Último Passe 

2015-11-11
O dia intenso da Comissão de Inquéritos da Liga

Quando há dias aqui defendi um papel mais proactivo da Liga no combate aos problemas que afetam o futebol nacional estava longe de antecipar uma tarde tão intensa como a vivida hoje pela Comissão de Instrução e Inquéritos. Os visitantes foram tão ilustres e incompatíveis que só faltou transformar a sede do organismo de acordo com as normas arquitetónicas de um qualquer consultório de psicologia clínica, para evitar que eles se cruzassem. Só hoje por lá passaram Luís Filipe Vieira, Bruno de Carvalho e Jorge Jesus – e alguns outros podiam ter lá dado um salto também.

A questão é que, além de ser um empecilho – Vieira, a crer nas palavras de Rui Gomes da Silva, não pôde ir à Guiné Bissau, ao passo que Bruno de Carvalho e Jesus também terão coisas mais importantes para fazer – não vai ser a ouvir que a Liga lá chega. Há questões de procedimento, nada moderno para um desporto que se considera na vanguarda, e fazer os protagonistas correr meio país para lhes fazer perguntas de resposta óbvia é uma delas. Jesus terá então dito de onde conhece o árbitro Jorge Ferreira. Dos campos de futebol? A sério? Bruno de Carvalho terá sido questionado acerca das acusações que fez ao Benfica sobre o “vouchergate”? E não adiantou mais do que tudo o que já tinha dito no programa Prolongamento há um mês – um mês, veja-se a rapidez processual… – ou nas dezenas de intervenções que se seguiram? E Vieira terá sido questionado acerca das razões que levam o Benfica a oferecer os vouchers aos árbitros? E disse que era uma questão de cortesia e de bem-receber? Palavra de honra?

Para cúmulo, os árbitros ouvidos também acham que as ofertas que recebem dos clubes não lhes toldam o discernimento, nem em campo nem no momento de escrever os relatórios? E isso é a resposta de agora e também a que darão se entretanto descerem de divisão? De certeza? Nem vale a pena dizer que nada disso me conforta, porque nem assim houve um único membro da equipa de arbitragem liderada por Cosme Machado a ver Lito Vidigal confrontar Naldo antes de este o empurrar para fora de campo, o que terá estado na origem da leveza do castigo ao treinador do Arouca. E não sei o que me preocupa mais. Se é que esta Comissão se leve tão a sério que ache que tem de convocar estas mini-cimeiras para ouvir respostas óbvias, que qualquer comentador engajado das segundas-feiras à noite daria, ou se é que mais ninguém faça nada para mudar isto. Vai-se a ver e no fim ficam todos amigos e vão almoçar juntos. Seja com vouchers ou senhas de presença.