Último Passe 

2016-09-06
Jesus e as versões da realidade

A entrevista de Jorge Jesus ao Record teve assuntos para satisfazer todas as correntes. Dela saíram a sorrir os benfiquistas que depois de ele abandonar a Luz descobriram que não o queriam lá, tal como suspiraram de alívio os sportinguistas que não compraram as versões que circulavam no panorama mediático, segundo as quais treinador, capitão e presidente já não podem nem ver-se. Ainda assim, por mais entretida que a entrevista tenha sido, dali tiro acima de todas uma opinião do treinador leonino: afinal, o plantel que Marco Silva tinha em Alvalade não só não era maravilhoso como tinha tanta sucata que, confrontado com ele, Jesus ponderou ir-se embora ao fim de um mês.

Já se sabe que no futebol de hoje a realidade se cruza muitas vezes com as versões que os departamentos de comunicação nos querem impingir. O caso da demissão de Marco Silva, que além de muitas justificações lançadas e nunca provadas (a defesa de outros interesses que não os do Sporting) resume-se, no fim, a uma questão de resultados. Foram maus, como quis fazer crer uma grande parcela de sportinguistas? Aparentemente não. Terão sido até muito bons. Quem o valida é o próprio Jesus, ao sustentar que ao fim de um mês em Alvalade quis sair, face à falta de qualidade que encontrou no balneário.
O resto da entrevista são versões da realidade. Há uma coisa que é factual - que uma só aquisição do Benfica quase chega para pagar todas as que o Sporting fez - mas que ainda assim satisfaz duas vezes, como o chocolate do anúncio: satisfaz os leões que querem sacudir a pressão criada por um mercado bem sucedido, da mesma forma que alegra as águias, que veem nestas repetidas alusões ao Benfica uma mal curada obsessão do treinador com o seu anterior clube. 
E há outras histórias que são puramente subjetivas. A quem duvida da relação profícua que mantém com Bruno de Carvalho ou da forma como lida com as aspirações de Adrien, Jesus diz que estão os três como o aço. A quem acha que o Benfica é que geriu bem o caso Luisão, ele responde com uma versão segundo a qual os encarnados quiseram e querem ainda correr com o seu capitão. Quem fala a verdade? Quem mente? Tal como no caso do alegado interesse leonino em Rafa, é impossível decidir com certeza. As 31 jornadas que faltam da Liga, no entanto, podem dar-nos umas pistas. Porque é mais fácil construir em cima de um clima saudável que de uma mentira repetida mil vezes por spin doctors a soldo.