Foi a 19 de Junho que se percebeu que a figura do Europeu de 1984 não podia ser outra senão Michel Platini. Ao obter o inédito e até hoje inigualado segundo hat-trick na prova, o 10 francês qualificou o país para a meia-final.
2016-06-19

1 de 1
1984

Em toda a história dos campeonatos da Europa só um jogador fez dois hat-tricks na mesma edição. Foi Michel Platini, em 1984. Já tinha feito três golos nos 5-0 com que os franceses bateram a Bélgica, na segunda jornada do seu grupo, e voltou a repetir a gracinha na terceira ronda, desta vez na baliza da Jugoslávia. Foi a 19 de Junho.

A França já entrou nesta terceira ronda qualificada, pois a Bélgica e a Dinamarca podiam igualá-la em pontos, mas só se ganhassem – e como jogavam uma com a outra não podiam ganhar ambas. Ainda assim, Michel Hidalgo não fez muitas alterações no onze: chamou apenas Ferreri e Rochetau a um grupo que estava bem oleado. Ainda assim, graças a um golo de Sestic, os jugoslavos foram para o intervalo em vantagem. Só que na segunda parte, Platini abriu o livro. Primeiro, aparecendo na cara de Simovic para concluir um cruzamento rasteiro de Ferreri. Três minutos depois, marcou de cabeça, em salto de peixe, após cruzamento largo de Battiston. Por fim, aos 77’, fez um belo golo de livre direto da meia-lua. Tudo para ver aqui (https://www.youtube.com/watch?v=PJpEwI92ITU). Os jugoslavos ainda reduziram, de penalti, por Stojkovic. A França seguiu para as meias-finais, onde se cruzou com Portugal, na confirmação de que este era mesmo o Europeu de Platini: marcou em todos os jogos, acabou com nove golos e conduziu a nação ao primeiro grande título internacional de sempre.

 

Também neste dia.

Em 1996 – Portugal confirmou a qualificação para os quartos-de-final do Europeu de 1996, ganhando por 3-0 à Croácia em Nottingham. Os portugueses chegaram à última jornada do seu grupo com quatro pontos, menos dois que os croatas, que tinham ganho à Dinamarca e à Turquia e já estavam apurados. Figo e João Pinto, ainda na primeira parte, deixaram o jogo a salvo para os portugueses, que ainda chegaram ao 3-0 por intermédio de Domingos.

 

Em 2004 – Um dos resultados mais surpreendentes da história dos Europeus: no Estádio do Bessa, a Alemanha não foi capaz de marcar um golo à Letónia, apesar dos 21 remates que fez em toda a partida à baliza de Kolinko. O 0-0 final deixava os alemães com opções de qualificação na última jornada, mas a derrota com a República Checa em Alvalade levou à eliminação da equipa dirigida por Rudi Voller. Pelo segundo Europeu seguido, os alemães ficaram-se pela primeira fase.