PESQUISA 

Último Passe

Pinto da Costa já fez a sua parte ao vir dizer que a dupla de centrais formada por Felipe e Marcano é das melhores que alguma vez viu na sua longa permanência à frente do FC Porto – e nisso terá tido o seu quê de exagero. Mas, não sendo entusiasmante no plano ofensivo, esta equipa de Nuno Espírito Santo raramente se desequilibra e fundou na segurança defensiva de 746 minutos de jogo consecutivos sem sofrer golos o regresso a sério à luta pelo título. Nisso e no regresso de Brahimi, o proscrito que passou a servir que nem uma luva nas ideias atacantes do treinador. Djoussé pôs termo à longa imbatibilidade portista, que já durava desde o golo de Lisandro López no clássico com o Benfica, no Dragão, e fê-lo precisamente num lance em que bateu os dois centrais portistas, um após o outro. Não são piores jogadores por isso, mas há que reconhecer que grande parte da segurança defensiva desta equipa tem a ver com a opção por Danilo – em vez de Ruben Neves, por exemplo, que é um jogador ofensivamente muito mais entusiasmante mas menos imponente nos duelos – ou com o facto de os laterais – sobretudo Layun e Teles – terem como motivação fundamental a manutenção da posição, procurando muito o desequilíbrio desde trás em detrimento de uma maior projeção no meio-campo adversário. Se é verdade que as equipas se constroem desde trás, então Nuno Espírito Santo está a fazer bem. As vitórias, porém, só começaram a surgir quando o treinador contrabalançou tanta contenção com mais criatividade na frente, através das entradas de Corona e Brahimi no onze. O primeiro nunca esteve verdadeiramente fora, mas acabou por ganhar a posição a jogadores mais contidos, como Herrera ou André André. O segundo estava com pé e meio fora da equipa, com guia de marcha anunciado para Janeiro, antes de contribuir com três golos nos três últimos jogos. Contra o Marítimo, foi ele que desbloqueou o marcador com um golo de autor, como foi ele que depois colocou André Silva na cara do guarda-redes para o 2-0. Janeiro, se é preocupação, será sobretudo por causa da perda de Brahimi, que nessa altura seguirá para a seleção para jogar a Taça de África das Nações e dará outra vez o lugar a Otávio.
2016-12-15
LER MAIS

Último Passe

Uma equipa que passa 430 minutos sem fazer um golo, como acontece atualmente com o FC Porto, pode queixar-se de muita coisa. Porque quem não marca um golo em mais de sete horas de futebol não tem apenas um problema de criatividade na organização do ataque, de ineficácia na finalização, de falta de qualidade de alguns elementos ou até de infelicidade face a algumas decisões. Tem esses problemas todos ao mesmo tempo. E no segundo 0-0 consecutivo contra o Belenenses de nada serviu a Nuno Espírito Santo recuperar Brahimi e Ruben Neves, cuja presença até vinha sendo reclamada há algum tempo, porque lhes faltou o contexto. Além de ser uma equipa mal trabalhada do ponto de vista do ataque organizado, a este FC Porto já lhe falta confiança em cada movimento, nota-se-lhe a indisponibilidade para assumir o risco de muitos jogadores, que com medo de falhar preferem jogar seguro a procurar o desequilíbrio – e nesse particular Brahimi até foi dos poucos que chamou a si as decisões de risco, acabando até por meter alguns bons cruzamentos na área. A questão é que essa predisposição para o risco também não é ajudada pela presença em campo de jogadores que estão num patamar claramente inferior de qualidade. E aqui, falo por exemplo de Depoitre. Porque quanto mais vejo jogar este lento e complicativo avançado belga mais me confunde que, mesmo com toda a sua altura, possa ser ele o reforço de ataque para uma equipa que quer ganhar a Liga e chegar longe na Champions. Não me recordo de um FC Porto com um avançado tão fraco desde que Tomislav Ivic “inventou” o comprido Vinha para a frente quando queria desbloquear jogos. E Vinha até chegou a fazer alguns golos, como os fará inevitavelmente Depoitre se continuar a jogar. Mas não resolveu, como não resolverá Depoitre, por mais que o treinador o faça jogar. O empate, mais um a chamar lenços brancos às bancadas onde estão adeptos portistas, pode até deixar Nuno Espírito Santo com vontade de acordar cedo para continuar a trabalhar amanhã, mas diminui-lhe ainda mais a margem de manobra e pode deixá-lo em breve sem razões profissionais para se levantar da cama. Contra o Sp. Braga e o Leicester, os adversários que aí vêm, só duas vitórias interessam, porque só ganhando aos minhotos os dragões regressam ao Top 3 da Liga e só batendo o segundo terão a certeza de seguir para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões sem depender do resultado entre Copenhaga e Brugges. E para isso são precisos golos.
2016-11-29
LER MAIS

Último Passe

O facto de ter sido André Silva, sempre um dos melhores da equipa, a falhar o último penalti na eliminação do FC Porto da Taça de Portugal, em benefício do Desp. Chaves, pode até retirar um pouco de peso à decisão tomada por Nuno Espírito Santo, que antes mandara Depoitre bater a penúltima grande penalidade, tendo o belga também permitido a defesa a António Filipe. Não concordo com Jorge Simão, treinador dos flavienses, que reduziu o desfecho de um desempate por penaltis à sorte – e creio que o guardião do Chaves, que defendeu três remates, também não concordará – mas o que se espera do FC Porto numa eliminatória como esta é que não deixe as coisas chegar tão longe. E, nesse aspeto, bem mais penalizadora que a escolha do até aqui desastrado Depoitre me pareceu a decisão de Nuno Espírito Santo não chamar ao jogo Brahimi, cuja criatividade poderia ter ajudado a desfazer o 0-0 que durou 120 minutos, a segunda metade dos quais com o FC Porto quase sempre instalado no ataque. Hoje estão de parabéns o Chaves e Jorge Simão, como é evidente. Mas este Chaves não me pareceu sequer tão forte como tinha demonstrado contra o Benfica, num jogo que perdeu com alguma infelicidade – o que é diferente de tê-lo perdido por azar. Não creio que tenha sido o Chaves a piorar, admito que tenha sido o FC Porto a bloquear sempre bem as saídas venenosas do adversário, o que lme eva a não ser capaz de dizer que os dragões tenham jogado mal. O FC Porto foi a melhor equipa em campo e, mais, a partir dos 60’, foi a única com andamento para chegar à baliza adversária. Fosse por incapacidade física, técnica ou tática, o Chaves – que tinha mostrado boas ideias no arranque do jogo – deixou de conseguir sair a jogar e aceitou o papel de saco de boxe: desde que o FC Porto não marcasse no processo, tudo estaria bem para os donos da casa. E a verdade é que o FC Porto não marcou. Nuno começou em 4x3x3, com dois extremos velozes e diretos: Varela de um lado e Jota do outro. Passou durante o jogo para um 4x4x2, com Depoitre perto de André Silva, motivando um jogo mais direto. Mais tarde chamou Evandro e Layun, mas deixou no banco Brahimi, que é possivelmente o mais criativo de todos os jogadores do plantel. Quando pela frente tinha uma equipa que baixava as linhas, que fechava todos os espaços de acesso à sua baliza e o importante era conseguir um golpe de prestidigitação, o FC Porto abdicou do seu jogador mais incontrolável. A não ser que existam fatores extra-rendimento desportivo desconhecidos de quem está de fora a justificar o constante ostracismo ao argelino, tudo parece resumir-se precisamente à imprevisibilidade do jogador, ao facto de ele ser tão incontrolável para os adversários como é para o seu próprio treinador. Mas é uma decisão de risco. E é uma decisão que não creio que Nuno Espírito Santo mantenha em Copenhaga, na terça-feira, se chegar a estar perante a possibilidade de se atrasar na obtenção de mais um objetivo, que é a qualificação para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões.
2016-11-18
LER MAIS

Último Passe

A forma como o FC Porto empatou em Setúbal permitiu perceber que, como é natural, por serem ainda recentes, os processos que Nuno Espírito Santo quer ver na equipa não estão ainda totalmente consolidados. A uma semana do confronto que pode definir os próximos meses de campeonato, a receção ao Benfica no Dragão, falta à equipa portista uma maior capacidade para explorar aquela que foi a sua maior arma, por exemplo, na vitória que foi buscar à Luz, na época passada, com José Peseiro ao leme: o controlo da largura em termos atacantes. E isso nota-se mais sempre que adota uma atitude mais conservadora e abdica de Brahimi e Corona, por exemplo. Com todos os jogadores disponíveis – desta vez regressou Otávio a Corona caiu do onze – já se percebeu que Nuno Espírito Santo aposta num meio-campo a quatro com grande propensão para jogar por dentro. Mais desequilibrador Otávio a sair da esquerda, mais dado ao fortalecimento do coletivo e aos equilíbrios Herrera a partir da direita. Pretende Nuno Espírito Santo que sejam os laterais a dar a tal largura atacante – a equipa faz sempre a saída a três, com Danilo entre os centrais, e Layun e Alex Telles subidos – e que a mobilidade dos dois avançados, Diogo Jota e André Silva, faça o resto no que toca à ocupação dos espaços. Só que, dando à equipa um maior volume de jogo, um maior controlo das operações, esta opção tem custos em termos de criação de desequilíbrios atacantes. Porque lhe tem faltado gente em condições de explorar o espaço deixado vago pela basculação defensiva do adversário e capacidade para, com essas variações de flanco, tirar mais vezes a bola das zonas de pressão. E só os laterais são curtos para isso. É verdade que o FC Porto – tal como o Sporting na véspera, na Choupana – até podia ter ganho em Setúbal: bastaria para tal que Bruno Varela não tivesse feito duas defesas impossíveis, a remates de Oliver e Jota. Mas o futebol que se viu à equipa foi menos completo do que aquele que se lhe tinha visto contra o Arouca, que raramente saiu dos últimos 30 metros do campo. Mérito do adversário? Seguramente: este Vitória joga mais e estava no seu estádio. Mas também falta do repentismo e da mistura de criatividade com rapidez que Corona deu ao FC Porto no jogo da semana passada ou da qualidade no um para um que lhe traz Brahimi. A grande decisão que Nuno Espírito Santo tem a resolver por estes dias é a escolha de quem pode sair do onze-base, porque o que salta à vista é que um dos dois extremos tem mesmo de entrar.
2016-10-29
LER MAIS

Último Passe

O mesmo défice de criatividade que já lhe custara dois pontos na partida da Liga dos Campeões frente ao Copenhaga, no Dragão, voltou a impedir o FC Porto de vencer na deslocação a Tondela. Num jogo onde beneficiou de iniciativa atacante quase permanente e de amplo domínio territorial, atenuado apenas na segunda parte, quando o jogo partiu e o Tondela conseguiu meter no relvado alguns contra-ataques, a equipa de Nuno Espírito Santo não foi além de um 0-0 que a penaliza. Não foi um problema de esquema tático – voltou o 4x4x2 –, de eficácia ou de falta de homens ofensivos no onze. O que faltou mesmo foi a capacidade para criar desequilíbrios em ataque organizado. Perante um Tondela bem organizado defensivamente e sempre aguerrido, Nuno Espírito Santo voltou ao 4x4x2, juntando Depoitre a André Silva e entregando as faixas laterais ao regressado Brahimi e a Otávio. Os dois alas procuraram sempre o corredor central, para aí promoverem os tais desequilíbrios – algo que Otávio conseguiu sempre melhor do que Brahimi – e para deixarem as laterais aos ofensivos Layun e Alex Telles. Só que, apesar das tentativas de Ruben Neves desempenhar o papel de médio centro de uma forma mais atacante do que o habitual Danilo, os primeiros 45 minutos foram quase um deserto em termos de situações de perigo. De parte a parte: o FC Porto só entrou com perigo na área uma vez, num passe longo de Felipe a, que nem André Silva, primeiro, nem Depoitre, no aproveitamento do ressalto, deram o melhor seguimento. O Tondela, metido num 4x2x3x1 que tinha em Crislan um avançado capaz de segurar a bola e de esperar pela equipa, dando assim tempo aos homens mais recuados para respirar, ia ganhando confiança. E depois de Gonçalves ter procurado, sem sucesso, um dos ângulos superiores da baliza da Casillas, a segunda parte começou com uma equipa da casa mais afoita do ponto de vista atacante. Espírito Santo quis mudar o ataque, primeiro trocando Brahimi por Oliver – e desviando André André para a direita – e depois substituindo o desastrado Depoitre por Adrián López, mas a primeira situação de golo flagrante da partida foi a equipa da casa a perdê-la, quando Murillo se isolou na cara de Casillas e viu o remate esbarrar na mancha do guarda-redes espanhol. Aí, já com Corona em campo, o FC Porto acordou para dez minutos finais melhores, que certamente tiveram a ver também com a quebra física da equipa de Petit, que também perdera Kaká, o seu cérebro defensivo, por lesão. André Silva e Adrián López ainda chegaram com bola à cara de Cláudio Ramos, mas nas duas situações o guarda-redes do Tondela levou a melhor, segurando um 0-0 que manda uma mensagem para o balneário do Dragão. Para ganhar é preciso mais do que um sistema tático ou a acumulação de jogadores de ataque: eles têm de combinar no campo. E isso é que não se tem visto.
2016-09-18
LER MAIS

Último Passe

O FC Porto colocou um ponto final feliz numa Liga triste, ganhando por 4-0 ao Boavista, no Dragão, e assegurando que na pior das hipóteses terminará a 15 pontos do Benfica na classificação. O terceiro lugar serve de fraca consolação e deixa os responsáveis portistas a pensar no próximo fim-de-semana, quando a final da Taça de Portugal poderá permitir ao clube interromper um jejum de três anos sem troféus. Frente a um Boavista que melhora semana após semana e, a espaços, até conseguiu andar mais próximo da baliza de Casillas, também houve quem já só tivesse a cabeça no Jamor. Não foi o caso de André Silva, cujo golo, o quarto, a dois minutos do fim, foi o momento alto do jogo: na estreia do futebol matinal, horário ao qual estava habituado na equipa B, abriu por fim a sua conta de goleador. No último ensaio antes da final, José Peseiro fez um onze sem Martins-Indi, Sérgio Oliveira, Brahimi ou Aboubakar, deixando a ideia de que quis dar a André André ou a Corona a possibilidade de ainda discutirem um lugar na equipa que fará para o Jamor. Quem jogou e jogará a final foram Chidozie e André Silva: o primeiro, mesmo sem grandes problemas causados pelo Boavista, não complicou, ao passo que o segundo, mesmo antes de marcar o seu golo voltou a trabalhar bastante em prol da equipa, com movimentações de rotura ou de apoio e empenho do ponto de vista defensivo. Foi dele, por exemplo, o passe para o golo de Layun, a jogada que arrumou com a incerteza de que o jogo ainda pudesse estar rodeado, aos 56 minutos. E no entanto o FC Porto começou muito bem, com um futebol fluído e chegadas constantes com perigo à baliza de Mika, protegida por um Boavista organizado, como de costume, em 4x2x3x1. É certo que o golo inaugural, de Danilo, logo aos 11’, não nasceu de um belo movimento, mas sim da presença na área contrária, de um ressalto fortuito em Marcano e do oportunismo do médio, que chutou sem pedir licença. Mas aquilo que o FC Porto mostrou nesses primeiros 20 minutos deixava boas perspetivas. Só que, aos poucos, o FC Porto foi abrandando o ritmo e permitindo que o rival entrasse no jogo. Fê-lo a equipa de Erwin Sanchez com combinações interessantes nos corredores laterais, chegando a deixar uma vez Mesquita na cara de Casillas – com boa defesa do guarda-redes espanhol, que terá feito o último jogo da época. A segunda parte correu no mesmo ritmo, com Ruben Neves e Brahimi em vez de Danilo e Corona, no tal Lado B do ensaio para o Jamor. E no momento em que o FC Porto chegou ao 2-0, num belo remate de Layun a premiar um lance de insistência e visão de André Silva, o jogo fechou. Tudo se resumia a perceber se André Silva conseguia finalmente abrir a sua conta de goleador com a camisola do FC Porto. A primeira boa oportunidade para tal saiu frustrada quando, a cinco minutos do fim, Ruben Ribeiro derrubou Maxi Pereira na área e Carlos Xistra apontou para a marca de grande penalidade. Herrera e Brahimi aproximaram-se para bater, o público assobiou, provavelmente a pedir que fosse André Silva a marcar, mas não se desfez o pré-estabelecido – e bem, porque um penalti falhado faria mais mal do que um golo marcado. Brahimi fez então o terceiro, mas quem foi embora aí perdeu o momento do jogo. Até final, André Silva ainda foi capaz de desbloquear finalmente a conta: respondeu a um passe em profundidade de Brahimi, torneou Mika e chutou para a baliza. O público exultou, porque um golo é sempre um golo, o jovem jogador também, recebendo felicitações de toda a gente, mas a verdade é que mesmo sem esse golo a manhã já tinha sido dele. E, ao contrário do que aconteceu no clássico recente com o Sporting, quando fizer o onze para a final da Taça de Portugal, Peseiro pode começar por ele.
2016-05-14
LER MAIS

Último Passe

Dois golos de grande recorte técnico e uma série de oportunidades bem construídas pelas duas equipas mereciam mais do que o “charuto” com que Brahimi deu ao FC Porto a vitória frente à Académica em Coimbra (2-1), mantendo, nem que seja por umas horas, as hipóteses matemáticas de a equipa chegar ao título ou ao segundo lugar, que também dá qualificação direta para a Liga dos Campeões. Se o jogo mostrou alguma coisa, porém, foi um FC Porto descontraído, pouco pendente do resultado, que conseguiu mais uma vez de virada – a quarta do FC Porto de Peseiro – e uma Académica muito mais pressionada, porque entra nas últimas três jornadas em posição de despromoção. O jogo valeu pelos golos. Primeiro o de Pedro Nuno, a dar vantagem à Académica com um livre pleno de potência e colocação, ainda que fiquem dúvidas acerca da possibilidade de Helton fazer um pouco mais no lance. A jogar para ganhar rodagem para a final da Taça de Portugal, o guardião brasileiro viu a bola entrar pelo seu lado, ainda que possa ter como atenuante a visibilidade nula que tinha do momento do remate. Fez depois o empate Ruben Neves, num remate colocadíssimo, de fora da área, a encobrir Pedro Trigueira com um chapéu milimétrico depois de a defesa da casa ter rechaçado para a zona frontal um lançamento lateral de Maxi Pereira. Depois de dois golos tão belos, o jogo acabou por se decidir a meio da segunda parte com um tento fortuito de Brahimi, que procurava meter a bola no interior da área, onde André Silva fazia uma diagonal de encontro a ela, quando a bola desviou em Hugo Seco e foi aninhar-se nas redes, sem que o ponta-de-lança portista ou o guarda-redes da Académica lhe tocasse. A vantagem portista aceitava-se, porque a equipa de Peseiro foi sempre a que procurou o golo com mais insistência, ainda que nem sempre o tenha feito com grande qualidade ofensiva. Quase sempre em contra-ataque, a Académica também teve lances em que podia ter marcado, nomeadamente uma tentativa de chapéu de Nii Plange a Helton, já perto do minuto 90, que passou o guarda-redes e bateu na barra da baliza, resvalando para fora. O FC Porto assegurava aí a vitória, que lhe valeu tanto pelos três pontos como por algumas boas indicações deixadas por Danilo a defesa-central ou por Ruben Neves, um pouco menos perro que contra o Nacional, na semana passada. A pensar na final da Taça de Portugal, o regresso de André André também deve ser assinalado, faltando a Peseiro que André Silva marque finalmente um golo e que, com a abertura da conta pessoal, o jovem português justifique a persistência do treinador para lá do esforço e do trabalho na movimentação que indiscutivelmente vem mostrando.
2016-04-23
LER MAIS

Stats

É sempre com um misto de alegria e gratidão que os dirigentes e adeptos do Nacional encaram José Peseiro, o treinador do FC Porto, que levou o clube insular da II Divisão B à I Divisão. O sentimento, porém, não tem sido recíproco. É que o técnico de Coruche perdeu todos os jogos que fez contra o seu antigo clube desde que, em 2003, o trocou por um lugar como adjunto de Carlos Queiroz no Real Madrid. E alguns custaram-lhe bem caro. Peseiro regressou de Madrid em 2004 para se ocupar do Sporting, o primeiro clube grande que treinou. Nessa época, em que chegou à final da Taça UEFA e fez figura de favorito na luta pelo título até à penúltima jornada (derrota com o Benfica por 1-0), Peseiro perdeu as duas partidas contra o Nacional: 3-2 na Choupana a 16 de Janeiro de 2005 e 4-2 em Alvalade, a 22 de Maio do mesmo ano. Esta última derrota foi difícil de digerir, porque o Sporting vinha de uma semana complicada: perdera o campeonato num fim-de-semana, na Luz (derrota por 1-0 com o Benfica), e a Taça UEFA na quarta-feira (1-3 com o CSKA Moscovo), em Alvalade; de regresso a casa, os leões foram batidos pelo Nacional, na última jornada, e falharam o segundo lugar e o acesso direto à Liga dos Campeões, condicionando desde logo o trabalho de Peseiro na nova época. Em 2005/06, Peseiro ainda dirigiu o Sporting até meados de Outubro. Nesse período, porém, ainda teve tempo para perder uma terceira vez com o Nacional: 2-1 na Choupana, a 19 de Setembro de 2005, no primeiro confronto com Manuel Machado desde uma vitória num Sporting-V. Guimarães da época anterior, em que a vitória leonina (1-0) deixara os leões no topo da tabela, a duas rondas do fim. Depois de sair do Sporting, Peseiro fez um tirocínio pelo estrangeiro, só voltando a Portugal em 2012, para comandar o Sp. Braga. Defrontou por mais duas vezes o Nacional, perdendo ambas: 3-2 na Choupana, a 12 de Janeiro de 2013, e 3-1 em Braga, a 11 de Maio de 2013. Quer isto dizer que os últimos três confrontos entre José Peseiro e Manuel Machado – o outro treinador a marcar lugar na história recente do Nacional – foram favoráveis ao professor minhoto. Essa é, aliás, uma tendência que Peseiro só conseguiu contrariar no Sporting, quando Machado estava no V. Guimarães. Em 2004/05, o tal ano completo no Sporting, Peseiro ganhou duas vezes a Machado, por 4-2 no Minho e por 1-0 em Alvalade, de certa forma exorcizando o fantasma que lhe restava do ano da subida do Nacional à I Divisão: nessa altura, perdendo por 5-1 com o Moreirense de Manuel Machado na penúltima jornada, o Nacional de Peseiro teve de esperar pelo último dia para poder carimbar o passaporte.   Manuel Machado é um dos treinadores mais experientes da Liga e vai para o 31º confronto com o FC Porto. Dos 30 anteriores, quatro foram com o Moreirense (um empate e três derrotas), oito com o V. Guimarães (uma vitória, dois empates e cinco derrotas), dois com a Académica (ambos perdidos), um com o Sp. Braga (mais uma derrota) e 15 com o Nacional (duas vitórias, dois empates e onze derrotas). Ao todo, ganhou quatro vezes, empatou cinco e perdeu 21, entre elas as duas em que esteve mais próximo de levar um troféu para casa, sempre aos comandos do V. Guimarães: perdeu por 6-2 na final da Taça de Portugal de 2010/11 e por 2-1 na Supertaça de 2011/12.   O FC Porto perdeu os últimos dois jogos: 0-1 em casa com o Tondela e no terreno do Paços de Ferreira. Esta é já a terceira vez que os dragões perdem dois jogos seguidos esta época, uma com cada treinador que passou pelo banco. Julen Lopetegui perdeu contra o Marítimo (1-3 em casa, na Taça da Liga, em Dezembro) e o Sporting (0-2, em Alvalade, em Janeiro), sendo demitido após o terceiro jogo, o empate em casa com o Rio Ave (1-1). Rui Barros foi batido fora de casa por V. Guimarães (0-1, em Janeiro) e Famalicão (0-1, também em Janeiro, para a Taça da Liga). José Peseiro, que pegou na equipa após as duas derrotas de Barros e ganhou ao Marítimo, por 1-0, tem de novo a responsabilidade de interromper a série.   Os dragões já perderam cinco vezes em casa esta época: 1-3 com o Marítimo para a Taça da Liga, 1-2 com o Arouca e 0-1 com o Tondela para a Liga, 0-2 com o Dynamo Kiev para a Champions e 0-1 com o Borussia Dortmund para a Liga Europa. Esta já é a época com mais derrotas em casa desde 2001/02, quando foram batidos no velho Estádio das Antas por Belenenses, Sparta de Praga, Sp. Braga, Beira Mar e Real Madrid. Para se encontrar pior é preciso ir a 1971/72, quando ali ganharam o Benfica, o Nantes, o Atlético, a Académica, o V. Guimarães e o V. Setúbal.   Depois de uma fase negra – doze jogos sem ganhar em Dezembro e Janeiro – o Nacional parece ter entrado nos eixos, tendo obtido cinco vitórias nas últimas seis partidas. A única exceção foi a derrota por 2-0 com o Marítimo, no dérbi do Funchal, a 2 de Abril, porque de resto a equipa de Manuel Machado ganhou ao Paços de Ferreira (3-0), ao Boavista (1-0), ao Rio Ave (1-0), ao V. Guimarães (3-2) e ao Estoril (4-1).   Brahimi, que não joga por estar suspenso, marcou nas duas últimas vitórias do FC Porto sobre o Nacional. Fez o segundo golo nos 2-0 de Novembro de 2014, no Dragão, repetindo a graça nos 2-1 de Dezembro de 2015, na Choupana. Em Março de 2015 o argelino ficou em branco e o Nacional não foi além de um empate a uma bola no terreno do adversário.   Sequeira, o lateral esquerdo do Nacional, pode fazer no Dragão o 50º jogo com a camisola do clube, pelo qual se estreou oficialmente neste mesmo estádio, alinhando a tempo inteiro no empate a uma bola de 23 de Novembro de 2013. Esse foi também o seu jogo de estreia na Liga.   O Nacional já ganhou quatro vezes no terreno do FC Porto, três delas a contar para o campeonato: 2-1 (de virada) em Outubro de 1990, 4-0 em Março de 2005 e 3-0 em Maio de 2008. A quarta vitória, que foi a mais recente, aconteceu em Janeiro de 2011, a contar para a Taça da Liga (2-1). Desde esse jogo, o FC Porto soma quatro vitórias e um empate nas receções aos alvinegros do Funchal.   Nos últimos 13 anos, sempre que fez golos no Dragão o Nacional conseguiu evitar a derrota. Desde Novembro de 2002 que não lhe acontece marcar ali e perder. Nessa altura, Adriano e Rossato marcaram, o Nacional – que era comandado por José Peseiro – chegou a estar em vantagem sobre o FC Porto de José Mourinho mas saiu derrotado por 5-2.    
2016-04-17
LER MAIS

Artigo

O FC Porto ganhou ao Belenenses, por 2-1, no Restelo, obtendo a terceira vitória seguida na Liga em jogos fora de casa, pois vinha de sucessos ante o Estoril (3-1) e o Benfica (2-1). É a segunda série da três vitórias fora esta temporada, pois já em Novembro e Dezembro a equipa azul e branca tinha batido Tondela (1-0), U. Madeira (4-0) e Nacional (2-1).   Esta foi também a terceira vitória seguida dos dragões na zona de Lisboa, onde antes do sucesso no Estoril já não ganhavam há mais de três anos. De repente, ganharam no Estoril (3-1), na Luz ao Benfica (2-1) e agora no Restelo ao Belenenses (2-1).   O Belenenses, em contrapartida, sofreu a terceira derrota consecutiva no Restelo: 0-5 com o Benfica, 0-2 com o Arouca e agora 1-2 com o FC Porto. A equipa de Julio Velásquez não ganha em casa em jogos da Liga desde 21 de Dezembro, quando ali bateu o Boavista, por 1-0, tendo entretanto empatado com o Nacional (2-2) e o V. Guimarães (3-3) e perdido os referidos jogos com Benfica, Arouca e FC Porto. Igualou a série de cinco jogos sem ganhar no Restelo que tinha feito entre o final da época passada e o início da atual (0-2 com o Benfica, 1-3 com o Rio Ave, 1-1 com o FC Porto, 3-3 com o Rio Ave e 1-1 com o Marítimo). Mas para se encontrarem três derrotas seguidas em casa é preciso recuar ao período entre Janeiro e Março de 2010, quando cinco derrotas consecutivas no Restelo atiraram com a equipa para a II Liga.   Foi o sexto jogo consecutivo do FC Porto a sofrer golos, que não mantém a baliza a zeros desde os 3-0 ao Gil Vicente, a 3 de Fevereiro: 1-2 com o Arouca, 2-1 ao Benfica, 0-2 com o Borussia Dortmund, 3-2 ao Moreirense, 0-1 na segunda mão com o Borussia Dortmund, 3-2 ao Moreirense e agora 2-1 ao Belenenses. Os dragões ultrapassaram as duas piores sequências da época passada, ambas de cinco golos seguidos a sofrer golos, a primeira entre 26 de Setembro de 2014 e 21 de Outubro de 2014 e a segunda entre 13 e 28 de Janeiro de 2015. Para se encontrarem seis jogos seguidos do FC Porto a sofrer golos é preciso recuar ao período pré-Lopetegui, aos jogos entre 16 de Fevereiro e 9 de Março de 2014.   Contabilizando apenas a Liga, a última equipa a não marcar ao FC Porto foi o Marítimo, que a 24 de Janeiro perdeu no Dragão por 1-0. Depois disso, Estoril (3-1), Arouca (1-2), Benfica (2-1), Moreirense (3-2) e Belenenses (2-1) fizeram todos golos a Casillas. Esta é a segunda vez esta época que os dragões sofrem golos em cinco jornadas seguidas, pois já lhes tinha acontecido entre 5 de Dezembro e 6 de Janeiro, quando defrontaram Paços de Ferreira (2-1), Nacional (2-1), Académica (3-1), Sporting (0-2) e Rio Ave (1-1).   Brahimi fez o sétimo golo da época, o quinto seguido fora de casa, depois de marcar a Tondela, U. Madeira, Nacional e Boavista. Marcou também pela segunda vez consecutiva ao Belenenses, pois já tinha estado entre os goleadores nos 4-0 no Dragão, na primeira volta.   Em contrapartida, Juanto Ortuño marcou pela quarta vez desde que chegou ao Belenenses, vindo do Llagostera, no mercado de Janeiro, e todas foram no Restelo. O espanhol já tinha marcado no empate (3-3) com o V. Guimarães e na vitória (4-0) frente ao Leixões, na Taça da Liga.   Tonel fez o primeiro autogolo desde o seu jogo de estreia na I Divisão, a 31 de Agosto de 2002. Na altura jogava na Académica e o beneficiado foi o Sporting, num jogo na Figueira da Foz que acabou com vitória dos leões por 2-0.   Foi o segundo autogolo de que o FC Porto beneficiou esta época. Ainda que no relatório desse jogo o árbitro tenha atribuído o golo a André André, o anterior tinha sido marcado por Salin, no Dragão, no desafio em que os dragões venceram o Marítimo por 1-0. Antes disso, o FC Porto não beneficiava de um autogolo na Liga desde que tinha empatado a uma bola com o Sporting em Alvalade, a 26 de Setembro de 2014, graças a um golo na própria baliza de Sarr.   Com a vitória no Restelo, o FC Porto chegou aos 55 pontos, menos três do que os que tinha em 24 jornadas em 2014/15, mas mais seis do que aqueles que contava em 2013/14. Nessas duas épocas, no entanto, os dragões não foram campeões. Para se encontrar um FC Porto campeão com menos pontos do que este há que recuar a 2008/09, quando a equipa de Jesualdo Ferreira chegou à 24ª ronda com 54 pontos e mesmo assim foi campeã, fazendo mais 16 (cinco vitórias e um empate) nas que faltavam até final. A diferença é que, mesmo com 54 pontos, esse FC Porto liderava a prova com quatro pontos de avanço do segundo, que era o Sporting.   O Belenenses continua a ter a pior defesa do campeonato, com 52 golos sofridos em 24 jornadas. Há doze anos que não se via uma equipa tão permeável na Liga portuguesa: a última a chegar à 24ª partida com tantos golos sofridos foi o E. Amadora de 2003/04 (exatamente os mesmos 52 golos em 24 jogos, mas apenas 13 pontos e um último lugar, face aos 28 que deixam os azuis a meio da tabela). 
2016-02-29
LER MAIS

Último Passe

A aproximação positiva de Julio Velásquez ao jogo, que tinha sido um problema no jogo com o Benfica, perdido com goleada (0-5), foi a chave para explicar as dificuldades que o FC Porto sentiu para vencer o Belenenses no Restelo. As dificuldades sentidas pelos dragões para ganhar nasceram na capacidade que os azuis tiveram para construir futebol durante a segunda parte, mesmo estando a perder por dois golos de diferença desde bastante cedo, fruto daquele que é o maior problema desta equipa: a deficiência dos seus comportamentos defensivos. Nessa altura valeu à equipa portista ter sido capaz de aguentar a pressão. José Peseiro apareceu com André André e Herrera a fazer companhia a Danilo no meio-campo, parecendo querer apostar num jogo de iniciativa e posse: o facto de ter escolhido Brahimi e Corona já o indiciava, mas foi a aposta em Suk para a posição de Aboubakar que o denunciou. Do outro lado, Velásquez também foi menos atrevido do que contra o Benfica, procurando manter algum equilíbrio atrás. Mas foram dois lances em que esses equilíbrios falharam a encaminhar o jogo para as cores do dragão. Primeiro, num movimento interior de Brahimi, com José Angel a abrir na faixa lateral, Tonel ficou nas covas, deixando que o extremo portista aparecesse para concluir à vontade uma segunda bola nascida de uma dividida entre Gonçalo e Suk. Depois, numa boa combinação do ataque portista na direita, o cruzamento de Maxi originou um gesto técnico imperfeito de Tonel, que cortou a bola para dentro da sua própria baliza. Com 2-0 aos 19 minutos, o jogo parecia resolvido. O Belenenses, no entanto, não desistiu. Carlos Martins estava num bom dia, criativo e dinâmico como José Peseiro se lembra dele dos tempos no Sporting ou Jesus o teve depois, no Benfica. Foi dos pés dele que saiu a primeira situação a dizer que o jogo não estava fechado: um livre ao poste, ainda na primeira parte. No segundo tempo, com Miguel Rosa em vez de Tonel e Ruben Pinto a baixar para defesa-central – a tal ousadia que se revelou suicida contra o Benfica – o Belenenses foi à procura do empate. Marcou, por Ortuño, após um cruzamento de André Geraldes, e forçou o FC Porto a uma segunda parte de incerteza, na qual Casillas teve de responder presente por mais de uma vez. Peseiro foi direcionando a equipa mais para o ataque rápido, com as entradas de Marega e Varela, mas acabou por ter na segurança atrás a garantia da vitória que lhe permite manter a pressão sobre Benfica e Sporting.
2016-02-28
LER MAIS

Último Passe

A conferência de imprensa de José Peseiro antes do clássico com o Benfica na Luz fez eco na comunicação social à conta de duas frases: a queixa acerca da arbitragem do jogo com o Arouca e o modo afirmativo como o treinador do FC Porto se referiu aos casos de Maicon e Brahimi. A primeira, já se sabia, vale zero porque nem as conclusões de Peseiro podem ser comprovadas nem um jogo vale um campeonato. A segunda, porém, pode mudar a imagem que o treinador traz em cima dos ombros há mais de dez anos.Quando Peseiro diz que se o árbitro não tivesse anulado o golo que daria o 2-1 ao FC Porto a sua equipa estaria a três pontos de Benfica e Sporting, está logo à partida a ignorar que a formação de Lito Vidigal ainda marcou um segundo golo e depois a assumir que nada mais viria a suceder até final. Normal num país que se habituou a funcionar em função das chamadas "ligas da verdade" que mais não fazem que servir-se de virtualidades e assumir que elas explicam a realidade como um todo. Mas anormal porque no raciocínio Peseiro está a esquecer outros jogos em que as suas cores viram estes erros sorrir-lhe. Afinal de contas a razão pela qual este tipo de contas de somar e diminuir não passam de uma perda de tempo enfatizada pelos comentadores engajados.Mais interessante é ver o que fará o FC Porto com Maicon e Brahimi. O central brasileiro saiu de campo após o erro que deu o segundo golo ao Arouca, sem ter sequer esperado pelo veredicto da equipa médica - na qual ao menos a sua mulher não acredita -, enquanto que o argelino reagiu de forma intempestiva quando do banco veio a ordem para o substituir. O que disse Peseiro foi simples: as regras do clube serão cumpridas. E se houve por aí quem se lembrou do incidente com Rochemback, no Sporting, agora se verá se na altura Peseiro foi mesmo mole ou se o que lhe faltou foi suporte e apoio da SAD leonina. A resposta à dúvida virá, o mais tardar, na sexta-feira, quando o FC Porto subir ao relvado da Luz para o jogo que vale a época.
2016-02-11
LER MAIS

Último Passe

Um Super Slim deu a vitória no clássico sobre o FC Porto a um Sporting "Slim Fit" e devolveu aos leões a liderança da Liga que haviam deixado na Choupana, na derrota com o U. Madeira. Falo de Super Slim porque foi Slimani quem fez os dois golos de um 2-0 que pôs justiça no placar e de "Slim Fit" porque os leões continuam a fazer valer o seu futebol estreito, com concentração de unidades no corredor central, face ao jogo mais feito de largura do adversário de hoje. E porque, além disso, em situações de equilíbrio, como a que se vivia na primeira parte, Jesus adaptou bem a estratégia da equipa às características do atacante argelino, criando condições para o libertar nas bolas paradas, por exemplo. Quando se avalia o que se viu no clássico, é impossível não destacar o papel de Slimani, sempre incansável na pressão sobre a saída de bola do adversário e na busca de profundidade nos flancos quando são os colegas que a têm, mas também por ter feito os dois golos do jogo e ainda ter enviado um cabeceamento à barra. Mas não foi só o argelino a separar duas equipas muito iguais a si mesmas. No Sporting há a realçar ainda uma exibição fulgurante do meio-campo, pela amplitude de movimentos de Adrien, cuja presença atrás não o impediu de aparecer em zonas de conclusão com frequência – também acertou uma vez no poste de Casillas – e de João Mário, sempre o maior causador de desequilíbrios na organização portista, pela facilidade com que saía do corredor direito e aparecia ao meio. E um Naldo sempre certo, a compensar a equipa nos momentos em que era o FC Porto a fazer valer as suas armas. Porque o FC Porto foi também igual a si mesmo, na aposta permanente na construção por fora. E nos momentos em que libertava Brahimi na esquerda ou, sobretudo, quando conseguir girar a bola com rapidez dali para a direita, explorando a estreiteza da organização leonina para descobrir Corona nas costas de Jefferson, criava também condições para chegar com perigo até perto de Rui Patrício. O jogo era assim um confronto de duas ideias diferentes, mas começou a resolver-se num detalhe – nisso tiveram razão os dois treinadores, na avaliação final – fruto do trabalho semanal. O Sporting adiantou-se, por Slimani, no aproveitamento de um livre lateral de Jefferson, graças a uma jogada trabalhada nos treinos e várias vezes tentada no jogo: o argelino escondia-se atrás de um colega e ganhava assim espaço para ludibriar a marcação individual feita pelo FC Porto nas bolas paradas. E ao marcar primeiro pôde gerir o jogo de forma diferente. Lopetegui tentou ganhar presença pelo meio com a troca de um médio mais posicional, como Ruben Neves, por outro com mais capacidade para esticar o jogo, como André André. Mas em vez de dar mais presença na frente ao FC Porto, isso libertou os médios do Sporting para uma segunda parte fulgurante. Pouco importou, de facto, que o basco tenha sido mais uma vez igual a si próprio ao recusar juntar os dois pontas-de-lança, trocando Aboubakar por André Silva. Era o Sporting quem mandava no relvado e se o 2-0 não chegou no tal cabeceamento de Slimani à barra nem num remate de Adrien ao poste, acabou por aparecer quando Ruiz isolou o argelino e este bateu Casillas com repentismo e potência. Confirmava-se a quarta vitória do Sporting em outros tantos clássicos e o estado de graça de Jorge Jesus, que regressa ao topo da Liga, mas o FC Porto está perto e o Benfica não ficou fora de combate – a Liga vai durar.
2016-01-03
LER MAIS

Artigo

O argelino Brahimi, autor do golo da vitória do FC Porto frente ao Nacional (2-1), na Choupana, marcou nas três últimas deslocações dos dragões: fez o segundo golo nas vitórias face ao Nacional e ao U. Madeira e o único no sucesso contra o Tondela em Aveiro. O último portista a marcar golos em três saídas seguidas na Liga tinha sido Jackson Martínez, que esteve entre os goleadores nas vitórias nos terrenos de Académica (3-0), Gil Vicente (5-1) e Penafiel (3-1), entre Dezembro do ano passado e Janeiro deste ano.   A vitória do FC Porto foi a segunda dos dragões na Madeira esta época, depois de já ali terem ganho ao U. Madeira (4-0). Após ter quebrado nesse jogo a maldição da Madeira, onde não ganhava desde Maio de 2013, o FC Porto voltou agora a imitar essa época, ganhando duas vezes na ilha: nessa altura também tinha ganho por duas vezes na Choupana, ainda que ambas ao Nacional: 3-1 para a Liga e 3-0 para a Taça de Portugal.   - Este jogo significou ainda a primeira derrota caseira do Nacional em quase um ano. A equipa de Manuel Machado não perdia em casa desde 21 de Dezembro de 2014, quando ali foi batida pelo Sporting (1-0, para a Liga). Passou desde então 17 jogos sem perder, com onze vitórias e seis empates.   - Foi a quinta vitória seguida do FC Porto na Liga, desde o empate a zero com o Sp. Braga. A equipa portista consegue a melhor série de vitórias na competição desde Fevereiro e Março, quando alinhou sete sucessos consecutivos entre a derrota com o Marítimo e o empate com o Nacional, ambos no Funchal.   - O FC Porto celebrou ainda a terceira vitória seguida em jogos fora na Liga, depois de se ter imposto a Tondela (1-0) e U. Madeira (4-0), e a 14ª deslocação seguida sem derrotas na competição, pela qual já não perde como visitante desde que foi batida pelo Marítimo, nos Barreiros, a 25 de Janeiro (1-0). No primeiro caso, a equipa de Julen Lopetegui iguala a série de Fevereiro e Março, quando ganhou sucessivamente a Moreirense (2-0), Boavista (2-0) e Sp. Braga (1-0). No segundo vai ainda longe dos 27 jogos seguidos sem perder como visitante obtidos entre uma derrota por 3-1 contra o Gil Vicente em Janeiro de 2012 e outra por 1-0 com a Académica em Novembro de 2013.   - Os 33 pontos que o FC Porto soma ao fim destas 13 jornadas são o melhor registo da equipa azul e branca desde 2012/13, quando chegou à mesma ronda com 35 pontos, fruto de onze vitórias e dois empates. Lopetegui conseguiu mais cinco pontos que na sua primeira época em Portugal.   - No seu 50º jogo com a camisola portista, Marcano voltou a fazer um golo na sequência de um canto, tal como contra o Belenenses. Foi também o segundo golo de canto do FC Porto nesta Liga – fez mais um, na Champions, por Maicon, ao Chelsea. O espanhol não fazia pelo menos dois golos num mesmo campeonato desde 2011/12, quando marcou quatro na Liga grega pelo Olympiakos.   - O golo de Marcano, aos 6 minutos de jogo, foi ainda o mais madrugador do FC Porto esta época, a par do marcado por Aboubakar ao Estoril, na terceira jornada, num jogo que os dragões acabaram por vencer por 2-0.   - Willyan marcou pelo segundo jogo consecutivo na Choupana, depois de já ter estado entre os goleadores na vitória do Nacional contra o Marítimo. Este foi, porém, o primeiro golo de cabeça que marcou com a camisola do Nacional.
2015-12-15
LER MAIS

Último Passe

A frequência com que a meteorologia particular no alto da Choupana, onde se situa o Estádio da Madeira, tem dado problemas à Liga é tanta que já nem pode ser visto com surpresa que o Nacional-FC Porto não tenha chegado ao fim. Há regulamentos, eles foram cumpridos por Jorge Sousa, que ainda levou muito para lá do aceitável as tentativas de concluir a tarefa – porque o calendário que aí vem é tão pesado que não deixa muito espaço para adiamentos –, mas a verdade é que, pelo menos tanto quanto me foi dado ver, já não houve segunda parte, irremediavelmente afetada pelas constantes interrupções e reatamentos, que tiram toda e qualquer hipótese de continuidade no trabalho das equipas em campo. O jogo prossegue amanhã, ao meio-dia e meia, hora muito mais aconselhável para se jogar ali, mas que não será a observada por Benfica e Sporting, que por lá passarão ainda esta semana.  Do que se viu, durante a primeira parte, o jogo estava a ser agradável e competitivo. O FC Porto surgiu mais solto do que o habitual, meteu gente na área, mostrou que queria ganhar e assim dar a única resposta possível à contestação de que foi alvo o treinador à chegada de Londres. Podemos até descontar os dois primeiros golos, ambos nascidos de falhas de marcação na sequência de pontapés de canto: Marcano aproveitou a demora na reação de Soares para fazer o 0-1 e Willyan antecipou-se a Brahimi para empatar logo de seguida. Mas o 1-2 nasce de uma jogada que é pouco habitual no FC Porto de Lopetegui, pois havia quatro jogadores na área do adversário num lance de cruzamento pela esquerda – e o facto de Brahimi surgir solto para fazer a recarga a um primeiro remate de Herrera nasce daí. Este foi, de resto, um jogo em que os golos se anteciparam a tudo. Com 1-2 aos 13’, seria ridículo dizer que alguma das duas equipas tinha já feito o que quer que fosse no plano estratégico para justificar o resultado. Daí até ao intervalo mandou o equilíbrio, com muita bola discutida a meio-campo. Na segunda parte, o Nacional arriscou mais, mas foi o FC Porto quem perdeu as melhores ocasiões para acabar de vez com a discussão do resultado: Aboubakar e Herrera, por exemplo, desperdiçaram lances flagrantes na cara do guarda-redes. Mas já se via pouco no campo. Apesar de os sinais que vinham da relva serem bons, Lopetegui parecia ser o mais intranquilo e interessado naquilo que também era o mais normal para qualquer espectador: o adiamento. Nacional e FC Porto concluirão o jogo amanhã, pela hora de almoço, mas o mais curioso é que tanto Benfica (na terça) como Sporting (no domingo que vem) passarão pela Choupana para defrontar o U. Madeira. A ver se a meteorologia não prega mais partidas à Liga.
2015-12-13
LER MAIS

Stats

A receção ao FC Porto é um duríssimo teste à imbatibilidade caseira do Nacional, que já vai em 17 jogos e é a mais longa de sempre em épocas nas quais o clube madeirense joga a I Liga. Se evitarem a derrota contra os dragões, os alvi-negros completarão um ano seguido sem perder na Choupana, pois a última vez que dali saíram derrotados foi a 21 de Dezembro do ano passado, contra o Sporting, em jogo da Liga. E o próximo jogo do Nacional em casa será apenas a 2 de Janeiro, contra o Arouca, no regresso da Liga. Nesse 21 de Dezembro, um golo do extremo sportinguista Carlos Mané chegou para derrotar pela última vez o Nacional no seu estádio. Desde então, a equipa de Manuel Machado jogou mais 17 vezes em casa, para todas as competições, ganhando onze e empatando seis. Por ali passaram sem perder o Moreirense (1-1, na Taça da Liga), o Sporting (2-2, na Taça de Portugal), o FC Porto (1-1, na Liga), o V. Guimarães (2-2, na Liga), o V. Setúbal (1-1, na Liga) e o Boavista (0-0, na Liga). Os outros onze jogos saldaram-se por vitórias do Nacional: 2-1 ao Boavista, 2-1 ao Belenenses, 1-0 ao Estoril, 3-0 ao V. Setúbal, 3-2 ao Gil Vicente, 2-0 ao Penafiel, 3-0 ao P. Ferreira (todos na Liga da época passada), 1-0 ao U. Madeira, 2-0 à Académica (na Liga desta época), 5-0 ao Cova da Piedade (Taça de Portugal) e 3-1 ao Marítimo (Liga).   - Julen Lopetegui cedeu em Londres, frente ao Chelsea, a sétima derrota (2-0) como treinador do FC Porto. Até aqui, nunca perdeu dois jogos seguidos: o pior que lhe aconteceu a seguir a uma derrota foi empatar a zero com o Benfica, na Luz, depois de ter sido esmagado pelo Bayern em Munique (1-6), na eliminação da Liga dos Campeões da época passada. De resto, respondeu sempre com vitórias: 2-1 ao Athletic Bilbau depois do 1-3 com o Sporting (Outubro de 2014); 4-0 ao V. Setúbal após o 0-2 com o Benfica (Dezembro de 2014); 4-1 à Académica na sequência do 0-1 com o Marítimo (Janeiro de 2015); 5-0 ao Estoril após o 1-2 com o Marítimo (Abril de 2015) e, já esta época, 1-0 ao Tondela depois do 0-2 com o Dynamo Kiev (Novembro de 2015).   - Regresso do FC Porto à Madeira, onde há semana e meia interrompeu uma série de sete jogos sem vitórias, batendo o U. Madeira por 4-0 precisamente no estádio onde vai agora jogar: a Choupana. O adversário desta vez é o Nacional, a quem os dragões não ganham fora de casa desde Maio de 2013, quando ali venceram por 3-1, graças a golos de James Rodríguez, Mangala e Lucho González nos primeiros 22 minutos. Candeias fez o tento dos madeirenses. Depois disso, há a registar uma derrota por 2-1 (2013/14) e um empate a uma bola (2014/15).   - Julen Lopetegui nunca perdeu com Manuel Machado nem com o Nacional. Os dois confrontos entre ambos resumem-se a uma vitória portista no Dragão em Novembro do ano passado (2-0) e a um empate (1-1) na Choupana em Março.   - Sendo um dos treinadores mais experientes da Liga, Manuel Machado tem um longo histórico de confrontos com o FC Porto: vai fazer o 30º. Dos 29 anteriores, foram quatro com o Moreirense (um empate e três derrotas), oito com o V. Guimarães (uma vitória, dois empates e cinco derrotas), dois com a Académica (ambos perdidos), um com o Sp. Braga (mais uma derrota) e 14 com o Nacional (duas vitórias, dois empates e dez derrotas). Ao todo, ganhou quatro vezes, empatou cinco e perdeu 20, entre elas as duas vezes em que esteve mais próximo de levar um troféu para casa: FC Porto 6, V. Guimarães 2 (final da Taça de Portugal de 2010/11) e FC Porto 2, V. Guimarães 1 (Supertaça de 2011/12).   - O FC Porto vem com quatro vitórias seguidas na Liga, na sequência do empate em casa com o Sp. Braga (0-0): 2-0 ao V. Setúbal, 1-0 ao Tondela, 4-0 ao U. Madeira e 2-1 ao P. Ferreira. Esta é já a melhor sequência da época e a melhor desde Fevereiro e Março, quando ganhou sete jogos seguidos na prova até ver a série de vitórias interrompida com um empate (1-1) precisamente frente ao Nacional no Funchal.   - O defesa central Rui Correia marcou em três dos últimos quatro jogos do Nacional na Choupana: 1-1 com o V. Setúbal, 5-0 ao Cova da Piedade e 3-1 ao Marítimo. Só ficou em branco frente ao Boavista e os alvinegros não saíram do 0-0.   - O lateral esquerdo Sequeira estreou-se na Liga a jogar contra o FC Porto, num empate a uma bola na Choupana, a 23 de Novembro de 2013. Manuel Machado lançou-o como titular e Sequeira esteve em campo pelos 90 minutos, vendo um cartão amarelo.   - Brahimi marcou golos nas últimas duas deslocações do FC Porto na Liga: garantiu o 1-0 ao Tondela em Aveiro e fez o segundo dos quatro golos sem resposta com que os dragões se impuseram ao U. Madeira no mesmo estádio onde vão jogar agora com o Nacional.   - Maicon regressa ao estádio onde se projetou para uma carreira no futebol português. Chegou a Portugal em 2008, emprestado pelo Cruzeiro ao Nacional, onde passou apenas uma época, antes de se transferir para o FC Porto. Quem o lançou na Liga portuguesa foi Manuel Machado, que agora vai ser o treinador rival.   - Marcano pode fazer o 50º jogo com a camisola do FC Porto. Dos 49 que já realizou, 31 foram na Liga, 11 na Liga dos Campeões, cinco na Taça da Liga e dois na Taça de Portugal. Só marcou um golo, nos 4-0 ao Belenenses, em Outubro.   - Maxi Pereira estreou-se na Liga portuguesa na Choupana, lançado por José Antonio Camacho num Nacional-Benficva, a 2 de Setembro de 2007. Os encarnados ganharam por 3-0 e Maxi jogou os 90 minutos como médio defensivo.   - Também o árbitro regressa ao estádio onde se estreou na Liga. Foi a 25 de Agosto de 2002 que um então muito jovem Jorge Sousa fez o primeiro jogo na Liga, um Nacional-Gil Vicente que os madeirenses perderam por 0-1. Desde então apitou por mais 19 vezes o Nacional nesta competição e por outras 19 vezes o FC Porto. Com ele, o Nacional ganhou nove vezes e perdeu oito, enquanto que o FC Porto ganhou onze e perdeu quatro (três delas até 2006/07).
2015-12-12
LER MAIS

Artigo

Ao vencer o Paços de Ferreira por 2-1, depois de ter estado a perder, o FC Porto conseguiu virar o marcador pela primeira vez desde que é treinado por Julen Lopetegui. A última virada dos dragões tinha sido a 5 de Fevereiro de 2014, ainda com Paulo Fonseca aos comandos, num jogo da Taça de Portugal, frente ao Estoril, no Dragão: Babanco adiantou os canarinhos, Quaresma empatou antes do intervalo e Ghilas fez o golo da vitória a três minutos do final.   - Mesmo vencendo, o FC Porto falhou o objetivo de passar um ano inteiro sem sofrer golos em casa em jogos da Liga portuguesa. Faltaram nove dias, pois ninguém marcava no Dragão para o nosso campeonato desde que Lima ali bisou na vitória do Benfica por 2-0, a 14 de Dezembro do ano passado. O golo de Bruno Moreira, logo aos 8 minutos de jogo, significa ainda que a série de minutos de jogo sem sofrer golos em casa para a Liga estancou aos 1483, 98 minutos aquém dos 1581 que Vítor Baía e Cândido estiveram sem sofrer golos nas Antas em 1994   - Pelo segundo jogo consecutivo, o FC Porto teve dois mexicanos a marcar. Na Madeira, contra o União, Herrera e Corona tinham estado entre os goleadores do 4-0 final, ao passo que agora, contra o Paços de Ferreira, Corona e Layun fizeram os tentos portistas. O segundo veio na sequência de um penalti cometido sobre Hererra.   - O primeiro penalti a favor do FC Porto esta época veio finalmente permitir que se perceba quem é “o especialista” dos dragões nesse tipo de lances. É Layun, o primeiro jogador do FC Porto a marcar um penalti desde que Quaresma converteu um frente ao Bayern Munique, a 15 de Abril. Depois disso, a 10 de Maio, o mesmo Quaresma falhou um contra o Gil Vicente.   - O FC Porto obteve a terceira vitória consecutiva, depois dos sucessos contra o Tondela (1-0) e U. Madeira (4-0). Está a um sucesso de igualar a melhor sequência da época, que são quatro vitórias seguidas, contra o Chelsea (2-1), o Belenenses (4-0), o Varzim (2-0) e o Maccabi (2-0), em Setembro e Outubro.   - Na Liga, os dragões ganharam os últimos quatro jogos depois do empate em casa com o Sp. Braga: V. Setúbal (2-0), Tondela (1-0), U. Madeira (4-0) e P. Ferreira (2-1). Não o conseguiam desde as sete vitórias seguidas em Fevereiro e Março.   - Brahimi viu interrompida uma série de dois jogos seguidos a marcar golos, mas fez a terceira assistência da época, ao servir Corona para o primeiro golo portista. Antes, já tinham sido dele os passes para os golos de Aboubakar e Corona que inauguraram o marcador nos jogos com o Estoril e o Belenenses.   - Corona voltou a ser titular e a marcar um golo. Vai com seis jogos a titular pelo FC Porto e seis golos. A jogar de início, só ficou em branco contra o Benfica, mas em contrapartida bisou no jogo com o Arouca.   - Tal como Corona, também o pacense Bruno Moreira marcou pelo segundo jogo consecutivo, depois de ter estado na folha de goleadores da vitória da sua equipa contra o Estoril (2-0). Repete o que já conseguira contra o Nacional e a Naval, em Outubro, com uma nuance: na altura bisou ante os madeirenses e fez quatro tentos aos figueirenses.
2015-12-06
LER MAIS

Stats

Mais um zero na suas redes e o FC Porto assegurará um ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga. O último jogador a marcar ali nesta competição foi Lima, a 14 de Dezembro do ano passado, na vitória do Benfica por 2-0. Depois de receber o Paços de Ferreira, o FC Porto só volta a jogar em casa na Liga no dia 20, contra a Académica. Mas se a celebração do ano inteiro sem sofrer golos em casa na Liga pode chegar já nesta ronda, os dragões terão ainda outra marca em mente na próxima partida. É que desde o segundo golo do Benfica nessa partida de 2014, os dragões somam já 1475 minutos de jogo sem golos dos adversários no seu estádio. Faltam-lhes 106 minutos para igualarem uma série estabelecida por Vítor Baía e Cândido de Janeiro a Dezembro de 1994. Nessa altura, os dois guarda-redes que o FC Porto usou estiveram 1581 minutos sem sofrer golos em casa no campeonato, entre um golo de Hermé (nos 4-1 ao U. Madeira, a 5 de Janeiro de 1994) e outro de Figo (no 1-1 com o Sporting, a 11 de Dezembro do mesmo ano). Atualmente, Helton, Fabiano e Casillas foram responsáveis pela manutenção do zero nos jogos com V. Setúbal (4-0), Belenenses (3-0), Paços de Ferreira (5-0), V. Guimarães (1-0), Sporting (3-0), Arouca (1-0), Estoril (5-0), Académica (1-0), Gil Vicente (2-0), Penafiel (2-0), V. Guimarães (3-0), Estoril (2-0), Benfica (1-0), Belenenses (4-0), Sp. Braga (0-0) e V. Setúbal (2-0). Dezasseis jogo completos, mais 35 minutos na partida perdida contra o Benfica. A ajudar à festa, Iker Casillas é também o guarda-redes há mais tempo sem sofrer golos na Liga, se contabilizarmos também os jogos fora de casa. O último golo sofrido pelo FC Porto foi obtido por André Fontes, a 2’ do final do empate (2-2) que os dragões cederam ante o Moreirense. Desde aí, são 452 minutos sem sofrer golos na prova, ainda assim a 50 minutos do recorde desta época, que são os 502 minutos fixados pelo bracarense Kritciuk antes dos golos encaixados na partida contra o Benfica, na passada segunda-feira.   - Brahimi marcou golos nos últimos dois jogos do FC Porto, as vitórias em Aveiro contra o Tondela (1-0) e na Choupana ante o U. Madeira (4-0). Se voltar a marcar contra o Paços de Ferreira iguala a sua melhor série de 2014/15, em que fez golos consecutivamente a Nacional, Athletic Bilbau e Estoril.   - Ruben Neves poderá fazer o 50º jogo com a camisola do FC Porto. Soma até este momento 49 partidas e um golo, logo na primeira de todas, os 2-0 ao Marítimo a 15 de Agosto de 2014. Dos 49 jogos, 30 foram na Liga portuguesa, 14 na Liga dos Campeões, três na Taça da Liga e dois na Taça de Portugal.   - Fábio Cardoso estreou-se na Liga portuguesa a jogar contra o FC Porto, mas não levou uma história muito feliz para contar em casa: Paulo Fonseca fê-lo entrar a sete minutos do fim da derrota do Paços no Dragão (5-0) em Fevereiro. O mesmo sucedeu, aliás, com Minhoca, que se estreou na Liga portuguesa contra o FC Porto, lançado como titular por Henrique Calisto na derrota (3-0) no Dragão, em Fevereiro do ano passado.   - Jorge Simão, o treinador do Paços de Ferreira, empatou o único confronto com o FC Porto e com Julen Lopetegui. Foi em Maio e o empate, ainda ao serviço do Belenenses, no Restelo (1-1) valeu a certeza matemática do bi-campeonato ao Benfica de Jorge Jesus, que ao mesmo tempo empatava a zero com o Vitória em Guimarães.   - O FC Porto ganhou os últimos seis jogos com o Paços de Ferreira, todos eles sem sofrer golos. Na última vez que marcaram um golo ao FC Porto, por Melgarejo, em Março de 2012, os pacenses roubaram dois pontos aos dragões, fruto de um empate a uma bola na Mata Real. No Dragão, então, os castores não fazem golos desde Maio de 2011, quando eram dirigidos por Rui Vitória e ali empataram a três golos, com um hat-trick de Pizzi.   - Jackson Martínez marcou nos últimos cinco jogos do FC Porto com o Paços de Ferreira, isto é, em todos desde Janeiro de 2013. Essa vitória portista, por 2-0, no Dragão, representa a última vez em que o sucesso do FC Porto sobre o Paços não teve golos do ponta-de-lança. Boas perspetivas para Aboubakar, que não marca desde a receção ao V. Setúbal (a 8 de Novembro) e fez apenas dois golos nos últimos dois meses: esse um outro, contra o Maccabi, a 20 de Outubro.   - O Paços de Ferreira só ganhou duas vezes ao FC Porto em toda a sua história, ambas em casa, mas a última já foi em Maio de 2003, com os dragões em descompressão, a caminho da final da Taça UEFA, que jogaram dez dias depois. Cadu fez o golo solitário da vitória pacense, já em período de descontos.   - O FC Porto só perdeu duas vezes em 26 jogos com Carlos Xistra a apitar, na Liga, a última das quais em Janeiro de 2008, em Alvalade, com o Sporting (2-0). Nos quase oito anos desde essa partida, Xistra apitou 15 jogos dos dragões, com 12 vitórias e três empates. Sucede que também o Paços de Ferreira costuma dar-se bem com este árbitro, o único da atual primeira categoria com o qual, tendo feito mais de um jogo, têm uma percentagem de vitórias superior a 50%: ganharam 11 das 20 partidas com ele a apitar (55%).
2015-12-04
LER MAIS

Artigo

Casillas não sofre golos na Liga há 452 minutos de jogo, desde que foi batido por André Fontes, a 2 minutos do final da partida que o FC Porto empatou (2-2) em Moreira de Cónegos, a 25 de Setembro. Desde então, o espanhol manteve a baliza inviolada contra Belenenses (4-0), Sp. Braga (0-0), V. Setúbal (2-0), Tondela (1-0) e agora U. Madeira (4-0). É já o dono da maior série de imbatibilidade em curso na prova, mas ainda a 50 minutos do máximo da temporada, que é do bracarense Kritciuk.   - Em consequência disso, o FC Porto chega à 11ª jornada com apenas quatro golos sofridos na Liga, menos um do que na época passada. Desde 2010/11, do ano em que era liderada por André Villas-Boas, que a equipa portista não tinha tão poucos golos sofridos a esta altura da prova. Nessa época, o FC Porto foi campeão, com 16 golos sofridos em 30 jogos e sem derrotas.   - Foi a primeira vitória do FC Porto na Madeira em sete jogos. A última vez que o FC Porto ali ganhara também tinha sido na Choupana, a 4 de Maio de 2013, mas contra o Nacional, que os dragões tinham batido por 3-1. Nesse jogo, o FC Porto chegou aos 3-0 em 22 minutos; ontem precisou de 23’ para fazer os três primeiros golos.   - O FC Porto segue com cinco vitórias consecutivas em jogos fora de casa: 2-0 ao Varzim, 3-1 ao Maccabi Tel Aviv, 2-0 ao Angrense, 1-0 ao Tondela e agora 4-0 ao U. Madeira. A última vez que tinha ganho cinco deslocações seguidas foi entre Novembro do ano passado e Janeiro, quando se impôs a Bate Borisov (3-0), Académica (3-0), Rio Ave (1-0), Gil Vicente (5-1) e Penafiel (3-1).   - Esta foi a maior vitória do FC Porto em jogos fora de casa desde os 5-1 ao Gil Vicente, em Barcelos, a 3 de Janeiro. Brahimi foi o ponto comum às duas listas de goleadores: marcou o terceiro em Barcelos e o segundo na partida da Choupana.   - Em contrapartida, o U. Madeira não sofria quatro golos em casa desde uma visita do Tirsense, em Setembro de 2007, na qual foi batido por 4-2. Para se encontrar uma derrota caseira por quatro golos de diferença é prciso recuar 21 anos, a 27 de Novembro de 1994, quando o Salgueiros venceu por 4-0 nos Barreiros.   - André Moreira, o jovem guarda-redes do U. Madeira, não sofria quatro golos num só jogo desde Abril de 2014. Nessa altura jogava ainda no Ribeirão e viu a sua equipa empatar (4-4) em Joane, num jogo para a manutenção no Campeonato Nacional de Seniores.   - Foi também a terceira vitória seguida do FC Porto na Liga, depois do 1-0 ao Tondela e dos 2-0 ao V. Setúbal. Os dragões igualaram a melhor série desta época, pois já tinham batido de enfiada Estoril (2-0), Arouca (3-1) e Benfica (1-0).   - Maxi Pereira fez a sexta assistência da época (quinta na Liga), ao oferecer o segundo golo da partida a Brahimi. É o jogador com mais passes de golo do FC Porto, com a curiosidade de ter sido a primeira vez que repetiu o destinatário: antes dera um golo a Aboubakar, outro a Varela, outro a Brahimi, outro a André André e outro ainda a Layun.   - A expulsão de Osvaldo, a 15 minutos do fim, significa que o FC Porto deixa o grupo de equipas que ainda não tinham tido cartões vermelhos na atual Liga, e que agora é composto apenas por Arouca, Benfica, Moreirense e U. Madeira. O último portista expulso na Liga tinha sido o guarda-redes Fabiano, a 15 de Março, na receção ao Arouca, que os dragões ganharam por 1-0. O árbitro desse jogo tinha sido Jorge Tavares.   - Brahimi marcou golo pelo segundo jogo seguido. Já não o conseguia desde Novembro do ano passado, quando esteve na lista de goleadores por três vezes seguidas, contra Nacional, Athletic Bilbau e Estoril.   - Corona fez o quinto golo em outros tantos jogos em que foi titular do FC Porto. Nessas condições, só ficou em branco contra o Benfica, mas em contrapartida bisou no desafio frente ao Arouca. 
2015-12-03
LER MAIS

Artigo

Pelo segundo jogo seguido, o FC Porto teve um penalti contra – já lhe tinha acontecido na receção ao Dynamo Kiev. Antes disso, na visita ao Maccabi Tel Aviv, Casillas também tinha sido submetido a um remate da marca dos onze metros. Mas na Liga portuguesa, há já mais de um ano que o FC Porto não sofria uma grande penalidade: a última tinha acontecido a 9 de Novembro de 2014, no Estoril, e tinha sido convertida por Tozé, colocando os canarinhos em vantagem (2-1, aos 81’), num jogo que acabou empatado a dois golos.   - O penalti falhado por Chamorro frente ao FC Porto foi o segundo que o Tondela perdeu esta época, depois do perdido por Piojo na derrota em casa contra o Estoril (também 0-1). Foi o primeiro defendido por Casillas desde que chegou a Portugal.   - O FC Porto conquistou a 1500ª vitória na Liga portuguesa. Continua a ser a segunda equipa que mais jogos ganhou, apenas atrás do Benfica, que ganhou 1539. O Sporting conta 1396 vitórias.   - Um golo de Brahimi decidiu o jogo. Foi o terceiro golo do argelino pelo FC Porto esta época, depois dos marcados ao Belenenses e ao Maccabi, ambos no Estádio do Dragão. Na época passada, por esta altura, Brahimi já tinha marcado por sete vezes.   - Foi o segundo jogo consecutivo do FC Porto sem sofrer golos fora de casa, depois dos 2-0 ao Angrense. Não acontecia desde o final da Liga passada, quando os dragões empataram a zero com o Benfica na Luz e foram depois vencer por 2-0 a Setúbal.   - O FC Porto tem 24 pontos ao fim de dez jogos – tem o desafio com o U. Madeira em atraso – o que significa que soma mais dois pontos que ao fim das primeiras dez jornadas da época anterior e iguala o arranque de 2013/14, onde também somava sete vitórias e três empates.   - Em contrapartida, os cinco pontos em onze jogos feitos pelo Tondela garantem o último lugar à equipa de Rui Bento. É preciso recuar a 2000/01 para encontrar uma equipa que se tenha salvado com tão fraco pecúlio ao fim de onze jornadas: aconteceu ao Gil Vicente, que somava apenas três pontos e acabou a Liga em 14º lugar, cinco pontos acima da linha de água. As sete últimas equipas que estavam tão mal à 11ª jornada desceram.   - O FC Porto rematou apenas onze vezes, o total mais baixo desde a terceira jornada, quando com oito remates ganhou por 2-0 ao Estoril. Para o Tondela, os onze remates permitidos ao adversário estão perto do valor médio (que era de 13 remates por jogo), mas suplantam, por exemplo, o total cedido ao Benfica, que só com 10 remates venceu os beirões por 4-0.   - O Tondela leva já dez jogos seguidos sem ganhar (oito na Liga, um na Taça de Portugal e um na Taça da Liga), desde que venceu o Nacional em casa por 1-0. É a mais longa sequência sem vitórias desde que a equipa chegou aos campeonatos nacionais.
2015-11-29
LER MAIS

Stats

O FC Porto já leva 25 vitórias seguidas em jogos contra o V. Setúbal, de longe a sua série vitoriosa mais longa contra equipas do mesmo escalão. A última vez que os sadinos conseguiram não perder com os dragões já fez dez anos na semana passada: foi a 29 de Outubro de 2005 que uma equipa do Vitória comandada por Luís Norton de Matos foi ao Dragão empatar a zero com os comandados de Co Adriaanse. De então para cá, a história tem sido repetitiva, com 25 jogos e 25 vitórias do FC Porto, 66 golos marcados e apenas sete sofridos. A superioridade azul e branca tem sido ainda mais marcada ultimamente, pois há mais de dois anos que os setubalenses não fazem sequer um golo neste desafio. O último fê-lo Rafael Martins, no Bonfim, a dar momentânea vantagem aos então comandados de José Mota, na abertura da Liga de 2013/14. Mas Josué, Quintero e Jackson viraram esse resultado para o 3-1 final, a favor do FC Porto. Nos três jogos seguintes, só houve golos portistas: 3-0 (Jackson, Varela e Carlos Eduardo), 4-0 (Quaresma, Jackson, Brahimi e Danilo) e 2-0 (Brahimi e Jackson). As 25 vitórias consecutivas do FC Porto frente ao V. Setúbal, que incluem uma final da Taça de Portugal (1-0, golo de Adriano) e a Supertaça que se lhe seguiu (3-0, marcados por Adriano, Anderson e Vieirinha), em 2006, não têm sequer comparação com mais nenhuma série em curso na equipa do FC Porto. A seguir aos sadinos, os adversários tradicionalmente mais dóceis para os portistas são o Rio Ave (sete vitórias seguidas), o Paços de Ferreira (seis sucessos de enfiada) e o Arouca (cinco vitórias nos únicos cinco jogos efetuados entre ambos).   - Brahimi marcou nas únicas duas vezes em que defrontou o V. Setúbal. Na época passada, abriu o marcador nos 2-0 do Bonfim e fez o terceiro nos 4-0 do Dragão. Jackson Martínez tinha feito golos nos últimos quatro jogos entre estas duas equipas mas já não está no FC Porto.   - Casillas continuará a tentar aumentar a corrente série de minutos sem golos sofridos pelo FC Porto em casa, na Liga. O último jogador a marcar ali nestas condições foi o benfiquista Lima, a 14 de Dezembro do ano passado, na vitória dos encarnados por 2-0. Desde então, nos jogos em casa para a Liga, o FC Porto vem acumulando zeros nas suas redes, a ponto de, com contributo de Fabiano, Helton e Casillas, somar já 1385 minutos de jogo sem sofrer golos. Está a 196 minutos da série estabelecida por Vítor Baía e Cândido de Janeiro a Dezembro de 1994. Foram na altura 1581 minutos sem sofrer golos em casa para a Liga.   - O FC Porto continua também sem perder esta época. Já lá vão 13 jogos, com nove vitórias e quatro empates, ainda a cinco partidas de igualar o arranque da equipa de Vítor Pereira, que em 2012/13 esteve 18 jogos sem perder até ser eliminado pelo Sp. Braga da Taça da Portugal (2-1), a 30 de Novembro.   - O V. Setúbal só perdeu uma vez nas primeiras nove jornadas (frente ao Marítimo, por 5-2, à quarta) e soma já 14 pontos, que fazem deste o melhor arranque de época sadino desde 2007. Por esta altura, a equipa de Carlos Carvalhal ainda não tinha perdido e somava 15 pontos, tendo acabado essa Liga em sexto lugar.   - Além disso, os sadinos não sofrem golos na Liga há 314 minutos, desde o tento de Rui Correia no empate (1-1) na Choupana com o Nacional. Desde então ganharam por 1-0 ao Estoril, por 2-0 ao Moreirense e empataram a zero com o Arouca. Esta série é a maior desde uma estabelecida em Fevereiro e Março de 2013, quando a equipa dirigida por José Mota esteve 343 minutos sem sofrer golos, entre um 0-3 frente ao Benfica na Luz (último golo de Rodrigo, aos 56’) e um 0-2 em Paços de Ferreira (golo inaugural de Cícero aos 39’). Pelo meio a baliza ficou virgem nas vitórias frente a Gil Vicente, Olhanense e Beira Mar, todas por 1-0.   - Ricardo, o guarda-redes do V. Setúbal que tem estado na baliza na série em curso, não poderá jogar, pois está emprestado pelo FC Porto. Já na altura da anterior série o guarda-redes tinha ligação aos dragões: era Kieszek, que assinara pelo V. Setúbal depois de cumprir um ano de empréstimo no Roda (Holanda).   - O portista Herrera estreou-se na Liga portuguesa contra o V. Setúbal, lançado por Paulo Fonseca a 9 minutos do fim da vitória por 3-1 no Bonfim, a 18 de Agosto de 2013.   - Julen Lopetegui e Quim Machado vão defrontar-se pela primeira vez na história. O treinador do FC Porto ganhou os dois jogos que fez contra o V. Setúbal (4-0 e 2-0 na época passada, pelo FC Porto). Já Quim Machado conseguiu empatar com os dragões ao serviço do Feirense (0-0, em Setembro de 2011), mas foi depois perder ao FC Porto por 2-0 (em Fevereiro de 2012).   - Ao 14º jogo na Liga, o jovem Tiago Martins ainda não viu uma equipa ganhar fora de casa: nos 13 anteriores verificaram-se oito vitórias caseiras e cinco empates. O juiz lisboeta, de 35 anos, vai estrear-se a apitar o FC Porto, mas no currículo já tem uma partida de um grande, pois esteve no Benfica-Estoril da primeira jornada (4-0 para os encarnados). O V. Setúbal fez dois jogos com ele sem ganhar (empate em casa com o V. Guimarães, já esta época, e derrota fora com o Moreirense, na anterior).
2015-11-07
LER MAIS

Stats

Os sete pontos que o FC Porto já soma nas primeiras três jornadas da Liga dos Campeões não são uma garantia absoluta de qualificação, mas a verdade é que só uma anormalidade poderá ainda afastar os dragões dos oitavos-de-final da competição. Desde 2007 que uma equipa não é eliminada fazendo sete pontos nos primeiros três jogos – e uma das últimas a quem isso aconteceu até estava num grupo com o FC Porto. As 50 equipas que chegaram a meio do percurso com sete pontos nas últimas sete temporadas seguiram todas em frente. No lote incluem-se o FC Porto de 2014/15 (sete pontos a meio caminho e 14 no final) e de 2012/13 (passou de nove para 13 pontos) e ainda o Benfica de 2011/12 (sete pontos à terceira ronda e 12 no final). Para se encontrar uma equipa capaz de estragar tudo depois de somar sete pontos nos primeiros três jogos é preciso recuar até 2007/08, época em que isso aconteceu logo a duas formações: o Ol. Marselha e o Glasgow Rangers. Com um ponto em comum a ambos: perderam os três jogos da segunda volta dos seus grupos. Os franceses arrancaram com uma vitória por 2-0 em casa com o Besiktas, venceram depois fora de casa o Liverpool por 1-0 e cederam um empate em casa ao FC Porto (1-1). Tudo parecia bem encaminhado para eles, mas a segunda volta foi calamitosa: 1-2 no Dragão, 1-2 em Istambul com o Besiktas e 0-4 em casa com o Liverpool, o que valeu um final com apenas sete pontos a três dos ingleses e a quatro da equipa portuguesa. Semelhante foi o descalabro do Glasgow Rangers, que arrancou a ganhar (2-1) em casa ao Stuttgart, foi depois vencer fora o Lyon por 3-0 e à terceira jornada empatou em casa com o Barcelona (0-0). Até final, só derrotas: 2-0 em Barcelona, 3-2 em Estugarda e 0-3 em casa com o Lyon, o que deixou os escoceses a três pontos dos franceses e a sete dos espanhóis. O mais normal numa equipa que faz pelo menos sete pontos nas primeiras três jornadas, porém, é mesmo ganhar o seu grupo. Das 50 que o fizeram nas últimas sete temporadas, 37 (algo como 74 por cento, três em cada quatro, portanto) acabaram o grupo em primeiro lugar. É para esse objetivo que o FC Porto tem agora de pedalar, pois tal significará evitar alguns colossos no sorteio dos oitavos de final.   - Yacine Brahimi não fez a viagem até Israel e será uma carta fora do baralho de Julen Lopetegui para defrontar o Maccabi Tel Aviv. Será apenas a segunda vez que os dragões deixam de contar com o extremo argelino em jogos internacionais desde que ele chegou a Portugal: na outra, a equipa não foi além de um empate em casa contra o Shakthar Donetsk (1-1). Brahimi fez seis golos e quatro assistências na campanha da Liga dos Campeões de 2014/15, mas esta época segue com apenas um golo nos primeiros três jogos.   - O FC Porto não sofre golos desde 29 de Setembro, data da vitória sobre o Chelsea, por 2-1, para a segunda jornada da Champions. Desde essa altura os portistas ganharam ao Belenenses (4-0), ao Varzim (2-0), ao Maccabi (2-0) e empataram com o Sp. Braga (0-0). São já 405 minutos sem sofrer golos, partilhados entre Casillas e Helton, que jogou com o varzinistas na Taça de Portugal. E constituem a melhor série de imbatibilidade dos dragões desde os 591 minutos sem sofrer golos registados em Fevereiro e Março.   - Os dragões vão tentar esticar para 13 o número de jogos sem derrota no arranque da época. Os doze que já conseguiram (oito vitórias e quatro empates) superam os onze da época passada (derrota com o Sporting, por 3-1, ao 12º jogo) e os oito de 2013/14 (derrota com o Atl. Madrid, por 2-1, na Champions, ao nono jogo). Em 2012/13 a equipa de Vítor Pereira esteve 18 jogos sem perder até ser eliminado da Taça de Portugal pelo Sp. Braga (2-1), a 30 de Novembro.   - Ao todo, incluindo a ponta final da época passada, o FC Porto vai com 17 jogos seguidos sem perder, desde os 6-1 com o Bayern Munique com que foi afastado da Liga dos Campeões da época passada, a 21 de Abril. Essa foi, aliás, a única derrota do FC Porto nos últimos 15 jogos europeus: para encontrar outra é preciso recuar até aos 4-1 encaixados em Sevilha, na Liga Europa, a 10 de Abril de 2014.   - O Maccabi já tem sete derrotas em jogos oficiais esta época e está a apenas uma de igualar o total de toda a época passada. Os israelitas perderam já com FC Porto (2-0), Dynamo Kiev (2-0) e Chelsea (4-0) na Champions. Antes tinham sido batidos pelo Plzen (2-1) e pelo Hibernians (2-1), nas eliminatórias de acesso à prova. E na Liga israelita caíram aos pés de Beitar Jerusalem (4-2) e Hapoel Ra’anana (2-1).   - O empate a zero com o Sp. Braga foi o primeiro jogo desta época em que o FC Porto não fez golos. Precisa de marcar pelo menos um em Israel para evitar ficar duas vezes seguidas em branco, algo que já não lhe sucede desde Novembro de 2011, quando ao empate a zero frente ao Olhanense se seguiu uma derrota por 3-0 com a Académica, a custar a eliminação da Taça de Portugal.   - Estoril e U. Leiria foram as únicas equipas portuguesas a ganhar em Israel. Os estorilistas bateram por 1-0 o Hapoel Ramat Gan em Agosto de 2013 e os leirienses impuseram-se pelo mesmo resultado ao Maccabi Netanya, em Agosto de 2007. O FC Porto nunca ali jogou, mas o Sporting já lá empatou duas vezes (sempre 0-0, com o Maccabi Haifa em 1995 e com o Beitar Jerusalem em 1997) e o Benfica foi sempre lá perder (4-2 com o Beitar Jerusalem em 1998 e 3-0 com o Hapoel Tel-Aviv em 2010).    
2015-11-03
LER MAIS

Artigo

Maxi Pereira viu nos 4-0 ao Belenenses o quinto amarelo em sete jogos do FC Porto na Liga, ficando desde já suspenso para a oitava jornada, na qual os dragões recebem o Sp. Braga. Iguala o pior registo de sempre com a camisola do Benfica: em 2013/14 também tinha visto cinco amarelos nas primeiras sete rondas, com a nuance de dois deles terem sido no mesmo jogo, a deslocação ao Estoril, o que lhe valeu a expulsão e a suspensão à oitava jornada. A época em que Maxi viu mais rapidamente cinco amarelos em jogos diferentes da Liga foi em 2010/11, na qual atingiu a marca à 10ª jornada.   - Pablo Osvaldo fez o primeiro golo com a camisola do FC Porto ao sétimo jogo, ainda que em cinco deles tenha jogado menos de 20 minutos. A demora foi a segunda mais longa da sua carreira. Só no Bologna tinha levado mais desafios a estrear-se a marcar: 14, pois não fez qualquer golo na meia época que lá passou, em 2008/09, só marcando a primeira vez já em 2009/10. Foi o primeiro golo de Osvaldo desde 29 de Março, quando marcou pelo Boca Juniors nos 3-0 ao Estudiantes-   - O jogo com o Belenenses assinalou também o primeiro golo de Ivan Marcano com a camisola azul e branca. Fê-lo à 40ª partida oficial. Marcano não fazia um golo desde Fevereiro de 2014, quando contribuiu com um na vitória por 4-2 do Olympiakos sobre o Platanias, no campeonato grego.   - Brahimi foi o primeiro jogador do FC Porto a marcar um golo e assistir para outro em jogos desta época. O último a fazê-lo tinha sido Aboubakar, no desafio que encerrou a temporada passada: nos 2-0 ao Penafiel, fez o primeiro golo e assistiu Danilo para o segundo.   - A vitória do FC Porto sobre o Belenenses foi a 19ª consecutiva do FC Porto no seu estádio, onde ganha sempre desde que ali perdeu com o Benfica, por 2-0, a 14 de Dezembro do ano passado. Esta equipa iguala assim o melhor registo da de José Mourinho, que também ganhou 19 jogos seguidos em casa entre uma derrota com o Real Madrid (1-3 a 1 de Outubro de 2003) e um empate com o Deportivo da Corunha (0-0, a 21 de Abril de 2004).   - Além disso, o zero na baliza de Casillas significa que já lá vão 1295 minutos de jogo desde que o FC Porto sofreu o último golo em casa em partidas da Liga. O último entrou precisamente na derrota com o Benfica, a 14 de Dezembro de 2014, e foi marcado por Lima. O registo de Helton, Fabiano e Casillas fica ainda assim aquém do estabelecido por Vítor Baía e Cândido entre um golo de Hermé (nos 4-1 ao U. Madeira, a 5 de Janeiro de 1994) e outro de Figo (no 1-1 com o Sporting, a 11 de Dezembro do mesmo ano): foram nessa altura 1581 minutos seguidos sem sofrer golos em casa.   - Continuam os problemas defensivos do Belenenses, que tem a defesa mais batida da Liga, com 17 golos encaixados em sete jogos. Este é o pior registo defensivo parcial do Belenenses à 7ª jornada desde 1974, quando chegou à sétima jornada com os mesmos 17 golos sofridos, mas com duas vitórias (1-0 ao Atlético e 6-4 ao Olhanense), dois empates (2-2 com o FC Porto e 3-3 com o V. Setúbal) e três derrotas (0-2 com o V. Guimarães, 1-2 com a Académica e 0-4 com o Benfica) face a uma vitória, quatro empates e duas derrotas da presente época. Essa equipa de 1974/75, dirigida por Peres Bandeira, chegou ao final da época em sexto lugar, com a sétima melhor defesa da prova (37 golos em 30 jogos).   - Aboubakar completou o quarto jogo consecutivo sem marcar golos, depois do bis em Kiev, no empate (2-2) frente ao Dynamo. É a sua mais longa “seca” desde que representa o FC Porto e a mais longa desde Fevereiro e Março de 2014 quando, ainda no Lorient, esteve seis jogos sem marcar, entre um golo ao Monaco, a 1 de Fevereiro, e outro ao Stade Reims, a 29 de Março.
2015-10-05
LER MAIS

Último Passe

Os resultados largos com que FC Porto e Sporting despacharam os históricos Belenenses e V. Guimarães permitiram que as duas equipas mantivessem a liderança conjunta da Liga mas foram bem diferentes entre si. Acusando o desgaste da épica jornada europeia contra o Chelsea, os dragões fizeram um jogo menos intenso e acabaram por valer-se da inspiração individual dos seus dois extremos, Corona e Brahimi, para desmontar a longa resistência do autocarro azul. Mais tarde, mudando cinco titulares em relação ao empate de Istambul, que até tinha sido dois dias depois, o Sporting voltou ao jogo pressionante e rápido que chegou a mostrar no início da temporada e desde cedo reduziu a escombros a resistência de um Vitória que quis jogar no campo todo. Os dois jogos permitiram ainda que os treinadores provassem razão em duas das suas mais contestadas opções. Lopetegui tirou rendimentos da obsessão pelo jogo pelas faixas laterais, por onde criou os lances que desbloquearam o resultado: Brahimi furou pela esquerda antes de servir Corona com talento para o 1-0; Maxi cruzou na direita para Brahimi fazer o 2-0 e Tello arrancou igualmente pela direita antes de dar o 3-0 a Osvaldo. Marcano ainda fez o último golo da noite numa bola parada. Por sua vez, Jesus mostrou que a opção de fazer repousar parte dos titulares na Liga Europa deu rendimento: aliada a um maior aproveitamento das ocasiões criadas, a capacidade de pressão e recuperação de bola ainda bem no meio-campo adversário permitiu que os leões cedo chegassem aos dois golos de vantagem e partissem daí para a melhor exibição coletiva da época. Depois de João Mário dar o 1-0 a Slimani, Gutierrez aproveitou uma oferta do adversário para dobrar a vantagem; na segunda parte Jefferson fez três assistências para golos de Slimani (dois) e Adrien antes de Josué reduzir para os 5-1 que se verificaram no final. É verdade que a essa subida de rendimento dos leões não é alheia a presença de João Mário no corredor direito ou a subida de forma de William. O médio centro recentemente regressado de lesão dá outra dimensão ao meio-jogo leonino e o jovem convertido em extremo, melhor na tomada de decisão e na capacidade de transformar o jogo em esforço coletivo que todas as alternativas anteriormente testadas para a vaga de Carrillo, permite que os leões liguem melhor os setores e até sejam mais rápidos – porque deixa de haver tanto raide individual com o resto da equipa na expectativa. É que a capacidade de iluminar individualmente o jogo de uma equipa não depende apenas da criatividade ou da capacidade de drible, como tão bem o mostraram Corona e Brahimi no FC Porto. Eles têm tudo: a criatividade, a capacidade de drible, a rapidez de execução, mas sobretudo a inteligência na tomada de decisão que lhes advém de uma maior experiência que já foram adquirindo. Por isso foram investimentos pesados e não são projetos mas sim jogadores feitos.
2015-10-04
LER MAIS

Stats

A Madeira tem sido a ilha maldita para o FC Porto e não é apenas desde que Julen Lopetegui tomou conta da equipa. É verdade que os dragões perderam dois e empataram um dos três jogos feitos no Funchal na época passada e que com esses resultados se explica parte dos desaires na Liga e na Taça da Liga da época passada, mas já no ano anterior a formação liderada por Paulo Fonseca, primeiro, e Luís Castro, depois, ali tinha perdido duas vezes. Para encontrar uma vitória do FC Porto na Madeira é preciso recuar até Maio de 2013, quando, ainda liderada por Vítor Pereira, a equipa azul e branca se impôs ao Nacional na Choupana por 3-1, a caminho do título de campeã da Liga. Nos Barreiros, então, os dragões já não ganham desde Abril de 2012.Na época passada, a Madeira está intimamente ligada ao insucesso portista. A derrota nos Barreiros em Janeiro de 2015, a abrir a segunda volta (1-0, golo de Bruno Gallo), quase deixou o Benfica com o título assegurado, tal seria a vantagem se os encarnados tivessem sido capazes de ganhar em Paços de Ferreira, no encerramento da jornada. Perderam e o FC Porto começou ali a encetar uma recuperação que, após a derrota do Benfica contra o Rio Ave em Vila do Conde, em Março, o deixaria à distância de uma vitória dos campeões, desde que ganhasse ao Nacional na Choupana. Sucede que o FC Porto não foi além de um empate nesse jogo (1-1, com Wagner a responder ao golo de Tello). Com pouca esperança na Liga, o FC Porto voltou à Madeira para jogar a meia-final da Taça da Liga, contra o Marítimo. E nova derrota (1-2, com Bruno Gallo e Marega a responderem a um golo inaugural de Evandro) significou que a época acabaria sem troféus no Dragão.O último treinador portista a ganhar na Madeira foi, assim, Vítor Pereira, a caminho do título nacional em 2013. Em 2013/14, as duas deslocações à “ilha maldita” saldaram-se ambas por derrotas: 1-0 nos Barreiros em Fevereiro com o Marítimo (marcou Derley) e 2-1 na Choupana com o Nacional (os golos de Candeias e Rondón pesaram mais que o obtido por Jackson). São, por isso, cinco, os jogos que o FC Porto leva na Madeira sem ganhar. Desse sucesso sobre o Nacional, na Choupana, em Maio de 2013 (3-1, com os golos de James, Lucho e Mangala a aparecerem todos até aos 22’, antes de Candeias reduzir), só resta um jogador no FC Porto: Varela. Da última vitória nos Barreiros (2-0, em Abril de 2012, com dois penaltis de Hulk) sobram Varela e Maicon. - O primeiro jogo de Maxi Pereira em Portugal foi na Madeira, em Setembro de 2007. Foi lançado de início por Camacho numa vitória do Benfica sobre o Nacional por 3-0, mas alinhou a meio-campo, que era a posição que mais fazia antes de chegar. - Bruno Martins Indi, Tello, Brahimi e Ruben Neves estrearam-se na Liga contra o Marítimo, na jornada inaugural do campeonato passado. O centrocampista, que foi a surpresa de Lopetegui nessa partida, fez mesmo o primeiro golo de uma vitória por 2-0. - Esse jogo também serviu de estreia ao maritimista Dyego Sousa, que porém não foi o único a arrancar no futebol português contra o FC Porto. O guardião Salin e o defesa central Raul Silva também deram os primeiros passos na Liga defrontando o FC Porto: o francês fê-lo em Agosto de 2010, nas redes da Naval, que perdeu em casa com os Dragões por 1-0, enquanto que o brasileiro teve a estreia em Janeiro passado, com a camisola do Marítimo, na vitória por 1-0 que chegou a fazer perigar ao ser expulso a 20’ do fim. - Ivo Vieira, treinador do Marítimo já conheceu alegria e tristeza a defrontar o FC Porto. Em Outubro de 2011, quando dirigia o Nacional, perdeu no Dragão por 5-0 e, embora ainda tenha dirigido a equipa no compromisso seguinte (vitória sobre o Beira Mar, em casa, por 2-1) já sabia que iria ser substituído por Pedro Caixinha no dia seguinte. A “vingança” teve-a na época passada quando, depois de substituir Leonel Pontes aos comandos do Marítimo, ganho ao FC Porto nos Barreiros (2-1) e acedeu à final da Taça da Liga. - O FC Porto tem um registo 100% vitorioso nos jogos dirigidos por Hugo Miguel na Liga. Nas 12 vezes que foram apitados por este árbitro de Lisboa, os dragões somam outras tantas vitórias e um score de 36-5 em golos. Uma dessas vitórias aconteceu precisamente nos Barreiros, contra o Marítimo (2-0, em Maio de 2011, na jornada de consagração da equipa dirigida por André Villas-Boas), que por sua vez só venceu duas de 13 partidas com este árbitro.
2015-08-20
LER MAIS