Último Passe 

2017-05-25
Uma lista conservadora a lançar a nova época

A lista de convocados de Fernando Santos para a jornada dupla que a seleção nacional vai viver na primeira semana de Junho, contra Chipre e a Letónia, mas já com vista panorâmica para a Taça das Confederações, não saiu da linha habitual neste selecionador. Foi uma lista que pode ser vista como conservadora, com poucas mudanças relativamente à convocatória de Março, onde até a ausência de Éder é mais notícia no plano das emoções do que das razões meramente futebolísticas. Houve surpresas, sobretudo na baliza, mas a principal novidade do dia na Cidade do Futebol, onde Rui Jorge também anunciou a convocatória para o Euopeu de sub21, será em torno das dores de cabeça que os treinadores dos grandes terão quando quiserem começar a trabalhar a nova época.

Mas olhemos primeiro para os AA. Comparando a lista hoje revelada por Santos com a que o selecionador nacional produzira para o último jogo competitivo da equipa, a receção à Hungria em Março, há apenas quatro ausentes: Marafona, que está lesionado, Varela, que na altura foi chamado de recurso para render o lesionado Anthony Lopes, Renato Sanches e Éder. Parte da explicação para estas alterações terá a ver com a recuperação de Nani e Adrien, que naquele mês estavam lesionados e agora recuperam o estatuto. Como alguém tinha de sair, acabaram por cair Éder (dois golos no campeonato francês desde o Ano Novo são ainda assim diferentes dos seis que fez na reta final da época passada e que o levaram ao Europeu) e Renato Sanches (apenas duas vezes titular do Bayern desde o Ano Novo, que dará o seu contributo aos sub21). O resto tem a ver com o regresso de Neto, defesa-central do Zenit com quem Santos quererá contar na Rússia, quando se jogar a Taça das Confederações.

De ordem diferente serão as explicações para as alterações na baliza. Sem Marafona (lesionado) e Anthony Lopes (dispensado por motivos pessoais graves), Santos optou por recuperar Beto, que passou grande parte da época no banco do Sporting, e José Sá, que a fez no banco do FC Porto. À partida, ambos terão larga experiência recente naquilo que vão fazer, que é ocupar o banco, na reserva de Rui Patrício. Mas se é verdade que é possível encontrar uma lógica nestas chamadas – Beto já esteve em grandes competições internacionais, chegou mesmo a jogar no Mundial de 2014, e José Sá foi internacional sub21 e jogou um Mundial de sub20 – ela vem num sentido inverso ao de outras feitas pelo selecionador. E sobretudo vem acentuar o problema como que vão deparar-se os treinadores dos três grandes na altura de começar a trabalhar a nova época. Jorge Jesus, por exemplo, começará a treinar a 26 de Junho, porque o Sporting tem o play-off da Champions como data decisiva de toda a temporada, com os seus dois guarda-redes na Taça das Confederações.

E os problemas de Jesus não acabam aí. Na medida em que é possível antever o plantel do Sporting para 2017/18, ele terá Rui Patrício, Beto, William, Adrien e Gelson na Taça das Confederações (possivelmente até 2 de Julho), Ruben Semedo, Francisco Geraldes, Podence, Iuri Medeiros e até possivelmente Tobias Figueiredo no Europeu de sub21 (até 30 de Junho) e ainda eventualmente Bryan Ruiz na Copa de Oro da Concacaf durante o mês de Julho. Como todos voltarão e ainda terão de gozar férias, isso quererá dizer que Jesus vai começar a trabalhar com mais de meia equipa que depois acabará por ter de ser colocada no mercado. Como será difícil a tarefa de quem quer que o FC Porto venha a escolher para suceder a Nuno Espírito Santo: José Sá, Danilo, André Silva, Corona, Herrera e Layún estarão na Taça das Confederações (e os três mexicanos poderão ainda jogar a Copa de Oro a seguir), da mesma forma que Ruben Neves estará nos sub21, acompanhado de jogadores sem presença garantida no plantel, como Tomás Podstawski, Fernando Fonseca e Gonçalo Paciência. Tendo menos gente envolvida, Rui Vitória não passa ao lado desta problemática, com Nélson Semedo, Pizzi, Jiménez e (se renovar) Eliseu na Taça das Confederações e João Carvalho no Europeu de sub21.