Último Passe 

2015-10-27
Dérbi gera silêncio na Luz e euforia em Alvalade

O dia seguinte ao dérbi ficou marcado por comportamentos antagónicos de Benfica e Sporting face àquilo que se passou em campo. No Benfica, a resposta dos responsáveis às inúmeras manifestações de descrença de adeptos mais ou menos ilustres foi o silêncio. No Sporting, Bruno de Carvalho não resistiu a cavalgar a onda do sucesso com uma declaração. Nada contra uma coisa nem outra. Mas eu faria tudo ao contrário.

As cinco derrotas em onze jogos oficiais que o Benfica de Rui Vitória apresenta não são um bom cartão de visita. O campeonato não está perdido, mas está muito mal encaminhado. Claro que o Benfica pode arrepiar caminho, como fez o Sporting de Bölöni em 2001/02, quando perdeu três vezes nas primeiras oito jornadas e ainda chegou ao título, mas os sinais de instabilidade que a equipa apresenta não o prenunciam. E perante isto, não seria má ideia a administração vir agora reafirmar a ideia que teve para o clube, partilhar um pouco o mau momento com o treinador, de forma a diminuir a pressão em cima dele. Não falo de um voto de confiança no treinador, pois acredito que sempre que um presidente dá um voto de confiança público ao técnico é porque na verdade desconfia dele. Falo, isso sim, de uma manifestação clara do que o Benfica quer para o seu futebol e da concentração de energias no apoio à ideia que presidiu às escolhas que fez. Porque a sensação que fica é que na administração anda tudo obcecado com Jesus e que isso não só diminui Rui Vitória como leva a que ele próprio tenha de enfrentar esse fantasma no dia-a-dia, deixando de fazer aquilo em que acredita para fazer aquilo que acha que Jesus não faria.

No Sporting, o momento é de euforia e o caso não é para menos. Os leões ganharam na Luz por números que já não aconteciam desde o tempo dos Cinco Violinos e voltaram à liderança da Liga de forma isolada. Jorge Jesus optou pela abordagem discreta e fez bem, ainda que boa parte do que disse e fez durante o jogo, quando evitou os festejos excessivos que podiam ser vistos como provocatórios, possa ser ameaçado por uma simples declaração: a de que podia “deixar Rui Vitória deste tamanhinho”. Os líderes querem-se discretos na hora da vitória e Jesus já foi apanhado suficientes vezes no pecado da soberba para o saber. Bruno de Carvalho é que não resistiu ao comunicado a pontuar o momento. Tê-lo-á feito apenas para agradecer o apoio dos adeptos que estiveram na Luz? É possível. E sabendo-se como a sua liderança é tão próxima das massas é até muito compreensível e defensável, por não ter ultrapassado limites e ter mantido um discurso sempre equilibrado. Ainda assim, a ideia que fica é a de quem não resistiu a chamar a atenção, a dizer “também lá estive”. Como se isso fosse preciso e se o facto de estar a endireitar o clube e a devolvê-lo às grandes decisões só valesse de alguma coisa se o mérito lhe for constantemente reconhecido.