Último Passe 

2016-12-13
A quarta Bola de Ouro e as suas leituras

A conquista da quarta Bola de Ouro por parte de Cristiano Ronaldo, com uma gritante superioridade sobre a concorrência liderada por Messi, é vista por alguns como muita coisa que não tem necessariamente de ser. A votação dos correspondentes da France-Football – na qual, deixem-me dizê-lo, acredito muito mais do que naquela que vai ser feita pelos capitães e selecionadores nacionais chamados a votar pela FIFA, por ser menos suscetível a lóbis – confirma que Ronaldo foi o melhor jogador de 2016 e é um dos maiores da atualidade, a par do argentino. E mesmo assim dá que pensar, porque a vitória de Ronaldo se monta muito em cima de um jogo no qual ele saiu lesionado logo nos primeiros minutos: a final do Europeu.

Nesse aspeto, esteve bem Ronaldo no discurso de agradecimento, no qual falou nos colegas da seleção nacional e do Real Madrid. Porque o futebol é um desporto coletivo e quase de certeza que se a França de Griezmann tivesse ganho aquele jogo ao Portugal sem Ronaldo as votações seriam, pelo menos, muito mais equilibradas. Como ganharam os portugueses, Ronaldo leva a Bola de Ouro para juntar aos títulos de campeão europeu de clubes e de seleções, elevando-se bem acima de Messi, “apenas” campeão espanhol com o Barcelona. O resto são leituras. Mais enviesadas umas, mais escorreitas outras. Já vi por aí que esta é a melhor reposta de Ronaldo ao escândalo fiscal em que se viu envolvido? Não creio, pois uma coisa nada tem a ver com a outra e ou muito me engano ou nem Ronaldo nem nenhum dos muitos envolvidos no processo divulgado pelo Football Leaks tem responsabilidade além da procuração quase plenipotenciária passada a quem lhes trata do dinheiro e dos negócios.

Mais seguro será dizer que a quarta Bola de Outro eleva Ronaldo a um patamar ao qual ainda nenhum português tinha acedido. Mas mesmo isso é polémico. Sim, é verdade que o futebol de hoje é muito diferente do que era nos tempos de Eusébio. É evidente que a globalização permite a entronização muito para além do efémero dos melhores, independentemente do rendimento que tenham nos dois ou três jogos maiores do ano, que há meio século eram os únicos que muita gente via – e daí Messi e Ronaldo terem açambarcado as nove últimas Bolas de Ouro. É ainda claro para mim que a Eusébio nunca lhe foi permitido jogar fora de Portugal e que, tivesse ele ficado igualmente por cá, Ronaldo certamente levaria a uma nova mudança hegemónica no futebol nacional, a favor do Sporting, mas não poderia ser o fenómeno global que é hoje. Mesmo assim, tudo descontado, acho legítimo que se acabe com o debate. Porque como este nunca tivemos. E tenho sérias dúvidas de que voltemos a ter a tempo de eu poder vê-lo.