Foi João quem iniciou a aventura do clã Mendonça no futebol português. Esteve ao lado dos dois irmãos em Braga e foi ainda figura na história do V. Setúbal e Torreense, por quem jogou duas finais da Taça de Portugal
2015-12-16

1 de 3
1953

Dos irmãos Mendonça, muitos recordarão Jorge, o mais novo, por ter sido um dos primeiros emigrantes de sucesso do futebol português, no Atlético de Madrid e no Barcelona na década de 60. Haverá também quem se lembre de Fernando, o do meio, que passou três anos no Sporting. Mas quem iniciou a aventura do clã em Portugal foi João, o mais velho, que além de ter estado ao lado dos dois irmãos em Braga, foi ainda assim uma das figuras da história antiga do V. Setúbal, marcando presença na final da Taça de Portugal de 1954.

Dos três, João talvez fosse o menos talentoso. Mas todos eram avançados e todos marcavam golos, arte que certamente lhes estaria no sangue desde o nascimento em Angola. João nasceu a 16 de Dezembro de 1929 e chegou a Portugal com 16 anos, para jogar nos juniores do Sporting. Não vingou e, chegada a idade sénior, seguiu viagem para Évora, onde o esperava a aventura no Juventude local. Por ali andou, na II Divisão, até à chegada do irmão Fernando ao Sporting, em 1952. Foi então que o V. Setúbal se lembrou dele. Em 1953 atingiu finalmente a divisão principal. E fê-lo com estrondo: na estreia, a 4 de Outubro de 1953, fez os dois golos com que o Vitória empatou, no Campo dos Arcos, com o V. Guimarães (2-2). Foram dois em 12 que assinou em 20 partidas nas quais participou nesta sua primeira época, nos quais se incluíram um golo ao Benfica, um ao Sporting, um ao FC Porto e um hat-trick à Académica.

As páginas mais brilhantes da história de João Mendonça foram, no entanto, escritas na Taça de Portugal, onde jogou (perdendo…) duas finais. Logo nessa época, marcou três golos nos dois jogos com o Lusitano de Évora e outros tantos nas duas partidas da meia-final contra o Boavista, contribuindo de forma decisiva para a chegada do V. Setúbal à final. Pela frente estava a Sporting, onde jogava o seu irmão Fernando. A final fratricida de 1954 acabou por sorrir aos leões, por 3-2, com bis de Fernando, mas João afirmava-se como goleador de valor no futebol português. Ainda assim, acabou por deixar Setúbal e voltar à II Divisão, para representar o Torreense. Ajudou a equipa de Torres Vedras a subir e desta vez foi Fernando quem foi ter com ele, emprestado pelo Sporting, onde perdia espaço: os dois juntos contribuíram para o sétimo lugar final do Torreense em 1955/56, tendo João assinado dez golos no campeonato (com um hat-trick ao Atlético) e quatro na Taça de Portugal, onde voltou a ter a honra de jogar a final. Desta vez perdida para o FC Porto, por 2-0.

João Mendonça ficou mais um ano no Torreense (mais 13 golos no campeonato), mas a melhor experiência da carreira tê-la-á vivido em 1957/58, quando rumou a Braga para fazer parte da equipa dos seus dois irmãos: Fernando já lá estava e Jorge, o mais novo, chegava para um episódio relâmpago, antes de a qualidade do seu futebol chamar a atenção dos tubarões de Espanha. João fez mais seis golos no campeonato e dali regressou a Setúbal, onde jogou durante mais duas épocas, com mais alguns golos. Despediu-se do campeonato a 13 de Março de 1960, com uma derrota por 5-0 frente ao Leixões. Tinha apenas 30 anos, pelo que ainda fez uma temporada no Gil Vicente, na II Divisão, antes de também ele rumar a Espanha, onde faleceu, a 15 de Janeiro de 2012, com 82 anos, vítima de acidente vascular cerebral.