Último Passe 

2015-11-17
O passo em frente de André André rumo a França

A vitória de um Portugal cheio de segundas linhas sobre o Luxemburgo foi uma coisa natural. Apesar dos progressos recentes dos luxemburgueses, que ainda no fim-de-semana tinham ganho à Grécia, e da ausência de vários titulares na equipa das quinas, a diferença de qualidade entre as duas seleções era tão evidente que nem o relvado em mau estado, a chuva, a ventania e alguns períodos de menor empenho e intensidade dos portugueses foram suficientes para equilibrar o resultado. Os 2-0 finais pecaram por escassos e permitiram a Fernando Santos a primeira vitória por mais de um golo desde que chegou à seleção, há 13 meses, mas não lhe deram para tirar muitas conclusões acerca dos testes que pretenderia fazer. Só André André deu um passo em frente.

Nenhum dos estreantes de Moscovo ontem chamados à titularidade ou dos jogadores que podiam aproveitar a ausência das primeiras linhas para brilhar fez uma declaração de interesses de tal forma forte que lhe permitisse marcar bilhete para o Europeu. Lucas João falhou o encontro com o jogo, Ruben Neves limitou-se a ser regular, Gonçalo Guedes ainda fez um bom remate e sofreu a falta que deu o segundo golo a Nani, mas esteve pouco tempo em campo, tal como Ricardo Pereira. Quer isto dizer que estão fora? Não. Só que não meteram o pé na porta para impedir que ela se fechasse, tal como o não fez Nelson Oliveira, ouro candidato agora recuperado à vaga de parceiro de Ronaldo no ataque. E as dúvidas que restam a Fernando Santos terão de ser esclarecidas em andamento pelo rendimento que os diversos candidatos forem apresentando ao longo da época nos seus clubes.

Nos jogos de Março, assumiu o selecionador nacional, o grupo já estará muito mais próximo do que viajará para França. E se alguém marcou lugar para essas datas terá sido André André, o melhor em campo no Luxemburgo e o mais forte candidato a duplo de João Moutinho na fase final. O problema aqui é que as coisas a meio-campo têm duas razões para se complicarem. Por um lado, os candidatos às seis ou sete vagas são pelo menos uma dezena (William, Danilo, Tiago, Moutinho, André André, André Gomes, João Mário, Ruben Neves, Veloso, Adrien ou até Pizzi e André Almeida se entretanto se afirmarem no Benfica). Por outro, ainda falta a Santos definir o modelo de meio-campo que quer. Se é com um médio-centro e dois interiores, se é com dois médios de perfil e outro no apoio direto ao ponta-de-lança ou até se é a quatro, caso encontre um parceiro que permita soltar Ronaldo no ataque.