Artigo 

Crédito: Facebook Seleções de Portugal
2017-11-12
Os 33 de Santos. Que são 37. Ou mais

Não era preciso Fernando Santos tê-lo admitido: bastava uma dose normal de bom-senso. Quem pegar na lista de convocados para a dupla jornada que decidiu o apuramento de Portugal para o Campeonato do Mundo e lhe juntar os nomes dos convocados para os amigáveis de Novembro vai ter, não direi 100 por cento, mas muito perto disso no que respeita à lista de jogadores que estarão no Mundial. E não pode garantir-se que sejam 100 por cento, porque futebolistas há que estão ou estiveram a contas com problemas físicos (Coentrão, Raphaël Guerreiro ou Nani, por exemplo), outros que não estão a jogar por razões administrativas (Adrien) e há ainda que deixar margem para uma surpresa, de um jogador que se afirme daqui até ao verão (e neste caso apostaria em Ruben Dias).

Mas vamos por partes. Nestes 33 (ou 36), há quem já tenha o bilhete na carteira e possa começar a tratar do visto de entrada na Rússia. Quem? Rui Patrício, Cédric, Pepe, William Carvalho, Danilo, João Moutinho, João Mário, André Gomes, Bernardo Silva, Ronaldo e André Silva só não farão a viagem para a fase final se não estiverem em condições de dar um chuto numa bola. São os 11 fixos deste grupo. Outros, como Nelson Semedo, Raphäel Guerreiro, Quaresma ou Gelson Martins, estão quase lá. E não sobram muitas vagas, até porque duas das oito cadeiras em falta serão ocupadas por guarda-redes. Vejamos, então, posição por posição, quem está mais bem colocado.

Guarda-Redes (3) – Rui Patrício está seguro, Anthony Lopes também não deve faltar. Há um bilhete por atribuir. Beto fez o sacrifício de voltar a emigrar para o segurar, mas a mudança na baliza do FC Porto, com a entrada de José Sá para o lugar de Casillas, veio complicar-lhe a vida. Até porque Sá é jovem e convém ter sempre alguém mais novo para começar a ganhar Mundo.

Rui Patrício: 100%. Anthony Lopes: 80%. José Sá: 62%. Beto: 58%

Laterais direitos (2) – Cédric estará seguro, porque Santos é um treinador que não deixa cair os dele. Mas a concorrência é muita. E forte. Nelson Semedo depende apenas do que fizer esta época em Barcelona. E há Cancelo, fortíssimo a atacar, e Ricardo Pereira, que pode jogar também à esquerda. Quatro excelentes opções.

Cédric: 100%. Nelson Semedo: 80%. Cancelo: 10%. Ricardo: 10%

Laterais esquerdos (2) – Raphäel Guerreiro só não está nos 100 por cento porque falta ver se recupera o fulgor de antes da lesão grave que sofreu. Mas se voltar bem, está garantido. Para o outro lugar há muitos candidatos. Antunes e Eliseu são fiáveis, Coentrão dependerá sobretudo dele próprio (se conseguir superar as lesões permanentes e garantir continuidade…). Isso quer dizer que Kevin Rodrigues pode ter de esperar pela sua vez.

Raphäel Guerreiro: 90%. Eliseu: 45%. Antunes: 35%. Coentrão: 20%. Kevin Rodrigues: 10%

Defesas centrais (4) – Pepe é o líder do setor mais depauperado pela idade desta seleção e estará no Mundial desde que não se magoe. Já não pode haver tanta certeza para os outros campeões europeus: Fonte caiu de rendimento, está lesionado, e Bruno Alves é o mais veterano. Neto nunca foi uma paixão do selecionador e, entre os novos, Ricardo Ferreira parece mais o tipo de central desta equipa do que o versátil Edgar Ié. O lote está tão aberto, que pode até aparecer uma surpresa. Ruben Dias? André Pinto (se continuar a jogar no Sporting)? Ruben Semedo (se de repente se impuser no Villarreal)?

Pepe: 100%. Bruno Alves: 65%. José Fonte: 60%. Neto: 50%. Ricardo Ferreira: 40%. Edgar Ié: 30%. Ruben Dias: 25%. Ruben Semedo: 15%. André Pinto: 15%

Médios (7) – Aqui há muita gente garantida. William e Danilo, a começar, o que vem desde logo reduzir um pouco as chances de Ruben Neves, pois dificilmente irão mais de dois jogadores para a posição de âncora à frente da defesa. João Mário e André Gomes, na sequência, porque são quem mais garantias dá a Fernando Santos de poderem ocupar o lado esquerdo como ele quer, fechando como terceiro médio e abrindo o jogo por ali se necessário. E João Moutinho, que é um símbolo de responsabilidade. Sobram duas posições e muitos candidatos. A começar por Adrien, que se verá como regressa, em Janeiro. Mas contando também com Bruno Fernandes, opção mais ofensiva, Manuel Fernandes, mais experiente, ou Renato Sanches, se recuperar o nível do ano do Europeu.

Wiliam: 100%. Danilo: 100%. João Mário: 100%. João Moutinho: 100%. André Gomes: 100%. Adrien: 75%. Manuel Fernandes: 60%. Bruno Fernandes: 40%. Renato Sanches: 25%

Avançados (5) – Ronaldo já lá está. André Silva também. Idem para Bernardo Silva. Sobram dois lugares e há tanto talento... Dificilmente Fernando Santos abdicará de Quaresma, mas o mesmo pode dizer-se de Gelson. Ambos são jogadores únicos em talento e criatividade no um para um, se calhar tão iguais que a opção pode ter de cair apenas num deles para encaixar alguém com outras caraterísticas. Gonçalo Guedes, por exemplo, que se tem mostrado um acelerador diferente de todos os outros neste início de época. E Nani, que está agora a regressar de lesão? E Éder? Fica difícil a vida para os que sobram, como Bruma, Ronny Lopes ou Gonçalo Paciência. Talvez tenham de ter paciência e esperar por uma próxima chance. As percentagens que lhes dou não revelam o seu talento, mas sim a excelência daqueles com quem concorrem.

Ronaldo: 100%. André Silva: 100%. Bernardo Silva: 100%. Quaresma: 60%. Gelson: 60%. Gonçalo Guedes: 40%. Nani: 30%. Éder: 5%. Bruma: 3%. Ronny Lopes: 1%. Gonçalo Paciência: 1%