Último Passe 

2015-11-06
Fernando Santos, Ronaldo e um casamento por procuração

Fernando Santos abriu hoje a caça ao ponta-de-lança. É essa uma das principais ilações a tirar da lista de convocados do selecionador para os particulares com a Rússia e o Luxemburgo, que nas palavras do técnico marcam o “primeiro dia do Europeu”. É excelente que Santos já tenha assumido a procura de um jogador capaz de casar com Ronaldo no ataque como prioridade máxima até ao arranque da fase final. Mas ainda me sobram duas ou três inquietações na lista de 23 jogadores chamados. Uma das quais o facto de se querer que este casamento seja feito por procuração.

As chamadas de Lucas João (quatro golos em 17 jogos pelo Sheffield Wednesday) e Nelson Oliveira (um golo em oito partidas pelo Nottingham Forest) enquadra-se na tal busca do elo perdido, o ponta-de-lança que possa permitir a Portugal jogar em 4x4x2, com Ronaldo ao meio mas livre do que faz pior ou do que o impeça de fazer aquilo em que é incomparável. A própria convocatória de Gonçalo Guedes – justa, pelo que o miúdo tem feito até aqui – pode ser assim vista, pois também ele tem caraterísticas que lhe permitam jogar ao meio num ataque móvel. Só que, mais uma vez, se a ideia é testar compatibilidades com Ronaldo, pois é evidente que quem falta é o próprio Ronaldo, que fica em Madrid.

Sim, Ronaldo está sujeito a uma pressão incomparável e, jogando num clube poderoso, acaba por ter o reverso da medalha, ao ficar livre destas “chatices” que são os jogos particulares. Da mesma forma que já ficou fora da deslocação a Belgrado para jogar com a Sérvia, quando a qualificação estava assegurada. Mas se Ronaldo fez 14 jogos pelo Real Madrid este ano, Rui Patrício já esteve em 16 desafios do Sporting, Bernardo Silva fez 17 pelo Mónaco e Nani outros tantos pelo Fenerbahçe. Todos foram convocados e para nenhum deles se procura o parceiro ideal. É isto que me custa perceber, mais a mais num dia em que, a propósito do Sporting-Benfica do dia 21 (quatro dias após o jogo no Luxemburgo), o selecionador reiterou que os clubes não ditam nada na seleção.

De resto, as alterações promovidas por Fernando Santos à última convocatória têm lógica, embora a mim me pareça que já tarda a oportunidade a Ruben Neves: se já é altura para Gonçalo Guedes, também não é cedo para o miúdo que manda no meio-campo do FC Porto. Ventura volta a ceder a vaga de terceiro guarda-redes a Anthony Lopes. Nélson Semedo está lesionado e cai para o regresso de Vieirinha, que estava magoado na altura dos últimos jogos. Coentrão também não joga desde o Portugal-Dinamarca e por isso fica fora para que possa ser visto Raphael Guerreiro. Ricardo Carvalho, que não falha um minuto no Mónaco, descansa, porque já está disponível Pepe. William Carvalho regressa e André Gomes tem mais uma oportunidade, em vez de Tiago e Veloso, que ficam em repouso. Na frente é que muda quase tudo: só Nani e Bernardo Silva se mantêm, para que possam aparecer Ricardo Pereira – que tem sido lateral no Nice mas aqui deverá voltar a ser extremo –, Gonçalo Guedes, Lucas João e Nélson Oliveira. A ver se alguém diz o tão desejado “Sim” a Ronaldo, mesmo num casamento por procuração.