Último Passe 

2015-11-14
Ver coisas boas num jogo mau e triste da seleção

A derrota de Portugal na Rússia, por 1-0, com golo no último minuto, foi uma espécie de morte pelo próprio veneno da equipa de Fernando Santos, que tão habituada está ganhar assim em jogos a doer. O selecionador nacional falou no erro que permitiu o golo russo, mas preferiu relevar as coisas boas que viu, como é natural, por se tratar de um jogo particular, em que o resultado era o menos importante. De qualquer modo, importa que tudo seja avaliado e contextualizado. E que se perceba o que se tira desta viagem a Krasnodar, de um jogo tristonho sem nada de globalmente positivo.

Tiram-se, à partida, quatro estreias mais, elevando para 19 o número de novos internacionais com a chancela de Fernando Santos. Melhor a de Gonçalo Guedes, que esteve em campo na fase boa da equipa nacional e mostrou desenvoltura e os mesmos atributos que tem exibido no Benfica (verticalidade, objetividade e velocidade); menos positivas as de Lucas João, Ruben Neves e Ricardo Pereira, que só apareceram quando Portugal deixou de procurar a baliza adversária. De qualquer modo, mais do que aquilo que tenham mostrado em campo, o que interessa aqui é a forma como se integraram no grupo, o modo como responderam ao desafio que representa jogar na seleção nacional. E a isso, que se avalia também nos treinos e no estágio, só o selecionador poderá responder.

Tiram-se, depois, algumas ilações positivas acerca de comportamentos da equipa. Os laterais cresceram muito desde a estreia de Santos, em Paris, há 13 meses. Rui Patrício foi o melhor de Portugal em campo. João Mário mostrou-se ativo em algumas incursões pela área adversária e Nani provou que pode perfeitamente ser um jogador útil do ponto de vista defensivo, pois esteve mais à vontade a equilibrar atrás do que a desequilibrar na frente. O que lança a equipa em direção ao tal 4x4x2 que a existência de Ronaldo reclama, mas que a ausência de Ronaldo não permite testar, mesmo que Nelson Oliveira tenha tido a preocupação de jogar de costas para a baliza para nele encaixar. Porque Ronaldo é o upgrade que permite transformar uma equipa que só foi capaz de procurar a baliza russa em metade da primeira parte numa competidora séria em 90 minutos.