gaspar, Luís Rocha, Breno, Cafu, Bouba Saré, Bruno Alves, Otávio, Alex, Ricardo Gomes, Ricardo Valente e Areias. Chegavam para fazer uma equipa, com suplentes e tudo.   - A estreia do atacante Ricardo Valente foi mesmo contra o Benfica, a 10 de Janeiro de 2015, quando substituiu Ricardo Gomes a meia hora do final de uma partida que os minhotos perderam, na Luz, por 3-0.   - Cafu poderá fazer o 50º jogo pelo V. Guimarães. Dos 49 que já realizou, 42 foram na Liga portuguesa, aos quais soma três na Taça da Liga, dois na Liga Europa outros dois na Taça de Portugal.   - Assis, que tem sido o guarda-redes suplente do V. Guimarães, estreou-se na Liga a jogar contra o Benfica, ocupando o lugar de Bruno Vale, quando este foi expulso, a 11’ do fim, num Benfica-Belenenses de Fevereiro de 2010 que os encarnados venceram por 1-0.   - O V. Guimarães não fez um único golo nos últimos quatro jogos em que defrontou o Benfica, perdendo três (duas vezes 1-0 e uma por 3-0) e empatando outra a zero, na tarde em que os encarnados celebraram o bicampeonato, em Maio passado. O último golo vimaranense ao Benfica foi no Jamor, em Maio de 2013, marcado por Ricardo Pereira e valeu a conquista da Taça de Portugal à equipa então orientada por Rui Vitória, pois permitiu um sucesso por 2-1.   - O último golo sofrido pelo Benfica em Guimarães já data de Fevereiro de 2012, quando o Vitória local se impôs por 1-0, graças a um tento do brasileiro Toscano. Dos 14 que Jorge Jesus levou a jogo nessa noite restam no Benfica apenas Luisão e Gaitán, enquanto no Vitória já não está nenhum dos heróis da vitória.   - V. Guimarães e Benfica perderam os jogos que fizeram esta época na Liga com Carlos Xistra. Os vimaranenses em casa com o Nacional (0-1) e os benfiquistas também no seu estádio, face ao Sporting (0-3). De resto, este árbitro que apitou dois penaltis a favor da equipa da casa nos seus dois últimos desafios na Liga (FC Porto-P. Ferreira e Académica-Belenenses), já dirigiu o Benfica por 19 vezes no campeonato (11 vitórias, quatro empates e quatro derrotas) e por 18 ocasiões o V. Guimarães (seis vitórias, cinco empates e sete derrotas). Dois dos 196 jogos que fez na Liga foram V. Guimarães-Benfica: em 2008/09 ganharam os encarnados por 2-1 e em 2011/12 venceram os minhotos por 1-0.
2016-01-01
LER MAIS

Stats

Mais um zero na suas redes e o FC Porto assegurará um ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga. O último jogador a marcar ali nesta competição foi Lima, a 14 de Dezembro do ano passado, na vitória do Benfica por 2-0. Depois de receber o Paços de Ferreira, o FC Porto só volta a jogar em casa na Liga no dia 20, contra a Académica. Mas se a celebração do ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga pode chegar já nesta ronda, os dragões terão ainda outra marca em mente na próxima partida. É que desde o segundo golo do Benfica nessa partida de 2014, os dragões somam já 1475 minutos de jogo sem golos dos adversários no seu estádio. Faltam-lhes 106 minutos para igualarem uma série estabelecida por Vítor Baía e Cândido de Janeiro a Dezembro de 1994. Nessa altura, os dois guarda-redes que o FC Porto usou estiveram 1581 minutos sem sofrer golos em casa no campeonato, entre um golo de Hermé (nos 4-1 ao U. Madeira, a 5 de Janeiro de 1994) e outro de Figo (no 1-1 com o Sporting, a 11 de Dezembro do mesmo ano). Atualmente, Helton, Fabiano e Casillas foram responsáveis pela manutenção do zero nos jogos com V. Setúbal (4-0), Belenenses (3-0), Paços de Ferreira (5-0), V. Guimarães (1-0), Sporting (3-0), Arouca (1-0), Estoril (5-0), Académica (1-0), Gil Vicente (2-0), Penafiel (2-0), V. Guimarães (3-0), Estoril (2-0), Benfica (1-0), Belenenses (4-0), Sp. Braga (0-0) e V. Setúbal (2-0). Dezasseis jogo completos, mais 35 minutos na partida perdida contra o Benfica. A ajudar à festa, Iker Casillas é também o guarda-redes há mais tempo sem sofrer golos na Liga, se contabilizarmos também os jogos fora de casa. O último golo sofrido pelo FC Porto foi obtido por André Fontes, a 2’ do final do empate (2-2) que os dragões cederam ante o Moreirense. Desde aí, são 452 minutos sem sofrer golos na prova, ainda assim a 50 minutos do recorde desta época, que são os 502 minutos fixados pelo bracarense Kritciuk antes dos golos encaixados na partida contra o Benfica, na passada segunda-feira.   - Brahimi marcou golos nos últimos dois jogos do FC Porto, as vitórias em Aveiro contra o Tondela (1-0) e na Choupana ante o U. Madeira (4-0). Se voltar a marcar contra o Paços de Ferreira iguala a sua melhor série de 2014/15, em que fez golos consecutivamente a Nacional, Athletic Bilbau e Estoril.   - Ruben Neves poderá fazer o 50º jogo com a camisola do FC Porto. Soma até este momento 49 partidas e um golo, logo na primeira de todas, os 2-0 ao Marítimo a 15 de Agosto de 2014. Dos 49 jogos, 30 foram na Liga portuguesa, 14 na Liga dos Campeões, três na Taça da Liga e dois na Taça de Portugal.   - Fábio Cardoso estreou-se na Liga portuguesa a jogar contra o FC Porto, mas não levou uma história muito feliz para contar em casa: Paulo Fonseca fê-lo entrar a sete minutos do fim da derrota do Paços no Dragão (5-0) em Fevereiro. O mesmo sucedeu, aliás, com Minhoca, que se estreou na Liga portuguesa contra o FC Porto, lançado como titular por Henrique Calisto na derrota (3-0) no Dragão, em Fevereiro do ano passado.   - Jorge Simão, o treinador do Paços de Ferreira, empatou o único confronto com o FC Porto e com Julen Lopetegui. Foi em Maio e o empate, ainda ao serviço do Belenenses, no Restelo (1-1) valeu a certeza matemática do bi-campeonato ao Benfica de Jorge Jesus, que ao mesmo tempo empatava a zero com o Vitória em Guimarães.   - O FC Porto ganhou os últimos seis jogos com o Paços de Ferreira, todos eles sem sofrer golos. Na última vez que marcaram um golo ao FC Porto, por Melgarejo, em Março de 2012, os pacenses roubaram dois pontos aos dragões, fruto de um empate a uma bola na Mata Real. No Dragão, então, os castores não fazem golos desde Maio de 2011, quando eram dirigidos por Rui Vitória e ali empataram a três golos, com um hat-trick de Pizzi.   - Jackson Martínez marcou nos últimos cinco jogos do FC Porto com o Paços de Ferreira, isto é, em todos desde Janeiro de 2013. Essa vitória portista, por 2-0, no Dragão, representa a última vez em que o sucesso do FC Porto sobre o Paços não teve golos do ponta-de-lança. Boas perspetivas para Aboubakar, que não marca desde a receção ao V. Setúbal (a 8 de Novembro) e fez apenas dois golos nos últimos dois meses: esse um outro, contra o Maccabi, a 20 de Outubro.   - O Paços de Ferreira só ganhou duas vezes ao FC Porto em toda a sua história, ambas em casa, mas a última já foi em Maio de 2003, com os dragões em descompressão, a caminho da final da Taça UEFA, que jogaram dez dias depois. Cadu fez o golo solitário da vitória pacense, já em período de descontos.   - O FC Porto só perdeu duas vezes em 26 jogos com Carlos Xistra a apitar, na Liga, a última das quais em Janeiro de 2008, em Alvalade, com o Sporting (2-0). Nos quase oito anos desde essa partida, Xistra apitou 15 jogos dos dragões, com 12 vitórias e três empates. Sucede que também o Paços de Ferreira costuma dar-se bem com este árbitro, o único da atual primeira categoria com o qual, tendo feito mais de um jogo, têm uma percentagem de vitórias superior a 50%: ganharam 11 das 20 partidas com ele a apitar (55%).
2015-12-04
LER MAIS

Stats

O regresso de Jorge Jesus à Luz será um tema à parte do Benfica-Sporting da oitava jornada da Liga. O treinador que ganhou os últimos três campeonatos do Benfica (2010, 2014 e 2015) e que entretanto mudou de cor e já ganhou a Supertaça ao serviço do Sporting nunca foi capaz de sequer empatar com os encarnados naquele estádio. Soma por derrotas os oito jogos ali realizados e só por uma vez viu a sua equipa fazer golos. A primeira vez que Jesus ali levou uma equipa foi a 3 de Fevereiro de 1993 e o confronto era desigual. O Amora, comandado pelo atual treinador leonino, jogava a II Liga e foi batido nos quartos-de-final da Taça de Portugal por 5-0, com golos de Mostovoj, Pacheco, Yuran (dois) e Paulo Sousa. Jesus só voltou à Luz pelo Felgueiras, três anos depois, em Abril de 1996. E voltou a perder, desta vez por 1-0, com um golo já na segunda parte do extremo angolano Paulão. A descida de divisão da equipa nortenha significou o adiamento de novas visitas até Agosto de 1998, quando ali levou o Estrela da Amadora a perder por 2-0. Marcaram Poborsky e Tahar El Khalej. O resultado, aliás, repetiu-se na época seguinte, mas nos 2-0 de Outubro de 1999 quem fez os golos encarnados foram Okunowo e Ronaldo. Só ao quinto jogo na Luz pôde Jorge Jesus festejar um golo de um jogador seu. Foi a 25 de Agosto de 2001 e o V. Setúbal comandado pelo técnico da Reboleira chegou a estar na frente, graças a Marco Ferreira. Acabou, no entanto, por perder, fruto da explosão do fenómeno Mantorras, que nessa tarde fez um “hat-trick” e tornou inútil o tento de Hugo Henrique, que fixou o 3-2 final. Começava a Volta a Portugal em clubes de Jorge Jesus, que até chegar ao Belenenses, em 2006, por fazer apenas partes de épocas em tentativas de salvar equipas da despromoção (algumas delas bem sucedidas) não voltou a jogar como visitante no estádio do Benfica. Regressou em Dezembro de 2006, com o Belenenses, e para perder por 4-0, com golos de Simão, Karagounis, Fonseca e Katsouranis. A tentativa seguinte, em Abril de 2008, outra vez com os azuis do Restelo, redundou em nova derrota, outra vez sem marcar golos: 2-0, com tentos de Luisão e Cardozo, jogadores que já encontrou quando chegou à Luz para treinar o Benfica. Foi à oitava tentativa, porém, que Jesus colocou uma frase no anedotário nacional do futebol. Em Janeiro de 2009 levou o Sp. Braga a perder ali por 1-0 (golo de David Luiz) e, para se queixar da arbitragem, saiu-se com o famoso “o Braga ganhar na Luz ao Benfica só se for na PlayStation”. É o que se verá, na nona tentativa.   - Como jogador, Jesus saiu da Luz sem perder por três vezes, nas três primeiras ocasiões que lá foi: 2-2 com o Olhanense (e esteve a ganhar por 2-0) em Setembro de 1974, 0-0 pelo Sporting em Dezembro de 1975 e 1-1 pelo Belenenses em Março de 1977. Depois, só derrotas, com Riopele, U. Leiria e V. Setúbal.   - Este será o 15º jogo entre Rui Vitória e Jorge Jesus. O atual treinador do Sporting soma, no confronto direto, 11 vitórias, um empate e duas derrotas, sendo que duas dessas vitórias lhe permitiram ganhar títulos: a Taça da Liga de 2011 (final entre Benfica e Paços de Ferreira) e a Supertaça de 2015 (já no Sporting, contra o Benfica). Uma das vitórias de Rui Vitória, obtida pelo V. Guimarães frente ao Benfica, também lhe permitiu levar para casa a Taça de Portugal de 2013.   - Rui Vitória ganhou na primeira vez que defrontou o Sporting. Foi a 20 de Outubro de 2007 e o treinador ribatejano dirigia o Fátima, que semanas antes fizera sensação ao afastar o FC Porto da Taça da Liga. Contra os leões, o Fátima ganhou por 2-1 no Restelo, casa emprestada dos verde-brancos, e levou para a segunda mão da eliminatória uma vantagem que não conseguiu segurar, pois perdeu em Fátima por 3-2.   - O Sporting não ganha na Luz desde 28 de Janeiro de 2006, quando ali bateu os encarnados por 3-1, para a Liga, mesmo depois de ter estado a perder. Simão adiantou o Benfica, na primeira parte, de penalti, mas os leões viraram o jogo na última meia hora, com golos de Sá Pinto (este também de penalti) e Liedson (dois).   - Os últimos três golos marcados pelo Benfica foram de bola parada: Carcela ao Vianense após lançamento lateral de Sílvio; Jardel ao Vianense após canto de Pizzi; e Gaitán ao Galatasaray na sequência de livre apontado rapidamente por Jonas. Em contrapartida, os dois últimos golos sofridos pelo Sporting também nasceram de bolas paradas, ambos de cantos do lado esquerdo do ataque. Marcaram-nos Josué (V. Guimarães) e Jashanica (Skenderbeu). Mas enquanto o Benfica só fez esta época mais dois golos de bola parada (um penalti e um canto de Jonas a Estoril e Belenenses), o Sporting encaixou mais quatro nestas circunstâncias: penaltis de Pelé e Rabiola, além de livres indiretos finalizados por Luís Alberto e Doumbia.   - Treze dos últimos 14 golos do Benfica ao Sporting nasceram na América do Sul. Desde 2012, Cardozo marcou seis, Gaitán fez dois, Luisão um, Jardel outro, Pérez mais um, Lima outro e Salvio o restante. A exceção é Markovic, que marcou em Alvalade no empate (1-1) para a Liga, em Agosto de 2013. O último golo português do Benfica ao Sporting foi marcado por Nuno Gomes, a 16 de Abril de 2008, num jogo que os leões ganharam por 5-3, para a Taça de Portugal.   - Dos atuais jogadores leoninos, só um marcou mais de um golo ao Benfica com a camisola leonina: Slimani, que fez dois, sempre na Luz. Um no empate (1-1) para a Liga passada e outro na eliminação leonina (3-4) da Taça de Portugal de 2014. Jefferson, por exemplo, também já marcou por duas vezes ao Benfica, mas uma delas foi pelo Estoril, em Maio de 2013, ajudando o FC Porto a tirar esse título às águias.   - Mesmo com um jogo a menos, o Benfica continuava a ser, antes do início desta jornada, a equipa que mais rematava na Liga: segue com 114 tentativas de chegar ao golo (19 por jogo), contra 110 do Marítimo (15,7 por jogo). O Sporting chutou 98 vezes (14 por desafio).   - O Sporting é, dos três grandes, o que tem piores números com Carlos Xistra a apitar na Liga, com apenas 56 por cento de vitórias em 27 jogos. Ganhou, contudo, as últimas quatro partidas: 2-1 ao Tondela já esta época, 4-1 ao Sp. Braga e 4-0 ao Gil Vicente na anterior e ainda 3-1 ao P. Ferreira em 2013/14. A última vez que cedeu pontos com este árbitro foi no empate caseiro frente ao Rio Ave (1-1), a 21 de Setembro de 2013. O Benfica ganhou 61% dos 18 jogos que fez com Xistra, três deles consecutivos: 3-1 ao Nacional e 4-0 ao Marítimo na época passada, mais um 2-0 ao Olhanense em 2013/14. A última vez que perdeu pontos com ele foi a 23 de Setembro de 2012, num empate a duas bolas com a Académica, em Coimbra.   - Carlos Xistra vem com uma média de um penalti por jogo esta época: marcou um a favor do Sporting no jogo com o Tondela e dois a favor do Sp. Braga frente ao Marítimo, não chegando a apontar nenhum no Rio Ave-Boavista. Na época passada, a sua média era de 0,2 penaltis por jogo, mas ainda assim teve um jogo com dois penaltis: o Sporting-Sp. Braga, em que assinalou um para cada lado.   - Este vai ser o terceiro clássico de Carlos Xistra na Liga. Nos dois anteriores, o resultado foi o mesmo: 2-0 para a equipa da casa. Aconteceu no Sporting-FC Porto de 2007/08 e no Benfica-Sporting de 2010/11.
2015-10-24
LER MAIS

Último Passe

Nos próximos dias, os mais perigosos hooligans do futebol português, que são os que põem fato e gravata para ir à TV comentar foras de jogo e penaltis, vão entreter-se a falar vezes sem conta de Carlos Xistra, da mão de Luís Alberto no golo do empate do Tondela ou do pé de João Pereira dentro do campo antes de fazer o lançamento lateral que resultou no penalti que deu a vitória ao Sporting. A esses, tenho duas coisas a dizer. Uma é que Xistra se enganou nas duas vezes e a outra é que a única resposta possível (a resposta que o futebol ja devia ter dado) passa pela introdução do auxílio de um vídeo-árbitro que permita ao juiz de campo decidir com pelo menos os mesmos dados que os telespectadores.Arrumado o assunto? Ainda bem, a ver se podemos concentrar-nos no futebol. E o primeiro jogo da Liga mostrou uma boa dinâmica do Sporting durante uma hora, na qual os leões podiam e deviam ter ido mais além no marcador, se tivessem sido capazes de fazer corresponder eficácia na concretização ao futebol mostrado. E mostrou um Tondela muito arrumado na defesa e capaz de sair episodicamente com perigo para o contra-ataque. Daqui as duas equipas podem tirar ilações. Os leões têm de trabalhar melhor uma das armas habituais nas equipas de Jesus (a presença na área nos cruzamentos) para não se verem mais vezes apanhados na curva devido a uma bola parada. O Tondela precisa de ser capaz de manter a qualidade quando defrontar equipas mais ao seu nível e tiver de assumir o jogo, porque para atingir o seu objetivo vai ter que mostrar muito mais que organização defensiva e transição ofensiva.
2015-08-14
LER MAIS