Último Passe 

Crédito: FPF
2016-10-21
As desilusões e a firmeza no futebol feminino

O empate que a seleção nacional feminina cedeu frente à Roménia, no Estádio do Restelo, no primeiro jogo do play-off de apuramento do Europeu, foi uma desilusão e deixa a equipa em maus lençóis no que respeita a uma qualificação inédita, pois terá de enfrentar a segunda mão em casa do adversári. A exibição, mesmo tendo a equipa nacional sido melhor que a romena e tendo mesmo falhado um penalti, também não foi brilhante. A adesão do público, tendo em conta que as entradas eram gratuitas, também ficou aquém do esperado, mesmo com as atenuantes da chuva e do horário (ainda) laboral. No entanto, o dia pode bem ter sido um marco importante para o futebol feminino nacional.
Quando me sentei para ver o jogo da seleção, fi-lo devido a uma série de motivações. A caminhada que a equipa fez no grupo, com a épica superação da Finlândia e da Irlanda em cima do risco fina, após o arranque tremido, terá sido a maior. A mais importante, no entanto, terá sido o investimento pesado que a FPF fez na promoção desta equipa e tem feito no futebol feminino em geral, cuja face mais visível foi o vídeo de apoio feito por vários campeões europeus. Porque mesmo que a seleção não se qualifique para esta fase final, é esse investimento, associado aos últimos resultados nas categorias inferiores, que me leva a acreditar que estará na próxima.
O jogo em si, na verdade, até me desiludiu. Vi uma equipa melhor que a adversária, mas bem abaixo do que se vê nas grandes provas de futebol feminino que vão sendo transmitidas no que respeita aos princípios de jogo ou à articulação coletiva. Este não terá sido um dos melhores jogos desta seleção. Mas há outra oportunidade para brilhar já na terça-feira. E o importante é que se sente de cima a firmeza de não deixar que as coisas voltem a ser como antes e que o futebol feminino veio para ficar.