Stats 

Académica FC Porto

Liga Portuguesa

2016-04-23 16:15

Sport TV 1
A história cruzada de Peseiro e Gouveia
2016-04-23

Uma derrota com a Académica, quando dirigia o Sporting, motivou a única chicotada psicológica de que o atual treinador do FC Porto foi alvo em Portugal. Aconteceu a 16 de Outubro de 2005, fruto de um golo solitário de Marcel, em Alvalade, e Peseiro acabou por deixar o clube, levando atrás dele o presidente leonino, António Dias da Cunha. Desde então, porém, exorcizou o “fantasma”, com duas vitórias nos dois jogos que fez contra os estudantes, enquanto liderou a equipa do Sp. Braga, em 2012/13.

Ao todo, Peseiro ganhou quase metade dos jogos que fez contra a Académica: cinco em onze. O que é curioso é que numa dessas vitórias – os 3-2, de 11 de Outubro de 2002 – tinha no onze Filipe Gouveia, que hoje é treinador da Académica. Gouveia tinha sido campeão no meio-campo do Boavista em 2001, passara meia época emprestado ao Paços de Ferreira e no Verão de 2002 assinou pelo Nacional, que Peseiro acabara de promover à I Liga. Nesse desafio, na Choupana, o adversário entrou para a segunda parte em vantagem, mas a reviravolta começou no pé esquerdo de Gouveia, que bateu um livre lateral para conclusão do espanhol Alvaréz. Mais à frente, Alvárez fez mais um golo e o Nacional ganhou por 3-2.

Peseiro já tinha ganho o primeiro jogo contra a Académica, ainda na II Liga, em Janeiro de 2001. Nessa primeira época no segundo escalão ganhou em casa por 2-1 e perdeu em Coimbra por 3-0. Na segunda temporada, que acabou com a subida de Nacional e Académica, verificaram-se dois empates: 0-0 em Coimbra e 2-2 no Funchal. Além da tal vitória por 3-2 na Choupana, a última época de Peseiro ao comando do Nacional, antes de sair para ser adjunto de Carlos Queiroz no Real Madrid, teve ainda um empate a zero em Coimbra. De regresso a Portugal, para liderar o Sporting, o treinador de Coruche ganhou por 3-2 em Coimbra, em Dezembro de 2004, empatando depois a zero em casa, em Abril de 2005 – faz hoje 11 anos. Peseiro só defrontou mais uma vez a equipa da Académica enquanto treinador do Sporting, na tal derrota em Alvalade que motivou a demissão, mas teve depois 100 por cento de aproveitamento enquanto técnico do Sp. Braga: 4-1 em Coimbra, em Dezembro de 2012, e 1-0 em Braga, em Abril de 2013.

 

Filipe Gouveia, treinador da Académica, perdeu os quatro jogos que fez com os grandes, mas nos últimos dois já esteve muito perto de evitar a derrota. Começou por ser batido por 3-0 pelo Benfica na Luz e de seguida perdeu por 3-1 com o FC Porto no Dragão. Na segunda volta, o Sporting só lhe ganhou (3-2) em Alvalade com um golo de Montero a seis minutos do fim e o Benfica só ganhou em Coimbra com um tento de Jiménez aos 85’.

 

As cinco vitórias obtidas pela Académica no campeonato foram todas em casa, mas os estudantes entram em campo com um registo de cinco jogos sem ganhar, desde que bateram o V. Guimarães, em Coimbra, por 2-0, a 6 de Março. Desde então sofreram golos em todos os jogos, mas também marcaram em quatro deles: 2-2 com o Moreirense, 0-3 com o Estoril, 2-3 com o Arouca, 1-2 com o Benfica e 1-1 com o Belenenses.

 

Em contrapartida, o FC Porto tem vindo a alternar o pior com o melhor nas deslocações desde o início de Fevereiro. Nessa altura, a equipa de Peseiro alinhou três vitórias seguidas fora de casa – 3-1 ao Estoril, 3-0 ao Gil Vicente para a Taça de Portugal e 2-1 ao Benfica –, algo que não voltou a conseguir repetir. A série “montanha russa” começou logo a seguir com a derrota em Dortmund, por 2-0. Seguiram-se a vitória no Restelo contra o Belenenses, por 2-1, e a derrota em Braga, por 3-1. Vieram depois a vitória em Setúbal por 1-0 e a derrota em Paços de Ferreira, pelo mesmo score. Pela teoria da alternância, é a vez de ganhar.

 

Em nove jogos fora de casa, o FC Porto de José Peseiro só manteve a baliza a zeros por duas vezes: nas vitórias por 3-0 em Barcelos, contra o Gil Vicente, para a Taça de Portugal, e por 1-0 em Setúbal, contra o Vitória, na Liga. Nos outros sete desafios, sofreu onze golos.

 

Marinho, da Académica, estreou-se na Liga a jogar contra o FC Porto, lançado por Ulisses Morais, a 6 de Janeiro de 2008, a 15 minutos do fim de uma derrota da Naval por 1-0 no Dragão.

 

Rabiola e Rui Pedro, ambos com passagem pelo FC Porto, já marcaram aos Dragões. Rui Pedro, que foi mesmo formado pelos Dragões e só fez um jogo de azul e branco – a eliminação da Taça da Liga aos pés do Fátima, em 2007 – marcou o golo na derrota da Académica no Porto, na primeira volta do atual campeonato. Já Rabiola, que foi formado no V. Guimarães e contratado pelo FC Porto ainda como adolescente, só fez seis jogos de azul e branco, em 2008 e 2009, tendo marcado aos dragões em Janeiro de 2015, numa derrota por 1-3 com a camisola do Penafiel.

 

Helton vai regressar à baliza do FC Porto, por troca com Casillas, já a pensar na final da Taça de Portugal. O guardião brasileiro fará o primeiro jogo na Liga esta época, uma vez que não joga na competição desde a vitória frente ao Penafiel (2-0), no Dragão, a 22 de Maio de 2015. Regressa exatamente contra o adversário que lhe assinalou a estreia, já lá vão mais de treze anos. Foi a 23 de Março de 2003 que Manuel Cajuda o lançou num empate caseiro entre a U. Leiria e a Académica.

 

O FC Porto ganhou os últimos cinco jogos com a Académica mas, destes, quatro foram no Dragão. Em Coimbra, os portistas têm alternado vitória e derrota com uma grande regularidade: ganharam lá por 3-0 em Outubro de 2011 (golos de Walter, James e Guarín) e perderam por 3-0 para a Taça de Portugal em Novembro do mesmo ano (marcaram Marinho, Adrien e Diogo Valente); depois voltaram a vencer por 3-0 em Março de 2013 (golos de Mangala, Danilo e Castro) e perderam por 1-0 em Novembro do mesmo ano (marcou Fernando Alexandre). Desde então, voltaram a ganhar por 3-0 em Dezembro de 2014 (bis de Jackson e golo de Herrera).