Artigo 

Crédito: FPF
2016-06-06
O filme de Ronaldo na seleção

Fernando Santos e Lars Lagerback já estão a preparar o Portugal-Islândia com que as duas equipas vão abrir a respetiva caminhada no Europeu. A questão é que ambos estão centrados na equipa de Portugal. Santos nas dúvidas que certamente tem acerca do onze; Lagerback na tentativa de condicionar desde já o árbitro que vier a ser nomeado para a partida de St. Etiènne para aquilo a que chama os “filmes” de Cristiano Ronaldo e Pepe.

“Portugal tem um dos melhores jogadores do Mundo, que também é um ator eficiente. Temos visto alguns bons filmes portugueses. Na final da Liga dos Campeões também vimos outro que podia estar em Hollywood”, disse Lagerback. É verdade que o que Pepe fez na final da Champions, tentando arrancar a expulsão de Felipe Luís com uma simulação de agressão, não beneficia em nada a sua imagem nem a do futebolista português em geral. Mas ao fazer ele mesmo essa generalização e, mais, ao juntar Ronaldo ao “filme”, o treinador sueco está a parecer-se mais com um daqueles comentadores engajados dos programas televisivos, que defendem a agenda das suas cores e têm e uma noção de vergonha tão pouco desenvolvida como a de Pepe ao ver as imagens televisivas do lance em que rebolou na relva de San Siro como se tivesse sido atingido por um direto de Muhammad Ali.

É verdade que por essa altura Lagerback já tinha deixado de ser selecionador do seu país, mas Ronaldo é aquele tipo que joga com o 7 nas costas e que sozinho desfez a Suécia em Estocolmo, há dois anos e meio, carregando Portugal para o Mundial de 2014. No fundo, é também aquele tipo que Fernando Santos espera venha a resgatar Portugal do pesadelo ofensivo em que se transformou o exame de Wembley contra a Inglaterra, jogo no qual a seleção nacional parecia desconhecer que é possível fazer combinações atacantes. Tudo tem uma explicação – e a expulsão de Bruno Alves, tendo sido justa, pode ajudar a explicar a timidez ofensiva da equipa nacional – mas o Portugal que apareceu em Wembley nunca foi uma equipa completa. Foi sempre apenas meia-equipa: a metade que se esmera para impedir o adversário de marcar. E isso não se esgota no facto de Fernando Santos ter visto abatido um homem ao onze com 35 minutos de jogo.

Para perceber por que razão o ataque de Portugal se resumiu a uma mão cheia de ações individuais é preciso entrar nos planos tático e estratégico. É preciso perceber que, ao adotar o esquema tático atual – o 4x4x2 – para acomodar estrategicamente Ronaldo e permitir a criação de condições para que ele se torne desequilibrador, a seleção precisa de alguém que faça uma coisa fundamental no 4x4x2, que é arranjar espaço entre linhas no corredor central para que os médios possam jogar. Vamos centrar-nos na realidade portuguesa. O Benfica joga em 4x4x2 e tem Mitroglou. O Sporting joga em 4x4x2 e tem Slimani. O que fazem Mitroglou e Slimani além de serem bons finalizadores? Dão profundidade às suas equipas, pedem a bola no espaço atrás da última linha adversária, para a forçarem a recuar e dessa forma tentarem que o espaço entre ela e a linha seguinte, a de meio-campo, aumente. É ali que jogam os médios. Quem o digam Gaitán, Renato Sanches, Pizzi, até Jonas, no Benfica. E que o digam João Mário, Adrien, Ruiz e até Gutièrrez no Sporting. O futebol é muito simples: para se jogar tem de se inventar o espaço.

Agora imaginemos o Benfica e o Sporting a jogarem com dois avançados que em vez de esticarem o jogo passavam o tempo todo a baixar em desmarcações de apoio e a buscar o espaço dos médios. Pode funcionar? Pode. Mas só com outro meio-campo, com um meio-campo mais clássico, com médios-ala que procuram sempre dar largura à equipa, e preferencialmente com médios-centro capazes de aparecer na área em trocas posicionais com os tais avançados que recuam. Ora Portugal não tem uma coisa nem outra, pelo que o melhor mesmo é não complicar. A equipa que Santos está a montar ainda depende do jogo que falta fazer, com a Estónia, mas se todos já sabíamos que ela teria de ter Ronaldo, agora ficamos a saber que a suportar esta conclusão não está apenas o facto de ele ser melhor do que os outros. É que tática e estrategicamente só com ele é que este modelo pode funcionar. Depois, se o outro avançado deve ser Nani ou Quaresma, se o médio que sai da esquerda deve ser Renato, André Gomes ou até o próprio Nani, se o médio-centro deve ser João Moutinho ou Adrien Silva e se o médio-defensivo deve ser William ou Danilo, tudo está aberto a discussões. Na frente, porém, tem de estar Ronaldo. E se nalguma altura não houver Ronaldo o melhor talvez seja mesmo ter um Plano B para mudar de tática e de estratégia.

In Diário de Notícias, 06.06.2016