A 11 de Junho de 1980 a RFA suplantava o fantasma checoslovaco que o penalti de Panenka mantivera vivo por quatro anos. Crescia a geração de Rummenigge
2016-06-11

1 de 1
1980

Foi a 11 de Junho de 1980 que a República Federal Alemã arrancou para a conquista do Europeu de 1980. E fê-lo de uma forma simbólica, pois no jogo de abertura da competição teve logo pela frente a equipa que a tinha derrotado na final de 1976. Em Roma, alinhando com uma seleção bastante renovada, os alemães ganharam por 1-0, graças a um golo de Karl Heinz Rummenigge – o primeiro que o mítico avançado alemão fez na fase final de um Europeu (pode vê-lo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=JUma5TvPx0E).

Depois de perderem a final do Europeu de 1976 e de passarem relativamente ao lado do Mundial de 1978 (onde chegaram aos quartos-de-final), os alemães fizeram uma grande renovação da sua seleção. O onze que abriu a fase final do Europeu de Itália (a primeira com oito seleções) tinha apenas um homem que jogara a final de 1976 (o central Dietz), tendo Jupp Derwall apostado em muitos nomes novos para formar a base da equipa. Eram os casos do guarda-redes Schumacher, do lateral Kaltz, de Briegel e Stielike (ainda a jogarem a meio-campo), mas sobretudo dos atacantes Rummenigge e Klaus Allofs. À medida que a competição foi avançando ainda apareceram Schuster e Hrubesch, que no entanto começaram no banco contra uma Checoslováquia que repetia três dos jogadores que alinharam na final de 1976 (Ondrus, Panenka e Nehoda). O jogo foi tenso, equilibrado, mas acabou por dar o sinal para o fim de uma geração checa e para a alba de uma outra de alemães, que não só ganharam o Europeu de 1980, como estiveram depois nas finais dos Mundiais de 1982 e 1986.

 

Também neste dia.

Em 2008 – Portugal ganhava à República Checa por 3-1, em Genebra, na que era a segunda partida de ambas as equipas na fase final do Euro’2008. O jogo deixou desde logo os portugueses apurados para os quartos-de-final e fica na história por mais duas razões. No final, Luiz Felipe Scolari deixou que fosse anunciado que ia treinar o Chelsea, o que, segundo algumas opiniões, desde logo tirou o foco a alguns jogadores da seleção nacional, que não voltaria a ganhar nesta prova. E este é também o único jogo de uma fase final em que Portugal viu Ronaldo e Quaresma marcarem em simultâneo (Ronaldo marcou o segundo e Quaresma o terceiro). Além deste jogo, os dois atacantes só estiveram ambos na lista de marcadores de jogos da seleção numa partida de qualificação frente à Bélgica (4-0 em Alvalade, em 2007) e no recente amigável contra a Estónia (7-0 na Luz, na quarta-feira).

 

Em 1996 – A Rússia, que hoje defronta a Inglaterra, abria em Liverpool a sua campanha nesse Europeu com uma derrota por 2-1 frente à Itália. Casiraghi marcou os dois golos italianos, tendo Tsymbalar marcado o tento russo. A Inglaterra também nunca ganhou uma partida da fase final de um Europeu neste dia: empatou a zero com a Dinamarca em 1992 e a uma bola com a França em 2012.