Último Passe 

2017-07-05
Afinal, Coentrão é feito de Benfica ou Sporting

O futebol é, há muitos anos já, coisa de profissionais onde, com cada vez mais raras exceções, quem tem verdadeiro amor à camisola – ou ódio, muitas vezes, que aqui funciona mesmo como uma espécie de amor ao contrário – são apenas os adeptos. Os jogadores, esses, tal como os treinadores, os jornalistas e ultimamente até os dirigentes, são profissionais. Sempre defendi que deve exigir-se-lhes que façam tudo o que podem em defesa das cores com as quais têm contrato enquanto esse vínculo vigora e nada a partir do dia em que ele termina. Querer levar a coisa para além disso é uma ilusão a que só uma meia dúzia de eleitos pode corresponder: os que aliam paixão clubística com independência financeira.

Foi por isso que o vídeo de apresentação de Fábio Coentrão como jogador leonino, no qual o jogador diz já ter vestido muitas camisolas mas ter sido sempre “feito de Sporting”, me disse tanto como aquele outro, até há pouco tempo apresentado como a verdade, no qual o jogador dizia que em Portugal só jogaria no Benfica. Ou como uma entrevista mais antiga, dada num momento em que Coentrão ainda era jogador do Rio Ave mas já se dizia nos jornais que o Sporting podia estar interessado nele, na qual o jogador confessou que era sportinguista e que jogar em Alvalade seria uma honra. Qual é a verdade que vale aqui? A primeira, por ser mais antiga? A última, por ser mais atual?

Na verdade, isso devia ser irrelevante, pois em todos os casos aquilo que Coentrão quer é agradar a quem nele aposta. Fica-lhe bem esse sentimento de gratidão, mas não devia ser preciso demonstrá-lo assim, ignorando a existência de neurónios na cabeça de quem o ouve. E no entanto, ele fá-lo. Como o fazem outros. Porquê? Porque a verdade é que isso conta. A partir do momento em que Coentrão disse agora o que disse e isso foi posto a circular nas redes sociais, estas vão ser palco de uma luta entre dois exércitos: os que acham que Coentrão andou anos a enganar o Benfica e a sofrer pelo Sporting e os que acham que Coentrão foi feliz no Benfica e agora vai enganar o Sporting.

Não alinho num grupo nem no outro. Tanto se me dá se, no fim dos jogos do Real Madrid, Coentrão ia perguntar à família como ficou o Sporting ou como ficou o Benfica. E a Jorge Jesus, outro sportinguista que foi feliz no Benfica e tenta tudo para voltar a sê-lo no Sporting, isso também não interessa nada. O que lhe interessa é saber se o jogador ainda é capaz de encher o corredor esquerdo como fazia quando ele o liderava no Estádio da Luz. O resto é conversa para encher chouriços e enganar tolinhos.