Último Passe 

2015-11-26
Não faltavam os titulares: faltava mesmo era o foco

Sp. Braga apurado, Sporting e Belenenses vivos para a última jornada. Não podia ter corrido muito melhor às equipas portuguesas a quinta jornada da Liga Europa, mesmo que os resultados dos lisboetas impliquem o “aumentar de um problema”, como frisou Jorge Jesus. Deixando para outro dia a reflexão em torno do que paga esta prova, em comparação com o que paga a Liga dos Campeões, e o consequente desinvestimento desportivo que daí resulta para alguns clubes, é ainda assim caso para dizer que o problema não tem sido de rotatividade excessiva mas sim de desfocagem total nalgumas ocasiões. O fundamental era mesmo o foco. 

Os casos das três equipas portuguesas são radicalmente diferentes mas vão todos desembocar na mesma questão: o foco. O Sp. Braga fez um arranque hiper-focado, com três vitórias seguidas a deixarem a qualificação à mão de semear. Ou melhor: duas vitórias seguidas e uns momentos de desconcentração após o 2-0 no terceiro jogo, quando a equipa interiorizou que tinha os 16 avos de final à mão de semear. Os dois golos do Ol. Marselha em Braga ainda tiveram remédio, com o 3-2 em tempo de descontos, mas a derrota no quarto jogo adiou tudo para a receção ao Slovan. Os minhotos qualificaram-se voltando a ganhar ao Slovan, graças a uma grande segunda parte, que promete outras coisas, e agora sim podem tirar o foco desta prova e centrar-se no campeonato até Fevereiro.

O Belenenses nunca teve as mesmas aspirações de Sporting e Sp. Braga, pelo que no caso da equipa do Restelo a questão do foco deve ser vista ao contrário. Aqui, com exceção do jogo com a Fiorentina, que é de facto muito superior, as coisas funcionaram enquanto a responsabilidade era nula: empate em Poznan, vitória em Basileia… Nessa altura, a equipa terá percebido que podia seguir em frente. Bastaria, em princípio, ganhar os jogos em casa contra as mesmas equipas que já lhe tinham permitido fazer quatro pontos fora. Pois não ganhou nenhum e só segue para Florença com hipóteses de apuramento porque os italianos se deixaram empatar em Basileia. Mais uma vez, a responsabilidade dos jogadores de Sá Pinto – que terão de vencer em Florença para se qualificarem – é quase nula. Pode ser que resulte.

E o foco foi também a questão fundamental para o Sporting, que ainda hoje mostrou em Moscovo que mesmo com as segundas escolhas é melhor que as outras equipas do grupo. Se entra na última jornada com a obrigação de ganhar ao Besiktas em Alvalade para se apurar, três dias antes da receção ao Moreirense (daí o problema…), não é porque Jesus tenha optado por jogar com uma equipa recheada de segundas escolhas. Foi porque só hoje, quando estavam entre a espada e a parede, os jogadores entraram verdadeiramente focados na tarefa de fazer uma figura digna nesta Liga Europa. E nem um golo azarado e mal sofrido logo a abrir os impediu de passearem com classe pelo frio de Moscovo para uma vitória claríssima, para mais uma demonstração de que um pouco mais de foco teria permitido acabar com a conversa muito mais cedo.