último passe 

Último Passe

O encerramento do mercado veio contribuir um pouco mais para a sensação de equilíbrio que os três candidatos ao título vinham fazendo adivinhar na Liga de 2017/18. O Benfica pode já ter resolvido a sucessão de Nelson Semedo, mas deixa dúvidas na baliza e no centro da defesa, pelo que não é seguro que não surja mais fraco do que há um ano. O FC Porto confirmou que vai encarar o campeonato sobretudo com a força que lhe confere uma boa ideia de jogo, a que lhe trouxe Sérgio Conceição, mas fica também a sensação de que o plantel pode ser curto para tanta exigência. E o Sporting, que está mais forte em termos individuais, é também, dos três, quem tem pela frente o mais intrincado puzzle tático e de gestão de balneário, fruto de ter sido quem mais revolucionou o grupo de jogadores. O desafio do pentacampeonato, no Benfica, pode ser tão dificultado pelos jogadores como pela depauperação do plantel trazida pelo mercado. Rui Vitória ficou sem Ederson, Nelson Semedo e Lindelof, tendo-os substituído por Varela/Svilar, Douglas e pela reascensão de Jardel, o que lhe provoca problemas tanto defensivos como ofensivos. Enquanto se espera para ver quem vai emergir da luta a três como titular da baliza, parece claro que, pelo menos no imediato, nenhuma das opções apresenta a qualidade de Ederson, tanto entre os postes como a sair deles ou até na forma de relançar o ataque. Jardel deixa dúvidas em termos físicos, mas também na qualidade da saída de bola, enquanto que Douglas terá de recuperar a forma brasileira para dar à equipa a saída que ela tinha pela direita com Semedo. Na frente, o Benfica parece mais forte, à partida porque volta a ter Jonas, depois porque tendo perdido Mitroglou ganhou Seferovic e finalmente porque tem em Gabriel um jogador capaz de lhe dar alternativas: pode ser retaguarda de Jonas ou até formar um ataque móvel com ele. Aí, se há crise, ela é de abundância, porque além dos três ainda há Jiménez. Sociedades como as já existentes, de Pizzi com Salvio, deste com Jonas, dos três com Seferovic, serão fundamentais no ataque ao penta, cujo sucesso dependerá muito da capacidade da equipa libertar o seu principal pensador – Pizzi – e manter o jogo sempre o mais perto da baliza adversária possível. No último terço, este pode ser um Benfica temível, pela capacidade que tem de imprimir mudanças de velocidade com a bola. O problema é que até para meter velocidade é preciso espaço. E já se viu como o Rio Ave foi capaz de lhe roubar o espaço. Também de tração à frente é o FC Porto de Sérgio Conceição, equipa que mudou poucos jogadores – limitou-se a recuperar emprestados, como Aboubakar, Marega ou Ricardo – mas alterou de forma radical a maneira como encara o jogo. Este FC Porto constrói de outra maneira, joga muito mais à frente, libertando Óliver Torres para tarefas de criação e depois metendo sempre muita gente na zona de definição. A primeira mudança assegura uma qualidade no jogo logo desde trás – e até aqui só o Tondela conseguiu secar Óliver, impedindo-o de ser o patrão de que o FC Porto necessitava. A segunda garante várias alternativas de finalização quando a bola lá chega e reflete-se numa mudança como da noite para o dia na produção goleadora. Se há algo que pode custar caro a este FC Porto é a falta de alternativas para algumas posições – se muda Óliver por André André, por exemplo, torna-se uma equipa mais de transição, ainda que com mais chegada ainda à área; se perde um dos avançados, torna-se difícil manter este 4x4x2, porque lhe falta um suplente à altura – e até por isso parece incompreensível que Rui Pedro tenha sido emprestado ao Boavista. Já o Sporting parece ter sido quem mais se reforçou, com gente de muita qualidade, como Coentrão, Mathieu, Acuña ou Bruno Fernandes. Já para não falar de Battaglia, a coqueluche de Jorge Jesus, que pode agora ver tudo mudar com a permanência de William Carvalho. Tudo indica que o plantel dos leões foi construído a pensar que iam sair William e Adrien, mas afinal o primeiro ficou e o segundo ainda espera autorização da FIFA para seguir para o Leicester. Dirão os otimistas: mas isso é excelente. É e não é. É como alguém comprar uma casa a pensar que vai vender aquela em que vive e depois acabar por ter de ficar com as duas. O overbooking no meio-campo leonino não tem de ter apenas consequências financeiras ou de gestão de egos no balneário: apresenta um desafio-extra ao treinador, até do ponto de vista tático. E se as coisas já iam exigir uma mudança radical no futebol de Jesus – com Bruno Fernandes a alternar entre ser um 8 mais ofensivo do que Adrien, logo a precisar de um 6 mais defensivo do que William, e um 10 menos presente na área do que Alan Ruiz ou Podence, logo a exigir mais movimentos interiores dos extremos – agora é que o puzzle fica mesmo complicado de resolver. Poderá o Sporting jogar com William e Battaglia, sem perder qualidade na aproximação à área? Poderá jogar com William e Bruno Fernandes sem perder agressividade na transição defensiva? Poderá jogar com os três, sem perder presença na área? Se conseguir resolver a equação, Jesus pode ter nas mãos o plantel mais forte desde que chegou a Alvalade – mais forte até do que o de 2015/16. Se não conseguir, estará perante a maior oportunidade falhada desde que passou a vestir de verde-e-branco.
2017-09-03
LER MAIS

Último Passe

Há, em cada decisão dos treinadores, muitas motivações. Umas são de caráter técnico, outras de caráter físico, outras de índole tática e outras ainda obedecem a questões estratégicas. Estas são as mais difíceis de tomar e de compreender – sim, estratégia e tática são coisas muito diferentes. Podem, mesmo, ser mal entendidas pelos próprios jogadores e até pelos adversários, mas são também as que criam condições para produzir mais resultados. É por aqui que se explica a aposta de Jorge Jesus em Doumbia em vez de Bas Dost no jogo de Bucareste, em que o Sporting conseguiu o bilhete de entrada na Liga dos Campeões. E é um pouco por aqui que pode explicar-se a mudança de paradigma na cabeça do treinador do Sporting. Numa coisa, Jesus não mudou. Continua a ser dos treinadores portugueses que mais venera a estratégia particular para cada jogo – e foi por isso que no sábado passado, no programa noturno da RTP3, avancei com a possibilidade da troca de Bas Dost por Doumbia no jogo de Bucareste. A mudança fazia sentido por muitas razões. Primeiro, físicas: nas palavras do treinador, Dost “acabou morto” o jogo de Guimarães. Depois técnicas e táticas: Doumbia é também um goleador, um ponta-de-lança com faro de golo e bom posicionamento na área, com um primeiro toque e uma velocidade de reação que lhe têm permitido lutar pelos títulos de melhor marcador nos países por onde tem passado. Mas fundamentalmente estratégicas: o Steaua estava a jogar em casa, quereria aproveitar esse fator e superiorizar-se ao Sporting, ia subir o bloco e deixar espaço nas costas, pelo que convinha aos leões ter alguém capaz de explorar a profundidade, com rapidez na posse e velocidade na desmarcação. O perigo da decisão foi bem explorado nos muitos comentários que fui ouvindo entre o anúncio dos onzes e o jogo propriamente dito. O que vai pensar a equipa? O facto de o treinador retirar da equação o melhor marcador da época anterior pode ser visto como sinal de medo, pelos próprios jogadores ou até mesmo pelos adversários, que dessa forma poderiam entrar mais moralizados? Não acreditei nisso, sobretudo porque a decisão fazia sentido do ponto de vista tático, pois não representava uma alteração de sistema. E atenção que Jesus sempre acreditou que tudo no futebol parte do sistema e não do modelo de jogo, como sustenta a nova escola de treinadores e provaram o FC Barcelona ou o Bayern de Pep Guardiola ou a Espanha de Vicente Del Bosque. É verdade que o apuramento dos leões foi natural, porque são muito melhor equipa do que este Steaua, tanto do ponto de vista individual como coletivo – e se houve aqui erro de apreciação foi o do próprio Jesus, quando no final da primeira mão afirmou que estavam frente a frente duas equipas do mesmo nível. Não estavam. Ainda assim, mais até do que o apuramento natural, foi a goleada que permitiu colocar as luzes da ribalta em cima da componente estratégica. E a verdade é que em Guimarães e em Bucareste a estratégia passou o teste. Mas, apesar das duas goleadas seguidas, não creio que Jesus tenha já resolvido o puzzle que o plantel desta época lhe apresenta. Porque a entrada no onze de Bruno Fernandes, que foi decisivo nos dois últimos jogos, criará outro problema em partidas como a que se segue já amanhã, em casa com o Estoril, por exemplo. Com Bruno Fernandes a segundo avançado/terceiro médio, o Sporting voltou a ter jogo interior dentro do bloco adversário – e a isso também não é estranha a subida de rendimento de Adrien. Só que a alteração tem outra implicação, que é a diminuição da presença na área: o sistema, de onde partem sempre as ideias de Jesus, até pode ser o mesmo, mas a sua interpretação difere se lá estiver Bruno Fernandes, Alan Ruiz, Podence ou Doumbia (ou Téo Gutierrez, o melhor entre os segundos avançados que Jesus teve no Sporting). Contra equipas que se destapam, que querem jogar, como o Steaua ou o Vitória no jogo do Minho, este 4x4x2 mascarado de 4x2x3x1 funciona às mil maravilhas. Contra equipas que metam o autocarro à entrada da área, um dos médios terá de ser sacrificado para que o Sporting possa continuar a jogar ocupando o campo todo. Cruijff usava um método engraçado para provar a superioridade do 4x3x3: dividia o campo em quadrículas e mostrava que o seu sistema predileto era o que mais se encaixava no retângulo de jogo, ocupando-o na perfeição. Jesus, um cruijfiano convicto, nunca foi grande adepto do 4x3x3: chegou à primeira divisão em 3x5x2, joga há uma década em 4x4x2, testou neste início de temporada o 3x4x1x2 como Plano B mas está a cair muito no 4x2x3x1 de que nunca gostou particularmente. É por isso que me parece que 2017/18 pode marcar uma mudança no pensamento de Jesus: o sistema está em risco como base de todo o futebol, podendo dar lugar a um híbrido que seja capaz de mudar de pele consoante roda jogadores – outra coisa que o Sporting de 2016/17, por exemplo, não fez, sacrificando sempre as segundas opções.  
2017-08-27
LER MAIS

Último Passe

A ver o Rio Ave de Miguel Cardoso jogar e somar a terceira vitória seguida, que lhe garantiu desde sexta-feira o lugar entre os líderes da Liga, não pude deixar de lembrar-me daquilo que disse Jorge Jesus antes de rumar a Guimarães. Porque se há coisa que Jesus faz bem é enaltecer os méritos a quem os merece: sejam os próprios, quando as coisas correm bem às suas equipas, como acabou por ser o caso do Sporting no Minho, sejam os alheios, quando as suas equipas ficam um pouco aquém, como sucedeu na receção ao Steaua. E, ainda que muitos tenham preferido ver ali alguma dose de desresponsabilização própria, quando Jesus comparou as “oito semanas” que este Sporting tem de trabalho com os “oito anos” que um dos rivais já leva, não estava a ser rigoroso, mas no conceito geral tinha razão: a continuidade dá frutos. Pô-la em prática é que é complicado. No caso do Rio Ave, mais até do que nos jogadores, a continuidade é posta em prática no tipo de futebol. Tal como a equipa de Luís Castro no ano passado, este Rio Ave gosta de ter a bola, de praticar um jogo positivo, de pé para pé, tanto como odeia arriscar a bola em chutões sem nexo só para ver o que a coisa dá. Os plantéis até mudam, tal como mudam os onzes-base, mas as ideias continuam as mesmas e esse plano de continuidade permite à equipa nunca ter de começar do zero. Entre os grandes, verdade seja dita, nunca se começa do zero. Mas ajuda muito poder começar em função de uma estrutura que saiba que referências impor dentro de um balneário, que comportamento assumir dentro e fora do campo. Os movimentos saem melhor quando os jogadores já sabem o que os colegas vão fazer antes mesmo de porem uma combinação em prática e a fração de segundo que se ganha nesse entendimento subliminar pode fazer a diferença entre um golo e uma perda de bola seguida de contra-ataque do adversário. A questão é que, na mesma conferência de imprensa, o próprio Jesus respondeu a quem lhe perguntou que jogador quereria se lho dessem que precisava de mais um jogador de ataque. A vantagem do rival é ter a mesma equipa há oito anos, mas a resposta do Sporting passa por mudar a equipa todos os anos? O onze que ontem ganhou em Guimarães tinha seis reforços de 2017/18; o que empatou com o Steaua tinha cinco. Na verdade, o Benfica não tem a mesma equipa “há oito anos”. Do onze que foi campeão com Jesus em 2010, só resta Luisão. Jardel chegou um ano depois, André Almeida e Salvio na temporada seguinte, mas até Fejsa, Pizzi, Eliseu e Jonas vão em quatro ou cinco épocas de águia ao peito. Pega-se no Sporting de 2013, que foi o ano de entrada daquele médio sérvio na Luz, e vai-se à procura de quem continue por Alvalade. Restam Rui Patrício, William Carvalho, Adrien e agora Iuri Medeiros – ainda que este estivesse nessa altura na primeira época de sénior e tenha jogado apenas na equipa B. Os outros perderam-se numa política de mercado errática, na procura permanente de mais-valias nos elementos que acabaram por se revelar válidos e em erros de casting que foram sendo cometidos pelo caminho. Hoje por hoje, Benfica e Sporting estão a corporizar dois paradigmas radicalmente opostos no que diz respeito à recomposição de plantel a que o facto de estarem num mercado periférico como o português os obriga. No Benfica, saíram três titulares pela porta de cima e até ver gastou-se pouco ou nada na contratação de substitutos. Por muito que a propaganda venda esta como a política de longa duração do clube, não tem sido isto que o Benfica tem feito nos últimos anos, em que as compras têm sido também inflacionadas, quanto mais não seja para alimentar o cash-flow de compra-e-venda permanentemente mantido com a Gestifute. Esta época, porém, as substituições de quem saiu por cima foram feitas por baixo – Varela, André Almeida, Jardel… – e a coisa parece até demasiado arriscada, apesar do bom início de temporada. No Sporting, tem-se feito ao contrário e vai-se ao mercado à procura de substitutos valiosos para quem o clube perde, seja por vontade de vender em alta, seja por achar que precisa de mudar em determinadas posições. Na verdade, ambos os caminhos são válidos. E isso quer dizer que não se deve recusar a procura interna de substitutos, na equipa B ou no banco, e depois olhar para essa forma de recompor o plantel como uma vantagem competitiva.
2017-08-20
LER MAIS

Último Passe

O empate a zero do Sporting contra o Steaua de Bucareste, que deixa mais complicado o acesso leonino à fase de grupos da Liga dos Campeões, veio trazer mais evidências para a constatação que já se tinha podido fazer na vitória por 1-0 que a equipa de Jorge Jesus arrancara a ferros contra o Vitória de Setúbal na sexta-feira: falta qualidade na construção pelo corredor central sempre que a equipa deixa de contar com William Carvalho. Ter ali Adrien e Battaglia juntos torna-se um problema para uma equipa que, tal como na última partida, voltou a não conseguir ter posse de bola dentro do bloco adversário e se viu forçada a um jogo de cruzamentos para um Bas Dost sempre muito só na área. O problema pode avolumar-se se o mercado acabar por levar William. Battaglia converteu-se numa coqueluche para Jesus, que ainda hoje voltou a elogiar-lhe a exibição, mas o seu futebol muito físico, com dificuldades na recepção, no passe e na arquitetura dos ataques dificilmente será conciliável com o jogo de Adrien, também um médio mais intenso do que criativo. Tanto um como o outro podem ser muito úteis, mas dificilmente o serão em simultâneo. Adrien precisa de William, da mesma forma que Battaglia precisa de Bruno Fernandes. Quer isto dizer que se vai vender um dos seus dois médios campeões da Europa, o Sporting bem podia vender os dois, de forma a poder construir um meio-campo do zero, sem amarras a um passado feito de um entendimento perfeito entre a dupla que marcou os últimos anos. Assim, se é levado a somar Adrien a Battaglia, Jesus está a fazer deste Sporting uma equipa que não terá nada a ver com as que vem construindo nos últimos anos. O que caracteriza as equipas de Jesus? Entre muitas outras coisas, a exploração do espaço interior, a capacidade para jogar dentro do bloco adversário, para triangular ali. Ora com esta dupla de médios, raramente o conseguiu nestes dois jogos. Culpa de Podence, o segundo avançado que se coloca nas costas de Bas Dost e deveria ocupar esse espaço entre linhas? Nem por isso. Culpa sobretudo de um meio-campo que nunca fez movimentos de aproximação com bola para tirar os médios do Steaua da poltrona onde se sentaram desde o início da partida, à entrada da área. Só Mathieu tentou fazer isso em todo o jogo de hoje. O que isso provoca é que os leões sejam forçados a abusar dos corredores laterais e, se não aparecem um Gelson ou um Acuña superlativos, nota-se mais o paradoxo que é ter Bas Dost sozinho a batalhar pelas bolas aéreas entre as torres adversárias. No final do jogo, Jesus voltou a citar o mercado como fator dissuasor para contar com William, por exemplo, nos jogos que se aproximam. Os dois jogos que aí vêm, contudo, serão bem diferentes destes dois últimos: em Guimarães e em Bucareste, frente ao outro Vitória e outra vez ao Steaua, os leões não vão ter de enfrentar adversários tão fechados e poderão jogar mais em ataque rápido e contra-ataque. Podem ser mais duas oportunidades para esta dupla de médios. E se não correrem bem talvez sejam as duas ultimas.
2017-08-15
LER MAIS

Último Passe

Acabei a crónica do Sporting-Vitória de Setúbal, fiz o push para que aqueles que as subscrevem possam receber as notificações, a partilha nas páginas de Facebook e de Twitter, e dirigi-me à máquina de café em busca de alento para os dois textos que ainda tinha de escrever naquela noite. Quando voltei ao computador, dois minutos depois, deixei que o sentimento de culpa pelo abandono a que por vezes voto os meus seguidores tomasse conta de mim e, vendo que já tinha 14 comentários, fui ver o que diziam. Eram todos, repito, todos, sem exceção, acerca do mesmo assunto. “Então mas este [inserir aqui insulto à escolha] não escreve que não foi penalti?” Outros, mais elaboradosmas muito mal informados, iam mais longe e, ignorando que em lances de pura subjetividade, como o que protagonizaram Nuno Pinto e Bas Dost, o VAR não pode intervir, perguntavam: “É para isto que serve o vídeo-árbitro?” Há três anos, isto é, desde que saí do circuito dos jornais – neste momento, sou apenas colunista do Diário de Notícias, onde não me pedem opiniões sobre arbitragem –, passei a escrever por iniciativa própria e fundei o Bancada.pt, fiz as minhas próprias regras: não explico jogos de futebol com a arbitragem. Na RTP, se me pedem, dou a minha opinião sobre os lances. Que é isso mesmo: uma opinião. Porque nos casos de arbitragem há dois tipos de lances: os claros, que toda a gente vê, e os que se prestam a exercícios da mais pura subjetividade – intensidade do toque; quem promove o contacto; momento da paragem da imagem em situações de fora-de-jogo, se um frame atrás, se um frame à frente... E aqui muitos se confundem. E de muitas maneiras. Uns dizem-me que é impossível explicar futebol sem recorrer ao fator mais importante (helas!), que no entendimento deles é o árbitro. Argumentam que ao estar a escrever aquilo que estou a escrever agora, estou a comentar arbitragens – quando na verdade do que estou a falar é de espírito desportivo ou da sua falta. E, por fim, decretam já a morte do vídeo-árbitro porque, num lance em que ele nem sequer podia manifestar-se, por ser subjetivo, ele decidiu contra a vontade deles. Querem falar de arbitragens? Vamos a isso. Lembram-se do encontrão de Bruno César em Lindelof na época passada, que o árbitro não assinalou? Era penalti a favor do Benfica? Lembram-se do toque de Soares, ainda no Vitória de Guimarães, nas costas de Schelotto, que o árbitro não considerou faltoso, validando o golo que deu o 3-3 final aos minhotos contra o Sporting, aos 90’? Era falta? E, andando três anos e meio para trás, lembram-se do toque de Slimani nas costas de Rui Correia, num Sporting-Nacional, que acabou empatado a zero, porque nessa altura o árbitro considerou falta e anulou o golo ao argelino? Era falta? A questão é que em nenhum destes lances há uma verdade incontestável. Há opiniões. E aquilo que os leitores querem é que o jornalista dê a dele, para acionarem de imediato uma de duas opções: se estão de acordo, imediatamente decretam que aquele é um jornalista sério e – nunca esta palavra foi tão mal empregue – “isento”; se não concordam, imediatamente aquele jornalista é catalogado como um “avençado”, um “cartilheiro”, que se vende “por um pequeno-almoço” (se o insultante for benfiquista) ou “por um voucher” (se for sportinguista). E depois aparecem as comparações com o “grande jornalismo” que se faz “lá fora”, como se eles costumassem ler a imprensa internacional, como se “lá fora” fosse regra explicar jogos com a atuação dos árbitros, ou como se “lá fora” os árbitros não se enganassem também ou o futebol estivesse livre de lances que se prestam a decisões discutíveis.  O problema é que as pessoas não querem sequer falar de arbitragem. Aliás, estão-se mesmo nas tintas para a arbitragem. Querem validação das suas próprias opiniões parciais – nunca vi um adepto de futebol neutro reclamar que se fale mais de arbitragens. E é por isso que escolho não explicar os jogos que vou analisando com lances de arbitragem: porque este é um tema tão dado à intolerância que seca todos os outros que lhe queiramos juntar. E porque se entro por esse caminho nunca mais consigo falar de futebol. E, peço-vos desculpa a todos, é para falar de futebol que aqui ando. Para falar de arbitragens há por aí muita gente que sabe mais do assunto do que eu.
2017-08-13
LER MAIS

Último Passe

Tive há dias oportunidade de conversar longamente acerca da indústria do futebol com Pedro Proença, presidente da Liga Portugal – o resultado da conversa é uma entrevista publicada hoje em bancada.pt –, a propósito do início do campeonato, que esta tarde arranca com o Desp. Aves-Sporting. O momento é de preocupação global, face à louca escalada dos valores que o futebol continua a movimentar, e de que o caso-Neymar foi apenas o exemplo mais recente, tendo até levado a UEFA a uma ofensiva de relações públicas que chegou aos principais jornais desportivos europeus, mas o Pedro Proença que vi foi um homem estranhamente tranquilo e paciente, qualidades que podem facilmente ser confundíveis com desistência. Os dois anos que tem de experiência do lugar tê-lo-ão trazido até aqui, mas o que tem pela frente nos dois anos que lhe falta cumprir de mandato, até 2019, é tão difícil e exige tanto do patrão do futebol nacional que esta tentativa de mudar o sistema por dentro fica a parecer curta e corre risco de ser tão estéril como a luta de um Quixote contra os moinhos de vento. Proença revelou-se bom conhecedor daquilo a que chama as “boas práticas” internacionais, mas apesar disso fala vezes a mais daquilo que os clubes querem. Porque nesta questão há aquilo que os clubes querem, julgando que estão a defender interesses próprios, e aquilo de que o futebol nacional como um todo precisa. Exemplos? Impedidos de fazer a guerra comunicacional por regulamentos disciplinares mais apertados, os clubes passaram à guerrilha, com “pontas-de-lança” que os representam na perceção popular mas não são castigáveis por serem meros adeptos ou funcionários sacrificáveis face a um bem maior, que é o passar da mensagem bélica. A Liga quer resolver o problema apelando ao bom-senso dos presidentes, recuperando um Conselho Superior que mantenha a discussão no interior do edifício do futebol, mas apesar da vontade de exercer este magistério de influência, Proença pode debater-se com dificuldades insuperáveis. Porque, lá está, falta saber se os clubes querem. As tais “boas práticas” internacionais falam-nos de medidas mais proativas, da substituição de uma estratégia punitiva por outra, que preveja a ocupação do espaço mediático com conteúdos que privilegiem os verdadeiros artistas, os jogadores e os treinadores. Já aqui falei disso há semanas, aliás. Mas também aqui a Liga se deparou com dificuldades estranhas quando toda a gente devia querer o bem do negócio: os clubes não quiseram a centralização dos direitos televisivos, que permitiria aumentar a receita de uma forma significativa e, sobretudo, dividir esta receita de uma forma mais racional entre todos, com a diminuição do fosso entre grandes e pequenos. É assim que se faz em todo o lado, com uma implicação adicional: sendo a Liga a controlar a receita, poderia impor condições para a sua divisão; sendo a Liga a controlar os direitos, poderia impor condições benéficas para o futebol aos operadores que os quisessem retransmitir. Só que, lá está: os clubes não quiseram e, ao contrário do que sucedeu em Espanha, por exemplo, a Liga não quis pedir ajuda acima, ao governo, por exemplo, para fazer vingar aquilo que está até recomendado pela União Europeia. A única carta que a Liga tem na mão é a internacionalização, a vontade dos clubes chegarem a mercados até aqui inexplorados. Para tal, Proença conta com duas vantagens: a necessidade que os operadores terão desses mercados para rentabilizar o muito que pagaram pelos direitos televisivos dos jogos e o conhecimento do mercado asiático que terá conseguido quando foi à China buscar a Ledman para patrocinadora da II Liga. Também aqui, porém, acredito que a Liga terá de contar com o contra-vapor dos principais clubes, que a esta hora já estarão a mover-se para chegarem sozinhos a esses mercados, antes dos rivais e com mais força do que eles. Pedro Proença desvalorizou esse risco com base numa premissa que me parece não se aplicar ao futebol português: o bem geral, a noção de que juntos serão mais fortes. Claro que se forem todos em conjunto, ganharão mais. Mas se isso não foi tido em conta em nenhum dos outros aspetos, por que razão há-de ser neste? A ver vamos se, daqui a dois anos, não estaremos todos a lamentar que os clubes não tenham querido explorar aquela que parece a via de ação mais recomendável. O maior prolema que enfrenta a Liga de Pedro Proença tem a ver com o princípio filosófico de ação. Proença tem tentado ser o presidente que os clubes querem e acreditado na auto-regulação. Mas como as coisas estão, tenho dúvidas de que os clubes sejam quem melhor pode defender o futuro do futebol português. 
2017-08-06
LER MAIS

Último Passe

Há vários tipos de adeptos de futebol. Isto é: há vários tipos de consumidores para o produto que hoje sai da indústria do futebol e que engloba tudo, desde a bilheteira às assinaturas de canais especializados com passagem pela compra de informação relacionada com o fenómeno futebolístico. Nenhuns valem mais do que os outros. Todos contam. Mas alguns não têm como satisfazer a sua curiosidade. Há os adeptos do pitoresco, aqueles que adoram ver os vídeos do Augusto Inácio a zurzir no presidente do Zamalek, os mesmos que ainda choram a rir só de se lembrarem do Toni a falar do Essan ou do Vítor Pereira a vociferar “I speak the truth” perante uma atónita plateia de jornalistas sauditas. Para estes grandes consumidores de golaços e falhanços ridículos no YouTube, o momento alto do futebol nacional nos últimos anos terá sido a conferência de imprensa em que Paulo Futre deu um novo significado à palavra “sócio”, que até já fazia parte do léxico da modalidade, ainda que com outro alcance. Há os adeptos maravilhados, que agora só falam do futebol feminino e que antes se dedicavam a dizer que o futebol em Portugal não vai para a frente porque os jornalistas só querem saber dos três grandes – eles próprios não leem acerca de outras coisas, mas se pudessem decretavam que elas deviam lá estar, juntamente com aquelas modalidades acerca das quais toda a gente diz ler quando responde a inquéritos, quanto mais não seja para ficar bem na fotografia. Aliás, bastaria a qualquer deles olhar para os gráficos de vendas dos jornais ou para as audiências das televisões com os dois olhos abertos para perceberem o mundo real para o qual os seus hábitos de consumo também contribuem. Há os adeptos maldizentes por natureza, que só vêm futebol para dizer que o Renato Sanches não presta, que o William Carvalho é lento e precisa de um andarilho ou que o Casillas já está tão velho que devia andar de muletas. São os mesmos que toda a vida acharam um ultraje que Secretário tenha jogado no Real Madrid, que Luís Campos tenha feito carreira como diretor desportivo no estrangeiro ou agora que Vítor Pereira tenha sido contratado para dirigir a arbitragem grega – mesmo que sejam os mesmos que dizem que a arbitragem nacional só andava para a frente quando para cá viessem árbitros estrangeiros. Ainda não perceberam que é a realidade que não encaixa nas ideias deles mas continuam a viver na ilusão de uma conspiração global contra os interesses que defendem. Para responder a estes, apareceram os adeptos da embirração positiva. Os que chamam a atenção para o dinheiro que Renato Sanches continua a movimentar, para os golos de Gonçalo Guedes nos particulares do Paris St. Germain, para as grandes exibições do João Mário nos amigáveis do Inter Milão. Estes até podiam ter nascido da influência daqueles jornalistas que sonorizavam os resumos televisivos do futebol internacional nos anos 80 e que – por não haver mais portugueses lá fora – chamavam várias vezes a nossa atenção para o facto de Futre ou Rui Barros terem tocado na bola numa jogada que acabaria por dar golo. Mas não – o que querem, tal como os maldizentes, é prolongar os dérbis nacionais pela Europa, como se os jogadores continuassem a vestir as camisolas que eles defendem até à insanidade. E há os adeptos que gostam de futebol. Não são, como tive o cuidado de referir logo a abrir, melhores nem piores do que os outros, porque o futebol, felizmente, tem lugar para todos. As discussões fazem falta – não o digo no sentido de defender que o erro dos árbitros é o sal do futebol, só para que as pessoas possam debatê-lo, mas sim porque cresci num meio multi-clubístico de rivalidade sã – e também alimentam a indústria. A indústria é que, na sua voracidade controladora, alimenta cada vez menos o debate que faria crescer este último grupo, o dos adeptos que gostam mesmo de futebol. Um grupo no qual gosto mais de me incluir a cada dia que passa. A mim, como a muitos outros integrantes deste grupo, interessar-me-ia ouvir o que tem Rui Vitória a dizer acerca do normal envelhecimento dos homens que ele já tinha substituído há dois anos – Júlio César e Jardel – e da necessidade de voltar a fazer deles primeiras escolhas ao mesmo tempo que tem de inventar mais um lateral direito, depois de ter feito nascer Nelson Semedo para substituir Maxi Pereira. Interessar-me-ia debater com Sérgio Conceição as razões pelas quais Aboubakar, que se tornara excedentário no papel de avançado de referência no FC Porto de Lopetegui, pode ser agora fundamental com Soares à sua frente – ou ao seu lado – numa equipa montada de acordo com princípios diferentes, mais explosivos. Interessar-me-ia ouvir a resposta de Jorge Jesus a uma pergunta sobre o efeito pernicioso que o sistema de três defesas que ele tem andado a testar tem na construção de jogo ou de que forma a colocação de William como um desses três pode garantir qualidade a construir desde trás. Em vez disso, temos os treinadores a lerem respostas ditadas a perguntas igualmente escritas previamente pelos mesmos guionistas e interpretadas por quem se limita a fazer um papel que devia ser bem diferente. Fica tudo em família. A este futebol digo: não, obrigado! Prefiro ir ao cinema ou ao teatro, onde pelo menos os atores têm mais jeito para a representação. Texto inserido na edição de hoje do Diário de Notícias
2017-07-30
LER MAIS

Último Passe

Qual é o ponto em em comum entre o caso Mbappé, o caso Neymar e o caso Villar? É simples: é o dinheiro. É a tendência que o futebol está a revelar para cavar cada vez mais o fosso entre muito ricos e a classe média – já para não falar nos muito pobres –, o que nem é coisa do futebol, é coisa da sociedade em geral. O que o futebol tem, mas não tem aproveitado, são os meios de regulação que travariam este processo de aglutinação de tudo por tão poucos. Talvez nem tenha que o fazer. Talvez eu esteja a agarrar-me a um passado em que havia mais do que dez clubes que interessavam no panorama internacional. Talvez o fundamental seja que a justiça funcione e ponha de parte quem pisa o risco da legalidade instituída. Mas não creio. Centremo-nos em Mbappé, o jovem prodígio do Mónaco que a maior parte dos especialistas projeta poder vir a ser o jogador mais caro do Mundo a breve prazo. O jogador tem contrato válido com o Mónaco, mas conta-se que tem sido contactado por todos os grandes colossos do futebol europeu, aqueles dez que contam verdadeiramente para o campeonato do dinheiro. Os jornais enchem-se de manchetes a falar de reuniões entre os agentes do jogador e a estrutura do Paris St. Germain; de telefonemas de Zidane, treinador do Real Madrid, a garantir-lhe que se se mudar para o Bernabéu lhe assegura minutos de competição suficientes para poder continuar a crescer; das tentativas de Arsène Wenger, treinador particularmente influente quando se trata de jovens franceses, para o convencer a escolher o Arsenal… Tudo isto é ilegal, porque o jogador não está nos últimos seis meses de contrato. E no entanto tudo isto se faz – a ponto de o comunicado do Mónaco, recorrendo a um ponto do Regulamento Administrativo da Liga Francesa e a outro do Regulamento de Transferências de Jogadores da FIFA, ser algo para o que se olha com algum desdém. “Lá estão estes a falar das leis”… O mesmo poderia ser dito de Neymar, jogador que tem contrato de longa duração – renovado há um ano – com o Barcelona, mas que alegadamente o terá feito na convicção de que Messi ia atrás de Guardiola e que ele se transformaria na estrela de primeira grandeza blaugrana. Não aconteceu. Messi renovou. E Neymar recorreu ao mesmo expediente que usara há um ano para conseguir a renovação, com passagem de cláusula de rescisão de 200 para 222 milhões de euros: deixou-se querer pelo Paris St. Germain, lançando o pânico nas hostes catalãs. Também aqui se fala de reuniões e se pedem comunicados, nem que sejam através do instagram do jogador, que tem mantido o silêncio. E a operação é apresentada não apenas como possível mas até como potencialmente lucrativa até do ponto de vista económico-financeiro, tal seria o peso que uma eventual chegada de Neymar a Paris teria na força nacional e internacional do clube parisiense. Não se põem em causa sequer as regras do “fair-play financeiro” que qualquer colosso do futebol europeu – PSG e Barcelona incluídos – sabe como driblar, seja através de contratos publicitários com o grupo que dono do clube ou da venda inflacionada de direitos televisivos ao mesmo grupo financeiro. A verdade é que se olha para o caso Neymar e conclui-se que o jogador faz mais sentido em Paris do que em Barcelona. Porque, aí está, ao contrário do caso Mbappé, a transferência do brasileiro contribuiria para aumentar o lote de clubes com estrelas de primeira grandeza – e o PSG neste momento não tem nenhuma. O que faz pouco sentido é que, fruto de um sistema que leva à concentração das grandes receitas nas mãos dos mesmos clubes – e outros a penar para conseguirem reunir as migalhas que lhes permitam cumprir orçamentos – haja clubes com dois ou três candidatos a Bola de Ouro a atropelarem-se no mesmo balneário. E é aqui que entra a ligação ao caso Villar – e se falo do caso Villar é apenas por ter sido o último, porque podia falar de qualquer outro caso em que haja dinheiro à solta nas margens dos negócios do futebol, que a pertinência seria a mesma. Porque o futebol continua a sofrer com uma falta de regulação que se encontra, por exemplo, nos desportos americanos, e que vem contribuir para que o dinheiro que se escapa pelas frechas dos contratos seja tanto que serviria para financiar mais clubes de alto nível e aumentar a concorrência. Lembremo-nos, por exemplo, da chegada a Portugal de Freddy Montero. Para ir contratar o colombiano, o Sporting não teve de chegar a acordo só com o Seattle Sounders, clube que era detentor do seu passe. Teve de conversar também com a Major League Soccer (MLS), que pôs em campo um regulamento de transferências de tal forma bizantino que dificilmente algo lhe escapa. E que, tal como em qualquer outra liga americana (NFL, NBA, NHL, MLB…) favorece a concorrência e impede a concentração dos melhores talentos nas mesmas equipas. Podem até alegar que o fazem para favorecer o negócio. É verdade. O propósito da coisa é esse. Mas a verdade é que com estas regras tão fechadas se impede que o dinheiro escape e, ao mesmo tempo, mantendo a concorrência em altas, se mantém mais adeptos felizes. Aquilo a que estamos a assistir no futebol europeu é precisamente o oposto – muito dinheiro a escapar e cada vez mais adeptos infelizes, porque a concentração de talentos leva à eternização dos campeões. É por isso que fenómenos como o Leicester (campeão inglês em 2016) ou o Mónaco (campeão francês em 2017) são tão bem acolhidos por quem gosta de futebol. Porque permitem agitar as águas. Porque o que mais se vê por aí são campeões eternos (cinco vezes o Bayern, seis vezes o Celtic ou a Juventus, oito vezes o Basileia) e gente a afastar-se do futebol porque este deixa de lhe dar razões de satisfação.
2017-07-23
LER MAIS

Último Passe

O Google tem destas coisas e de repente há temas que saem debaixo das pedras, que sobem no ranking dos motores de busca, ressuscitados por acontecimentos recentes. No seguimento da venda de Nelson Semedo ao Barcelona, apareceu-me uma frase de Luís Filipe Vieira que comecei por tomar por atual: “Este é o último ano em que precisamos de vender”. Afinal, o presidente do Benfica tinha-a a proferido em Agosto de 2013, há quatro anos, numa entrevista à Benfica TV. E nos anos que se seguiram foi batendo sucessivamente o recorde de vendas. Para gáudio de uns (os adeptos que gostam de ganhar o campeonato das vendas), arrelia de outros (os que acham que o Mundo vai acabar e que é possível manter os jogadores para sempre, como se eles não tivessem vontade própria), dúvida sistemática de outros ainda (os que não entendem como é que, mesmo assim, a dívida não desce substancialmente) e preocupação de um (Rui Vitória, que este ano vai precisar de recompor quase todo o setor defensivo). O ressurgimento da frase nos motores de busca teve a ver com a ação de um destes grupos, os mais descontentes, que a terão recordado em fóruns ou nas redes sociais, fazendo-a crescer nos rankings que estão por trás dos algoritmos. Esses, porém, são em boa parte os mesmos que quando o Benfica não renovou contrato a Maxi Pereira porque tinha lá Semedo desesperaram como se o Mundo tivesse data de validade a expirar. São os pessimistas permanentes, os que olham para a equipa que teriam se não houvesse saídas, mas que depois se esquecem de descontar as entradas, sem as quais a equipa também seria muito mais fraca. A esses, vale a pena lembrar que 30 milhões de euros por um defesa lateral são um bom negócio, mesmo tendo em conta o aumento de importância dos laterais no futebol moderno. E que o erro – que acabou por acicatá-los, até – foi terem andado a dizer-lhes que Semedo só sairia pela irreal cláusula de rescisão que lhe puseram no contrato. Os do primeiro grupo, os que fazem tabelas de vendas e somam milhões como se de repente passassem a tê-los no extrato bancário, andam maravilhados. Esfregam as mãos de contentes por superarem a concorrência neste particular, recordando que entre Ederson, Lindelof, Marçal, Mukhtar, Candeias e agora Nelson Semedo, os 100 milhões já lá vão. A julgar pela regularidade com que o Benfica tem atingido esta fasquia – este é o quarto verão sucessivo, após a tal frase de Vieira, no qual os encarnados rondaram os 100 milhões em vendas – as transferências na Luz já estão mais perto de ser receita ordinária do que extraordinária. E a estes vale a pena lembrar que não é tudo lucro. Que não só há casos de jogadores cujo valor não reverte totalmente para o clube, como foi o caso de Ederson (cujo passe era partilhado com o Rio Ave ou com quem quer que seja que o detivesse por trás do Rio Ave), como já se sabe que quando um clube entra nestas coisas do mercado com a força com que, por força da sua parceria com Jorge Mendes, o Benfica tem entrado, sabe que tem de manter a máquina a rolar. Que para beneficiar da parceria não tem só de vender – também tem de comprar. E neste busílis está a resposta ao terceiro grupo, o dos que não entende como é que apesar de todo o dinheiro realizado, a dívida não baixa substancialmente. O propósito de um clube como o Benfica não é vender nem comprar jogadores. É ganhar campeonatos. E esses o Benfica tem-nos ganho. Pelo caminho, vende muito e compra muito, é verdade, mas isso é acessório. No plano abstrato é fácil de entender que se há um player que exerce uma força dominante sobre o mercado e nos ajuda a vender ativos a valores apetecíveis, depois quererá também que o ajudemos a escoar ativos de outros parceiros que estejam num patamar abaixo. Essa tem sido, até aqui, a estratégia do Benfica, que vende muito, compra muito, move muito dinheiro mas não reduz a dívida de forma substancial. E por que é que isto importa, neste momento? É que pela primeira vez em quatro anos quem parece estar a ser negligenciado é o quarto grupo. O grupo formado por Rui Vitória e pelos que com ele tentam encontrar soluções para refazer a equipa no seguimento das vendas. Este ano, Vitória terá uma tarefa muito dura pela frente. Tem de substituir três dos cinco elementos mais valiosos da sua defesa: um guarda-redes que se tornara preponderante tanto na estratégia defensiva (porque permitia que a defesa jogasse invulgarmente alto) como ofensiva (pela saída de bola de proporciona); um lateral direito que fazia todo o corredor e se impunha a chegar à linha de fundo para cruzar mas também pela velocidade de recuperação; e um defesa-central sóbrio, que funcionava como complemento perfeito a Luisão. Até ver, não se viram grandes movimentações no sentido de assegurar entradas de jogadores pelos valores que, ainda assim, o Benfica vinha gastando, o que até leva a crer que, finalmente, quatro anos depois, a frase de Vieira possa fazer sentido: se abater dívida em vez de se reforçar com jogadores caros, o Benfica pode estar a criar condições para não ter de parecer tão interessado em vender na próxima época. É verdade que no plantel já havia peças sobressalentes para substituir Ederson, Semedo e Lindelof, ou que eles mesmo foram peças sobressalentes lançadas nos últimos dois anos para substituir Júlio César, Maxi Pereira e Jardel. Mas acreditar que o truque resulta sempre pode ser um excesso de confiança quase tão pernicioso como o alimentar permanente da conta corrente de entradas e saídas. Texto incluído na edição de hoje do Diário de Notícias
2017-07-16
LER MAIS

Último Passe

O novo Sporting de Jorge Jesus é uma incógnita quase tão grande como o novo FC Porto de Sérgio Conceição. O segundo falhanço na tentativa de ataque ao título nacional – e sobretudo a clara noção de que a equipa esteve mais longe de lá chegar do que na primeira vez – levaram a mais uma revolução no plantel, a um abalo que pode até estar ainda longe de conhecer o fim, uma vez que falta saber o que vai acontecer com os alvos que o leão tem mais apetecíveis no mercado internacional: Rui Patrício, William, Adrien e Gelson. No fundo, tudo depende deles e da política adotada por Bruno de Carvalho para lidar com os apetites internacionais por eles. Nem tão mole como era tradição em Alvalade antes da sua chegada, nem tão inflexível como se mostrou há um ano. A grande dificuldade na condução de uma equipa da dimensão do Sporting – que é grande num mercado periférico, mas cujos resultados internacionais e salários praticados mostram que é pouco mais do que irrelevante no panorama internacional – tem precisamente a ver com a gestão de expetativas dos jogadores mais renomados. A excelente primeira época de Jesus, seguida de um Europeu onde Portugal foi muito para lá do esperado, sagrando-se campeão europeu com uma série de jogadores leoninos no onze, levou a que lá fora se olhasse para Alvalade como se de um mercado de pechinchas se tratasse. Porque os jogadores até podem ter cláusulas de rescisão muito altas, mas se elas forem pouco condizentes com os salários que lhes são pagos isso acaba sempre por se virar contra o clube que as estabelece. De que serve proteger um jogador com uma cláusula de rescisão de 100 milhões de euros, se depois ele ganha dez vezes menos do que os jogadores cujo valor real de mercado são mesmo esses 100 milhões de euros?  Na prática, serve para que o clube possa segurar o jogador, é verdade. Mas isso é bom se de repente houver quem lhe ofereça um salário quatro ou cinco vezes maior do que ele ganha mas queira pagar apenas um terço da cláusula de rescisão, isto é, o real valor do jogador? A dúvida é: vale a pena ficar com jogadores contrariados? Não há certezas a este respeito. No ano passado, Bruno de Carvalho aceitou perder João Mário e Slimani, mas teve de se atravessar para ficar com Adrien, por exemplo, que fez de tudo – incluindo uma entrevista à revelia do clube, na qual assumiu a vontade de ir embora – para forçar a saída para o Leicester. E se é verdade que nenhuma equipa que tenha aspirações deve ser de um ano para o outro forçada a perder mais do que dois ou três jogadores, o que o fracasso da última época terá dito é que também não pode assentar a estrutura em elementos cuja cabeça esteja longe. O mais razoável é que haja um fluxo de comunicação desempoeirado entre clube e jogadores, em que estes aceitem a lógica do par de saídas por ano e o clube assuma uma fila de prioritários. Olhemos para casos práticos. Em 2003, por exemplo, José Eduardo Bettencourt assumira que, já tendo vendido Quaresma ao Barcelona, e sem necessidades de tesouraria prementes, não ia deixar sair mais nenhum jogador de peso. Mas apareceu o Manchester United por Ronaldo e o Sporting não resistiu. Foi um erro? Creio que sim. Um ano depois, o jogador poderia certamente ser muito mais rentabilizado financeiramente e de caminho até poderia ter conquistado algo com a camisola do Sporting. Saiu logo ali porquê, então? Porque o clube não era capaz de resistir à pressão do mercado, dos jogadores, dos empresários, dos colossos europeus. A cena repetiu-se vezes sem conta no Sporting desde essa altura. Jogadores a saírem antes de tempo, antes da glória desportiva, antes de terem um valor decente no mercado, um valor que compensasse o clube por se separar deles. Porquê? Porque eles queriam. Chegava-se ao ponto de qualquer jogador formado no Sporting já não ter como objetivo imediato de carreira o fixar-se na equipa principal mas sim o sair para o estrangeiro. A geração dos Bruma, dos Ilori, dos Edgar Ié, já não tem raiz em Portugal. Bruno de Carvalho mudou isso e assumiu a atitude rigorosamente inversa desde o seu primeiro defeso, onde teve de lidar com os casos Dier e Bruma, por exemplo. O Sporting passou a ser capaz de vender menos e muito melhor, mas a forma como correu a última época desportiva deixa dúvidas acerca de tanta inflexibilidade e pode ser uma forma de lançar o que aí vem. Até ver, os leões estão a construir um super-plantel. Falta perceber duas coisas. Se as estrelas que por cá estavam ficam e se, em caso afirmativo, isso não pode transformar os novos recrutas em peças sobressalentes sem uso, acabando por torná-los tão inúteis como aconteceu há um ano com Petrovic, Elias ou Markovic.
2017-07-09
LER MAIS

Último Passe

Rui Vitória lançou o alvoroço nas hostes benfiquistas ao dizer, em entrevista à BTV, que está a ponderar fazer “mudanças táticas e na forma de jogar” da equipa tetracampeã nacional. Duas coisas a este respeito. Primeiro, que mudanças táticas não implicam um novo sistema, como já vi escrito. Depois, que a afirmação me parece muito mais para consumo externo do que para debate ou plano de ação no Seixal. A questão não é tanto a de ser tolice mudar algo que, para já, funciona: as grandes organizações são as que mudam antes de entrar na curva descendente. A questão é sobretudo a de não se verem alternativas melhores do que o recurso à qualidade de Jonas. E de se perceber se vai ou não haver Jonas. Muito daquilo que for o Benfica de 2017/18 vai depender da capacidade de Rui Vitória para voltar a potenciar Jonas, o avançado que foi fulcral há dois anos, mas a quem problemas físicos roubaram grande parte da época passada. E Jonas, tal como Ronaldo, por exemplo, rende mais como avançado em 4x4x2, com uma referência frontal presente, que lhe permita escolher por onde circular, do que num sistema mais próximo do 4x3x3, que o obrigasse a ser ponta-de-lança solitário. Rui Vitória, ele próprio um treinador que sempre gostou do 4x2x3x1, tentou aplicar este sistema à chegada à Luz: a primeira partida oficial que fez no Benfica, uma Supertaça perdida contra o Sporting, foi abordada neste sistema, com Talisca atrás e Jonas como ponta-de-lança solitário. Não resultou. E com Jonas será sempre má ideia regressar a essa variante. Porque, tal como Ronaldo, mais uma vez, Jonas é um excelente finalizador, mas não deve pedir-se-lhe que seja a referência avançada da equipa, não se deve amarrá-lo aos centrais adversários. Ele ajuda mais a equipa se aparecer atrás do homem que faz isso. É verdade que, na sequência daquela frase, Rui Vitória deixou essas eventuais mudanças como dependentes de várias coisas. “Está dependente de eventuais saídas de jogadores-chave”, disse. “Uma coisa é ter um lateral que entra na área, outra é ter um que só faz jogo por fora. Uma coisa é ter o Jonas, outra é atuar sem ele”, prosseguiu. E aí está, mais uma vez, Jonas no centro da decisão. Parece mais ou menos evidente que as saídas de jogadores-chave, no Benfica, já não irão muito além das que se verificaram. Sem Ederson, Vitória perde qualidade entre os postes e uma alternativa viável na saída de bola mais direta. Sem Lindelof, também perde qualidade no centro da defesa, que pode tentar resgatar entre as até aqui segundas opções, como Jardel ou Lisandro. Isto, presumindo que Luisão consegue fazer mais um ano no top. A verificarem-se mais saídas, como as dos laterais – e Vitória referiu-se a isso na entrevista – a questão passará sempre por ser capaz de encontrar alternativas no mercado. Tarefa em que os cofres entretanto reforçados podem ajudar. E muito. Porque a maior arma do Benfica para ser considerado favorito na nova época é a continuidade. Há novos argumentos na frente – Seferovic permite uma maior exploração da profundidade ofensiva do que Mitroglou e até Jiménez, sem perder capacidade defensiva – mas há sobretudo a noção de que os que já existiam continuam a ser válidos. E se Jonas já recusou o exílio na China em Janeiro, como também não é admissível que possa vir aí uma equipa de topo de um dos campeonatos mais representativos da Europa atrás dele neste momento, não haverá razão nenhuma para que pense agora que ele possa sair. A não ser que a dúvida de Rui Vitória esteja, de facto, na capacidade de Jonas para voltar a ser o Jonas de 2015/16. No fundo, essa é a grande dúvida em torno de um Benfica que, pela primeira vez desde a chegada de Rui Vitória, entra na Liga com o estatuto de maior favorito popular.
2017-07-07
LER MAIS

Último Passe

Um dos grandes atrativos desta pré-época vai ser ver o FC Porto de Sérgio Conceição. Um FC Porto “boom-boom”. Não só o treinador é um tipo explosivo, em termos de personalidade e liderança, como o futebol das suas equipas costuma ser muito baseado na capacidade de explorar as transições ofensivas. E o plantel vai reforçar-se com elementos capazes de servir este modelo. A dúvida que se coloca é a mesma que deve assaltar neste momento a cabeça do treinador: é possível montar uma equipa candidata ao título em Portugal assente nestes princípios, provavelmente mais dados à competição internacional? A pré-época vai certamente dar-nos pistas a este respeito, mas a ideia com que parto é a de que Conceição ganharia muito, por exemplo, em convencer Abobuakar a regressar. Mesmo depois de todos os desencontros que clube e jogador já protagonizaram. As equipas de Conceição costumam ser um pouco montadas à imagem do que era o Conceição jogador: velozes, explosivas, genuínas, mas não controladoras ou dominadoras. Já em Braga, por exemplo, ficaram dúvidas acerca da viabilidade de uma equipa que quer estar ao nível dos três grandes jogar este futebol baseado sobretudo em transições ofensivas. O jogo mais visível de Sérgio Conceição como treinador em Portugal – a final da Taça de Portugal, contra o Sporting, em 2015 – terá deixado a nu o problema: a ganhar por 2-0 e com um jogador a mais, por expulsão de Cédric, desde meio da primeira parte, o SC Braga decidiu controlar e deu-se mal, acabando por ceder o empate e perder nos penaltis. A separação de António Salvador teve mais a ver com aspetos de personalidade – a tal explosão sincera e genuína que é tão comum em Sérgio Conceição – mas a questão meramente futebolística merece ser debatida agora que o treinador chega a um grande. À partida, seria fácil associar o futebol típico de Conceição a um futebol de equipa pequena. Não tem de ser assim. E a diferença está precisamente na capacidade de explosão – daí falar aqui em FC Porto “boom-boom”. Ao contrário de Lopetegui, cuja equipa usava e abusava da posse, Nuno Espírito Santo, por exemplo, é um treinador da escola de Jesualdo Ferreira, um treinador que dá particular atenção às transições ofensivas e que gosta do ataque rápido. E o sucesso, aí, depende de quê? De médios inteligentes, capazes de definir bem o que fazer naqueles cinco segundos após a recuperação da bola (o momento de transição), e de atacantes capazes de explorar o espaço. Qual é o maior problema? É o que resulta do paradoxo-Depoitre: há equipas que, contra os grandes, se expõem tão pouco que obrigam a um jogo quase sempre em ataque organizado. Foi para isso que Nuno Espírito Santo quis Depoitre e foi com o falhanço do belga que o FC Porto anterior se espalhou. Ora a diferença entre esse FC Porto e o de hoje pode estar precisamente na capacidade de meter dinamite na frente. Para dinamitar o jogo portista, ficam Corona (veloz e repentista), Soares (bem na profundidade) e Danilo (bem a queimar linhas em posse), acrescentam-se Marega (explosivo), Hernâni (veloz e repentista) e Ricardo Pereira (explosivo, sobretudo se a jogar desde posições mais recuadas). E há ainda a possibilidade de também reaparecer Aboubakar (explosivo e combativo), que encaixaria que nem uma luva neste novo FC Porto. Ainda que para tal tivessem de o convencer de que o paradigma mudou e de que, ao contrário do que sucedia com Lopetegui, esta equipa lhe serve as caraterísticas. Era ainda preciso passar uma esponja sobre uma série de coisas que se disseram, de um lado e do outro. Mas isso é uma especialidade do futebol.
2017-07-06
LER MAIS

Último Passe

O futebol é, há muitos anos já, coisa de profissionais onde, com cada vez mais raras exceções, quem tem verdadeiro amor à camisola – ou ódio, muitas vezes, que aqui funciona mesmo como uma espécie de amor ao contrário – são apenas os adeptos. Os jogadores, esses, tal como os treinadores, os jornalistas e ultimamente até os dirigentes, são profissionais. Sempre defendi que deve exigir-se-lhes que façam tudo o que podem em defesa das cores com as quais têm contrato enquanto esse vínculo vigora e nada a partir do dia em que ele termina. Querer levar a coisa para além disso é uma ilusão a que só uma meia dúzia de eleitos pode corresponder: os que aliam paixão clubística com independência financeira. Foi por isso que o vídeo de apresentação de Fábio Coentrão como jogador leonino, no qual o jogador diz já ter vestido muitas camisolas mas ter sido sempre “feito de Sporting”, me disse tanto como aquele outro, até há pouco tempo apresentado como a verdade, no qual o jogador dizia que em Portugal só jogaria no Benfica. Ou como uma entrevista mais antiga, dada num momento em que Coentrão ainda era jogador do Rio Ave mas já se dizia nos jornais que o Sporting podia estar interessado nele, na qual o jogador confessou que era sportinguista e que jogar em Alvalade seria uma honra. Qual é a verdade que vale aqui? A primeira, por ser mais antiga? A última, por ser mais atual? Na verdade, isso devia ser irrelevante, pois em todos os casos aquilo que Coentrão quer é agradar a quem nele aposta. Fica-lhe bem esse sentimento de gratidão, mas não devia ser preciso demonstrá-lo assim, ignorando a existência de neurónios na cabeça de quem o ouve. E no entanto, ele fá-lo. Como o fazem outros. Porquê? Porque a verdade é que isso conta. A partir do momento em que Coentrão disse agora o que disse e isso foi posto a circular nas redes sociais, estas vão ser palco de uma luta entre dois exércitos: os que acham que Coentrão andou anos a enganar o Benfica e a sofrer pelo Sporting e os que acham que Coentrão foi feliz no Benfica e agora vai enganar o Sporting. Não alinho num grupo nem no outro. Tanto se me dá se, no fim dos jogos do Real Madrid, Coentrão ia perguntar à família como ficou o Sporting ou como ficou o Benfica. E a Jorge Jesus, outro sportinguista que foi feliz no Benfica e tenta tudo para voltar a sê-lo no Sporting, isso também não interessa nada. O que lhe interessa é saber se o jogador ainda é capaz de encher o corredor esquerdo como fazia quando ele o liderava no Estádio da Luz. O resto é conversa para encher chouriços e enganar tolinhos.
2017-07-05
LER MAIS

Último Passe

A Taça das Confederações é um pouco aquilo que se quiser. Com as costas protegidas, Joachim Löw quis dar férias aos titulares e trazer uma segunda equipa. Escaldado pela crítica, que olha para ele como o primo feio de Sampaoli, Juan Antonio Pizzi quis ganhá-la e mete em cada jogo toda a combatividade do futebol sul-americano, ameaçando levar toda a gente aos limites da exaustão. Os dois vão jogar a final hoje. Antes, como se fossem um prato de amendoins torrados, aparecem portugueses e mexicanos, que ficaram ali um pouco a meio-caminho. O que levam daqui? Um grupo “mais consolidado”, como disse Fernando Santos? Sim. Mas o futebol é o momento e a partir de Agosto há que desconstruí-lo de novo. Fernando Santos não veio para a Taça das Confederações nem com a displicência alemã – e palavra de honra que nunce pensei poder vir a juntar estas duas palavras na mesma frase – nem com a combatividade chilena. Trouxe os mais fortes, mas não os esticou. Nunca abusou deles. E assim que a vitória na prova deixou de ser possível libertou o melhor de todos ele por razões pessoais, que toda a gente afirma compreender mas que no final será sempre uma incómoda pedra no sapato de cada um, quanto mais não seja porque faz jurisprudência. Porque, suceda o que suceder, esta é uma sombra a pairar sobre o jogo de hoje e sobre o futuro próximo desta equipa. Com que legitimidade poderá o selecionador daqui para a frente agir de forma diferente com outro jogador da seleção num jogo oficial? O que está em causa não são o empenho ou o profissionalismo de Ronaldo. Ronaldo – ainda que outro Ronaldo, numa fase diferente da carreira – jogou aqui mesmo, na Rússia, um dia depois da morte do pai, de que teve conhecimento já em estágio. E quis jogar. Ronaldo continuou na equipa depois de saber que os gémeos tinham nascido – e isto não é um elogio, fez o que tinha de fazer, sendo ele o líder desta equipa – e se foi agora dispensado o que isso nos diz é que o jogo contra o México já não é uma prioridade para ninguém. Que apesar da cautela com que Fernando Santos e André Silva abordaram o tema na conferência de imprensa de ontem, o jogo com o México quer-se ganhar, como querem ganhar-se todos os jogos, mas o resultado não é a prioridade maior. Essa era a final e, não podendo estar lá, é pouco mais do que irrelevante ficar em terceiro ou em quarto. Joga-se porquê, então? Joga-se, primeiro, porque está no calendário. Jogar-se-á, depois, pela mesma razão pela qual se esteve nesta Taça das Confederações, aquilo a que Fernando Santos chamou “consolidar o grupo”. E isso acaba por ser o que se leva daqui, além de uma presença nas meias-finais – que em termos futuros é isso que fica e não se se obteve o terceiro ou o quarto lugar. Da Rússia, Portugal leva três jogadores com mais estatuto na seleção e uma grande preocupação a juntar à escassez de defesas-centrais capazes de substituir os trintões que aqui vieram. Os jogadores que ganharam peso foram Cédric, William e Bernardo Silva. Cédric porque foi um dos melhores e mais constantes elementos da equipa na prova, a render muito tanto defensiva como ofensivamente; William, porque a evidência da sua importância estratégica na tarefa de dar visão ao meio-campo fez com que a contestação à sua titularidade já seja sobretudo de cariz clubístico; e Bernardo Silva porque mostrou finalmente no contexto de seleção que é um jogador único, com condução de bola e criatividade juntas ao serviço do desequilíbrio e com uma escolha de caminhos em campo que permite à equipa ser mais controladora nos jogos com adversários fortes. Aliás, a preocupação prende-se também com Bernardo Silva e com o homem que está do outro lado do espelho, André Gomes. A questão é que também André Gomes é um jogador quase único no contexto do 4x4x2 da seleção. O jogador do Barça tornou-se o ódio de estimação da generalidade dos portugueses que gostam de ver futebol através das embirrações – outros candidatos são, de há muito tempo, Moutinho, Eliseu e, agora menos, William Carvalho. André Gomes não fez um mau torneio – jogou bem com a Rússia, menos mal com o México, só ficando aquém na parte final do desafio com um Chile que era demasiado rápido nos espaços curtos para ele. Mas o futuro da seleção em grandes competições passa por ter um médio como ele, alguém capaz de jogar na ala e de se juntar ao núcleo central do meio-campo. Na Rússia, como alternativa, Fernando Santos só tinha Pizzi, podendo em breve voltar a juntar-lhe João Mário, que não veio por estar lesionado. E o problema é que a Taça das Confederações pode ter sido uma das últimas oportunidades para convencer o público desta necessidade: nas eliminatórias do Mundial, com o regresso dos adversários mais fracos, os jogos vão voltar a pedir extremos puros e a solução vai voltar a parecer colada com fita-cola se e quando se chegar ao Mundial. Original escrito para a edição de 2 de Julho do Diário de Notícias
2017-07-02
LER MAIS

Último Passe

Um dia antes de a seleção nacional se qualificar para as meias-finais da Taça das Confederações, na Rússia, a equipa de sub21 ficou fora das meias-finais do Campeonato da Europa da categoria, que está a decorrer na Polónia, muito por força de duas questões: um regulamento idiota e o facto de ter ficado no mesmo grupo da Espanha, uma das poucas potências que pode rivalizar connosco nestas coisas do futebol de desenvolvimento e que impôs aos miúdos de Rui Jorge a primeira derrota em competição desde 2011. Futuro assegurado? Sim, se tudo dependesse dos jogadores e dos treinadores. Infelizmente não é assim, pois eles estão condenados a crescer num ambiente de oposição e irracionalidade permanentes. A verdadeira imagem do futebol português podia ser esta, a de sucessivas gerações de sub21 que abriram e fecharam o ciclo sem perder um único jogo e que vão desbravando caminho até à seleção principal. Na Taça das Confederações estão vários representantes dessas gerações – José Sá, Cédric, Nelson Semedo, William, Danilo, André Gomes, Gelson, Bernardo Silva ou André Silva fizeram todos parte deste percurso, como nele entraram João Mário, ausente na Rússia devido a uma lesão de última hora, ou Renato Sanches, desta vez relegado para os sub21 mas presente no Europeu do ano passado. A verdadeira imagem do futebol português podia ainda ser a de uma seleção A que venceu o campeonato da Europa e que continua em liça para lhe somar a Taça das Confederações, uma equipa que desde a entrada de Fernando Santos, em Outubro de 2014, só perdeu um jogo competitivo, contra a Suíça, na qualificação para o Mundial do ano que vem. E no entanto, os portugueses que falam de futebol vagueiam entre a indiferença e o ódio por esta equipa. Porque foi isso que lhes ensinaram, é isso que ouvem no dia a dia. Como jornalista e sobretudo analista de futebol, já muitas vezes me acusaram de ser “pessimista” ou “cético”, de incluir um “sim, mas” em cada frase. É verdade. Mas há uma coisa que procuro sempre fazer, que é compreender as razões de quem toma uma decisão. Percebi, discordando, que Fernando Santos tenha ontem colocado Pepe a jogar de início contra a Nova Zelândia, porque o selecionador terá achado que era importante mandar para dentro do balneário uma mensagem de responsabilização. Já percebi pior, continuando a discordar, que o defesa-central tivesse voltado para a segunda parte, quando havia 2-0 no marcador e um cartão amarelo o afastaria da meia-final. Que começa empatada a zero e onde o adversário será mais forte que os neo-zelandeses. Uma coisa, porém, não faço. Que é alegar que Pepe jogou ou voltou após o intervalo em nome de uma qualquer agenda escondida e inconfessável do selecionador nacional. Porque como estão condenados a, nesta matéria, ser todos das mesmas cores, os portugueses depressa vão à procura de uma forma de se oporem. E aí há os que entendem que William, Adrien, Cédric e Gelson não estão a fazer nada na equipa e que a culpa dos golos é sempre de Rui Patrício. Depois, há os que entendem que quem está a mais são Nelson Semedo, Pizzi, João Moutinho, Bernardo Silva ou André Gomes, da mesma forma que estava a mais Renato Sanches há um ano em França. Estes dois grupos misturam-se muito com o dos que acha que qualquer decisão do selecionador nacional foi tomada ao serviço deste ou daquele agente de jogadores – há um ano Moutinho só jogava porque era de Jorge Mendes, agora Adrien e William só jogam porque o Sporting precisa de os vender… Não vou ao cúmulo de ingenuidade de pensar que os agentes não têm influência, mas não creio que Fernando Santos pense pela cabeça de ninguém a não ser a dele ou a dos seus adjuntos. E a maior ameaça ao futebol português não é esta ou aquela decisão de um selecionador. É, sim, o ambiente geral. Não conheço mais nenhum país onde o futebol se veja assim, onde tudo tenha a ver com a cor. Porque os mesmos que antes achavam bem que as escutas do Apito Dourado fossem divulgadas, agora acham mal que os mails da polémica surjam na praça pública. E podia escrevê-lo ao contrário: os mesmos que antes se queixavam de devassa são os que agora mais contribuem para a revelação. Lá em cima escrevi futebol? Pois devia ter escrito desporto. Porque os mesmos que durante meses a fio ridicularizaram os que se queixam das arbitragens, agora aplaudem a decisão de fazer falta de comparência a uma final four da Taça de Portugal de hóquei em patins. E também aqui podia escrevê-lo ao contrário, já se sabe.
2017-06-25
LER MAIS

Último Passe

Se há coisa tão irrelevante como tentar descobrir o clube do coração dos jornalistas é tentar descobrir o clube do coração dos futebolistas. Mas o futebol move-se em terrenos pantanosos que muito rapidamente se aproximam da irracionalidade, a ponto de quem está de fora tender muito a achar que os profissionais preferem fazer mal o seu trabalho só para depois celebrarem com os amigos a vitória do seu clube e isso acaba por condicionar toda a gente – tanto jornalistas como jogadores. Só por isso, para satisfazer esta audiência sedenta de clubismo, Coentrão terá dito um dia que a regressar a Portugal só o faria para jogar no Benfica. Felizmente para ele, nos tempos do Rio Ave também tinha dado uma entrevista em que se afirmava sportinguista e revelava o sonho que seria jogar no Sporting e isso agora será apresentado como atenuante no julgamento a que a santa inquisição vai submeter um lateral-esquerdo que já foi o melhor de Portugal mas que se perdeu no caminho e precisa outra vez de encontrar quem o compreenda e lhe dê o enquadramento competitivo correto. Pode ser no Sporting, ainda que o facto de chegar diminuído não o ajude. Não vale a pena agora estarmos a questionar aquilo em que se transformou o futebol e que, por exemplo, leva os jornalistas presentes numa competição como a Taça das Confederações – ou um Europeu ou um Mundial – a não ter alternativas às entrevistas com os adeptos se querem exercer a faceta mais nobre da profissão, que é a reportagem. Mas, quando a Itália discute como discute o caso-Donnarumma, quando os adeptos lhe atiram notas falsas para o campo só porque não entendem as aspirações do jovem guarda-redes melhorar a vida e a carreira, percebe-se que não é uma corruptela só nossa e faz sentido pensar nas razões que levaram alguém a fazer aquela pergunta a Coentrão – e, antes ou depois, a Markovic, Simão, Bernardo Silva, Quaresma… –, bem como nas razões que os levaram a responder como responderam, com juras de fidelidade eterna cujo cumprimento na realidade não podem garantir. A questão é que se as coisas lhes correrem bem depois deste “o dobro ou nada” jogado no campeonato do amor ao emblema, ninguém se vai lembrar. Mas se correrem mal, toda a gente vai ter a arma apontada ao traidor, que passa a ser “mal-visto” dos dois lados da barricada. Por isso, o Coentrão que entrar em Alvalade já vem duplamente diminuído. Vem diminuído no plano físico e competitivo, como se percebe facilmente pelas lesões acumuladas em 2016/17 e pelos menos de 300 minutos que fez em campo em toda a temporada. E depois vem diminuído pela pressão que vão colocar-lhe em cima aqueles adeptos mais fundamentalistas, que já não gostaram de ver chegar Markovic e vão exercer o grau-zero de tolerância para com erros, até porque não lhes agrada a ideia de verem Jesus, ex-treinador do Benfica, recorrer a jogadores que brilharam com ele na Luz e são, por inerência, do lado contrário da barricada. A verdade é que, mais do que parte do problema, aqui Jesus pode ser a solução. Foi ele que deu a segunda vida a Coentrão, quando o jogador andava perdido em empréstimos sucessivos – Nacional, Real Saragoça, Rio Ave –, o que parece significar que compreende como ninguém a muito complicada psicologia por trás do rendimento de Coentrão. Resta perceber se consegue sacar-lhe mais uma ressurreição. 
2017-06-20
LER MAIS

Último Passe

Há duas formas bem distintas de olhar para o resultado da seleção nacional frente ao México, na abertura da campanha na Taça das Confederações. Uma obriga-nos a olhar para a exibição, frouxa e descontínua, e para o resultado, que podia e devia ter sido melhor. A outra força-nos a olhar para a frente e para a vantagem que Portugal tem face a russos e mexicanos: joga com a Nova Zelândia na última jornada e, desde que não peca com os russos, na quarta-feira, fá-lo-á a saber de quantos golos precisa para se apurar para as meias-finais. Nunca mais de três, já se sabe. “Voltou a trupe dos empatas”. Era isso que se lia um pouco por todo o lado, nas redes sociais, no seguimento do Portugal-México. Os portugueses sabem tanto de futebol como de incêndios e, regra geral, não hesitaram em condenar de forma veemente o resultado contra o México. O que é estranho é que o tenham feito recorrendo ao exemplo do último Europeu, prova na qual seis empates em sete jogos – dois deles transformados em vitórias no prolongamento – valeram o troféu à equipa de Fernando Santos. A gestão calculista dos resultados e da estratégia para os alcançar tem sido uma das principais armas deste selecionador e basta fazer contas mais com a cabeça do que com o coração para perceber que o empate com o México não deixa Portugal em tão maus lençóis. Ou que, mesmo tendo ganho à Nova Zelândia por 2-0, no jogo de abertura, a Rússia entrará em campo na próxima quarta-feira tão ou até mais pressionada do que a equipa portuguesa. Como é possível? É. Porque Portugal tem a vantagem de defrontar a Nova Zelândia no último dia e acertar contas nessa altura. Imaginemos que Portugal empata com a Rússia e que o México ganha à Nova Zelândia por vários golos. Nesse caso, à entrada para a jornada das decisões, Portugal teria dois pontos, contra os quatro dos rivais, mas só precisaria de ganhar à Nova Zelândia por três golos para assegurar o apuramento. Isto, presumindo que México e Rússia empatavam, porque se um dos dois se impusesse no duelo, para ter a certeza da qualificação sem depender do que se passará à mesma hora em São Petersburgo, bastaria aos portugueses vencer os neozelandeses. Imaginemos, em contrapartida, que os mexicanos ganham à Nova Zelândia por apenas um golo – nesse caso, tudo se manteria, menos a necessidade de ganhar por três no último dia. Aí bastaria vencer os All Whites, bem menos poderosos do que os seus colegas All Blacks, do râguebi. Mas quer isso dizer que Portugal esteve bem frente ao México? Não. Portugal cometeu erros, demasiados erros. Primeiro, o selecionador adotou uma estratégia que acabou por se revelar errada – a exclusão de André Silva para permitir a entrada de Nani como tampão a Herrera não resultou bem, sobretudo por ter inibido a equipa do ponto de vista ofensivo (conforme pode ler aqui: http://bancada.pt/futebol/artigo/falta-andre-silva-a-ronaldo-para-se-ver-o-melhor-de-portugal). Depois, a equipa acumulou erros individuais, reveladores de que afinal há ali gente longe dos melhores momentos: Fonte teve dificuldades nas saídas e falhou no segundo golo mexicano, Guerreiro mostrou menos fulgor do que habitualmente, Moutinho voltou a ser uma sombra do jogador dinâmico que já se revelou, Nani não justificou nova aposta como segundo avançado… Tudo coisas que Fernando Santos pode pensar em emendar antes do jogo com a Rússia. Ainda que, bem feitas as contas, novo empate acabe por não ser assim tão mau. Foi o que o Europeu nos ensinou.
2017-06-19
LER MAIS

Último Passe

Chega-se ao dia de estreia numa grande competição e a tentação maior é a de descobrir a equipa com que Portugal vai começar. E as maiores dúvidas – únicas, na verdade – estão nas alas do meio-campo/ataque. Sem hipótese de ver os treinos, há que recorrer ao pensamento normal do selecionador, que nos conta duas histórias. Primeiro, e fundamentalmente, que com Santos costuma jogar um ala mais dado a labor de centrocampista e outro com mais caraterísticas de extremo, para que o 4x4x2 possa transformar-se com 4x3x3 sempre que a equipa assim o entender. E depois que cada um destes alas tem geralmente um corredor preferencial, sendo raramente tidos em conta para o lado oposto. É por isso que, se tivesse de responder agora, ainda sem qualquer informação privilegiada mas numa espécie de jogo do “MasterMind”, arriscaria dizer que Fernando Santos vai começar com Bernardo Silva à direta e André Gomes à esquerda. Nove-onze-avos da equipa que mais daqui a pouco vai defrontar o México está definida. São eles: Rui Patrício, Cédric, Pepe, José Fonte, Guerreiro, William, Moutinho, André Silva e, claro, Ronaldo. Restam depois os dois lugares nas alas. Aplica-se o primeiro princípio do “Santismo” e separam-se os seis jogadores que podem jogar nas alas em dois grupos. De um lado, por um dos lugares, lutam os que têm caraterísticas de terceiro médio: André Gomes, Pizzi, eventualmente Bernardo Silva. Do outro, pela outra vaga no onze, lutam os que têm caraterísticas de terceiro avançado: Nani, Quaresma, Gelson e eventualmente Bernardo Silva, que assume uma espécie de papel dúplice por força da ausência de João Mário. Quer isto dizer que, a não ser em situações de vantagem, dificilmente se verá um Portugal tão conservador que junte em campo Pizzi e André Gomes nas duas alas. Mas também será difícil que, exceção feita a momentos em que seja preciso ir à procura do golo, vejamos ao mesmo tempo uma equipa tão ofensiva a ponto de somar Quaresma e Nani nas alas, por exemplo. Aqui chegados, antes de se aplicar o segundo princípio do “Santismo” vai-se buscar o senso comum. E o senso comum diz-nos várias coisas. Que Gelson, por exemplo, ganhou o lugar à direita pelo que fez depois de entrar ao intervalo no particular contra Chipre, no qual Bernardo Silva tinha estado mais discreto, mas que depois não confirmou essa tendência de crescimento contra a Letónia em Riga. Que Quaresma entrou bem em Riga, mas que Santos gosta de o ter perto dele no banco, graças a essa capacidade rara que o extremo do Besiktas tem para entrar bem em qualquer jogo que não faz de início. E que Nani, um fixo desta equipa, estará a regressar ao melhor momento depois da lesão que lhe roubou protagonismo, mas ainda não confirmou esse crescimento em campo – e a concorrência na seleção nacional é cada vez mais dura. É à luz destes conhecimentos que deve aplicar-se então o segundo princípio do “Santismo”. E este diz que André Gomes e Nani jogam sempre à esquerda e que Pizzi, Bernardo, Quaresma e Gelson partem sempre da direita. Agora é aplicar a lógica “santista” e completar as vagas. Neste momento, antes de chegar ao estádio ou de ter contacto com alguém que saiba algo de concreto, diria que Portugal começará hoje contra o México com Bernardo Silva à direita e André Gomes na esquerda, ambos à procura do espaço interior, dando mais projeção aos dois laterais. Que, depois, se começar com Quaresma não joga Bernardo Silva. E se começar com Nani não joga André Gomes. Mas que me parece improvável que a equipa arranque na partida com dois extremos tão claramente pronunciados como são Quaresma e Nani, a somar a Ronaldo e André Silva, estes seguros na frente, pela complementaridade que asseguram e pelo rendimento que têm dado.
2017-06-18
LER MAIS

Último Passe

Começa a ser um clássico que Cristiano Ronaldo se veja metido em grandes novelas por altura das grandes competições. Agora, garante a Marca, através do seu enviado a Kazan, o jogador já terá garantido a colegas de seleção que se vai embora do Real Madrid. Razão? Sente-se “maltratado em Espanha”, na sequência da investigação a que foi submetido e da posterior acusação de fuga ao fisco. Ora se nestas coisas entre o cidadão comum e a máquina fiscal a simpatia da quase todos nós está quase sempre com o cidadão comum, quando o cidadão é, digamos, menos comum, como é o caso de Cristiano Ronaldo, convém distinguir os factos do que é comunicação. E descansar os adeptos: não será por causa disto que Ronaldo vai render menos na Taça das Confederações. Bem pelo contrário. Vamos a factos. Em Dezembro, o Der Spiegel obteve documentos via Football Leaks indicando que Ronaldo teria recebido parte substancial das verbas de direitos de imagem através de paraísos fiscais, fugindo à tributação devida. Soube-se então que a Fiscalía espanhola ia abrir – ou já teria até aberto – um expediente de investigação à conduta do jogador do Real Madrid. Duas semanas depois, Jorge Mendes, o agente de Ronaldo, declarou à Sky Itália que havia propostas da China pelo jogador: 300 milhões de euros para o Real Madrid e 150 milhões anuais para Ronaldo. Nunca se soube que clube fez a oferta – nem tinha de se saber, na realidade, pelo que esse facto tanto poderia servir para evitar um desmentido formal como para preservar o natural secretismo do negócio. Ato contínuo, foi dito que as propostas foram recusadas, porque, ainda nas palavras de Jorge Mendes, “o dinheiro não é tudo e o Real Madrid é a vida de Cristiano Ronaldo”. Passaram seis meses e A Bola foi a primeira a noticiar que ia aparecer uma oferta de 180 milhões de euros – que o As, diário de Madrid, elevou depois para 200 milhões – por Ronaldo. Não tinha aparecido, note-se: ia aparecer. Semana e meia depois, a Fiscalía de Madrid fez sair a denúncia, acusando o futebolista português de criar uma estrutura societária para defraudar o estado espanhol em 14,7 milhões de euros, de forma “consciente”. O facto pressupõe a clara escalada do conflito mas, é preciso dizê-lo, não é uma condenação. É, isso sim, uma acusação, à qual Ronaldo tem o direito a apresentar defesa, como estará a fazer. António Lobo Xavier, advogado do jogador, diz que não há fraude fiscal mas sim “diferença de critério” e que Cristiano até pagou mais impostos do que deveria. O que em si também é peculiar. Os factos são estes. As leituras, essas, podem ser diversas, dependendo do crédito que se dá às máquinas comunicacionais. Se olharmos para esta disputa como se de um jogo de póquer se tratasse, em que os jogadores vão de bluff em bluff sem que a outra parte possa saber onde está a realidade, verificamos que se há seis meses tudo se colocava no plano das relações públicas – “o Real Madrid é a vida de Cristiano” –, neste momento o conflito ameaça chegar a vias de facto – “Ronaldo quer ir embora de Espanha”. Para dizer a verdade, não me convence nem uma coisa nem a outra. Por mais que o sinta, nenhum jogador de futebol profissional pode alguma vez dizer de forma 100 por cento honesta que um clube é a sua vida, porque a este nível é o mercado que manda. E manda muito mais se, como é o caso, falamos do melhor de todos eles. Por outro lado, não vejo na ameaça de sair de Madrid muito mais do que uma forma de arregimentar para a luta os “soldados” que a máquina de Ronaldo sabe ter do seu lado – os milhões de “madridistas” que nenhuma administração fiscal ou política gostará de ver culpá-la se o clube vier a perder o jogador que deu um contributo tão decisivo para a conquista de três Ligas dos Campeões nos últimos quatro anos. Aqueles que, mais do que saber se Ronaldo paga ou não ao fisco espanhol, querem sobretudo que ele conduza a seleção portuguesa a uma Taça das Confederações repleta de glória podem neste momento ter uma certeza. É que o capitão da equipa nacional está bem, chega a Junho numa forma que há muitos anos não conhecia nesta fase da época e não só não é rapaz para deixar que estas coisas o afetem em campo como sabe que, para a estratégia comunicacional que tem em campo fazer ainda mais efeito, não haverá nada como levar a taça para casa. É nisso que ele está concentrado. E é isso que dirá aos jornalistas de todo o Mundo, se hoje for escolhido para falar à imprensa e for confrontado com as notícias da sua vontade de deixar Espanha e o Real Madrid.
2017-06-17
LER MAIS

Último Passe

Achei curioso que, ontem, o El Confidencial, jornal digital espanhol, tivesse dado corpo a uma suspeita que nos tinha assaltado a todos logo pela manhã, na redação do Bancada, quando olhámos para as primeiras páginas dos jornais desportivos espanhóis do dia. Que todos traziam Ronaldo na manchete, era uma evidência gritante. Que os dois de Madrid apresentavam o jogador equipado à Portugal e os dois de Barcelona o exibiam com a camisola do Real Madrid já requeria algum esforço de análise. Que o facto tenha resultado de um pedido expresso do Real Madrid, como revelou o “El Confidencial”, já é um labéu de suspeição lançado sobre o jornalismo que se faz e que não queremos fazer no Bancada. Não podemos exigir às pessoas que saibam exatamente como se faz jornalismo, mas uma das coisas que exigimos a nós próprios é fazê-lo como ele deve ser feito. Ainda ontem tivemos um exemplo disso. Estando Paulo Gonçalves, funcionário do Benfica, sob suspeita no caso dos emails, impunha-se contar quem ele é e o que tinha feito no futebol e nesse sentido falámos com José Veiga, que o trouxe para a Luz, com Carlos Janela, o influenciador mais próximo das posições do Benfica neste momento, com José Guilherme Aguiar, que o conhece do círculo de advogados da cidade do Porto e foi durante muitos anos dirigente do FC Porto, e até com Hermínio Loureiro, que na qualidade de ex-presidente da Liga esteve envolvido numa polémica com Paulo Gonçalves, quando este esteve para entrar para os quadros do organismo a que ele então presidia. Poucos gostaram. Os benfiquistas não gostaram sequer que se falasse do assunto ou que para ele fosse chamado o nome de Veiga, que está para a Luz como Voldemort para o universo de Harry Potter – é “aquele que não deve ser nomeado”. Os portistas odiaram que tivéssemos contactado Carlos Janela, por verem nele a cabeça por detrás da cartilha do Benfica. E houve até os que condenaram o facto de termos destacado a condição de “portista fanático”, assim mesmo, entre aspas, achando que estávamos a querer culpar o FC Porto por tudo o que estava a passar-se, mas ignorando que até tinha sido Guilherme de Aguiar a caraterizar assim aquele que agora é profissional das cores rivais. Fazer jornalismo é isto. Não é ignorar as opiniões que parciais – é ouvir todas as fações, ser plural, e refletir no produto final todas as versões, todas as sensibilidades. E é, sobretudo, não nos deixarmos influenciar pelo que nos é dito. Porque uma coisa vos garanto: ouvimos todos, mas nenhum vai mandar nas nossas opiniões e nas nossas opções editoriais. Aqui, escusam de pedir para usar fotos dos jogadores com esta ou com aquela camisola. Usaremos a que a verdade impuser como mais natural.
2017-06-15
LER MAIS

Último Passe

Se lhe pedirem uma comparação entre a seleção portuguesa que vai entrar na Taça das Confederações e a que, há um ano, se preparava para dar os primeiros passos no Europeu, a diferença é muito mais do que um estado de espírito, uma dose de confiança reforçada por um título internacional. A ideia geral – que era a minha também – é a de que a equipa chega a este ponto da temporada menos sobrecarregada em 2017 do que em 2016, quando apresentou vários jogadores “presos por arames”. Mas esta é uma teoria que não tem sustentação nos números. Fazem-se as contas e a diferença entre a utilização do plantel atual e a do de há um ano é menor do que a causada pela troca dos dois guarda-redes suplentes – além de crença e credibilidade, o que há agora é mais talento. E mais idade. Claro que as perceções gerais são sempre muito influenciadas pelos exemplos de topo. E nesta seleção não há ninguém acima de Cristiano Ronaldo, que na parte final da época em curso até foi poupado por Zidane a várias deslocações do Real Madrid, com o objetivo de poder estar em grande na fase decisiva da Liga dos Campeões. Disso poderá beneficiar também a seleção, mas a questão é que, tudo somado, entre clube e seleção, Ronaldo fez esta temporada mais um jogo competitivo – e mais 103 minutos em campo – do que os que tinha na bagagem antes de entrar no Europeu de 2016. São 51 jogos contra 50. Se há um ano tinha feito 36 jogos da Liga, 12 na Champions e dois na qualificação para o Europeu, desta vez soma 29 na Liga, 13 na Champions, dois no Mundial de clubes, outros dois na Taça do Rei e cinco na qualificação para o Mundial. Ronaldo, portanto, jogou mais este ano. Como jogaram mais Moutinho, Guerreiro, Cédric, William ou André Gomes, só para citar os que estiveram no onze inicial contra a Letónia e já tinham estado no Europeu. Entre estes, só Rui Patrício, Fonte e Bruno Alves vêm com menos competição do que há um ano, sendo que Gelson e André Silva são novidades. Tudo somado, os 23 convocados para a Taça das Confederações têm, na verdade, menos jogos na época do que os que tinham os 23 que estiveram no Europeu: são 918 jogos, contra os 948 que o plantel acumulava há um ano. Mas esta diferença – 30 jogos – é anulada se retirarmos da equação os dois guarda-redes suplentes das duas listas: há um ano, Anthony Lopes (47 jogos) e Eduardo (44) somavam 91 partidas competitivas, enquanto que este ano Beto (nove jogos) e José Sá (seis) só contabilizam 15. Quem a 91 tira 15 fica com 76, bem mais do que os 30 que são a diferença geral. O que a equipa deste ano tem é gente importante em melhor fase – Ronaldo e Moutinho não chegam em dificuldades –; mais talento no meio-campo e na frente – Pizzi, Bernardo Silva, André Silva e Gelson são acrescentos muito importantes, que permitem, por exemplo, prescindir sem grandes dramas de João Mário e Renato Sanches, um lesionado e o outro nos sub21 – e mais crença em jogadores com os quais Fernando Santos conta em absoluto mas que há um ano não eram bem vistos pela nação futebolística, como Cédric, Guerreiro ou André Gomes. E, no entanto, é preciso ter calma. No final do jogo com a Letónia, uma jornalista levou Fernando Santos a rir num misto de incredulidade e indignação quando lhe perguntou se ele estava em condições de garantir que Portugal ia ganhar a Taça das Confederações. A lógica do raciocínio parece simples, mas bem vistas as coisas é apenas simplista. Se a equipa está melhor do que a que foi campeã da Europa… Acontece que Portugal não está melhor em tudo. Precisa, por exemplo, de encontrar sangue novo para o centro da defesa, nem de propósito o setor da equipa onde os escolhidos tiveram menos competição este ano do que no anterior: Neto substituiu Ricardo Carvalho, enquanto que Pepe passou de 32 jogos para 22, José Fonte de 45 para 41, Bruno Alves de 43 para 39. Vai-se a ver e afinal o problema que esta seleção pode apresentar na Rússia não é o excesso de competição. Também não será a falta. A surgir, será antes aquilo que levou a essa diminuição: a idade de um setor ao qual a renovação vai tardando a chegar. Sim, a experiência conta muito e a Juventus fez a época que fez com três defesas centrais trintões. Mas no fim quem ganhou a Champions foi o Real Madrid.
2017-06-11
LER MAIS

Último Passe

A seleção nacional não foi brilhante em Riga, mas acabou por ganhar com naturalidade por 3-0 à Letónia, mantendo a pressão sobre a Suíça na corrida ao Mundial de 2018. A equipa não mostrou a mesma pujança que no particular frente a Chipre, por exemplo, mas a verdade é que o adversário era mais complicado, tanto por fatores ambientais como táticos. No fim, valeu a já tradicional aliança entre Cristiano Ronaldo e André Silva: dois golos do primeiro e um do segundo elevaram o total conjunto dos dois para 17 golos em cinco jogos e meio (CR7 faltou na primeira partida da qualificação), um rendimento de que não há memória em nenhuma dupla de pontas-de-lança da equipa nacional. Em Riga, Ronaldo marcou à terceira, depois de ver o guarda-redes Vanins negar-lhe o golo nos primeiros dois remates, que equivaleram às duas únicas situações de golo criadas pela equipa nacional na primeira parte. Surpreendida, não pela acumulação de gente atrás dos letões ou pela opção básica destes baterem a bola longa na frente para a corrida dos seus dois atacantes, mas mais pelo 5x3x2 do adversário, a equipa portuguesa tardou a entrar no jogo. A Letónia bloqueava bem o corredor central e, em vez de optarem pelo natural dois para um que podiam criar nas alas, os portugueses interiorizavam muitas vezes Gelson e André Gomes, abandonando os laterais à sua sorte. O resultado foi um jogo de muitos cruzamentos feitos de trás, que sem muita gente na área – o próprio Ronaldo recuava muito à procura do espaço entre linhas – eram muitas vezes pera doce para os corpulentos centrais letões. E até ao golo, quando já cheirava a intervalo, só duas iniciativas individuais de Ronaldo permitiram a Portugal ameaçar Vanins com alguma contundência. Em vantagem, Portugal tinha feito o mais difícil. Mas o jogo da primeira volta já tinha mostrado que um golo pode não chegar – nessa altura, depois de se colocar em vantagem e perder até um penalti, a equipa nacional permitiu o empate já a segunda parte ia a meio e teve até alguma fortuna na forma como respondeu tão rapidamente com o 2-1. Só o segundo golo podia evitar a administração de adrenalina a conta-gotas que este resultado ia fornecendo aos letões. E só com a entrada de Quaresma esse golo chegou: o extremo do Besiktas continua a ter essa rara capacidade para usufruir de uma festa mesmo chegando a meio e, certamente com indicações claras do treinador para abrir o jogo, ganhou a linha e, é certo que beneficiando de um desvio em Jagodinskis, deu o 2-0 a Ronaldo. A Letónia já assumira mais o 3x5x2 do que o 5x3x2, com o adiantamento permanente dos dois laterais para ir à procura do empate, e as limitações técnicas dos centrais na saída de bola acabaram por permitir a André Silva o terceiro golo, após pressão sobre Gorkss. Resultado feito, Portugal limitou-se a gerir até final. A cabeça, nessa altura, já estava na Taça das Confederações. E, vistas bem as coisas, esse decréscimo de rendimento que a equipa mostrou hoje nem terá sido assim tão mau. É que numa prova de média/longa duração jogada no final de época, como é a Taça das Confederações, entrar com muita força não costuma ser bom. Veja-se o que sucedeu há um ano no Europeu.
2017-06-09
LER MAIS

Último Passe

O facto de ter conquistado os últimos quatro campeonatos nacionais e de ter terminado a época com uma dinâmica de vitória superior até à da época passada deixa, à partida, o Benfica na “pole position” para a Liga que aí vem. Como, apesar de práticas recentes poderem indiciá-lo, Luís Filipe Vieira já veio dizer que não tenciona mudar de treinador nem de paradigma, ao Benfica resta sobretudo não estragar o que tem feito até aqui, acertando o mais possível nas inevitáveis substituições de jogadores a que o mercado vai obrigá-lo. Mesmo que, como pode acontecer este ano, se veja forçado a substituir muita gente num mesmo setor tão fundamental como é o defensivo. Parece afastada a ideia segundo a qual Vieira e Jorge Mendes poderiam sentir-se tentados a fazer com Rui Vitória o que já quiseram fazem com Jorge Jesus há dois anos: trocá-lo em alta e aproveitar esse facto para o colocar num clube de topo na Europa, de forma a alargarem a sua zona de influência no mercado e potenciarem futuras transferências milionárias. Se Vitória fica, resta verificar se o paradigma de aposta nos jovens do Seixal se mantém também e se essa é a melhor política para um defeso em que se prevê que o Benfica possa perder boa parte da sua estrutura defensiva mais recuada. Porque a maior ameaça à hegemonia que o Benfica tem estabelecido no futebol português é a junção do fator sucesso-mercado à veterania de peças fundamentais, como Luisão e Jonas, que entrarão nesta nova época com 36 e 33 anos no BI, respetivamente. É verdade que o Benfica já suportou esta época uma quebra enorme de rendimento de Jonas, que passou boa parte do tempo de fora, por doença. É verdade também que na época anterior foi quando Luisão se magoou e Vitória fez dupla de centrais com Jardel e Lindelof que a equipa arrancou para o título, aguentando de forma estoica o sprint final do Sporting. A questão é que nunca faltaram os dois ao mesmo tempo, como a crescente veterania de ambos poderá levar a que aconteça, mais cedo ou mais tarde. Além de que, quando eles faltaram, à vez, havia em campo uma estrutura na qual a equipa podia montar-se. Uma estrutura que teve Júlio César e depois Ederson, que tinha Fejsa e Pizzi para permitir as eclosões de Lindelof, Nelson Semedo, Renato Sanches ou até Gonçalo Guedes. E falta perceber se há lá mais como estes – sobretudo se há tantos para um mesmo setor, no caso o defensivo. É mais ou menos consensual que o nível do campeonato de 2016/17 foi um pouco inferior ao de 2015/16, mas também é verdade que o segundo Benfica campeão de Rui Vitória já se baseou mais em ideias do treinador do que o primeiro, excessivamente dependente da inspiração das suas individualidades (Jonas e Gaitán acima de todos) e do efeito Sanches, que deu à equipa uma explosão determinante. Na época que agora termina, o Benfica melhorou muito do ponto de vista defensivo – e a colocação do mais equilibrado e perspicaz Pizzi no lugar que Renato tantas vezes deixava vago, ao meio, foi tão importante para isso como a liderança firme de Luisão, cuja experiência foi um atributo de excelência na coordenação dos comportamentos defensivos. O problema, para Rui Vitória, é que daqui por uns meses Luisão corre riscos sérios de olhar para o lado e não ver as caras a que se habituou. Ederson já foi, Lindelof e Nelson Semedo parecem estar a caminho e até Grimaldo teria mercado, caso agora o Benfica decidisse prescindir dele. Num setor onde a coordenação coletiva é tão importante, até para definir a altura onde se coloca a linha ou o momento de subida, fazer assim tantas mudanças já seria um problema, mesmo que o Benfica estivesse na disposição de gastar muito, de forma a que para o lugar dos que saem entrassem outros do mesmo valor, ou que haja por lá Jardel, já habituado a jogar ao lado do capitão. E é aqui que entra a questão do paradigma: a aposta nos miúdos, que foi desde sempre a maior justificação para a troca de Jesus por Vitória. Porque uma coisa é inserir, com meses de diferença, Lindelof, Renato Sanches e Ederson no onze-base e outra, completamente diferente, é começar a nova época com um novo guarda-redes, um novo defesa-direito e um novo defesa-central, todos vindos do futebol de formação. Assim ficará mais difícil.
2017-06-04
LER MAIS

Último Passe

Chipre não é propriamente um adversário de enorme valor, o jogo era um simples particular, mas a vitória por 4-0 que Portugal conseguiu na preparação para a viagem à Letónia e para a Taça das Confederações deixou indicações positivas, algumas dúvidas e ainda uma curiosa preocupação. Os portugueses fizeram dois golos em cada parte, os dois primeiros beneficiando da inspiração de João Moutinho nos livres diretos, os dois últimos a premiar uma exibição mais bem conseguida do ponto de vista coletivo. Foi neste segundo período que a equipa mostrou coisas melhores, como a aceleração e a criatividade de Gelson, o critério de William na saída de bola ou a chegada de Pizzi à área. Tudo somado, leva à grande preocupação: é que, ao contrário do que sucedeu há um ano, a equipa está bem na entrada para a reta final da época. E, pelo menos nas competições como os Europeus e os Mundiais, isso não costuma ser bem. Falta ver como é na Taça das Confederações. Fernando Santos tinha dito que os campeões europeus não estão nunca em teste, mas a verdade é que têm de estar, quanto mais não seja por comparação com eles mesmos. Primeiro, porque é preciso deslindar a questão do onze titular. E se ao onze de hoje somarmos Pepe e Cristiano Ronaldo, já se vê que é preciso sacar de lá dois homens. Se depois verificarmos que o treinador fez algumas poupanças e muito mais experiências, não fica fácil entender quem vai começar em Riga, no final da próxima semana, ou muito menos quem vai arrancar na Taça das Confederações, daqui a duas semanas. William ou Danilo? João Moutinho ou Adrien? João Mário ou André Gomes? Nani, Bernardo Silva ou Gelson? Ou até Pizzi? Tudo questões de difícil resposta. Porque Danilo fez melhor época que William, mas a equipa respira melhor com este a pautar o jogo de ataque do que com aquele à frente dos centrais. Porque tanto Moutinho como Adrien tiveram esta época Ligas menos extenuantes, o que lhes permite chegar a Junho e disputar o lugar apenas com base na capacidade de cada um. E a coisa complica-se ainda mais quando se percebe que para Ronaldo entrar no onze, no lugar ontem ocupado por Nani – e a partir de meio da segunda parte por Pizzi – os dois terão de disputar vagas noutras posições. Se Fernando Santos persistir na ideia de compor o meio-campo a quatro com um extremo puro e um médio que permita os equilíbrios, a Nani resta disputar a vaga com Bernardo e Gelson, que foi dos três o melhor frente a Chipre, por ser capaz de ir para cima dos adversários e explorar as acelerações e o um contra um. Por outro lado, Pizzi, que foi dos médios o que evidenciou melhor chegada à área – sim, jogou no lugar que vai ser de Ronaldo e isso também conta – poderia bater-se com Moutinho e Adrien pela posição de segundo médio se Fernando Santos fosse mais arrojado, mas restar-lhe-á um lugar de suplente de luxo ou a disputa da vaga de médio-ala mais dado a cair no meio e a equilibrar atrás, em cuja órbita têm andado João Mário e André Gomes. No final do jogo, Fernando Santos dizia que não podia ter opções melhores do que as que teve no Europeu, porque Portugal ganhou o Europeu e os jogadores que lá estiveram foram “absolutamente brilhantes”. Mas a verdade é que o selecionador tem mesmo mais opções. E tem opções em melhor momento. A começar por Ronaldo, que foi poupado a muitos dos jogos do Real Madrid na ponta final da época para poder brilhar na Champions, não se veem neste grupo jogadores presos por arames, como se viam há um ano, antes do Europeu. E isso é bom. Mesmo que daqui por um mês possamos estar a dizer que a equipa chegou ao topo cedo demais para poder aguentar esse momento até à fase decisiva da Taça das Confederações.
2017-06-03
LER MAIS

Último Passe

Quando se pensa num treinador para o Barcelona, das duas uma: ou é alguém que lá jogou ou é um holandês. Ernesto Valverde, o homem que os catalães escolheram para substituir Luis Enrique, jogou no Barça e até caiu no goto a Johan Cruijff. Era um extremo rápido e incisivo, que não se tornou mais útil porque se lesionava muito. Como treinador, porém, sempre foi mais próximo de Javier Clemente, por exemplo, do que do magrinho holandês. Nem de propósito, a alcunha, “Txingurri”, foi-lhe posta por Clemente e quer dizer “Formiga”, em basco. Valverde é um bom treinador, uma formiga trabalhadora, mas o estilo do Barça dos últimos anos aproxima-se muito mais das cigarras do que das formigas. A desconfiança não vem do facto de Valverde só ter ganho verdadeiramente na Grécia, onde até uma formiga verdadeira, desde que colocada à frente do Olympiakos, se arriscaria a ser campeã. Não tem sequer a ver com o facto de Valverde ser um treinador defensivo, que não o é, ainda que o seu preferido 4x2x3x1 meta mais gente atrás do que os sistemas utilizados pelos “blaugrana” nos períodos de Guardiola ou Luís Enrique (que o período Tata Martino ninguém entendeu bem o que era) ou que a vontade de ter uma referência na área possa colidir com a liberdade de que beneficia Messi para se mover por onde quer no esquema construído para ele. E não é sequer influenciada pelo facto de o presidente Bartomeu ter lavado as mãos, no ato público em que oficializou a contratação, dizendo que esta era “uma aposta pessoal do diretor desportivo”, Roberto Fernández, ex-colega de Valverde no período em que este passou pelo Camp Nou. Nada disso. A questão é que, mesmo tendo colocado o Athletic Bilbau a jogar um futebol atrativo, com gosto por ter a bola, Valverde é um treinador da garra, uma formiga, e não do estilo: as suas equipas destacam-se mais pelo ritmo que aplicam na circulação, pela intensidade defensiva nas zonas de pressão, do que pelo risco máximo na posse, pela eleição da solução que dá mais progressão em detrimento da que dá mais segurança. Admitamo-lo: em termos filosóficos, Valverde é mais Goicoetxea que Maradona, é mais Clemente que Cruijff ou Guardiola. E se isso pode implicar uma mudança de paradigma, é verdade que também torna este novo Barcelona no segredo mais interessante de descobrir da nova época que aí vem.
2017-05-30
LER MAIS

Último Passe

Dois golos de rajada a abrir a segunda parte deram ao Benfica um sucesso justo (2-1) sobre o Vitória de Guimarães na final da Taça da Portugal, permitindo à equipa liderada por Rui Vitória festejar a dobradinha numa época que só a Taça da Liga impediu de ser perfeita. Com aqueles dois golos, de Jiménez e Salvio, o Benfica pôs para trás das costas uma primeira parte mal conseguida, na qual foi controlado por uma equipa minhota que tinha sido capaz de tirar aos tetracampeões nacionais o espaço de que eles precisavam para meter velocidade no jogo. A ganhar, já se sabe, o Benfica estava como queria e nem a reação mais feita de alma do que de organização ou de capacidade técnica permitiu ao Vitória ir além de um golo, marcado por Zungu, que mais não foi do que um prémio de consolação. O jogo da final foi marcado por dois fatores. Primeiro, a chuva, que caiu copiosamente durante quase todo o tempo. Depois, a goleada (5-0) que o Benfica tinha imposto a este mesmo Vitória há quinze dias, na Luz. Percebendo que nessa altura a sua equipa tinha falhado no espaço que dera entre linhas no corredor central ao Benfica, Pedro Martins juntou linhas, baixou o bloco, e roubou ao Benfica esse espaço de que este precisava para as tabelas ou as acelerações súbitas com que dinamita os adversários nos últimos metros. Assim sendo, o Benfica foi tendo mais bola, mas esta era uma posse quase sempre estéril: só Grimaldo encontrava espaço e tempo para ser perigoso, beneficiando de um menor empenho defensivo (físico?) de Hernâni para o acompanhar. Nessa altura, era o Vitória quem tinha o jogo como queria – controlava sem bola e de quando em vez conseguia meter um ataque rápido no relvado, quase sempre graças a acelerações de Bruno Gaspar na direita. Este impasse não foi sequer quebrado com as lesões que as duas equipas tiveram na primeira parte. O Benfica perdeu Fejsa muito cedo, na sequência de um choque com Marega, e trocou-o por Samaris, sem que isso se notasse. O Vitória ficou sem Hurtado perto do intervalo, após dupla falta de Grimaldo e Cervi, substituindo-o por Cellis. E aí, sim, poderia até dizer-se que se notaram algumas diferenças, porque Cellis foi jogar para o lado de Rafael Miranda, motivando o adiantamento de Zungu para segundo avançado, e no reatamento o Benfica fez dois golos com ação de Jonas, o homem que jogava naquela zona. Primeiro, uma finta de corpo sobre Rafael Miranda e um remate de longe, que Miguel Silva largou e Jiménez aproveitou para inaugurar o marcador. Pouco depois, quase sem tempo para que os vimaranenses se recompusessem, Jonas abriu na direita em Nelson Semedo, que cruzou magistralmente para uma entrada de Salvio, a cabecear entre Pedro Henrique e Rafael Miranda. A ganhar por 2-0, o Benfica ficou como queria – a poder controlar o jogo com bola. E foi isso que foi sempre fazendo. Pedro Martins chamou Teixeira para ponta-de-lança e tentou partir a equipa num 3x4x3 com Rafael Miranda entre os dois centrais e o adiantamento dos dois alas – Bruno Gaspar e Raphinha, que recuou para o lugar do sacrificado Konan – mas o Vitória nunca foi capaz de tomar conta do jogo nem voltou a mostrar sequer indícios da organização que evidenciara enquanto o que lhe tocava fazer era sobretudo defender. O Vitória ainda reduziu, por Zungu, num canto, mas ainda assim foi o Benfica quem teve as melhores ocasiões para fechar o jogo. Os encarnados não aproveitaram nenhuma e o 2-1 final acaba por premiar a alma guerreira do Vitória com uma derrota pela margem mínima face a um Benfica que foi a melhor equipa em campo.
2017-05-28
LER MAIS

Último Passe

O FC Porto substituiu o Sporting no topo da atualidade desta semana, por ter sido anunciada a saída de Nuno Espírito Santo e por, em consequência disso, estar vaga a cadeira de treinador para 2017/18. Há muitos nomes no plateau mediático, o clube até já desmentiu alguns deles, como o de Marco Silva, por exemplo, mas a questão é mais profunda do que isso. O que está em causa aqui é a escolha de um caminho, de um treinador que comungue ideias com a SAD acerca do tipo de futebol que convém a estes jogadores, mas também a aceitação de normas que já estão definidas. Como a de um forte desinvestimento, imposto pela UEFA ao abrigo do “fair-play financeiro”. Esta segunda parte da equação é, por sinal, a fundamental. Fruto de uma aposta na valorização da equipa e na recusa assumida de alienar passes de jogadores, a SAD portista encerrou as contas de 2015/16 com 58 milhões de euros de prejuízo, ultrapassando os limites legalmente estabelecidos pela UEFA nas suas regras de “fair-play financeiro”. O resultado, por mais modos que haja – e há – de mascarar as contas, seja pela diluição de compras em várias tranches anuais ou pela venda de jogadores e posterior acolhimento por empréstimo, é que o FC Porto vai ter de vender. Mais: terá de vender rapidamente, antes do final do exercício – o que quer dizer que não pode deixar as transferências para o encerramento do mercado. Em suma, quem vier terá de fazer mais com menos. Terá de fazer uma equipa mais competitiva com menos dinheiro. E isso, mesmo que possa parecer aliciante enquanto desafio, não costuma ser a melhor forma de chamar treinadores ao mesmo tempo ambiciosos e consagrados. Como diz o ditado, “não é com vinagre que se apanham moscas”. Em consciência, não posso garantir que o FC Porto tenha tentado convencer Marco Silva a suceder a Nuno Espírito Santo, como transpirou para os jornais, as rádios e as televisões, ou se, tal como já veio dizer o diretor de comunicação do clube, não houve sequer negociações. Mas, mesmo sendo o FC Porto incomensuravelmente maior do que qualquer Watford da Premier League, não seria assim tão estranho que, podendo escolher entre um dos dois, um treinador na fase de carreira em que está Marco Silva, optasse por ficar em Inglaterra. E não seria por causa do dinheiro, que o Watford terá em mais abundância, mas sobretudo porque ali não se lhe vai pedir aquilo que é tão difícil de alcançar, que são títulos em ano de desinvestimento. Porque basta olhar para o plantel portista para perceber que para realizar milhões o clube terá de se desfazer de algumas das suas pérolas com mercado lá por fora. Alex Telles, Brahimi, Layun, Corona ou Herrera até podem ter mercado, mas os mais rentáveis poderão mesmo ser Felipe, Danilo ou André Silva, uma espinha dorsal que qualquer futuro treinador gostaria de encontrar quando chegasse ao Dragão. A segunda questão fundamental tem a ver com o que quer o clube – e para isso é importante avaliar as razões pelas quais falhou Nuno Espírito Santo. O problema esteve na compatibilização das ideias do treinador com o plantel que tinha à disposição. Quando o FC Porto apostou num plantel jovem, de jogadores que não só estão na idade dos sonhos como se destacam por um futebol excitante, parece contraproducente colocar a liderá-los um treinador que prefere um futebol mais cauteloso e direto, sem tanto desequilíbrio na construção. O futebol é uno, toda a gente ataca a pensar em como vai defender depois de perder a bola e defende a pensar em como vai atacar quando a recuperar, mas uns pensam mais numas coisas e outros mais noutras. O futebol de Nuno Espírito Santo – como antes dele o de outros treinadores com sucesso no Dragão, ainda que com plantéis diferentes – convidava mais ao equilíbrio, enquanto os seus jogadores se sentiam melhor a promover o desequilíbrio. Esta contradição matou a equipa e levou-a aos empates que a impediram de dar luta até ao último dia ao Benfica ou até de acabar a Liga no primeiro lugar. Olhando para o plantel que tem, mas também para a realidade conjuntural e para o contexto em que está inserido, o FC Porto deve pensar num treinador português, com bom conhecimento da realidade da nossa Liga, adepto de um futebol ofensivo, que não vire a cara a uma luta, mas que ao mesmo tempo esteja na firme disposição de dar tudo por uma tarefa que se apresenta como difícil. Em relação aos três de que mais se fala, não vejo Paulo Sousa nem Pedro Martins em guerras por causa das arbitragens, não vejo Sérgio Conceição ou o mesmo Pedro Martins a jogar um futebol de ataque solto. Aqui, depende do que quiser Pinto da Costa. Um treinador que seja o espelho do adepto guerrilheiro ou que sirva o futebol entusiasmante dos seus jogadores? Dentro em breve saberemos.  
2017-05-28
LER MAIS

Último Passe

É muito complicado dizer se o interesse do Paris St. Germain é uma boa ou má notícia para o Sporting. Porque depende de muita coisa. Depende, primeiro, do grau de veracidade da informação oficial do clube, segundo a qual Jesus e o presidente Bruno de Carvalho estarão na mesma página, a trabalhar para o futuro do clube. Se isso é verdade, então a saída de Jesus será sempre uma má notícia; se for mentira, é uma porta de saída para a crise, porque não é possível duas pessoas que não se entendem construírem seja o que for com sucesso. Mas mesmo que a eventual transferência de Jesus para Paris seja a tal saída providencial, não se iludam, porque outra crise se seguirá, à qual vai ser preciso dar uma resposta rápida e, acima de tudo, certeira: é preciso encontrar um treinador. Primeiro ponto. É bom para o Sporting que Jesus saia agora? Disso não tenho dúvidas: não é bom. Jesus trabalha como poucos na Europa, conhece o futebol nacional como menos ainda e era uma mais-valia para o projeto do futebol do Sporting. Não ganhou ainda o campeonato, no primeiro ano por infortúnio e uma unha negra, no segundo por erros evidentes – dele e de quem o enquadra – que poderia sempre corrigir, mas a certeza que tenho é que quem quer que entre no caso de ele sair terá de começar tudo do zero. E isso só será positivo em dois casos. Ou no caso de se achar que entre Jesus e o presidente já não há base de entendimento para construir seja o que for, o que tem sido amplamente desmentido pela comunicação oficial do Sporting. Ou no caso de se achar que Bruno de Carvalho é absolutamente infalível, o que até encontra base de suporte nas escolhas que fez de treinadores mas está muito longe de ser verdadeiro nas operações de mercado que subscreveu, antes mesmo de Jesus ter chamado a si essa pasta tão delicada. E não há-de ser preciso falar de Shikabala, Slavchev ou no Mini-Messi para recordar isso mesmo. Mas assumamos que a questão aqui é mesmo de números e que os valores que o PSG estará a propor seriam suficientes para dar a volta à cabeça não só do treinador, mas também do clube. E se no caso de Jesus isso até se compreende, no caso do clube significará também assumir que a ideia de investir num treinador valores que poderiam servir para reforçar a equipa com bons jogadores terá sido uma ideia errada. Para Bruno de Carvalho aceitar agora de bom grado aquilo que tanto trabalhou para contrariar há dois anos – se bem se lembram, a estratégia de Luís Filipe Vieira e Jorge Mendes passava por colocar Jesus no Dubai, de passagem para o PSG, onde alargaria a rede de influência do circuito Gestifute/Benfica – é porque mudou radicalmente de ideias em relação à estratégia que quer seguir. Ou que pelo menos reconhece ser impotente para a manter, porque nada significa que a eventual passagem de Jesus para o Paris St. Germain não venha a reforçar essa mesma zona de influência de que fazem parte os tetracampeões nacionais e as suas operações de mercado. Pode até dar-se o caso de o Sporting não ter poder de evitar o que aí vem. De o treinador ter no contrato clausulado que lhe permita ir à sua vida, pagando pela sua libertação. E nesse caso, nem que quisesse manter o treinador e acreditasse que o sucesso do Sporting passava por ele Bruno de Carvalho poderia fazer o que quer que fosse. Livrar-se-ia do ato de contrição, mas não da decisão seguinte. Que treinador contratar? Digo aqui o que já disse acerca da opção de Pinto da Costa para substituir Nuno Espírito Santo. O Sporting precisa de um treinador de futebol ofensivo e espetacular, o que desde logo afasta algumas das opções que têm vindo a ser publicitadas, mas com conhecimento profundo da realidade do futebol português. Nestas condições há Paulo Fonseca – que esteve no radar leonino para entrar se Jesus tivesse saído há um ano –, Paulo Sousa ou eventualmente Vítor Pereira. O primeiro tornou-se entretanto muito caro, o segundo pode ter de o disputar ao FC Porto e o terceiro é portista profundo. Não será uma escolha fácil.
2017-05-27
LER MAIS

Último Passe

Salvador Agra, Rui Correia, Hamzaoui, Wyllian, Ailton, Carlinhos ou Bruno Gomes. Todos estes nomes têm sido associados nos últimos dias ao Benfica e, acreditem, não se trata de especulação dos jornais interessados em vender papel – até porque as coisas já não funcionam assim na comunicação social. O que está aqui em causa são práticas empresariais, que podem vir a gerar maiores diferenças entre clubes participantes no mesmo campeonato, exatamente o contrário daquilo que a Liga devia querer. Caminhamos para uma situação próxima da que vivíamos nos anos 70, com uma diferença: é que nessa altura os clubes grandes contratavam com a ideia de vir a aproveitar os jogadores. Hoje já não é bem assim. Daí que se torne cada vez mais premente encontrar um regulamento justo para os empréstimos. Há 30 ou 40 anos, as equipas de reservas do Benfica, do Sporting e do FC Porto seriam mais capazes de bater o pé aos respetivos onzes de gala do que qualquer outro participante do campeonato. Vejamos, por exemplo, os campeões pelo Benfica em 1974/75: além dos onze mais utilizados havia ainda Bento, Malta da Silva, Eurico, Bastos Lopes, Adolfo, Jaime Graça, Shéu, Eusébio, Artur Jorge ou Jordão. Todos internacionais A. Mas podemos andar um ano para trás e olhar para o plantel do Sporting que foi campeão em 1973/74, onde além dos titulares estavam ainda Botelho, José Carlos, Laranjeira, Baltasar, Tomé ou Fraguito. Ou para o FC Porto que interrompeu o longo jejum de títulos do clube em 1977/78, onde Pedroto tinha, além dos mais rodados, Torres, Teixeira, Taí, Celso, Seninho ou o paraguaio González. Na altura, com um recurso muito mais limitado do que hoje ao mercado internacional, os grandes digladiavam-se entre eles pela assinatura de qualquer jogador que se destacasse ao serviço dos outros competidores. Contratavam para impedir que os possíveis craques viessem a reforçar o rival, é verdade, mas integravam esses jogadores nos seus planteis e eles acabavam por ter uma oportunidade de chegar à equipa principal. Hoje não é assim. Hoje contrata-se por mera estratégia empresarial. Ou alguém acha que os nomes acima citados virão algum dia a fazer parte do plantel do Benfica? O Benfica – e os outros também, ainda que com menor poderio financeiro – contrata para ficar com partes de passe, valorizar e receber mais-valias em futuros negócios, feitos em parceria com terceiras partes, que podem ser fundos obscuros ou empresários perfeitamente identificados. E se isso já não é bom, se não for claro, torna-se ainda mais negativo quando se percebe que vem desvirtuar a competição. Legalmente, um clube pode ter três emprestados a cada clube que participe na mesma divisão, sendo que estes não estão autorizados a defrontar o clube detentor do passe. É um regulamento melhor do que a ausência de regras em que se vivia anteriormente, quando imperavam a indefinição e a suspeição permanentes, mas continua a ser um mau regulamento. Porque no limite – e assumindo que nenhum dos grandes vai empestar jogadores aos outros grandes – um clube pode emprestar três jogadores aos restantes 15 participantes na Liga (45 no total, portanto) e defrontar esses clubes amputados de três peças base. É apenas uma questão de dinheiro. Sei que estamos longe da realidade do híper-competitivo desporto norte-americano, onde quem ganha tem limites na capacidade para se reforçar, de forma a aumentar o equilíbrio nos anos seguintes. Nem creio que um exagero desses seja possível ou sequer desejável. Ainda assim, acho fundamental que o regulador intervenha em dois planos. Primeiro, os empréstimos têm de ser drasticamente reduzidos em número e limitados a jogadores numa determinada fase da carreira. Faz sentido um clube emprestar um jogador sub23, que esteve na equipa B e precisa de subir de patamar competitivo, mas não faz sentido que contrate jogadores de 25 ou 26 anos para os emprestar a clubes rivais. E faz sentido que se limite mais o total de jogadores que um clube pode emprestar para a mesma competição – mesmo que isto pudesse depois ser driblável com rescisões, assinatura de novos contratos e lesões misteriosas antes do jogo contra o grande ao qual o jogador esteve ligado, essa seria uma situação que dificilmente passaria despercebida e que tenderia a desaparecer. É claro que uma limitação destas teria duas consequências. Os salários dos jogadores de classe média baixariam, porque os grandes sairiam do lote de eventuais ofertantes, e os clubes de menor dimensão teriam, ainda assim, de orçamentar mais gastos, para pagarem eles mesmos os seus plantéis em vez de viverem à sombra dos empréstimos dos grandes. E aí entre o segundo plano de intervenção que o regulador precisaria de assumir: a distribuição mais racional da receita entre todos os clubes. Sem isso, nada muda.
2017-05-26
LER MAIS

Último Passe

A lista de convocados de Fernando Santos para a jornada dupla que a seleção nacional vai viver na primeira semana de Junho, contra Chipre e a Letónia, mas já com vista panorâmica para a Taça das Confederações, não saiu da linha habitual neste selecionador. Foi uma lista que pode ser vista como conservadora, com poucas mudanças relativamente à convocatória de Março, onde até a ausência de Éder é mais notícia no plano das emoções do que das razões meramente futebolísticas. Houve surpresas, sobretudo na baliza, mas a principal novidade do dia na Cidade do Futebol, onde Rui Jorge também anunciou a convocatória para o Euopeu de sub21, será em torno das dores de cabeça que os treinadores dos grandes terão quando quiserem começar a trabalhar a nova época. Mas olhemos primeiro para os AA. Comparando a lista hoje revelada por Santos com a que o selecionador nacional produzira para o último jogo competitivo da equipa, a receção à Hungria em Março, há apenas quatro ausentes: Marafona, que está lesionado, Varela, que na altura foi chamado de recurso para render o lesionado Anthony Lopes, Renato Sanches e Éder. Parte da explicação para estas alterações terá a ver com a recuperação de Nani e Adrien, que naquele mês estavam lesionados e agora recuperam o estatuto. Como alguém tinha de sair, acabaram por cair Éder (dois golos no campeonato francês desde o Ano Novo são ainda assim diferentes dos seis que fez na reta final da época passada e que o levaram ao Europeu) e Renato Sanches (apenas duas vezes titular do Bayern desde o Ano Novo, que dará o seu contributo aos sub21). O resto tem a ver com o regresso de Neto, defesa-central do Zenit com quem Santos quererá contar na Rússia, quando se jogar a Taça das Confederações. De ordem diferente serão as explicações para as alterações na baliza. Sem Marafona (lesionado) e Anthony Lopes (dispensado por motivos pessoais graves), Santos optou por recuperar Beto, que passou grande parte da época no banco do Sporting, e José Sá, que a fez no banco do FC Porto. À partida, ambos terão larga experiência recente naquilo que vão fazer, que é ocupar o banco, na reserva de Rui Patrício. Mas se é verdade que é possível encontrar uma lógica nestas chamadas – Beto já esteve em grandes competições internacionais, chegou mesmo a jogar no Mundial de 2014, e José Sá foi internacional sub21 e jogou um Mundial de sub20 – ela vem num sentido inverso ao de outras feitas pelo selecionador. E sobretudo vem acentuar o problema como que vão deparar-se os treinadores dos três grandes na altura de começar a trabalhar a nova época. Jorge Jesus, por exemplo, começará a treinar a 26 de Junho, porque o Sporting tem o play-off da Champions como data decisiva de toda a temporada, com os seus dois guarda-redes na Taça das Confederações. E os problemas de Jesus não acabam aí. Na medida em que é possível antever o plantel do Sporting para 2017/18, ele terá Rui Patrício, Beto, William, Adrien e Gelson na Taça das Confederações (possivelmente até 2 de Julho), Ruben Semedo, Francisco Geraldes, Podence, Iuri Medeiros e até possivelmente Tobias Figueiredo no Europeu de sub21 (até 30 de Junho) e ainda eventualmente Bryan Ruiz na Copa de Oro da Concacaf durante o mês de Julho. Como todos voltarão e ainda terão de gozar férias, isso quererá dizer que Jesus vai começar a trabalhar com mais de meia equipa que depois acabará por ter de ser colocada no mercado. Como será difícil a tarefa de quem quer que o FC Porto venha a escolher para suceder a Nuno Espírito Santo: José Sá, Danilo, André Silva, Corona, Herrera e Layún estarão na Taça das Confederações (e os três mexicanos poderão ainda jogar a Copa de Oro a seguir), da mesma forma que Ruben Neves estará nos sub21, acompanhado de jogadores sem presença garantida no plantel, como Tomás Podstawski, Fernando Fonseca e Gonçalo Paciência. Tendo menos gente envolvida, Rui Vitória não passa ao lado desta problemática, com Nélson Semedo, Pizzi, Jiménez e (se renovar) Eliseu na Taça das Confederações e João Carvalho no Europeu de sub21.
2017-05-25
LER MAIS

Último Passe

Já tinha escrito aqui que o problema de Nuno Espírito Santo foi a desadequação das suas ideias ao plantel que tinha à disposição no FC Porto. O plantel do FC Porto é jovem, tem sangue na guelra, pede risco, e a abordagem preferencial do treinador que acaba de deixar o Dragão é cautelosa, dá privilégio aos equilíbrios e a um jogo mais direto, sem envolvimento de tanta gente na manobra ofensiva. Por isso, na altura de escolher um substituto, no que Pinto da Costa tem de pensar é no perfil do treinador que possa tirar mais de um plantel que quer futebol de ataque e que possa funcionar no futebol português. Pode ser Marco Silva, pode ser Jorge Jesus, pode ser Luís Castro, pode ser Paulo Sousa, poderia até ser Vítor Pereira. Todos apresentam vantagens e desvantagens. Em Nuno Espírito Santo até o apelo ao sentimento, à alma profunda do clube, com expressões como o “jogar à Porto” ou a “fortaleza do Dragão” acabaram por ser contraproducentes. Porque esses sentimentos, esses estados de espírito são próprios de outras épocas, épocas de revolta contra o centralismo, em que o plantel do FC Porto era mais formado à base de arreganho do que de qualidade pura e inspiração. Não se pode jogar com Corona, Brahimi, Oliver ou até com André Silva com as ideias que serviam a André, Paulinho Santos, João Pinto ou até Kostadinov. Para jogadores diferentes, ideias diferentes. E foi aí que, mais do que Nuno Espírito Santo, que seguiu até ao fim com as suas ideias, o FC Porto falhou. Alguém se esqueceu de fazer o trabalho de casa e, antes de contratar o treinador, procurar saber afinal de contas que futebol é que o FC Porto ia jogar – sem se satisfazer com um vago “vamos jogar à Porto” que, repito o que escrevi na altura, pode servir para palestras motivacionais mas em termos estritamente futebolísticos vale pouco. Aqui chegado, entre todos os treinadores de quem se fala, quatro têm o perfil adequado. Não o têm Pedro Martins ou Sérgio Conceição – e não é por uma questão de competência, mas apenas por serem treinadores futebolisticamente mais próximos das ideias de Nuno Espírito Santo – ou de Jesualdo Ferreira, o seu maior inspirador – do que das que convêm ao plantel portista. Como não o têm quaisquer treinadores estrangeiros que venham a surgir na lista, mesmo que sejam futebolisticamente próximos daquilo que é preciso. Basta verificar que nos últimos 20 anos, só três equipas foram campeãs com um estrageiro aos comandos: o Sporting de Bölöni em 2002, o Benfica de Trapattoni em 2005 e o FC Porto de Adriaanse em 2006. Há sempre um elevado risco na contratação de um estrangeiro que não sabe muito bem aquilo que vem encontrar na Liga portuguesa, como se prova pelos sucessivos falhanços de Camacho, Koeman, Lopetegui ou Quique Flores. Marco Silva parece assentar que nem uma luva no FC Porto do futuro. É jovem, joga um futebol sedutor e ofensivo, mostrou liderança em todo o lado por onde passou, mas apresenta um problema: apesar da despromoção do Hull, saiu com a credibilidade reforçada e não quererá meter-se num desafio em que não tenha uma boa dose de garantias de vir a vencer. E a necessidade de desinvestimento no plantel que o “fair-play financeiro” da UEFA vai impor não tornam isso mais fácil – bem pelo contrário. Esse talvez não fosse um problema para Jorge Jesus, que até podia encontrar aí um modo de preencher o ego e esfregar na cara dos que o acusam de ser despesista que, com comunhão de ideias com quem dirige, conseguiria ganhar com pouco. O problema, aqui, é outro: Jesus está no Sporting e nem ele quereria sair a mal nem o FC Porto, nesta fase do relacionamento com os leões, quererá estar por trás de uma separação que deixaria o futebol nacional em guerra aberta e total. Paulo Sousa tem um cérebro futebolístico peculiar e uma personalidade vincada que sempre agradou a Pinto da Costa, viria recomendado por um futebol de ataque muito interessante, mas não sai de Florença em alta, por ter deixado a equipa roxa fora da UEFA pela primeira vez desde o 13º lugar da equipa de Mihajlovic, em 2012. Por fim, Luís Castro. Pôs o Rio Ave a jogar um futebol ofensivo de grande qualidade e conhece bem a casa, pois desempenhou funções de topo no Visão 611, o projeto de formação que está agora a começar a dar frutos com a integração de jogadores da casa no plantel principal. Como desvantagem tem o facto de ser, para muitos, um nome ligado ao passado, aos poderes que perderam espaço na SAD. Ou até de poder ser encarado como uma solução de recurso, só possível por outras terem falhado. A fotografia é esta. Da decisão final se perceberá muita coisa acerca do que pensa Pinto da Costa da equipa.
2017-05-24
LER MAIS

Último Passe

Nuno Espírito Santo esperou que a frieza da matemática consumasse aquilo de que muitos já esperavam – o tetracampeonato do Benfica – para deitar a toalha ao ringue e assumir que a sua tarefa redundou num falhanço. Como se a conclusão final dependesse só de resultados. Pelo meio deixou recados a quem o quis ouvir. Que o FC Porto cresceu como equipa – e perante a hecatombe que tinha sido a época passada, não se admitia outra coisa – e que a confiança nele está expressa num contrato que está assinado. São duas conclusões válidas, mas não dizem tudo. E o próprio Nuno terá de mostrar que aprendeu que para montar um FC Porto melhor e capaz de voltar aos títulos não pode mostrar tão pouco no ataque. Objetivamente, as coisas são simples: o FC Porto tinha sido terceiro, a 15 pontos do campeão, e vai agora ser segundo, a uma distância final que pode variar entre os dois e os oito pontos. Já assegurou que fará pelo menos mais três pontos do que na época passada – tem 76 e a equipa de Lopetegui e depois Peseiro acabou a Liga com 73 – e que marca mais e sofre menos golos. Chegou mais longe na Europa, mas há um ano tinha estado na final da Taça de Portugal, perdida de forma tão inglória como incrível, depois de uma recuperação épica. Não há dúvidas de que este FC Porto foi mais equipa do que o anterior, montado em bases muito mais sólidas, com uma coerência maior, para a qual basta dizer que teve apenas um cérebro, enquanto que o anterior foi pensado por um treinador e passou metade da temporada a ser liderado por outro, que durante boa parte do tempo já tinha percebido que não ia ficar. Tinha-o percebido ele e tinham-no percebido os jogadores, o que é suficiente para matar qualquer liderança que se quer firme. O FC Porto de Nuno Espírito Santo é uma equipa muito jovem e por isso com bases sustentáveis de crescimento. Mas para tal, já o disse, não pode continuar a ser construída com base em ideias que encaixam melhor num plantel de veteranos. A predileção pela busca dos equilíbrios em detrimento da inspiração casa mal com um plantel cheio de miúdos de sangue na guelra – André Silva, Jota, Oliver, Otávio, Ruben Neves, Rui Pedro e até Corona, Danilo ou Alex Telles estão naquela idade em que os sonhos valem mais do que as certezas e é em nome deles que se movem. Claro que o realismo é fundamental para se chegar aos títulos, mas o elevado total de zeros atacantes – foram doze em 48 jogos, isto é, um em cada quatro – arruinou as aspirações de uma equipa que mostrou solidez para poder aspirar a mais. Em 52 jogos, o ataque do Benfica só não funcionou três vezes, o que demonstra que os encarnados mobilizaram sempre mais gente para chegar ao golo e que por isso foram recompensados com o pote de ouro no final do arco íris. Por esta altura, Nuno Espírito Santo não terá a certeza de que vai continuar a ser o treinador do FC Porto. O facto de ter trazido para a mesa de conferência de imprensa o contrato assinado é sinal disso mesmo. Pinto da Costa não gosta de desistir das suas ideias à primeira, por vezes nem quando elas são comprovadamente más – o que nem me parece ser o caso. É verdade que são já quatro anos sem nada ganhar, desde a Supertaça de 2013, e que isso pressiona qualquer um. Mas da mesma forma que mostrou que percebeu que Depoitre não servia para o seu plano – e a equipa melhorou com a integração de Soares, em Janeiro – Nuno tem de demonstrar que já entendeu que o ataque portista não morre ali e que para ser campeão no futebol de hoje em Portugal tem de meter mais gente em zonas de definição, mesmo que isso implique povoar menos atrás. A necessidade de recuperação do protagonismo de André Silva, o mais promissor dos jovens dragões, não quer dizer que o FC Porto dependa de individualidades. Quer somente dizer que não pode desperdiça-las, sobretudo quando são quem melhor defende a ideia que a equipa precisa para crescer.
2017-05-15
LER MAIS

Último Passe

O Benfica confirmou o esperado tetracampeonato com uma goleada (5-0) ao V. Guimarães, numa partida exemplar em que espelhou as maiores virtudes desta época – acima de todas, o comportamento ativo e pressionante nos momentos defensivos e a inspiração das suas maiores figuras na fase da criação. A forma como Fejsa e Jiménez combinaram para ganhar uma bola a Rafael Miranda na saída de jogo do Vitória, conduzindo ao primeiro golo, marcado por Cervi, foi tão importante no quarto título da série como a solução encontrada por Jonas para marcar o seu primeiro, o 4-0, com um chapéu notável a Douglas. As duas coisas juntas fizeram o título do Benfica. Este Benfica foi, ainda assim, ligeiramente inferior ao da época passada. Não em termos de processo coletivo, que nesse particular já em 2015/16 se baseava muito na capacidade das suas individualidades – Jonas acima de todos – e esta época até melhorou do ponto de vista defensivo. Mas baixou porque algumas dessas individualidades desapareceram: Jonas passou metade da época lesionado, Renato Sanches e Gaitán saíram antes de começar o campeonato, roubando à equipa a capacidade que o primeiro tinha para esticar o jogo e o cérebro aliado à técnica que o segundo representava em momentos de criação. Mas se a perda de Jonas, sobretudo na primeira metade da época, foi bem colmatada pela passagem de Gonçalo Guedes para o corredor central – mudando o futebol da equipa, pela maior capacidade de morder os calcanhares aos adversários em transição defensiva – a troca de Renato por um Pizzi a assumir mais responsabilidades também levou a um Benfica mais certeiro do ponto de vista tático, com menos buracos por preencher. E se Pizzi não dava à equipa os esticões que Renato proporcionava, essa vertigem acabava na mesma por ser recuperada pela solução que Rui Vitória encontrava para a esquerda, fosse Cervi, Zivkovic ou Rafa, todos eles velozes e capazes de promover roturas. Este Benfica fez mais jogos fracos do que em 2015/16, é verdade, e por isso mesmo acabará a Liga com menos pontos. Mas se há um ano era uma equipa incapaz de ganhar os jogos grandes – ganhou apenas um de seis nessa primeira época de Rui Vitória – a transformação no sentido de uma maior proatividade defensiva permitiu-lhe passar a ser implacável neste particular. Em 2016/17, o Benfica não perdeu um único jogo com os seus maiores rivais nacionais, chegando à última jornada da Liga com apenas duas derrotas, frente ao Marítimo e ao V. Setúbal. Isso não o impediu de manter o primeiro lugar na tabela desde a quinta jornada, em meados de Setembro. E desde aí muita coisa aconteceu. Grimaldo parou cinco meses; Fejsa esteve de fora durante quase dois; Jonas andou dentro e fora, ao ritmo dos seus problemas físicos; André Horta desapareceu das escolhas para acolher Felipe Augusto; Jiménez ídem, devido à saída fracassada para a China em Janeiro; e Gonçalo Guedes saiu mesmo para o PSG. Mesmo assim, é verdade que por vezes graças a tropeções de um FC Porto que nunca foi capaz de assumir a candidatura a sério, chegou ao título a uma jornada do fim. E se assim foi, é porque o mereceu.
2017-05-13
LER MAIS

Último Passe

Afinal de contas, o que está em causa no imbróglio Bruno de Carvalho-Jorge Jesus em que o Sporting estará a meter-se? Nada, dirá a via de informação oficial. Tudo, argumentarão os que fazem vida a saber tudo, por vezes até mais do que a própria realidade. Eu ficaria pelo meio e diria que podem estar em causa duas coisas: a visão para o futebol do clube, que facilmente pode ser confundida por uma luta pelo poder, e a otimização da própria posição face aos resultados. A primeira é mais fácil de explicar. Jesus quererá recuperar a influência total que tinha na política de contratações do Sporting, mas o fracasso desta época servirá que nem uma luva aos que defendem que o treinador deve trabalhar com os jogadores que lhe dão e ponto final. A visão de Jesus, que o treinador defendeu há poucas semanas no congresso “Future of Football”, organizado pelo clube, é simples: é ele que sabe de futebol, logo deve ser ele a definir quem fica, quem sai, quem vem e quem não vem. A mim, desde que temperada pela realidade da política desportiva do clube, parece-me a correta, já o tinha defendido antes aqui. A visão dos que se opõem a esta visão, sustentada nos fracassos que representaram as aquisições de Elias, André, Markovic ou Castaignos, é a de que o treinador não tem nada que mandar nisto e que se o clube quer voltar a fazer uma equipa com miúdos da formação ele tem de a fazer e de bater a bolinha baixa. A questão à qual estes não sabem responder é a seguinte: se não for o treinador, quem toma decisões acerca da composição do plantel? São os que nos anos anteriores à chegada de Jesus aprovaram as aquisições de Gerson Magrão, Maurício, Chikabala, Rabia, Sarr, Rosell, Gauld ou Tanaka? Esta é, portanto, uma não-questão. Aquisições acertam-se e falham-se e está por provar que num clube haja alguém mais competente para as decidir do que o treinador, que é quem tem a ideia de jogo na cabeça e quem sabe o que quer fazer com este ou aquele jogador. O que é aqui fundamental é adotar-se uma política desportiva – na qual se inclui a definição de objetivos desportivos, a forma lata de a eles chegar, o futebol que se quer ver, a relação entre a integração de jovens e a presença de consagrados que os contextualizem – e tomar decisões de acordo com ela. E é aqui que pode haver divergências verdadeiramente importantes. Porque se de um lado se quer mais formação e do outro se quer menos formação, não há conciliação possível. A questão é que se isso é verdade, então não se vê como podem Bruno de Carvalho e Jesus estar a trabalhar juntos há dois anos. Só se um dos dois tivesse posto em stand-by as suas ideias só pelo prazer da união. E isso não parece uma coisa muito adulta de se fazer. Aqui chegados, se de repente Bruno de Carvalho concluiu que é um desperdício pagar o que paga por um treinador se isso não lhe garante o título de campeão, tem de tentar pôr termo à parceria, mas de caminho tem de assumir o erro na primeira pessoa, porque toda a gente sabe que nenhum treinador pode garantir um título e foi ele quem tomou a decisão de contratar Jesus. E se de repente Jesus concluiu que não consegue ser campeão com a estrutura meio amadora, meio bipolar que o tem no Sporting e que por isso não sente vontade para continuar, tem mais é que se demitir, mas de caminho tem de assumir o erro na primeira pessoa, porque toda a gente se lembra do que ele disse quando saiu do Benfica e desvalorizou a estrutura que por lá tinha. Como nenhum dos dois deve ter neste momento vontade de o fazer, o melhor que lhes resta é terem juízo e continuarem a trabalhar juntos. Porque o Sporting não tem nada a ganhar em mudar de treinador agora e se há dois anos, com Jorge Mendes a mexer os cordelinhos e o título de campeão no bolso, Jesus não tinha colocação nos maiores clubes da Europa, não é agora que vai lá chegar.
2017-05-10
LER MAIS

Último Passe

O empate do FC Porto frente ao Marítimo – o quinto nas sete últimas jornadas – veio hipotecar seriamente as hipóteses dos dragões se sagrarem campeões nacionais, mas não teve a ver com o regresso da equipa ao 4x3x3, com um súbito ataque de medo por parte de Nuno Espírito Santo, que terá levado à passagem de André Silva para o banco ou com a titularidade de apenas um extremo claro, permitindo a entrada de um quarto médio a partir da outra ala. O treinador portista defendeu nos Barreiros a proposta que vem defendendo desde o início da época, uma proposta à italiana antiga, que privilegia os equilíbrios, um jogo mais direto e vertical, que raramente envolve muitos homens no ataque, e isso não tem a ver com o sistema ou com os titulares de hoje ou da semana passada. Tem a ver, isso sim, com a ideia de jogo, que não é uma ideia condizente com o futebol ofensivamente avassalador que os adeptos gostariam de ver nesta altura da época ou que o plantel pede. A verdade é que, empatando na Madeira, o FC Porto vê fugir mais uma oportunidade de colocar pressão em cima do Benfica. E fá-lo logo na semana em que os encarnados têm uma deslocação tão difícil a Vila do Conde, para jogar com o excelente Rio Ave de Luís Castro, equipa que além de jogar bem está a lutar pela vaga europeia que resta com o Marítimo e por isso mesmo precisa dos pontos. Se até aqui o Benfica tinha direito a errar uma vez – podia empatar um dos três jogos que lhe faltavam –, agora viu aumentar essa margem de erro, pois pode até perder um jogo com a certeza de que será na mesma tetracampeão. Os sucessivos soluços resultadistas do FC Porto têm uma dimensão mental e outra estritamente estratégica. Mentalmente, sente-se que esta não é uma equipa forte, apesar das constantes alusões do seu treinador ao “jogar à FC Porto”, na tentativa de recuperar uma identidade de campeão que durante anos foi a maior arma dos dragões. Pode ser por ser jovem, por ter deixado que as justificações com os erros dos árbitros lhe diminuíssem o grau de responsabilidade, mas a verdade é que este plantel do FC Porto tem desperdiçado várias ocasiões soberanas para colocar o pé em cima da garganta do Benfica. A de hoje foi apenas a enésima… Futebolisticamente é que não há grandes diferenças. Virem agora dizer que o FC Porto tinha de ter entrado nos Barreiros e encostado o Marítimo atrás, com uma demonstração de futebol de ataque avassalador é ligar mais à história do clube do que ao processo de construção da equipa. O FC Porto de Nuno Espírito Santo nunca foi essa equipa. É uma equipa que não aposta nos envolvimentos atacantes, preferindo um jogo mais direto que por um lado dá menos trabalho a construir e por outro não desposiciona tanto os jogadores, precavendo desde logo a transição defensiva que aí vem. Dir-me-ão que o FC Porto é ainda o melhor ataque da Liga e isso é verdade, mas não significa que seja uma equipa de grandes envolvimentos ofensivos. Este FC Porto é uma equipa que ataca a pensar como vai defender a seguir. Sempre o foi, desde o início da Liga, como se perceberá pelas diferenças entre o onze de hoje e o que começou o campeonato, em Vila do Conde – Nuno trocou o castigado Maxi pelo jovem Fonseca, o lesionado Danilo por Ruben Neves, Corona pelo entretanto revigorado Brahimi e André Silva por Soares, num onze com um desenho absolutamente semelhante. Essa é a ideia de Nuno e não pode pedir-se-lhe que faça a equipa de acordo com ideias que não são as dele nem defender-se que com uma ideia destas não se ganham Ligas. Claro que podem ganhar-se campeonatos com um futebol mais cínico e apostado em equilíbrios. Mas para o fazer é preciso ter o “killing instinct” que geralmente está associado a equipas mais experientes e não a grupos tão jovens como o deste FC Porto. É por isso que Nuno Espírito Santo chega ao fim do desafio em que pode ter deixado as esperanças de ser campeão e diz que a sua equipa não soube matar o jogo. Claro que não soube. As equipas tão jovens como este FC Porto – cinco sub21 e só dois homens acima dos 27 anos nos 14 que jogaram – não podem ter a capacidade de gestão de uma partida que lhes permita jogar assim. Não têm o realismo dos veteranos, mas podem ter a salutar loucura da juventude. Olhem para o Ajax de Peter Bosz, por exemplo, e vejam que futebol ele joga.
2017-05-06
LER MAIS

Último Passe

Por mais voltas que os profissionais da confusão queiram dar ao assunto, a adoção do video-árbitro em Portugal um ano antes do previsto por iniciativa da Federação Portuguesa de Futebol é uma excelente notícia. Não vai resolver os problemas relacionados com a arbitragem no futebol português, porque esses, mais do que com a arbitragem propriamente dita, têm a ver com o gritante défice de cultura desportiva de que sofre a maior parte dos agentes envolvidos. Não vai acabar com o erro nem com a discussão e com a polémica, porque a arbitragem é, em si, um exercício de subjetividade. Mas vai ser uma grande ajuda na diminuição dos casos mais gritantes de injustiça, porque fornece um meio extra de diagnóstico a quem, por agora, é forçado a decidir com menos certeza do que a que tem o telespectador confortavelmente sentado na poltrona lá de casa. E pode ser uma porta aberta para que se sigam outros caminhos de modernidade que a estrutura do futebol nacional precisa de assumir. As objeções vão começar a poluir o espaço mediático em breve, da mesma forma que já poluem as timelines das mais diversas redes sociais. Logo no primeiro dia, já se falou de muita coisa. Que é frequente os árbitros que opinam em painéis de opinião dos diversos meios de comunicação estarem em desacordo. Que as interrupções vão tornar os jogos aborrecidos. Que o erro é o sal e a pimenta do futebol – esta então é de bradar aos céus. Que têm de ser estabelecer as condições exatas nas quais o vídeo-árbitro poderá ser chamado a intervir, para definir o que se faz com jogadas que se sigam a outras que tenham sido interrompidas tardiamente. Que se criará uma confusão enorme sempre que o árbitro quiser inverter uma decisão do árbitro de campo. Que isto vai ser uma confusão porque há campos onde não há condições perfeitas. Ou que não é justo que se aplique no futebol de topo enquanto não estiver a vigorar também nos escalões inferiores – afinal as regras devem ser iguais para todos. Para todas estas objeções há resposta. Os especialistas divergem porque a arbitragem não é uma ciência exata e do que se trata não é de erradicar o erro, mas sim de criar condições para que ele seja menos frequente. A demora nascida das interrupções não tem de ser aborrecida e – vejam o exemplo do râguebi – pode até ser didática, desde que se dê o passo seguinte, que passa por tornar públicas as explicações dadas pelo árbitro de campo aos jogadores e se distribuam pequenos recetores pelos quais os espectadores possam ouvir o canal de comunicação entre o árbitro de campo e o de regie. Porque a transparência é sempre a melhor política. Depois, é claro que têm de se estabelecer as condições exatas em que a ajuda tecnológica poderá ser utilizada. E aqui creio que o passo que vai ser dado ainda é curto e que podia importar-se uma ideia do ténis, que é a possibilidade de também os capitães de equipa poderem desafiar um determinado número de decisões do árbitro de campo – uma por 45 minutos, por exemplo – que possam ter escapado a um primeiro visionamento do vídeo-árbitro. Por fim, é claro que há campos onde não há condições perfeitas e que esta inovação não estará disponível a não ser na elite, mas nem a vídeo-vigilância nas grandes superfícies comerciais depende da sua existência em botecos de esquina nem o facto de haver cidades onde não chegam as auto-estradas impede o estado de as construir onde isso é possível. Problemática pode ser, isso sim, a dependência que a Liga vai ter do prestador de servições que fará a transmissão dos jogos. O que acontece, por exemplo, se o canal detentor dos direitos decidir inverter a estratégia que o levou, desde a época em curso, a transmitir em direto todos os jogos da I Liga, o que implica a mobilização de um número razoável de câmaras? A questão, aqui, é a de aproveitar o problema para criar uma oportunidade e passar finalmente todos os direitos para a mão do organizador do campeonato, aproveitando de caminho para proceder à necessária centralização e à distribuição mais equilibrada da receita apurada, de modo a aumentar a competitividade interna e dos nossos clubes no estrangeiro. Mas isso, enfim, já é outra história.
2017-05-04
LER MAIS

Último Passe

Há uma coisa que é a ideia de jogo. E depois há outra coisa que é a qualidade dos jogadores. As duas estão intimamente ligadas, ajudam-se ou atrapalham-se, mas são coisas diferentes. A ideia de jogo do Mónaco, “Garibaldiana” como a definiu Allegri pela propensão para o risco, é de uma sedução extraordinária, mas talvez exija jogadores, já não diria com mais qualidade, mas pelo menos com mais qualidade consolidada – a maior parte deles está a chegar esta época à alta roda. Esta Juventus já não tem a ideia de jogo exclusivamente pragmática que tinha com Conte, por exemplo, consegue seduzir e apresenta nota artística – como se viu no primeiro golo de Higuain, por exemplo – mas além de ser uma equipa mais completa e menos dada ao erro, tem mais qualidade. O trabalho que Massimilano Allegri está a fazer em Turim pode vir a ser seminal na recuperação do futebol italiano, porque a verdade é que apesar de as últimas décadas terem apresentado uns quantos revolucionários a remar contra a maré – Zeman terá sido o pai de todos, da mesma forma que Liedholm foi pai de Eriksson e Sacchi – eles não costumavam ganhar. Allegri pegou na Juventus e fez tudo aquilo que a teoria não recomendava: quando joga com três atrás, joga mesmo com três (e não com cinco) atrás; usa dois alas verdadeiros; não povoa o meio-campo de debulhadoras cuja única missão é destruir (é lá que está Pjanic, por exemplo); e abre o ataque a três avançados verdadeiros, como são Dybala, Higuaín e Mandzukic (mesmo que em nome da ideia de jogo o croata tenha muitas vezes de fechar a esquerda). Fazendo isso tudo, está a ganhar, o que pode vir a ser fundamental num renascimento do futebol italiano, numa mudança de paradigma de certa forma semelhante ao protagonizado pelos alemães na última década, depois de as seleções terem batido no fundo. Desde o início da fase a eliminar que me pareceu que esta Juventus formava, com o Bayern e o Barcelona, o lote de equipas que podia ter hipótese de travar o Real numa eventual final. O Bayern caiu ante Cristiano Ronaldo e companhia, numa eliminatória disputada e polémica; o Barça falhou o hara-kiri contra o Paris St. Germain, numa noite em que os deuses do futebol falaram catalão, mas acabou por cair aos pés da obra de Allegri. Tudo indica que a final vai ter Real Madrid e Juventus, as duas melhores equipas da competição. A ser assim, é justo e vai ser muito interessante.
2017-05-03
LER MAIS

Último Passe

O hat-trick de Cristiano Ronaldo ao Atletico Madrid, na primeira mão das meias-finais da Liga dos Campeões, fez mais do que escancarar as portas da final de Cardiff ao Real Madrid – aquilo a que assistimos foi ao goleador português a colocar a mão em cima de mais uma Bola de Ouro e praticamente a assegurar a igualdade a cinco com Leo Messi. Argumentarão muitos que ainda é cedo, que só estamos em Maio e que o argentino até foi a estrela maior do clássico Real-Barça de há semana e meia, mas estas coisas têm timings e eventos próprios para se decidirem. E o timing e o evento exatos são estes. Ronaldo nem tem estado a fazer uma época tão boa como as anteriores, nem sequer como algumas nas quais não chegou à Bola de Ouro, sobretudo porque nessas desperdiçava muitas vezes trunfos quando eles eram menos necessários. Com menos golos, com menos jogos, com menos influência numa equipa que até já faz algumas partidas internas sem ele por opção, para Ronaldo está a aparecer nesta fase final da época cheio de energia e de capacidade para resolver os jogos mais importantes. Fez cinco golos em dois jogos ao Bayern nos quartos-de-final da Liga dos Campeões, já vai com três na primeira mão das meias-finais, contra o Atlético, e ainda tem a segunda mão, provavelmente a final de Cardiff e a Taça das Confederações para dar o remate final na candidatura. Em contrapartida, o que sobra a Messi ou Neymar? Podem até ser campeões espanhóis – ainda que o Real esteja no lugar do condutor e mantenha a maior dose de favoritismo, mesmo tendo perdido o clássico – mas estão fora da Europa e nem Argentina nem Brasil vão figurar na Taça das Confederações. Messi pode até ganhar a Bota de Ouro – segue na frente, pelo menos… – e arrancar na próxima época em grande estilo e com muitos golos na fase de grupos da Liga dos Campeões. Mas o que vale uma fase de grupos? Esta Bola de Ouro, Messi já dificilmente poderá ganhá-la. Só Ronaldo é que pode perdê-la.
2017-05-02
LER MAIS

Último Passe

Jorge Jesus queixou-se uma vez do excesso de influência de Bas Dost nos golos do Sporting. “Não estou habituado a ter um jogador a marcar todos os golos das minhas equipas”, disse nessa altura. Hoje, depois de mais um “hat-trick” do holandês valer ao Sporting a vitória em Braga e a manutenção das distâncias relativamente a FC Porto (segundo, a cinco pontos) e V. Guimarães (quarto, a oito), o treinador não se mostrou incomodado. E não o fez porque tenha passado a gostar de ter um jogador com tamanha influência na produção goleadora da sua equipa. Fê-lo porque o Sporting fez um excelente jogo no ataque e aquilo que verdadeiramente incomodava Jesus no Inverno era o pouco que a sua equipa estava a jogar. Bas Dost chegou em Braga aos 31 golos em 28 jogos de campeonato. Já garantiu que chegará ao fim da Liga, na pior das hipóteses, com um golo por jogo – e isto se não marcar nas três últimas rondas –, algo que ninguém faz em Alvalade desde que Jardel assinou 42 nas 30 partidas em que participou na conquista do campeonato de 2001/02, com Bölöni. E segue exatamente com metade (50 por cento) dos golos leoninos, percentagem de influência que nenhum jogador do Sporting conseguia também desde esse ano de apogeu de Jardel, cujos 42 golos nessa Liga representaram 56,7% dos 74 feitos pela equipa. Liedson, por exemplo, nunca passou dos 37,8% (25 golos em 66 em 2004/05, com Peseiro) e Slimani dos 34,1% (27 golos em 79, na época passada, já com Jesus). Quem tinha estado mais perto da marca de Jardel até tinha sido van Volfswinkel, que na trágica época de 2012/13 (Sporting fora dos lugares de qualificação europeia) marcara 14 dos 36 golos da equipa na Liga (38,8%). Ora por aqui se vê que os números nos dizem o que quisermos. Nem o Sporting de 2001/02 foi campeão porque Jardel marcava mais de metade dos golos da equipa nem o de 2012/13 ficou fora da UEFA por causa da influência de van Wolfswinkel. A questão é que a primeira equipa, a que foi campeã, jogava muito, e a segunda, a que ficou fora da Europa, jogava pouco. Como o Sporting dos meses de Inverno nesta Liga que deverá acabar em terceiro. No jogo de Braga, por isso, o hat-trick de Bas Dost e o facto de ele se ter aproximado da percentagem de influência de Jardel não foi um problema, porque o Sporting desenvolveu um futebol atacante vistoso, com influência das acelerações de Podence, dos dribles e da velocidade de Gelson, de uma boa atuação dos dois laterais – coisa rara esta época – e de uma tarde dominadora de William a sair com bola. Quando assim é, Jesus não se importará que um só avançado seque o resto da equipa e faça todos os golos. Até porque dali vai chegar-lhe o único troféu da época, que será o título de melhor marcador nacional e um lugar no pódio dos mehores da Europa.
2017-04-30
LER MAIS

Último Passe

Benfica e FC Porto ganharam os seus jogos da 31ª jornada e mantiveram as distâncias no corpo-a-corpo que vêm disputando pelo título de campeão nacional. Boa notícia para os tricampeões, que superaram mais uma das “finais” de que fala Rui Vitória, mas também para os aspirantes, que saíram sem um arranhão de uma das deslocações que se anteviam mais complicadas e até o fizeram com reforço de moral, uma vez que ganharam mais facilmente em Chaves do que o Benfica o fez na receção ao Estoril. Nas três últimas jornadas, vai colocar-se como nunca a questão do “estofo de campeão”, que entre outras coisas é a capacidade que uma equipa tem para ganhar jogos empatados. E aí, o Benfica tem sido mais forte. Hoje, nenhum dos dois jogou com particular brilhantismo. O Benfica agradece os três pontos a Jonas, que tirou a equipa do buraco em que esta se colocara com um início de segunda parte catastrófico, no qual o Estoril fez um golo mas podia bem ter feito mais dois ou três. No fim, dirão os adeptos, isso não interessa nada, ou pelo menos não interessa tanto como os três pontos somados com a vitória por 2-1. Já o FC Porto voltou a fazer um jogo de menos a mais: arranque cinzento, sem grande fulgor mesmo na melhor fase, mas vitória segura a partir do momento em que fez o primeiro golo do 2-0 a um Chaves que nunca chegou sequer perto da baliza de Casillas. Até final da época, os encarnados sabem que continuam a poder empatar um jogo – têm, portanto, direito ao erro. Já os dragões desbarataram esse direito com os tais empates nos jogos em que não estiveram tão bem, em que deixaram que o medo da liderança os atrofiasse e lhes retirasse a capacidade de conquista, como foi o caso dos recentes desafios em casa com V. Setúbal e Feirense. Esta questão volta a assumir particular importância esta semana, porque os dois candidatos ao título enfrentam as deslocações previsivelmente mais difíceis até final da temporada. Os adversários são o Marítimo (para o FC Porto) e o Rio Ave (para o Benfica), duas equipas cuja competência se demonstra pelo facto de estarem a lutar pelo sexto lugar e cuja necessidade de vencer fica bem à mostra quando se junta à discussão que esse sexto lugar dará acesso à pré-eliminatória da Liga Europa. Mais do que a luta pela vaga europeia que falta atribuir, contudo, interessará destacar que o FC Porto joga primeiro e que em vez de jogar para manter a distância relativamente ao Benfica, como hoje em Chaves, joga para assumir a liderança do campeonato, ainda que à condição. No Funchal, no sábado, se verá qual é o estofo da equipa portista. E se ela responder bem, no dia seguinte, em Vila do Conde, será altura de novo teste à estrutura de campeão deste Benfica. Temos campeonato!
2017-04-29
LER MAIS

Último Passe

A contratação de André Pinto é uma boa operação do Sporting, a abrir as hostilidades na janela de mercado estival que vai animar os meses entre o fim desta Liga e o começo da edição de 2017/18. Internacional de segunda linha, o defesa-central do Sp. Braga pode muito bem situar-se no plano de Paulo Oliveira, como alternativa credível a Coates e Semedo, que parecem ser os dois jogadores com mais potencial para serem titulares na posição, e tornar desnecessária a corrida a mais um gigante a recrutar no estrangeiro. Estando ainda por cima o jogador em final de contrato e já afastado por Jorge Simão desde o dia em que em Braga perceberam que o destino dele ia ser Alvalade, a operação tem tudo para não ser tão cara como muitas que depois acabam por se revelar irrelevantes. Com estes quatro centrais, parecem é ficar fechadas as portas de regresso a jogadores como Tobias Figueiredo – época de charneira fraca no Nacional – ou Domingos Duarte – fez coisas interessantes no Belenenses, e por isso mesmo ainda poderá ter mais um ano de espera antes de ver o clube apostar ou desistir dele. O jovem turco Demiral parece ser uma estrela em ascensão, para já com espaço na equipa B, e quem ficará seguramente fora dos planos é Douglas, o brasileiro que chegou para satisfazer a crónica vontade de Jesus ter jogadores acima do 1,90 metro para esta posição mas nunca se afirmou, acabando por sofrer do mesmo mal que todos os jogadores da sua estatura que não jogam com regularidade: a falta de ritmo. Ora se isso foi um problema para Douglas (1,92m), também pode sê-lo para André Pinto (que tem o mesmo 1,96m de Coates), porque não vejo forma de uma equipa funcionar com os dois lado a lado no centro da defesa. Uma dupla de centrais deve, acima de tudo, completar-se. Se um é alto e pesado, o outro tem de ser ágil e veloz, para ir buscar a profundidade quando isso for necessário – e numa equipa que luta por títulos e por isso mesmo joga muitas vezes com linhas subidas isso é muitas vezes necessário. Claro que um defesa-central pode ser ao mesmo tempo alto, contundente e veloz. Pepe (1,87m) é disso um excelente exemplo. Ruben Semedo, com mais dois centímetros, também – embora lhe falte algumas vezes a regularidade que só a concentração permite. No meio disto tudo, tenho a certeza de duas coisas. Uma é que com a chegada de André Pinto não há razões para que o Sporting pense sequer em gastar mais dinheiro com aquela posição a não ser que queira manter a economia a mexer. A outra é que quem olhar para o anúncio da contratação a poucos dias de um Sp. Braga-Sporting está à procura de criar um caso onde ele não existe. O próprio António Salvador, presidente do Sp. Braga, disse esta semana que André Pinto lhe comunicara que não ia renovar no início da época. O jogador estava afastado da equipa minhota desde o Ano Novo e tinha todo o direito a assinar por quem quisesse. E se o fez agora foi porque foi agora que o Sp. Braga com ele rescindiu. Simples. Complicado é haver quem não tenha entendido isto no caso da passagem de Carrillo do Sporting para o Benfica e quem não oi entenda agora. E sobretudo que uns e outros sejam pessoas diferentes.
2017-04-28
LER MAIS

Último Passe

Leonardo Jardim está entre os nomeados para o troféu de melhor treinador de França e não tenho dúvidas de que vai levar o prémio para casa, porque é ele, de facto, quem está a fazer o melhor trabalho entre os treinadores dos clubes franceses. Aliás, se há uma coisa a distinguir Jardim dos demais é que ele é tão metódico que não surpreende nem engana. Basta olhar para o percurso que tem feito no clube do principado: foi terceiro na época de estreia, segundo ex-aequo com o Lyon no ano de sequência e vai ser campeão esta época, aos comandos de uma das mais excitantes equipas de futebol da Europa. Até a isto Jardim estende o método, um percurso por etapas que na próxima época o levará até um clube com outras ambições no plano internacional. E no entanto, alturas houve em que se pensaria que o passo para França tinha sido um passo em falso. Jardim chegou ali em 2014 e começou por perder James Rodríguez e Falcao. Parecia que o poço que era a capacidade de investimento do clube monegasco tinha afinal um fundo, porque ao investimento desmesurado e nem sempre inteligente dos tempos do renascimento do clube seguia-se uma atuação bem mais ponderada. Só que desde essa altura muita coisa aconteceu – entre elas, até Falcao regressou, para recuperar do desastre que foi a passagem por Inglaterra. Os jovens no qual o Monaco foi apostando foram crescendo, comandados pelo treinador português, outros jogadores chegaram, cuidadosamente recrutados, e hoje formam a equipa mais demolidora de toda a Europa, com 143 golos marcados em 56 jogos. Além disso, o Monaco está na frente da Liga francesa, nas meias-finais da Liga dos Campeões e possui alguns dos jogadores mais requisitados do mercado que aí vem. Logo a começar por Mbappé, que possivelmente será o mais caro do Verão e se verá se não bate o recorde louco fixado pela entrada de Pogba no Manchester United. Depois, basta olhar para a carreira de Jardim para ver que para ele as coisas são sempre por etapas. Que não as queima, mas também não estagna. Jardim passou quatro anos e meio no Camacha a lutar pela subida à II Liga. Não a conseguiu, mas a qualidade do trabalho valeu-lhe a entrada no Chaves, que jogava a mesma Série A da II Divisão B e onde, um ano depois, lá obteve a tão desejada subida. A segunda etapa foi mais rápida: foi para a II Liga liderar o Beira Mar e subiu logo à primeira tentativa, em 2010. A terceira falava de manutenção e, apesar de ter deixado o clube em Março, num respeitável 10º lugar, ele aguentou-se na 13ª posição final e essa mesma manutenção foi assegurada. Para Jardim seguia-se, por isso, a quarta etapa, em Braga, e o objetivo era a luta pela qualificação europeia – também a conseguiu à primeira, levando os arsenalistas ao terceiro lugar do campeonato de 2012. A quinta etapa foi a única em que houve alguma confusão: o título grego no Olympiakos consta do palmarés do treinador, mas ele não acabou a época em Atenas; no Sporting, a um excelente ano de estreia – segundo lugar, na sequência da época horrível que deixou os leões fora da UEFA – seguiu-se a saída que bem pode dizer-se prematura, se se tiverem em conta os interesses do clube, que entretanto ainda não foi campeão. O título francês com o Mónaco, se o conseguir, será o primeiro em que Jardim lidera a equipa do início ao fim e, não se enganem, marcará o fim de mais uma etapa. Em 2017/18, Jardim não deverá estar no Monaco, porque a etapa que se segue, a sexta, fala do domínio em termos europeus. E isso, apesar de tudo o que tem sido feito esta época, o Monaco não pode dar-lhe. Inglaterra ou Espanha esperam por ele.
2017-04-27
LER MAIS

Último Passe

Há dias, forçado a tal pelas notícias acerca do desencontro de opiniões com Quim Machado acerca da melhor forma de escolher um plantel, Rui Pedro Soares, presidente da SAD do Belenenses, veio dar em público aquela que é a versão mais comumente aceite – ainda que tão raramente praticada, porque se as coisas resvalam para o lado da gestão, é sempre a gestão que impõe as leis. Jorge Jesus deu hoje, no congresso “The Future of Football”, organizado pelo Sporting, uma versão mais “futeboleira” da coisa: deve ser o treinador a decidir tendo em conta aquilo que no fim mais importa, que é a capacidade de atingir os resultados desportivos. Mas o paraíso está a meio. Como se prova na época feita pelo Sp. Braga entre José Peseiro, Jorge Simão e Abel Silva. Primeiro, o Belenenses. Quim Machado justificou a não renovação – que depois veio a resultar na sua substituição por Domingos Paciência – com a intransigência em relação a duas cláusulas que a SAD azul queria impor no contrato. “Uma era que o treinador praticamente não tinha interferência nas contratações e outra em que a SAD teria o direito de retirar jogadores de uma convocatória”, revelou o treinador que acabou por sair do Restelo. Sem mencionar o segundo caso, Rui Pedro Soares veio dar a sua visão acerca do assunto na globalidade: o treinador pode dizer quem quer, mas quem escolhe quem contrata é a SAD. Não é uma coisa assim tão idiota: há mesmo muito quem defenda que é assim que deve ser, porque os treinadores vão e vêm e os clubes não podem ficar reféns das escolhas feitas por, como costuma dizer-se, “meros funcionários”. Não me parece, de qualquer modo, a coisa mais inteligente do Mundo, também. Porque se há ali quem de facto saiba de futebol e do futebol que quer pôr a equipa a jogar é o treinador. Foi um pouco isso que disse hoje Jorge Jesus em Alvalade, ao defender “três fatores fundamentais” para que seja o treinador quem escolhe as contratações: “sistema tático, modelo de jogo e modelo de jogador”. A questão é que se a predominância da gestão não satisfaz do ponto de vista dos resultados em campo, o predomínio do técnico pode falhar do ponto de vista da gestão. No Sporting desta época, por exemplo, não foi seguida uma política de perfis adequada, visando a substituição dos jogadores vendidos – Slimani, Téo e João Mário – por elementos que dessem à equipa as mesmas valências. Bas Dost move-se ao contrário de Slimani, Alan Ruiz levou muito tempo a calçar as botas de Téo e Gelson dá soluções individuais e brilho no um para um onde João Mário dava enquadramento coletivo e controlo. É melhor? É pior? É sobretudo diferente e levou tempo a acertar. Uma equipa funciona tanto melhor quanto houver concertação entre todos os decisores ou de preferência uma boa compreensão global de quem está no plano superior das escolhas (todas, incluindo a do treinador) e que deve ser competente tanto do ponto de vista da gestão como do futebol. Excelente exemplo disso mesmo foi a deriva do Sp. Braga entre José Peseiro e Jorge Simão, dois treinadores que não podiam ser mais opostos em termos de modelo de jogo defendido. Peseiro é um homem da mobilidade atacante, dos desequilíbrios ofensivos, do 4x4x2 puro, cujas equipas defendem a pensar como vão atacar a seguir. Toda as suas equipas jogaram assim. Simão é um homem do rigor a meio-campo, dos equilíbrios defensivos, do 4x2x3x1 com dois médios sempre posicionais, cujas equipas atacam a pensar como vão defender a seguir. Todas as suas equipas jogaram assim. O plantel bracarense teve grandes mudanças a meio e, como treinadores competentes que são, cada um tentou construir a equipa à sua imagem o melhor que pôde e soube. Mas quem decidiu começar a época com um e acabá-la com outro estava a pensar exatamente no quê?
2017-04-26
LER MAIS

Último Passe

Pedro Proença assumiu hoje uma posição pública de condenação do estado atual do futebol português, em artigo de opinião assinado no jornal A Bola. O presidente da Liga disparou acusações certeiras em todas as direções, falou em “comportamentos bélicos e de guerrilha”, pediu “bom senso e fair-play” e rematou sugerindo a realização de “cimeira ao mais alto nível”. Ora esse é o tipo de coisa que nunca vai acontecer – nem faz falta. Proença gostaria de aparecer como pacificador, como responsável pela união dos irmãos desavindos, não só porque isso seria bom para o futebol mas também porque daí retiraria algum crédito para ele e para a Liga a que preside. A questão é que estes irmãos não querem ser reunidos. Isto não vai lá com cimeiras – é preciso agir. A leitura da situação, o presidente da Liga fê-la bem. Há falta de bom-senso, há falta de fair-play, há excesso de vontade de ganhar a qualquer preço. O problema é que o que aqui nos trouxe continua a estar na ordem do dia. Todos os anos, há apenas um campeão e três clubes capazes de apostar a vida para o serem. E esses três clubes já entenderam que no faroeste em que se transformou o futebol em Portugal vale de facto tudo. Luís Filipe Vieira teve razão quando apontou excesso de demagogia e populismo a Bruno de Carvalho. Este, por sua vez, também teve razão quando mencionou o terrorismo comunicacional do Benfica. O problema é que ambos podiam, no caso, estar a referir-se à atuação dos seus clubes também. Com as mesmas palavras. Para já, os três candidatos ao título estão concentrados na necessidade de ganhar e foi para isso que delinearam estratégias comunicacionais que passam pela destruição moral dos opositores. O Sporting fá-lo através do presidente, às vezes do diretor de comunicação; o Benfica fá-lo através dos seus comentadores televisivos e por vezes do próprio presidente; o FC Porto começou recentemente a fazê-lo através do diretor de comunicação, depois de o fazer por intermédio do Dragões Diário, já que o presidente anda mais arredado destes palcos do que no tempo em que assumia a guerrilha em nome pessoal e de peito aberto. Se isto resulta ou não, depende. Resulta para quem ganhar o campeonato. E não é de um dia para o outro – nem muito menos numa cimeira pública e de perfil elevado – que se lhes explica, ao que ganhar mas também aos que perderem, que todos juntos estão a transformar o futebol português numa lixeira e que o campeão da lixeira será isso mesmo também: lixo. O que pode então fazer a Liga? Não pode controlar os meios de comunicação – ainda que isso devesse ser mais bem feito por uma ERC que tem pecado por total e absoluta ausência de regulação. Não pode de repente juntar os três clubes à mesma mesa, porque eles não querem estar sequer na mesma bancada. A única saída da crise, já o disse, passa pela ação. Não dá as mesmas chances de fotografia que uma cimeira de presidentes sorridentes, mas apresentará muito mais resultados a médio e longo prazo. Proença tem duas armas terríveis nas mãos: a gestão da disciplina, pela qual pode punir os prevaricadores, mas sobretudo os direitos sobre o futebol em Portugal. Como sou liberal por natureza, não acredito em proibições – não se pode proibir as pessoas de falar e, se o que elas têm para dizer é mau, não se pode proibi-las de falar mal. Mas acredito na ocupação desse espaço mediático com aquilo que o futebol tem de bom para oferecer: treinadores, jogadores, árbitros, adeptos verdadeiros. E isso, a Liga pode fazer. É só querer.
2017-04-25
LER MAIS

Último Passe

A presença do Benfica na final da UEFA Youth League vai servir para relançar o debate acerca do futebol de formação em Portugal. Como sempre, os argumentos mais populares serão aqueles movidos pelo clubismo, mas serão também os menos relevantes. Mais do que discutir se o Benfica ali chegou porque, ao contrário do Real Madrid ou do Barcelona, optou por chamar os jogadores da sua equipa B – um patamar acima – ou se esta conquista vem afinal dar razão ao troféu de “Melhor academia do Mundo” recebido nos Globe Soccer Awards, no Dubai, interessa perceber se o clube português está a trabalhar bem. Acho que sim e explico porquê: porque, mesmo não ganhando tanto como os rivais em sub19, começa a levar miúdos à equipa principal, a exemplo do que estes já faziam, e não deixa de ganhar aí, que é onde mais importa. A estabilidade no comando técnico – João Tralhão, de 36 anos, tem uma década a trabalhar na Luz, metade como responsável principal dos sub19 – é um dos fatores a favor da tese do bom trabalho feito pelos encarnados. É mais fácil a quem está por ali muitos anos e acompanha as sucessivas gerações nos seus vários patamares de crescimento perceber quem vai dar jogador e quem não passará de promessa ou estabelecer um plano de evolução contínua das diversas equipas. Depois, a chegada de vários miúdos à equipa principal nos últimos anos é outro fator a ter em conta: muito mais do que as vendas milionárias dos jovens sem provas dadas que seguiram caminho no circuito Gestifute – e alguns, como Bernardo Silva, até vieram a superar o valor inflacionado que o carrossel lhes atribuiu, mas a verdade é que esses acabam por ser exceção – é a utilidade de jovens como Nelson Semedo, Gonçalo Guedes, Renato Sanches ou Lindelof para a equipa principal que vem sustentar a força do projeto do futebol de formação no Benfica. Depois, há que distinguir aqui dois fatores. Um é o que vale esta equipa. Isso depende de muita coisa, a começar pela capacidade dos jogadores nascidos naquele par de anos – e ali há alguns que me encantam, como Florentino, Gedson ou Kalaica, mas convém não esquecer a forma sempre renhida como este Benfica chegou à final, com dois apuramentos nos penaltis. De qualquer modo, um clube pode ter uma geração excecional de sub19 num ano e outra mais fraca no ano seguinte e isso não quer dizer tudo acerca da sua formação. Esta geração do Benfica é forte, mas não conseguiu, por exemplo, ser campeã nacional de juniores: o FC Porto venceu os dois últimos campeonatos, relegando sempre o Sporting para o segundo lugar, tendo os encarnados sido quartos e sextos classificados. O que conduz à segunda parte da equação, que tem a ver com a integração de todas as categorias num só projeto, capaz de albergar pelo menos a equipa B. Porque à formação principal já não se chega por decreto mas apenas por capacidade e, é importante dizê-lo, se não houver condições financeiras de investimento que permitam trazer craques já feitos. E foi isso que o Benfica começou a fazer, mesmo tendo pelo caminho sofrido alguns percalços, como a atribulada permanência da equipa B na II Liga, há um ano. Porque a verdade é que o debate acerca de quem tem a melhor formação não tem apenas a ver com títulos e também pode conduzir a irrelevantes vitórias de Pirro. Se olharmos para os resultados nestas categorias, a melhor formação neste momento será a do FC Porto, que é o atual bicampeão nacional de sub19 e conseguiu mesmo levar a sua equipa B a ser campeã nacional da II Liga em 2015/16. Se olharmos para a capacidade de colocar jogadores na equipa principal, o troféu já muda de mãos e é atribuído ao Sporting, que raramente entra em campo com menos de uma mão cheia de jogadores formados em casa: ainda no dérbi com o Benfica lá estavam Rui Patrício, William, Adrien e Gelson, tendo posteriormente entrado Podence e ficado no banco prontos para qualquer eventualidade Beto, Esgaio e Ruben Semedo. Olha-se para a seleção nacional campeã europeia de seniores e nela quase sempre se descobre que mais de metade dos jogadores foram formados pelo Sporting em Alcochete, mas nem assim o Sporting conseguiu ser campeão nacional de seniores com eles. O que o Benfica está a conseguir é outra coisa: está a colocar jogadores da formação no onze de Rui Vitória e de caminho tem continuado a ganhar nos seniores. Esse é o objetivo mais difícil de atingir e o que a presença da equipa portuguesa na final de Nyon permite pensar é que há ali mais gente em fila de espera. Depois, se ganham ou não, isso já depende de muita coisa que não tem a ver com formação.
2017-04-24
LER MAIS

Último Passe

Jogou-se um Sporting-Benfica e mais do que ao futebol está a dar-se atenção ao clima de ódio e confronto permanente que rodeia o futebol em Portugal. E aqui todos temos de ter a noção de que temos de fazer mais. Têm de fazer mais os dirigentes, têm de fazer mais os jornalistas, têm de fazer mais os treinadores e jogadores para que se crie um contexto em que os adeptos façam menos. Porque a verdade é que no dia seguinte à morte de mais um adepto em confrontos potenciados por este clima de tensão permanente serve de pouco virmos todos dizer que o futebol está um lugar perigoso quando não fazemos aquilo que tem de ser feito para o evitar. E o resultado é que no seguimento dos acontecimentos trágicos da madrugada anterior, o que mais se ouve é virem de um lado dizer que se o adepto morreu atropelado foi porque não tinha nada que andar nas imediações do Estádio da Luz às tantas da manhã – coisa boa não ia fazer… – e do outro aparecerem a lembrar que os que morrem e os que matam são sempre das mesmas cores – como se a idiotice tivesse uma cor fixa. Já aqui defendi que se as coisas estão como estão é preciso procurar razões profundas e intervir nelas. Claro que era bom que se fizesse mais também no seguimento da tragédia. Era bom que Bruno de Carvalho se coibisse de fazer julgamentos morais se o que queria era ter Luís Filipe Vieira a seu lado na tribuna de honra – e provavelmente não queria. Era bom que Vieira passasse por cima desses julgamentos e não viesse depois questionar o que andava o adepto italiano a fazer nas imediações do Estádio da Luz se queria de facto contribuir para a pacificação geral, aparecendo ao lado do presidente do rival – e provavelmente também não queria. Era bom que, como cheguei a ver escrito ontem, as duas equipas se fizessem fotografar em conjunto com um apelo ao fair-play, que os dois treinadores fizessem até mais do que cumprimentar-se e dessem um forte abraço. Mas continuo a achar que tudo isso acabará por ser irrelevante se não se fizer nada no início da cadeia. E o início da cadeia passa pela tomada de decisões estratégicas, pelo reconhecimento de que o futebol é um assunto potencialmente atrativo para as massas e que se o “sistema” não permite que surjam conteúdos que o promovam, as corruptelas desse mesmo sistema acabarão por privilegiar os conteúdos que o arrastem para a lama. Como os programas televisivos de hooligans engravatados que passaram a servir de modelo para todas as conversas acerca do jogo nos cafés. Vê-se muita gente queixar-se de que o futebol está nas ruas da amargura mas depois a engrossar as fileiras de seguidores dessas discussões da intensidade do toque ou do milímetro do fora de jogo, a subscrever teorias da conspiração que fariam corar de vergonha qualquer Jerry Fletcher ou Fox Mulder dos tempos modernos. Perante os acontecimentos dos últimos dias, vê-se já muita gente a dizer que deviam acabar os programas de futebol, os jornais desportivos, os debates de rádio… Tudo! Quando, como cantava Manuel Freire, “não há machado que corte a raiz ao pensamento”. O futebol estará sempre na ordem do dia, a questão é a de saber se quem manda nele consegue que seja pelas boas razões. Como? Não é permitindo – é obrigando que os seus principais protagonistas, que são os jogadores e os treinadores, apareçam. É estes meterem na cabeça que o futebol não é uma ciência oculta e que mais vale falarem dos detalhes que enriquecem mesmo o jogo em vez de se refugiarem em lugares comuns que não interessam a ninguém. É os jornalistas serem também capazes de pensar fora da caixa e levarem as suas conversas para o retângulo de jogo em vez de ser para os gabinetes da comissão de arbitragem ou do conselho disciplinar. No dia em que isso acontecer, garanto, os adeptos também vão ser capazes de falar do jogo. Claro que neste momento, fruto do que tem sido a realidade recente, da habituação dos adeptos aos conteúdos tóxicos, já transformada em dependência, seria sempre precisa uma reeducação, uma espécie de desintoxicação. A coisa nunca seria imediata. Ainda assim, estou convencido de que um programa de TV que amanhã juntasse os dois treinadores ou até dois jogadores com liberdade para falar do jogo suscitaria sempre mais interesse do que os intermináveis debates dos hooligans engravatados que enchem os serões televisivos por estes dias. Impossível, dirão alguns. Não vejo por que razão, respondo eu. Se a Liga é a dona do campeonato, se tem o poder de estabelecer um caderno de encargos para os clubes que nele querem participar, se nada a impede até de fundar uma produtora de TV que garanta que esses programas não descambam para os tais incitamentos ao ódio que estão a estragar o futebol em Portugal, se isto até já se faz no estrangeiro, não vejo por que não há-de poder ser feito em Portugal. A alternativa é virmos a breve prazo a coroar todos os anos um campeão da lixeira em que está a transformar-se o futebol em Portugal. Texto adaptado do publicado no Diário de Notícias de 23.04.2016
2017-04-23
LER MAIS

Último Passe

O Sporting-Benfica não foi um grande jogo, confirmando que as duas equipas estão esta época um patamar abaixo do que mostravam na época passada. No final, ambos os treinadores vieram puxar para o seu lado a justiça de uma vitória pela qual, na verdade, nunca fizeram muito. Jorge Jesus apresentou como argumento as duas ocasiões de golo flagrantes perdidas por Bas Dost, mas não disse que o golo com que o Sporting se adiantou lhe foi oferecido logo de início num erro idiota de Ederson. Rui Vitória esgrimiu com o maior domínio do Benfica sobre a partida, mas também não reconheceu que com mais bola e a necessidade de correr atrás do resultado durante boa parte do jogo a sua equipa só foi capaz de testar Rui Patrício de bola parada. A verdade é que o empate assenta bem às duas equipas. A forma como o jogo decorreu mostrou boas exibições no plano individual – os quatro centrais, Pizzi e Gelson acima de todos – e uma melhor reação do Benfica aos episódios do jogo: o Sporting pareceu anestesiado pela vantagem madrugadora e demorou muito a reagir ao golo do empate. Os leões até entraram melhor, marcaram antes mesmo de poderem justificá-lo, mas nunca souberam cavalgar a onda da vantagem, permitindo que, aos poucos, o Benfica fosse tomando conta das operações a meio-campo: fosse pelo recuo de Rafa, pela derivação frequente de Salvio e Cervi para zonas mais interiores ou pelo que me pareceu um mau posicionamento de William, os encarnados marcaram superioridade nesse setor até ao intervalo e encaminharam quase sempre o jogo na direção da baliza de Rui Patrício. Faltava-lhes, depois, arte na frente, pois mesmo ganhando muitas vezes aos desastrados laterais leoninos, os desequilibradores benfiquistas não pareciam capazes de transformar esse ascendente em situações de perigo. Na segunda parte, provavelmente com posicionamentos corrigidos pelo treinador durante o intervalo, o Sporting apareceu melhor e teve as tais ocasiões de golo que Bas Dost não costuma perder mas que, desta vez, perdeu. Manteve o jogo no 1-0 e acabou por sofrer o golo do empate, num livre magistral de Lindelof. Vitória já tinha feito a equipa evoluir para o 4x4x2 com dois avançados claros – Mitroglou e Jiménez – mas nem por isso o Benfica tinha melhorado em termos de produção atacante. Só que ao sofrer o golo, o Sporting voltou a vacilar e os minutos que se seguiram foram, a par do final da primeira parte, os melhores dos tricampeões nacionais. Jesus demorou a mexer, mostrando mais uma vez alguma falta de confiança no único revulsivo que tem neste momento a sair do banco – Podence devia ter entrado mais cedo – e só quando Vitória decidiu trancar o jogo com a entrada de mais um médio – Filipe Augusto – e o sacrifício de um dos dois avançados é que os leões voltaram a estar mais perto da baliza de Ederson. Tem sido uma tendência desta época: quanto mais atrás defende, mais o Benfica sofre. O empate acaba por ser justo e deixar benfiquistas e postistas moderadamente satisfeitos face ao que falta jogar nesta Liga. Os benfiquistas sentem que passaram o obstáculo mais difícil e sabem que ganhando as quatro partidas que lhes faltam serão tetracampeões. Os portistas julgam que o Benfica não está a jogar enormidades e que pode bem voltar a vacilar – assim a equipa de Nuno Espírito Santo tenha capacidade para aproveitar uma eventual escorregadela. Ambos têm razão para ter confiança. A Liga nos dirá quem ri no fim.
2017-04-22
LER MAIS

Último Passe

Antes de um dérbi, a pergunta é sempre a mesma: quem está melhor? E a resposta também: depende. Depende de muitas coisas, a começar pelo parâmetro que quisermos privilegiar. Se for a série estatística, está melhor o Sporting. Se for a força mental, vinda da motivação, está melhor o Benfica. Se o peso da responsabilidade funcionar como travão, o compromisso volta a ser mais favorável ao Sporting. Se, em contrapartida, servir de trampolim, então é o Benfica o favorito. Os que procuram respostas definitivas devem ter em conta que quando se defrontam duas equipas de valor tão aproximado, há aspetos incontroláveis, que só um conhecimento aprofundado da dinâmica interna dos dois grupos poderia ajudar a decifrar. E esse, ninguém o tem. O Sporting joga em casa e está numa série melhor do que o Benfica: ganhou oito dos nove jogos que fez desde a derrota no Dragão, há mais de dois meses, enquanto que o Benfica só venceu dois dos últimos cinco (ou três dos derradeiros sete). A melhor forma do momento é, portanto, dos leões. No entanto, olhando para a qualidade de jogo que têm vindo a apresentar, ela não se aproxima sequer da que evidenciavam por alturas do dérbi do ano passado. E esse, ainda assim, perderam-no. As explicações encontram-se nos outros parâmetros, a começar pelo que o jogo significa para cada grupo de jogadores. Há um ano, ganhando o dérbi, o Sporting quase punha um ponto final da Liga, ficando de portas abertas para o desejado título de campeão. E isso, ao fim e ao cabo, não foi um fator motivacional, mas sim um travão de responsabilidade. Uma espécie de medo cénico que levou a equipa a dois jogos consecutivos sem ganhar – empate em Guimarães e derrota em casa com o Benfica – e promoveu a inversão das posições no topo da tabela. Este ano, os leões estão fora da corrida pelo título. E não deixa de ser curioso que tenha sido após o jogo que os afastou – a derrota no Dragão – que encarrilaram para a melhor série da temporada. Estão mais soltos, mais desresponsabilizados. É o Benfica quem joga mais neste dérbi. Falta perceber como reage o grupo de Rui Vitória a este fator, se sentirá acréscimo de pressão ou de motivação. Há um ano, mesmo com um futebol menos trabalhado que o do Sporting de Jorge Jesus, a equipa encarnada ganhou o jogo que tinha de ganhar e não vacilou depois até final da época. A diferença é que, tal como o Sporting, também o Benfica tem feito esta época jogos menos bons do que há um ano – são disso exemplo a vitória em Moreira de Cónegos ou o empate em Paços de Ferreira. Não creio que esteja a jogar menos por uma questão de falta de motivação – a perspetiva de um inédito tetra-campeonato chega para manter a moral em alta – ou de excesso de pressão, que não deve afetar uma equipa tricampeã. Essa baixa de qualidade explica-se, nos dois lados, com aquilo de que menos se fala em Portugal quando se fala de futebol. O que? Precisamente, o futebol. Este Benfica fez quase toda a época sem Jonas, cuja inteligência futebolística – a capacidade técnica servida por uma espécie de presciência que lhe permite adivinhar os lances uma fração de segundo antes de todos os outros e dessa forma tomar as melhores decisões – foi uma arma fundamental no título passado. Durante meia época, o Benfica teve Gonçalo Guedes, que ajudou a transformar a equipa, dando-lhe mais intensidade ofensiva e defensiva. Sem Guedes e com Jonas a aparecer e desaparecer, o Benfica nunca foi a equipa de 2015/16. Vale-lhe que também o Sporting está abaixo do coletivo da época passada. Há um ano, Jesus tinha Slimani e João Mário, que agora lhe faltam. Mas, argumentarão, Bas Dost até faz mais golos do que Slimani… É verdade. Mas Dost é um finalizador, enquanto Slimani fazia jogar toda a equipa. Quando se fala do que trabalhava o argelino, muitos reduzem esse aspeto à pressão defensiva sobre a saída de bola do adversário, mas isso nem era o mais importante: o que falta a este Sporting é um jogador que busque a profundidade ofensiva e dessa forma force o alargar do espaço entre as linhas defensivas do adversário, o espaço onde apareciam Téo Gutièrrez, Bryan Ruiz, João Mário e até Adrien. Aqui chegados, a pergunta permanece: quem está melhor? E a resposta também: depende.
2017-04-21
LER MAIS

Último Passe

A ver Bruno de Carvalho e Pedro Madeira Rodrigues debaterem com vista às eleições do Sporting lembrei-me várias vezes de uma corrida de 400 metros. Os dois candidatos à presidência assemelhavam-se a dois atletas que, cada um na sua pista, iam traçando percursos paralelos, sem nunca se cruzarem. Madeira Rodrigues, o desafiante, focava-se nos aspetos que julga mais negativos no mandato do atual presidente e dizia que com ele tudo ia ser diferente. Bruno de Carvalho, por sua vez, centrava atenções no que considera serem as suas maiores vitórias e agitava documentos para as "provar", quase nunca dando respostas convincentes às críticas que lhe iam sendo lançadas. Resultado: as únicas vezes em que cruzaram argumentos foi acerca dos insultos que um e outro foram registando durante a campanha ou na questão das comissões, em que um disse uma coisa e outro disse outra. Duvido que um único sócio do Sporting tenha hoje mudado o seu sentido de voto. Depois de ver os dois candidatos, quem era de Bruno de Carvalho vai continuar a ser de Bruno de Carvalho e criticará a atuação de Pedro Madeira Rodrigues e o facto de o desafiante quase se ter limitado a despejar frases feitas acerca do que quase toda a gente vê de negativo no presidente: a obsessão com o Benfica, o culto da personalidade, a dificuldade para aceitar opiniões divergentes... Por sua vez, quem era de Pedro Madeira Rodrigues continuará a ser de Pedro Madeira Rodrigues e a reparar que em vez de dar respostas concretas às críticas que lhe eram feitas, o presidente fugia para os temas em que se sentia mais confortável, como quando ripostou ao desequilíbrio entre despesas e receitas operacionais com o saldo positivo entre vendas e compras na equipa de futebol.  A verdade é que, mesmo tendo passado todo o debate ao ataque, Madeira Rodrigues nunca disse como poderá fazer melhor aquilo que entende que Bruno de Carvalho fez mal - só que vai fazer melhor. E, mesmo tendo quase sempre dado a sensação de que estava ali apenas a cumprir um pró-forma, Bruno de Carvalho também nunca fez qualquer ato de contrição relativamente ao que lhe correu pior: a rábula de ter uma média de taças por ano superior à média geral do Sporting é um passo atrás relativamente ao discurso ambicioso de quem há quatro anos ia mudar o Mundo leonino e fazer do Sporting muito grande outra vez. Se o debate serviu para alguma coisa foi para que Madeira Rodrigues se desse um pouco mais a conhecer. De Bruno de Carvalho já todos sabem o que é - é aquilo que tem feito, com coisas positivas e outras negativas. Já o desafiante mostrou trazer o discurso preparado, os soundbytes bem alinhados e decorados e até valer mais do que aquilo que a perceção geral lhe concede em termos de reais possibilidades de vir a ser presidente do Sporting já este ano. A não ser que haja uma grande surpresa daqui até dia 4 de Março, Bruno de Carvalho vai ser re-eleito para mais um mandato à frente do Sporting. Pedro Madeira Rodrigues poderá capitalizar os votos que vier a acumular para se constituir como alternativa válida, como oposição que nenhum dos três grandes clubes portugueses verdadeiramente tem. Se quiser vir a contar, o candidato perceberá que a sua melhor aposta é no médio e no longo prazo e que a corrida que mais lhe interessa não é de 400 metros. É uma maratona.
2017-02-23
LER MAIS

Último Passe

Uma noite perfeita de Ederson e o pesadelo protagonizado por Aubameyang ajudam a explicar a vitória por 1-0 do Benfica sobre o Borussia Dortmund e uma ligeira inversão da balança do favoritismo nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, mas resumir o que se passou na Luz a esses dois fatores seria ignorar outros igualmente importantes, como a mudança de estratégia defensiva do Benfica da primeira para a segunda parte. Foi também por aí que os encarnados ganharam o jogo, ainda que a chave tenha sido a eficácia do sul face ao desperdício alemão: Mitroglou marcou no único remate enquadrado da equipa portuguesa; Aubameyang falhou quatro golos cantados, um deles num penalti, que Ederson defendeu. Na primeira parte, quem olhasse apenas para os dois treinadores dificilmente adivinharia o que aí vinha. Rui Vitória deitava repetidamente as mãos à cabeça, por ver a equipa perder hipótese sobre hipótese de lançar contra-ataques que podiam ser perigosos, não conseguindo passar a primeira barreira defensiva imposta pelo Borussia. Tomas Tüchel, por sua vez, limitava-se a sorrir com incredulidade à medida que os seus jogadores iam perdendo ocasiões para marcar. Só à conta de Aubameyang foram, nesses primeiros 45 minutos, duas, uma na cara de Ederson, outra até já sem guarda-redes, depois de um cruzamento rasteiro de Guerreiro a que o gabonês não chegou. O Benfica entrara com Rafa a fazer de Jonas, atrás de Mitroglou, talvez com a ideia de condicionar Weigl, de o cercar de forma a impedi-lo de pegar no jogo alemão, mas a ideia não resultou. Por um lado, porque com exceção de algumas arrancadas de Salvio na direita – sempre bem auxiliado por Semedo – a equipa portuguesa não conseguia criar embaraço aos alemães. Por outro, porque estes iam mandando no campo e monopolizando a bola. Talvez por isso, Rui Vitória mexeu logo ao intervalo. Saiu Carrillo, que não deu boa sequência ao jogo com o Arouca, e entrou Felipe Augusto, descaindo Rafa para a esquerda e avançado Pizzi para ser ao mesmo tempo segundo avançado e terceiro médio. Não se percebeu se a coisa podia dar resultado, porque logo aos 48’ os encarnados marcaram, num canto: Luisão saltou mais alto que toda a gente e Mitroglou aproveitou a colocação deficiente de Guerreiro num dos postes para, em posição legal, bater Burki. De repente, o jogo adiantou-se à estratégia do Benfica, que se via a ganhar e com mais um médio no campo. Ainda assim, e apesar da energia que a equipa passou a pôr no momento de reação à perda da bola, subindo a primeira linha de pressão, o Borussia foi capaz de voltar a pegar no jogo. Teve ocasiões para empatar, em mais um cara-a-cara de Aubameyang com Ederson – que voltou a sair por cima da barra – e numa grande penalidade que o gabonês desperdiçou. Ederson adivinhou o remate para o meio da baliza, deixou-se ficar e socou a bola. Após essa defesa de Ederson, Tüchel chamou Schurrle e sacrificou o seu melhor marcador, cuja noite-não era já sem remissão. E o Benfica animou-se, equilibrando o jogo até ao momento em que os alemães chamaram Pulisic. Foi o norte-americano que, com um remate à entrada da área – desviado no calcanhar de Jiménez – arrancou a Ederson a defesa da noite. Uma defesa que deve ter assegurado ao guardião brasileiro a chamada à sua seleção (se é que Taffarel, que estava a observá-lo, ainda tinha dúvidas) e que garantiu ao Benfica a entrada no Westfallenstadion em vantagem e, sobretudo, sem ter sofrido golos em casa. Se o Borussia era favorito na eliminatória, neste momento as coisas estão pelo menos equilibradas.
2017-02-14
LER MAIS

Último Passe

Foram o FC Porto e Nuno Espírito Santo que ganharam ou foram o Sporting e Jorge Jesus que perderam? Como sempre, na sequência de um clássico, onde as duas formas de olhar para o jogo assumem igual protagonismo, esta é a pergunta que muitos fazem. A resposta é simples: ambas as afirmações são verdadeiras. Nuno Espírito Santo começou a ganhar o jogo quando apostou em Soares e numa frente de ataque alargada, mas só o ganhou mesmo graças ao compromisso defensivo revelado por jogadores como Corona e Brahimi. E Jorge Jesus começou a perdê-lo, não tanto na aposta-surpresa em Matheus Pereira, mas mais na falta de William Carvalho e na insistência em Bryan Ruiz pelo corredor central, como segundo avançado, quando ainda não ganhou um jogo verdadeiramente competitivo com o costa-riquenho a jogar naquela posição. Soares foi o homem do jogo, pelos dois golos que marcou, mas sobretudo pela volta que permitiu dar ao futebol do FC Porto. Com Soares, o FC Porto pôde mudar para um 4x4x2, porque passou a ter um avançado de referência, com escola a jogar de costas para a baliza, a cobrir a bola, mas que ao mesmo tempo tem finalização e explosão. Talvez fosse isso que o treinador tinha em mente quando contratou Depoitre, mas a verdade é que esses trunfos chegaram com seis meses de atraso. Com Soares na frente, André Silva passou a ser menos massacrado – ainda que ao mesmo tempo tenha perdido protagonismo – e a equipa pôde juntar dois pontas-de-lança a dois extremos puros, como Corona e Brahimi, não perdendo em termos defensivos. Pelo contrário… A diferença para a equipa que atacou no Estoril, há uma semana, com André Silva, Jota, Herrera e André André foi abissal em termos de resultados práticos, mas também de modelo de jogo: o FC Porto de hoje apostou num jogo mais direto, na busca mais rápida da profundidade, juntando linhas atrás e vivendo muito do comportamento defensivo rigoroso dos dois alas, que estiveram sempre bem nos momentos de transição, reduzindo o espaço ao Sporting para atacar. Claro que muito disto teve a ver com o golo madrugador de Soares, obtido logo aos 6’, que permitiu ao FC Porto gerir a vantagem e ao Sporting obter superioridade estatística, porque lhe coube desde cedo a necessidade de recuperar no marcador. E aqui é onde entram os defeitos leoninos. Seria fácil vir agora criticar a aposta surpresa em Matheus Pereira – um minuto jogado na Liga antes de ser titular no Dragão – mas a verdade é que sem ter sido brilhante, não foi por ele que o Sporting começou a claudicar. O início da queda teve a ver com a falta de rotinas de Palhinha com a equipa, mas o essencial passou pela noite má de Zeegelaar e por mais uma manifestação de incapacidade de Bryan Ruiz para jogar como segundo avançado, pelo meio, em jogos onde o patamar de exigência e de competitividade aumentam. Em suma, Jesus não perdeu por ter inventado, como amanha vamos ler um pouco por todo o lado. Perdeu por insistir em soluções que já lhe tinham custado pontos em várias outras situações. É muito por aqui que se explica o jogo. Adiantou-se o FC Porto logo aos 6’, por Soares, num lance onde a criatividade de Corona se juntou ao comportamento insuficiente de Zeegelaar, que o deixou cruzar, e onde depois a eficácia do avançado recrutado ao V. Guimarães veio combinar com a falta de rotina de Palhinha com Coates e Ruben Semedo: os dois centrais definiram bem o momento da subida, um segundo antes do cruzamento, para deixar Soares em fora-de-jogo, mas Palhinha, que estava na área para restabelecer a superioridade numérica, tardou a reagir e deu condição legal ao atacante brasileiro. A ganhar, o FC Porto assumiu o bloco baixo e a busca rápida da profundidade, sobretudo em ataque rápido e contra-ataque. E, mesmo tendo superioridade numérica no corredor central – Palhinha, Adrien e Bryan Ruiz contra Danilo e Oliver – o Sporting não só não tinha saída pelo meio, procurando sempre os corredores laterais, como perdia quase todas as divididas por ali, fruto da inadequação de Bryan Ruiz à posição. O talento está lá, não se discute, mas para jogar a este nível naquela posição é preciso pensar e executar a uma velocidade que o costa-riquenho não tem. Ruiz começou ali contra o FC Porto em Alvalade e Jesus trocou-o por Bruno César quando se viu a perder, ainda na primeira parte; voltou a começar ali contra o Benfica na Luz e Jesus voltou a trocá-lo, desta vez por Alan Ruiz, aos 60’, mais uma vez a perder, mas desta vez por 2-0; por fim, o treinador repetiu a aposta no Dragão, voltando a mudá-lo de posição ao intervalo, outra vez a perder por dois golos. O segundo nascera de um contra-ataque que teve contributo de Danilo, num excelente passe de rotura, e de Soares, que bateu em velocidade a defesa do Sporting, superou Rui Patrício e fez o 2-0. Na segunda parte, com Adrien e Gelson a manterem a bitola elevada, Esgaio na esquerda em vez de Zeegelaar, Palhinha a subir de rendimento – sendo mais médio e menos terceiro central – e sobretudo com Alan Ruiz no apoio direto a Bas Dost, assegurando que o Sporting tinha alguém capaz de jogar dentro do bloco portista, os leões melhoraram. Adrien acertou na trave e Alan Ruiz reduziu, após combinar com Bas Dost. Aqui, foi a vez de o FC Porto repetir o erro que já cometera contra o Benfica, baixando o ritmo, deixando de sair com a certeza dos primeiros 45 minutos, fruto da falta de gente na frente: André Silva deu o lugar a André André, Brahimi foi trocado por Jota e Corona por João Carlos. Podence deu alma ao flanco esquerdo leonino e nos últimos dez minutos pairou sobre o Dragão a hipótese de repetição do golpe de teatro que já sucedera frente ao Benfica. A diferença é que desta vez Casillas fez duas excelentes defesas a cabeceamentos de Coates, impedindo o empate. E em resultado disso não só o FC Porto viu legitimada a sua candidatura ao título, como o Sporting saltou fora da carruagem.
2017-02-04
LER MAIS

Último Passe

O FC Porto-Sporting vai definir que campeonato teremos a partir de Fevereiro. As equipas chegam ao clássico em posições inversas relativamente ao igualmente decisivo desafio da época passada, mas com muito mais jornadas por disputar, o que somado à derrota recente do Benfica em Setúbal permite acalentar esperanças a ambas de ainda terem alguma coisa a dizer na luta pelo título. A esperança é, aliás, a palavra-chave para os que hoje forem ao Dragão. Os portistas vão na esperança de saírem de lá líderes à condição – o Benfica só joga no domingo. E se há um mês estavam a seis pontos de diferença do líder, já não estão na situação de olhar para cima e não ver ninguém desde o jogo de abertura desta Liga, quando foram os primeiros a somar três pontos, com a vitória em Vila do Conde sobre o Rio Ave. Os sportinguistas, por sua vez, vão na esperança de pelo menos manter a distância para o topo – são sete pontos neste momento, os tais que o FC Porto tinha de desvantagem há um mês – e reduzir a que os separa do segundo lugar, para voltarem a entrar na discussão. Ambos os treinadores têm a noção de que o futebol é o momento. E a questão é que o momento não tem sido muito favorável a nenhum dos dois. O FC Porto até vem de três vitórias seguidas depois do empate em Paços de Ferreira que parecia condenar a equipa a uma segunda metade de época sem ambição, mas não tem sido convincente no plano exibicional. No Estoril, por exemplo, a equipa só ganhou asas quando o treinador adicionou homens de ataque a um onze inexplicavelmente tímido de início. Uma das dúvidas acerca de que FC Porto vamos ter prende-se com as opções para acompanhar André Silva. Só Diogo Jota, com Herrera, Oliver e André André é curto, como se viu na Amoreira. É verdade que o treinador vinha escaldado pelos dois golos consentidos em casa ante o Rio Ave e pode ter sido impelido a escolher uma equipa mais conservadora, mas entre Corona e Brahimi, pelo menos um tem de estar de início. Ou até os dois, com Jota de fora. Jesus já dissipou a maior dúvida no onze leonino, que tinha a ver com o homem escolhido para substituir o castigado William Carvalho. Joga Palhinha, igualmente forte fisicamente mas menos desequilibrador no passe e naturalmente menos à vontade com a importância de um jogo como este. Logo aí se deve esperar um Sporting menos virado para o ataque, mas a opção fundamental prende-se com a escolha do homem que vai acompanhar Bas Dost na frente. Em 2015/16, Jesus ganhou com “chapa três” na Luz e no Dragão com dois avançados puros – Slimani e Gutiérrez – mas este é um Sporting diferente, logo à partida por não ter a capacidade de luta do argelino, que era ao mesmo tempo primeiro atacante e primeiro defesa. Os dois clássicos desta época tiveram de início Bruno César e Bryan Ruiz a alternar entre a esquerda e o centro e deverá ser assim também no Dragão, onde lá mais para a frente Jesus pode recorrer a Geraldes e Podence, os dois moreirenses que tão moralizados ali chegam.
2017-02-03
LER MAIS

Último Passe

Quando o Benfica sofreu três golos do Boavista e outros três do Moreirense, toda a gente falou de Fejsa e da falta que o sérvio fazia nos equilíbrios defensivos da equipa de Rui Vitória. Hoje, Felsa estava de volta e o Benfica perdeu com o V. Setúbal no Bonfim. O problema não foram tanto os desequilíbrios defensivos – o Vitória não chegou muitas vezes com perigo perto da baliza de Ederson – mas sim a falta de capacidade para criar desequilíbrios ofensivos. Foi por isso que os tricampeões nacionais registaram o primeiro zero no ataque desde a derrota com o Bayern em Munique (em Abril). Ou, se limitarmos a amostra à Liga portuguesa, desde o empate a zero com o U. Madeira no Funchal, em Dezembro de 2015. Tal como tinha feito o Moreirense, o V. Setúbal fechou bem o corredor central. Aos dois centrais habituais – Venâncio e Fábio Cardoso – juntou Vasco Fernandes na missão de lateral direito, pedindo depois a Mikel e Bonilha, os dois médios-centro, que fizessem um jogo sobretudo rigoroso em termos posicionais. Bloqueado pelo meio, o Benfica só teve saída pela direita, onde Nelson Semedo e Zivkovic ainda iam criando algumas dificuldades, em contraste com o jogo menos conseguido de André Almeida e Cervi do outro lado. Vitória ainda tentou trocar os laterais, mas foi na segunda parte, com Rafa no lugar do argentino, que o Benfica ganhou flanco direito. E nem aí foi capaz de tirar de Jonas a influência que o brasileiro tinha na época anterior. Com o 10 sempre emparedado, o Benfica dependia da capacidade de Mitroglou chegar a um cruzamento, de um remate de longe ou de Luisão transformar um dos muitos cantos de que beneficiou num golo. Não aconteceu. Depois, pode até falar-se da ausência de Rui Vitória, ausente do banco por castigo, mas a verdade é que mesmo com ele este Benfica não vira jogos. Como se viu em desvantagem a meio da primeira parte, no seguimento de uma boa combinação de Edinho e Arnold na direita, que o congolês cruzou para o cabeceamento vitorioso de Zé Manuel, o Benfica deixou que dele se apoderasse o sentimento de fatalidade que lhe custou um dissabor em todos os jogos nos quais deixou que o adversário se adiantasse. Todas as equipas que lhe marcaram primeiro tiraram algo dos jogos: já tinha acontecido com este mesmo V. Setúbal na Luz (1-1), mas repetiu-se duas vezes com o Napoli (4-2 em Itália e 2-1 em Lisboa), com o FC Porto (1-1), o Marítimo (2-1) e o Boavista (3-3). Esta não é uma equipa programada para virar resultados, mas sim para marcar cedo e gerir a vantagem com um apetite atacante que quase sempre lhe permite ampliá-la. É, apesar de tudo, e sobretudo com Fejsa, uma equipa mais forte nos momentos defensivos do que nos ofensivos. E por isso mesmo encara agora o duplo compromisso caseiro com Nacional e Arouca sabendo que em vez de poder fechar o campeonato em caso de derrota portista no clássico de sábado, terá sempre de continuar a pedalar até ao fim se quer garantir o tetra.
2017-01-30
LER MAIS

Último Passe

O apuramento de Sp. Braga e Moreirense para a final da Taça da Liga podia ser uma excelente oportunidade para ensinar os portugueses a gostar de futebol. Os dois jogos das meias-finais foram excelentes, com ritmo, boa qualidade dos executantes e opções estratégicas bastante interessantes, pelo que se antevê uma final igualmente atrativa. Com um senão: em campo não vai estar nenhum dos três grandes. Óbice de monta para um país onde em vez de gostarem de futebol, os adeptos gostam dos seus clubes. Os números não enganam. A Liga portuguesa tem-se esforçado na promoção do espetáculo, na tentativa de encontrar os melhores horários para fazer subir os protagonistas aos relvados – e a este propósito ainda há demasiados jogos em horas pouco convidativas de dias ainda menos interessantes – e nisso tem sido acompanhada por alguns clubes, que já perceberam que é na capacidade para mobilizar o seu exército que se tornam mais fortes. Em termos gerais, ainda sem contar com os jogos desta 19ª jornada entretanto realizados, a média de espectadores por jogo na Liga cresceu 6,5 por cento, dos 10.802 nos jogos do campeonato passado para os atuais 11.552. Não são os 43.300 de média da Bundesliga ou os mais de 36 mil da Premier League, nem sequer os 19 mil da Liga holandesa, a que mais se aproxima das cinco grandes, mas já são um valor assinalável. Sobretudo se repararmos que 11 das 18 equipas da Liga portuguesa cresceram em espectadores da época passada para a corrente e que das sete que baixaram duas – Sp. Braga e Moreirense, exatamente os finalistas da Taça da Liga – ainda não receberam nenhum dos três grandes no seu estádio. Ora é aqui que entra nas contas o principal fator desequilibrante: os três grandes. Só porque o Benfica subiu de 50.322 para 56.031 espectadores por jogo (aumento de 10%); porque o Sporting tem sido capaz de acompanhar os campeões nacionais, com um crescimento de 39.988 para 43.148 espectadores por jogo (subida de 7%) e o FC Porto também aumentou o público por jogo em casa de 32.324 para 35.305 (crescimento de 8%), isso não quer dizer que esteja tudo bem. Porque há uma Liga dos três e uma Liga dos restantes. Sim, é verdade que ainda temos mais uma equipa acima da média geral – o Vitória de Guimarães, que leva em média 17.581 pessoas a cada jogo. As outras 14 estão abaixo da média. Com a agravante de haver uma média para a Liga e outra, bem diferente, para os jogos que não envolvem nenhum dos três grandes, nem na qualidade de visitado nem de visitante, como será o caso da final de hoje, no Algarve: os 111 desafios já disputados sem a presença de nenhum dos três candidatos ao título foram capazes de arrastar até ao estádio pouco mais de 429 mil pessoas. São 3865 espectadores por jogo. Estou convencido de que há maneiras de fazer crescer estes números – e um dia voltarei a este assunto. Neste momento, porém, o que interessa é a final da Taça da Liga e fazer com que o público esteja à altura de duas equipas que valem mais do que os espectadores que levam ao estádio (10.100 por jogo no caso do Sp. Braga; 1.424 no Moreirense, a equipa com menos presença média de adeptos de toda a Liga). Porque aquilo que Sp. Braga e Moreirense foram capazes de mostrar nas meias-finais justificaria um público interessado e conhecedor, mesmo que não seja diretamente interessado numa ou noutra equipa. São duas equipas que sofreram há pouco um processo de mudança técnica, com as entradas de Jorge Simão e Augusto Inácio, mas que já sabem aproveitar muito do que os novos treinadores têm para lhes oferecer: uma boa organização acima de tudo no caso de Simão, a inteligência estratégica que a experiência já longa lhe proporciona no caso de Inácio. O Sp. Braga de Simão passou a ser forte onde a equipa de José Peseiro mais vacilava: no meio-campo. Com Battaglia ao lado de Xeka, os arsenalistas formam uma dupla capaz de ocupar sempre bem a posição que é o coração de qualquer equipa de Simão. Já tinha sido assim no Belenenses, no Paços de Ferreira e no Chaves, os três clubes de topo que o treinador lisboeta dirigiu antes de chegar ao Minho. Depois, a qualidade ofensiva já lá estava, com extremos da categoria de Pedro Santos, Ricardo Horta ou Wilson Eduardo, avançados como Stojiljkovic, Rui Fonte ou Hassan ou até a integração permanente dos dois laterais em manobras atacantes. Por seu turno, o Moreirense de Inácio soube potenciar melhor as caraterísticas dos seus melhores jogadores, fazendo sobressair as capacidades de Dramé, Boateng ou Podence em contra-ataque e de médios como o promissor Francisco Geraldes – um cérebro futebolístico ao serviço de bons pés – e o seguro Fernando Alexandre.
2017-01-29
LER MAIS

Último Passe

Foram bem diferentes as dificuldades sentidas por FC Porto e Sporting para vencerem os seus jogos da 18ª jornada da Liga, na antecâmara do clássico que vai complicar muito mais a vida a um deles – ou até a ambos, se empatarem. Os dragões voltaram a ver-se em défice ofensivo, fruto da recuperação da opção conservadora por parte do treinador, Nuno Espírito Santo, que começou por tentar vencer o Estoril com a equipa muito atrás. Os leões sentiram um défice defensivo quando já ganhavam por 3-0, quando Adrien começou a proteger-se face à hipótese de ver um amarelo que o afastasse da próxima jornada e Jorge Jesus deixou que o seu próprio conservadorismo se manifestasse quando tardou em retirá-lo de campo. No fundo, a história devia ser a de duas vitórias claras. Não foi assim, porém. Na Amoreira, o FC Porto só desbloqueou o 0-0 aos 82 minutos, quando um penalti de André Silva permitiu a Nuno Espírito Santo um suspiro de alívio que as suas opções iniciais dificultaram. A equipa começou com André Silva como ponta-de-lança, Diogo Jota a apoiá-lo e com a missão de cair na esquerda, e com André André e Herrera como médios-ala que frequentemente procuravam o espaço interior. Afinal de contas são essas as suas caraterísticas. As consequências eram duas: falta de largura e falta de gente na frente. Quando Brahimi se levantou do banco para entrar, ainda na primeira parte, não me passou pela cabeça que o sacrificado pudesse ser Jota. O problema manteve-se até que pouco depois da hora de jogo surgiu finalmente a opção atacante, com as entradas de Corona e Rui Pedro com a saída de dois médios. O mexicano dava largura, Rui Pedro acentuava a presença na frente, tirando o foco da defesa estorilista um pouco de cima de André Silva e os golos apareceram. Esse problema, de desbloqueio do jogo, não o teve o Sporting, que marcou cedo e aos 35’ já ganhava por 3-0. Com Gelson de regresso às noites boas, Schelotto a ajudá-lo ofensivamente, Alan Ruiz a desenhar trajetórias menos previsíveis no apoio ao imperturbável Bas Dost, a equipa parecia no caminho de uma vitória tranquila até ao minuto 45. Nessa altura, William Carvalho viu um cartão amarelo que o afastava do clássico de sábado próximo e a situação afetou Bruno César e – sobretudo – Adrien Silva, os outros dois jogadores leoninos que estavam a um cartão da suspensão. O que se viu no regresso para a segunda parte, na qual me surpreendeu até que Adrien tenha sequer reentrado em campo, foi um Sporting defensivamente passivo. Quando não há Adrien – e face ao risco assumido, naquele início de segunda parte foi quase como se não houvesse – o Sporting deixa de funcionar defensivamente. O Paços também sabia disso e Whelton aproveitou para fazer dois golos que, antes do bis de Bas Dost, colocaram o resultado em risco. A dúvida que vai alimentar a semana que aí vem tem a ver com as opções para o clássico. Irá Nuno Espírito Santo repetir a equipa sem pontas e com aposta no meio-campo que titubeou ante o Estoril? Não creio, porque isso equivalerá a dar a iniciativa ao Sporting. E quem irá Jorge Jesus utilizar no lugar de William? Palhinha entrou tímido no jogo com o Paços, mas teve contra ele uma equipa que naquela altura já duvidava muito, e deve ser ainda assim a melhor aposta. A outra opção – Adrien com Bruno César – viria impedir aquele que parece ser o Plano A leonino, no qual Bruno César deverá ser, como foi em Madrid ou na receção ao FC Porto, na primeira volta, simultaneamente segundo avançado e terceiro médio. Porque se é verdade que na época passada Jesus foi à Luz e ao Dragão com dois atacantes (Gutièrrez e Slimani), ganhando ambos os jogos com clareza, as circunstâncias atuais são muito diferentes.
2017-01-28
LER MAIS

Último Passe

Augusto Inácio tinha dito no lançamento da meia-final da Taça da Liga que se o Moreirense chegasse à final toda a gente ia dizer com espanto: “Ahhhh, o Moreirense ganhou ao Benfica!” No entanto, quando a equipa minhota venceu de facto os tricampeões nacionais, a maioria dos observadores vai dizer outra coisa: “Ahhh, o Benfica perdeu com o Moreirense!” É o normal num futebol tão tricéfalo como o português, mas a verdade é que a surpresa do Algarve tem dois lados. Um fala da perda de qualidade defensiva de um Benfica que entrou em quebra quando perdeu Fejsa e que passou a sofrer muito mais na primeira zona de pressão quando recuperou Jonas. O outro de uma segunda parte épica de um Moreirense seguro por Fernando Alexandre, com Geraldes, Podence, Dramé e Boateng a darem um recital de contra-ataque. A história faz-se dos vencedores. Depois de uma primeira parte sem chama, Augusto Inácio foi à procura da felicidade com duas substituições que ajudam a explicar o desfecho do jogo. O velocíssimo Podence e o sempre inteligente Geraldes já lá estavam, mas faltava a âncora que veio a ser Fernando Alexandre e uma outra seta na frente que foi Dramé. O Moreirense fez três golos, mas podia ter feito mais, fruto da velocidade nos últimos metros, da capacidade de lançar os seus velocistas em passes de rutura desde a zona de meio-campo, mas também da forma de sair a jogar desde trás, iludindo um Benfica muito menos eficaz na reação à perda do que tem sido habitual: uma coisa é ter ali Jiménez, Cervi ou Gonçalo Guedes, que correm sempre atrás da bola e travam a organização adversária desde cedo, e outra, bem diferente, é entrar com Jonas, Rafa e Carrillo, muito mais passivos do ponto de vista defensivo. Não é só por aí que se explicam os três golos encaixados pelo Benfica, porém. Sobretudo porque se sucedem a dois feitos pelo Leixões e outros três pelo Boavista. Fejsa lesionou-se em Guimarães, no dia 7 deste mês, e nos cinco jogos que se seguiram a equipa de Rui Vitória sofreu oito golos. Tantos como nos onze jogos anteriores, sendo que nessa série mais antiga – que incluiu sete partidas seguidas em branco – os adversários foram do calibre de Napoli, Sporting ou Besiktas. A falta do sérvio fez-se sentir na forma como a equipa não tem sido capaz de travar trocas de bola aos adversários, tanto no espaço interior como nos corredores laterais, onde a ação de limpa-pára-brisas de Fejsa costuma ser igualmente importante. É verdade que mesmo assim o Benfica ainda podia ter chegado ao empate – acertou duas vezes nos postes da baliza de Makharidze – mas ninguém estranhará que se diga neste momento que do regresso pronto de Fejsa dependerá a capacidade de impedir que este mau momento defensivo se alargue ao campeonato.
2017-01-26
LER MAIS

Último Passe

O empate do Sporting nos Barreiros, frente ao Marítimo, e a vitória do FC Porto frente ao Rio Ave, em casa, veio confirmar à entrada da segunda volta que se há uma equipa em condições de fazer frente ao Benfica na luta pelo título é a de Nuno Espírito Santo. Não só pela cada vez maior distância pontual dos leões para o topo – podem ficar amanhã a dez pontos do primeiro lugar – mas sobretudo pela forma anímica em que se encontram os dois conjuntos: confiante o FC Porto, mesmo num desafio em que teve de suportar um volume de jogo acima do normal do Rio Ave; desconfiado o Sporting, que voltou a comprometer com erros idiotas uma partida da qual devia ter tirado mais. O FC Porto não fez um bom jogo. Chegou ao intervalo em desvantagem face ao Rio Ave em vários parâmetros estatísticos – posse de bola, ataques… –, apanhou pela frente um adversário sempre forte nos corredores laterais e viu-se mesmo a perder no início do segundo tempo, no seguimento de um penalti infantil de Layun. Mas a equipa de Nuno Espírito Santo foi competitiva. Percebendo que estava a perder o jogo pela falta de controlo a meio-campo aproveitou a lesão de Corona para equilibrar com André André, marcou três golos em bolas paradas laterais e acabou por ganhar com um quarto golo segundos depois de o Rio Ave ter estado à beira do empate. Não é sorte. É confiança. Exatamente a confiança que falta aos jogadores do Sporting neste momento mais conturbado da sua época. O jogo do Sporting foi um pouco o reverso da medalha daquele que fez o FC Porto: sofreu dois golos de bola parada, com responsabilidades evidentes de Rui Patrício em ambos e da zona central da marcação no segundo, e apesar de ter tido mais volume de jogo do que o opositor ainda viu o Marítimo desperdiçar algumas boas ocasiões para marcar mais. Tudo isso a somar às já habituais noites falhadas de alguns jogadores – nos últimos cinco jogos, Jesus fez oito substituições até ao intervalo e só três delas se deveram a lesões – acabou por custar ao Sporting mais dois pontos e o agravar da crise. A de resultados e a de confiança. Se o sucesso na corrida ao título dependia de ganhar todos os jogos da segunda volta, ele já ficou comprometido: se o Benfica vencer amanhã o Tondela, a distância para o líder crescerá para dez pontos e, mais grave, o FC Porto já está a seis e o Sp. Braga pode alargar a distância para quatro. Qualquer ponto perdido nesta altura já não põe em risco apenas a candidatura ao título.
2017-01-21
LER MAIS

Último Passe

A eliminação da Taça de Portugal, a somar à saída prematura da Europa e da Taça da Liga e aos oito pontos de atraso para o Benfica na Liga, vem provocar um dos momentos mais difíceis dos quatro anos de Bruno de Carvalho como presidente do Sporting. O “black-out” decretado antes da dupla visita a Chaves não permite antecipar como vão reagir jogadores, treinadores e o próprio presidente, mas o melhor para o clube era mesmo que se evitasse o extremar de posições e que as reflexões fossem feitas sem ninguém ter de puxar galões para ficar melhor na fotografia. Mesmo em vésperas de eleições. As razões desta má época estão identificadas: o plantel teve investimento mas não foi bem construído, uma vez que o perfil dos jogadores que entraram não tem muito a ver com o perfil dos que saíram. A equipa vinha de uma temporada fulgurante, com grande futebol, a jogar de olhos fechados, pelo que a vontade de mudar se tornava difícil de entender. Ela foi, no entanto, assumida, não nas palavras mas nos atos. Aqui chegados, a única forma de resolver o assunto é emendar caminho, ver que erros se cometeram e quem os cometeu, mas fazê-lo internamente e de forma serena. Os jogadores que estiverem a mais devem sabê-lo nas movimentações de mercado e não em acusações mais ou menos públicas de quem está interessado apenas em desviar as atenções. Porque enquanto estiverem no clube podem ser chamados a defender a camisola e convém que o façam de cabeça fria. Jesus também não tem feito a melhor gestão do grupo, é verdade. Seja por causa das mudanças permanentes em duas ou três posições – impedindo que alguns elementos do onze ganhem a rotina e a confiança que permitia o futebol da época passada – ou da insistência em soluções que dificilmente resultarão, a equipa está uma sombra daquilo que já foi. Em campo, o futebol de ataque não sai fluente e a defesa parece titubeante e desconcentrada. Ainda assim, certamente que Jesus não deixou em ano e meio de ser o treinador em quem Bruno de Carvalho meteu todas as fichas e a boa solução não passará nunca pela sua saída. Até porque quem o conhece sabe que ele não desistirá nunca e despedi-lo custaria valores que o Sporting não pode dar-se ao luxo de pagar – nem isso seria inteligente. Apostar numa estratégia de desgaste, com a criação de condições para que ele arque sozinho com as culpas em termos públicos – para limpar a face de outros – colocaria em risco o que resta de temporada, onde o Sporting ainda terá uma palavra a dizer em termos de campeonato ou de qualificação direta para a Liga dos Campeões. O problema, na perspetiva de Bruno de Carvalho, é que está a mês e meio das eleições e quer continuar por mais quatro anos à frente do clube. Em campanha, o presidente não pode repetir a estratégia corrosiva de há quatro anos, porque já não é oposição. E não pode renegar a sua quota-parte de culpa na situação atual, porque nesse caso já só os “yesmen” do costume o seguiriam numa “egotrip” difícil de levar a sério. Se acredita mesmo no trabalho que tem feito, Bruno de Carvalho terá de enfrentar o veredicto dos sócios com serenidade e a humildade própria de quem está em quarto lugar na Liga e fora de todas as outras competições. Mais do que isso seria um abuso de confiança.
2017-01-17
LER MAIS

Último Passe

A oito pontos do Benfica no campeonato, onde já perdeu mais pontos em meia Liga do que em toda a edição passada, prematuramente afastado da Europa e da Taça da Liga, é evidente que o Sporting joga muito do que vai ser a sua temporada 2016/17 na eliminatória dos quartos-de-final da Taça de Portugal, em Chaves. A importância do jogo foi suficiente para, mesmo em black-out – ou talvez sobretudo por haver black-out – Bruno de Carvalho saltar de novo para o topo da atualidade. O presidente está no olho do furacão por uma razão muito simples: tem eleições daqui a mês e meio e não quer chegar lá com a equipa de futebol numa posição próxima daquela em que a encontrou, temendo legitimar quem é agora oposição. No plano teórico, faz sentido. Na prática, porém, a realidade parece-me muito diferente. O modelo populista da liderança que incorpora, a mimetização de comportamentos já vistos a Pinto da Costa nos anos 80 ou a Luís Filipe Vieira no início deste século levam-me a crer que Bruno de Carvalho precisava sobretudo de estar quieto e passar despercebido para ganhar as eleições. Fá-lo-ia sem problemas de maior. Isso, porém, não casa com a sua elevada auto-estima e a vontade de não deixar ninguém sequer a suspeitar que a culpa do que corre mal possa pertencer-lhe. O pior é que quanto mais se mexe publicamente no problema maior é a dimensão que ele assume. E quanto mais se aborda a questão da culpa desta forma, para a afastar, mais ela se aproxima dos que estão com ele no mesmo barco. Começa a ser evidente que houve erros na planificação da época do Sporting. Erros de mercado, em primeiro lugar. Não tanto em questões de qualidade – ninguém põe em causa Bas Dost ou Campbell, por exemplo – mas sobretudo em termos de perfis, pois os jogadores que chegaram são muito diferentes daqueles que partiram. Dost não é Slimani e disso se ressente Bryan Ruiz, por exemplo; não há ninguém capaz de fazer o que fazia Téo; André não se aproxima do futebol de Montero; e ao meio-campo falta um terceiro jogador de controlo, como era João Mário. Os resultados têm a ver com isso, como acontece sempre. Querer encontrar a explicação nas substituições feitas neste ou naquele jogo ou no facto de alguns jogadores saírem à noite antes da folga é mascarar o problema. É dizer que o mercado foi bem planeado e dirigido, mas a equipa não ganha por falta de empenho de quem está em campo. E a questão aqui é a de se saber por que razão se quer mascarar o problema – porque a tese até foi avançada no próprio canal televisivo do clube. Se foi uma repetição do episódio José Eduardo-Marco Silva, uma tentativa de encontrar alguém para sacrificar no pelourinho, foi má ideia, porque Bruno de Carvalho precisa dos jogadores para chegar a Março em boa posição. Se o objetivo foi justificar a intervenção do presidente no balneário no final do empate em Chaves para o campeonato, também foi má ideia, porque ainda levou a que se falasse mais no assunto. Se o que se queria era motivar uma reação pronta dos jogadores, eventualmente feridos no orgulho, ver-se-á no jogo da Taça se isso resultou, mas na última vez que se entrou por este caminho – as críticas do próprio presidente no Facebook, após uma derrota em Guimarães, há dois anos – ainda se avolumaram os problemas de que a equipa sofria e a distância para o topo da tabela.
2017-01-16
LER MAIS

Último Passe

Benfica e Sporting deixaram dois pontos pelo caminho face a adversários menos apetrechados, mas fizeram-no por razões diferentes. Os encarnados porque entraram no jogo com o Boavista iludidos com a sucessão de vitórias que transportavam no histórico recente, a ponto de Rui Vitória ter sentido a necessidade de dizer no final que “esta não é uma equipa invencível”; os leões porque mesmo em esforço total e espicaçados pelo tropeção do rival foram curtos para se imporem a um Chaves aguerrido e organizado, porque de facto é como diz Jesus e ali é “sempre o mesmo a marcar os golos”. Quem esteve na Luz pode preferir optar por destacar a recuperação épica do tricampeão nacional, que esteve a perder por 3-0 e ainda salvou um ponto, mas sendo verdade que o volume de jogo ofensivo da equipa encarnada depois de reduzir para 1-3 foi impressionante, não durou sempre e a seguir aos 3-3, já conseguidos em fase de perda, o Boavista até teve a capacidade para criar duas ocasiões de golo claras. A história do jogo está refletida na frase que Rui Vitória disse no final: esta equipa “não é invencível”. Porque a ideia que deu de início, sem rigor nem agressividade atrás foi a de se julgar invencível, como se as camisolas chegassem para ganhar. A ajudar à festa, entrar com Jonas e Gonçalo Guedes na frente roubou-lhe presença na área e uma referência de que o seu jogo precisava para lá chegar em tabelas. Com a entrada de Mitroglou e, ao intervalo, de Cervi para começar a atacar desde a posição de defesa-esquerdo, o Benfica construiu o cenário de que precisava para a tal recuperação. Chegou aos 3-3, mas aí, com mais de 20 minutos por jogar, parou. Falta de pulmão, acerto tático de Miguel Leal com a entrada de Mesquita ou simplesmente a ideia de que esta “equipa não é invencível” e de vez em quando aparecerão adversários capazes de lhe colocar dificuldades, como fez o Boavista com o seu jogo de corredor a corredor. Diferente é a problemática do Sporting. E a frase sintomática, Jesus disse-a na semana passada, depois de ganhar ao Feirense. “Não é normal nas minhas equipas que seja sempre o mesmo a fazer os golos”. Em Chaves, o mesmo fez o seu papel. Bas Dost respondeu com dois golos de oportunidade a um início desconcentrado que permitiu aos transmontanos adiantar-se no marcador. O Sporting até respondeu bem à desvantagem, sempre sem brilhar, é verdade, sem o jogo envolvente que praticava na época passada, mas assumindo a iniciativa do jogo e impedindo o Chaves de criar perigo. Teria chegado, não fosse mais uma vez o descontrolo das emoções em que esta equipa é pródiga: expulsão de Ruben Semedo, necessidade de sacrificar Dost para fazer entrar Paulo Oliveira e um golão de Fábio Martins a dois minutos no fim. O golo do empate do Chaves foi um pouco como a recuperação do Benfica: fez-se anunciar a todos os sentidos antes de se deixar ver por quem estava no estádio. E é destas fatalidades que se faz a história dos campeonatos.
2017-01-14
LER MAIS

Último Passe

O que espanta na forma fácil como o Benfica voltou a vencer o Vitória em Guimarães no Minho e se qualificou para a Final Four da Taça da Liga não é tanto o facto de Rui Vitória ter trocado oito jogadores na equipa inicial, porque também Pedro Martins apresentou uma equipa alternativa na repetição do jogo de sábado. O que espanta mais é a forma diferente como o Benfica jogou: apresentou como denominador comum a velocidade nos momentos ofensivos, mas trocou desta vez a dupla Jonas-Mitroglou por outra, muito mais móvel, com Rafa e Gonçalo Guedes. O que vale, ali, é a ideia. Claro que o sistema continuou a ser o 4x4x2. Mas os jogadores que o serviam hoje eram muito diferentes. Carrillo não é Salvio, Zivkovic até se aproxima do jogo de Cervi, mas sobretudo nem Rafa nem Gonçalo Guedes são jogadores de presença constante na área como é Mitroglou. E se Guedes ainda tem um histórico recente a ocupar as zonas prediletas de Jonas – mesmo que de forma radicalmente diferente, com mais dinâmica, mas muito menos intuição e capacidade de antecipação dos acontecimentos – foi Rafa quem surgiu no apoio. E até aí o Benfica mudou, pois foi quase sempre o segundo avançado a procurar a profundidade, tendo Guedes recolhido para, por exemplo, marcar os dois golos. Tudo diferente, a dificultar o processo defensivo do Vitória, pela imprevisibilidade, mas também a tornar mais difícil de prever a capacidade de resposta dos jogadores. Na Final Four da Taça da Liga, onde já não há FC Porto nem Sporting, com um sorteio favorável na Taça de Portugal e seis pontos de avanço na Liga, este Benfica continua a perseguir um póquer histórico – começou a época a ganhar a Supertaça. E isso tanto pode ser um aspeto de que Rui Vitória venha a servir-se para motivar os jogadores como um fator descompressor, que permita ao plantel meter um maior foco na competição internacional. Mesmo com todos os perigos que isso encerra, uma equipa com esta capacidade de se transfigurar pode ter a tentação de ir por aí. Essa é a grande decisão a tomar nos tempos mais próximos.
2017-01-10
LER MAIS

Último Passe

A consagração de Cristiano Ronaldo na Gala da FIFA, destinada a premiar o melhor jogador do Mundo em 2016, fez mais que confirmar uma supremacia do português sobre Messi no último ano, que a conquista da Bola de Ouro do France-Football, em Dezembro, já tinha antevisto. Em 2016, Cristiano não se limitou a reduzir o score, que ainda é favorável a Messi, por 5-4. Cristiano conquistou o terceiro troféu de melhor do Mundo nos últimos quatro anos, deixando bem evidente que, apesar de ser mais velho que o argentino, é ele quem está a envelhecer melhor. Apesar de jogar um futebol mais físico. Tendo em conta que os últimos nove anos só viram estes dois vencedores e que Ronaldo até chegou lá primeiro, sendo depois arrasado por quatro troféus consecutivos de Messi, esta retoma é mais do que parece. Argumentarão de um lado que as conquistas de CR7 se devem a momentos físicos menos conseguidos do argentino, mas isso não é forma de menorizar aquilo que Cristiano tem conseguido. Pelo contrário. Também ele tem tido lesões, mas a forma como trabalha permite-lhe superá-las, o seu espírito de sacrifício chega para que jogue e renda mesmo diminuído. E, ainda que a ausência de todo o grupo do Barcelona na gala de hoje não seja vista com o mesmo olhar crítico de que se revestiram as reações às faltas de Ronaldo e Mourinho na cerimónia de há cinco anos (quando as razões são as mesmas), o célebre “mau feitio” do português não o impede de fazer balneário e assegurar que as suas equipas ganham sem ele em campo – veja-se, a título de exemplo, o que se passou na final do Europeu. Sacrificado na gala foi Fernando Santos, cuja vitória com Portugal no Europeu teve muito de treinador, não só na estratégia que foi desenhando para cada jogo como ainda (e sobretudo) na forma como foi capaz de unir os 23 jogadores convocados em torno de um ideal, em tempo de extremismo faccioso no país. Fernando Santos acabou por ser apenas terceiro na votação para os treinadores, mas até isso pode ser compreendido. É que Zidane ganhou a Liga dos Campeões e o Mundial de Clubes depois de ter pegado nos cacos que Rafa Benítez deixara no Real Madrid. E Ranieri protagonizou apenas a maior surpresa do século no futebol mundial. Dir-me-ão que Ranieri não tem uma ideia, que não é treinador para estes palcos, que é muito mais o homem despedido da Grécia do que o campeão com o Leicester e eu até concordo. Mas aquilo que o homem fez com o Leicester merece ser assinalado.
2017-01-09
LER MAIS

Último Passe

Bas Dost bisou e já segue na frente da lista de goleadores do campeonato, Alan Ruiz mostrou durante 45 minutos poder ser o segundo avançado de que Jorge Jesus precisa, Campbell voltou a parecer aposta ganha na esquerda, mas nem assim o Sporting foi capaz de passar um domingo sem sofrimento na receção ao modesto Feirense. Após uma excelente primeira parte, a redução de intensidade e concentração no segundo tempo permitiu aos visitantes reduzir para 2-1 e reentrar no jogo a ponto de ameaçar empatar, servindo de metáfora para aquilo que tem sido a época dos leões: se estão a oito pontos da liderança devem-no também a defeitos próprios, que anulam parte do que de bom a equipa vai fazendo a cada jogo. Uma equipa que tem um avançado letal como Bas Dost tem de fazer mais golos. E se não encontrou ainda um segundo ponta-de-lança capaz de o acompanhar, não deve abdicar das boas sensações que alguns candidatos ao lugar lhe vão dando quando por ali passam. Alan Ruiz voltou ontem de umas férias de Natal excessivamente prolongadas e mostrou condições para o lugar que já não se viam na equipa desde que, de outra forma, ali jogou Campbell, no Bessa. Mas entretanto por lá tem passado muita gente, não se dando continuidade a ninguém: e se ainda se compreende o desvio de Campbell para a esquerda, onde tem sido aposta ganha, pela forma como cria situações de superioridade e conduz a equipa à finalização, já é mais difícil de perceber que pelo meio tenham entretanto passado o próprio Alan Ruiz (na Luz), Bryan Ruiz (quase sempre), Castaignos, Markovic e Bruno César. Até final da época, o Sporting terá, na melhor das hipóteses, 22 jogos – quatro na Taça de Portugal e 18 no campeonato. Já se vê que não há grande necessidade de Jesus andar a mudar muita coisa, até porque só uma campanha muito próximo dos 100 por cento de sucesso poderá dar-lhe as tais razões para festejar em Maio de que falava o presidente antes do desaire de Setúbal. E se a lesão de Adrien não é tão preocupante como chegou a temer-se, permitindo ao capitão ficar no onze e aos leões manter o foco defensivo, esses 100 por cento de sucesso dependerão muito da capacidade de Jesus para acertar nos outros dez jogadores. Com especial atenção para o defesa-esquerdo – Bruno César está no golo do Feirense – e o segundo avançado. Estranho será que em Chaves não jogue Alan Ruiz.
2017-01-08
LER MAIS

Último Passe

Quando Pep Guardiola disse que a organização defensiva do Benfica era “digna de uma equipa de Arrigo Sacchi” não tinha visto a forma como os encarnados ganharam em Guimarães, superando um dos obstáculos mais complicados no caminho que pretendem seja o do inédito tetracampeonato. Mais uma vez a equipa de Rui Vitória marcou primeiro e pôde depois sentar-se no cadeirão a gerir a vantagem, conseguindo a proeza rara para um grande de ter sempre mais espaço no ataque do que o adversário – algo que teria dado muito jeito ao FC Porto em Paços de Ferreira, onde não foi além de um empate a zero. Quando um clube grande joga, o normal é ter pela frente equipas fechadas. Isso não acontece tantas vezes com o Benfica e leva muitas vezes os adeptos a insinuar que estes adversários se abrem quando defrontam os tricampeões. Mas não é assim. É que com o Benfica, há dois fatores-extra a ter em conta. Primeiro, o comportamento da equipa nas transições: agressividade na transição defensiva, que permite recuperar a bola mais vezes, mais cedo e mais perto da área adversária; e velocidade na transição ofensiva, levando-a a uma percentagem maior de ataques rápidos e contra-ataques do que os outros grandes, forçados a cair mais vezes em organização ofensiva e a defrontar defesas mais bem posicionadas e organizadas. Neste aspeto, o futebol do Benfica é menos trabalhado no ataque posicional que o do Sporting ou do FC Porto – vale-lhe o facto de fazer por que isso quase nunca lhe faça falta. Depois, os níveis de eficácia na finalização benfiquista permitem que a equipa se coloque quase sempre em vantagem antes de o adversário poder marcar e dão-lhe a oportunidade de fazer o jogo de que gosta. Não é um jogo defensivo, mas é um jogo defensivamente competente, com um posicionamento impecável em organização defensiva, onde se vêem as tais duas linhas bem juntas, entre as quais Guardiola dizia que não cabia sequer “um cabelo”. Não será bem assim, sobretudo quando ali falta Fejsa. Ter Samaris não é a mesma coisa, pela forma como o grego não é capaz de antecipar as ideias do adversário para equilibrar. Em Guimarães, mesmo sem Fejsa durante quase todo o jogo, o Benfica manteve as redes de Ederson a zeros, mas esse já não foi tanto um triunfo da organização como foi da ocasião.
2017-01-07
LER MAIS

Último Passe

O país futebolístico anda entretido com a Taça da Liga e a ideia generalizada é a de que os espetáculos não têm sido condizentes com a quadra festiva que se vive. Acumulam-se os resultados mínimos, em jogos tardios, com o frio e a falta de interesse competitivo a levar a que se registem médias consideravelmente mais baixas de espectadores para todos os clubes. A Liga, que até tem feito muito pela credibilização desta prova, não fez ainda o suficiente. Nem sequer o que podia. E não falo sequer da atribuição de uma vaga na Liga Europa para aquele a que agora quem manda no futebol quer chamar campeão de Inverno.Quem é que não inveja o boxing day inglês, aquela jornada de dia 26 de Dezembro, à tarde, com estádios cheios de famílias e a competitividade ao máximo? Ou aquilo que se fazia na Escócia até há poucos anos, com o Old Firm (Celtic-Rangers) sempre marcado para o dia de Ano Novo? No fundo, o que os britânicos fazem há muito tempo é uma coisa muito simples: juntam a predisposição do público para assistir ao espetáculo com a realização de jogos apaixonantes. Aqui, se é verdade que já se acabou com essa ideia peregrina de interromper a competição por duas ou três semanas por alturas do Natal e do Ano Novo, que é quando as famílias têm mais dinheiro e tempo livre, depois enche-se o calendário desta época festiva com jogos muitas vezes vazios de sentido, porque são organizados com a intenção firme de ter os grandes no “final four” e fingir que se joga uma competição justa até lá chegarmos. João Eusébio, treinador do Varzim, lamentou após a derrota em Alvalade o facto de ter de jogar duas vezes fora e apenas uma em casa, mais uma desvantagem competitiva a juntar ao facto de liderar uma equipa de um escalão inferior, apenas para concluir de forma até muito compreensiva que “o futebol é cada vez mais um negócio”. A questão é que é um negócio que não sabe defender-se em boas condições.Percebo bem a ideia por trás do raciocínio de Eusébio: o negócio precisa de ter tantos grandes clubes quanto for possível no “final four” para tornar o evento atrativo para a TV ou para os compradores de bilhetes. Mas o negócio defender-se-ia muito melhor com mais competitividade. E se olharmos para o futebol como um todo, o negócio defender-se-ia melhor se a Taça da Liga, a terceira das provas nacionais em termos de relevância, aparecesse numa altura em que o público tem mais fome de bola. No início da época, por exemplo, em vez de atafulhar esta altura de Natal, na qual seria muito mais cativante dar aos potenciais interessados jornadas competitivas, sim, mas do campeonato nacional, onde cada clube mete sempre mais gente nos estádios. Se os treinos abertos de Natal são um sucesso, por que razão não se explora melhor esta época com jornadas diurnas, eventualmente até com os derbis regionais? É por isso que continuo a considerar a Taça da Liga como a melhor ideia desaproveitada dos últimos anos do futebol português. Já no ano de inauguração me parecia que a melhor altura para a jogar seria o início de época, a altura em que a fome de bola dos adeptos é tão grande que até um Sporting-Varzim, um FC Porto-Feirense ou um Benfica-Vizela são pratos apetecíveis. Depois, toda a prova se revela injusta, na forma como os grandes são poupados à primeira fase e fazem dois jogos em três nos seus estádios: uma competição justa começaria com a fase de grupos entre todos os participantes e, no final do Verão, com os grandes a jogar fora, nos campos das equipas de II Liga, fazendo uma espécie de “tournée” pelo país real. Até me parece evidente que, na maioria das vezes, os grandes acabariam na mesma por satisfazer quem se preocupa apenas com os nomes dos participantes na decisão final, sobretudo se jogassem as fases a eliminar numa altura da época em que ainda não estão fatigados pela dureza da época que já vai longa. E nesta altura estaríamos todos a deliciar-nos com uma jornada diurna cheia de derbis. Com os estádios cheios e com as famílias felizes a ver futebol em vez de andarem a vaguear pelos centros comerciais. Não tem de ser assim apenas no estrangeiro.
2017-01-01
LER MAIS

Último Passe

A imagem de Cristiano Ronaldo de pé junto à linha lateral, ao lado de Fernando Santos, ambos a gritar instruções para dentro do campo, na final do Europeu, era uma espécie de prenúncio da presença de ambos na gala da FIFA, como candidatos a vencedores dos prémios de melhor jogador e treinador de 2016. Os méritos de cada um para lá chegar são, contudo, muito diferentes.A presença de Ronaldo a este nível é habitual e é seguro dizer que ele lá estaria na mesma se Portugal não tivesse ganho a final contra a França. A vitória nesse jogo, mesmo tendo em conta que, lesionado desde cedo, nesse dia ele pouco contribuiu em campo, será o empurrão final para que o português possa somar mais um título de melhor do Mundo à Bola de Ouro da France-Football, mantendo acesa a disputa com Messi para definir qual dos dois extra-terrestres é mais alienígena. O que Ronaldo ganhou nesse dia afasta-o do argentino num particular: mesmo jogando numa seleção potencialmente mais fraca, já a conduziu a um título internacional, coisa que Leo ainda não fez com a bem mais poderosa Argentina.A reeleição de Ronaldo como melhor do ano, porém, não se esgota ali. É feita dos números mais uma vez impressionantes de golos, da vitória na final da Liga dos Campeões com o Real Madrid e também, porque isso revelou uma dimensão diferente do craque, do que mostrou ao nível da liderança na fase final do Europeu. O incidente do microfone, no qual se viu um Ronaldo irado com críticas e a virar a ira para o lado menos produtivo – para os jornalistas – marcará uma diferença entre o Ronaldo egocêntrico e o Ronaldo coletivo. A partir daí, o que se viu foi um CR7 que não se importava de se sacrificar em prol da equipa, que colocava o resultado final da seleção à frente do seu destaque pessoal na forma de lá chegar. A presença do craque ao lado de Fernando Santos na linha lateral no calor da disputa com a França ilustra aquilo que foi bem mais profundo: o compromisso entre os dois. E aí começa a explicar-se a entrada de Fernando Santos no lote dos que vão lutar pelo título de treinador do ano.Porque há muitas formas de ter êxito como treinador. O povo fala de táticas, o analista junta a estratégia, não há quem negue que o estar rodeado dos colaboradores certos tem muita importância, mas não há nada mais decisivo do que ser capaz de tirar o melhor de cada jogador. Fazer que cada um assuma na primeira pessoa o compromisso com o coletivo. Foi isso que Fernando Santos teve a arte de conseguir. E foi por isso que saiu de França com o título de campeão da Europa.
2016-12-28
LER MAIS

Último Passe

No dia em que se apresentou um novo – e até ver primeiro – candidato à presidência do Sporting, a tentação será a de se olhar para a lista de Pedro Madeira Rodrigues e procurar entre os seus apoiantes um grupo de adeptos “notáveis” que garanta credibilidade e uma boa hipótese de sucesso na ida às urnas. O Sporting, porém, mudou muito desde que o grupo que o liderou nas últimas décadas caiu em desgraça, levando à eleição de Bruno de Carvalho. E as eleições nos maiores clubes nacionais também.No Sporting, que ainda assim é o único dos três grandes onde as eleições vão para além de um formalismo (e a isso não é estranho o facto de ter ganho muito menos do que os rivais nos últimos anos), o apoio desses tais “notáveis” seria mais um empecilho do que uma real vantagem. Foi em boa parte esse beijo da morte que custou a José Couceiro, uma das melhores e mais modernas cabeças do futebol português, a derrota nas eleições que conduziram Bruno de Carvalho ao trono do leão. A última coisa que poderá acontecer nas eleições de Março é, por isso, vermos um candidato saído do grupo de herdeiros do roquetismo, o movimento que mandou no clube entre meados dos anos 90 – com Pedro Santana Lopes – e a demissão de Godinho Lopes, há três anos. Mesmo que nesse lote de presidentes tenha havido homens tão diferentes como o impulsivo Dias da Cunha, o mais fleumático Soares Franco ou até o patriarca Roquete.O peso dessa liderança e a revolução que foi a sua queda, para abrir caminho a Bruno de Carvalho, faz com que neste momento não se discutam tanto ideias e projetos, mas sim a figura do atual presidente. Talvez ainda seja cedo, mas a Madeira Rodrigues ainda não se ouviu grande coisa acerca do que pretende fazer, mas sim sobre aquilo que o líder atual tem feito de errado: as fugas para a cabina em noites de derrota, as voltas olímpicas em dias de vitória e até a forma dissimulada de falar da obsessão de Bruno de Carvalho com o Benfica, referindo que os anos que este já leva à frente do clube foram de títulos, sim, mas para os encarnados. No fundo, Pedro Madeira Rodrigues e quem está com ele já perceberam uma coisa: nas eleições de Março, mais do que o Sporting, vai discutir-se Bruno de Carvalho. O que ele fez bem – renegociação com a banca, mais dureza nas negociações de jogadores, apoio ao vídeo-árbitro e combate aos fundos – e o que ele fez mal – posições que estão muito perto da irresponsabilidade na relação com outros clubes, radicalismo excessivo naquilo que defende. Até por isso, o candidato diz que espera um combate a dois. É que já sabe que quanto mais gente aparecer a querer discutir Bruno de Carvalho, menos hipótese terá cada um de convencer os votantes dos seus méritos particulares. Até por isso, sem ter ainda desfeito o tabu que evidentemente levará à sua recandidatura, o presidente já veio dizer que todos os candidatos serão bem vindos. Quantos mais, melhor.
2016-12-27
LER MAIS

Último Passe

O Natal é tempo de ofertas e seguramente que os treinadores dos primeiros colocados da Liga portuguesa estarão a pensar no que gostariam de ver debaixo do pinheiro. É uma forma de encarar o que se passou neste ano e o que os espera em 2017: Rui Vitória quererá poder contar com mais gente no ativo; Nuno Espírito Santo com um par de reforços que compatibilizem melhor o plantel com a evolução da ideia de jogo; Jorge Jesus com uma certeza acerca da mudança da ideia de jogo do Sporting; e Jorge Simão com tempo, uma pausa natalícia mais demorada para poder criar um Sp. Braga mais à sua imagem. O maior problema de Rui Vitória têm sido as lesões. Pois o Pai Natal vai trazer-lhe novidades: a interrupção das competições permitir-lhe-á recuperar alguns jogadores e, desde que eles deixem de cair que nem tordos no que falta de Liga – como aconteceu até aqui – aquilo que mais pode preocupar o treinador do Benfica serão as saídas no mercado de Janeiro. É que embora lutem pelo mesmo objetivo, o treinador e o presidente não têm necessariamente de ter as agendas fotocopiadas. A de Rui Vitória passa por manter as armas que tem, mesmo sem estar a pensar em reforços; a de Luís Filipe Vieira – e de Jorge Mendes – fala em aproveitar (e criar) ocasiões de negócio para a SAD. A eventual saída de Lindelof para o Manchester United, mais a mais se for pelos números irreais de que se tem falado, até pode ser bem ultrapassada com o regresso de Jardel ou Lisandro López ao onze, mas se ao central se juntar Nelson Semedo a equipa já sairá prejudicada. Mesmo tendo em conta a recente quebra de rendimento do lateral, a profundidade que ele continua a dar no corredor direito e a velocidade que exibe na recuperação defensiva são fundamentais para manter a força deste Benfica. A desejar que eles saiam estará seguramente Nuno Espírito Santo, treinador de um FC Porto que fez uma primeira parte da época em crescendo e já se mostra o obstáculo maior ao tetra do Benfica. Só que Nuno tem com que se preocupar dentro de casa também, onde lhe faltam mais um extremo verdadeiro e um ponta-de-lança capaz de aliviar a carga de André Silva. O crescimento atacante do FC Porto teve a ver com a entrada no onze de extremos verdadeiros, Corona e Brahimi, por oposição à preferência até ali dada a médios com tendência a jogar por dentro, como Otávio e sobretudo Herrera ou André André. A história da recuperação de Brahimi talvez nunca seja contada, mas o mais certo é ele ter de se ausentar para jogar a Taça de África pela sua seleção – e já se sabe que quando vão jogar esta prova, os africanos voltam muitas vezes com ideias diferentes. Por isso, até tendo em conta que a prova começa já em meados de Janeiro, do que Nuno precisa é de mais um extremo. Pode ser Jota? Poder, até pode, mas isso só virá reforçar a necessidade de outroavançado, que aí já me parece difícil ser Depoitre, condenado a servir como reforço para um Plano B de jogo, com bolas altas a cair na área. A opção, aqui, terá de ser entre manter tudo como está e encontrar um jogador móvel, ou ir à procura de um trabalhador explosivo. O objetivo será sempre o mesmo: conseguir que André Silva se centre mais na tarefa de fazer golos. Jorge Simão quererá certamente aproximar o seu Sp. Braga daquilo que eram o seu Paços de Ferreira ou o seu Chaves e até, em certa medida, o seu Belenenses. A chegada de Battaglia é uma pista nesse sentido, mas a transformação de uma equipa de futebol solto, criativo e em certa medida até potenciador da desorganização em termos atacantes num coletivo sólido e capaz de se impor pela repetição e mecanização de processos não é simples. E o tempo, em competição, nunca é muito para mudar as coisas de forma consolidada. Já Jorge Jesus precisa de pensar numa segunda metade da época muito perto dos 100 por cento de rendimento para ir de férias feliz. Já não tem Europa e poderá trabalhar a equipa para jogar uma vez por semana, o que é o cenário ideal para quem pensa como ele, separando claramente os titulares dos reservistas. O que lhe falta, então, é encontrar a ideia certa para os jogadores que tem – à ideia da época passada, faltam Teo, João Mário e sobretudo Slimani, com todas as implicações que isso tem na agressividade na frente, no controlo ao meio e na capacidade para abrir espaços através da procura da profundidade. Se tiver essa ideia de jogo no sapatinho, talvez o Sporting ainda possa acabar a época a ganhar coisas interessantes. Caso contrário, falar-se-á sempre de um segundo ano em regressão após uma excelente primeira temporada.
2016-12-26
LER MAIS

Último Passe

A questão do total de títulos nacionais de futebol tem sido vista à luz da rivalidade entre os maiores clubes ou da estratégia de comunicação de Bruno de Carvalho, que a trouxe para a agenda mediática com o intuito de comprar mais uma guerra que sirva de forma de afirmação ao Sporting, mas vale muito mais do que tudo isso. Porque em causa não estão só o total de títulos de campeão nacional dos leões e, por inerência, do Benfica e do FC Porto. Em causa estão também os títulos de clubes como o Olhanense, o Marítimo, o Belenenses ou o já extinto Carcavelinhos (um dos clubes que deu lugar ao Atlético), que merecem tanto respeito como os três grandes, suportados em milhões de adeptos. Em causa está se a decisão do campeão nacional é retrospetiva ou prospetiva, feita a olhar para trás ou para a frente. Porque uma coisa é certa: não pode haver anos com dois campeões. A FPF decidiu que contam como títulos de campeão nacional os três campeonatos da I Liga, realizados entre 1934/35 e 1937/38, por serem provas por jornadas, em modelo de todos contra todos, e terem sido jogados antes da instituição do campeonato nacional da I Divisão, em 1938/39. Decidiu ainda a FPF não contar como suscetíveis de atribuição do título de campeão nacional os 17 Campeonatos de Portugal, jogados entre 1921/22 e 1937/38, por os considerar antepassados da Taça de Portugal, também ela jogada por eliminatórias a partir de 1938/39. Dessa forma, aos títulos de vencedor do campeonato nacional de futebol – Benfica por 32 vezes, FC Porto por 26, Sporting por 18, Belenenses e Boavista com um cada – somam-se mais três do Benfica e um do FC Porto, fruto das vitórias que conquistaram no tal campeonato da I Liga. Pretenderia o presidente do Sporting que, em vez desses títulos da I Liga, fossem contabilizados os vencedores do Campeonato de Portugal: quatro troféus do FC Porto e do Sporting, que assim aumentariam o pecúlio para 29 e 22 títulos, respetivamente; três do Benfica, que subiria na mesma para 35, substituindo as três Ligas por igual número de campeonatos de Portugal; três do Belenenses, que passaria a considerar-se quatro vezes campeão nacional; mais um do Olhanense, um do Marítimo e um do Carcavelinhos, que engrossariam o lote de campeões. A tese da FPF é que o antepassado do atual campeonato nacional é o campeonato da Liga, também ele jogado por jornadas. Faz sentido. Mas também pode não fazer. Ora, façamos um pouco de história. O futebol português andou uns anos atrás do resto da Europa, a ponto de só em 1922 se ter extravasado o nível regional no que a competições respeitava. Nesse final de época de 1921/22 jogou-se pela primeira vez o Campeonato de Portugal, que em ano de estreia se resumiu a uma espécie de finalíssima entre os campeões de Lisboa (o Sporting) e do Porto (o FC Porto). Ganharam os nortenhos, que tal como todos os seus sucessores na prova adquiriram o direito a apresentar-se como “campeões de Portugal”. Veja-se o caso do Benfica de 1930, de que se mostra na imagem acima o cartaz relativo ao almoço de homenagem aos jogadores. O Campeonato de Portugal foi evoluindo. Na segunda edição, além de Sporting e FC Porto, outra vez campeões dos seus distritos, já participaram os campeões de Coimbra, da Madeira, do Minho e do Algarve. E a prova foi-se alargando a mais regiões, até passar, a dada altura, a permitir a entrada de mais do que um representante por cada distrito. Iam-se assim sucedendo os campeões de Portugal. E tudo continuou igual até que, em Março de 1934, a seleção nacional foi arrasada pela Espanha em Chamartin. Foram 9-0, a eliminação do Mundial e a abertura de um processo de reformulação dos quadros competitivos do futebol nacional. Uma das coisas que os espanhóis tinham e os portugueses não era competição nacional regular – o Campeonato de Portugal só se jogava de Maio a Julho – sob a forma de uma prova por jornadas, em que todos os clubes se defrontavam a duas voltas. Os portugueses resolveram imitar esse modelo e criaram, ainda que de modo experimental, o campeonato da Liga – cujo nome derivou do modelo inglês. A prova foi introduzida a título experimental, por se temer que o aumento da receita não chegasse para cobrir o aumento da despesa com deslocações mais longas e frequentes. Foi um sucesso. Ora é aqui que se introduz a rotura. Para a FPF, agora, os 13 campeões de Portugal até aí coroados deixaram de o ser. E os vencedores das quatro Ligas experimentais que antecederam a criação do campeonato nacional de futebol, em 1938/39, passaram a poder ostentar o título de campeão nacional. O primeiro campeonato da Liga, em 1934/35, foi ganho pelo FC Porto, mas nesse mesmo ano o Benfica venceu o Campeonato de Portugal, batendo o Sporting na final, por 2-1. Na página 143 do segundo volume da História do Sport Lisboa e Benfica (1904/1954), obra excecional editada aquando do cinquentenário do clube por Mário Fernando de Oliveira e Carlos Rebelo da Silva e prefaciada por Ribeiro dos Reis, reproduz-se a ementa do jantar oficial de homenagem “Ao team de Foot-Ball Campeão de Portugal” do Sport Lisboa e Benfica. Teve lugar nas Portas do Sol, em Santarém, a 21 de Julho de 1935. Claro que se a prova se chamava Campeonato de Portugal, a equipa que a ganhava se considerava campeã de Portugal. Nem outra coisa faria sentido, apesar de já existir o campeonato da Liga, que nesse ano coroou o FC Porto. Só em 1938 o panorama competitivo voltou a mudar. Ao campeonato da Liga sucedeu o campeonato nacional de futebol; ao campeonato de Portugal seguiu-se a Taça de Portugal. As competições mantiveram os moldes de disputa, pelo que é natural que, vendo as coisas de trás para a frente, a FPF considere agora campeões nacionais os clubes vencedores da Liga e não os que ganharam o Campeonato de Portugal. Porque a questão é que, durante quatro anos, houve clubes cuja legitimidade para se considerarem campeões nacionais se funda no futuro (e na evolução que a competição veio a ter) e outros cuja legitimidade se funda no passado (e no facto de até 1934 o campeonato de Portugal ter sido a única prova nacional). Como não podia haver dois campeões nacionais no mesmo ano, era preciso tomar uma decisão. A FPF decidiu assim e a decisão tomou letra de lei. O mais justo, porém, seria separar as quatro provas e os respetivos palmarés. Porque a alternativa é dizer aos jogadores e aos clubes que ganharam o campeonato de Portugal entre 1922 e 1938 que afinal não foram campeões de Portugal. E isso vai muito para lá das provocações de Bruno de Carvalho ou das respostas dos adeptos benfiquistas.
2016-12-23
LER MAIS

Último Passe

É curioso que o golo com que o Sporting ganhou ao Belenenses no Restelo tenha nascido numa casualidade. Sim, o cruzamento de Campbell é excelente. Sim, a finalização de primeira de Bas Dost é igualmente muito boa. Sim, sem jogar uma maravilha, o Sporting já tinha feito o suficiente para se adiantar no marcador antes disso. Mas se Dost estava em posição para marcar deve-o ao facto de ter escorregado e caído, ainda a meio-campo, no momento em que dá início à jogada, num dos seus habituais momentos em que baixa para tabelar com os médios. Só esse “atraso” na chegada à jogada o impediu de estar onde é suposto e, assim, aparecer onde ninguém do Belenenses o esperava: em corrida desenfreada, solto, ao segundo poste. Dost é um jogador muito diferente de Slimani, já aqui o disse vezes sem conta. Mas nem é um jogador assim tão diferente de alguns dos avançados com quem Jesus foi trabalhando ao longo dos tempos. É pesado mas letal na área, um pouco como Cardozo, que foi sempre um jogador contra-natura em todo o jogar daquele Benfica de Jesus: toda a gente corria à volta dele mas ele aparecia a fazer os golos. Nesse aspeto, Dost faz bem o seu papel. É bom finalizador, tem tido um peso incomparável nos resultados da equipa e não é seguramente a ele que o Sporting está a dever a posição em que se encontra na tabela. O que falta fazer é casar a equipa com o avançado que tem e fazer com que ela se esqueça do avançado que deixou de ter. E é nessas contradições, tanto como na fadiga de alguns elementos, que custou ao Sporting os três pontos no jogo com o Sp. Braga, que está a resposta para as dificuldades que a equipa tem vindo a passar nas últimas semanas. O próprio Jesus, que desenha ao mais ínfimo detalhe cada momento, cada triangulação – e por isso é insuperável a treinar – parece ainda enredado nesta teia de indecisões. O que quer do segundo avançado? Alguém que dê a profundidade que Dost não procura, como Markovic ou Campbell? Alguém que traga imprevisibilidade, criatividade e soluções fora da caixa, como Bryan Ruiz ou até, em certa medida, Alan Ruiz? Alguém que seja simultaneamente um terceiro médio, capaz de auxiliar William e Adrien na tarefa de segurar o meio-campo, como Bruno César? Ou ainda alguém que assegure mais presença na área, de forma a aproveitar o facto de Dost exaurir os centrais adversários, como André ou até Castaignos, que desta vez até foi útil? O problema aqui, note-se, não está na diversidade de opções. Isso é bom. O problema está no facto de o resto da equipa não mudar o seu futebol em consonância. Está na busca insistente do espaço interior quando ele não existe fruto da perda da profundidade, por exemplo. Ou até na criação de situações de cruzamento, quando geralmente quem cruza não tem a qualidade necessária para o fazer ou depois falta presença na área (algo pouco habitual nas equipas de Jesus). Quando isto acontece, pode aparecer uma escorregadela que ajude. E isso não é mau nem sequer deslustra. Mas não pode contar-se com isso a cada jornada.
2016-12-22
LER MAIS

Último Passe

É impossível não ligar Mitroglou à vitória sobre o Rio Ave com que o Benfica fechou a sua participação na Liga em 2016, assegurando o título oficioso de campeão de inverno. E não foi só por ter sido ele a desbloquear o marcador, obtendo o primeiro golo do jogo. É que o regresso do ponta-de-lança grego ao onze permitiu a Rui Vitória mudar o jogo atacante da sua equipa, dando-lhe mais presença na área e profundidade no corredor central, por oposição ao futebol mais móvel de Jiménez. Indiferente à discussão acerca de quem será o melhor ponta-de-lança da Liga e mesmo sem ter tantos como o Sporting, por exemplo, o Benfica tem uma certeza: na Luz mora o lote mais complementar de todos os candidatos. Mesmo que depois o melhor marcador da equipa seja o médio Pizzi. É que se Mitroglou anda sempre na perseguição do golo, raramente saindo do corredor central ou se envolvendo em movimentações antes dos últimos 20 ou 30 metros do campo, preferindo ir mais vezes em busca da profundidade, Jiménez, o avançado a quem ele tirou a vaga nos titulares, cai com frequência nas laterais, dessa forma ajudando a desposicionar as defesas adversárias e abrindo caminho à entrada dos médios em situações de finalização. Depois, há Guedes, um corredor por excelência, rápido com bola nos pés e pouco certeiro na definição dos lances – ainda hoje se lhe viram raides sem a decisão correta no final – mas incansável na pressão quando a equipa perde a bola e lhe compete entrar em fase defensiva. E recomeça a haver Jonas, jogador tão diferente dos outros três, por ter até mais golo que Mitroglou, mesmo jogando uns metros atrás, por ser tecnicamente refinado e quase presciente naquilo que falta a Guedes, que é a capacidade para adivinhar o que vai suceder em cada lance. Podendo ainda fazer jogar ali Rafa – um misto de Jonas com Guedes, porque decide quase sempre bem, mas nem sempre define a contento – ou Cervi, Rui Vitória está mais bem servido de atacantes que Nuno Espírito Santo ou Jorge Jesus. No FC Porto, há Jota, um velocista com golo nas botas, há André Silva, um trabalhador que dá tudo – às vezes até demais – e acaba por sair muito da zona de finalização no processo, e há Depoitre, um gigante de área que aparenta ser muito limitado com os pés. Nuno Espírito Santo seguramente poderia usar a capacidade de explosão de Aboubakar, se tivesse havido a capacidade para lhe explicar que a aposta principal era o miúdo da formação e ele se predispusesse a ser útil, ainda assim. E no Sporting, onde mora o maior lote de avançados da Liga, também não se encontrou ainda a complementaridade. Há Bas Dost, outro gigante, que é melhor jogador e finalizador que o dragão belga, mas pouco dado a buscar a profundidade em construção, como fazia Slimani, preferindo baixar para jogar entre linhas, no espaço de Jonas, por exemplo. E aí faltam-lhe argumentos para desequilibrar. E há Bryan Ruiz, tecnicamente muito bom mas lento a executar, mau finalizador e nada propenso às mudanças de velocidade, ou Campbell, que continuo a achar que pela explosão e boa finalização é o melhor par para o holandês no meio. Não tem havido Markovic, ainda não se viu o que pode valer Alan Ruiz, nunca foi dada constância a André e creio que dificilmente se verá Castaignos. Com mais opções, Jesus ainda não definiu claramente o que espera de cada uma delas. E por aí também se explica a diferença pontual que a equipa já tem para o Benfica.
2016-12-21
LER MAIS

Último Passe

O FC Porto ganhou de forma especial ao Chaves, voltou a colar-se ao Benfica no topo da Liga e, no final do jogo, apareceu o Nuno Espírito Certo. Isto é como quem diz que o treinador encontrou finalmente o tom correto para encarar as questões fundamentais que se aproximam. Nem professoral, a roçar o fanfarrão de canudo debaixo do braço, como tinha sido na noite dos desenhos, após a excelente exibição contra o Arouca; nem deprimido, a inspirar comiseração e solidariedade nos que se reviam nas agruras que a equipa ia vivendo, como na sucessão de jogos sem marcar golos. Ontem, Nuno Espírito Santo foi claro nas coisas boas e nas coisas más. E somou pontos. A verdade é que, de forma até tímida, por vezes, o FC Porto está lá em cima, à frente do Sporting de Jesus, que no início da época era tido como principal obstáculo na corrida do Benfica até à conquista do inédito tetra. Nuno até se deu ao luxo de repetir o onze que tinha defrontado o Marítimo dias antes, mas nem por isso viu a equipa fraquejar física ou mentalmente, como acontecera ao Sporting na véspera. É certo que o adversário não era um Sp. Braga, mas se além da amputação do treinador, não perder também jogadores como Battaglia, este Chaves tem personalidade e futebol para ficar muito bem na Liga. E o FC Porto, dentro das suas limitações, foi capaz de dar a volta ao jogo, ganhando até Depoitre para futuras batalhas, de forma mais inesperada do que tinha ganho Brahimi, por exemplo. Nuno foi capaz de fazer uma boa avaliação da primeira metade da época, que foi exigente para ele e para a equipa, desde a necessidade de passar pela pré-eliminatória da Liga dos Campeões às evidentes limitações de um plantel que não tem soluções de sobra. E foi ao mesmo tempo claro mas não impositivo na declaração acerca da necessidade de ir ao mercado em Janeiro. Os dragões continuam na Champions, têm ali uma almofada financeira que pode ao mesmo tempo permitir-lhes e exigir-lhes encontrar mais algumas soluções, por exemplo, para o centro da defesa, as alas do meio-campo e a frente de ataque. Estará Boli à altura? Quem está lá além de Brahimi e Corona, agora que a equipa encontrou o equilíbrio com extremos? E será Depoitre mesmo o avançado de área que o FC Porto precisa para abrir jogos mais fechados? As respostas chegarão depois do Ano Novo.
2016-12-20
LER MAIS

Último Passe

O vídeo-árbitro foi risível no Mundial de clubes e a experiência serviu aos que sempre se opuseram à sua utilização para provarem uma razão que na verdade não têm. Não tivesse Gianni Infantino, presidente da FIFA, vindo reiterar que o caminho é para ser percorrido e até me ocorreria pensar que foi para adiar a discussão por mais uns anos que serviu esta experiência. Como assim não é, importa aprender com os erros que foram cometidos para que o futebol possa centrar-se no que é fundamental. E o que é fundamental não é abolir o erro ou a componente subjetiva que preside a cada decisão. É dar aos árbitros os melhores meios de diagnóstico possíveis. E isso não foi feito no Mundial de clubes. Aquilo que foi experimentado no Mundial de clubes é, em si, ridículo. Pedir a um árbitro que dê uma corridinha até um monitor colocado na linha lateral para ver uma repetição de um lance é apenas idiota, porque aumenta a pressão mediática sobre o decisor, com toda a gente a olhar para ele e para aquele pequeno monitor, porque não lhe dá todos os meios possíveis para esclarecer e trava na mesma o fluir o jogo. O que defendo não é isso. O que defendo há anos é a existência de um árbitro de régie, de um especialista treinado para tomar decisões rápidas com base em imagens televisivas, que tenha acesso imediato às imagens de todas as câmeras disponíveis para o realizador televisivo e que esteja em comunicação permanente por circuito áudio com os outros árbitros de campo. A entrada em vigor deste sistema teria de pressupor alguma abertura por parte das instâncias que regem a arbitragem e o futebol em geral. Ganhar-se-ia, por exemplo, com uma explicação por parte do árbitro no sistema sonoro do estádio a cada decisão do vídeo-árbitro, para que todos os espectadores percebessem o que estava a passar-se. É o que se faz no râguebi, por exemplo. E quando se ativaria o vídeo-árbitro? Simples. O vídeo-árbitro poderia ser ativado de duas formas. Quando os clubes, pela voz do seu treinador ou do seu capitão de equipa, desafiassem a decisão do árbitro central (e perderiam esse direito após duas oportunidades em que não lhes fosse dada razão), nunca sendo o jogo interrompido para tal – a consulta seria feita após a interrupção normal seguinte. Ou então quando o árbitro central, por ter dúvidas ou por ter sido para tal alertado pelo árbitro de régie, quisesse, por si só, pedir uma segunda opinião a quem pudesse rever as imagens de vários ângulos. É aqui que começam as objeções. Já ouvi muitas diferentes, mas todas são rebatíveis. Que o jogo perderia a fluidez, permitindo, por exemplo, a uma equipa pedir a intervenção do vídeo-árbitro só para impedir um contra-ataque perigoso após a perda da bola. Errado, pois nenhuma jogada seria interrompida, já que só após a interrupção normal de jogo se pediria a intergvenção do vídeo-árbitro. Que o árbitro-central perderia a sua capacidade de decisão, tendo de a delegar noutro elemento da equipa de arbitragem. Mas isso já acontece com os árbitros auxiliares, que se tornaram muito mais do que simples fiscais de linha. Ou algum árbitro central manda seguir o jogo depois de um seu auxiliar agitar a bandeira como se não houvesse amanhã para assinalar uma falta? Que levaria uma eternidade até se ter uma decisão. Outra vez errado. Basta perguntar a qualquer realizador quanto tempo leva a ter acesso a todas as imagens de todas as câmeras. Menos de um minuto, garanto. A minha objeção preferida, porém, é a de que o vídeo-árbitro não anula o erro, como é evidente pela consulta a diferentes opiniões de ex-árbitros dadas em painéis de jornais ou sites de internet, e que por isso não vale a pena tê-lo. Claro que não anula o erro. Primeiro porque o erro, como se sabe, é humano. Não é o sal ou a alma do futebol, como já ouvi dizer, mas infelizmente faz parte. Depois, porque em todas as tomadas de decisão há uma componente subjetiva, que depende da opinião de quem está a decidir. O objetivo, porém, não é nem nunca pode ser anular o erro. Tem de ser, isso sim, auxiliar o diagnóstico de quem tem o dever de decidir. Impedir que quem decide tenha menos meios que qualquer tele-espectador sentado no conforto do seu sofá. Impedir que eu em casa veja com os dois olhos aquilo que quem tem de decidir só vê com aquele onde necessita de mais dioptrias. O objetivo do vídeo-árbitro não tem de ser eliminar o erro. Tem de ser clarificar as coisas e, como disse Infantino, impedir que “uma equipa seja eliminada por causa de um erro dos árbitros”. Só por causa disso, serei sempre a favor.  
2016-12-19
LER MAIS

Último Passe

A derrota do Sporting em casa, contra o Sp. Braga, com a agravante de ter perdido o terceiro lugar na Liga para os minhotos e de ter ficado a oito pontos do Benfica, vem chamar a atenção para a gestão em Alvalade. Se Jorge Jesus já viu os primeiros lenços brancos nas bancadas de Alvalade é porque há quem lhe atribuía responsabilidades na forma como o treinador tem gerido o plantel disponível – e desta vez a “capacidade de superação” dos jogadores não chegou para ganhar um jogo em que eles pareceram pouco frescos. Mas só internamente poderá perceber-se um pormenor importante: se Jesus esgotou os 12 ou 13 jogadores que tem usado quase sempre porque os outros não servem, ou se os outros não servem porque o treinador os foi “queimando” semana após semana desta época de grande investimento. A evidência do jogo foi a de um Sporting fatigado. Os leões tiveram dificuldades para pressionar, para ganhar duelos diretos, para aguentar as arrancadas dos bracarenses, muito bem organizados por Abel Ferreira, o treinador interino que herdou a equipa de Peseiro e a montou com inteligência. Jesus terá cometido erros neste jogo – a colocação de Ruiz ao meio é, insisto, o maior de todos, porque o costa-riquenho não tem vivacidade para jogar ali e falha clamorosamente nas finalizações, pelo que o ideal será sempre tê-lo mais longe da baliza – mas o foco deve ser alargado a toda a temporada. E ainda que se compreenda que a pressão dos insucessos – de Varsóvia para a Luz, da Luz para Setúbal e para o jogo com o Sp. Braga – tenha levado o treinador a apostar sempre nos mesmos, há espaço para se questionar se isso esteve ou não na base da situação que a equipa vive atualmente. Porque num ano em que os leões contrataram tanta gente com nome, é estranho ver sempre as mesmas caras subir ao relvado, sobretudo quando os seus donos estão fisicamente inferiorizados e perdem os jogos por estarem, como diz o próprio treinador, “menos frescos”. E é aqui que convém perceber-se uma coisa. Beto, Douglas, Petrovic, Elias, Meli, Markovic, Alan Ruiz, André e Castaignos, as aquisições que, juntamente Bas Dost e Campbell, os dois que estão a jogar, encheram os sportinguistas de esperança no Verão, não servem? E não servem porque foram mal escolhidos ou não servem por terem perdido qualidades já depois de terem chegado? Na verdade, acho que há ali gente mal escolhida, uns por falta de qualidade flagrante, outros por não encaixarem naquilo que era o plano de jogo de Jesus, que tinha perdido Slimani e João Mário e recebeu jogadores muito diferentes. Mas outros foram perdendo fulgor à medida que a época seguia o seu curso e eram opção apenas em jogos de menor responsabilidade. Recuperá-los será a tarefa principal do treinador para o novo ano, onde os oito pontos de diferença para o líder não deixam os leões fora mas ao mesmo tempo diminuem a pressão pelo esvaziar do balão da esperança. E disso pode depender também a tranquilidade com que Bruno de Carvalho poderá encarar as eleições de Março.
2016-12-18
LER MAIS

Último Passe

O regresso de Jonas aos relvados foi a boa notícia da noite para os benfiquistas que viram a sua equipa vencer à justa o Estoril, por 1-0. O brasileiro entrou na ponta final do jogo, já com o resultado feito, mas em meia dúzia de intervenções mostrou que muda tudo à sua volta, pela inteligência que lhe permite adivinhar o epílogo de cada lance, pela capacidade técnica e a tomada de decisão que o leva a defini-lo melhor que os colegas. E no entanto, como o segundo golo não entrou, também foi com ele em campo que o Benfica mais perto esteve de consentir o empate. Porque com Jonas – e com Mitroglou em vez de Jiménez – muda também a capacidade do Benfica para controlar os jogos e gerir vantagens curtas. E aqui Rui Vitória corre o risco de ser apanhado entre dois fogos, entre os corredores e os definidores. Já vi atribuírem a quebra do Benfica no final do jogo da Amoreira ao cansaço. É possível que sim, porque a primeira metade da época está a ser muito exigente para um plantel que tem sido fustigado por lesões permanentes. Os que permanecem de pé têm sido sugados até ao tutano e devem precisar desta pausa natalícia que aí vem como de ar para respirar. A questão é que esta não é uma tendência nova. É uma realidade constante nos momentos em que o Benfica decide segurar o resultado e muda as zonas de pressão. Nos momentos em que Rui Vitória opta por juntar mais gente atrás, com as entradas de Samaris, Danilo ou Celis e o sacrifício de um dos homens da frente, o Benfica passa a permitir mais facilidades na construção adversária e não consegue depois ser tão eficaz nas manobras para estancar a chegada à área de Ederson. E isso já não tem a ver com cansaço, mas sim com a definição estratégica acerca do local onde a equipa deve colocar o seu foco a cada momento dos jogos. Claro que nem Gonçalo Guedes e Jiménez, dois corredores por excelência, dois homens que trabalham mais sem bola do que com ela, conseguem durar 90 minutos ao mesmo ritmo. Aliás, a primeira parte do jogo mostrou isso mesmo: o Estoril quase nem saiu da sua área antes da meia-hora, porque nessa altura a pressão do Benfica era eficaz e compacta, mas dividiu o jogo nos últimos 15’ antes do intervalo, porque aí, já mais fatigados, os jogadores das linhas da frente do Benfica já não conseguiam pressionar de forma tão compacta. A questão é que, depois, Jiménez sai muito da área e Gonçalo continua a ser sofrível na definição dos lances. Os dois funcionam muito bem em vários parâmetros mas não dão à equipa a mesma facilidade goleadora de Jonas e Mitroglou. Com o brasileiro e o grego, na época passada, o Benfica não defendia tão bem desde a sua primeira linha, mas também não precisava disso, porque muitas vezes quando o opositor começava a pensar em chegar-se à frente já o fazia com o desânimo de dois ou três golos na sua baliza. Esta será a grande dúvida de Rui Vitória na ideia de equipa para depois do Ano Novo. O que está a provar-se que causa dificuldades é começar a construir resultados com os corredores e meter os definidores quando é altura de os defender.
2016-12-17
LER MAIS

Último Passe

Três assuntos têm animado os adeptos de futebol em Portugal. O caso Sporting-Doyen, a troca de José Peseiro por Jorge Simão no Sp. Braga e a polémica em torno da contagem dos títulos nacionais. Com algum atraso num ou noutro caso, eis o que penso de cada um. 1. O Sporting vai ter de pagar à Doyen no caso relativo à transferência de Rojo para o Manchester United. Sempre foi claro para mim que assim seria, porque havia um contrato em vigor e ele tinha sido assinado pela direção legítima do clube. Não sei se Bruno de Carvalho entrou nesta guerra para adiar o pagamento, para o evitar de todo ou apenas para fazer barulho à volta do tema polémico que é o da participação de fundos de investimento nos passes dos jogadores. Se foi a primeira razão, limitou-se a ser chico-esperto. Se foi a segunda, estava a ser ingénuo. Se foi a terceira, fez bem. Porque os negócios com os fundos de investimento sem rosto são, na maior parte dos casos, lesivos dos interesses dos clubes e abrem a porta ao dinheiro sujo que quem gosta de futebol deve querer ver longe da modalidade. 2. Nutro por José Peseiro a estima de muitos anos de conhecimento, porque crescemos a 150 metros um do outro. Tenho, além disso, o reconhecimento pela qualidade do trabalho que ele fez em muitos clubes, mas acho que fez mal em voltar a Braga. Depois de ele próprio ter perdido a final da Taça de Portugal para o Sp. Braga de Paulo Fonseca, entrar naquele balneário só podia ser feito com a certeza de que tinha condições para fazer melhor. E a verdade é que não tinha. Peseiro não foi demitido por ter perdido com o Sp. Covilhã. Foi demitido porque antes de cair na Taça de Portugal já tinha perdido a passagem à fase seguinte da Liga Europa e porque, antes ainda, a sua equipa mostrara um futebol demasiado pobre no Dragão contra o FC Porto – e o futebol de qualidade até foi sempre uma das imagens de marca deste treinador. Para o lugar dele entra Jorge Simão, um treinador jovem e ambicioso, que tem muito mais condições para ser bem sucedido. Quais? Tem atrás dele um trabalho de enorme qualidade no Chaves e entra num clube onde as expectativas já estão outra vez a um nível muito baixo. O resto é capacidade de trabalho, que tanto um como o outro têm inegavelmente. 3. A FPF manifestou-se finalmente acerca da polémica relativa aos títulos de campeão nacional, decretando que aos torneios da I Liga, disputados por jornadas entre 1934/35 e 1937/38, correspondem títulos de campeão nacional, e que aos Campeonatos de Portugal, jogados por eliminatórias entre 1921/22 e 1937/38, correspondem troféus equiparados à Taça de Portugal. A polémica vem da mais recente cruzada de Bruno de Carvalho, que nem sequer é uma ideia nova: recordo-me de, durante anos, o Record se ter recusado a alinhar com A Bola nessa equiparação, valendo-se da tese de Henrique Parreirão, segundo a qual só havia campeão nacional a partir de 1938/39, havendo antes, sim, o campeão da Liga e o campeão de Portugal, que eram coisas diferentes. E se na altura achei que a tese defendida pelo Record servia sobretudo de afirmação ante o gigante que era A Bola – era preciso contrariar o establishment para poder vir a superá-lo, algo que o Record depois até chegou a conseguir – também agora vejo na preocupação de Bruno de Carvalho uma forma de agitar as hostes e de ser contra-poder. As taças, porém, valem o que valem e estão nos museus dos clubes, de nada valendo agora tentar reescrever a história, seja num ou noutro sentido. O FC Porto, por exemplo, foi duas vezes campeão e europeu? Ou ganhou uma Taça dos Campeões e uma Liga dos Campeões? É que as provas têm nomes e formatos diferentes. E foi campeão mundial de clubes? Ou tem duas Taças Toyota? É claro que o documento da FPF aqui faz lei, mas na minha opinião as contas são outras: o Benfica tem 32 títulos de campeão nacional (e não os 35 que reclama com a soma das três I Ligas que ganhou), o FC Porto tem 26 (e não 27) e o Sporting tem 18 (e não os 22 que exige ver reconhecidos com a adição do Campeonato de Portugal).
2016-12-16
LER MAIS

Último Passe

Pinto da Costa já fez a sua parte ao vir dizer que a dupla de centrais formada por Felipe e Marcano é das melhores que alguma vez viu na sua longa permanência à frente do FC Porto – e nisso terá tido o seu quê de exagero. Mas, não sendo entusiasmante no plano ofensivo, esta equipa de Nuno Espírito Santo raramente se desequilibra e fundou na segurança defensiva de 746 minutos de jogo consecutivos sem sofrer golos o regresso a sério à luta pelo título. Nisso e no regresso de Brahimi, o proscrito que passou a servir que nem uma luva nas ideias atacantes do treinador. Djoussé pôs termo à longa imbatibilidade portista, que já durava desde o golo de Lisandro López no clássico com o Benfica, no Dragão, e fê-lo precisamente num lance em que bateu os dois centrais portistas, um após o outro. Não são piores jogadores por isso, mas há que reconhecer que grande parte da segurança defensiva desta equipa tem a ver com a opção por Danilo – em vez de Ruben Neves, por exemplo, que é um jogador ofensivamente muito mais entusiasmante mas menos imponente nos duelos – ou com o facto de os laterais – sobretudo Layun e Teles – terem como motivação fundamental a manutenção da posição, procurando muito o desequilíbrio desde trás em detrimento de uma maior projeção no meio-campo adversário. Se é verdade que as equipas se constroem desde trás, então Nuno Espírito Santo está a fazer bem. As vitórias, porém, só começaram a surgir quando o treinador contrabalançou tanta contenção com mais criatividade na frente, através das entradas de Corona e Brahimi no onze. O primeiro nunca esteve verdadeiramente fora, mas acabou por ganhar a posição a jogadores mais contidos, como Herrera ou André André. O segundo estava com pé e meio fora da equipa, com guia de marcha anunciado para Janeiro, antes de contribuir com três golos nos três últimos jogos. Contra o Marítimo, foi ele que desbloqueou o marcador com um golo de autor, como foi ele que depois colocou André Silva na cara do guarda-redes para o 2-0. Janeiro, se é preocupação, será sobretudo por causa da perda de Brahimi, que nessa altura seguirá para a seleção para jogar a Taça de África das Nações e dará outra vez o lugar a Otávio.
2016-12-15
LER MAIS

Último Passe

Apanhado entre duas frentes, Jorge Jesus decidiu optar por “acreditar na capacidade de superação” dos seus jogadores. E fez bem, porque ganhou com toda a justiça o direito a seguir para os quartos-de-final da Taça de Portugal. Mas o mais importante no facto de ter entrado no Estádio do Bonfim, para defrontar o V. Setúbal, com o melhor onze disponível, mudando apenas um elemento relativamente à equipa que alinhou de início contra o Benfica no domingo não é o facto de contrariar aquilo em que o treinador acredita há anos: que ninguém é capaz de render ao mais alto nível quando joga de três em três ou de quatro em quatro dias. É o facto de nesta escolha ter ficado bem à vista que ele não transpira confiança nas segundas escolhas. É verdade que os leões ficaram fora das provas europeias, mas essa ausência de desgaste só se fará notar lá para Fevereiro, quando em condições normais seriam chamados a jogar para a Liga Europa. Para já, a realidade é o calendário nacional, sempre muito congestionado por Dezembro e Janeiro, de forma a que se encontre espaço para a breve pausa de Natal e para a fase de grupos da Taça da Liga. Durante anos se viu Jesus poupar jogadores até antes de se chegar a esta fase. Já esta época, o mesmo Jesus veio justificar a opção de ter resguardado momentaneamente homens como Coates ou Bas Dost com o facto de, sendo jogadores pesados, terem mais dificuldades de recuperação. É uma teoria diferente da seguida, por exemplo, por Rui Vitória, mas é uma teoria cientificamente validada. Desta vez, porém, a importância do momento levou Jesus a ter fé na tal “capacidade de recuperação dos jogadores” – e alguns, como Adrien, estiveram uns furos abaixo do habitual. Acontece que, mesmo não tendo o treinador gostado que lhe fizessem a pergunta logo na flash-interview, o facto de ter ficado fora da Europa veio aumentar a exigência relativa à carreira na Taça de Portugal. Ainda por cima numa Taça de Portugal onde já não estão FC Porto e Sp. Braga mas que pode levá-lo a novo duelo com o Benfica. Como veio aumentar a exigência relativa à carreira na Liga, onde a derrota no dérbi deixou o Sporting a cinco pontos dos encarnados. Só que este ciclo infernal – Legia, Benfica, V. Setúbal, Sp. Braga e Belenenses em 16 dias e sem direito a errar mais – ainda está longe de acabar e o mais certo é Jesus ter nos próximos dois jogos de continuar a acreditar na capacidade de superação dos 12 homens que neste momento contam para ele, que são os onze titulares de ontem, mais Bryan Ruiz (Markovic está lesionado, tal como Schelotto). E num ano em que o Sporting até investiu mais do que o habitual no reforço do plantel, era boa altura para se perceber se os restantes não contam por problemas de gestão de recursos humanos ou se foram apenas erros de casting.
2016-12-14
LER MAIS

Último Passe

A conquista da quarta Bola de Ouro por parte de Cristiano Ronaldo, com uma gritante superioridade sobre a concorrência liderada por Messi, é vista por alguns como muita coisa que não tem necessariamente de ser. A votação dos correspondentes da France-Football – na qual, deixem-me dizê-lo, acredito muito mais do que naquela que vai ser feita pelos capitães e selecionadores nacionais chamados a votar pela FIFA, por ser menos suscetível a lóbis – confirma que Ronaldo foi o melhor jogador de 2016 e é um dos maiores da atualidade, a par do argentino. E mesmo assim dá que pensar, porque a vitória de Ronaldo se monta muito em cima de um jogo no qual ele saiu lesionado logo nos primeiros minutos: a final do Europeu. Nesse aspeto, esteve bem Ronaldo no discurso de agradecimento, no qual falou nos colegas da seleção nacional e do Real Madrid. Porque o futebol é um desporto coletivo e quase de certeza que se a França de Griezmann tivesse ganho aquele jogo ao Portugal sem Ronaldo as votações seriam, pelo menos, muito mais equilibradas. Como ganharam os portugueses, Ronaldo leva a Bola de Ouro para juntar aos títulos de campeão europeu de clubes e de seleções, elevando-se bem acima de Messi, “apenas” campeão espanhol com o Barcelona. O resto são leituras. Mais enviesadas umas, mais escorreitas outras. Já vi por aí que esta é a melhor reposta de Ronaldo ao escândalo fiscal em que se viu envolvido? Não creio, pois uma coisa nada tem a ver com a outra e ou muito me engano ou nem Ronaldo nem nenhum dos muitos envolvidos no processo divulgado pelo Football Leaks tem responsabilidade além da procuração quase plenipotenciária passada a quem lhes trata do dinheiro e dos negócios. Mais seguro será dizer que a quarta Bola de Outro eleva Ronaldo a um patamar ao qual ainda nenhum português tinha acedido. Mas mesmo isso é polémico. Sim, é verdade que o futebol de hoje é muito diferente do que era nos tempos de Eusébio. É evidente que a globalização permite a entronização muito para além do efémero dos melhores, independentemente do rendimento que tenham nos dois ou três jogos maiores do ano, que há meio século eram os únicos que muita gente via – e daí Messi e Ronaldo terem açambarcado as nove últimas Bolas de Ouro. É ainda claro para mim que a Eusébio nunca lhe foi permitido jogar fora de Portugal e que, tivesse ele ficado igualmente por cá, Ronaldo certamente levaria a uma nova mudança hegemónica no futebol nacional, a favor do Sporting, mas não poderia ser o fenómeno global que é hoje. Mesmo assim, tudo descontado, acho legítimo que se acabe com o debate. Porque como este nunca tivemos. E tenho sérias dúvidas de que voltemos a ter a tempo de eu poder vê-lo.
2016-12-13
LER MAIS

Último Passe

A vertigem, que durante anos deu títulos a ganhar a Jorge Jesus, mudou de lado e resolveu o dérbi de ontem a favor do Benfica. Foi muito à conta da velocidade dos homens que tem do meio-campo para a frente, da forma como foi sendo capaz de explorar o espaço vazio entre e atrás das linhas do adversário e da rapidez de decisão e execução dos seus jogadores nas transições que o Benfica bateu um Sporting mais forte sempre que o jogo entrava em controlo. A crise que batia à porta do Estádio da Luz mudou de lado da Segunda Circular e ameaça agora Alvalade.Jorge Jesus sempre construiu equipas vertiginosas. No Sporting, até em função dos jogadores que tinha e tem, mudou um pouco de estilo e aposta agora mais no controlo, ficando mesmo muitas vezes mais próximo do 4x2x3x1 do que do 4x4x2 de que nunca abdicava na Luz. Rui Vitória, por sua vez, sempre foi um treinador de futebol mais pausado e controlado - começou por tentar impor o 4x2x3x1 na Luz - mas este Benfica não lhe segue o pensamento, tanto se aproxima de uma equipa de velocistas, sobretudo na frente. Esta inversão de paradigmas vem mostrar que a identidade dos treinadores não conta assim tanto na definição daquilo a que joga uma equipa e que o papel dos líderes passa muito mais por fazer o melhor aproveitamento possível dos jogadores que têm do que por lhes mudar as formas de jogar ou pensar.Nunca se saberá o que seria este Benfica com Jonas. Mais controlo, mais cérebro na definição de cada jogada, mais capacidade de antecipação do que vai suceder e maior qualidade de decisão, mas sem dúvida menos intensidade e velocidade na exploração dos espaços. Sem o brasileiro, este Benfica está até mais próximo daquilo que são as equipas típicas de Jesus: Jiménez e Guedes correm muito – por vezes até demais – com e sem bola, Salvio parece feito no mesmo molde e o próprio Rafa, que ontem foi o melhor do Benfica na capacidade para ir desenhando jogadas, é muito dependente do espaço atrás das linhas adversárias. O Benfica não precisou por isso do mesmo volume de jogo para criar tantos lances de perigo como o Sporting – e, mais importante, para lhe ganhar – porque era sempre capaz de encontrar estradas menos congestionadas par chegar ao objetivo.Do outro lado, se é verdade que não pôde controlar a saída de Slimani, Jesus ainda fez os possíveis para ter uma equipa mais à sua imagem, vertiginosa, sobretudo com as contratações de Markovic e Campbell, dois velocistas que servem sobretudo para esticar o jogo. Só que, mesmo começando Campbell a justificar a aposta, o DNA desta equipa é outro, ditado pelo jogo mais cerebral de William e Ruiz ou pelas sinuosas corridas de Gelson. O próprio Dost é mais jogador de controlo que de esticões, se bem que a razão mais importante a levar Jesus a mudar de paradigma e a aproximar-se mais vezes do 4x2x3x1 terá sido a qualidade de uns e outros. Tal como no Benfica, não é possível saber como seria um Sporting com Markovic e Campbell e sem Ruiz ou William. Mais vertigem e menos controlo, mas não necessariamente melhores resultados.No dérbi, fundamentalmente, o que decidiu foi a qualidade. A qualidade de Ederson em algumas defesas importantes, mas sempre tendo em conta que Rui Patrício também fez uma de grande nível. A qualidade de Rafa, de Dost, de Gelson, numa tarde em que nenhuma das duas equipas teve defesas laterais à altura dos acontecimentos. Semedo teve problemas com Bruno César e depois com Campbell, André Almeida sofreu com Gelson, mas os dois ainda foram sendo capazes de disfarçar, enquanto que no Sporting nem Zegelaar nem João Pereira estiveram à altura da exigência do jogo: o holandês está nos dois golos do Benfica e o português foi diretamente batido por Jiménez no lance do 2-0, quando tentou fechar ao meio depois do envolvimento dos centrais.O resultado não fecha o campeonato, porque a derrota do Benfica na Madeira assegurou que ele ia continuar aberto. Mas serviu ao Benfica para afastar as nuvens negras que se aproximavam da Luz. Após duas derrotas seguidas e sobretudo num momento em que a equipa não anda a mostrar um futebol muito conseguido, o Benfica voltou a alargar a vantagem para o segundo classificado, porque este agora é o FC Porto. E caberá agora ao Sporting fazer a sua parte para afastar a crise de que terá de se falar devido às duas derrotas seguidas que implicaram o fim da Europa e o regresso aos cinco pontos de desvantagem para o líder. Sem nada a que se agarrar a não ser as competições internas, Jesus sabe que não tem mais margem de erro nas semanas que se aproximam se quer convencer a SAD a dar-lhe em Janeiro mas jogadores para atacar o grande objetivo da época.
2016-12-12
LER MAIS

Último Passe

O Benfica-Sporting de hoje contou várias histórias. O jogo foi bom, colocou frente a frente duas equipas muito distintas na forma de o abordar, e acabou por decidir-se a favor dos tricampeões nacionais sobretudo graças à facilidade que mostraram na chegada à baliza do adversário. Não foi uma questão de finalização, mas sim de capacidade para criar o mesmo perigo com menos volume de jogo.A estatística final mostrou números mais gordos para o lado do Sporting e não foi só porque os leões passaram mais tempo a correr atrás do resultado. Foi também porque graças ao regresso da construção a três - com recuo de William – o Sporting garantiu mais bola (e mais ataques, mais cantos, mais remates…). O preço a pagar foi o aumento de espaço entre setores, que o Benfica aproveitava para desenhar ataques mais rápidos e objetivos. Assim, mais elaborado e coletivo o futebol do Sporting, mais repentista e veloz o do Benfica, os rivais proporcionaram um jogo intenso e equilibrado em ocasiões de golo.Já se sabia que as duas equipas vinham em momento psicológico instável – o Benfica com duas derrotas seguidas, o Sporting na ressaca da eliminação europeia – pelo que o primeiro golo seria ainda mais importante do que é habitual. Pelo conforto que daria a quem o marcasse e pelas dúvidas que criaria em quem o sofresse. Fê-lo o Benfica, em contra-ataque, e isso veio naturalmente condicionar o jogo. O 2-0, instantes após um remate de Bas Dost ao poste, logo a abrir a segunda parte, podia ter acabado com a discussão, mas o que se viu aí foi um Benfica outra vez com dúvidas e um Sporting pouco afetado com o que estava a suceder-lhe. Jesus mexeu com o jogo através da entrada de Campbell, Vitória também quando voltou a baixar a equipa numa situação de vantagem, permitindo que a bola passasse a andar mais onde lhe é mais difícil controlar defensivamente as partidas: as trocas de Salvio e Guedes por Danilo e Cervi levaram a um recuo de linhas do Benfica que o Sporting podia ter aproveitado melhor para ainda sacar um ponto na Luz. Individualmente, os melhores foram Ederson e Rafa no Benfica, Gelson e Bas Dost no Sporting. Sinais de preocupação vieram das laterais defensivas dos dois lados. A diferença aqui é que se Nelson Semedo teve um mau jogo e dele se espera que volte ao nível habitual e se André Almeida é apenas a terceira opção dos encarnados para a lateral esquerda, no Sporting não há no plantel alternativas claramente melhores a João Pereira e Zeegelaar (o ocaso de Jefferson é um mistério). Coisa para se resolver em Janeiro, mas só se o Sporting lá chegar em condições reais de discutir a Liga.
2016-12-12
LER MAIS

Último Passe

Os momentos que antecedem o Benfica-Sporting foram marcados pela mais profunda normalidade. Sem fogo cruzado, ainda que com os dois treinadores empenhados em manter alguma incerteza acerca das equipas que vão fazer subir ao relvado da Luz. Sem provocações e com pedidos para se falar de futebol. Vamos a isso então, com a resposta a nove perguntas acerca do dérbi. 1 – O jogo pode ser decisivo para o campeonato? Não. Uma coisa era o Benfica receber o Sporting com cinco pontos de avanço e a possibilidade de alargar a vantagem para oito. Outra completamente diferente é entrar em campo dois pontos à frente. Mesmo uma vitória do Benfica não deixa os leões fora da corrida. Um empate acentua a noção de que a Liga volta a ser uma corrida à três, sobretudo se antes o FC Porto tiver ganho ao Feirense. E uma vitória do Sporting deixa os leões com vantagem pontual e psicológica para o que resta de campeonato, sobretudo tendo em conta que também já não estão na Europa e podem concentrar-se nas provas internas. 2 – Assim sendo, quem tem mais a perder com o jogo? Mesmo tendo em conta que até pode jogar com dois resultados (o empate deixá-lo-ia como a única equipa a ganhar um clássico na primeira volta), é o Sporting quem arrisca mais em caso de derrota. Porque o Benfica é o campeão em título, mas também porque o fracasso europeu aumentou a pressão sobre Jorge Jesus e Bruno de Carvalho. 3 – Quais são as maiores armas do Benfica? A forma como a equipa de Rui Vitória reage à perda da bola, condicionando muito a saída de bola dos adversários desde a primeira linha de pressão, graças à disponibilidade física e mental dos quatro homens da frente (aumentada se for Jiménez a jogar em vez de Mitroglou). Os problemas do Benfica começam se essa primeira zona de pressão falha a estancar o jogo adversário, porque depois disso a equipa de Vitória tem problemas tanto no controlo da largura (por vezes inferioridade numérica nas alas, por vezes espaço para progredir com bola após variações rápidas e certeiras de flanco) como da profundidade (Luisão não a garante como Jardel). 4 – E do Sporting? A organização ofensiva continua a ser a fase mais forte do jogo leonino, mesmo tendo a equipa de Jesus perdido controlo com a saída de João Mário e capacidade para criar espaço entre as linhas adversárias com a saída de Slimani, cuja busca incessante da profundidade era a melhor forma de encontrar espaço para Ruiz ou Adrien. Ainda assim, o crescimento de Gelson deu a Jesus uma força em lances de um para um que a equipa não tinha na época passada. 5 – Haverá surpresas nos onzes? Não acredito. Presumindo que o Sporting vai mesmo ter Adrien e Gelson, penso que Jesus vai entrar com Bryan Ruiz e Bruno César, desta vez com este na esquerda para, com menos diagonais, condicionar a ação de Nelson Semedo. No Benfica, A dúvida é entre Jiménez e Mitroglou, sendo que em condições ideais acredito mais na titularidade do grego, mais jogador de área, porque com Guedes, Salvio e Cervi a equipa não precisa tanto da capacidade de pressão do mexicano. 6 – E Jonas? Assumindo que está em condições, talvez possa entrar perto do fim, mas só se o Benfica estiver desesperado ou com a vitória garantida. Caso contrário, parece-me que os 80/20 enunciados por Rui Vitória terão sido apenas para manter Jesus em dúvida acerca da possibilidade de o brasileiro poder aparecer. 7 – As derrotas europeias terão influência no jogo? É possível. No Benfica porque vem de duas derrotas seguidas, ainda que o facto de ter conseguido na mesma o apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões possa servir de atenuante. No Sporting, o fracasso total, a incapacidade de atingir até à Liga Europa, pode ter levado a equipa a duvidar de si mesma, sobretudo porque o treinador não abdicou dos titulares no jogo com o Legia. Aqui falará mais alto a capacidade de Jesus para instigar uma resposta por parte dos jogadores. 8 – E a fadiga pode ser importante? Pode. Porque além de ter tido menos 24 horas de repouso, o Sporting teve de enfrentar uma longa viagem de regresso e um ambiente diferente, com temperaturas muito baixas. 9 – Que resultado convém mais ao FC Porto? Sem dúvida o empate. Porque lhe permite ganhar pontos aos dois, porque não moraliza Benfica nem Sporting.
2016-12-10
LER MAIS

Último Passe

Que o Sporting tenha sido afastado da Liga dos Campeões, num grupo onde teria de ultrapassar Real Madrid e Borussia Dortmund, foi natural. Mas que o Sporting tenha depois ficado fora da Liga Europa, afastado por um Legia Varsóvia que tem apenas dois ou três jogadores acima do razoável e que há mais de 20 anos não ganhava uma partida sequer na Champions já é uma anormalidade que só a falta de estatuto europeu e uma invenção de Jorge Jesus na Polónia pode explicar. Se a ideia era ficar fora da Europa para se centrar nas competições nacionais, Jesus bem podia ter levado a equipa B e poupado os titulares para o dérbi com o Benfica que aí vem. Assim, entrará na Luz com uma equipa cansada, desmoralizada e com mais pressão em cima da cabeça. No dia em que o FC Porto se juntou ao Benfica nas 16 melhores equipas europeias, algo que o futebol português só tinha conseguido uma vez, à entrada de 2009, o Sporting voltou a mostrar ao Mundo que lhe falta aquilo que é preciso para vingar a este nível. E tudo começou na equipa montada por Jorge Jesus. Repetiu os três defesas-centrais que tinha escalado em Dortmund – com o mesmo resultado, a derrota por 1-0 – mas desta vez juntou a essa originalidade a colocação de Bruno César a ala direito, de Gelson mais por dentro e de um também cada vez mais inexplicável Markovic nas costas de Bas Dost. O resultado foram 45 minutos oferecidos aos polacos, com um Sporting à procura de si mesmo, lento por falta de referências e incapaz de compreender a melhor forma de ocupar os espaços, como se viu no golo polaco, marcado em inferioridade numérica na área leonina. É verdade que, depois de dar avanço, Jesus corrigiu e o Sporting melhorou, tendo ficado perto de empatar – André falhou dois golos cantados – mas nem isso serve para atenuar o embaraço que é não ter conseguido fazer um único golo a uma equipa que tinha encaixado 24 nas cinco partidas anteriores da Champions. Fora da Europa em Dezembro, o Sporting terá agora condições para repetir a época que fez sob o comando de Leonardo Jardim, na qual se concentrou na competição interna e fez alguma sombra ao Benfica de Jesus. Este desfecho, porém, vem na pior altura, pois os leões perderam hoje a vantagem emocional que teriam sobre um Benfica que entra no dérbi com duas derrotas seguidas. Quando subirem ao relvado da Luz, no domingo, os jogadores leoninos não estarão apenas fatigados e desmoralizados: vão com a noção de que não podem falhar, porque jogam ainda mais ali do que seria de prever nesta altura do ano. É menos provável, porém, que Jesus repita os três centrais.
2016-12-07
LER MAIS

Último Passe

A derrota contra o Napoli, mas sobretudo a forma como os italianos foram tantas vezes capazes de expor as debilidades que a equipa do Benfica ainda revela serão as duas maiores preocupações na cabeça de Rui Vitória na noite em que, mesmo perdendo, celebrou um justo segundo apuramento consecutivo para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. A Europa, porém, pode esperar, porque o que aí vem é o escaldante dérbi com o Sporting, onde o tricampeão nacional põe em risco a liderança na Liga. E aí os problemas de hoje até podem voltar para assombrar o treinador. Porque mesmo que Jesus os não conhecesse, teria tido a oportunidade de os ver. O facto de vir de duas derrotas seguidas (contra o Marítimo e o Napoli) tanto pode provocar no Benfica um sentimento de insegurança como a vontade urgente de superação. A verdade é que as duas derrotas acabam por ser muito diferentes. Mais devida a falta de concentração, alguma sobranceria e até uma boa dose de passividade própria de quem acha que tudo se resolverá a encaixada na Madeira; mais natural e saída das próprias debilidades a que o Napoli impôs na Luz. Mesmo quando ainda estava espacialmente concentrada nos 25/30 metros da sua organização defensiva, quando o ritmo de reação à perda ditado por Gonçalo Guedes ainda imperava no campo, o Benfica viu os italianos serem capazes de o desequilibrar sempre da mesma forma: com passes diagonais a explorar as costas dos seus laterais. Não é um problema nascido da falta de Grimaldo, porque não foi só André Almeida a comprometer: Nelson Semedo também foi réu neste particular, mais nascido da projeção ofensiva natural dos dois laterais e da falta de capacidade defensiva demonstrada quando o adversário ultrapassa a feroz primeira linha de pressão encarnada. Fejsa, sozinho, nem sempre consegue disfarçar. Pior, porém, aconteceria quando, seguro face à goleada que o Besiktas já embrulhava em Kiev, Rui Vitória abdicou de Gonçalo Guedes – poupança para domingo? – e o Napoli trocou o corpulento Gabbiadini pelo repentista Mertens. Tal como em Istambul, após a perda da capacidade defensiva de Guedes, o Benfica sofreu dois golos quase seguidos. E se isso pode ser resolúvel, outras questões podem implicar a necessidade de uma decisão. Os problemas de concentração de Lindelof – eventualmente originados pelas vozes de mercado – estiveram na origem do primeiro golo italiano, enquanto que as dificuldades de Luisão face a avançados rápidos a mudar de direção se somaram à falta de solidariedade defensiva dos extremos (no caso Salvio) para gerar o segundo. Não são questões fáceis de resolver – a projeção ofensiva de laterais e extremos é preciosa para a máquina atacante que este Benfica também é – mas esperará Rui Vitória que sejam irrelevantes no domingo. O problema é que Jorge Jesus até já tinha dito que só estava 90% focado no jogo de Varsóvia e os 10% restantes já estarão a pensar na forma de as explorar.
2016-12-06
LER MAIS

Último Passe

Os dérbis entre Benfica e Sporting sempre foram um jogo à parte na história do futebol português, mas nunca terão sido marcados por tantos “mind games” como na época passada, fruto da passagem de Jorge Jesus de um para o outro lado da Segunda Circular. Dos quatro desafios entre ambos que se jogaram em 2015/16, só o último não ficou marcado por trocas de galhardetes verbais – o que de certa forma vem contrariar a ideia segundo a qual os leões perderam o campeonato por causa da estratégia de polémica constante a envolver os rivais, pois esse foi o único dos quatro jogos que não ganharam. Esta época, porém, tudo parece mais morno. Ainda que o último fim-de-semana já tenha representado um ligeiro aquecer de reatores, a que a semana de Liga dos Campeões pode ou não dar o devido empurrão. A época passada começou com Jorge Jesus ao ataque e Rui Vitória muito mais recatado. Por uma questão de personalidade – mais confrontacional a do atual treinador leonino, muito mais professoral a do técnico benfiquista. Os resultados favoráveis ao Sporting (1-0 na Supertaça, 3-0 na Luz para a Liga e 2-1 em Alvalade para a Taça de Portugal) ainda levaram a um extremar de posições por parte de Jesus, cujo ego, já se sabe, supera em muito o muito que já é capaz de fazer à frente de uma equipa. Passou-se do “eles perderam o cérebro” ao “pu-lo deste tamanhinho” e ao “nem o vejo como treinador”. Ao mesmo tempo, estas constantes provocações levaram ainda a uma tentativa certamente ensaiada mas nunca bem conseguida de resposta por parte de Vitória, que definitivamente não está na sua praia quando se trata de confronto. Não quero aqui fazer juízos morais acerca de um e de outro. Acho mesmo que, dentro de determinados limites, estas provocações animam as bancadas, levam os adeptos a sair de casa e a defender as suas cores com outra paixão. Até porque, no final, elas não foram decisivas: o que ganha os jogos são as bolas na baliza. O que diz a teoria é que Jesus ganhará sempre no bate-boca, mas que terá perdido no campo porque as constantes provocações terão levado a uma muito maior união num adversário que nunca se importou de perder nos soundbytes desde que ganhasse nos relvados. A teoria, porém, também não tem necessariamente de estar certa. Porque da única vez que manteve o recato face ao adversário, Jesus perdeu o jogo (1-0 em Alvalade, para a Liga) e o próprio campeonato. A questão aqui é a de perceber porque esteve Jesus mais calado antes do quarto dérbi. Por falta de assunto, esgotados os temas de provocação? É possível. Por ter empatado em Guimarães na semana anterior, ter visto a vantagem diminuir e passar a correr ali o risco de ver o rival ultrapassá-lo na tabela (tal como pode acontecer agora ao Benfica de Rui Vitória)? É mais provável. Por entender que, já há oito meses na Luz, os jogadores rivais já não podiam ver as suas convicções acerca do velho e do novo mestre abaladas por declarações do primeiro? É ainda mais provável. O que transporta os “mind games” de Jesus para uma dimensão completamente diferente, da mera fanfarronice para a estratégia. Pode ser por isso, aliás, que o aquecimento para o Benfica-Sporting de domingo tem sido tão lento e que talvez até possamos assistir a um cumprimento cordial entre os dois técnicos antes e no final da partida que definirá quem fica na frente do campeonato. Para gáudio de todos os que defendem um desporto assético e impoluto, sem tricas nem ofensas. Não tenho, ainda assim, a certeza de que tal venha a acontecer. Porque apesar dos mornos dias anteriores, houve ali, de parte a parte, sinais de que há alguma vontade de condicionar na sala de imprensa o que vai passar-se no relvado. Começou Rui Vitória, ainda antes da deslocação ao Funchal, quando aproveitou uma pergunta da BTV acerca do departamento médico – dando-se até ao trabalho de mostrar alguma surpresa por essa pergunta ter sido feita – para vir defender os médicos postos em causa e para deixar no ar um nada enigmático “eu não ando nisto há dois dias”. Tradução: alguém anda a pôr na rua notícias acerca do nosso descontentamento com o departamento médico e não somos nós mas sim quem nos quer mal. Continuou Jorge Jesus, quando após a vitória por 2-0 frente ao V. Setúbal aproveitou para vir queixar-se da arbitragem, que anulou dois golos aos leões – quando nem nas derrotas é hábito vê-lo pôr em causa os árbitros. Tradução: já fomos prejudicados hoje, portanto não se atrevam a apitar de modo a que não gostemos no jogo da Luz. Os sinais estão lá. Os vulcões estão ativos, apenas à espera de um sinal para poderem entrar em erupção. E a semana europeia pode bem provocar ali alguma coisa. Antes de um jogo em que pode acabar de deitar ao lixo uma vantagem que já foi de sete pontos, o Benfica recebe o Napoli – que também precisa de pontuar – num jogo que, faça o Besiktas o seu papel em Kiev, pode ser de mata-mata. Um dia depois, o momento leonino pode ser afetado ou confirmado em Varsóvia – e francamente nem sei o que pode ativar mais Jesus, se a euforia ou a depressão – num jogo que pode mandar o Sporting para a Liga Europa ou deixá-lo sem provas europeias até final da temporada. Lá para o final da semana fazemos contas.
2016-12-05
LER MAIS

Último Passe

O FC Porto podia até nem ter ganho ao Sp. Braga, tão tarde apareceu o golo salvador de Rui Pedro, mas isso teria sido uma tremenda injustiça. Porque hoje, ao contrário do que tem vindo a acontecer em quase todos os jogos dos Dragões, só faltaria mesmo o marcador - e não era aquele que falhou a Nuno Espírito Santo em mais uma aula prática de educação visual, dada esta semana aos jornalistas. O FC Porto encostou à baliza a equipa que, antes do jogo, era terceira na Liga, e nem o facto de os minhotos terem ficado reduzidos a dez ainda na primeira parte serve de justificação para a tão grande diferença entre o futebol jogado pelos dois conjuntos. O que leva a questão da crise portista para outro patamar: se esta equipa sabe jogar, por que razão não o faz mais vezes e passou mais de oito horas de jogo sem fazer um golo, contra equipas bem mais fracas que Benfica e Sp. Braga, que lhe motivaram as últimas exibições de bom nível?À partida, ocorrem-me duas justificações. Uma é meramente futebolística e muito concreta. A outra entra na psicologia de balneário e tem o seu quê de adivinha. A mais concreta fala da ideia de jogo de Nuno Espírito Santo, uma ideia bem mais alicerçada nos momentos de transição do que nos momentos de organização. O FC Porto de Nuno é muito forte na reação à perda da bola - transição defensiva - e imediatamente após a recuperação da posse - transição ofensiva. Para que esta equipa possa exprimir-se na plenitude, é preciso que o adversário queira ter a bola. Ora a maior parte das equipas não é isso que pretendem, limitando-se a juntar as linhas à frente da sua área, abdicando de jogar e forçando os dragões a abusar do momento em que são menos fortes, que é a organização ofensiva.O grão de areia nesta explicação está no facto de o Sp. Braga também não ter tido qualquer interesse em jogar a partir do minuto em que ficou reduzido a dez, por expulsão de Artur Jorge. E mesmo assim o FC Porto jogou a bom nível. É verdade que havia Brahimi e Corona ao mesmo tempo ou que Layun dá mais qualidade no ataque do que Alex Teles, mas isso não me parece suficiente para explicar a diferença entre o FC Porto de qualidade que se viu frente a Benfica e Sp. Braga e a equipa apática e infeliz que se mostrou em Setúbal ou no Restelo. Aqui chegado, a melhor explicação que encontro tem a ver com a motivação do grupo. Que nos jogos com outros grandes aparece bem focado e nos restantes entra a achar que as coisas acabarão por se resolver mais cedo ou mais tarde. Isso só pode querer dizer que a mensagem não está a chegar devidamente ao balneário. E que a Nuno não basta substituir o marcador. Porque é improvável que lá chegue a fazer mais desenhos.
2016-12-03
LER MAIS

Último Passe

Dentro de todo o equilíbrio com que indiscutivelmente analisou a derrota do Benfica no Funchal, frente ao Marítimo, Rui Vitória disse não aceitar que alguém viesse considerar que os donos da casa tinham tido o domínio do jogo. “Não posso deixar que se diga que o Marítimo foi a melhor equipa”, sentenciou. São duas coisas diferentes, porém. Claro que o Marítimo não teve o domínio de jogo – nem o queria, de resto. Mas nunca devemos estar à espera que quem quer seja na nossa Liga precise ou procure esse domínio de jogo quando quer ganhar a um dos grandes do futebol português. Foi o caso hoje, num jogo cuja chave foi a troca da confiança pelo sentimento de fatalidade iminente que a sucessão de finais provocou nos encarnados. Usando a expressão também hoje elaborada por Nuno Espírito Santo, na antevisão do FC Porto-Sp. Braga, o Marítimo teve uma ideia para o jogo e defendeu-a como podia. A ideia não era atraente, não leva gente aos estádios, no final aproximou-se perigosamente do anti-jogo – como se aproximam todos os jogos em que os pequenos estão quase a bater o pé aos grandes, ainda que os adeptos achem que isso só acontece aos clubes deles – mas deu indiscutivelmente mais resultado do que a abordagem ingénua e passiva desta mesma equipa ao jogo na Luz, há dias, onde encaixou 6-0 do Benfica. Dir-me-ão que o ideal está no meio. Que bom era que os pequenos conseguissem sacar pontos aos grandes limitando-se a perder a passividade mas mantendo a positividade. E eu até concordo. Mas para tal precisaríamos de ter uma Liga mais equilibrada em todos os aspetos, a começar pelos meios disponíveis a todos. O Marítimo ganhou ao Benfica por várias razões, sendo que a estratégia de perda de tempo no final foi apenas uma delas. Antes disso houve uma entrada estrategicamente muito bem conseguida, reduzindo os espaços que os tricampeões nacionais costumam utilizar e criando até mais ocasiões de golo do que eles durante a primeira parte. Depois houve também o aproveitamento da pressão a que vem sendo repetidamente submetido um Benfica que salta de final em final a cada semana, seja na Liga ou na Europa. Se por um lado jogos houve já recentemente em que a equipa de Rui Vitória podia ter feito um resultado pior, tendo acabado por ganhá-los no detalhe, graças à confiança que se monta em cima da sucessão de bons resultados – aquilo a que genericamente se chama “estrelinha de campeão” mas que é muito mais do que isso – acaba por ser normal também que, confrontada com uma semana na qual não podia falhar, ela vacile e se deixe diminuir pelo mesmo sentimento de fatalidade iminente que afetou o Sporting de Jesus na Primavera passada. A diferença, aqui, vê-se no dia seguinte. Muito do que é feito este Benfica se verá já na terça-feira e no próximo fim-de-semana, contra Napoli e Sporting. Aumenta a pressão, aquece a Liga.    
2016-12-02
LER MAIS

Último Passe

Quando Rui Vitória afirma que o Benfica “funciona como um todo e não por departamentos” está a fazer o mesmo que o goleador que marca um “hat-trick” e vem a seguir dizer que não o conseguiria sem a ajuda dos companheiros ou o mesmo que o defesa-central que, após uma derrota pesada, se justifica dizendo que a missão de defender é de toda a equipa e não apenas da linha mais recuada. Isto é: pode até ter alguma razão, que as lesões não são só culpa dos médicos – mesmo daqueles médicos vistos na perspetiva mais alargada em que o futebol de hoje os transformou –, mas está sobretudo a querer ser politicamente correto e provocador ao mesmo tempo. O que não é nada fácil. O rendimento de uma equipa de futebol depende de muitos fatores. Da categoria dos seus jogadores, da qualidade do treino que fazem, da capacidade do treinador para os juntar e formar um coletivo forte, obedecendo a uma ideia de jogo coerente, da forma como o mesmo treinador desenha estratégias para os levar à vitória, mas também daquilo que a estrutura auxiliar faz para que os jogadores se sintam bem, focados naquilo que importa, da capacidade de resposta de massagistas ou médicos, da perspicácia dos scouts enviados a fazer relatórios acerca dos adversários, do apoio dos adeptos, do acerto das equipas de arbitragem, das condições meteorológicas… E podia ficar aqui até amanhã, nem que fosse para dizer o seguinte: dizer que dentro de uma equipa não há departamentos é errado. Claro que há. E que uns funcionam melhor do que outros. Em todas as equipas. O Benfica não é exceção. O que Rui Vitória pensou ao dizer aquilo foi que não vai entregar na praça pública quem quer que seja nesta cadeia que não estiver a funcionar da melhor maneira. Que tudo é analisado, que ele como chefe da equipa tem a missão de assegurar a melhor forma de funcionar e lidará internamente com o que estiver a funcionar pior. Por que não o disse assim? Porque assim não passava a mensagem que queria. Aquele “eu não ando aqui há dois dias” tinha múltiplos destinatários. Os seus jogadores, que podem até perder a crença no funcionamento no departamento médico e de planificação de treino, mas sobretudo os que estão fora do clube. Foi a forma que Rui Vitória encontrou para ser, ao mesmo tempo, politicamente correto e provocador. Porque com este alívio para a bancada, lançou no ar a suspeita de que as notícias segundo as quais Luís Filipe Vieira não estaria satisfeito com o departamento médico podiam ter sido plantadas com o intuito de desunir o Benfica. Se o foram ou não, não sei dizer. Mas sei que nada funcionaria tão bem como ter o próprio Luís Filipe Vieira a dizê-lo de viva voz e a reiterar a sua confiança nos contestados. Mesmo que isso fosse assim como ver Pinto da Costa renovar nesta altura contrato com Nuno Espírito Santo. E se não o fazem, um nem o outro, por alguma razão será.
2016-12-01
LER MAIS

Último Passe

Uma equipa que passa 430 minutos sem fazer um golo, como acontece atualmente com o FC Porto, pode queixar-se de muita coisa. Porque quem não marca um golo em mais de sete horas de futebol não tem apenas um problema de criatividade na organização do ataque, de ineficácia na finalização, de falta de qualidade de alguns elementos ou até de infelicidade face a algumas decisões. Tem esses problemas todos ao mesmo tempo. E no segundo 0-0 consecutivo contra o Belenenses de nada serviu a Nuno Espírito Santo recuperar Brahimi e Ruben Neves, cuja presença até vinha sendo reclamada há algum tempo, porque lhes faltou o contexto. Além de ser uma equipa mal trabalhada do ponto de vista do ataque organizado, a este FC Porto já lhe falta confiança em cada movimento, nota-se-lhe a indisponibilidade para assumir o risco de muitos jogadores, que com medo de falhar preferem jogar seguro a procurar o desequilíbrio – e nesse particular Brahimi até foi dos poucos que chamou a si as decisões de risco, acabando até por meter alguns bons cruzamentos na área. A questão é que essa predisposição para o risco também não é ajudada pela presença em campo de jogadores que estão num patamar claramente inferior de qualidade. E aqui, falo por exemplo de Depoitre. Porque quanto mais vejo jogar este lento e complicativo avançado belga mais me confunde que, mesmo com toda a sua altura, possa ser ele o reforço de ataque para uma equipa que quer ganhar a Liga e chegar longe na Champions. Não me recordo de um FC Porto com um avançado tão fraco desde que Tomislav Ivic “inventou” o comprido Vinha para a frente quando queria desbloquear jogos. E Vinha até chegou a fazer alguns golos, como os fará inevitavelmente Depoitre se continuar a jogar. Mas não resolveu, como não resolverá Depoitre, por mais que o treinador o faça jogar. O empate, mais um a chamar lenços brancos às bancadas onde estão adeptos portistas, pode até deixar Nuno Espírito Santo com vontade de acordar cedo para continuar a trabalhar amanhã, mas diminui-lhe ainda mais a margem de manobra e pode deixá-lo em breve sem razões profissionais para se levantar da cama. Contra o Sp. Braga e o Leicester, os adversários que aí vêm, só duas vitórias interessam, porque só ganhando aos minhotos os dragões regressam ao Top 3 da Liga e só batendo o segundo terão a certeza de seguir para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões sem depender do resultado entre Copenhaga e Brugges. E para isso são precisos golos.
2016-11-29
LER MAIS

Último Passe

Toda a gente que viu o Benfica ganhar ao Moreirense enaltecerá a prestação de Pizzi, autor dos primeiros dois golos dos encarnados. Mas para se perceber como é que um homem que joga como segundo médio consegue ser um dos melhores marcadores da equipa de Rui Vitória é preciso colocar os olhos mais à frente, na mobilidade de Raul Jiménez e Gonçalo Guedes. Sobretudo do primeiro, que foi a novidade apresentada hoje pelo treinador encarnado. É que a relação de Pizzi com o golo cresce exponencialmente com o mexicano em campo. Pizzi tomou parte em 19 partidas do Benfica nesta temporada, entre Supertaça, Liga, Liga dos Campeões e Taça de Portugal. Nelas, contabiliza 1603 minutos em campo e sete golos marcados. Mas comecemos então a detalhar as coisas. Destes 1603 minutos, 1071 foram com Mitroglou na frente e apenas 284 com Jiménez (há ainda a registar 23 minutos com os dois avançados em simultâneo e 225 sem nenhum deles). Ora a questão é que com Mitroglou à sua frente Pizzi fez três golos (um a cada 357 minutos), tendo marcado os outros quatro com Jiménez (um a cada 71 minutos). Os números explicam aquilo que os olhos vêem. Isto é, que Jiménez é um ponta-de-lança muito mais móvel, que sai mais da zona de finalização, dessa forma permitindo a entrada dos médios até junto do golo. Foi o que aconteceu no lance do primeiro golo do Benfica hoje, por exemplo, uma jogada que nasce em Jiménez na esquerda e acaba com remate de Pizzi na cara do guarda-redes. Mais a mais depois da quase crucificação de Mitroglou pela ocasião falhada em Istambul, que podia ter dado ao Benfica o 4-1, seria demasiado fácil concluir desde já que os encarnados deviam jogar com o mexicano em vez do grego. Mas não. O que estes números mostram não é que seja melhor para o Benfica jogar com Jiménez. Mostram, sim, que a entrada do mexicano muda a forma de atuar de Pizzi, que lhe pede outras responsabilidades, e que o transmontano, sendo um jogador inteligente, não lhes foge como podia fazer. E mostram ainda que o Benfica tem mais de um método para chegar ao golo, o que, mesmo tendo em conta a predileção encarnada pelas conclusões em transição e ataque rápido, acaba por ser um ponto a favor do trabalho de Rui Vitória.
2016-11-27
LER MAIS

Último Passe

Os 340 minutos de futebol que o FC Porto leva sem marcar golos desde que Diogo Jota faz o 1-0 frente ao Benfica, no Dragão, há três semanas, chegam para justificar o ar resignado com que Nuno Espírito Santo se apresentou hoje na sala de imprensa do Restelo, após o empate com o Belenenses. O resultado foi mau, porque deixa os dragões dois pontos atrás do Sporting e pode levar ao aumento da desvantagem face ao Benfica para sete pontos já no domingo. E foi flagrante a diferença no olhar do treinador face à chispa confiante que se lhe tinha visto, por exemplo, após a vitória por 3-0 sobre o Arouca, enquanto desenhava para a plateia de jornalistas os pilares em que queria ver a sua equipa assentar o jogo. Hoje não faltou comunicação, compromisso ou cooperação. O que mais faltou foi qualidade. O que mudou desde esse jogo com o Arouca? Ou desde a muito boa exibição contra o Benfica, há três semanas, onde a qualidade ficou à vista de todos? Estas são perguntas com respostas diferentes. As diferenças entre o FC Porto de todos os dias e o FC Porto que encostou o Benfica atrás têm a ver com fatores tão díspares como a motivação dos jogadores para um clássico ou um maior investimento do treinador no delinear da estratégia. O jogo com o Benfica, com variantes interessantes, como a derivação de Oliver para a meia-esquerda, onde com Alex Telles e Otávio foi capaz de tapar a saída a Nelson Semedo e desequilibrar o Benfica, teve dedo de treinador. Tanto na forma como o FC Porto subjugou o tricampeão nacional como mais tarde na forma como lhe permitiu vir à procura do empate, quando tirou do campo quem tinha capacidade para ter a bola. O jogo com o Arouca foi diferente: o FC Porto fez uma muito boa exibição sobretudo porque aquele que é o ponto fulcral do “jogar à NES” – a reação forte à perda da bola – chegou para quase impedir o opositor de sair dos últimos 30 metros. Começando muitas vezes a atacar ali à frente, asfixiou o adversário, dando o mote para justificar uma ideia recorrente acerca deste FC Porto: bom não é ter a bola; bom é que o adversário a tenha, para poder recuperá-la em condições de o surpreender na transição ofensiva. O problema coloca-se quando a frescura física e mental dos jogadores envolvidos nessa pressão não é a ideal ou quando o adversário tem mais categoria e consegue sair da teia, como fez o Belenenses hoje. Aí, o jogo é transportado para outro segmento: o da qualidade. E aqui, o FC Porto não tem conseguido fazer a diferença com os onze que entram nem com as alternativas. Ainda hoje se viu: Depoitre por Jota, para dar peso na áera e tentar superar as condições meteorológicas adversas com um jogo mais direto; André André por Oliver, talvez para ganhar intensidade de pressão, mas seguramente não capacidade para desequilibrar; e Varela por Otávio, quem sabe se para ganhar largura e um jogo mais retilíneo, ainda que com a consequência natural de, sem Oliver e Otávio, a equipa sentir ainda mais a falta de um médio que lhe dê qualidade em ataque posicional, como seria por exemplo Ruben Neves. A verdade é que nenhuma resultou e que o olhar pesado de Nuno Espírito Santo não faz prever que ele venha a ser agora tão claro como foi na semana passada, quando disse que a falta de golos ia deixar de ser assunto.
2016-11-26
LER MAIS

Último Passe

O empate do Sp. Braga na Bélgica, arriscando vir a fazer depender a continuidade na Liga Europa do resultado frente ao poderoso Shakthar Donetsk de Paulo Fonseca, na última jornada da fase de grupos da prova, não pode ser visto apenas à luz das declarações do diretor financeiro do Benfica, Domingos Soares Oliveira, que veio protestar contra os prémios insignificantes da competição quando comparada com a Liga dos Campeões. Disse Soares Oliveira que o dinheiro que se ganha na Liga Europa é tão pouco que nem os clubes portugueses a levam a sério. Mas nem todos podem pensar assim. Aliás, nem o Benfica devia pensar assim. A razão do dirigente benfiquista parece estar bem à vista, por exemplo, na carreira do Inter Milão, ontem matematicamente afastado dos 1/16 de final da segunda competição da UEFA depois de somar frente aos israelitas do Hapoel Beer Sheva a quarta derrota em cinco partidas, num jogo em que Stefano Pioli trocou cinco jogadores relativamente ao onze que empatou no fim-de-semana com o Milan. Para o Inter, a Liga Europa vale pouco mais de zero, porque o prize-money que ali pode alcançar não faz nenhuma diferença no orçamento da sociedade. Soares Oliveira assenta ainda o que diz na experiência do próprio clube português, que com Jorge Jesus chegou a duas finais da Liga Europa, depois de fracassar na Champions, mas colocando sempre a Liga interna à frente e poupando jogadores até à fase decisiva da competição internacional. Aliás, o próprio Jesus parece ainda pensar assim, não tivesse ele repetido depois da derrota com o Real Madrid que o Sporting tem de se afirmar primeiro em Portugal, para depois poder andar na Europa. Os prémios monetários que a UEFA paga pela progressão na Liga Europa são, na verdade, escandalosamente mais baixos do que na Champions. Nisso, Soares Oliveira tem razão. Se conseguir o segundo lugar no grupo, o Sp. Braga irá ainda buscar um valor na ordem do milhão de euros (um pouco mais se o fizer ganhando ao Shakthar, um pouco menos se se apurar empatando ou até perdendo o último jogo). Depois disso, cada eliminatória vai valendo mais à medida que a prova se aproxima do fim: 750 mil euros por chegar aos oitavos-de-final, um milhão para atingir os quartos, 1,6 milhões pelas meias-finais, mais 3,5 milhões se for finalista vencido ou 6,5 milhões se ganhar a decisão. Para uma equipa como o Sp. Braga, atenção, esses valores já fazem diferença. Aliás, já a fizeram para o Benfica nos anos em que chegou às finais. E não apenas pelo que pesaram na realização orçamental. É que a partir de certa altura os jogadores ganham visibilidade e tornam-se alvos mais apetecíveis no mercado, o que não é despiciendo para clubes de um país periférico e sempre a precisar de realizar mais-valias com transferências, como são os portugueses. E, mesmo que o Benfica tenha esse problema resolvido através da parceria que estabeleceu com Jorge Mendes, até à recente alteração das regras de escalonamento das equipas para o sorteio, privilegiando os campeões dos países mais bem colocados no ranking da UEFA, foi em grande parte aos pontos que foi somando na Liga Europa que os encarnados ficaram a dever as suas sucessivas colocações no Pote 1 da Champions e os grupos menos complicados que tiveram de enfrentar nesta competição. É também por isso que o apuramento para a fase seguinte da Liga Europa é tão importante para o Sp. Braga e até para o Sporting, que por ele vai lutar em Varsóvia, sendo um mal-menor para Benfica e FC Porto, que ainda podem continuar na Liga dos Campeões mas para quem a Liga Europa não pode ser uma hipótese desprezível. Por mais que os prémios não cheguem para virar a cabeça de quem faz as contas todos os semestres.
2016-11-24
LER MAIS

Último Passe

Que este é um Benfica cheio de contradições, já aqui foi escrito vezes sem conta. Mas o empate frente ao Besiktas em Istambul, após estar a ganhar por 3-0 a meia-hora do fim, foi o expoente máximo da bipolaridade encarnada, da forma como esta equipa é capaz de alternar o melhor com o pior. O melhor, com as armas do costume, durou uma hora e devia ter chegado perfeitamente para sentenciar o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. O pior, na incapacidade para controlar um jogo quando deixa de ter a bola, adiou tudo por duas semanas e cobriu a última jornada do grupo de incerteza, com a hipótese de Benfica e Napoli se defrontarem quase como se fosse em eliminação direta. O futebol está cheio de clichés que este Benfica desmente a cada vez que entra em campo. Rui Vitória tem muitos jogadores velozes na frente e para muitos isso faria todo o sentido numa equipa especializada em contra-ataque e ataque rápido, mas a rapidez de pernas e de decisão de muitos destes elementos transforma este Benfica numa máquina a jogar em ataque organizado, primeiro fixando as linhas defensivas adversárias no local onde têm de estar só para poder depois dinamitá-las. Foi a isso, que aliás já se vira nos 6-0 ao Marítimo, que se assistiu no arranque do jogo de Istambul e na forma como o Benfica chegou a 3-0. Depois, Vitória tem muita gente forte na reação à perda da bola, o que permite à equipa muitas recuperações altas, e devia transformar o Benfica numa máquina defensiva. E a verdade é que, na maior parte dos casos, isso acontece. Só que, fortíssimo em transição defensiva, na definição desse primeiro momento de pressão, este Benfica sofre essa reação inicial falha e a equipa se vê obrigada a fazer duas coisas: a passar mais tempo sem a bola e a abusar do momento de jogo que menos lhe agrada, que é a organização defensiva a qual todas as equipas que passam mais tempo sem bola se vêem obrigadas a recorrer. Aí, já se lhe notam lacunas de preenchimento de espaços. Claro que no empate de Istambul há erros à mistura: nem outra coisa seria possível quando se fala de uma recuperação de 0-3 para 3-3. Há erro de Lindelof na forma como concede o penalti que origina o segundo golo turco, há deficiências de agressividade no ataque à bola no golo do empate, como há também um erro de Rui Vitória na forma como, trocando Guedes por Samaris, leva a equipa para onde ela é menos forte – para trás. Guedes é uma das chaves do comportamento defensivo do Benfica na frente e apesar de toda a sua inteligência tática, Pizzi corre menos e não condiciona os adversários como ele faz. Tendo em conta que todas as equipas atacam e defendem com onze, a troca de um avançado por um médio defensivo não leva necessariamente a que uma equipa defenda melhor – leva, isso sim, a que ela defenda noutra zona. E essa troca de zona de foco defensivo custou caro ao Benfica.
2016-11-23
LER MAIS

Último Passe

Benfica, Sporting e FC Porto têm todos, esta época, uma jovem coqueluche. E não há como não ficar entusiasmado com o rendimento de Nelson Semedo, Gelson Martins e André Silva, as melhores notícias do futebol português nesta época. Por indiscutível mérito próprio e dos treinadores que neles apostaram, mas também – se calhar sobretudo – de quem desenhou os plantéis sem consagrados que viessem atrasar a sua natural imposição. Seriam os mesmos jogadores se Maxi Pereira e André Carrillo não tivessem desertado? E se Aboubakar não tivesse sido forçado ao exílio na Turquia? Duvido. Sempre achei que não há treinadores com vontade de apostar na juventude e outros menos propensos a isso. Todos os treinadores querem o mesmo, que é ganhar. Jorge Jesus, o treinador que o Benfica terá deixado cair por não querer abraçar o novo paradigma de aposta nos miúdos do Seixal, está agora a jogar reiteradamente com Ruben Semedo e Gelson Martins no Sporting, remetendo para o banco consagrados como Douglas ou Markovic. É por isso que sempre desconfiei dos que o acusavam de ter deixado que se perdessem talentos como Bernado Silva, André Gomes ou João Cancelo, todos eles hoje na seleção nacional, mas transferidos pelo Benfica antes de terem tido sequer a oportunidade de se afirmarem na equipa principal. Jesus foi bruto na forma como tentou matar os sonhos destes jovens, com a famigerada frase do “têm de nascer dez vezes”? Claro que foi. Jesus é bruto, ponto final. Já o tinha sido no passado e voltará a sê-lo no futuro. Faz parte da personagem que ele encarna. Mas daí a ser o único responsável pelo facto de aqueles três internacionais nunca se terem afirmado na Luz já vai uma distância que me recuso a percorrer. Vejamos o caso de Cancelo, atualmente titular na lateral direita da seleção, depois de quase ter passado diretamente do Benfica B para o Valência. Cancelo pouco jogou no Benfica porque à sua frente estava Maxi Pereira. E agora olhemos para Nelson Semedo, que do meu ponto de vista é até superior a Cancelo, sobretudo na forma como defende. Seria ele o jogador que é se Maxi tivesse ficado no Benfica em vez de assinar pelo FC Porto? Claro que não. Porque lhe faltaria aquilo que faz verdadeiramente os grandes, que é a competição. A verdadeira mudança de paradigma no Benfica, o que permitiu nos últimos doze meses a afirmação de jovens como Renato Sanches, Nelson Semedo, Gonçalo Guedes ou Lindelof, tem mais a ver com a ausência de alternativas indiscutíveis no plantel – quase sempre por causa de lesões – do que com a mudança de treinador. Claro que, até pelo seu percurso ligado à formação, Rui Vitória trabalha melhor os miúdos do que Jesus, transmite-lhes uma confiança que este nunca seria nem alguma vez será capaz de transmitir. E isso também conta. Mas nem Nelson jogaria tanto se houvesse Maxi nem nenhum dos outros estaria hoje onde está sem as ondas de lesões que lhes deram as primeiras oportunidades. O mesmo vale, aliás, para Gelson Martins. Estaria Gelson onde está se Carrillo não tivesse querido mudar para o Benfica? Claro que não. Carrillo era no início da época passada o maior desequilibrador do plantel do Sporting e, mesmo tendo ele afirmado em entrevista que Gelson era o miúdo com mais talento que alguma vez tinha treinado, Jesus faria sempre a equipa com o peruano. Aliás, no íntimo e mesmo que o não diga, o treinador há-de estar convencido de que se Bruno de Carvalho não tivesse imposto o ostracismo a Carrillo a partir do momento em que este se recusou a renovar contrato, teria sido campeão. Afinal, ele tinha sido campeão em 2014/15 no Benfica, com Nelson Semedo na equipa B e Maxi a jogar durante meses, depois de se recusar a renovar. Sem Carrillo, a aposta em Gelson foi tão natural como a de Rui Vitória em Gonçalo Guedes quando se viu privado de Salvio e agora de Jonas. E, por mais hesitante que tenha parecido a primeira época, na qual Gelson terá nascido umas quantas vezes, o extremo é ao segundo ano uma das figuras da equipa e um fixo da seleção nacional. Nenhum caso será tão paradigmático, no entanto, como o de André Silva. Não se pode acusar José Peseiro de andar desatento aos jovens: foi ele que deu continuidade a João Moutinho, por exemplo, levando-o a jogar uma final europeia com 18 anos. E no entanto, na época passada, depois de dar a titularidade a André Silva, reverteu a aposta antes do clássico com o Sporting, recuperando Aboubakar. Quando lhe pediram para justificar a ausência de André Silva no Europeu, aliás, Fernando Santos até se deu ao luxo de dizer que tinha ido vê-lo ao clássico mas ele não tinha jogado. A administração portista terá encaixado a direta e, para evitar recuos na aposta naquele que pode ser o bastião do portismo nos anos que aí vêm, substituiu-se ao mercado: sem propostas por Aboubakar, mandou-o para a Turquia sem remissão, por empréstimo. E essa foi a forma de o FC Porto e a seleção ganharem o ponta-de-lança que fazia (a ambos) tanta falta.
2016-11-21
LER MAIS

Último Passe

A forma como o Benfica destroçou o Marítimo serviu a toda a gente menos aos adeptos da equipa madeirense, que têm ali muito com que se preocupar. Serviu aos benfiquistas para mostrarem que a sua equipa está fortíssima: afinal de contas, os 6-0 são sempre um resultado imponente, mais a mais se contra uma equipa do mesmo escalão. E serviu aos portistas e aos sportinguistas para fazerem valer a tese segundo a qual frente ao Benfica a generalidade das equipas de menor dimensão comete erros infantis: os três primeiros golos encarnados nasceram de bolas que os insulares chegaram a ter controladas, dentro ou pelo menos nas imediações da sua área. O que uns e outros ainda não perceberam, no debate permanente e sempre hiperbolizado ao extremo, é que estão a dizer exatamente a mesma coisa. Dizem os benfiquistas que o Benfica está muito forte e têm razão. A forma como o onze de Rui Vitória parece adormecer os adversários no início do processo ofensivo, com um ritmo propositadamente mais baixo antes de meter as mudanças de velocidade à entrada dos últimos 30 metros, parte as defesas, que estão sempre obcecadas com a diminuição do espaço entre linhas, explorando-lhes as deficiências no controlo da profundidade e da velocidade. Seja por dentro ou por fora, seja no corredor central ou nas alas, o Benfica mete muitas vezes gente com bola atrás da última linha dos adversários e isso resolve-lhe os jogos. Depois, dizem os adeptos rivais que toda a gente parece facilitar a tarefa ao Benfica e, olhando pelo menos para o jogo desta noite, também tiveram razão. Aqui, as razões são duas. Por um lado, a pressão que a equipa de Rui Vitória mete na saída de bola dos opositores convida ao erro. Por outro, a falta de capacidade que estes mostram para tirar a bola das zonas de pressão leva ao reiniciar do processo e a mais uma vaga de ataque do Benfica. No fundo, a explicação para este Benfica avassalador com os pequenos e mais débil nos jogos com equipas do seu nível escreve-se com uma palavra: investimento. A qualidade do Benfica no processo ofensivo depende de duas coisas: das mudanças de velocidade e da posse de bola. A posse de bola depende de outras duas coisas: da capacidade para a recuperar rapidamente e da qualidade que o adversário (não) tem na sua circulação, de forma a conseguir mantê-la. Quando o adversário consegue, como o FC Porto, ter a bola e iludir esta primeira pressão – e a generalidade das equipas mais fortes têm gente capaz de sair a jogar – transporta o jogo para zonas e momentos nos quais o Benfica investe menos e é capazes de expor as debilidades que esta equipa tem. Por isso, nem o Benfica está uma equipa perfeita e imbatível, nem os adversários perdem os jogos de propósito. E em nome da sanidade do debate, seria excelente que uns o outros compreendessem isso.
2016-11-19
LER MAIS

Último Passe

O facto de ter sido André Silva, sempre um dos melhores da equipa, a falhar o último penalti na eliminação do FC Porto da Taça de Portugal, em benefício do Desp. Chaves, pode até retirar um pouco de peso à decisão tomada por Nuno Espírito Santo, que antes mandara Depoitre bater a penúltima grande penalidade, tendo o belga também permitido a defesa a António Filipe. Não concordo com Jorge Simão, treinador dos flavienses, que reduziu o desfecho de um desempate por penaltis à sorte – e creio que o guardião do Chaves, que defendeu três remates, também não concordará – mas o que se espera do FC Porto numa eliminatória como esta é que não deixe as coisas chegar tão longe. E, nesse aspeto, bem mais penalizadora que a escolha do até aqui desastrado Depoitre me pareceu a decisão de Nuno Espírito Santo não chamar ao jogo Brahimi, cuja criatividade poderia ter ajudado a desfazer o 0-0 que durou 120 minutos, a segunda metade dos quais com o FC Porto quase sempre instalado no ataque. Hoje estão de parabéns o Chaves e Jorge Simão, como é evidente. Mas este Chaves não me pareceu sequer tão forte como tinha demonstrado contra o Benfica, num jogo que perdeu com alguma infelicidade – o que é diferente de tê-lo perdido por azar. Não creio que tenha sido o Chaves a piorar, admito que tenha sido o FC Porto a bloquear sempre bem as saídas venenosas do adversário, o que lme eva a não ser capaz de dizer que os dragões tenham jogado mal. O FC Porto foi a melhor equipa em campo e, mais, a partir dos 60’, foi a única com andamento para chegar à baliza adversária. Fosse por incapacidade física, técnica ou tática, o Chaves – que tinha mostrado boas ideias no arranque do jogo – deixou de conseguir sair a jogar e aceitou o papel de saco de boxe: desde que o FC Porto não marcasse no processo, tudo estaria bem para os donos da casa. E a verdade é que o FC Porto não marcou. Nuno começou em 4x3x3, com dois extremos velozes e diretos: Varela de um lado e Jota do outro. Passou durante o jogo para um 4x4x2, com Depoitre perto de André Silva, motivando um jogo mais direto. Mais tarde chamou Evandro e Layun, mas deixou no banco Brahimi, que é possivelmente o mais criativo de todos os jogadores do plantel. Quando pela frente tinha uma equipa que baixava as linhas, que fechava todos os espaços de acesso à sua baliza e o importante era conseguir um golpe de prestidigitação, o FC Porto abdicou do seu jogador mais incontrolável. A não ser que existam fatores extra-rendimento desportivo desconhecidos de quem está de fora a justificar o constante ostracismo ao argelino, tudo parece resumir-se precisamente à imprevisibilidade do jogador, ao facto de ele ser tão incontrolável para os adversários como é para o seu próprio treinador. Mas é uma decisão de risco. E é uma decisão que não creio que Nuno Espírito Santo mantenha em Copenhaga, na terça-feira, se chegar a estar perante a possibilidade de se atrasar na obtenção de mais um objetivo, que é a qualificação para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões.
2016-11-18
LER MAIS

Último Passe

Sempre que um grande defronta um clube de muito menor dimensão em jogo da Taça de Portugal, a conversa mais frequente é acerca de motivação. Da falta de necessidade do treinador do clube mais pequeno motivar os seus jogadores, porque estes estarão já naturalmente espicaçados pela hipótese de se mostrarem a uma audiência muito mais ampla que a normal, mas também da dificuldade do responsável do clube mais forte em focar os seus homens num jogo de resultado previsível e onde estes terão muito mais a perder do que a ganhar. Essa não é, no entanto, a principal variável em campo. Muito mais importantes são a qualidade e o entendimento coletivo, já para não falar do ritmo competitivo ou da confiança que faltam quase sempre aos que aparecem ali como se aquela fosse a sua última praia. No Sporting-Praiense, o que permitiu aos açorianos ficar dentro da eliminatória durante boa parte da partida – na verdade até ao 3-1, que apareceu a meia-hora do fim – não foi a motivação por defrontar um grande ou por jogar em Alvalade. Foi o entendimento que os seus jogadores mostraram entre si, porque estão habituados a jogar uns com os outros e formam uma verdadeira equipa. Depois, o que permitiu aos leões dar a volta à eliminatória até ao 5-1 final não foi a vontade de mostrar serviço dos nove suplentes habituais chamados ao onze por Jorge Jesus, mas sim a qualidade dos dois titulares (Adrien e, sobretudo, Bruno César) que, por não terem jogado na pausa para partidas de seleções, ficaram na equipa inicial. Porque a motivação, nascida da tal vontade que os suplentes mais habituais podem ter de justificar mais chamadas à equipa, pode muito bem dar bons ou maus resultados: no Sporting, aquilo de que mais gente vai lembrar-se é de mais um jogo desastrado de Castaignos, com especial relevo para uma trivela que, a meio da segunda parte, mais pareceu saída de uma tarde de convívio entre solteiros e casados. Quer isto dizer que fazem mal os treinadores que, face a jogos desta natureza, mudam o onze de forma radical? Não. A questão é que os jogadores chamados para este tipo de jogos não são – não podem ser – tão maus como aparentam. Castaignos, por exemplo, tem uma história atrás dele e, por muito que a mais recente seja negra, tem de ser melhor do que o que se viu. Ou do que os dois golos de André, depois de o substituir, podem ajudar a fazer crer. O que lhe falta – a ele, como a Douglas, a Esgaio, a Jefferson ou a Alan Ruiz, por exemplo – é ritmo competitivo. E a confiança que nasce nele. Essa, porém, não vai aparecer por decreto.
2016-11-17
LER MAIS

Último Passe

Tenho evitado entrar na polémica do túnel de Alvalade, até porque não tenho nada de relevante a acrescentar ao que toda a gente viu: muita gente a portar-se mal, dos dois lados da barricada. Como não sou juiz, não decreto sentenças nem atribuo culpas. Como não sou advogado nem procurador, não faço a defesa de uns nem a acusação de outros. Sou jornalista. E os jornalistas aquilo que mais fazem são perguntas. É a única coisa que posso fazer neste caso. Deixo, assim, as perguntas que gostaria de fazer aos intervenientes neste caso, porque me parece que ainda não foram devidamente respondidas. Por que razão se dirigiu Carlos Pinho a Bruno de Carvalho de forma apressada e intempestiva, indo mesmo de braço em riste até ao confronto? Houve alguma provocação anterior feita por Bruno de Carvalho? O que disseram um ao outro nessa ocasião? O presidente do Sporting cuspiu na cara de Carlos Pinho? Ou mandou-lhe com vapor do cigarro eletrónico para a face? Se cuspiu e tendo em conta as acusações que foram feitas na altura (insultos e tentativa de agressão), isso não era suficientemente relevante a ponto de ter sido citado na conferência de imprensa que se seguiu pelo diretor desportivo do Arouca? Se vaporizou, isso é um comportamento digno? O que disse o steward a Carlos Pinho para, mesmo tendo ele os braços erguidos e abertos, o presidente do Arouca lhe ter dado um “safanão”? Acha digno tentar bater num homem cuja única intenção era, aparentemente, acalmar os ânimos? Para que estava o presidente do Arouca a chamar reforços de dentro do seu balneário? O que disseram os jogadores que compareceram por ali a acalmar a guerra aos seus presidentes? E os adeptos? Por acaso são capazes de se rever no comportamento dos respetivos dirigentes? Enquanto não souber a resposta a estas onze perguntas, não sou capaz de ter opinião acerca dos incidentes a não ser esta: ali, tirando os futebolistas, ninguém se portou bem. É por isso que gosto mais de falar de futebol.
2016-11-16
LER MAIS

Último Passe

Não há-de haver um adepto de futebol que não tenha gostado da resposta que a Federação de São Marino deu a Thomas Müller, depois de o craque alemão do Bayern se ter queixado da perda de tempo que é ter de defrontar equipas como aquela nas eliminatórias do Mundial. Entre os que se emocionaram com os dinheiros que vão para a construção de campos nas escolas, os que se riram com a imagem das sandálias com meias brancas, tão própria da falta de gosto dos alemães, e os ficam felizes por ser possível a amadores defrontarem os campeões do Mundo, ninguém deixou de aplaudir. Mas agora que a festa está bonita, vamos lá a pôr um pouco de bom-senso na conversa e ver o lado correto entre as duas realidades. Não tenho nada contra os jogos entre seleções como a Alemanha ou Portugal e outras como Andorra ou São Marino. Como espetáculo valem pouco mais de zero e são, como alertou Müller, um “risco idiota”, porque alguém pode magoar-se sem haver nada em disputa, mas para os representantes daquelas nações aquele é sempre um momento marcante. Nunca defrontei Bobby Fischer ou Anatoly Karpov num tabuleiro, quando era aspirante a xadrezista, nem tive alguma vez a oportunidade de placar Jonah Lomu ou Julian Savea numa das minhas incursões pelo râguebi, mas uma vez, estava eu junto ao relvado onde a seleção nacional de futebol jogava aquele meinho que se faz sempre antes do treino a sério, e a bola veio ter comigo. E não só a devolvi para o grupo onde estava Ronaldo com um toque de primeira, como o fiz de pé esquerdo. Estranhamente, nenhum dos nossos internacionais valorizou o gesto técnico que eu acabara de protagonizar: continuaram todos na galhofa. Como digo, não tenho nada contra os jogos entre seleções como a Alemanha e equipas como a de São Marino. Acho contra-producente que se joguem nesta altura do ano, na qual os jogadores de top estão demasiado concentrados em competições de clubes, e por isso já propus que as datas FIFA para os jogos de seleção se concentrassem todas no final da época, de forma a evitar estas constantes mudanças de foco com as quais ninguém ganha a não ser as companhias aéreas que fazem voos de longo curso entre a Europa e a América do Sul. De resto, sou dos que acredita na componente aspiracional dos desafios de futebol: todos devem poder jogar contra todos, desde que mostrem mérito para tal, razão pela qual nunca achei que as eliminatórias dos Mundiais ou dos Europeus devessem jogar-se com duas ou três divisões e fui e serei sempre contra Superligas fechadas, sem subidas nem descidas, sem um modelo que permita a qualquer clube lá chegar. A realidade recente, porém, com a dissolução de tantas nações e o aparecimento de seleções com pouca razão de existir – Gibraltar, Andorra, qualquer dia o Vaticano, a Madeira, os Açores ou até o Baixo Alentejo – transformou a maioria dos calendários de seleções num aborrecimento quase permanente. Porque em cada dez jogos, as seleções de top só são verdadeiramente postas à prova duas ou três vezes. E isso não só vem complicar muito a vida a quem tem por missão exigir àqueles jogadores rendimento permanente como muda radicalmente o panorama que os adeptos da minha geração viveram ao crescer, onde as datas de seleções eram uma espécie de ponto alto do calendário. É isso que importa recurperar. E não se fará com muitos jogos entre a Alemanha e São Marino.
2016-11-15
LER MAIS

Último Passe

A seleção nacional completou com a vitória frente à Letónia o último compromisso previsto para este ano de 2016, dando a sensação de que tem tudo para ganhar sempre até à decisiva partida com a Suíça, daqui a onze meses, na qual definirá se vai direto ao Mundial de 2018 ou se tem de passar pelo play-off. O jogo do Algarve não foi brilhante, pode até defender-se que os 4-1 finais, sendo justos, não espelham a incerteza de que o resultado chegou a rodear-se, mas basta olhar para a totalidade de recursos de que esta equipa dispõe para se entender que ela nunca pode ficar fora do Mundial. Não é por ser campeã da Europa. É por ter tantas e tão boas soluções para quase todos os problemas que possa vir a enfrentar. Todos menos um: a necessidade de se transformar numa equipa avassaladoramente ofensiva quando a oposição baixa de nível mas é, mesmo assim, suficientemente competitivo para criar problemas, como a Letónia ou a Hungria. O jogo com a Letónia, quem acabou por ajudar mais a resolvê-lo foi Quaresma, com os dois cruzamentos para os dois golos com que a equipa respondeu de imediato ao problemático empate dos letões, a 20 minutos do fim. Mas é inevitável reparar que a seleção acabou o jogo com João Cancelo, André Silva e Gelson, todos eles jovens que não estiveram no Europeu de França e que demonstram que a renovação continua a ser feita e está assegurada pelo filão permanente que são os sub21 de Rui Jorge. Além disso, em campo também estiveram Guerreiro, William, André Gomes, João Mário ou Renato Sanches, todos eles ainda com muitos anos pela frente na equipa nacional. Ronaldo pode até ter noites menos felizes – e apesar dos dois golos e das duas bolas nos ferros o jogo de ontem esteve longe de ser perfeito para ele – que a equipa acaba por encontrar o caminho e chegar às vitórias. Pela frente, Fernando Santos tem agora quatro meses sem competição até ao jogo com a Hungria, uma espécie de primeira pré-eliminatória para definir em que condições a equipa chega à decisão final com a Suíça (a segunda será a viagem a Budapeste, que os suíços até já venceram). E apesar de eu estar convencido de que os suíços ainda vão escorregar pelo menos uma vez até ao último dia (e tanto a receção à Hungria como as duas saídas às Ilhas Faroé e à Letónia podem servir), o fundamental mesmo é a equipa nacional entender que não pode falhar e precisa de repetir o percurso sem faltas que completou na última qualificação depois do arranque em falso que foi a derrota com a Albânia. Desta vez a derrota foi frente ao outro candidato à qualificação e isso complica as contas, mas a maior preocupação do selecionador nem será provavelmente essa. Será sim o facto de esta equipa nem sempre estar a conseguir jogar coletivamente com a qualidade que os seus componentes poderiam justificar e de numa fase de qualificação nem sempre poder impor a estratégia do contra-futebol que lhe valeu na fase final do Europeu. Olhando para o plantel jogador a jogador, Fernando Santos tem mais de duas soluções de qualidade para cada posição e poderia até sentir-se tentado a construir uma equipa com uma filosofia diferente. Uma equipa mais dominadora, que soubesse corresponder aos pedidos de maior “velocidade” e predominância atacante, seria seguramente mais eficaz numa fase de qualificação. E a verdade é que Portugal tem jogadores para a construir. Depois corria era o risco de se transformar numa espécie de Inglaterra, a melhor equipa do Mundo em fases de apuramento e uma desilusão permanente nas fases finais, porque não sabe mudar o chip quando a oposição sobe de nível. E isso também não seria nada bom.
2016-11-14
LER MAIS

Último Passe

Passei grande parte do Portugal-Letónia a achar que a seleção nacional estava a jogar pouco por dentro e a procurar com demasiada frequência os dois corredores laterais, onde era quase sempre travada em situações de inferioridade numérica. No final, Fernando Santos veio à sala de imprensa reclamar que a equipa insistiu demais no jogo interior e que devia ter ido mais vezes à procura dos corredores laterais. E no entanto ambos queríamos dizer o mesmo: que a seleção estava a cair onde não tinha condições para criar situações de desequilíbrio e que por isso o seu futebol entrou em bloqueio atacante. O jogo com a Letónia acabou por se resolver nos corredores laterais, com a entrada de Quaresma. Só então, com o extremo do Besiktas de um lado e Gelson do outro (e mais tarde Ronaldo, quando o capitão encostou à esquerda e mandou o ponta sportinguista mais para dentro) Portugal começou a ter presença suficiente nas alas. Porque até aí Cancelo e Guerreiro tinham estado sempre muito abandonados, em virtude dos constantes movimentos interiores de João Mário e Nani, e eram quase sempre apanhados em momentos de um para dois com as duas duplas de duplas laterais que o adversário tinha, uma de cada lado. Se a bola chegasse à ala com rapidez suficiente para apanhar os adversários ainda a bascular, a mudar de um lado para o outro, até podiam criar lances de perigo, mas isso não era a norma. Na verdade, havendo adeptos de um jogo mais interior e outros de um futebol com mais largura, não creio que seja possível estabelecer a superioridade de uma das opções sobre a outra em abstrato. O que é importante é apenas e só a coerência. E se Fernando Santos queria jogo exterior, o erro foi ter entrado com dois alas que a cada oportunidade que tinham para o fazer vinham para dentro. A equipa só começou a ser ameaçadora no momento em que teve em campo gente capaz de executar a ideia escolhida pelo treinador: extremos flanqueadores para jogo exterior. E o problema não era de Nani e João Mário - a coisa também poderia resultar com os dois, desde que se mudasse a ideia e se apostasse mais nas tabelas entre as linhas do opositor para as penetrações pelo corredor central. É essa capacidade para dançar conforme a música que torna esta equipa forte e dá ao treinador garantias de que pode bater-se com qualquer adversário com chances reais de lhe ganhar. Desde que o faça com coerência.
2016-11-13
LER MAIS

Último Passe

Fernando Santos fez o seu papel ao alertar para as dificuldades que a seleção da Letónia pode vir a colocar a Portugal, mesmo (e sobretudo) tendo exagerado nas qualidades que atribuiu ao adversário. De resto, por tudo aquilo que têm dito durante a semana, também os jogadores parecem conscientes da realidade: este é um jogo que só pode ser para ganhar, tão grande é a diferença de qualidade entre as duas equipas. E mesmo tendo eu a convicção de que a Suíça acabará por perder pontos em alguma curva do caminho, a qualificação de Portugal decidir-se-á lá mais para a frente, no duplo confronto com a Hungria, marcado para Março e Setembro, antes de se jogar o fundamental Portugal-Suíça, no último suspiro da qualificação. Neste domingo, contra uma Letónia que ganhou a Andorra mas perdeu em casa com as Ilhas Faroe, uma seleção que já ficou em último lugar no seu grupo de qualificação para o Euro’2016 – ainda que empatando cinco dos dez jogos, quatro deles fora de casa, por exemplo frente a Islândia, Turquia ou Rep. Checa – Portugal tem tudo para ganhar. Não são a falta de Pepe, o desaparecimento da veia goleadora de Ronaldo no Real Madrid ou as dúvidas acerca do homem que o acompanhará no ataque que vão impedir a equipa nacional de somar mais três pontos e manter a pressão sobre a Suíça. Acredito que José Fonte e Bruno Alves chegam para o ataque letão, que a equipa pode manter dois laterais muito ofensivos, voltar a jogar sem médio centro posicional, colocar Nani numa das alas e entregar o centro de ataque a Ronaldo e André Silva e ganhar com tranquilidade mais três pontos. A batalha desta equipa, porém – e uma batalha que ela começou a ganhar no duplo confronto com Andorra e as Ilhas Faroe – é consigo mesma e passa por convencer-se que estas facilidades de calendário não podem implicar perdas de concentração ou divergências entre o discurso de empenho máximo que os jogadores vêm apregoando e a prática. Porque, repito, apesar de não acreditar que a Suíça possa chegar à última jornada com o pleno de vitórias – só a Inglaterra o fez na última qualificação, enquanto que nos grupos de apuramento europeu para o Mundial de 2014 ninguém cometeu tal proeza – aquilo que Portugal tem de fazer é repetir a caminhada 100 por cento vitoriosa que se seguiu ao arranque perdedor na última qualificação. E sobretudo tem de convencer o país de que é capaz de o fazer, para poder tê-lo às costas nos momentos decisivos. É por isso também que Fernando Santos diz o que diz. Porque isso é o que os jogadores precisam de ouvir neste momento.
2016-11-12
LER MAIS

Último Passe

Um jogador não faz uma equipa. Quando me perguntam o que conta mais para uma equipa ser grande, se os jogadores ou o treinador, inclino-me sempre mais para os que andam de chuteiras, mas o facto de Messi ainda não ter ganho um Mundial ou sequer uma Copa América com a seleção argentina permite todas as dúvidas. No rescaldo da derrota por 3-0 frente ao Brasil, que deixou a alviceleste provisoriamente fora das vagas de qualificação para o próximo Mundial, os comentadores argentinos viraram-se contra o melhor jogador. Mas acreditem: Messi não é o problema. Já se sabe que perder com o Brasil é a pior coisa que pode acontecer a um argentino, mas uma passagem pelo que se escreveu hoje em Buenos Aires deixou muitos ares de exagero, com o apontar de dedo a Messi e ao que chamam o seu “clube de amigos”. “Se o preço da sua chamada à seleção é continuar a chamar Di Maria, Agüero, Higuaín, Zabaleta ou Romero, prefiro uma refundação com um líder mais terra-a-terra”, escreveu Pablo Lafourcade no TycSports. “Se gostam tanto de estar uns com os outros, podem muito bem juntar-se numa mansão europeia a comer churrascos e a jogar cartas, mas na seleção não se pode vê-los mais”. Ora se quase todos estes jogadores são ganhadores a nível de clubes, o que está mal? Não se empenham? Faz pouco sentido a Argentina estar a apoiar-se em futebolistas que chegam fatigados dos seus compromissos europeus? Ou o que falta ali é a ideia de jogo? Messi, na ideia de jogo do Barcelona, faz a diferença. Vê-se isso todos os fins-de-semana e às terças e quartas-feiras na Liga dos Campeões. Na seleção argentina passa a ser um jogador banal. E a questão é que de nada serviria a Edgardo Bauza ver-se livre de Messi, como se ele fosse um empecilho, ou dos tais amigos que ele leva com ele à seleção, como se as eliminatórias do Mundial fossem aquele anúncio de batatas fritas com matraquilhos e uma taça pelo meio. Porque o que falta à Argentina é uma ideia, uma forma de coordenar os jogadores que tem com uma estratégia que lhe permita ganhar. Durante anos, Portugal andava convencido de que tinha os melhores do Mundo e queria jogar sempre bonito e positivo. Diziam que éramos o Brasil da Europa e nós, parolos, ficávamos todos contentes e deixávamos essa coisa de ganhar os jogos importantes para os outros. Quando Fernando Santos coordenou os jogadores que tinha à disposição com uma ideia de jogo, Portugal ganhou um Europeu. Com sorte? Claro. Não há outra forma de se ganhar quando não se tem os melhores. A Argentina tem feito um percurso inverso, dando quase sempre um tiro em cada pé. Usa jogadores burgueses e quer pô-los a jogar um futebol de operários. Já seria duvidoso que, com toda aquela qualidade, essa fosse a melhor aproximação. Mas é pior ainda quando ela é pedida a quem já não está habituado a ela há muito tempo. Deixem lá estar o Messi e a maior parte dos amigos dele. E entretanto arranjem uma ideia. Nem que seja a que Menotti levou em 1978 a uma das mais guerreiras seleções que alguma vez se sagrou campeã mundial. “A tocar, a tocar!”
2016-11-11
LER MAIS

Último Passe

Hoje lembrei-me de Tony Cottee. Não sabe quem é? Cottee é atualmente um simples comentador de futebol na TV em Inglaterra, mas aquilo que me levou a recordá-lo foram as declarações de Marco Verratti acerca do montante que é legítimo um clube pagar por um jogador. Porque Cottee bateu o recorde inglês de transferências em 1988, o ano em que comecei a minha carreira de jornalista e tinha a mania que sabia tudo acerca de futebol internacional. Na altura, quem perdeu a cabeça foi Colin Harvey, o manager do Everton, que pagou 2,2 milhões de libras (pouco mais de 500 mil contos, ou 2,5 milhões de euros, ao câmbio da época) para o contratar ao West Ham. E nunca chegou a justificar tão elevado montante investido: a ressacar a perda da equipa de Andy Gray, Southall, Gary Stevens ou Trevor Steven, o Everton não voltou a ser campeão inglês ou a brilhar na UEFA e, anos depois, Cottee estava de regresso ao West Ham como ponto de passagem para um clube na Malásia. Tudo isto a propósito de Verratti, o médio por quem Bayern, Chelsea e Juventus se têm interessado e por quem se diz que o Paris St. Germain pede 100 milhões de euros. Uns 40 Cottees, portanto. É certo que Verratti é muito melhor jogador do que Cottee alguma vez foi, mas aquilo que ressalta do que disse ontem é que também já vai bem lançado para o emular no comentário futebolístico. “Nenhum jogador devia valer 100 milhões de euros. É uma verba exagerada para toda a gente”, disse Verratti, continuando com o exemplo de Pogba: “Ele tem de mostrar todos os dias que pode ganhar um jogo sozinho”. E a verdade é que não pode. Os 100 milhões de euros são um exagero que só pode ser justificado fora de campo, por estrelas da magnitude de um Messi ou de um Ronaldo, arrastando para a mesa todas as dimensões do futebol-negócio. Pogba, com o devido respeito, não está ao mesmo nível nem dentro nem fora do relvado – por muito que a máquina do Manchester United possa potenciar o seu valor facial em termos de marketing. E Verratti muito menos. Só a total desregulação em que vive o mercado de transferências por estes dias poderia levar a tamanho exagero. E sempre com a certeza de que o destino o confirmaria como o Tony Cottee de 2017.
2016-11-10
LER MAIS

Último Passe

Algo de muito estranho se passa em Portugal para que, com dois vencedores da Bola de Ouro pela frente, toda a gente se preocupe sobretudo em saber, de um, se acha que o Sporting pode apanhar o Benfica na classificação da Liga e, do outro, que acaba de assinar uma renovação de contrato que o deixa em Madrid pelos próximos anos, se tenciona voltar a jogar no Sporting. Sei que Rui Costa estabeleceu um precedente invulgar, voltando ao Benfica depois de uma longa carreira em Itália – e não ganhou a Liga nesse regresso, que por isso não foi particularmente feliz nem para ele nem para o clube – e que quase todos os portugueses olham para o futebol não como um desporto, não como um negócio, mas como uma guerra de trincheiras. Como um nós contra eles. Um podemos nem ganhar nada com isso, mas depois de voltar do estrangeiro o craque x ou y provou que gosta é de nós e não deles. Como se isso importasse alguma coisa. Questionado sobre o regresso eventual ao Sporting, Ronaldo – para quem o futebol é uma profissão, na qual ele é parte fundamental de um mega-negócio, conforme se via só pelo facto de as perguntas serem parte da apresentação das novas chuteiras do craque – disse o que podia dizer. “Quem sabe aos 41 anos…” Essa é uma pergunta à qual, em bom rigor, ele neste momento não pode responder. Se o Real Madrid se fartar dele, se ele se fartar do Real Madrid, se não houver mais nenhum clube dos campeonatos de topo a querer contar com ele, se não houver nenhuma reforma num qualquer “Eldorado” onde ele possa impulsionar o negócio. São muitos ses. Bruno de Carvalho já disse que gostaria de o ter de volta, ele certamente também acharia graça à ideia, mas essa não é sequer uma questão atual ou uma questão à qual se possa responder de forma clara com um mínimo de honestidade intelectual. Inspirada na atualidade é a pergunta feita a Figo acerca da classificação da Liga, quando o antigo Bola de Ouro apresentava uma app de telemóvel destinada a ajudar na captação de talentos. Acha que o Sporting ainda consegue apanhar o Benfica? Figo lá balbuciou que sim, que é possível – e para o saber não é preciso ter sido Bola de Ouro – e que para bem dos sportinguistas era bom que isso sucedesse, mas certamente terá sido, pelo menos, surpreendido com a temática. Figo já não joga há uns anos e o futebol, para ele, já é mesmo só negócio. E se estivesse preparado para aquela pergunta até podia ter dito que sim, que o Sporting pode apanhar o Benfica na Liga, mas só porque o acordo que assinou com os encarnados para canalizar os jovens talentos captados pela sua app para o Seixal ainda não está em vigor. Fazia publicidade ao produto que estava a promover e respondia ao nonsense com nonsense.
2016-11-09
LER MAIS

Último Passe

As palavras de Nuno Gomes e Rui Costa acerca do negócio da formação, no “web summit”, casam melhor do que se pensa com as declarações do jornalista italiano Pippo Russo, em mais uma entrevista que este deu para promover o seu mais recente livro acerca do universo de Jorge Mendes. No fundo, ambos defendem a mesma coisa: um modelo de negócio que permita aos clubes florescer, tanto os ricos como aqueles que, como é o caso dos portugueses, vivem das mais-valias feitas com transferências no mercado internacional. A formação em futebol já não é o que era há uns 20 ou 30 anos, quando o FC Porto anunciava aos quatro ventos o primado do “jogador à Porto”, ganhando campeonatos com uma equipa cheia de futebolistas formados em casa. A globalização e a identificação dos jovens jogadores como um negócio em potência trouxeram desafios que Nuno Gomes e Rui Costa identificaram bem na conferência de hoje. Primeiro: por estes dias, o desporto para jovens paga-se. Segundo: por estes dias, os jovens com real talento nos clubes de mercados periféricos são detetados muito cedo e saem para os países ricos antes de poderem dar muitos títulos a ganhar a quem os forma. O modelo de negócio está no equilíbrio, na capacidade para, primeiro, iludir o crivo do poderio financeiro dos pais e, depois, fugir durante algum tempo à pressão dos grandes clubes para terem o próximo Ronaldo. Nuno Gomes deu o exemplo de Gonçalo Guedes e Bernardo Silva, dois jovens talentos cujos pais tiveram de pagar para que eles pudessem jogar nas escolas do Benfica. Ambos são já internacionais A, tendo o segundo saído por muito dinheiro para o Mónaco antes sequer de se afirmar na equipa principal do Benfica. Ora, o que teria sucedido se os pais destes jogadores não tivessem podido pagar para eles jogarem nas escolas do Benfica? Ter-se-ia perdido o talento? Certamente que não. Mas o Benfica iria perder o negócio. E é nesta busca de equilíbrio que está o segredo: em não impedir que os melhores acedam à melhor formação e em impedir, aí sim, que vão embora antes de contribuírem para a conquista de títulos. Porque só assim os clubes portugueses poderão cumprir o desejo de Rui Costa, que quer vê-los a competir no campo com os grandes de Inglaterra ou Espanha. Mas onde entra aí Pippo Russo? Na segunda parte da equação. Diz o jornalista italiano que, estando nas mãos dos grandes agentes e dos fundos de investimento, os clubes não ganham dinheiro. Que ganham nas transferências que fazem, mas como têm de manter o carrossel em funcionamento comprando igualmente caro, essa mais-valia esvai-se. Se olharmos para as dificuldades dos clubes portugueses em amortizar passivo, apesar das vendas que têm feito, teremos de concluir que tem alguma razão. Porque para vender caro, um clube tem de manter satisfeita a clientela. Ainda assim, estou convicto que nem um nem o outro lado da barricada no que respeita à relação entre clubes e fundos encontrou ainda a pedra filosofal da transformação da formação em negócio. Nem o Sporting, que rejeita fundos e super-agentes, não gasta assim tanto, mas depois também não tem a mesma facilidade de escoamento dos seus formandos no mercado internacional, como se viu nas propostas modestas que lhe chegaram pelos seus campeões da europa. Nem o Benfica ou o FC Porto, que trabalham com os super-agentes e os mega-fundos de investimento, conseguindo vendas milionárias mas sendo depois também forçados a fazer compras muito acima do preço de mercado. Esse equilíbrio, estou convicto, só chegará quando houver verdadeira regulação dos mercados. Mas, seja por razões políticas ou estratégicas, a FIFA, para já, não parece muito para aí virada.
2016-11-08
LER MAIS

Último Passe

Os clássicos têm sempre mensagens para quem as quiser ler. O de ontem, no Dragão, trouxe várias, mas a principal é que, continuando a ser o favorito, o Benfica ainda não pode cantar vitória na Liga. Não só porque não conseguiu ganhar e ampliar a vantagem sobre o FC Porto, caso em que o resto da época poderia ser a coisa mais parecida com um passeio de que há memória, mas também porque viu reduzida a que tem sobre o Sporting. Ainda são cinco pontos, em cima dos quais os encarnados podem fundar um favoritismo muito legítimo para chegarem ao tetracampeonato, mas a questão é que, pela frente, os tricampeões ainda têm mais três clássicos. E o de ontem voltou a mostrar como sofrem neste tipo de ambientes. A verdade é que o clássico mostrou um FC Porto perfeitamente capaz de se bater com o Benfica. Tivesse a equipa de Nuno Espírito Santo esta intensidade em todos os jogos da Liga e seguramente não teria empatado com o Tondela ou com o V. Setúbal e estaria em melhores condições para discutir o campeonato. Corona deu largura e repentismo, aliviando a pressão sobre Jota; André Silva conseguiu estar sempre em jogo, mostrando-se o jogador adulto que o BI diz que ainda não pode ser; e Oliver encheu o campo, a jogar atrás e à frente, a defender e a atacar sempre com qualidade. A questão, aqui, é sempre a de saber quando é suficiente e quando é preciso continuar a carregar. Contra o Benfica, com a motivação certa, a equipa portista deu provas de qualidade e encostou o adversário às cordas. Fez um golo, podia ter feito mais um ou dois, mas fracassou duas vezes. Falhou a finalizar quando se lhe pedia que fechasse o jogo e falhou no volume de jogo, quando achou que era altura de proteger o resultado mais perto da sua baliza e não de se manter a jogar alto, como até aí. E essa demonstração de fraqueza, o Benfica não a perdoou. Porque este Benfica pode sofrer sempre que defronta adversários do mesmo calibre, mas tem uma alma que só a conquista reiterada de títulos pode conferir a uma equipa. Há quem lhe chame estrelinha de campeão e dê à coisa ares de fortuna, mas nada podia estar mais errado: é nestas alturas que me lembro do que acontecia vezes sem conta ao Manchester United de Alex Ferguson, especialista em golos nos descontos. Mais. Lembram-se do empate em Alvalade, a uma bola, com um golo de Jardel nos descontos a dar ao Benfica de Jesus um ponto depois de ser dominado durante quase todo o jogo pelo Sporting de Marco Silva, lançando a equipa para o bicampeonato de 2015? No Dragão, ontem, passou a repetição desse filme. Ou a reprise do filme que teve como ator principal Kelvin, a dar ao FC Porto de Vítor Pereira o tricampeonato frente ao Benfica, em 2013. Rui Vitória continua a ter de gerir as constantes lesões – além de Jonas e Rafa, ontem faltaram-lhe Fejsa, Grimaldo e faltou-lhe Luisão a partir dos 20 minutos – mas continua a ser capaz de ir ao banco buscar alternativas para obter resultados. Lisandro, por exemplo, saltou do banco para ser o melhor jogador do Benfica: a ninguém como a ele assentaria tão bem o golo do empate. É certo que Samaris não confere à equipa a mesma competência de Fejsa nos momentos defensivos, mas até foram dele as primeiras duas situações de perigo no ataque: e na maior parte dos jogos, o que o Benfica tem de fazer é atacar. Os clássicos fogem à regra e é nesses que a equipa mais dificuldades tem sentido: o Benfica de Rui Vitória tem uma vitória e três derrotas com o Sporting e um empate e duas derrotas com o FC Porto, mas mesmo assim foi campeão e segue na frente da classificação, com vantagem folgada sobre os rivais. Cinco pontos talvez não lhe cheguem para mais três clássicos, mas a seu favor a equipa do Benfica terá sempre as outras 21 jornadas. É que nessas não costuma falhar. FC Porto e Sporting, por seu turno, não têm podido dizer a mesma coisa.
2016-11-07
LER MAIS

Último Passe

O empate entre FC Porto e Benfica, que deixa tudo na mesma entre as duas equipas no topo da tabela, resulta da excelente exibição do FC Porto durante cerca de 70 minutos, sempre a mandar no campo, mas também da reação benfiquista na ponta final de uma partida em que esteve encostado às cordas mas conseguiu ir ao fundo da alma buscar aquilo de que precisava para pontuar, já nos descontos. Sim, é verdade que até essa ponta final o meio-campo escalado por Rui Vitória nunca se impôs e o FC Porto podia até ter feito mais de um golo, mas também é certo que a reação benfiquista foi auxiliada pelas trocas feitas por Nuno Espírito Santo, a puxar a equipa para trás. Chegar aqui e decidir o que é mérito próprio ou demérito do adversário é conversa para ter na bancada dos sócios, que de qualquer modo andarão mais entretidos nas próximas horas a debater os méritos de decidir o resultado de um clássico no período de compensação. Essa impossibilidade chega até aos lances dos dois golos. No do FC Porto, há mérito na diagonal de Corona, a descobrir Diogo Jota, como na forma como este saiu de Nelson Semedo e chutou forte e colocado, mas também há culpas de Ederson, que permitiu que a bola entrasse entre ele e o poste mais próximo, o poste do guarda-redes. No do Benfica, viu-se um excelente cruzamento de André Horta e a habitual contundência de Lisandro nas bolas paradas ofensivas, mas também um erro de julgamento de Herrera, a ceder um canto despropositado, e a falta de resposta coletiva dos portistas, que não colocaram ninguém para impedir o canto curto e por terem voltado as costas à jogada deram todo o tempo e espaço do mundo a Horta para cruzar. O jogo foi muito interessante também no plano tático e estratégico. Nuno Espírito Santo fez o onze inicial que se impunha, mantendo Maxi Pereira e fazendo entrar Corona, para ganhar largura e repentismo no campo. Com uma excelente noite de Oliver – a melhor desde que regressou ao FC Porto – a equipa recuperava muitas vezes a bola ainda no meio-campo adversário, remetendo o Benfica a uma primeira parte com pouco ataque. Rui Vitória também fez o que se lhe aconselhava, não inventando e trocando os lesionados Fejsa e Grimaldo por Samaris e Eliseu, mas a equipa não respondeu. Fê-lo apenas quando, já em desvantagem, o treinador mexeu e devolveu Pizzi a uma das alas, mas com a incumbência de auxiliar Samaris e Horta, que a partir daí ficaram no meio, na batalha contra Danilo, Oliver e Otávio, que também procurava vir para dentro com frequência. Vitória ainda reforçou o ataque com Jiménez, ao mesmo tempo que Espírito Santo ia puxando a equipa para trás: Ruben Neves por Corona, Layun por Oliver e Herrera por Jota. Em consequência das trocas – e do resultado, também, como é evidente, pois era ao Benfica que competia fazer pela vida – o jogo foi-se aproximando da baliza de Casillas e o Benfica acabou por chegar ao empate. Ficou tudo igual na classificação, num jogo que mostrou três coisas. Que o FC Porto, afinal, tem intensidade para se bater com o Benfica e lutar pelo título. Que o Benfica continua a sentir enormes dificuldades para assumir o jogo quando enfrenta adversários do mesmo calibre. Mas que mesmo assim consegue resultados úteis e mantém-se na frente da tabela e por isso mesmo é ainda o principal favorito na Liga.
2016-11-06
LER MAIS

Último Passe

A alta competição tem-se tornado tão exigente, com um ritmo alucinante de jogos, que cada vez mais me convenço que só um milagre da genética que além disso é um fanático do trabalho e da recuperação, como Cristiano Ronaldo, pode estar ao mais alto nível durante uma década e meia. Entre os outros, os “mortais”, os inícios precoces começam por trazer vantagens mas depois acabam por acarretar custos. Pode até nem ser o caso de João Moutinho, mas lá que parece, isso parece. Além do talento indesmentível, da responsabilidade e de uma capacidade de trabalho e de compromisso em campo muito acima da média dos seus colegas, uma das maiores vantagens competitivas de João Moutinho sempre foi o facto de ter entrado na equipa principal do Sporting aos 18 anos e de, logo na época de estreia, se ter convertido num dos esteios de um onze que, com José Peseiro, chegou à final da Taça UEFA. É a competir que os jovens mais crescem e muitas vezes o facto de encontrarem esse espaço competitivo desde a mais tenra idade faz toda a diferença: veja-se, a título de exemplo, a importância do regresso das equipas B para a crescente afirmação das seleções nacionais de sub21. Isso pode é pagar-se com juros, como parece estar a suceder com o médio algarvio do Mónaco, mais uma vez lesionado e por isso mesmo fora da lista de Fernando Santos para o jogo de Portugal com a Letónia. É uma fase? Talvez. Tem a ver com a estadia no Mónaco, principado cujo glamour já tem na lista de baixas uma série de outros grandes jogadores mundiais? Quem sabe… João Moutinho terá ainda muito para dar ao futebol nacional, mas a forma penosa como passou pelo último Europeu, lutando a cada jogo com dificuldades físicas que o impediam de ser o equilibrador a que a equipa estava habituada, permite que se pense nos custos a pagar por uma carreira que, apesar dos 30 anos do jogador, já vai longa. Por alguma razão, depois da época de estreia no Sporting (26 jogos, em 2004/05), Moutinho esteve sempre acima dos 40 jogos por ano até chegar ao Mónaco, em 2013. E tirando esse ano de estreia em França, com a equipa fora das competições europeias, só na época passada voltou a baixar essa barreira que separa os gigantes competitivos dos outros. É que o conta-quilómetros não pára e no panorama atual da seleção nacional, com tantos médios de grande capacidade, só o melhor Moutinho pode bater-se por um lugar no onze.
2016-11-03
LER MAIS

Último Passe

A vitória do FC Porto frente ao Brugges, imitando o pleno de pontos nos dois jogos com os belgas que o Benfica tinha obtido contra o Dynamo Kiev, deixou os dragões em boa posição para se apurarem para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões, levando a que a deslocação a Copenhaga assuma a mesma importância que terá a viagem benfiquista a Istambul. Por sua vez, aliada ao surpreendente empate do Real Madrid em Varsóvia, a derrota do Sporting em Dortmund, que qualifica desde já os alemães, deixa os leões em maiores dificuldades para poder garantir a Liga Europa, mas permite-lhes manter a esperança matemática de se apurarem em detrimento do campeão europeu. Desde que o batam, em Alvalade, daqui a três semanas. Tudo somado, isto significa que vamos ter mais dispersão provocada pela Champions nas próximas jornadas da Liga. Com tudo o que isso pode significar. Um golo de André Silva chegou ao FC Porto para cumprir o caderno de encargos para hoje. Ganhou por 1-0 ao Brugges e justificou em pleno os três pontos. Entrando para as últimas duas jornadas com os mesmos sete pontos do Benfica, a equipa de Nuno Espírito Santo enfrenta menos dificuldades que a de Rui Vitória. Ambas visitam a equipa que lhes disputa a vaga na fase seguinte e acabam em casa contra o líder atual do respetivo grupo, mas enquanto que o FC Porto segue para Copenhaga com a certeza quase firme de que um empate chegará para carimbar o apuramento, ao Benfica esse mesmo empate no terreno do Besiktas pode exigir uma vitória na última ronda, frente ao Napoli. É que, empatando em Copenhaga e mantendo os dois pontos de vantagem sobre os dinamarqueses, o FC Porto beneficiaria de uma última ronda em casa contra um Leicester já apurado, na qual só uma derrota aliada a uma vitória do Copenhaga em Brugges implicaria a queda na Liga Europa. Por sua vez, empatando em Istambul com o Besiktas, o Benfica manteria um ponto de avanço sobre os turcos, mas em nenhuma ocasião poderia desprezar o resultado do último jogo, em casa com o Napoli. É que mesmo que ganhem em casa ao Dynamo Kiev, os italianos chegarão sempre a Lisboa a precisar de pontuar – e o empate no último dia é pouco para o Benfica, se os turcos ganharem em Kiev. No fundo, FC Porto e Benfica sabem que se qualificam de certeza com uma vitória e um empate. Essa – além de já terem garantido, pelo menos, a Liga Europa – é a grande diferença para a realidade vivida pelo Sporting. A equipa de Jorge Jesus melhorou face ao que tinha feito em Alvalade frente ao Borussia Dortmund, mas voltou a perder. Soma apenas três pontos e, tivesse o Real Madrid ganho em Varsóvia ao Legia, até estaria já fora da Champions. Assim sendo, com o empate dos campeões europeus face à equipa mais fraca do grupo, sabe que se ganhar em casa ao Real Madrid, poderá ainda continuar a sonhar com a qualificação na vez de Cristiano Ronaldo e companhia. Um sonho que não passa de uma quimera? Possivelmente – depois disso, os leões ainda precisariam de ganhar em Varsóvia e esperar que os madridistas perdessem em casa com o Borussia Dortmund, que até já está apurado e não precisará de gastar muita energia nessa noite. Mas será certamente o que basta para obrigar Jesus a investir no jogo de dia 22. Isso e outra coisa. É que de repente até a luta pela vaga na Liga Europa se complicou: a não ser que imitem a proeza dos polacos, que tiraram um ponto ao Real Madrid, e presumindo que o Dortmund não vai desinvestir na receção ao Legia, o Sporting ficou a saber que não pode perder em Varsóvia se quer continuar a ter UEFA para lá do Natal. Razão mais do que suficiente para que Jesus tenha de enfrentar os dois jogos que faltam com investimento total.
2016-11-02
LER MAIS

Último Passe

A importante vitória do Benfica sobre o Dynamo Kiev (1-0), que permitiu ao campeão português continuar bem vivo na Liga dos Campeões, teve o contraponto na infeliz lesão de Fejsa, que abandonou o campo a meio da segunda parte e está em dúvida, pelo menos, para o jogo com o FC Porto, no Dragão, no domingo, do qual depende muito do que será a Liga portuguesa nos próximos tempos. Rui Vitória já se viu a braços com tantas ausências – até Jonas – que há-de haver muito quem pense que mais uma, menos uma, não lhe fará assim tão grande diferença. Mas Fejsa é provavelmente o jogador mais difícil de substituir no Benfica. Porque se a falta de Jonas se sente mais quando o Benfica tem a bola – e portanto a capacidade de escolher caminhos alternativos – a de Fejsa nota-se sobretudo quando é o adversário a controlar a iniciativa. Fejsa é fundamental no processo defensivo do Benfica, porque é capaz de estabelecer o equilíbrio permanente da equipa, aparecendo onde faz mais falta. Depois, joga bem com o corpo, cobrindo a bola e impondo o físico no desarme. Samaris, em comparação, sai mais da posição, oferece mais de si próprio ao ataque, aparece mais até em posições de finalização, mas não tem a leitura de jogo do homem que hoje substituiu. E enganem-se os que pensam que Fejsa é irrelevante a atacar. Não sai com a bola em posse, não dribla, nem tem por hábito fazer golos – e Samaris até os faz com alguma frequência – mas não é de perder passes e até tem vindo a arriscar mais quando os faz, ligando por vezes com os avançados. Lembra-se das derrotas do Benfica na Liga do ano passado? Com o Arouca? Fejsa foi suplente. Com o FC Porto, no Dragão? Estava lesionado. Com o Sporting na Luz? Entrou para a segunda parte, já com 0-3 no marcador, mas magoou-se e teve de sair. E com o FC Porto na Luz? Estava outra vez lesionado. Na época passada, Fejsa não foi apenas campeão. Jogou apenas 22 minutos numa das quatro derrotas da sua equipa, e depois de esta já ter entregue o resultado. Aliás, não é por acaso que ele vem com oito títulos de campeão nacional consecutivos: campeão sérvio pelo Partizan em 2009, 2010 e 2011; campeão grego pelo Olympiakos em 2012 e 2013; campeão português pelo Benfica em 2014, 2015 e 2016. A vitória sobre o Dynamo Kiev deixa o Benfica relativamente bem posicionado para seguir em frente na Champions – precisa, na pior das hipóteses, de uma vitória e um empate nos dois últimos jogos, sendo que se a vitória vier em Istambul a última jornada será irrelevante – mas é seguro que esta noite Rui Vitória não estará tão preocupado a fazer contas a cenários de qualificação como à espera das necessárias 24 horas para que seja feita a reavaliação do estado físico do seu médio-centro. Porque se a equipa soube readaptar-se até à perda de Jonas – Guedes joga diferente, mas a equipa percebeu-o e mudou – mais difícil lhe será habituar-se a não ter Fejsa, cuja importância é mais dificilmente catalogável, por se notar sobretudo em que a iniciativa é do adversário.
2016-11-01
LER MAIS

Último Passe

Há um mundo inteiro de convicções entre Rui Vitória e Jorge Jesus. E são elas que ajudam a explicar os momentos vividos por Benfica e Sporting desde que os dois se enfrentam com estes treinadores no banco. Os adeptos só querem saber quem é melhor, mas isso é como perguntar a um analista político o que é melhor: a esquerda ou a direita? Responder a isso é entrar no domínio do gosto, da opinião. O melhor, no futebol, é sempre quem está à frente. Vitória e Jesus são, isso sim, diferentes, na ideia que têm do jogo e da liderança. Na época passada, o campeão foi o Benfica: logo, o melhor foi Rui Vitória. Durante toda a época, disse e escrevi que o Sporting tinha um futebol coletivamente mais bem trabalhado e que o Benfica ganhava mais graças ao primado da qualidade individual dos seus jogadores. Os adeptos do Benfica acharam que estava a menorizar o trabalho do seu treinador, mas sempre fui dizendo que não. Ser treinador é ser líder e ser líder é escolher a ideia que mais se adapta a um grupo de homens, fazê-la valer e levar a equipa a acreditar nela e a segui-la. Ao optar por dar uma maior liberdade de escolha aos seus jogadores, Vitória não só ganhou como estava a criar uma equipa que se adaptaria sempre melhor a qualquer eventualidade, um todo orgânico capaz de reagir a tudo. Como na verdade se adaptou e reagiu, por exemplo, à crise de lesões que a assolou neste início de época. Jorge Jesus é diferente. O futebol que o Sporting jogou na época passada foi sempre um futebol mais bem trabalhado do ponto de vista coletivo. As movimentações ofensivas postas em prática a cada jogo eram fruto de trabalho hiper-detalhista no campo de treinos, feito por um treinador que, ao contrário de Rui Vitória, dá pouca liberdade de escolha aos seus pupilos. Nas equipas de Jesus – já era assim quando ele treinava o Benfica, ou o Sp. Braga, ou o Belenenses – cada jogador tem de saber, ao milímetro, onde tem que estar em cada situação de jogo, para onde tem de correr, se deve pedir a bola ou procurar o espaço… Todas as situações estão previstas e têm uma resposta antecipada. O processo é menos humanizado, os jogadores acabam por transformar-se em peças de uma máquina, com uma função a cumprir. Se a cumprem bem, a equipa joga um futebol altamente mecanizado e eficaz; se falham, todo o coletivo entra em crise. O problema do método de Jesus é aquele que o Sporting enfrenta neste momento: a máquina perdeu peças fundamentais. O Benfica perdeu mais e mesmo assim ganha? Certo. Mas no Benfica, recordam-se, todo o processo valoriza mais a criatividade, a inspiração dos intérpretes. Falta Jonas? Entra Guedes, que joga diferente, muito diferente, mas o todo acaba por adaptar-se a essa diferença. Falta Gaitán? Entra Cervi, que também joga muito diferente, mas mais uma vez o coletivo acaba por se ajustar. Falta Sanches? Entrou Horta, primeiro, e aqui o coletivo sentiu algumas dificuldades, porque aquilo que Sanches dava à equipa era único e esta sofreu mais para se habituar à perda daquela capacidade de queimar linhas e esticar o jogo. Melhorou com Pizzi, jogador mais experiente, mas também porque o todo-orgânico que compõe a equipa já teve mais tempo para absorver a novidade. No Sporting, o primado da mecanização coletiva – em nome do qual Jesus usa tantas vezes a primeira pessoa do singular, porque na verdade é ele que desenha os movimentos da máquina – leva a que a equipa sinta mais, não tanto a ausência das peças que se foram, mas a incapacidade das que as substituíram para cumprir exatamente as mesmas funções, para fazerem os mesmos movimentos, quase ao milímetro. Não é tanto uma questão de qualidade como é de compreensão. É por isso que a perda simultânea de Slimani e Adrien – João Mário está a ser bem substituído por Gelson –, a juntar à saída de Teo Gutièrrez no início da época, tem conduzido à incapacidade da máquina para operar em boas condições e a esta sucessão de empates que deixou o Sporting a sete pontos de distância – e por isso um pouco mais longe de poder ser o melhor no final da época. Aquilo que Jesus tem de decidir agora é se o que está a pensar fazer não é substituir uma roda dentada por uma peça de formato diferente, que nunca encaixará ali, levando a máquina a encravar. Isto é: se os jogadores que entraram alguma vez serão capazes de fazer as movimentações dos seus antecessores ou se deve desenhar uma máquina nova, com outras mecanizações, que estas peças possam cumprir. É por isso que Jesus diz que tem jogadores que ainda estão a fazer pré-época com as competições em andamento, mas a verdade é que esta não é a primeira vez que passa por uma situação destas e que, nas ocasiões de anteriores transferências no último dia de mercado, nunca as suas equipas levaram tanto tempo a readaptar-se.
2016-10-31
LER MAIS

Último Passe

A forma como o FC Porto empatou em Setúbal permitiu perceber que, como é natural, por serem ainda recentes, os processos que Nuno Espírito Santo quer ver na equipa não estão ainda totalmente consolidados. A uma semana do confronto que pode definir os próximos meses de campeonato, a receção ao Benfica no Dragão, falta à equipa portista uma maior capacidade para explorar aquela que foi a sua maior arma, por exemplo, na vitória que foi buscar à Luz, na época passada, com José Peseiro ao leme: o controlo da largura em termos atacantes. E isso nota-se mais sempre que adota uma atitude mais conservadora e abdica de Brahimi e Corona, por exemplo. Com todos os jogadores disponíveis – desta vez regressou Otávio a Corona caiu do onze – já se percebeu que Nuno Espírito Santo aposta num meio-campo a quatro com grande propensão para jogar por dentro. Mais desequilibrador Otávio a sair da esquerda, mais dado ao fortalecimento do coletivo e aos equilíbrios Herrera a partir da direita. Pretende Nuno Espírito Santo que sejam os laterais a dar a tal largura atacante – a equipa faz sempre a saída a três, com Danilo entre os centrais, e Layun e Alex Telles subidos – e que a mobilidade dos dois avançados, Diogo Jota e André Silva, faça o resto no que toca à ocupação dos espaços. Só que, dando à equipa um maior volume de jogo, um maior controlo das operações, esta opção tem custos em termos de criação de desequilíbrios atacantes. Porque lhe tem faltado gente em condições de explorar o espaço deixado vago pela basculação defensiva do adversário e capacidade para, com essas variações de flanco, tirar mais vezes a bola das zonas de pressão. E só os laterais são curtos para isso. É verdade que o FC Porto – tal como o Sporting na véspera, na Choupana – até podia ter ganho em Setúbal: bastaria para tal que Bruno Varela não tivesse feito duas defesas impossíveis, a remates de Oliver e Jota. Mas o futebol que se viu à equipa foi menos completo do que aquele que se lhe tinha visto contra o Arouca, que raramente saiu dos últimos 30 metros do campo. Mérito do adversário? Seguramente: este Vitória joga mais e estava no seu estádio. Mas também falta do repentismo e da mistura de criatividade com rapidez que Corona deu ao FC Porto no jogo da semana passada ou da qualidade no um para um que lhe traz Brahimi. A grande decisão que Nuno Espírito Santo tem a resolver por estes dias é a escolha de quem pode sair do onze-base, porque o que salta à vista é que um dos dois extremos tem mesmo de entrar.
2016-10-29
LER MAIS

Último Passe

Se os sportinguistas quiserem ser honestos, sobretudo consigo mesmos, reconhecerão que o anti-jogo sempre existiu, que desde que há futebol se falham penaltis, e que a verdade é que a equipa de Jorge Jesus está mesmo a jogar demasiado pouco para poder justificar uma candidatura convincente ao título nacional. Sim, há um ano, depois de perder o dérbi, o Benfica também ficou a uma distância pontual da liderança que parecia impossível de superar – e superou-a. É verdade ainda que nessa altura também o Benfica jogava pouco, se afundava em dúvidas, enquanto que o Sporting voava – como acontece agora aos encarnados. E no entanto o Benfica foi campeão, porque os seus responsáveis souberam olhar para dentro em vez de apontarem baterias a tudo o que os rodeava. Fez, afinal, aquilo que Jesus defendeu antes da visita à Choupana: “Sem desculpas!” Se deixarmos de lado a partida da Taça de Portugal, contra o Famalicão, o Sporting não ganhou nenhum dos últimos quatro jogos. Segue-se a viagem a Dortmund, da qual vai depender o futuro leonino na Liga dos Campeões. E depois uma jornada fulcral, com a receção ao Arouca em dia de clássico no Dragão, entre FC Porto e Benfica. Correndo-lhe tudo bem, Jorge Jesus poderá continuar a manter esperanças na prova europeia e chegará à 10ª jornada a quatro pontos do líder. O treinador leonino tem, por isso, uma semana para sair desta fase a que chamou segunda pré-época e para encontrar as soluções que devolvam à equipa o futebol que chegou a jogar na época passada. Já aqui escrevi que, mais até do que a lesão de Adrien, o maior problema vivido neste momento pelo Sporting é a falta de Slimani, que deixa a equipa menos capaz em transição defensiva – logo, demorando mais a recuperar a bola e limitando-lhe o número e a zona de início dos ataques – e sobretudo em organização ofensiva, onde as caraterísticas do substituto encontrado (Bas Dost) são radicalmente diferentes e pedem a reformulação quase total do processo. Reconhecê-lo, admitir que aquilo que este Sporting está a jogar é demasiado pouco se for comparado com aquilo que produziu qualquer equipa de Jesus na última década, será meio caminho andado para encetar o processo da recuperação. A questão é que aquilo que os maiores adeptos de Jesus sempre apontaram – e com razão – como a sua maior virtude, que é a forma coletivamente trabalhada que as suas equipas têm de atacar, acabou por ser o seu maior problema assim que lhe faltaram algumas peças na máquina. Dando aos seus homens mais liberdade para decidirem, num futebol onde o primado do individual é maior, Rui Vitória conseguiu que o seu Benfica encontrasse a coerência interna que lhe permitiu superar várias contrariedades neste início de época, sob a forma de lesões de jogadores importantes. E isso voltou a ver-se na vitória clara, indiscutível e sem história que os encarnados obtiveram contra o Paços de Ferreira, num jogo onde o meio-campo Fejsa-Pizzi voltou a funcionar às mil maravilhas, onde a falta de Grimaldo não constituiu problema e onde Gonçalo Guedes foi outra vez fundamental a jogar atrás do ponta-de-lança.
2016-10-29
LER MAIS

Último Passe

A mais do que certa reeleição de Luís Filipe Vieira para um quinto mandato como presidente do Benfica não é sequer notícia. Seja porque o trabalho já feito na devolução do clube aos patamares de exigência competitiva no futebol – que é o que interessa aos sócios – está à vista de todos; seja também porque, em consequência disso, Vieira passou pelo segundo ato eleitoral sem qualquer oposição. Nesse aspeto, aliás, Vieira e o Benfica estão a fazer um percurso muito igual ao de Jorge Nuno Pinto da Costa e do FC Porto. E é nisso, mais do que nas “admiráveis manifestações de fervor clubístico” que os presidentes agradecem sempre aos sócios que se dão ao trabalho de ir votar em dias de eleições de lista única, que vale a pena debater em plebiscitos como o de hoje. Porque no futebol, nem a política é política. Vieira, que já era o presidente mais durável no comando do Benfica – completará 17 anos no final do mandato para que será hoje eleito – foi cinco vezes a votos, duas delas sem oposição. Nas três ocasiões em que alguém lhe disputou o cargo, no entanto, as suas votações foram arrasadoras: 90% contra Jaime Antunes e Guerra Madaleno em 2003; 91% contra Bruno de Carvalho em 2009; e 83% contra Rui Rangel em 2012. É uma realidade muito próxima da experimentada por Pinto da Costa, que no final da época passada foi eleito para um 13º mandato consecutivo à frente do FC Porto, os últimos nove sem qualquer oposição nas urnas. Aliás, o lendário presidente portista só teve um adversário em 34 anos: Martins Soares concorreu em 1988 (menos de 5% dos votos) e em 1991 (20% dos votos). E desapareceu de circulação até que, já neste século, a TSF o descobriu e lhe recolheu declarações de apoio ao trabalho feito pelo atual presidente Em comum, Pinto da Costa e Vieira têm a recuperação competitiva dos seus clubes. Mais completa a do presidente portista, que cinco anos depois de ser eleito estava a sagrar-se campeão europeu e mundial e a dar entrada em década e meia de hegemonia indiscutível no espaço nacional; mais restrita ao panorama interno a do líder benfiquista, que depois de um título atribulado ao segundo ano de presidência, ganhou quatro Ligas e esteve em duas finais europeias nos últimos sete anos. Fizeram um excelente trabalho, tanto um como o outro, e isso ajuda a perceber como se foram eternizando nos cargos. O mais difícil de entender, porém, é que mesmo assim não apareça ninguém com uma ideia diferente e disponível para se bater por ela. Sim, boa parte dessa abrangência tem a ver com a integração das diferentes sensibilidades no bolo cozinhado para cada ato eleitoral. Vieira, por exemplo, já o tinha feito com José Eduardo Moniz e voltou a fazê-lo agora com Fernando Tavares; Pinto da Costa ter-lo-á feito em tempos com Adelino Caldeira, o aliado que quis aproveitar das candidaturas de Martins Soares. E é aqui chegado que qualquer teorizador político pode alertar para o perigo que é a falta de massa crítica, o desaparecimento da oposição em qualquer organização. Mas o contraponto, fornecido a cada eleição pelo Sporting, não tem sido o mais feliz. Em 2011, as eleições mais disputadas na história recente do clube, com cinco listas concorrentes e vitória de Luís Godinho Lopes, com apenas 36% dos votos, deram lugar à maior crise competitiva de que o futebol leonino tem memória. E o facto de João Rocha (1973 a 1986) ter sido o último presidente a durar pelo menos uma década poderá ser apresentado como justificação para o declínio competitivo do futebol do clube, que ganhou apenas dois campeonatos nos 30 anos após a saída daquele seu importante líder. No fundo, o que falta explicar é se a falta de oposição leva às vitórias ou se são as vitórias que levam à falta de oposição. Seja como for, o fenómeno faz do futebol um palco único para os admiradores de plebiscitos e dos líderes totais a que eles dão azo.
2016-10-27
LER MAIS

Último Passe

Pinto da Costa esteve na exposição destinada a celebrar os 86 anos do andebol do FC Porto e, certamente a isso instado pelos jornalistas – a fazer lembrar o célebre “ainda bem que me faz essa pergunta” – não perdeu a oportunidade de falar daquilo que mais interessa, que é o futebol. Fê-lo para manifestar a sua confiança em Nuno Espírito Santo e no plantel, bem como para manifestar otimismo a respeito do que tem vindo a ver à equipa, tanto em termos de resultados como de espírito, e fez bem. De errado só mesmo a forma como descartou o que se passou nos últimos anos, como se tivesse acabado de chegar de uma viagem a Marte. Este FC Porto teve um início de época complicado, fruto da necessidade de adaptação às ideias do novo treinador e do facto de vir de três anos sem ganhar nada e, por isso mesmo, com um plantel diminuído na qualidade e na moralização. Ainda assim, a equipa respondeu quase sempre bem quando isso foi necessário. Aconteceu em Roma, quando correu riscos de ficar de fora da Champions – e todos sabemos como isso seria problemático para umas contas já a ameaçar o crash – e voltou a acontecer recentemente em Brugges, onde qualquer outro resultado que não fosse a vitória a deixaria em sério risco de desmobilização para a segunda metade do grupo da Liga dos Campeões. A exceção às boas respostas terá sido a visita a Alvalade, onde os dragões perderam com o Sporting, mas mesmo essa derrota terá sido atenuada pelas perdas de pontos sucessivos dos leões – também enfatizadas pelo presidente portista –, podendo ser completamente posta para trás das costas caso o FC Porto ganhe em casa ao Benfica, daqui a semana e meia. Vendo a equipa a crescer ao ritmo da afirmação de André Silva, um ponta-de-lança como o clube não via nascer desde Domingos, há um quarto de século, Pinto da Costa deu-lhe o empurrãozinho que muitas vezes faz a diferença. “Temos uma equipa, um plantel, como eu desejava, e como já não via há algum tempo”, disse, completando: “Nos últimos anos, nem todos os jogadores eram à FC Porto”. Talvez, fruto da longa experiência que já acumulou no cargo de presidente do clube, Pinto da Costa esteja a ver mais longe do que toda a gente, mas o que é mais estranho é que foi acima de tudo ele quem assinou por baixo a tão dispendiosa política de recrutamento dos últimos anos, os anos do Lopeteguismo. E que, depois de um ano sem nada ganhar, manteve a ideia e a política, jogando o “dobro ou nada” que se vê nos filmes e arruína tanta gente nos casinos. O que Pinto da Costa disse agora acerca do espírito criado por Nuno Espírito Santo no plantel do FC Porto é mais do que suficiente para garantir ao treinador a permanência no cargo, mesmo que, por esta ou aquela razão, ele acabe por não ganhar nada. Da mesma forma que o que ele disse da equipa após a derrota caseira contra o Tondela, em início de Abril, chegava a sobrava para que se percebesse que José Peseiro poderia até ganhar a Taça de Portugal que nunca iria continuar em funções na nova época. Mas não foi para nos garantir isso que Pinto da Costa falou agora. Fê-lo para dar o seu empurrão, sob a forma de moral, para evitar um quarto ano sem troféus. Porque não quererá ter de abusar da falta de memória de alguns para voltar a dizer daqui a uns tempos que nos últimos anos, nem todos os jogadores “eram à FC Porto”.
2016-10-26
LER MAIS

Último Passe

A escolha de Renato Sanches como Golden Boy 2016, pelo jornal italiano Tuttosport, e a nomeação de Rui Patrício entre os 30 finalistas da Bola de Ouro, da revista francesa France Football, têm sido apresentadas ora como mais uma prova da influência da Liga portuguesa, ora como arma de arremesso na guerra entre fanáticos de dois clubes. Mas na verdade não deviam ser uma coisa nem a outra, porque – e sei que isto doerá a muita gente – se os dois chegaram a estas distinções, é à fase final do Europeu que o devem. O que, atenção, não quer dizer que as não mereçam. Pelo contrário. Há uma especificidade na votação do Tuttosport em Renato Sanches – na verdade, na votação dos jornalistas de toda a Europa que o Tuttosport consultou. É a transferência milionária do jovem médio para o Bayern, a estabelecer uma espécie de tendência, depois da escolha de Martial (também ele transferido por mundos e fundos para o Manchester United) em 2015. É possível que os jornalistas consultados tenham sido influenciados pelos valores das transferências, coisa em que quem me lê sabe que há muito deixei de acreditar, pois a cartelização que os grandes fundos de investimento e os mega-agentes têm imposto ao mercado tem levado a que a fixação dos preços sirva para pouco mais do que o acerto de contas entre eles. Rui Patrício, no entanto, não se transferiu e está na lista dos 30 melhores da Europa do France Football. Pelo muito que fez na excelente época do Sporting na Liga portuguesa ou na efémera passagem pela Liga Europa? Claro que não. Da mesma maneira que a escolha de Renato se deve sobretudo ao impulso que deu à candidatura portuguesa à vitória no Europeu e não à importância que teve no título do Benfica ou à caminhada da equipa de Rui Vitória até aos quartos-de-final da Champions, a presença de Rui Patrício naquele lote de jogadores predestinados tem a ver com o facto de ter sido a última barreira na quase intransponível muralha defensiva da seleção nacional. Portanto, se o que querem é decidir se as escolhas de Renato Sanches e Rui Patrício são uma maior honra para Benfica ou Sporting, esqueçam. E se o que querem é dizer que afinal a Europa ainda presta atenção à Liga portuguesa, podem também esquecer – ainda que provavelmente devesse fazê-lo. Renato foi o Golden Boy de 2016 porque é um médio com uma potência e mudança de velocidade incrível, com uma alegria contagiante no jogo, porque queima linhas com bola como quase ninguém, seja da sua idade ou mais velho. E isso viu-se no Europeu. Rui Patrício está nos 30 finalistas da Bola de Ouro porque é um guarda-redes seguro, com uma agilidade invulgar para a envergadura física, sobretudo na rapidez de reação entre os postes, e isso também esteve à vista no Europeu. Os clubes são os clubes e infelizmente para todos nós têm andado tão longe de poder influenciar este tipo de votações como perto de orientar as ideias de quem não pensa senão em função de um emblema.
2016-10-25
LER MAIS

Último Passe

A quebra evidente de rendimento do Sporting nos últimos jogos tem sido muitas vezes reduzida a fatores demasiado simples, como a ausência de Adrien, as dificuldades de recuperação após os jogos europeus ou a falta de qualidade de alguns novos jogadores. Na verdade, tudo terá o seu peso para explicar exibições tão pobres como a que a equipa de Jorge Jesus assinou frente ao Tondela. No entanto, a razão mais importante é tática e tem a ver, não com a saída de Slimani, mas com o facto de ninguém estar a dar à equipa aquilo que o argelino dava. E mais difícil do que fazer o diagnóstico é encontrar a profilaxia adequada, que no meu ponto de vista só pode passar por Campbell a jogar no corredor central. É claro que Adrien faz falta, pela intensidade e abrangência que mete no jogo a meio-campo. É claro também que se a equipa faz um jogo de elevada exigência competitiva a meio da semana vai perder velocidade e dinâmica no fim-de-semana seguinte. Mas todas as equipas que andam nas competições europeias vivem com isso e algumas até têm mais lesões – e lesões mais importantes – que o Sporting. Veja-se o caso do Benfica, que perdeu Jonas, o melhor jogador da Liga anterior, numa altura em que também não tinha Mitroglou ou Jiménez. E que teve de passar a viver sem Gaitán e Renato Sanches. O Sporting está sem Adrien e teve de reconstruir-se sem Slimani e João Mário, com Bas Dost a aparecer e Gelson a ganhar preponderância. E a questão é que o todo, a soma das partes, deixou de fazer tanto sentido. O que caraterizava o ataque organizado do Sporting de Jesus era a facilidade com que jogava por dentro, no corredor central. Ali apareciam os dois pontas-de-lança, mas também Adrien, Ruiz e João Mário, sendo que havia sempre facilidade em criar desequilíbrios ofensivos. Porquê? Porque havia espaço, muito espaço entre as duas linhas defensivas dos adversários para os jogadores do Sporting penetrarem em tabelas rápidas que muitas vezes deixavam um deles na cara do golo. Então o que mudou? Será que os adversários deixaram de colaborar e fecharam esse espaço? Ora achar isso é uma idiotice. Na verdade, os adversários nunca quiseram colaborar, abrindo esse espaço. O que se passava é que as movimentações de Slimani na busca da profundidade, indo buscar muitas vezes a bola nas costas da última linha do adversário, obrigavam esta última linha a recuar vezes sem conta, alargando o espaço entre ela e a segunda linha, formada pelos médios. Era aí que o Sporting jogava. Sem Slimani – e com um jogador que faz movimentos contrários, de aproximação à equipa, recuando para tabelar com os médios – Jesus podia fazer uma de duas coisas. Ou encontrava uma réplica, um jogador igualmente capaz de esticar o jogo, ou deixava de apostar tanto no jogo interior, preferindo jogar por fora e aproveitar o superior capacidade de finalização de Bas Dost para aumentar a percentagem de jogadas que conclui com cruzamentos. Neste momento, a equipa hesita entre as duas profilaxias. No jogo contra o Tondela, cruzou muito, mas raramente o fez bem ou no momento mais adequado, mesmo quando tinha superioridade posicional e numérica na área – e nesse particular Zeegelaar, autor do melhor cruzamento no jogo com o Borussia Dortmund, foi desastroso. No sábado, aliás, o Sporting procurou vezes demais o labirinto em que se transformou o corredor central: ao espaço entre-linhas do Tondela acorriam Ruiz, Bas Dost, André e até Elias ou Gelson, que neste contexto faria muito melhor em permanecer aberto, para aumentar as possibilidade de combinação na direita que levassem a cruzamentos. Claro que a equipa pode (deve, aliás) adotar as duas soluções, ser igualmente eficaz no jogo exterior como no interior. Mas para isso tem de dominar melhor cada momento e tomar nele as melhores decisões. O problema é que para isso tem de aperfeiçoar a ideia de jogo e encaixar melhor as peças: o Sporting de 2015/16 tinha um onze encaixado; o desta época ainda não encontrou o parceiro para Bas Dost nem a forma que ele terá de encarar o jogo. Umas vezes joga com Bruno César, outras com Markovic, outras ainda com André, no sábado experimentou até somar Castaignos ao seu compatriota. Olhando para o grupo, vejo duas possibilidades: Bruno César atrás de Dost para jogos em que se quer o bloco mais unido e jogar mais desde trás (FC Porto em casa ou jogos da Champions com Real Madrid e Borussia Dortmund) e Campbell ao lado do holandês nos restantes. Da forma como vejo as coisas, Markovic só pode jogar na ala, onde está condenado a ser suplente de Gelson. Ao sérvio falta presença na área e capacidade de trabalho para jogar no corredor central, onde a pressão em transição defensiva é muito importante. Campbell tem as duas coisas. E até a capacidade de ir à procura da profundidade, como fazia Slimani, dessa forma permitindo que se abra o tal espaço entre as linhas do adversário para que a equipa possa jogar por dentro. Mistério para mim é mesmo a razão pela qual o costa-riquenho ainda não foi experimentado ali.
2016-10-24
LER MAIS

Último Passe

As competições europeias não têm necessariamente que afetar o rendimento das equipas na Liga e a prova disso é dada a cada jornada do campeonato pelo Benfica, que venceu todos os seus jogos após as partidas na Champions. Hoje, ante o Belenenses, no Restelo, fê-lo mesmo de uma forma convincente, por duas razões muito simples: tinha melhores jogadores do que o adversário e eles sabiam perfeitamente ao que jogam. Já tinha escrito aqui que o Benfica joga sempre como grande, porque os seus princípios de jogo nunca deixaram de ser os de um grande, mas ganha muitos jogos com armas de um pequeno: a grande eficácia no aproveitamento das ocasiões de golo e a forma como nega esse mesmo golo aos adversários nas ocasiões que ainda assim lhes permite. Pois na noite em que bateu o seu próprio recorde de vitórias consecutivas fora de casa no campeonato (são agora 16, uma acima das 15 conseguidas em 1972 e 1973), a equipa de Rui Vitória foi mais dominadora do que tem sido hábito, sem os períodos de ocaso no jogo que tinham valido alguns sustos nas anteriores deslocações e tendo mesmo a maior dose de desperdício: além dos dois golos, acertou duas vezes no ferro e perdeu mais dois ou três golos cantados. A vitória no Restelo premiou, por isso, a melhor exibição do Benfica em todas as deslocações desta época, provando que a fadiga nem sempre é um problema irresolúvel e que desde que se saiba para onde se deve correr, toda a gente parece bem mais veloz. A questão é que, dos três grandes, este Benfica é aquele que tem o modelo de jogo mais consolidado. E isso sucede mesmo tendo em conta que ali falta Jonas (lesionado) e que, se Cervi compõe bem a ausência de Gaitán, com a sua rapidez na esquerda, ninguém traz à equipa os esticões que lhe dava Renato Sanches. Rui Vitória teve, por isso, que recompor algumas coisas. Manteve dois laterais muito ofensivos, a darem largura, Fejsa como pêndulo ao meio, mas beneficia agora da inteligência de Pizzi, que dá mais consistência à equipa no corredor central (andava toda a gente a exagerar com André Horta, não vos parece?). E, não garantindo a qualidade ofensiva e os golos de Jonas, a capacidade de trabalho de Gonçalo Guedes permite defender muito melhor e desde muito mais à frente no campo. Para os jogos contra a maioria das equipas da Liga portuguesa, chega perfeitamente. Saber se chegará para a próxima deslocação, ao Dragão, em inícios de Novembro, é a questão da qual depende o futuro deste campeonato.
2016-10-23
LER MAIS

Último Passe

Depois de ganhar ao Arouca por 3-0, Nuno Espírito Santo desenhou o boneco que servia de logótipo às míticas camisas Triple Marfel e colocou na base os três pilares que estão na base do que é jogar “à FC Porto”: “compromisso, cooperação e comunicação”. São ideias importantes? Claro. Mas isso lê-se em qualquer livro de auto-ajuda ou em todos os manuais para a liderança nas empresas. A verdadeira razão pela qual o FC Porto passou a ganhar mais vezes – e já agora, na inversa, pela qual o Sporting começou a ganhar com menos regularidade – é tática. Finalmente, a equipa passou a jogar com homens que servem o modelo que o treinador escolheu. O “C” fundamental, aqui, é compatibilidade. À chegada ao Dragão, Nuno Espírito Santo trazia duas novidades. A recuperação da cultura de clube, que se viu na forma como apelou aos sentimentos mais profundos dos adeptos, e a ruptura com o modelo de jogo que presidira aos dois anos de Lopetegui e Peseiro. A primeira era estratégica e extravasava muito o futebol jogado; a segunda era tática e com ela o treinador tencionava acabar com o jogo de posse avassaladora e com o predomínio obsessivo do ataque organizado entre todos os momentos do jogo, para os trocar por um futebol de mais risco e capaz de integrar também o contra-ataque e o ataque rápido. A questão é que, até à titularidade de Diogo Jota – ou à entrada de Corona num bom momento – a equipa padeceu sempre de alguma falta de velocidade. E não me refiro apenas à rapidez do pique, mas sobretudo à sua aplicação na tomada de decisão e no ataque às bolas divididas, à velocidade em espaços curtos, que quase sempre permite fazer a diferença. Da mesma forma, nas últimas semanas todos os jogadores do Sporting parecem mais lentos. Razões? Há quem fale de atitude, da “ressaca” das competições europeias, da lesão de Adrien… Aceito todas essas explicações, mas a fundamental, para mim, é uma súbita inadequação da equipa ao futebol desenhado pelo treinador. O Sporting de Jesus
2016-10-22
LER MAIS

Último Passe

O empate que a seleção nacional feminina cedeu frente à Roménia, no Estádio do Restelo, no primeiro jogo do play-off de apuramento do Europeu, foi uma desilusão e deixa a equipa em maus lençóis no que respeita a uma qualificação inédita, pois terá de enfrentar a segunda mão em casa do adversári. A exibição, mesmo tendo a equipa nacional sido melhor que a romena e tendo mesmo falhado um penalti, também não foi brilhante. A adesão do público, tendo em conta que as entradas eram gratuitas, também ficou aquém do esperado, mesmo com as atenuantes da chuva e do horário (ainda) laboral. No entanto, o dia pode bem ter sido um marco importante para o futebol feminino nacional.Quando me sentei para ver o jogo da seleção, fi-lo devido a uma série de motivações. A caminhada que a equipa fez no grupo, com a épica superação da Finlândia e da Irlanda em cima do risco fina, após o arranque tremido, terá sido a maior. A mais importante, no entanto, terá sido o investimento pesado que a FPF fez na promoção desta equipa e tem feito no futebol feminino em geral, cuja face mais visível foi o vídeo de apoio feito por vários campeões europeus. Porque mesmo que a seleção não se qualifique para esta fase final, é esse investimento, associado aos últimos resultados nas categorias inferiores, que me leva a acreditar que estará na próxima.O jogo em si, na verdade, até me desiludiu. Vi uma equipa melhor que a adversária, mas bem abaixo do que se vê nas grandes provas de futebol feminino que vão sendo transmitidas no que respeita aos princípios de jogo ou à articulação coletiva. Este não terá sido um dos melhores jogos desta seleção. Mas há outra oportunidade para brilhar já na terça-feira. E o importante é que se sente de cima a firmeza de não deixar que as coisas voltem a ser como antes e que o futebol feminino veio para ficar.
2016-10-21
LER MAIS

Último Passe

Depois de Paolo Maldini se ter recusado a desempenhar o papel de legitimador-mor para a solução chinesa que promete devolver o Milan ao topo do mundo em cinco anos, agora foi Gianluigi Buffon, o veterano guarda-redes da rival Juventus, quem veio mostrar ira face à entrada dos investidores estrangeiros nos maiores clubes do país. "É a prova da nossa falha como país", disse Buffon. Acredito num mundo e numa economia globais, pelo que não partilho a visão de Buffon. Mas não sou tolo a ponto de acreditar que as ofensivas dos grandes grupos sejam tão boas assim para o futebol.O problema da entrada dos milhões no futebol não está na frustração que traz aos sentimentos nacionalistas de quem quer que seja. O Chelsea já pertence a um russo há muito e não creio que isso tenha sido um problema para os adeptos, que com todas as vicissitudes próprias de Abramovich, até conheceram com ele o regresso às vitórias. Os americanos já dominam o capital de Manchester Utd., Arsenal e Liverpool. O Leicester ganhou a Premier League graças à liderança de um grupo tailandês e o Manchester City fê-lo e tenciona repetir a proeza com dinheiro dos Emiratos Árabes Unidos. Na Premier League há investidores de todos o tipo: dos que acreditam no negócio aos que só buscam um brinquedo para torrar os seus milhões, com passagem pelos que (sim, também os há) pretendem apenas vincar o poder da sua nação ou das suas economias emergentes. Nada disso veio piorar a competição, que cada vez mais é a mais atrativa do Mundo.Isto, contudo, não significa que a FIFA deva assistir sentada a este fenómeno. A interferência destes grandes grupos pode levar a problemas iguais aos vividos nas outras áreas da economia global. Desde a manipulação do preço dos passes em negócios que envolvam "clubes irmãos", com propósitos nem sempre claros, até ao tráfego de informações ou mesmo à  hipótese de manipulação de resultados, esta nova realidade exige da FIFA toda a determinação possível com o intuito de desenhar uma Lei Sherman que impeça os "trusts" de desenhar a realidade global do futebol. O problema é que na FIFA se olha para as injeções de capital que estes milionários fazem no futebol e se perdoa o mal que faz pelo bem que sabe. Há um ponto, porém, onde é preciso traçar uma linha. E não pode ser daquelas com spray que desaparece, como os dos árbitros.
2016-10-20
LER MAIS

Último Passe

Há uns quinze anos, a propósito de uma equipa do Farense, escrevi um texto intitulado "Jogar como os grandes para ser como eles" que se destinava a enaltecer a ideia de jogo como fator determinante para a identidade de uma equipa. Essa tese continua atual, mas ver este Benfica de Rui Vitória jogar traz à discussão outro aspeto igualmente preponderante: a maior qualidade individual em zonas de definição de um jogo. Voltou a ser essa a chave da vitória em Kiev, onde o Benfica reafirmou a candidatura a um lugar nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões.Esta constatação não vem diminuir o papel do treinador. O Benfica de Rui Vitória joga como um grande, sempre com largura, com busca da profundidade nos movimentos de ataque, redução de espaço quando lhe cabe defender (aqui com mais dificuldades, é certo), preocupação de construir com segurança desde trás e colocação de muita gente na frente. É uma equipa positiva. Às vezes até demasiado positiva, o que a leva a perder controlo dos jogos com alguma frequência, pela forma como não ocupa bem a zona central do campo, por exemplo. E é aqui que se separam detratores e defensores do futebol do Benfica. "Têm a sorte de os adversários falharem golos e mais golos e de aproveitarem muitas das ocasiões que criam", dizem os primeiros. É certo que voltarão a dizê-lo hoje sobre o 2-0 ao Dynamo Kiev. Mas ninguém tem sorte tantas vezes como este Benfica - o que devia levar-nos a verificar se ali não há algo mais. Porque há.Claro que esta equipa não atingiu ainda o grau de maturidade que lhe permita ser indiscutível e conseguir ser igualmente eficaz perante os outros grandes, com quem perde mais do que ganha. É provável que não o atinja nunca. Mas desde que vá ganhando contra os que têm menor qualidade nunca os que lhe questionam os atributos terão grande acolhimento. Porque este Benfica joga como um grande mas faz de argumentos geralmente associados aos pequenos - como o desperdício alheio ou um elevado aproveitamento das chances que vai criando - uma arma. É também por isso que ganha.
2016-10-19
LER MAIS

Último Passe

Lazar Markovic e Joel Campbell, emprestados pelo Liverpool e pelo Arsenal, foram apresentados em Alvalade como duas armas fortíssimas no ataque do Sporting ao título e a uma boa Liga dos Campeões. Passaram-se entretanto dois meses de competição e ainda não se viu maneira de isso acontecer. Não são maus jogadores - se fossem não teriam chegado onde chegaram - mas movem-se sempre ao contrário do que pede o futebol de Jesus. E têm sido mais as vezes em que se tornam empecilho do que aquelas em que contribuem ativamente para os sucessos do coletivo. Já sei que vão dizer-me que Markovic até marcou em Guimarães, num jogo que se o Sporting o não ganhou não foi seguramente por culpa dele. E que lhe pertenceu o golo da vitória frente ao Famalicão, na Taça de Porugal. Até acrescento: mais golos marcará, porque é um jogador explosivo, veloz com bola e capaz de ir buscar a profundidade nas costas das defesas adversárias. E se Jesus quis recuperá-lo e juntar-lhe Campbell, que com ele partilha várias dessas características, é porque quer ter um Plano B ao seu futebol habitual. Quer certamente encontrar diversidade, uma forma de contornar obstáculos moldados à sua forma de jogar. Mas duvido muito que um ou outro possam tornar-se ponto de partida no jogo desta equipa. Qual é a marca dominante do jogo ofensivo de Jesus? São as triangulações, os movimentos da ala para o meio, as entradas no espaço entre o central e o lateral, a rapidez no passe para tirar a bola das zonas de pressão. Tudo aquilo que faz Gelson, por exemplo, e que lhe permitiu crescer tanto de um ano para o outro. E exatamente o contrário do que fazem Markovic e Campbell, do que fizeram ainda no jogo com o Borussia Dortmund, no qual insistiram em soluções individuais, sempre de cabeça em baixo e sem ver o resto da equipa, perdendo por isso inúmeras bolas e comprometendo o esforço ofensivo da equipa. O Sporting não perdeu por causa deles, mas para ganhar com eles terá formatá-los à forma de jogar deste grupo. Porque a continuarem assim serão sempre um corpo estranho
2016-10-18
LER MAIS

Último Passe

Que o futebol vai mudar em breve, toda a gente já percebeu. Podemos ficar à espera que os grandes agentes de mudança avancem - e nessa altura não nos restará nada a não ser aceitar o que eles terão para impor. Em alternativa, podemos tentar cavalgar essa onda de mudança e conduzi-la para um desfecho mais justo e racional. Foi isso que a UEFA fez no início da década de 90, quando travou as iniciativas de secessão com a criação da Liga dos Campeões. Isso, hoje, porém já não chega. E não chega porque nos conduziu a uma realidade em que clubes e seleções estão sempre no caminho uns dos outros (os últimos Jogos Olímpicos deviam ter sido a gota de água a fazer transbordar o copo da insanidade) e em que não se está a explorar devidamente a possibilidade de passar a competição para a escala normal dos dias de hoje, que é a continental. As alterações nos tempos mais próximos serão, como defendi no artigo da semana passada, nestes dois âmbitos. Hoje deixo a minha proposta. Não estou convencido de ser dono da razão. Mas sei que recusar o que aqui vai ler só porque "isso é impossível" ou porque muda muitas das realidades tidas por imutáveis é ficar à mercê de uma mudança que é inevitável e será então regulada apenas por interesses económicos dos mercados mais imponentes. Seria como a NBA recusar equipas de estados mais pequenos dos EUA só porque neles a TV tem menos audiência potencial. Em tempos já escrevi sobre um projeto de Superliga europeia. Acho que ela vai chegar mais cedo ou mais tarde e, francamente, quanto mais cedo melhor. Porque os campeonatos nacionais estão de tal modo desvirtuados com o dinheiro da Champions que, à exceção da Premier League, onde o dinheiro da TV pode competir com o da prova europeia, os maiores clubes passeiam impavidamente por eles. A Superliga europeia vem aí. Pode ser é de uma forma justa, em que os lugares são distribuídos de acordo com o mérito desportivo, com subidas e descidas e sem matar os campeonatos de cada país, ou à bruta, com atribuição de vagas numa Liga fechada, de acordo com a força que os clubes têm nos mercados, e sem preocupação com os campeonatos nacionais. O que vai fazer a diferença aqui é a proatividade que as federações que terão mais a perder com uma competição desenhada de acordo com os maiores interesses económicos (como a portuguesa, por exemplo) irão ou não assumir.Imaginemos então uma Superliga europeia com 24 clubes, os 16 melhores da Liga dos Campeões de um ano e os oito mais fortes da Liga Europa do mesmo ano. E imaginemos que os dividimos em dois grupos de 12, que jogariam todos contra todos a duas voltas (22 jornadas). Aqui chegados, apuramos os oito melhores para os quartos-de final (seguidos de meias-finais e final) os oito piores para a fuga à despromoção. No fim, em 27 jogos, teríamos um campeão europeu e dois despromovidos, que na época logo a seguir dariam o lugar aos finalistas da Liga Europa, que se manteria nos moldes atuais. São 27 semanas de competição, com jogos todas as semanas: supondo que se começava na terceira semana de Agosto e que se interrompia por três semanas por alturas do Natal e Ano Novo, podia jogar-se a final no primeiro domingo de Março. Ao mesmo tempo, jogar-se-iam os campeonatos nacionais, também por jornadas. Equipas haveria que teriam de jogar as duas competições, mas esse seria um problema bom. Por um lado porque o que ganhariam na Liga Europeia lhes permitiria pagar planteis com a profundidade necessária para as "duas cadeiras"; por outro porque ao terem de dividir as atenções entre ambas as provas, deixariam de ser tão dominantes dentro de portas, incrementando a competitividade. Com o tempo, o normal é os campeonatos nacionais acabarem por sofrer o mesmo destino que tiveram os regionais em meados do século passado. Mas aí morrerão de morte natural, sendo substituídos por mais escalões na competição continental. Ninguém os assassinará. E haverá tanta gente a bater-se pela sua continuidade como houve na altura gente a dizer que acabar com o campeonato de Lisboa ou do Porto era matar o futebol. Em Março, findos os campeonatos nacionais e europeus, era a altura ideal para entrarem em ação as seleções, com três ou quatro meses anuais para jogarem qualificacão e, se fosse caso disso, fases finais, sem os jogadores terem de andar a saltitar de uma realidade para a outra e de preferência dividindo as seleções em escalões, para evitar a profusão de jogos com amadores que hoje se realizam. Já sei qual é a primeira objeção: como sobreviveriam os clubes nesses meses? Os que tivessem internacionais receberiam pela cedência desses jogadores, que a FIFA e a UEFA geram receita suficiente para tal. Além disso, havia sempre a positividade de se jogarem provas de menor importância, como as Taças da Liga, disputadas sem os internacionais. Podiam organizar clínicas para jovens, porque vai caber-lhes cada vez mais a formação transformada em negócio. Podiam organizar digressões. Porque essa ideia segundo a qual os clubes têm de estar em ação permanente para serem um sucesso financeiro é desmentida, também, pela NBA. As finais de 2016 chegaram ao sétimo jogo e concluíram-se a 19 de Junho. A competição recomeça a 25 de Outubro, mais de quatro meses depois. E as equipas que não chegarem ao playoff ficam despachadas em inícios de Abril, quase seis meses antes de voltarem à competição. E não tenho ideia de as franchises andarem a perder dinheiro
2016-10-17
LER MAIS

Último Passe

A segunda vitória consecutiva de Portugal por 6-0, desta vez no piso sintético de Tórshavn, contra as Ilhas Faroé, começou numa noite perfeita de André Silva, autor de um hat-trick na primeira parte, mas teve igualmente grande influência de João Mário, o maestro que foi permitindo à equipa de Fernando Santos jogar dentro das linhas do adversário. Ronaldo, Moutinho e Cancelo completaram o resultado num segundo tempo onde nem a descontração normal em situação de vantagem permitiu aos donos da casa entrar no jogo. Prova disso é a superioridade estatística dos portugueses e o facto de as Ilhas Faroé só terem rematado por três vezes nos 90 minutos.Portugal manteve o 4x4x2 do jogo com Andorra, mas com a troca de Bernardo Silva e João Moutinho por João Mário e William Carvalho. Estas trocas tinham a intenção de ganhar centímetros que podiam ser decisivos face ao jogo mais direto e físico das Ilhas Faroé, mas também de conseguir jogar dentro do bloco adversário. Partindo da esquerda mas surgindo frequentemente pelo corredor central, quase sempre em trocas posicionais com Ronaldo, que nessas alturas abria na lateral, João Mário foi capaz de encontrar o espaço para jogar entre as linhas das Ilhas Faroé e de dirigir a equipa e André Silva até ao hat-trick que resolveu o jogo bem cedo, após um início no qual a seleção nacional até teve algumas dificuldades na adaptação ao relvado (problemas de tração no arranque e meia dúzia de escorregadelas) e ao tal futebol direto dos nórdicos, com procura dos ressaltos.A verdade é que Portugal marcou na primeira ocasião, logo aos 12': João Mário entrou pelo meio e deu a bola a André Silva, que a ganhou a tempo de bater Nielsen, apesar da tentativa de corte de Nattestad. E depois fez o 2-0 na segunda, dez minutos mais tarde: abertura de João Mário para a direita, de onde, após driblar um adversário, saiu um cruzamento de Quaresma que nem o guarda-redes nem um defesa foram capazes de desfazer, dando a André Silva a oportunidade de bisar, num cabeceamento muito bem colocado. Se dúvidas ainda houvesse, o hat-trick de André Silva, aos 37', em recarga a um tiro do sempre ofensivo João Cancelo, acabou com elas ainda antes do intervalo, o que de certa forma permitiu a Portugal regressar para a segunda parte com a tentação da gestão do jogo e do resultado. Era normal.Ainda assim, após mais um início dividido, os portugueses foram à procura de mais golos. Ronaldo, a passe de João Mário, perdeu o 4-0 logo aos 49', isolado na cara de Nielsen, vindo a fazê-lo aos 65', após dupla tabela com o mesmo João Mário e um remate ao ângulo que lhe saiu tão potente do pé esquerdo que o toque do guardião não fez mais do que confirmar o golo. Com o jogo resolvido, os donos da casa puseram a ideia num golo de honra e até fizeram os seus únicos (três) remates nesses 25 minutos finais, mas sempre sem ameaçar a tranquilidade de Rui Patrício, que foi um espectador durante toda a noite. Foi por essa altura que, vendo a equipa abrandar, Fernando Santos deu sinais de querer mais. Chamou Gelson para o lugar de Quaresma e o jovem leão trouxe a velocidade e a criatividade que já iam faltando ao jogo: praticamente na primeira vez que tocou na bola deu a André Silva a possibilidade de fazer mais um golo, mas desta vez Nielsen foi mais forte e desviou para canto. No canto, Davidsen safou em cima da linha um cabeceamento de Pepe, o que parecia encaminhar o jogo sem mais golos até ao fim. Gelson, no entanto, quis deixar a sua marca e não esteve pelos ajustes, fazendo as assistências para os golos com que Portugal fechou a goleada, já para lá do minuto 90: primeiro deu atrasado para um remate em jeito de Moutinho, muito colocado, junto ao poste, e depois lançou Cancelo nas costas da defesa da casa, para o terceiro golo do lateral direito em outras tantas internacionalizações. Notável.O jogo acabou por resolver-se com mais facilidade do que o esperado por toda a equipa portuguesa - às Ilhas Faroé não tinham sofrido um único golo nas primeiras jornadas - mas isso não significa que Portugal tenha a vida mais facilitada, pois mesmo com dificuldades, a Suíça voltou a ganhar e os 2-1 a Andorra também valeram três pontos.
2016-10-10
LER MAIS

Último Passe

Afinal, a quem aproveita esta interrupção no calendário competitivo dos clubes europeus para que se joguem os desafios de qualificação para o Mundial de futebol? Quer a verdade? A ninguém. Perdem os clubes, perdem as seleções, perdem os adeptos e perdem os meios de comunicação, que também são parte importante na mobilização de gente para o espetáculo. Já devia ser razão mais que suficiente para que esta questão, a par do tema dos quadros competitivos do futebol no continente e no Mundo, fosse posta em causa de uma forma séria e sem tabus. Porque o Mundo mudou e a evolução não pode esperar nem estar presa a ideias feitas de acordo com a realidade de há décadas.A instituição das datas FIFA já foi uma vitória, mas uma vitória de Pirro. Porque organiza as coisas, ainda que o faça no sentido contrário ao da sua evolução natural. Experimente por-se no lugar do treinador de um clube. Se tem bons jogadores, daqueles que vão às seleções, ficou sem meia equipa durante quase duas semanas, o que torna impossível os trabalhos de conjunto. Mais: quando eles regressarem, muitos de longas viagens intercontinentais e em vésperas do jogo que se segue, chegam "mortos" e em condições que não recomendam que os envolva nos compromissos do próximo fim-de-semana. É mau, não é? Ponha-se então no lugar de um selecionador nacional. Pode ser Fernando Santos. Chamou 23 jogadores para as partidas com a irrelevante equipa de Andorra e a mais complicada (mas nem por isso mais estimulante) seleção das Ilhas Faroé. Recebeu os jogadores em cima da data dos jogos, sem hipótese de trabalhar seja o que for em condições satisfatórias, e a sua maior dificuldade é motivar homens que fazem a sua vida na Liga dos Campeões e em exigentes Ligas nacionais para meterem o pé com o risco de se lesionarem contra amadores e em jogos onde não têm nada a ganhar mas muito a perder. Não parece nada fácil e acredite: não é aliciante.Como se tudo isso ainda não bastasse, a interrupção não serve aos adeptos, que já ressacam a falta da emoção dos jogos dos clubes - ou, no caso dos que gostam e vivem a seleção, de jogos mais a sério da equipa nacional - nem aos órgãos de comunicação, que se vêem a braços com períodos vazios de interesse, nos quais por mais que se esforcem não lhes será possível manter o show em andamento nem cumprir a parte do orçamento que diz respeito às receitas. No fundo, estas interrupções, que todos temos como obrigatórias porque sempre as conhecemos assim, não satisfazem ninguém. E no entanto ninguém as põe em causa, porque estamos todos cheios de medo da evolução, do que aí vem no futuro do futebol mundial. Só que essa é a perspetiva errada. O futuro virá sempre. Escondê-lo, adiá-lo é só idiota, porque nos tira a possibilidade de o moldar da forma que melhor serve os interesses globais.O que reserva o futuro? Reserva mais jogos de perfil elevado e, a não ser que eles nasçam dentro do sistema, acabará por motivar a cisão entre grandes e pequenos e até entre grandes clubes e seleções, no dia em que um Real Madrid ou um Barcelona tenham uma alternativa credível à Liga dos Campeões e por isso se recusem a aceitar libertar os Ronaldos ou os Messis para jogarem contra agentes de seguros ou especialistas na pesca do bacalhau. Reserva, por isso, uma Superliga europeia, porque os grandes clubes já sabem há muitos anos que é a jogar uns contra os outros que enchem os estádios e motivam as audiências televisivas. E reserva na mesma jogos de seleções, mas com uma lógica que não fuja ao resto do panorama competitivo que os jogadores enfrentam no resto das suas vidas. Porque a não ser para bater recordes, as passagens de um jogador como Ronaldo pelas atuais fases de qualificação de Europeus e Mundiais parece-se assustadoramente com uma perda de tempo, com sete jogos inúteis em cada dez.Para enquadrar estas duas realidades é preciso pôr tudo em causa. Fá-lo-ei no artigo da próxima semana.
2016-10-10
LER MAIS

Último Passe

Portugal goleou Andorra por 6-0, numa noite que ficará para a história da seleção e de Cristiano Ronaldo, autor de quatro golos que igualam o recorde de concretizações num só jogo da equipa nacional, até então pertença de Eusébio, Pauleta e Nuno Gomes. A partida serviu a Fernando Santos para começar a emendar o passo em falso dado com a derrota na Suíça, na jornada inaugural, mas não chega para alimentar euforias, não só porque Andorra é uma seleção demasiado fraca para ser tida em conta, como também porque os suíços complicaram as contas nacionais, ganhando na Hungria por 3-2 e superando com o pleno de pontos o obstáculo mais complicado que tinham antes da deslocação a Portugal. O jogo de Aveiro teve pouca história, porque Portugal marcou dois golos nos primeiros quatro minutos, ambos da autoria de Cristiano Ronaldo, que assim assinou o bis mais rápido de sempre na equipa nacional. A questão da atribuição dos pontos ficou logo ali resolvida, mas para a tibieza da reação andorrenha contribuiu igualmente o facto de os visitantes terem jogado os últimos 20 minutos com nove homens, devido a duas expulsões nascidas de um jogo persistentemente faltoso com que tentaram travar a equipa lusa. Fosse por excesso de empenho físico enquanto puderam dá-lo ou devido a um atraso constante na chegada à bola quando começaram a acusar a fadiga, os pupilos de Alvarez foram sendo fustigados com amarelos que lhes retiraram qualquer hipótese de construir jogadas de ataque e permitiram a Portugal acabar o jogo com várias unidades atacantes em campo ao mesmo tempo: Ronaldo, Quaresma, Gelson, Bernardo Silva, André Silva, João Mário e João Moutinho terminaram todos o jogo em campo, numa equipa que já só tinha três defesas e podia ter dispensado o guarda-redes, tão desprovida de sentido foi a permanência entre os postes de um sempre desocupado Rui Patrício Este foi, ainda assim, um jogo com várias pequenas histórias. Foi a história do recorde de golos num só jogo da seleção, que Ronaldo igualou mas podia bem ter superado, não tivesse ele passado os últimos 20 minutos de jogo longe da área, devido a um toque mais violento que sofreu por essa altura. Mas foi também a história do primeiro golo de André Silva na seleção, uma finalização longe de ser brilhante, que beneficiou de um desvio num defesa adversário, mas que nem por isso ou por ele ter perdido antes dois cabeceamentos com selo de golo tira vontade de o ver mais vezes ao lado de Ronaldo, pela forma como trabalha para libertar o capitão de amarras e da necessidade de jogar de costas para a baliza, como referência do ataque. A primeira experiência da dupla foi boa, mas tal como acerca da titularidade de Cancelo na defesa, exige observação mais cuidada perante um adversário de um nível de exigência mais alto para se formarem opiniões mais definitivas. E foi ainda a história da estreia de Gelson na seleção principal, entrando nos últimos 20 minutos para acelerar a equipa – quis o destino que a entrada do extremo leonino coincidisse com a lesão de Ronaldo e a redução de Andorra a nove homens, o que mudou o jogo. Nesses últimos 20 minutos, contra nove, Portugal só fez um golo – o sexto, de André Silva. Até aí tinha feito cinco, que completam a história do que se passou em Aveiro. Ronaldo marcou o primeiro aos 2’, sendo mais rápido a erguer-se que Rebés após uma defesa do guarda-redes Gomez para a frente, e juntou-lhe o segundo logo aos 4’, respondendo da melhor forma a um excelente cruzamento de Quaresma. Portugal entrou nessa altura numa fase de menor fulgor, com vários passes perdidos, nascidos da desconcentração de uma equipa à qual tudo parecia demasiado fácil. João Cancelo, em lance individual, fez o 3-0 pouco antes do intervalo, mas a equipa voltou melhor para o segundo tempo, provavelmente acordada com a insatisfação de Fernando Santos. Ronaldo fez o quarto aos 47’ numa belíssima finalização em volei após cruzamento tenso de André Gomes, e o quinto aos 68’, acorrendo de pé esquerdo a um desvio de José Fonte. Igualado o recorde e com mais de 20 minutos por jogar, esperar-se-ia que ele o batesse, mas foi aí que o capitão recuou no campo e a equipa assumiu o objetivo de dar a André Silva o seu primeiro golo internacional. Fê-lo já perto do final, compondo o resultado e deixando toda a gente à espera de ver o que trará o jogo nas Ilhas Faroe. Mais dificuldades, certamente.
2016-10-08
LER MAIS

Último Passe

Quando se perde, é normal que surjam as queixas. Quando se perde muitas vezes, como tem acontecido ao Nacional neste início de época, é ainda mais normal que as queixas se acumulem como ficheiros em lista de espera em cima de uma secretária. Manuel Machado, que viu a sua equipa perder mais vezes que as esperadas nas primeiras sete jornadas da Liga, passou a semana a queixar-se. Mas, ainda que as queixas tenham o seu quê de circunstancial e, pelo menos num caso, de desculpa de mau pagador, o veterano treinador não deixa de ter alguma razão. Já se sabe que o futebol português se move de acordo com os estados de alma dos três grandes, mas nunca é demais lembrar que sem os outros não haveria Liga. E portanto é importante saber o que têm para dizer. Ora Machado começou por se queixar de um calendário que o forçou a receber o Benfica à terceira jornada e o FC Porto à sétima e que em breve o levará a medir forças com o Sporting. Qual é o problema? Nenhum, como é óbvio. A Liga joga-se em sistema de todos contra todos e este não é sequer um daqueles casos evidentes – que já se viu em épocas anteriores – de um “rolo compressor”, em que uma equipa jogava, por exemplo, com dois dos três grandes de seguida. Acha que nunca aconteceu? Pois engana-se. Em 1992/93, por exemplo, quase todas as equipas do campeonato defrontaram, de seguida, Sporting, Benfica, Boavista e FC Porto. A questão é que isso só deixou de ser possível porque o grande que jogava primeiro se queixou, pois os rivais acabavam por beneficiar, por exemplo, de castigos provocados por expulsões nesses jogos. E aí, mesmo não tendo razão nenhuma na queixa que fez, Machado mete uma “lança em África” ao completá-la com a alusão a tantos condicionalismos que se fazem nos sorteios, sempre em benefício dos mesmos. Por que razão não hão-de os grandes jogar entre si a abrir os campeonatos? Há alguma razão que o justifique e que os mais pequenos não possam depois apresentar em sua defesa para fugirem a este tipo de confrontos de perfil mais elevado nas primeiras jornadas? Claro que não há, a não ser a proteção dos mais fortes. Mais interessante, porém, é a temática em torno da segunda queixa de Machado. Então o FC Porto pôde jogar com dois jogadores emprestados pelo Atlético Madrid – Diogo Jota e Oliver Torres – e o Nacional não pôde fazer o mesmo com o jogador que tem emprestado pelo FC Porto? Dita assim, a coisa parece ser para rir. Vítor Garcia não pôde jogar por estar emprestado: ele não pôde jogar por estar emprestado pelo clube que o Nacional ia defrontar. Aliás, no mesmo jogo, o Nacional alinhou com César, que está emprestado pelo Benfica, e Tobias Figueiredo, emprestado pelo Sporting. No entanto, mesmo não tendo outra vez razão, Machado voltou a pôr o dedo numa ferida que está mal cicatrizada. Sei que a Liga portuguesa proibiu os clubes de utilizarem os emprestados nos jogos contra o clube-mãe para evitar suspeições. Sei até que não é a única Liga mundial que o faz. Assim sendo, a utilização dos jogadores não fica dependente da boa vontade de quem empresta – e já se sabe que uns autorizavam e outros não – ou até da capacidade para influenciar decisões que cada clube grande vai tendo junto da sua “clientela”. E no entanto, esta é uma solução que nunca me convenceu. Porque afasta bons jogadores dos relvados, porque desvirtua a concorrência e porque se baseia na ideia de que os clubes não podem ser todos iguais, mesmo que participem todos no mesmo campeonato. Ora isso não é bom. Será esta solução melhor que a anterior, na qual a utilização dos emprestados era deixada ao critério de cada um? Admito que sim, como admito o contrário. Depende das boas ou más intenções de cada um. Mas sei que a solução ideal passava, isso sim, pela limitação do total de jogadores que cada clube pode ter sob contrato e, depois, do total de jogadores que poderia emprestar. Uma equipa mais forte do ponto de vista financeiro – e já se sabe a influência que o dinheiro da Champions tem em campeonatos de países periféricos como o nosso – pode contratar sem limites e depois espalhar jogadores por vários clubes concorrentes, assegurando desde logo que está a defrontar equipas que nesses dias se apresentam inferiorizadas jornada após jornada. Ora se cada clube visse limitado o total de jogadores que podia contratar e emprestar isso viria automaticamente reduzir os efeitos deste atropelo às regras da concorrência. Se são bons, os jogadores que os grandes contratam e emprestam não iam deixar de ter emprego – teriam, isso sim, outros empregadores. Empregadores pelos quais poderiam lutar em todas as rondas da Liga. Ganhariam menos dinheiro? Talvez. Mas a essa questão – a da distribuição da receita, que continua a ser o maior entrave a um futebol português verdadeiramente competitivo – voltarei um dia.
2016-10-03
LER MAIS

Último Passe

Duas carambolas felizes transformaram o que corria riscos de se tornar um jogo difícil num passeio agradável para o Benfica. Os encarnados ganharam por 4-0 ao Feirense e já seguem com três pontos de avanço sobre os rivais, isolados na liderança do campeonato e indiferentes à onda de lesões que lhes roubou vários titulares nestes primeiros meses de competição. O resultado amplo encerrou também quaisquer questões que a derrota de Nápoles pudesse levantar: aos quatro golos da Champions, respondeu a equipa de Rui Vitória com mais quatro na Liga portuguesa. E no entanto o jogo começou por não se apresentar fácil para os encarnados. Rui Vitória chamou ao onze Ederson e Luisão, por troca com Júlio César e Lisandro, promovendo ainda os regressos de Salvio e Gonçalo Guedes, que em Itália tinham sido sacrificados à estratégia. Pizzi apareceu a jogar pelo meio, devido à ausência de André Horta por lesão, mas os primeiros momentos do jogo mostravam na mesma um Benfica com dificuldades para se opor ao jogo apoiado do adversário. O tricampeão nacional tinha muito mais bola, sim, criava até perigo sempre que chegava à frente em cantos ou livres laterais – a influência de Luisão cresce nesses momentos e faz-se notar – mas ao mesmo tempo o Feirense conseguia chegar à frente em boas condições, quase sempre em contra-ataque, bem ao estilo das equipas de José Mota. O primeiro golo do Benfica, marcado na própria baliza por Luís Aurélio, aos 35’, no seguimento de um lançamento lateral longo, de Salvio, no qual mais ninguém tocou antes do desvio no sentido errado, veio premiar o maior volume de jogo dos encarnados, mas não uma boa exibição. Longe disso. Consciente de que o jogo não estava resolvido, Rui Vitória terá pedido mais aos jogadores durante o intervalo, o que se refletiu num Benfica mais pressionante e intenso na entrada da segunda parte. Foi, ainda assim, noutra carambola feliz que a equipa da casa chegou aos 2-0, aos 61’: o alívio de Ícaro encontrou Salvio pelo caminho e o ressalto tomou a direção da baliza de Peçanha, que estaria à espera de tudo menos daquilo. E aí, de facto, o jogo mudou. O Feirense deixou de acreditar na possibilidade de levar pontos para casa e o Benfica começou a articular belas jogadas de ataque, como a que lhe deu o 3-0, por exemplo: movimentação coletiva a libertar Semedo na direita e cruzamento deste para o cabeceamento de Cervi, que quatro minutos antes entrara para o lugar de Carrillo. Com o jogo ganho, ao Benfica faltava somar mais um golo para se isolar também na lista dos melhores ataques do campeonato. Depois de várias ocasiões, acabou por fazê-lo no último minuto de compensação, num livre direto superiormente executado por Grimaldo. Os 4-0, talvez demasiado penalizantes para um Feirense que até começou o jogo de forma personalizada, valeram ao Benfica o aumento da vantagem para os perseguidores na classificação, a manutenção da melhor defesa (quatro golos sofridos, tantos como o FC Porto) e o regresso ao comando dos ataques (com 17 golos marcados, mais um do que o Sporting). Quando o campeonato segue para uma interrupção de três semanas antes da deslocação ao Restelo, na qual Rui Vitória já deverá ter vários dos lesionados, eis vários motivos para a equipa encarar o que aí vem com otimismo.
2016-10-02
LER MAIS

Último Passe

Um hat-trick de Diogo Jota ainda na primeira parte transformou a viagem do FC Porto à Choupana num passeio, reduziu a oposição do Nacional a zero e alertou Nuno Espírito Santo para a existência de valores seguros no plantel para os quais talvez nem os mais fervorosos adeptos portistas estivessem alerta. A vitória por 4-0, para a qual contribuiu mais um golo de André Silva, na segunda parte, permitiu aos dragões colarem-se a Sporting e Benfica (que ainda tem de jogar a sua partida desta jornada) no primeiro lugar. E, apesar de a interrupção da Liga não chegar na melhor altura para uma equipa subitamente remoralizada, permitirá um recomeço quase do zero quando o campeonato regressar: este FC Porto jovem, esta equipa dos "jotinhas", apresentou o melhor compromisso dois dragões desde o início da temporada. Para o desequilíbrio final no marcador contribuiu um Nacional fraco, é verdade, mas também um FC Porto outra vez forte. O regresso de Herrera, melhor em posse do que André André, e sobretudo a titularidade de Jota, explicam alguma coisa. Um jogador rápido e objetivo como Jota, que fez 14 golos ainda como júnior, na época de estreia na Liga, não pode ser visto só como elemento de contra-ataque – é uma arma incontornável na construção do processo ofensivo portista, tendo feito mais numa noite do que todos os outros parceiros de André Silva no 4x4x2 no resto da temporada. Fez o 1-0 após tabela com Herrera, logo aos 11’. Perdeu o segundo golo em lance individual ao qual se opôs o guardião Rui Silva, mas apenas para o fazer pouco depois, após passe de André Silva. E antes do intervalo ainda fez o terceiro, de cabeça, após cruzamento vindo da direita. A perder por 3-0, ninguém regressa a um jogo contra um grande a não ser que este facilite. Na segunda parte, o FC Porto não o fez e na verdade não se viu sequer ameaça de regresso do Nacional à luta pelos pontos. Foi o FC Porto quem marcou mais um, aliás, ainda antes dos 60’: André Silva finalizou, após assistência de Otávio, num lance nascido da criatividade de Oliver. Com Herrera, Otávio e Oliver à frente de Danilo, o meio-campo do FC Porto ganha uma capacidade de construção ofensiva a que depois dois bebés com golo nas botas como são Jota e André Silva podem dar a devida sequência. Chegará tanta juventude para os desafios a que se propõe o FC Porto? Não é fácil responder afirmativamente e sem reservas. Mas que ainda não se tinha visto melhor compromisso esta época aos dragões, isso é uma evidência.
2016-10-02
LER MAIS

Último Passe

A incapacidade do Sporting para controlar os jogos em situações de vantagem custou à equipa de Jorge Jesus dois pontos numa partida que dominou por completo até aos 75 minutos, mas onde um quarto-de-hora de pesadelo lhe custou um empate a três bolas, frente ao Vitória, em Guimarães. A ganhar por 3-0 e tendo perdido mais três ou quatro situações claras de golo, foi a equipa do Sporting que, a 15 minutos do final, levantou o ânimo aos minhotos, cedendo um penalti escusado e falhando depois na marcação a Marega num cruzamento. Num ápice, um jogo que estava fechado, reabriu, de 0-3 para 2-3. O Vitória acreditou e já sobre o minuto 90 chegou a um empate que o muito maior volume de jogo leonino não faria prever, mas que castigou a desconcentração e a tremedeira final dos leões. Esta não foi a primeira vez que os leões cederam neste tipo de situações. Basta lembrar o jogo de Madrid (de 1-0 para 1-2 nos últimos dois minutos) ou até a partida caseira com o Estoril (dois golos sofridos nos últimos cinco minutos, transformando uma noite tranquila num jogo de emoção no final). Em Guimarães, hoje, nada o faria prever, face ao que o jogo vinha dando. Jesus apresentou um onze muito próximo da sua equipa de gala, mudando apenas os dois defesas-laterais e apresentando Markovic na frente, no apoio a um Bas Dost desta vez mais apagado e distante da equipa. O Vitória, com três homens declaradamente na frente – Soares, Marega e Hernâni – ainda ameaçou num passe longo para as costas da defesa leonina que o malinês não conseguiu captar em condições, mas depois desse lance os leões passaram a mandar no jogo. Gelson voltou a mostrar o futebol que o levou à convocatória para a seleção nacional e numa arrancada pelo corredor central inventou o primeiro golo: passou por vários adversários e chutou para uma defesa incompleta de Douglas, tendo Markovic sido o mais rápido a chegar para a recarga. O facto de ter perdido o capitão, Adrien, pouco depois, com uma lesão muscular, poderia ter afetado o rendimento leonino, mas não foi pela presença de Elias que a equipa fraquejou, pois o brasileiro até entrou bem na manobra geral. Coates ainda fez o segundo golo antes do intervalo, na sequência de um canto de Ruiz e o Sporting parecia rumar tranquilamente a mais três pontos. Até pela facilidade com que criava – e perdia – lances de golo. Isso viu-se, por exemplo, no arranque da segunda parte. Elias, em boa posição, chutou ao lado, aos 46’, tendo Douglas tirado o terceiro a Markovic um minuto depois, quando o sérvio lhe surgiu isolado pela frente em mais um belo lance de Gelson. O guarda-redes vimaranense, que já não tinha ficado isento de culpas no golo de Coates, tentava redimir-se, mas acabou por voltar ao lado errado da partida, deixando escapar para as redes um remate de Elias que queria enviar pela linha de fundo. Com 0-3, a 19 minutos do fim, o jogo parecia ter acabado. Mas não. Um penalti escusado de William sobre Hernâni, convertido por Marega aos 74’, podia ser um incidente meramente folclórico, não tivesse o mesmo Marega feito o 2-3 logo um minuto depois, surgindo entre Coates e Schelloto na sequência de um cruzamento da direita. De repente, o jogo reabria. O Vitória voltava a acreditar, puxado de forma entusiasta pelo seu público. E chegou mesmo ao empate num dos muitos livres de que beneficiou nessa ponta final: cobrança de Rafinha e cabeça de Soares, ao segundo poste, nas costas de Schelloto. O golo premiava 15 minutos finais com muito coração da equipa de Pedro Martins, mas acabava por ser bem mais o reflexo das dificuldades defensivas que este Sporting vem enfrentando: desde Madrid, em cinco jogos, o Sporting sofreu dez golos. Começa a ser uma tendência.
2016-10-01
LER MAIS

Último Passe

Dizer que o Benfica médio de Nápoles não foi tão mau como os quatro golos sofridos em menos de uma hora parecem fazer crer é como dizer que o Benfica médio da época passada não foi tão bom como os 88 pontos que somou na tabela final da Liga parecem dar a entender. E é tão profundo na análise como seria afirmar que Rui Vitória errou na escolha do onze só porque os dois jogadores que hoje sacrificou à vontade de dar à equipa mais algum controlo – Salvio e Gonçalo Guedes – acabaram por entrar e fazer os golos com que a equipa transformou um resultado catastrófico numa derrota apenas preocupante. Os 4-2 de Nápoles revelaram fundamentalmente duas coisas. Primeiro, uma propensão para o erro, sobretudo nas bolas paradas defensivas, que o Benfica já mostrara em jogos anteriores – a maior parte dos golos sofridos pelos encarnados esta época nasceu de bolas paradas. E depois um adversário mais matreiro e com maior taxa de acerto do que a maioria das equipas que o Benfica já tinha defrontado até aqui e que por isso mesmo foi capaz de transformar um superior volume de jogo em golos. Porque se Rui Vitória começou o jogo com André Almeida ao lado de Fejsa, de forma a que ambos pudessem ser auxiliados por André Horta, que partia de uma posição mais avançada – a de Jonas, que vem sendo ocupada por Gonçalo Guedes – foi por reconhecer que o Benfica tem tido problemas para controlar o ritmo dos jogos a meio-campo. É verdade que também não controlou este e que, genericamente mais atrás no campo, acabou por ver os erros cometidos transformados em golos. Hamsik fez o 1-0 logo aos 20’, de cabeça, num canto em que Fejsa se mostrou pouco agressivo no ataque à bola no primeiro poste. Ao intervalo, esperar-se-ia que Rui Vitória despertasse Carrillo, em sub-rendimento na esquerda do ataque, e que a equipa se juntasse para lutar pelo empate, mas o que se viu foram mais três golos do Napoli. Em sete minutos, Mertens fez o 2-0 num livre muito bem batido, Milik aumentou para 3-0 de penalti e Mertens chegou aos 4-0, num lance do qual Júlio César dai mal-visto, por ter falhado a interceção de um cruzamento que era dele. Com a discussão do resultado arrumada, Rui Vitória ainda fez entrar Salvio e Gonçalo Guedes, atenuando o resultado de 0-4 para 2-4 com dois golos dos dois suplentes, a dar sinal de uma atitude mais agressiva do Benfica, mas também da natural diminuição de intensidade de um Napoli que chegou aos seis pontos e encara a jornada dupla com o Besiktas na perspetiva de carimbar o apuramento. Para o Benfica, pelo contrário, os dois jogos com o Dynamo Kiev serão uma espécie de última praia, na qual um mínimo de quatro pontos se exige para entrar na fase decisiva em condições de discutir a passagem à fase seguinte.
2016-09-28
LER MAIS

Último Passe

Um Sporting poupado, tanto nos golos como na exibição que assinou na segunda parte, chegou para ganhar por 2-0 ao Legia Varsóvia, a pior equipa do grupo na Champions, e entrar na dupla jornada contra o Borussia Dortmund com os alemães à vista na tabela. Bryan Ruiz e o inevitável Bas Dost fizeram dois golos em nove minutos, no melhor período dos leões, que depois, ainda antes do intervalo, fecharam a loja e deixaram que o campeão polaco revelasse alguma vulgaridade: nem com os leões em ritmo de treino o Legia foi capaz de ameaçar discutir o resultado. Notava-se, de início, que o Legia vinha com duas ideias fixas: pressionar a saída de bola leonina, sobretudo quando ela era feita por William Carvalho, e quando recuperava a iniciativa mais atrás, explorar as costas dos laterais adversários com passes rápidos. Isso chegou para que os leões – ontem escalados com Bruno César como segundo avançado, num onze mais conservador do que o habitual – tivessem dúvidas. Mas só por uns minutos. Assim que acertou posicionamentos, a equipa dirigida por Raul José encostou o adversário à sua baliza, raramente o deixando sequer passar a linha de meio-campo. Gelson surgia ao nível habitual, imparável na direita, e tanto Adrien como Bryan Ruiz se aproximavam com critério de Bas Dost, o pivot ofensivo do esquema. Como resultado disso, acumulavam-se as ocasiões de golo na baliza de Malarz. Antes do 1-0, Gelson já tinha acertado na barra, numa finalização de baliza aberta, e tanto Dost como Adrien e Ruiz tinham estado também perto do golo. O golo de Ruiz, mesmo nascido de um mau corte de um polaco, justificava-se, o mesmo sucedendo com o segundo, que Dost marcou nove minutos depois, após bela abertura de Adrian. Até ao intervalo, Coates ainda obrigou o guardião Malarz a uma grande defesa, para evitar o 3-0, o mesmo tendo acontecido logo a abrir a segunda parte com Adrien. Só que aí já o Sporting entrara em modo de poupança. Os leões chamaram ao campo Markovic, Campbell e até Petrovic, acabando o jogo num assumido 4x2x3x1, revelando que não estavam assim tão interessados em correr riscos para ir à procura do 3-0. Com mais bola, o Legia também não foi capaz de deixar sequer a sensação de que podia vir a discutir o jogo: teve uma ocasião de perigo, por Radovic, mas a bola saiu ao lado da baliza de Rui Patrício. Terá de melhorar muito o Legia se quer evitar uma dupla goleada nos jogos com o Real Madrid que aí vêm. Ao mesmo tempo, o Sporting vai tentar discutir a qualificação com o Borussia Dortmund. Sem poupanças, nesse caso.
2016-09-28
LER MAIS

Último Passe

Não foi convincente o discurso de Nuno Espírito Santo na sequência da derrota do FC Porto em Leicester. Não é uma anormalidade perder por 1-0 no relvado do campeão inglês, mais a mais quando o FC Porto nunca tinha ganho em Inglaterra, e apesar de entrar na terceira jornada com apenas um ponto este nem sequer é o início de Champions do qual seja impossível recuperar, tendo em conta que aí vêm os dois jogos com o acessível Brugge, dos quais em condições normais os dragões retirarão o pleno de pontos. Mas ao treinador cabe perceber que o problema não foi a equipa não ter sido “mandona”, ter-lhe faltado “confiança” ou “eficácia” ou ainda ter sido pouco “madura”. O problema é que essa tem sido uma avalição recorrente e nasce da demora da equipa a assimilar princípios de jogo atacante. Objetivamente, mesmo tendo em conta que esta foi apenas a quarta vitória em dez jogos para o Leicester desta época, o FC Porto perdeu um jogo com normalidade. Fez uma primeira parte fraca, na qual um erro de Marcano e Felipe deu a Slimani o único golo do jogo: o espanhol estava mal posicionado no momento do cruzamento de Mahrez e o brasileiro permitiu que o ex-avançado do Sporting se lhe antecipasse no ataque à bola, que pelo caminho já tinha passado por Vardy. Depois, a perder, com Herrera, Corona e Jota, o FC Porto melhorou, é verdade. E isso, o facto de a equipa acabar quase sempre bem os seus jogos, quando o treinador recorre às alternativas, também devia ser motivo de reflexão. Se Nuno se queixa de falta de maturidade, por que não joga Herrera? Se se queixa de falta de eficácia e de golo, porque estão de fora jogadores que têm golo nas botas, como Corona – oito golos na época passada – ou Jota – que fez 14 no Paços de Ferreira? O extremo mexicano ainda meteu uma bola no poste da baliza de Schmeichel, já perto do fim, e esse lance, a somar a uma tentativa de chapéu de André Silva que saiu ao lado, logo no início da partida, foi um oásis em mais uma noite de pouca produção atacante da equipa portista. O Leicester também não fez muito mais, é verdade. Mas estranho será olharmos para os dois onzes, ou para os dois plantéis, e de repente acharmos que os ingleses tinham jogadores internacionalmente mais experientes, com mais capacidade para serem mandões ou, face ao terrível início de época que estão a viver, mais confiantes. A questão é que ao FC Porto falta ainda assimilar um plano de jogo em posse. O Leicester também o não tem? Mas o Leicester joga simples e grosso e nem quer saber disso. Ao FC Porto não tem faltado confiança, eficácia ou maturidade. Falta-lhe convicção.
2016-09-27
LER MAIS

Último Passe

Portugal é campeão da Europa e ganhou o campeonato jogado em França há menos de três meses com sangue novo no onze e sobretudo nos 23, pelo que mencionar a hipótese de renovação é sempre complicado e sujeita quem levantar o dedo para falar a levar como resposta que ela já está a ser feita. Mas as equipas renovam-se. Mesmo as que ganham. E as melhores renovações são aquelas que nem precisam de debate. É por isso que nem o facto de a taça ainda não ter acumulado pó suficiente para justificar que se lhe passe o pano inibiu Fernando Santos de chamar André Silva ao grupo na viagem à Suíça. E que se tudo correr dentro da normalidade o duplo confronto com Andorra e as Ilhas Faroe pode motivar mais três ou quatro adições ao grupo: Gelson Martins, Pizzi, Ruben Semedo e Nelson Semedo. Parece-lhe demasiado? Olhe que não. Sabia por exemplo quantos jogadores Luiz Felipe Scolari mudou entre a equipa que chegou às meias-finais do Mundial de 2006 e a que foi à Suíça jogar o Europeu de 2008? Foram 12. E acha que foi porque aquela seleção já era veterana e por isso era necessário pensar em renovação? Olhe que se engana. Porque em 2010, no momento de convocar para o Mundial da África do Sul, Carlos Queiroz mudou outros 12 nomes nos 23. E em 2012, quando fez a sua lista para o Europeu da Polónia e da Ucrânia, Paulo Bento voltou a fazer muitas mudanças – se arriscou vaticinar que foram doze, acertou em cheio. O doze não é nenhuma espécie de número mágico para esta conversa, mas serve de referência para que julguemos que a partir desse momento a equipa entrou numa espécie de estagnação. Paulo Bento só mudou sete homens na lista que elaborou para o Mundial do Brasil, em 2014, e face à pobreza dos resultados todo o país passou a achar que ele foi conservador demais. Fernando Santos voltou ao ritmo anterior, mudou onze convocados para 2016 e a seleção ganhou o Europeu. Quer isto dizer que, em condições normais, André Silva não será a única novidade de Portugal na fase final do Mundial de 2018 – se, como se espera, a seleção lá chegar. Já se viu que o ponta-de-lança do FC Porto tem qualidade para a equipa nacional, embora ainda não tenha sido possível testar algo que defendo desde antes do Europeu – que ele é o parceiro ideal para o Ronaldo dos dias de hoje na frente de ataque, porque faz tudo o que o CR7 deixa por fazer. Pressiona sem bola, dá profundidade, luta no corpo-a-corpo, o que já de si vem tornar algo irrelevante se faz poucos ou muitos golos. E ele por acaso até tem feito muitos. Esta semana, Jorge Jesus veio apresentar formalmente mais uma candidatura à próxima convocatória de Fernando Santos. Disse o treinador do Sporting que não há no futebol português nenhum jogador com as caraterísticas de Gelson Martins e tem razão, porque Gelson alia a criatividade de Quaresma em situações de um para um à velocidade que já vai faltando ao Mustang do Besiktas e que entre os mais jovens atacantes nacionais só se encontra, por exemplo, em Rafa. É uma mistura de tal forma explosiva e que foi de tal modo impactante, por exemplo, no Santiago Bernabéu, quando o Sporting lá defrontou o Real Madrid, que estranho seria que Fernando Santos se privasse de a ver em ação. Acontece que não é por ter tido o seu treinador a fazer lobby por ele que Gelson terá de estar sozinho como novidade na próxima convocatória. Pizzi continua a ser, juntamente com João Mário, o melhor médio nacional a articular jogo exterior com jogo interior. Se com Jesus jogava no corredor central – foi a resposta possível à saída de Enzo Pérez a meio de uma época –, com Rui Vitória o transmontano tem sido sempre o médio-ala que mais frequentemente usa o cérebro para se juntar aos colegas do corredor central quando é necessário restabelecer equilíbrios. Entre os médios portugueses, só João Mário o faz melhor, pelo que custa a entender que continue a ser deixado de parte quando se juntam os melhores executantes nacionais. Como custará entender que Ruben e Nelson Semedo fiquem fora da próxima lista. O lateral do Benfica, vigoroso na forma como enche todo o corredor direito, pode até esbarrar no facto de haver boas opções para a sua posição entre os campeões da Europa, mas o central do Sporting, veloz e forte no desarme e na antecipação como mais nenhum outro jogador da sua geração, até ocupa a posição mais necessitada de renovação na equipa campeã europeia. Ricardo Carvalho, aos 38 anos, está sem clube; Bruno Alves (34), Pepe (33) e José Fonte (32) também já não vão para novos, pelo que parece mais ou menos evidente que em 2018 haverá pelo menos um novo central português no Mundial. A ideia é dar-lhe rodagem.
2016-09-26
LER MAIS

Último Passe

Rui Vitória lembrou esta semana que a máquina do Benfica anda a trabalhar sem várias peças, que espera recuperar em Outubro, mas a verdade é que mesmo sem elas a equipa continua isolada na frente do campeonato. E isso deve-se muito a tardes como a de hoje, nas quais a máquina mostra eficácia máxima nas bolas paradas. De visita a um Chaves tão competente como o seu treinador, Jorge Simão, o Benfica obteve uma complicada vitória por 2-0, graças a mais dois golos nascidos nas bolas paradas: livre lateral de Grimaldo para um ligeiro desvio de Mitroglou, a 20’ do fim, e livre direto do mesmo Grimaldo à barreira, para a rcarga de Pizzi, aos 84’. Esta tem sido, aliás, a receita que o Benfica tem aplicado neste início de campeonato sem asa tais peças que lhe confiram maior qualidade: marcou de bola parada em todas as deslocações, sendo que em duas delas (Nacional e agora Chaves) foi mesmo assim que se adiantou no marcador. Aliás, no jogo de hoje, foi sempre de bola parada que mais ameaçou a baliza de António Filipe: mesmo com dificuldades para evitar que os três médios do Chaves (Assis, Battaglia e Braga) se superiorizassem no corredor central a André Horta e Fejsa, dessa forma gerando várias situações prometedoras que os flavienses desperdiçavam por falta de qualidade no último passe, o Benfica foi tendo as melhores ocasiões de golo até à ponta final da primeira parte. Mitroglou obrigou António Filipe a defesa apertada na ressaca a um livre, logo aos 17’, e Lisandro, na sequência de um canto da esquerda, voltou a cheirar o golo, aos 20’. Não era, porém, um Benfica consistente. As triangulações do Chaves libertavam quase sempre alguém para cruzar – porque Pizzi e Salvio eram muitas vezes chamados a tentar equilibrar ao meio em transição defensiva –, fossem Fábio Martins ou Nelson Lenho na esquerda ou o sempre ofensivo Paulinho à direita. E na sequência de um desses lances, a equipa da casa perdeu por três vezes o golo inaugural, aos 41’: Braga e Fábio Martins acertaram ambos no mesmo poste da baliza de Ederson, tendo depois Rafael Lopes feito a recarga de baliza escancarada ao lado. O Chaves, porém, voltou menos forte para a segunda parte e o jogo entrou num impasse até ao momento em que Mitroglou fez o 1-0, aparecendo no fim de um livre de Grimaldo que nascera de uma falta cometida por João Mário, a seta que Jorge Simão lançara na esquerda para voltar a aparecer nos metros finais do campo. Saiu-lhe mal a receita. A ganhar, o Benfica passou a sentir-se mais à vontade. Simão ainda tentou virar o jogo, chamando a ele Vukcevic para apoiar Rafael Lopes, mas Rui Vitória fechou a partida chamando Cellis para o lado de Fejsa, passando a poder explorar o espaço no meio-campo ofensivo como nunca conseguira até aí. Foi, ainda assim, noutra bola parada que fez o golo da tranquilidade, aos 84’: o livre de Grimaldo, quase em cima da linha de área, bateu na barreira, mas Pizzi estava na meia-lua à espera disso mesmo e teve todo o tempo para colocar a bola rasteira junto ao poste da baliza de António Filipe. Estava definida a atribuição dos pontos e a primeira derrota do Chaves neste campeonato, bem como o regresso do Benfica à liderança. Quando ainda está à espera de peças.
2016-09-24
LER MAIS

Último Passe

Mais uma noite fulgurante de Gelson Martins, desta vez bem acompanhado pela certeza na finalização de um Bas Dost que começa a ser solução, valeu ao Sporting uma vitória tranquila sobre o Estoril, à qual só uma meia-hora de descompressão final deu números ainda assim equilibrados: o 4-2 definitivo, com três golos nos últimos cinco minutos (dois deles para os visitantes), reflete tanto o amplo domínio que os leões exerceram sobre o adversário até ao momento em que Jorge Jesus deu descanso a alguns titulares como a total desconcentração da equipa na ponta final da partida. Gelson mereceu bem as palavras que Jesus lhe endereçou na flash-interview: está numa forma impressionante, não só pela velocidade que imprime ao jogo, mas também pela capacidade que revela no um para um e às vezes até no um para dois. Com ele colado à direita, o treinador do Sporting sabe que tem uma fonte permanente de desequilíbrio, bastando-lhe depois somar um finalizador e juntar a tudo uma equipa concentrada e taticamente bem colocada no terreno. Foi por isso que, tirando uma investida logo aos 4’, na qual criou alguma sensação de perigo na esquerda do seu ataque, o Estoril só voltou a aproximar-se da área leonina quando já perdia por 3-0. E mais podiam ter sido se Bryan Ruiz não estivesse num daqueles dias de perder golos cantados. É verdade que o Sporting marcou bastante cedo, num lance que pode tornar-se típico no futebol dos leões: desequilíbrio de Gelson na direita, cruzamento para a área, onde Bas Dost se antecipou a Lucas Farias e marcou de cabeça. Apesar de ainda faltar mais de meia-hora para o intervalo e de o jogo se desenrolar todo o meio-campo do Estoril – muito bem os dois centrais leoninos, a jogarem em antecipação e a não deixarem que os adversários construíssem os seus contra-ataques – o resultado não sofreu alterações antes do descanso. Bryan Ruiz pode explicar porquê: teve uma bola a saltitar à entrada da pequena área mas chutou-a para a bancada, perdendo o 2-0. Com André em vez de Alan Ruiz, que desperdiçou mais 45 minutos no onze titular para causar boa impressão, o Sporting entrou forte na segunda parte, chegando aos 3-0 por volta da hora de jogo. Marcou primeiro Coates, de cabeça, após canto de Bryan Ruiz, tendo depois Bas Dost bisado, na conclusão de um contra-ataque à Slimani: recuperação de Gelson, tabela entre André e William, que colocou a bola na profundidade, onde o holandês a foi buscar e bateu Moreira. Fabiano Soares preparava-se para tentar discutir o jogo quando levou com este golpe duplo, mas as entradas de Gustavo e, sobretudo, de Bruno Gomes – que substituiu o ponta-de-lança Paulo Henrique – ainda haviam de dar os seus resultados. Antes disso, porém, foi o Sporting quem perdeu por duas vezes a possibilidade do 4-0: primeiro André, aos 74’, após jogada entre Gelson e Markovic; depois William, aos 78’, após tabela com Gelson; e por fim Bryan Ruiz, aos 81’, a ver Moreira tirar-lhe o golo com o pé. Jesus, nessa altura, já substituíra jogadores fundamentais. Bas Dost e Adrien já viram do banco a forma como os dois suplentes do Estoril combinaram para reduzir a desvantagem: cruzou Gustavo, para uma bela finalização de Bruno Gomes, que por fim conseguiu chegar a uma bola antes de Ruben Semedo. Faltavam cinco minutos para o fim e o golo de André, a passe de Bryan Ruiz, acabava com quaisquer veleidades que os canarinhos ainda tivessem de vir a discutir o resultado, mas não com a possibilidade de lhe dar um cariz mais equilibrado: Bruno Gomes ainda bisou, após um canto em que toda a equipa do Sporting já estava a pensar no Legia de Varsóvia. Com quatro dias de avanço.  
2016-09-24
LER MAIS

Último Passe

A qualidade individual de Otávio e a movimentação sempre inteligente de André Silva, hoje bem complementado por Adrián López, permitiram ao FC Porto ultrapassar o obstáculo constituído por um Boavista que nunca mostrou grande futebol mas teve a capacidade para manter o resultado em aberto até aos últimos minutos. O 3-1, marcado a quatro minutos do fim, quando os axadrezados apostavam num jogo partido, com bola cá-bola lá, permitiu a justa atribuição dos três pontos à equipa de Nuno Espírito Santo, mas a demora no golo da tranquilidade e uma segunda parte muito desinspirada dos dragões não afastaram as nuvens negras do horizonte antes da visita a Leicester, em importante desafio da Liga dos Campeões marcado para terça-feira. Nuno Espírito Santo apostou num 4x4x2 com maior preenchimento do corredor central, pois nele não entraram extremos: a largura era dada pelos dois defesas-laterais e pelas saídas da área dos dois pontas-de-lança, os móveis André Silva e Adrián López, que substituiu o belga Depoitre, nulo no jogo de Tondela. Adrián procurava muito a esquerda, dessa forma compensando as constantes diagonais de Otávio para o meio, nas quais o jovem brasileiro se mostrava o melhor portista na difícil arte de queimar linhas com bola. E isso tornou-se tanto mais importante quanto o início de jogo foi complicado para a equipa da casa, uma vez que o Boavista marcou na primeira vez que chegou perto da baliza de Casillas, logo aos 5’: livre de Fábio Espinho e cabeça de Nuno Henrique para o 0-1. A ganhar desde tão cedo, não se percebeu bem se o Boavista trazia algum plano de jogo a não ser o de impedir os ataques portistas. A equipa de Sánchez juntava linhas perto da área, mostrava um Idris em momento pujante, mas raramente conseguia ligar-se aos jogadores da frente – só Bukia se mostrou, em noite anónima de Iuri Medeiros e Digas. O FC Porto, com Oliver mais atrás do que o habitual e André André a procurar também o corredor central a partir da direita, só entrava na organização defensiva adversária em bolas paradas – dois quase-golos de Danilo, ainda na primeira parte – ou nas tais arrancadas de Otávio. Foi o jovem brasileiro quem descobriu André Silva para o golo do empate, aos 19’, e foi ainda ele quem, numa mudança de velocidade, forçou uma falta de Nuno Henrique junto à linha de fundo. No penalti correspondente, André Silva bisou e colocou o FC Porto na frente do marcador, ainda antes do intervalo. Foi aquilo de que o FC Porto precisou para baixar o ritmo do jogo numa segunda parte que foi correndo mais sonolenta. Foi interessante a entrada de Diogo Jota para o lugar de Adrián, pois permitiu ao jovem português mostrar a rapidez de processos e o descaramento para finalizar que lhe permitirão voar alto, mas o jogo estava por essa altura mais dividido do que seria de supor. Com Schembri em vez de Iuri Medeiros e a subida de rendimento de Fábio Espinho, o Boavista foi ganhando chegada à frente e, mesmo sem ocasiões claras de golo, manteve o suspense no resultado até ao minuto 86, quando um cruzamento de Alex Telles acabou no fundo das redes, fruto de uma intervenção desastrada do guardião Agaev. Estava resolvido o jogo e os dragões podiam finalmente pensar na Champions. Se é que não era já por lá que tinham a cabeça antes disso.  
2016-09-23
LER MAIS

Último Passe

Um regresso feliz de Mitroglou ao onze ajudou o Benfica a vencer o Sp. Braga por 3-1 e a isolar-se na frente da classificação da Liga, à quinta jornada. Um bis do grego, somado a um golo de Pizzi, transformou um desafio que se antevia – e que foi… – difícil numa vitória que até permitiu alguma descompressão no final, quando a margem de manobra cresceu e o desgaste do adversário também. Até ao momento em que o Benfica acabou com o jogo, com dois golos de rajada, à entrada para os últimos 20 minutos finais, porém, quase que se via a repetição da partida da Supertaça, com a eficácia na finalização a fazer a diferença entre as equipas de Rui Vitória e José Peseiro. O jogo começou a um ritmo alucinante, o que à partida parecia ser melhor para os donos da casa do que para os visitantes, que tinham menos dois dias de recuperação desde a sua partida europeia. O Benfica, com Mitroglou à frente de Gonçalo Guedes, a alargar o espaço disponível pela forma como busca a profundidade, era melhor com bola do que sem ela: o seu meio-campo ligava bem o jogo ofensivo mas, até pela baixa de Fejsa em momento de construção, era pouco agressivo em transição defensiva, permitindo que o jogo se disputasse muito na largura e na capacidade que ambas as equipas mostravam para encontrar o corredor contrário ao da bola. E aqui invertiam-se os papéis: o 4x2x3x1 do Sp. Braga, com Vukcevic sempre bem no passe e os dois extremos (Pedro Santos e Wilson Eduardo) inteligentes na forma de variar centro de jogo, conseguia expor vulnerabilidades no Benfica e transformar o desafio num jogo de transições que convinha menos aos donos da casa. Nessa altura, só a noite seguríssima de Júlio César evitou males maiores para o Benfica. As ocasiões de golo sucediam-se, nas duas balizas. Mitroglou chutou ao lado da entrada da área aos 2’, respondeu Hassan falhando o alvo depois de isolado frente a Júlio César, aos 4’. O guarda-redes do Benfica tirou um golo cantado a Pedro Santos aos 5’, sendo imitado por Marafona, que deteve um remate perigoso de Salvio aos 12’. Nessa altura, Marafona lesionou-se, o jogo esteve interrompido e da pausa saiu melhor o Benfica, que inaugurou o marcador aos 27’, numa arrancada de Guedes que Mitroglou transformou no 1-0, depois de ser o mais rápido a adivinhar onde ia cair o cruzamento. Até ao intervalo, o Sp. Braga ainda obrigou Júlio César a mais duas defesas providenciais, a remates de Pedro Santos (aos 37’) e Rosic (num canto, aos 45’), mas a equipa de Peseiro já não regressaria tão forte para o segundo tempo. Fosse por causa do desgaste da partida de quinta-feira ou devido às correções feitas ao intervalo por Rui Vitória, a verdade é que passou a pairar na Luz a ideia de que estava mais perto o 2-0 que o 1-1. Guedes, de livre, ainda obrigou Marafona a uma extraordinária defesa, num livre que ainda desviou na barreira, como que a prenunciar que um ressalto acabaria por resolver o jogo. Foi o que aconteceu aos 74’, quando um atraso de Mitroglou bateu no bracarense Douglas Coutinho e ganhou a direção da área, onde Pizzi estava sozinho e aproveitou para fazer o 2-0. A desorientação bracarense conduziu ao terceiro golo, apenas quatro minutos depois, obra de Mitroglou, de cabeça, após uma insistência de Pizzi na esquerda. E o resultado só não foi o mesmo da Supertaça porque, mesmo em cima do minuto 90, Rosic melhorou o que tinha feito a fechar a primeira parte, cabeceando para golo um canto de Wilson Eduardo. O jogo fechava, ainda assim, com a vitória do Benfica, uma vitória que, mesmo no meio de tantas lesões, deixa os tricampeões nacionais isolados na frente da tabela. Rui Vitória não valorizou este aspeto, mas certamente que não o desprezaria se alguém lho antevisse antes deste atribulado arranque de campeonato. Ainda há muitos jogos para fazer, alguns pontos para perder, mas a tendência normal com o regresso dos titulares é que este Benfica fique mais forte.
2016-09-19
LER MAIS

Último Passe

Jorge Jesus já devia saber que quando faz aquele barulho, como que a espremer a língua entre os dentes para pontuar uma tirada bombástica, é porque não vem aí coisa boa. Quando resolveu concluir um debate acerca da melhor equipa ou do melhor plantel do campeonato com mais uma tirada de auto-elogio absolutamente desnecessária, dizendo que “quem faz a diferença é o treinador”, esqueceu-se que a realidade pode sempre encontrar formas de contrariar a teoria. Porque, sim, otreinador faz diferença, mas não a faz só de uma maneira. E quem faz sempre a diferença, em todos os momentos, são os jogadores que esse treinador leva a jogo.Jesus costuma fazer a diferença de várias formas. Faz a diferença a trabalhar a equipa ao longo da semana, criando comportamentos defensivos e movimentações ofensivas difíceis de contrariar. Por isso o seu Sporting cresceu até aos 86 pontos na Liga passada ou se superiorizou ao Real Madrid na quarta-feira, antes de um final de jogo que lhe foi fatal. Depois, faz a diferença no banco, com a pressão permanente sobre os jogadores exercida desde a linha lateral, fazendo crescer a concentração e baixar o total de erros. Faz ainda a diferença nas coisas que diz, aqui nem sempre uma diferença positiva, deixando no ar a dúvida acerca dos intuitos dessa comunicação: estratégia ou incontinência? E ontem, em Vila do Conde, fez ainda a diferença numa avaliação errada, tanto do estado em que se encontravam os seus jogadores depois do jogo intenso que tinham feito no Santiago Bernabéu como das armas do Rio Ave, que dinamitou de forma irreparável o flanco esquerdo leonino em 45 minutos. Porque desde os primeiros instantes do jogo se percebeu que Gil Dias ganhava sempre em velocidade ao improvisado lateral-esquerdo que é Bruno César, ainda por cima muito mal apoiado por Campbell, ou que André e Alan Ruiz não estavam a cumprir a tarefa de pressionar a saída de bola do adversário, permitindo ao Rio Ave um jogo fluído.Nessa altura, quem fez a diferença foi Nuno Capucho, que percebeu o que ali estava e meteu naquele lado direito uma gazua capaz de abrir a defesa do Sporting e de chegar a um 3-0 de que os leões já não recuperaram. Mais ainda. Quem fez a diferença foi Gil Dias, porque os treinadores só fazem verdadeiramente a diferença no mais longo prazo e quem decide jogo a jogo são os futebolistas. É por isso que o debate que motivou toda esta polémica foi lançado em bases erradas. Tudo nasceu, recorde-se, numa pergunta feita a Jorge Jesus: “o Sporting tem o melhor plantel da Liga?” E se é verdade que o Sporting tem um plantel melhor do que tinha na época passada, ao nível do grupo do Benfica na profundidade das opções à disposição do treinador, também é certo que os leões têm neste momento pior onze do que tinham na Liga anterior. Jesus, que respondeu dizendo que uma equipa orientada por ele será sempre a melhor, porque “quem faz a diferença é o treinador”, esqueceu-se que muitos dos jogadores que ia levar a jogo em Vila do Conde ainda não estavam familiarizados com o processo de jogo que ele trabalha e que, no médio e longo prazo, sim, pode fazer mesmo a diferença. Mas para já não fazem, porque se Gelson ainda disfarça a saída de João Mário, ninguém está à altura do rendimento de Slimani e não há quem dê à equipa o que lhe dá Bryan Ruiz (ontem suplente) na esquerda do ataque.A explicar o banho de humildade a Jesus esteve a rotação na equipa, com a saída de quatro titulares de Madrid, numa inversão da lógica que presidiu à época passada, na qual os leões guardavam as melhores opções para a Liga portuguesa e andavam pela Liga Europa com segundas escolhas. Ainda por cima segundas escolhas bem mais fracas do que as de agora – daí a chapa três na Albânia, frente ao Skenderbeu, por exemplo. Mas esteve também o facto de os jogadores ontem utilizados na frente, que é onde está a base de qualquer equipa de Jesus, ainda não terem tempo suficiente de trabalho para compreenderem como hão-de fazer a diferença naquela organização. É por isso que este Sporting tem melhor plantel do que em 2015/16, mas ainda tem pior equipa. Se vai chegar ao nível exibido na época passada ou não, isso sim, já dependerá da capacidade do treinador. Sendo que o direito ao erro ficou ontem mais reduzido.
2016-09-19
LER MAIS

Último Passe

Quarenta e cinco minutos calamitosos, ao nível apenas do que se tinha visto ao Sporting de Jorge Jesus na Albânia, frente ao Skenderbeu, na época passada, custaram aos leões uma desvantagem de três golos ao intervalo frente a um Rio Ave competente, organizado e inteligente a aproveitar as debilidades do adversário e impediram o líder do campeonato de pontuar em Vila do Conde. O 3-1 final, nascido da incapacidade leonina para pressionar e para fechar o flanco esquerdo face à velocidade de Gil Dias, foi um banho de humildade para Jesus, que fechara a semana com declarações de peito cheio mas teve depois um encontro imediato com uma realidade mais sombria do que ele a pintou: este Sporting não é ainda a equipa que pode ser. A derrota, que deixa o Sporting à mercê do que fizerem Benfica e Sp. Braga no encerramento da quinta jornada da Liga – se algum dos dois ganhar na Luz isola-se na frente – foi justíssima, por mais que tenha surpreendido a exibição pouco intensa e rigorosa da equipa lisboeta. Jesus sacrificou quatro titulares do Santiago Bernabéu – Bas Dost, Bryan Ruiz, João Pereira e Zeegelaar – apostando em André e Alan Ruiz para a frente de ataque e em Campbell para atacar na esquerda, à frente de Bruno César, que voltou a ser defesa-lateral. Do outro lado, Nuno Capucho optou por um 4x3x3 que metia o móvel Guedes em cunha na frente e abria o veloz Gil Dias na direita. E foi aí que começaram os problemas do Sporting: desde cedo se viu que Campbell não defendia e que, lançado nas costas de Bruno César, Gil Dias ganhava sempre em velocidade e abria uma avenida naquele lado. A ajudar à festa vila-condense, ninguém fazia a pressão que notabilizou Slimani: nem André nem Alan Ruiz se preocupavam em atrapalhar a construção de jogo do Rio Ave, como se viu, aliás, no lance do primeiro golo, em que o defesa-central Roderick avançou desde o seu meio-campo até à linha de fundo para ali descobrir Tarantini, que não perdoou. O golo surgiu, é verdade, num momento em que, passado o primeiro embate, o Sporting até já tinha conseguido equilibrar o jogo. André até tinha desperdiçado uma boa ocasião de desfeitear Cássio, permitindo, aos 22’, que este fizesse a mancha depois de um bom passe de Coates. Sete minutos depois, porém, Tarantini inaugurou o marcador. E outros sete minutos volvidos, aos 36’, Gil Dias teve no corredor central espaço para arrancar, correr umas dezenas de metros e solicitar a desmarcação circular de Guedes, que isolado ante Rui Patrício lhe meteu a bola no poste mais próximo. O 2-0 não resistiu muito tempo: foram mais sete minutos. Aos 43’, antes da saída para o intervalo, Gil Dias lançou Guedes na direita, este ganhou a linha de fundo e cruzou para o segundo poste, onde o mesmo Gil Dias tornava o jogo uma missão impossível para os leões. Ao intervalo, Jesus chamou a sua artilharia pesada: Bas Dost e Bryan Ruiz substituíram os desastrados Alan Ruiz e Campbell, mas, mesmo não tendo o Rio Ave voltado a beneficiar de situações de golo, a verdade é que a produção atacante do Sporting nunca atingiu o nível a que a equipa habituou os seus adeptos. Dost, de cabeça, aos 51’, e sobretudo Ruiz, de frente para a baliza, aos 62’, perderam as melhores oportunidades para relançar o jogo, o que levou Capucho a puxar os seus um pouco para trás, com as entradas de Pedro Moreira e João Novais. Quando chegou o golo leonino, marcado por Dost aos 82’, após assistência corajosa de Gelson (ainda assim, juntamente com Adrien um dos melhores do Sporting), já não havia tempo para pensar em pontos. Depois da derrota injusta do Santiago Bernabéu, o Sporting levou de Vila do Conde uma lição de humildade que não deve esquecer tão cedo e a certeza de que esta equipa ainda precisa de muito trabalho para igualar a da época passada.
2016-09-18
LER MAIS

Último Passe

O mesmo défice de criatividade que já lhe custara dois pontos na partida da Liga dos Campeões frente ao Copenhaga, no Dragão, voltou a impedir o FC Porto de vencer na deslocação a Tondela. Num jogo onde beneficiou de iniciativa atacante quase permanente e de amplo domínio territorial, atenuado apenas na segunda parte, quando o jogo partiu e o Tondela conseguiu meter no relvado alguns contra-ataques, a equipa de Nuno Espírito Santo não foi além de um 0-0 que a penaliza. Não foi um problema de esquema tático – voltou o 4x4x2 –, de eficácia ou de falta de homens ofensivos no onze. O que faltou mesmo foi a capacidade para criar desequilíbrios em ataque organizado. Perante um Tondela bem organizado defensivamente e sempre aguerrido, Nuno Espírito Santo voltou ao 4x4x2, juntando Depoitre a André Silva e entregando as faixas laterais ao regressado Brahimi e a Otávio. Os dois alas procuraram sempre o corredor central, para aí promoverem os tais desequilíbrios – algo que Otávio conseguiu sempre melhor do que Brahimi – e para deixarem as laterais aos ofensivos Layun e Alex Telles. Só que, apesar das tentativas de Ruben Neves desempenhar o papel de médio centro de uma forma mais atacante do que o habitual Danilo, os primeiros 45 minutos foram quase um deserto em termos de situações de perigo. De parte a parte: o FC Porto só entrou com perigo na área uma vez, num passe longo de Felipe a, que nem André Silva, primeiro, nem Depoitre, no aproveitamento do ressalto, deram o melhor seguimento. O Tondela, metido num 4x2x3x1 que tinha em Crislan um avançado capaz de segurar a bola e de esperar pela equipa, dando assim tempo aos homens mais recuados para respirar, ia ganhando confiança. E depois de Gonçalves ter procurado, sem sucesso, um dos ângulos superiores da baliza da Casillas, a segunda parte começou com uma equipa da casa mais afoita do ponto de vista atacante. Espírito Santo quis mudar o ataque, primeiro trocando Brahimi por Oliver – e desviando André André para a direita – e depois substituindo o desastrado Depoitre por Adrián López, mas a primeira situação de golo flagrante da partida foi a equipa da casa a perdê-la, quando Murillo se isolou na cara de Casillas e viu o remate esbarrar na mancha do guarda-redes espanhol. Aí, já com Corona em campo, o FC Porto acordou para dez minutos finais melhores, que certamente tiveram a ver também com a quebra física da equipa de Petit, que também perdera Kaká, o seu cérebro defensivo, por lesão. André Silva e Adrián López ainda chegaram com bola à cara de Cláudio Ramos, mas nas duas situações o guarda-redes do Tondela levou a melhor, segurando um 0-0 que manda uma mensagem para o balneário do Dragão. Para ganhar é preciso mais do que um sistema tático ou a acumulação de jogadores de ataque: eles têm de combinar no campo. E isso é que não se tem visto.
2016-09-18
LER MAIS

Último Passe

A dramática derrota do Sporting frente ao Real Madrid no Santiago Bernabéu (1-2) e o insuficiente empate do FC Porto em casa ante o Copenhaga (1-1) puseram um ponto final modesto na semana das equipas portuguesas na Liga dos Campeões. Os dois jogos tiveram histórias muito diferentes mas epílogos semelhantes, de desilusão. Saíram desiludidos os leões, que foram a melhor equipa em campo durante 70 minutos mas não conseguiram congelar o desafio nos últimos 20, ficando à mercê da remontada madridista, como desiludidos saíram os dragões, incapazes de criar desequilíbrios na defesa dinamarquesa, nem mesmo quando o adversário ficou reduzido a dez. A derrota do Sporting veio recheada de uma demonstração de personalidade que não está ao alcance de qualquer equipa. Com um posicionamento irrepreensível e face a um Real pouco dinâmico, a equipa de Jorge Jesus foi sempre assegurando superioridade numérica nos vários duelos a meio-campo, fundando aí a capacidade de assegurar a maior dose de iniciativa de jogo: o Real só chutou à baliza de Rui Patrício à passagem da meia-hora, e de fora da área, por Cristiano Ronaldo. Gelson, mais uma vez o melhor em campo, foi um pesadelo constante para a defesa do Real Madrid, tendo começado nele o lance em que Bruno César abriu o marcador. Foi ainda o jovem ala quem, num lance pela direita, deu a Bas Dost a melhor ocasião do jogo – o holandês tentou meter o pé onde se impunha a cabeça e o cruzamento perdeu-se. O Real acabou por virar o jogo quando já poucos nisso acreditariam, fruto da conjugação de vários fatores. Primeiro, as alterações introduzidas por Zidane: Morata, Lucas Vasquez e James Rodríguez melhoraram muito o rendimento do campeão europeu. Depois, o facto de os leões terem piorado com as trocas de Adrien e Gelson por Elias e Markovic. Por fim, é verdade, a inexperiência de muitos jogadores da equipa portuguesa em momentos como aqueles, em que se impõe quebrar o ímpeto ao adversário. A verdade é que, tendo feito o empate num livre irrepreensível de Ronaldo (após falta de Elias), aos 89’, o Real ainda teve tempo para ganhar, num cabeceamento de Morata após cruzamento de James. Houve muito banco numa reviravolta que deixa o Sporting com zero pontos e a precisar de ganhar ao Legia já na segunda jornada. A pressão, senti-la-á também o FC Porto, que seguirá para Leicester com um ponto e a precisar pelo menos de pontuar em Inglaterra, depois de uma exibição pouco conseguida frente ao Copenhaga. Nuno Espírito Santo voltou ao 4x3x3, remetendo Depoitre para o banco, e parecia até poder sair-se bem, depois de um início premiado com um golaço de Otávio, após bela assistência de André Silva. Já nessa altura, porém, o FC Porto revelava parte dos pecados que haveriam de custar-lhe dois pontos, nomeadamente a falta de controlo do espaço aéreo defensivo face à potência de Santander e Cornelius, os dois avançados dos dinamarqueses. O resto ver-se-ia no segundo tempo, sobretudo depois de o Copenhaga ter empatado – por Cornelius, após mais um cruzamento não desfeito pelo último reduto portista – e de o adversário ter ficado reduzido a dez homens, por expulsão de Gregus. Nessa altura, em que Espírito Santo descobriu falta de eficácia, o que se viu foi falta de capacidade para criar desequilíbrios numa equipa organizada mas de qualidade inferior. O FC Porto voltou então ao 4x4x2, com Depoitre em vez de Corona, e mais tarde com a entrada de Brahimi para as vezes de Herrera, mas nem assim criou verdadeiras ocasiões de golo, parecendo sofrer sempre que as probabilidades estão a seu favor. Talvez não seja esse o caso em Leicester, como não era em Roma.
2016-09-14
LER MAIS

Último Passe

Um livre de Talisca, já em período de compensações, custou ao Benfica dois pontos na estreia na Liga dos Campeões desta temporada. O empate a uma bola, nascido de várias mudanças táticas operadas pela equipa do Besiktas na segunda parte, acaba por punir a quebra dos campeões nacionais nesse mesmo período, depois de em 45 minutos de clara superioridade não ter feito mais de um golo, obra de Cervi. O facto de ter jogado sem as primeiras escolhas no ataque – Jonas, Mitroglou, Jiménez e Rafa estão todos lesionados – acabou por custar caro a Rui Vitória. O Benfica entrou com uma dupla de ataque improvável, formada por Cervi e Gonçalo Guedes, com o primeiro, mais forte em ataque rápido, a jogar nas costas do segundo, que não fazia nada tão bem como a pressão à saída de bola do adversário. A consequência da aliança desta dupla com a excelente exibição de Fejsa e André Horta, os dois médios-centro encarnados, foi o bloqueio total de uma equipa do Besiktas disposta em 4x2x3x1, mas com os dois extremos muito abertos – Quaresma na direita – e Ozyakup perdido no meio das linhas encarnadas no apoio a um isolado Aboubakar. O jogo, no primeiro tempo, tornou-se muito repetitivo: tentativa frustrada de organização ofensiva do Besiktas, bola recuperada pelo meio-campo do Benfica e saída rápida para o ataque. O golo, logo aos 12’, nasceu de um excelente passe de Horta, a rasgar, até encontrar uma diagonal de Salvio da direita para a esquerda. De pé esquerdo, o argentino chutou, o guarda-redes largou a bola e Cervi foi mais rápido que Tosic na reação, fazendo a recarga vitoriosa. A ganhar desde cedo, o Benfica serenou e teve mesmo duas situações de contra-ataque em superioridade numérica que, por erros no passe, não levou sequer até a finalização. Só que aquele Besiktas facilmente manietável da primeira parte voltou diferente para a segunda. Com Talisca em vez de Ozyakup, com Quaresma mais por dentro e Adriano a subir de lateral para extremo-esquerdo, surgindo também mais no corredor central, os turcos subiram de produção. Mais tarde, com a entrada de Tosun para ponta-de-lança e as aproximações de Aboubakar, a equipa de Senol Günes começou mesmo a criar lances de golo: Tosun perdeu um lance na cara de Ederson e este tirou com uma excelente defesa o empate a Marcelo, na sequência de um livre. Nessa altura já o Benfica trocara Cervi por Samaris, numa tentativa provavelmente prematura de encerrar o jogo, fechando a porta ao adversário – talvez se aconselhasse mais nessa altura um ganho de qualidade na frente, com Carrillo, por exemplo. É verdade que mesmo assim Gonçalo Guedes teve nos pés o 2-0. O improvisado ponta-de-lança benfiquista ganhou a bola a Quaresma, que foi fugindo a sucessivos desarmes desde o meio-campo até ser batido à entrada da área, mas depois, isolado frente a Tolga Zengin, não evitou que o guarda-redes turco desviasse o remate com o pé. Esse acabou por ser o lance decisivo do jogo. Antes do final, o Benfica ainda substituiu Fejsa por Celis. E já tinha José Gomes na linha lateral, pronto para entrar e para se tornar o mais jovem de sempre a jogar pelo clube nas provas europeias, quando o médio colombiano meteu a mão a uma bola a uns seis ou sete metros da linha de área. Talisca apontou logo para o peito, a assumir que ia ser ele a bater o livre. E fê-lo de modo imparável, festejando efusivamente o golo que valeu o empate à sua nova equipa frente à que o emprestou.
2016-09-13
LER MAIS

Último Passe

O mercado de transferências no futebol europeu não tem a função niveladora do “draft” nos desportos norte-americanos, mas a forma como está estruturado acaba por abalar as certezas que muitos tinham a 31 de Agosto e deixaram de ter a 1 de Setembro. O primeiro jogo do Sporting sem Slimani veio confirmar a ideia de que Jorge Jesus vai ter trabalho a sério para devolver à equipa o futebol que esta praticava com o argelino. E se o facto de ter mantido o onze até às vésperas de encerramento do mercado conferia ao Sporting alguma vantagem face aos seus mais diretos competidores, a saída de João Mário e, sobretudo, do avançado argelino vem atrasar a vida aos leões e deixar toda a gente na mesma situação: a de ter de construir tudo de novo.Aqui, do que se fala não é da qualidade dos jogadores. Não é se Rafa é melhor que Gaitán, se Bas Dost tem mais qualidade que Slimani ou se Oliver pode fazer esquecer Brahimi. Nada disso. Aqui fala-se da qualidade dos coletivos, daquilo que cada jogador dá à equipa e daquilo que a equipa pode fazer quando o perde. A maior vantagem do Sporting na luta pelo título era não ter mudado quase nada. De repente, sem Slimani, vê-se forçado, não a mudar, mas a reconstruir a casa a partir dos alicerces – porque ao contrário do que sucede com a maior parte dos treinadores, Jesus constrói as suas equipas a partir da frente. Daí que o primeiro jogo do Sporting sem Slimani não tenha sido brilhante nem sequer uma simples aproximação ao que a equipa já tinha produzido esta época ou, sobretudo, na anterior. No fim dos 3-0 ao Moreirense, Jesus explicou: “O Bas Dost jogou de acordo com a ideia dele e não com a ideia da equipa”. E nem podia ser de outra forma, tãopoucas vezes o ponta-de-lança holandês treinou com a equipa.Qual foi a ideia de Bas Dost? Jogou à ponta-de-lança de equipa grande, baixando por vezes para o espaço entre-linhas, em desmarcações de apoio, mas procurando estar sempre no centro da área, para a finalização. Acontece que essa não é a ideia de Jesus, que quer que o seu homem mais avançado procure as laterais, em movimentos coordenados com os alas, que ao mesmo tempo preenchem o espaço interior, e sobretudo que ele alargue o espaço à frente da defesa adversária através da busca da profundidade, com desmarcações para o espaço entre a última linha defensiva e a baliza. Era em Slimani que começavam a surgir os espaços para as diagonais de Gelson ou Bryan Ruiz, as oportunidades de remate de Teo Gutièrrez ou as bolas à frente de Adrien Silva. No fim, não se tratará tanto de saber se Bas Dost conseguirá fazer tantos golos como Slimani – ele parece ser até melhor finalizador que o argelino. Trata-se de saber se cria tantas condiçõescomo ele para que os colegas possam criar desequilíbrios. Talvez lá chegue, mas para isso precisa de tempo para compreender aquilo a que Jesus chamou “a ideia da equipa”.Rafa, que durante algum tempo achei que, face à proliferação de extremos no plantel do Benfica, podia ser alternativa a Jonas no centro do ataque, teve uma entrada bastante mais impositiva no onze de Rui Vitória. Não fez golos na vitória em Arouca, mas a sua entrada num onze de emergência fez mexer muito mais o futebol do Benfica que a de Dost veio influenciar o jogo do Sporting. Porque a criação de desequilíbrios promovida por Rafa é muito mais resultante de variantesindividuais: tem a ver com a sua tomada de decisão, com a velocidade, o pique, com as trajetórias que escolhe por instinto e que dependem menos de variáveis coletivas. Visto o jogo de Arouca, e tendo em conta mais uma noite tão infeliz do ex-bracarense na finalização como influente na criação, fiquei convencido de que ele terá o lugar na esquerda do ataque à disposição assim que Jonas voltar da lesão que o apoquenta. E num momento em que ainda não acabou de habituar a equipa a superar a falta que lhe faz a capacidade de Renato Sanches para queimar linhas em posse, Rui Vitória terá de começar a trabalhar na coordenação dos dois, porque o jogo de Rafa é diferente do de Gaitán: menos cerebral, menos técnico, mais repentista, mais veloz.No mesmo fim-de-semana em que Benfica e Sporting estrearam Rafa e Bas Dost, o FC Porto apresentou um novo sistema de jogo, um 4x4x2 que lhe dá mais presença na frente. Pode ser uma mudança histórica para uma equipa que há anos navega na dinâmica de um 4x3x3 em nome do qual tem sempre construído os seus plantéis. Uma carga de trabalhos também para Nuno Espírito Santo. Com uma diferença: é que o FC Porto era, dos três, o que mais precisava de mudar, tão débil era a herança deixada por Lopetegui e Peseiro. Até aí, o mercado foi nivelador.
2016-09-12
LER MAIS

Último Passe

A adoção do 4x4x2, com Depoitre à frente de André Silva, os médios-ala a saírem muito da faixa em busca do espaço interior e o recurso intensivo aos defesas laterais para darem largura ao ataque foi a surpresa reservada por Nuno Espírito Santo para o regresso do FC Porto à competição após a derrota no clássico de Alvalade. A jogar assim, mesmo não exercendo nunca um domínio asfixiante sobre o V. Guimarães, o FC Porto saiu do Dragão com uma vitória indiscutível, por 3-0, sobre uma equipa que vai bater-se pelas posições europeias. Alteração caucionada, portanto, apenas com uma reserva: terá a equipa portista plantel para mudar o seu sistema? Não parece fácil.O próprio Pedro Martins, treinador vimaranense, reconheceu no final da partida que tinha sido surpreendido pelo onde inicial do FC Porto. Com Depoitre a fazer de referência na frente, André Silva ganhou liberdade para estar mais em jogo do que no 4x3x3 sem que com isso a equipa perdesse presença na área. Além disso, o jogo mais interior de Otávio, Oliver e André André, abrindo os corredores laterais a Layun e Alex Telles, levava a que em cada situação de cruzamento ou de tabela a equipa portista tivesse sempre mais gente em potencial situação de finalização, o que terá contribuído para um rácio superior de situações de golo por volume de jogo criado. É verdade que o primeiro golo nasceu de um canto – mais um de bola parada, sinal de que a equipa está a trabalhar bem este tipo de lances – mas antes do golo de Marcano já Depoitre e André Silva tinham estado perto de inaugurar o marcador. E isto num jogo que até estava dividido em termos de estatísticas, com o 4x2x3x1 do V. Guimarães a assegurar ao seu setor mais recuado a capacidade de parar para respirar.Se o 1-0 ao intervalo ainda dava aos minhotos a possibilidade de voltarem para o segundo tempo em condições de discutir o resultado, a forma como o FC Porto chegou ao 2-0, logo a seguir ao intervalo, encerrou o jogo. É verdade que os dois golos portistas no segundo tempo nasceram de lances algo afortunados. Otávio beneficiou de um ressalto em Oliver para fazer o 2-0, enganando o guardião Doulgas. E o 3-0 saiu de um autogolo algo pateta de João Aurélio, incapaz de afastar um cruzamento de Layun para outro locar que não o fundo da baliza. De qualquer modo, em ambos os casos a chave do sucesso portista esteve na acumulação de gente na frente. A julgar pelo que se viu no relvado, este sistema tem pernas para andar, nascendo as maiores dúvidas da profundidade do plantel para preencher condignamente as duas posições no centro do ataque.É certo que além de Depoitre e André Silva ainda há Brahimi (que, mais do que poder jogar ali, tem visto muita gente nos últimos dois anos reclamar que ele deve jogar ali), Adrian López e que o próprio Diogo Jota, que era jogador de corredor lateral no Paços de Ferreira, foi chamado a jogar pelo meio quando entrou. Ainda assim, o que me parece é que este plantel foi construído a pensar no 4x3x3. E que se o 4x4x2 passar a Plano A, vai precisar de retoques em Janeiro. Resta saber se daqui até lá o nome de Aboubakar não será lembrado pelas piores razões.
2016-09-11
LER MAIS

Último Passe

A vitória fácil do Sporting frente ao Moreirense, em Alvalade, por 3-0, permitiu aos reforços Campbell e Bas Dost estrearem-se a marcar com a camisola leonina, deu para a substituição antecipada de Adrien, de forma ao capitão poder ser aplaudido de pé pelos adeptos, mas serviu acima de tudo para mostrar que Gelson está um homem. A jogar pela direita de um ataque onde era o único jogador com mais de um par de meses a trabalhar com Jorge Jesus, o jovem Gelson era o único a conhecer de cor as movimentações que o treinador tanto preza e serviu-se desse conhecimento e da sua indiscutível qualidade para se cotar como melhor jogador em campo. Com tanta gente a chegar para o ataque leonino, uma coisa é certa: não vai ser fácil tirar o lugar ao miúdo. A influência de Gelson no jogo ofensivo do Sporting foi mais visível na primeira parte, um período onde o fantasma de Slimani pairou sobre Alvalade. Bas Dost é um finalizador por excelência, mas nem dá à equipa a busca permanente da profundidade ou dos corredores laterais a que esta estava habituada com o argelino, nem teve ainda o tempo suficiente de treino com os colegas para os compreender e para que estes o compreendam a ele. A jogar pela esquerda, Campbell mostrou velocidade e repentismo, mas não é o jogador cerebral que é Bryan Ruiz, provavelmente poupado a pensar em Madrid. O resultado da soma dos dois a um Alan Ruiz que também não estava a atravessar uma tarde-sim foi um início de partida em que o Sporting dominava territorialmente mas onde tinha dificuldades para criar lances de golo iminente. Com um Dramé motivado pelo regresso a Alvalade, o Moreirense tinha menos bola mas dava a ideia de poder surpreender caso o 0-0 se prolongasse por muito mais tempo. Só que aí entrou em ação Gelson. Numa diagonal da direita para o corredor central, o extremo apareceu no fim de um excelente passe de William e inaugurou o marcador. O golo, aliado à expulsão de Neto, poucos minutos depois, podia ter entusiasmado os leões, mas o que aconteceu foi precisamente o contrário: a equipa adormeceu face à facilidade que antevia. E só depois de ouvir das boas ao intervalo resolveu definitivamente o jogo. Entrando na segunda parte com mais intensidade, fez dois golos rápidos e viu o guardião Mackaridze impedir mais dois. Campbell fez o 2-0, de cabeça, após cruzamento de Alan Ruiz, e Bas Dost fechou a conta com um remate feito quando estava já sentado no chão, depois de ter falhado a entrada à bola cruzada por Schelotto e aproveitado o ressalto num adversário. Jesus aproveitou então para promover mais duas estreias e um regresso, mas a equipa voltou a perder concentração e as entradas de Markovic, Elias e André não lhe trouxeram nada de novo em termos de foco e qualidade, a ponto de Rui Patrício ainda ter tido que se empenhar para manter o zero na sua baliza. A altura era tanto de celebrar a continuação da liderança isolada no campeonato, com pleno de vitórias, como de pensar no jogo de quarta-feira em Madrid, frente ao Real, na estreia na Liga dos Campeões. E para esse Jesus bem gostaria de ter mais algum tempo de treino para ensinar o seu futebol a todos estes reforços – é que sem ele quase mais vale pensar em enfrentar o Bernabéu com jogadores que sabem ao que jogam.
2016-09-10
LER MAIS

Último Passe

A profundidade do plantel do Benfica ficou à vista na qualidade da exibição que a equipa fez na primeira parte da vitória em Arouca (2-1), período onde um melhor aproveitamento das várias ocasiões de golo desperdiçadas teria chegado para construir um resultado confortável. Aí, suspirou-se por Jonas. O facto de ter entrado com um onze experimental, face à ausência das que têm sido as suas três primeiras escolhas para a frente de ataque, ajuda melhor a explicar a incerteza no resultado até final e até a perda momentânea do controlo do jogo no segundo tempo. A justiça da vitória é validada pela noção de que mesmo nessa altura foi o tricampeão nacional quem mais perto esteve do golo. Sem Jonas, Jiménez e Mitroglou, Rui Vitória teve de inventar um ataque. E a contratação de Rafa já começou a dar frutos. Que o avançado chegado de Braga não é perito na finalização até os adeptos benfiquistas o sabiam pelo menos desde a Supertaça. Que ele é capaz de desequilibrar qualquer defesa também se sabe: foi por isso, aliás, que o Benfica pagou mais de 16 milhões de euros por ele. Combinar a mobilidade de Gonçalo Guedes com a velocidade e a noção de espaço de Rafa e a inteligência de Pizzi foi o que bastou para o Benfica entrar várias vezes na organização defensiva de um Arouca que não conseguia pegar na bola para responder. O golo feito por Nelson Semedo pode até ter sido fruto da sorte num ressalto, após um corte mal efetuado, mas tanto antes como depois, o Benfica teve várias oportunidades para construir logo ali um resultado folgado. O segundo golo do Benfica, a provar a importância que Lisandro pode vir a ter nas bolas paradas ofensivas - já tinha marcado em Tondela e repetiu a graça agora, após canto de Grimaldo - parecia ter acabado de vez com o jogo. O Arouca tinha voltado melhor para a segunda parte, mas tornava-se difícil reagir ao golpe que é sofrer o 2-0 ante um adversário mais forte. Com a entrada de Walter Gonzalez, colocado à esquerda do ataque, Lito Vidigal ganhou mais agressividade e qualidade na frente e reabriu mesmo a questão do resultado, graças a um belo cabeceamento do argentino, nas costas de Nelson Semedo.  A lesão de Rafa, logo a seguir, tornou o jogo complicado para o Benfica. No lugar do ex-bracarense, Carrillo não deu a mesma constância ao Benfica: a movimentação do peruano era mais previsível e mais facilmente anulável. Só que mesmo aí sobrou ao Benfica o que faltou ao Arouca: banco. Quando precisou de refrescar, Lito recorreu ao cabo-verdiano Kuca, que não lhe trouxe nada de novo. Do outro lado, Rui Vitória chamou o grego Samaris para fechar a porta de entrada na área, o que permitiu ao Benfica voltar a mandar no jogo e estancou desde logo as hipóteses de o Arouca sonhar sequer com o empate.  O 1-2 final, num jogo que o Benfica até perdeu no ano do tri, veio mostrar que pode haver vida para lá de Jonas numa equipa que encaixou bem Rafa. Mas não será uma vida parecida com a anterior: o Benfica de Rafa pode até produzir mais, mas não será nunca a equipa de golo-fácil que é o Benfica de Jonas. Rui Vitória tem agora pela frente um desafio que passa por pôr os dois a render no mesmo onze. Se o conseguir, sem deixar cair aquilo que lhe dão Mitroglou ou Jiménez, sobe um importante patamar.
2016-09-09
LER MAIS

Último Passe

Há duas constantes nas entrevistas de Luís Filipe Vieira. Uma é a comparação com o que era o Benfica antes de ele e Manuel Vilarinho lá chegarem – e essa chega para que o presidente saia a vencer de goleada, porque a recuperação está à vista de todos e não pode ser negada. Outra são as promessas irreais, que nunca cheguei a perceber se são feitas fruto do entusiasmo e de uma crença que depois os actos acabam por contrariar ou se são mesmo programadas para afastar a conversa de áreas mais sensíveis. Na entrevista que deu à TVI – que não pude ver em direto porque estava a viajar de Basileia para Lisboa – Vieira voltou a referir muitas vezes o que mudou no Benfica nesta década e meia. Desde as taças que desapareciam ao estado caótico em que Vale e Azevedo deixou o clube, tudo serve para caucionar uma liderança que voltou a fazer do Benfica um clube ganhador e financeiramente estável – a questão da dívida que aumenta é outra. Só por isso, nenhum benfiquista pode deixar de agradecer a Vieira e Vilarinho o terem-se disponibilizado a abraçar a tarefa de tomar conta do clube. Mas isso, francamente, já foi conversa para outras entrevistas e ao longo de muitos anos. Neste momento, muito mais interessante é falar do futuro, dos desafios que se colocam ao clube e da relação de parceria que este mantém com Jorge Mendes, não no sentido de a assumir mas sim de a clarificar em termos que todos a entendam. Vieira, é bom que se dia, não se negou a falar do futuro. E fê-lo com entusiasmo, não só afirmando que neste momento tem um Plano B para tudo – treinador ou jogadores que venham a sair – como indo ao ponto de dizer que após o que gastou neste defeso, “nos próximos três ou quatro anos” o clube “pouco ou nada terá de investir” no mercado, ou que vai ter uma equipa quase toda fornada por "jogadores feitos no Seixal”. E é aqui que me apetece dizer como a menina do anúncio dos iogurtes: “nisso eu não acredito”. E não acredito por duas razões. Primeiro, porque me parece difícil manter a tal parceria com Jorge Mendes apenas num sentido – quando falham as hipóteses de saída, é preciso alimentá-la também com entradas, mesmo que sejam excessivamente inflacionadas, como foram as de Pizzi, Jiménez ou Rafa, por exemplo. Aliás, serão sempre inflacionadas, mesmo que Mendes consiga depois servir-se da sua influência para os vender por mais dinheiro ainda. Depois, também não acredito porque, mesmo admitindo que seria possível ganhar em Portugal com a aposta na formação – e já isso acho muito complicado, como se vê pela última década do Sporting – o mais difícil será sempre manter os jogadores excecionais por tempo suficiente para fazer uma equipa consolidadamente ganhadora. É que os Renatos Sanches, quando aparecem, são extraordinariamente difíceis de segurar. E os outros, só por si, sem os que fazem a diferença, não ganham campeonatos. O Barcelona pode ter uma equipa baseada na formação porque os Xavis e os Iniestas não querem sair dali para lado nenhum. O Benfica ou o Sporting até podem formar a “espinha dorsal da seleção nacional” – promessa antiga de Vieira, agora recauchutada – mas dificilmente a manterão por tempo suficiente para ganhar de forma repetida. Acreditar nisso equivale a acreditar que é Jesus o culpado por o Benfica ter usado poucos jogadores da formação. Como se acima dele não estivesse uma estrutura que lhe dava os Di Marias, os Gaitáns, os Matic, os Enzos Perez ou os Rodrigos, os Garays e os Ramires.
2016-09-08
LER MAIS

Último Passe

A seleção nacional falhou o regresso à competição depois de ter ganho o Europeu de França. Fez uma partida fraca e um mau resultado na Suíça, de onde saiu vergada a uma derrota por 2-0 que pode complicar bastante um grupo de qualificação onde só o primeiro classificado se apura para o Mundial. Os golos suíços surgiram separados por apenas sete minutos, entre os 23' e os 30', em dois erros individuais, que até deram força ao que Fernando Santos vinha dizendo nos últimos dias: Portugal perdeu por não ter sabido jogar feio quando isso se impunha. Na primeira parte, a Suíça não foi à baliza de Patrício vezes suficientes para justificar o 2-0 com que chegou ao intervalo. E no entanto fez os dois golos, contra zero de Portugal, fruto dos tais erros. No primeiro, o livre de Rodriguez seguiu em curva, mas nem a defesa de Patrício foi perfeita (para a frente) nem a reação de Cédric foi boa: olhou só para a bola e perdeu a referência de Embolo, que chegou à recarga mais depressa. No segundo, a desorientação foi maior: William e Moutinho permitiram que Mehmedi saísse com bola de uma situação de inferioridade numérica e lançasse na esquerda, de onde Seferovic fez uma devolução que, outra vez, William e Moutinho não impediram se tornasse em concretização fácil por parte do mesmo Mehmedi.  Os dois golos sublinharam a falha de Portugal naquilo que vinha sendo a especialidade desta seleção (o jogo de concentração defensiva, o anular das armas do adversário a que se tem chamado "feio") e punham fim a uma entrada forte da seleção. Até aos 20 minutos, altura em que baixou a intensidade de jogo, o meio-campo de Portugal tinha mandado no jogo, com jogo de posse bem conseguido e permanente disponibilização dos dois laterais. Éder e Bernardo Silva já tinham estado perto do golo, mas o 2-0 mudava tudo. Prevendo (e bem) que o adversário recuaria, Fernando Santos apostou num jogador de área (André Silva) e num médio mais dado ao jogo criativo (João Mário), em vez de Éder (que precisa de mais espaço) e William. A equipa passou para um 4x4x2 que lhe assegurou, outra vez, o domínio do campo, perante uma Suíça muito recuada, mas sofria para criar situações claras de golo. Havia sempre muitas pernas entre o remate e a baliza. Só a entrada de Quaresma forneceu à seleção capacidade para criar os necessários desequilíbrios na faixa lateral que, seguidos de cruzamento, permitiam finalizações em situações flagrantes. O extremo do Besiktas deu a Nani uma bola de golo, mas o cabeceamento deste não saiu bem e acertou no poste. Morria ali a última hipótese de Portugal pontuar no seu jogo de arranque e complicava-se o panorama da qualificação. Falta ver o que fará esta Suíça, mas o caminho não se afigura tão fácil como acabou por ser o da recuperação após a falsa partida no apuramento do Europeu de 2016. 
2016-09-06
LER MAIS

Último Passe

A entrevista de Jorge Jesus ao Record teve assuntos para satisfazer todas as correntes. Dela saíram a sorrir os benfiquistas que depois de ele abandonar a Luz descobriram que não o queriam lá, tal como suspiraram de alívio os sportinguistas que não compraram as versões que circulavam no panorama mediático, segundo as quais treinador, capitão e presidente já não podem nem ver-se. Ainda assim, por mais entretida que a entrevista tenha sido, dali tiro acima de todas uma opinião do treinador leonino: afinal, o plantel que Marco Silva tinha em Alvalade não só não era maravilhoso como tinha tanta sucata que, confrontado com ele, Jesus ponderou ir-se embora ao fim de um mês. Já se sabe que no futebol de hoje a realidade se cruza muitas vezes com as versões que os departamentos de comunicação nos querem impingir. O caso da demissão de Marco Silva, que além de muitas justificações lançadas e nunca provadas (a defesa de outros interesses que não os do Sporting) resume-se, no fim, a uma questão de resultados. Foram maus, como quis fazer crer uma grande parcela de sportinguistas? Aparentemente não. Terão sido até muito bons. Quem o valida é o próprio Jesus, ao sustentar que ao fim de um mês em Alvalade quis sair, face à falta de qualidade que encontrou no balneário. O resto da entrevista são versões da realidade. Há uma coisa que é factual - que uma só aquisição do Benfica quase chega para pagar todas as que o Sporting fez - mas que ainda assim satisfaz duas vezes, como o chocolate do anúncio: satisfaz os leões que querem sacudir a pressão criada por um mercado bem sucedido, da mesma forma que alegra as águias, que veem nestas repetidas alusões ao Benfica uma mal curada obsessão do treinador com o seu anterior clube.  E há outras histórias que são puramente subjetivas. A quem duvida da relação profícua que mantém com Bruno de Carvalho ou da forma como lida com as aspirações de Adrien, Jesus diz que estão os três como o aço. A quem acha que o Benfica é que geriu bem o caso Luisão, ele responde com uma versão segundo a qual os encarnados quiseram e querem ainda correr com o seu capitão. Quem fala a verdade? Quem mente? Tal como no caso do alegado interesse leonino em Rafa, é impossível decidir com certeza. As 31 jornadas que faltam da Liga, no entanto, podem dar-nos umas pistas. Porque é mais fácil construir em cima de um clima saudável que de uma mentira repetida mil vezes por spin doctors a soldo.
2016-09-06
LER MAIS

Último Passe

A saída de Antero Henrique do FC Porto, no final de um defeso capaz de deprimir a maioria dos adeptos do clube, pode até ter sido mesmo devida apenas a razões pessoais do ex-administrador da SAD com responsabilidade máxima no mercado, conforme foi escrito no comunicado que pôs termo a mais de duas décadas de ligação. Mas no futebol estas coisas raramente se explicam com recurso a uma só leitura e neste caso parece evidente que o que está aqui em causa é a chicana política visando a inevitável sucessão de Pinto da Costa e a aplicação das duas leis do Pinto-da-Costismo.Sim, é verdade que o presidente portista tomou posse em Abril para o 14º mandato, apontando a mais quatro anos à frente do clube, até 2020. Goste-se ou não do estilo e da estratégia, há que reconhecer ao veterano líder dos dragões o estatuto dos gigantes, de quem mudou o panorama do futebol em Portugal. Se a hegemonia do Benfica começou com Eusébio, na década de 60, a portista teve início com Pinto da Costa, entre os anos 80 e 90. Só que tal como Eusébio deixou de jogar, um dia Pinto da Costa vai deixar de liderar. E à noção de que esse dia está próximo – o presidente completará 79 anos em Dezembro – junta-se o facto de o futebol portista estar a atravessar um dos períodos mais difíceis desde que Pinto da Costa tomou posse para o primeiro mandato, em 1982. Desde que ele é presidente, esta é apenas a segunda vez que o FC Porto passa três campeonatos seguidos sem ganhar (a primeira foi de 1999 a 2002 e acabou com a chegada às Antas de Mourinho) e a primeira em que, nesses três anos, não ganha mais nenhum troféu. A Supertaça de Agosto de 2013 foi a última conquista do plantel azul-e-branco.A verdade é que há muitos anos que se fala na sucessão de Pinto da Costa e até aqui o presidente sempre soube dar a volta por cima. Chegou a pensar-se que o sucessor podia ser José Guilherme Aguiar, que podia ser Angelino Ferreira, que podia ser Fernando Gomes – seja o Bibota de Ouro ou o presidente da FPF –,que podia ser Vítor Baía, que podia ser António Oliveira… Houve quem mencionasse o próprio Antero Henrique ou até António Salvador, presidente do Sp. Braga mas portista de coração. Como todas as estrelas do firmamento, Pinto da Costa atrai vários planetas à sua órbita, mas ao contrário do que sucede na lei da gravidade universal, estes planetas acabam por se afastar. Porque aqui não se aplicam as Leis de Newton, mas sim as tais leis do Pinto-da-Costismo. A primeira é que Pinto da Costa nunca “nomeará” um sucessor, nem formal nem informalmente. A segunda é que não se pode ganhar um lugar no pós-Pinto da Costa afrontando Pinto da Costa. Nem é o legado, esse inatacável: é a presidência atual e as decisões de hoje.E em que medida é que se enquadra aqui a saída de Antero Henrique? Isso é matéria de discussão para blogues, uns acusando Antero de ser o culpado dos erros de mercado cometidos pelo FC Porto nos últimos anos, outros atribuindo esses erros à intervenção do presidente e dos seus “yesmen”. Uns achando que o regresso de Luís Gonçalves é a vitória da importância do scouting sobre os jogos de bastidores, outros rebatendo que é apenas uma forma de o clube deixar de ter massa crítica que se oponha aos especialistas nos tais jogos de bastidores. Qual é a verdade? Só o próprio Antero poderia vir esclarecê-lo. Mas tal como nunca se ouviram a Angelino Ferreira declarações públicas acerca das divergências que mantinha com a linha dominante na SAD acerca do destino a dar às mais-valias que se iam fazendo no mercado de transferências – abatimento de passivo ou compra de mais e mais jogadores –, também dificilmente se ouvirá Antero Henrique falar abertamente das últimas escolhas de treinador ou da crescente influência de Alexandre Pinto da Costa, filho do presidente, que voltou às boas graças do pai depois de ter sido o parceiro predileto de José Veiga na tentativa de o derrubar.A questão é que, apesar dos tais três anos sem ganhar nada, a segunda lei do Pinto-da-Costismo continua válida. Foi por ela que, depois de se ter esticado mais do que quereria a propósito do presidente, Baía adotou imediatamente uma atitude conciliadora, deixando a animosidade para o debate entre as esposas dos dois nas redes sociais. É por isso que Oliveira mantém há muito um distanciamento cauteloso em relação às políticas do clube, que não abandona sequer nas suas múltiplas intervenções públicas, na TV ou nos jornais onde escreve opinião. Foi para aparecer na fotografia que, depois de também ter sido tão próximo de José Veiga, Fernando Gomes regressou ao clube para ocupar uma posição de alguma visibilidade mas nula importância estratégica. Onde se encaixa Antero Henrique? Di-lo-á o futuro próximo. E isso em muito vai depender do que fizer o plantel que ele deixa no clube na época que agora se inicia.
2016-09-05
LER MAIS

Último Passe

Fernando Santos aproveitou o jogo de consagração da seleção nacional após a vitória no Europeu para fazer um treino ofensivo a que a goleada a Gibraltar (5-0) não faz justiça. Logo à partida porque os cinco golos ficam muito aquém da produção atacante da equipa nacional, que deixou pelo menos mais uns três golos cantados por marcar. E depois porque a equipa de Gibraltar se revelou tão incapaz de pôr o campeão europeu à prova, mal entrando até no meio-campo de Portugal, que o jogo não podia correr de outra forma. Mesmo assim, e mesmo tendo em conta que o jogo de terça-feira, com a Suíça, em Basileia, não terá nada a ver com este, Santos diz que tirou do que viu no relvado do Bessa algumas conclusões. Sem Cristiano Ronaldo, o selecionador abdicou do 4x4x2, indo a jogo com o 4x3x3 mais tradicional da seleção nacional, mas no final do jogo afirmou que a segunda parte, no regresso ao 4x4x2, mostrou maior diversidade de opções atacantes. É verdade que sim, mas não foi a isso que se deveu o facto de Portugal ter feito quatro dos seus cinco golos no segundo tempo. Isso teve mais a ver com o cansaço dos adversários ou a maior qualidade dos serviços feitos por Bernardo Silva face à noite mais desinspirada de Quaresma ou ainda com uma maior presença de médios na área - e aí sim pode haver alguma influência de movimentos mais bem construídos. A verdade é que o jogo de Basileia vai ser lançado em bases diferentes. Em vez de ser sujeito ao desconforto de jogar sempre dentro da área, onde se notam mais as suas dificuldades nas finalizações ao primeiro toque e sem espaço, Éder vai ter mais bolas para surgir embalado ou para ganhar num corpo-a-corpo como o que lhe deu o golo na final do Europeu. Nani, autor dos dois primeiros golos de Portugal - a passes de Bruno Alves e Bernardo Silva - estará na mesma como peixe na água, dependendo o sistema que a equipa adotará da escolha entre o jogo de linha e Quaresma ou um jogo mais interior de Bernardo. Com tudo certo a meio-campo (Moutinho está melhor que no Europeu e William em bom momento), as maiores dúvidas para terça feira estarão na posição de lateral direito, onde Cancelo marcou a estreia com um golo (o terceiro) e se chegou à frente. O problema é a propensão ofensiva do lateral direito do Valencia, adequada para a equipa de Gibraltar mas arriscada quando o adversário é a Suíça.
2016-09-01
LER MAIS

Último Passe

O futebol continua a ser um oásis na economia portuguesa. Mais nenhuma área consegue aquilo que os maiores clubes nacionais voltaram a alcançar neste defeso: fechar as contas com amplo saldo positivo e acabar com a equipa bem mais forte do que há um ano. Crise, se existe, nestes casos, é de abundância, fazendo crer que os grandes estão a preparar-se para um campeonato ainda mais disputado, mesmo que mais longe do resto do pelotão da prova. O Benfica faturou bastante com as vendas de Renato Sanches e Gaitán, tornando quase irrelevante a saída de Carcela. Os quase 70 milhões que o clube recebeu chegaram e sobraram para recompor o plantel com opções do agrado de Rui Vitória e ainda para adquirir o passe de Mitroglou, que estava na Luz por empréstimo, ou completar a compra de Jiménez, que cortou as amarras ao Atlético Madrid. Rafa, Cervi, Carrillo e Zivkovic bater-se-ão pelo lugar do argentino, ao passo que Danilo, Horta e Celis por lá estarão à espera de ocupar a vaga de Renato, pela qual também concorre o grego Samaris, que acabou por ficar no clube. Claro que nunca será igual, mas o próprio Rui Vitória se negou a entrar na lógica da substituição por clones, pelo que agora lhe restará a tarefa de gerir a abundância, que é mais evidente nas alas do ataque, já que o clube não conseguiu desfazer-se de todos os jogadores que queria colocar até ao fecho do mercado. Mesmo dando de barato que Rafa até pode jogar ao meio e concorrer com Jonas pelo lugar atrás do avançado de referência (e os 16 milhões que os encarnados bateram por ele fazem pensar em mais do que isso), há ali muita gente a esforçar-se por garantir um lugar nas alas do ataque. Se as vagas são duas, por elas se batem Salvio, Pizzi, Carrillo, Zivkovic, Cervi e Gonçalo Guedes. É muito? Nada de estranho no outro lado da segunda circular, por exemplo. Porque apesar de se ter também regalado com 70 milhões de euros por João Mário e Slimani - e o valor de Naldo também aparece aqui como um acrescento quase irrelevante - o Sporting só precisou de gastar pouco mais de um terço desse montante para reforçar o grupo de forma evidente. Se há um ano Jesus só tinha Slimani para jogar na frente (Barcos nunca contou), já lá tem Dost e André, enquanto espera pela recuperação de Spalvis. Se face à saída de Montero, Teo Gutierrez era também opção quase única para ser segundo avançado, obrigando Jesus a desviar para ali Bryan Ruiz em alguns jogos, agora já lá tem Castaignos e Alan Ruiz. E nas alas, as opções são inúmeras: para dois lugares, há Gelson, Campbell, Markovic, Bruno César e Bryan Ruiz. Tudo somado à existência de duas ou três opções para cada lugar a meio-campo, onde Adrien e William ficam, mas entram Elias ou Melli, leva a que este seja um plantel sem desculpa na falta de profundidade para desistir de nenhuma prova. Nacional ou europeia. O FC Porto foi, dos três, quem menos mexeu no mercado e o único a fechar com saldo negativo entre compras e vendas. As três épocas de insucesso impediram o clube de fazer grandes operações. Martins-Indi, Aboubakar, Bueno ou Reyes saíram apenas por empréstimo, Brahimi por lá continua, o que terá impedido os dragões de atacarem com certeza maior alvos que pretenderiam, como Mangala. As aquisições de Depoitre, Felipe, Alex Telles e Boly, bem como a compra do passe de Layun, o regresso de Otávio e as chegadas, por empréstimo, de Oliver e Jota, implicam, ainda assim, um investimento demasiado elevado para se afastar os dragões na corrida ao título. Até por ter mudado ideia de jogo e de equipa técnica, o FC Porto parece ligeiramente atrás dos rivais de Lisboa na bolsa de favoritismo da Liga, mas seria um erro afastar Nuno Espírito Santo do lote de treinadores candidatos ao título.
2016-09-01
LER MAIS

Último Passe

O papel do capitão de equipa não está escrito em lado nenhum. No papel, sabe-se que é ele quem fala com o árbitro durante o jogo, quem escolhe campo ou bola no início dos jogos, quem oferece o galhardete do clube ao capitão do adversário. Mas ser capitão é mais do que isso: é ser o líder de um balneário, o exemplo de comportamento para os outros, uma espécie de representante do clube na equipa, de extensão do treinador em campo. Neste particular, Adrien Silva e Luisão não estão a ter um início de semana à altura da função de porta-estandarte dos clubes de que são a referência maior. Porque o futebol é cada vez mais um desporto individual na qual a noção de coletivo está pela hora da morte. Vejamos caso a caso. Adrien Silva é o capitão do Sporting, jogador da casa há mais de uma década. Assinou um novo contrato há seis meses, válido até 2020, com cláusula de rescisão de 45 milhões de euros. É muito? É! É mais do que pode valer um jogador da idade e do nível de Adrien? Muito provavelmente. Mas acredito que o jogador, o seu pai e o agente que lhe trata da vida se terão feito pagar por essa cláusula, seja com um prémio de assinatura robusto ou um salário à altura. Entretanto, é verdade, surgiu o Europeu de futebol, onde Adrien foi arma importante na vitória da equipa portuguesa. O mercado não reagiu de imediato mas, seja ou não com a interferência de Jorge Mendes, como foi denunciado pelo presidente do Ol. Lyon, eis que aparece uma proposta de Inglaterra, a poucos dias do fecho do mercado. Gerir é avaliar os pros e contras de cada ação e terá sido isso que fez o Sporting, que face ao montante da proposta (fala-se em 25 milhões) e à dificuldade de encontrar substituto para o seu capitão, terá recusado as abordagens do Leicester. O jogador, que pensa naturalmente nos seus interesses pessoais antes de pensar nos da equipa que capitaneia, ficou afetado. Deu uma entrevista na qual, a bem, disse que era altura de dizer adeus a casa e, face à resposta que o Sporting deu, libertou o empresário e o pai para falarem, a única forma de radicalizar sem se comprometer. A questão, porém, é muito simples: da mesma forma que o clube não tem o direito de despedir um jogador por falta de rendimento (e o Sporting e o Benfica muito gostavam muito de poder despedir Labyad ou Taarabt, por exemplo), também não tem a obrigação de os libertar se eles se destacarem e de repente tiverem propostas mais tentadoras. Se lhe prometeram a liberdade, como o pai e o empresário dizem, não estavam no direito de o fazer. A liberdade de Adrien tem um preço: são 45 milhões de euros. Ele sabe isso e, mais ainda sendo capitão de equipa, devia estar em condições de o entender. Menos claro é o caso de Luisão. O capitão do Benfica protagonizou, anos a fio, vários casos de mercado, nos quais tentou forçar a saída da Luz. Nunca chegou uma proposta que o Benfica considerasse boa e o jogador foi ficando, até ao momento em que já não é sequer escolha para titular do clube. Neste momento, os melhores centrais do Benfica são Lindelof, Jardel e Lisandro, sendo o capitão uma alternativa. E é a partir daqui que o caso se torna obscuro: o Benfica não tem interesse em dar ao capitão mais um ano de contrato, este acha que pode continuar a jogar e, mais, tem dificuldade em entender que o seu papel mudou, que poderá continuar a ser uma referencia dentro do balneário sem jogar regularmente. Nunca ficou claro se foi o Benfica a querer "despachar" Luisão para o Wolverhampton, do segundo escalão inglês, aproveitando as ligações de Jorge Mendes aos proprietários do clube, e se o fez por achar que não é fácil manter Luisão como suplente, ou se, pelo contrário, é o jogador que quer partir, em busca de um último contrato em grande. Seja como fôr, a verdade é que os 13 anos de ligação de Luisão ao Benfica e a braçadeira de capitão que ostenta mereciam algo diferente do que o "é difícil ficar calado" que o jogador publicou na sua conta de instagam.
2016-08-30
LER MAIS

Último Passe

As lágrimas vertidas por Slimani à saída do relvado de Alvalade, depois da vitória do Sporting sobre o FC Porto, podem até revelar um sentimentalão na pele de um Terminator, mas serão mais rapidamente deitadas para trás das costas do que as preocupações de Jorge Jesus face ao desmantelamento da sua equipa pelos últimos dias de mercado. É verdade que os leões só perderam dois titulares, que um deles - João Mário - até já estava fora desde a jornada anterior, mas será a saída do ponta-de-lança argelino que mais mexerá com toda a organização da equipa. É por isso que apesar da chegada à liderança isolada do campeonato o treinador receberá de braços abertos a pausa para os jogos das seleções: não poderá capitalizar em cima da moralização que essa liderança inevitavelmente gera, mas poderá começar a trabalhar os novos elementos numa espécie de segunda pré-época que todos os anos se repete na interrupção para os jogos das seleções. As equipas de Jesus são sempre muito montadas em cima dos seus pontas-de-lança. Foi assim no Belenenses, no Sp. Braga, no Benfica e é agora no Sporting, onde Slimani se transformou no elemento fundamental de todo o onze. É-o pelos golos que marca, mas não só. Aliás, golos também Bas Dost, Castaignos ou André poderão dar à equipa. A questão que torna Slimani o jogador mais difícil de substituir no plantel do Sporting tem que ver com a compreensão que ele já tem da forma de jogar das equipas de Jesus. Com os momentos em que procura o corredor lateral, os momentos em que busca a profundidade nas costas da defesa adversária, os momentos em que adivinha a movimentação do homem que joga atrás dele e ainda com os momentos em que pressiona a saída de bola do adversário. Ofensivamente, toda a equipa se mexe de acordo com as escolhas feitas pelo ponta-de-lança; defensivamente, ela depende da sua intensidade na primeira zona de pressão para poder reduzir espaços mais atrás, tornando a vida mais fácil para quem ali joga. Mesmo tendo Jesus ontem dito que "Slimani só há um" e que "por isso é que vale 40 milhões", o que torna o argelino dificilmente substituível no imediato não tem tanto que ver com a qualidade que ele mostra, mas mais com o trabalho que com ele já foi feito e que fez dele o jogador que ele é, neste contexto. É a mesma razão pela qual Óliver Torres, sendo o excelente jogador que é, valendo até mais do que os jogadores que veio substituir e tendo ainda a vantagem de já ser um menino da casa, de conhecer um pouco aquilo que é ser FC Porto, não se mostrou ainda em condições de ser a mais-valia que pode vir a ser. Porque Óliver acaba de chegar e do que se lembra do FC Porto era de uma equipa que pensava o jogo de outra forma. Para ser o craque que é precisa de perceber bem as diagonais de André Silva, os movimentos interiores de Otávio, as subidas de Danilo e até os movimentos de compensação de André André, possivelmente o jogador que acabará por substituir no onze. Se Óliver já foi ao banco em Alvalade - e acabou mesmo por jogar toda a segunda parte - foi apenas porque é mesmo um excelente jogador, que estava fisicamente apto, por ter feito a pré-época no Atlético de Madrid. Mas faltava-lhe o resto, aquilo que forma as equipas. É por isso que cada vez percebo pior que os campeonatos comecem e duas ou três semanas depois ainda haja jogadores a mudar-se de um lado para o outro. Isso dá azo a mudanças na forma de jogar das equipas com a época em curso, ao necessário período de readaptação, que as diminui no plano das competências, mas sobretudo a uma enorme instabilidade emocional nos balneários, que pode ser fomentada por quem quer, seja com intenção de contratar ou não. E no entanto, apesar de todos os anos os treinadores se queixarem, de todos os anos andarem a trabalhar uma coisa na pré-época e depois terem de trabalhar outra durante a interrupção para os jogos das seleções em setembro, apesar de o mercado estar aberto desde o final da época anterior e de ter havido tempo mais do que suficiente para todas as transações possíveis e imaginárias, nada se altera. Todos os anos há quem pergunte porquê. E a resposta é sempre a mesma e está na letra da música de Lisa Minelli: "Money makes the world go round" [o dinheiro faz girar o mundo]. E como quem manda é o dinheiro, vamos agora entrar numa segunda pré-época, à qual, dos grandes portugueses, só escapará o Benfica. Porque foi o único a fechar as entradas e as saídas importantes a tempo de estabilizar o grupo.
2016-08-29
LER MAIS

Último Passe

A vitória (2-1) sobre o FC Porto em Alvalade permitiu ao Sporting assumir a liderança isolada da Liga pela primeira vez desde a derrota contra o Benfica naquele mesmo palco, em Março, e deixou Jorge Jesus nas condições ideais para atacar Setembro, quando regressar a competição e já estiver o mercado encerrado. Os leões ganharam com justiça, num jogo intenso, no qual o FC Porto até começou melhor, mas onde Jesus corrigiu a tempo o erro tantas vezes repetido de colocar Bryan Ruiz ao meio. Muito do jogo do Sporting se baseia nas movimentações e na intensidade dos dois homens da frente, na forma como Slimani busca a profundidade ou a largura e como o seu parceiro o compensa ou se aproxima do meio-campo. Com Ruiz ali em vez de estar à esquerda, a equipa leonina foi perdendo a batalha do meio-campo, setor onde o trio portista, formado por Danilo, Herrera e André André, se impunha com naturalidade a William e Adrien, desamparados face à falta de genica do costa-riquenho. Havia sempre um portista a soltar-se para lançamentos capazes de aproveitar as diagonais de André Silva para o espaço entre o central e o lateral do Sporting, pelo que foi com alguma naturalidade que os dragões se adiantaram bem cedo no jogo. Foi de livre, à semelhança da abertura do marcador no jogo de Roma, desta vez de Layun para Felipe. O resto do jogo, contudo, foi muito diferente do de terça-feira. Porque Jesus reagiu a tempo e devolveu Ruiz ao lugar onde faz mais sentido, que é na esquerda, derivando Bruno César para o meio. Com o brasileiro ali, os leões ganharam ascendente e foram capazes de virar o marcador. O 1-1 saiu de um livre marcado por Bruno César ao poste, de uma primeira recarga de Gelson e de uma segunda de Slimani, a impedir que Casillas fizesse uma segunda defesa. E o 2-1 de um belo remate de Gelson, depois de beneficiar de um ressalto em Ruiz de uma bola mal aliviada por Felipe. Após o intervalo, Nuno Espírito Santo tentou mexer com o jogo, mas as coisas não lhe saíram bem. Oliver fez a estreia, entrando para o meio, com a passagem de Herrera para a direita,  mas mostrou que ainda não está em condições de ser a mais-valia que será assim que compreender melhor a equipa. Depoitre e Adrian Lopez entraram depois, na tentativa de dar outra acutilância ao ataque, mas por essa altura já o Sporting reforçara o meio-campo com Bruno Paulista e só não aproveitou o balanceamento do adversário porque Campbell também ainda não parece preparado. Sporting e FC Porto enfrentam agora duas semanas de paragem nas quais terão de fechar os planteis e de dar aos novos elementos a capacidade de compreender melhor as dinâmicas  coletivas. O primeiro clássico da época mostrou que há ali matéria prima para se trabalhar.
2016-08-28
LER MAIS

Último Passe

O superior talento de Jimenez e Salvio, na noite de regresso de Jonas à competição, valeu ao Benfica uma merecida vitória na Choupana, por 3-1, sobre uma equipa do Nacional que teve muitas vezes a cabeça fora do lugar: aconteceu a Aly Ghazal nos primeiros dois golos dos benfiquistas e na gestão da equipa feita por Manuel Machado, que levou os madeirenses a acabar com dez homens, por lesão do egípcio. Com o resultado, Rui Vitória já pode assim olhar para o Sporting-FC Porto de domingo com a certeza de que sairá sempre a ganhar, seja qual for o resultado. A expectativa na equipa benfiquista era grande, sobretudo devido ao regresso antecipado de Jonas, após a intervenção cirúrgica a que foi submetido. Com Jonas, já se sabe, o coletivo de Rui Vitória ganha poder de finalização e capacidade para ligar o jogo nos últimos 30 metros, mas a verdade é que o brasileiro não foi tão influente assim e perdeu as ocasiões que teve para marcar, o que obrigou o Benfica a recorrer a outras fontes de talento para ganhar os três pontos. Salvio confirmou as indicações que tinha dado frente ao V. Setúbal e abriu avenidas no lado direito do ataque, mas quem melhor apareceu foi mesmo Jiménez. O mexicano fez a diferença em relação às noites mais apáticas que o grego Mitroglou vinha assinando, movendo-se sempre com inteligência, como se viu nos lances do segundo e do terceiro golos do Benfica: no segundo, foi ele quem lançou Salvio para o passe de morte que deu o 1-2 a Carrillo; no terceiro, adivinhou a dificuldade de Washington, médio adaptado a central, para ser último homem, pressionou-o, ganhou-lhe a bola e marcou na cara do desamparado guarda-redes. Por essa altura já se notava a falta de cabeça do Nacional, que acabou o jogo com dez homens, fruto da lesão de Aly Ghazal e do posterior esgotar das substituições por parte de Manuel Machado, que mesmo assim manteve o egípcio em campo quando quis reforçar o ataque. Ghazal, aliás, teve uma noite infeliz. Foi ele quem fez o primeiro golo do Benfica, deixando que um livre de Pizzi, que o guardião Rui Silva devia ter afastado, lhe batesse na cabeça e seguisse para a baliza deserta. Depois, já Tobias Figueiredo tinha empatado, de cabeça, após um canto de Agra, quando surgiu o tal lance de Jimenez e Salvio, no qual Carrillo desempatou. Ao tentar desfazer o cruzamento de Salvio, Ghazal bateu violentamente com a cabeça no relvado, o que veio a impossibilitar que ficasse em campo até final. E foi quando Manuel Machado já tinha dois avançados em campo que o capitão teve de sair de maca: Washington recuou para a linha defensiva, ainda tirou um golo cantado a Jimenez, com um corte sobre a linha de baliza, mas permitiu depois, já em período de compensação, que o mexicano lhe roubasse a bola para fazer esse mesmo terceiro golo, dando mais folga ao resultado. A vitória permite ao Benfica olhar para o clássico de Alvalade com a tranquilidade de quem já fez a sua parte. E a interrupção do campeonato que aí vem, para os jogos da seleção, dará a Rui Vitória o tempo para recuperar o melhor Jonas e trabalhar a equipa com Jimenez, que depois do que fez na Choupana dificilmente perderá a vaga nos tempos mais próximos.
2016-08-27
LER MAIS

Último Passe

As três equipas portuguesas na Liga dos Campeões tiveram sortes radicalmente diferentes no sorteio do Mónaco. O FC Porto teve um sorteio tão feliz que nem os mais otimistas seriam capazes de o antecipar. Pelo menos no plano desportivo. O Benfica vai estar num grupo muito aberto, no qual é favorito para fazer valer o estatuto de cabeça de série, mas não terá pêras doces pelo caminho. E ao Sporting calhou todo o azar da tarde: os duelos com o Real Madrid e o Borussia Dortmund tornam difícil pensar em mais que na Liga Europa, ao mesmo tempo que farão de Alvalade cabeça de cartaz europeu em algumas noites até ao Natal.Depois de ter tido azar no adversário que lhe calhou no playoff (a Roma), o FC Porto beneficiou agora de toda a fortuna que lhe podia calhar numa só tarde. Primeiro, apanhou o Leicester, o mais fraco dos sete cabeças de série que podiam surgir-lhe à frente. Sim, trata-se do campeão inglês, mas foi um campeão de tal modo surpreendente que ninguém espera que volte a jogar ao nível que foi prolongando em esforço até ao fim da época passada. Terminada a Premier League, esvaziou-se o balão de adrenalina que levou a equipa até ali e, como se viu no início da atual temporada, a fábula da pizza não chegará a Ranieri para manter o rendimento dos seus jogadores lá em cima, muito acima do que eles valem na verdade. E depois do Leicester, o FC Porto ainda teve a mão amiga de Ian Rush a enviar-lhe o Bruges e o Copenhaga, duas equipas vindas de um patamar inferior e que elevam o nível de exigência dos portistas. O FC Porto não só é favorito, como poderá acabar esta fase com uns 12 pontos, que tanto ajudarão o ranking próprio e o de Portugal.A expectativa de bons resultados poderá ser o principal fator aglutinador para levar espectadores ao Dragão, pois não será certamente o cartel dos adversários a tornar os cartazes atrativos. É quase o que sucede com o Benfica, que também não terá na Luz grandes da Europa, mas ainda assim vai enfrentar um grupo mais complicado, sobretudo tendo em conta que era cabeça de série. O Napoli é uma força ofensiva muito difícil de controlar e o Dynamo Kiev, num dia bom, pode também criar problemas aos encarnados - eliminou o FC Porto há um ano, por exemplo. Não tendo, ainda assim, tido azar nos Potes 2 e 3, onde havia alternativas muito piores, o Benfica ficará a lamentar não lhe ter calhado um docinho no Pote 4. É que até o Besiktas de Ricardo Quaresma pode ser um problema. Este vai seguramente ser um grupo aberto, onde o pleno de pontos em casa será fundamental e onde as coisas podem decidir-se com um ou dois resultados úteis como visitante. Ainda na última época o FC Porto e o Sporting empataram em Kiev e Istambul, pelo que é possível ao Benfica fazer uns 10 ou 11 pontos e até ganhar o grupo.Quem não pode queixar-se de falta de adversarios atrativos no seu estádio é o Sporting, uma vez que por Alvalade vão passar os complicados Real Madrid e Borussia Dortmund. O Real é o campeão da Europa e favorito em todos os jogos da fase de grupos. Basta ver que nas últimas três temporadas cedeu apenas dois empates em 18 partidas nesta fase, quando visitou a Juventus e o Paris St Germain. E o Borussia Dortmund é a equipa que mais sombra faz ao Bayern na Alemanha, não tendo perdido nada da sua força ofensiva com a saída de Klopp e a entrada de Tuchel. O sucesso para o Sporting passa por fazer seis pontos contra o Legia de Varsóvia, a equipa mais fraca do grupo, ganhar ao Borussia em casa e depois esperar uma de duas coisas: ou que os alemães se distraiam na rivalidade geográfica com os polacos e deixem pontos num dos jogos com o Legia ou que seja capaz de pontuar no WestfalenStadion. Difícil, sim. Muito difícil. Mas não impossível.
2016-08-26
LER MAIS

Último Passe

Por mais facilitada que tenha sido pelo descontrolo emocional do adversário, que fruto disso jogou meio desafio apenas com nove homens, a vitória do FC Porto em Roma (3-0) e o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões constituem um sucesso ao mesmo tempo indiscutível e vital do grupo dirigido por Nuno Espírito Santo. Ao contrário do que tinha sucedido na primeira mão, desta vez os portistas entraram ligados no jogo, concentrados, e foram os italianos que pareciam adormecidos, excessivamente confiantes na vantagem que o empate com golos no Dragão lhes conferia e seguros de que o apuramento não lhes pedia esforço nenhum. É que o jogo, desta vez, não permitia quaisquer contemplações à equipa portuguesa, que aproveitou bem a necessidade de ir à procura de um resultado que a qualificasse. E se em algum momento a coisa se complicou, foi precisamente quando pareceu demasiado fácil. A chave da vitória portista esteve na entrada intensa, por oposição ao início mais passivo de há uma semana. A pressionar alto, a atrapalhar a saída de bola dos italianos, a recuperar muitas bolas bem dentro do meio-campo ofensivo, o FC Porto marcou logo aos 8 minutos, num cabeceamento de Felipe, após livre de Otávio. É verdade que as linhas portistas depois foram baixando e que a Roma foi conquistando cantos atrás de cantos (9-0 ao ingtervalo), mas quando a equipa de Luciano Spalleti começava a tornar-se ameaçadora, De Rossi fez-se expulsar, ainda antes do intervalo, por uma entrada de sola sobre Maxi Pereira. E se a expectativa acerca do que poderia fazer a Roma com dez na segunda parte, numa espécie de 3x4x2, era grande, depressa se perdeu, porque Emerson também foi expulso, por falta semelhante sobre Corona, logo aos 50’. Com onze contra nove, o FC Porto teria de fazer muita asneira para não seguir em frente. E foi aí que a coisa se complicou. Nos 23 minutos entre a expulsão de Emerson e o golo de Layun, o que se viu foi um jogo partido, com finalizações nas duas balizas, algo que face à flagrante superioridade numérica de que dispunha o FC Porto não devia ter permitido. Nuno Espírito Santo, que já trocara o lesionado Maxi por Layun, tentou ganhar consistência na posse com a entrada de Sérgio Oliveira e velocidade no contra-ataque através de Adrián López. A Roma, por sua vez, mandava-se com todos para a frente, porque precisava de empatar para pelo menos forçar o prolongamento, e Perotti e Naingollan ainda tiveram um par de situações nas quais perderam o empate – fundamental o corte de Layun na perdida do argentino. Ao mesmo tempo, o FC Porto ia desperdiçando também ataques rápidos nos quais chegava perto da área em quatro para três ou até três para dois. Até que o golo de Layun, numa dessas situações, sentenciou a eliminatória a favor da equipa portuguesa. Corona ainda fez o 3-0, mas nessa altura já os romanos tinham entregue os pontos, como se via no semblante carregado de Totti, várias vezes apanhado pela realização televisiva com um ar incrédulo de desalento. A vitória e a presença na fase de grupos da Liga dos Campeões pode ser aquilo de que este FC Porto mais precisava para arrancar para uma temporada consistente. Não só porque o encaixe financeiro garantido lhe permitirá ir ao mercado buscar os reforços de que o treinador necessita, mas também porque a equipa entrará em Alvalade, no domingo, mais solta, mais confiante nas suas hipóteses de enfrentar aquela que, no seu terreno, tem sido a besta negra dos dragões.
2016-08-23
LER MAIS

Último Passe

O empate do Benfica, em casa, frente ao V. Setúbal (1-1) já foi comparado, por exemplo, por Raul Jiménez, com a derrota que a equipa encarnada sofreu frente ao Arouca, em Aveiro, à segunda jornada da época passada (0-1). “É seguir em frente!”, sentenciou com clarividência o atacante mexicano. Mas as razões por trás da perda de pontos de hoje são mais profundas do que o normal titubear de muitas equipas no mês de Agosto, quando os processos ainda não estão assimilados. Ao Benfica faltou aquilo que teve em abundância na época passada: boas decisões na frente e ainda melhores finalizações. Em suma, faltou Jonas. Jonas estava na bancada, de óculos postos, a ver as dificuldades que a equipa ia sentindo para criar lances de golo. Porque mesmo tendo mais volume de jogo, os encarnados nunca conseguiram reduzir a produção ofensiva do adversário: Amaral foi uma seta apontada à baliza de Júlio César em toda a primeira parte, período no qual os sadinos chegaram a beneficiar de um lance de dois para dois em ataque rápido e o perderam por falta de qualidade na definição. Claro que o Benfica também teve as suas ocasiões, mas nada que se compare, por exemplo, ao tal jogo com o Arouca ou à avalanche que conseguira na receção anterior a este mesmo V. Setúbal, na última primavera, quando ganhou por 2-1, de virada, na Luz. E foi por ter tido as ocasiões para ainda assim ganhar o jogo – quase todas no forcing final, depois de se ver a perder – que se notou a menor qualidade na finalização. O puzzle Jonas é o mais difícil de resolver por Rui Vitória. Se há um ano o treinador terá tido dúvidas mas ainda assim cedeu quando percebeu que o brasileiro era muito melhor como segundo ponta-de-lança do que como avançado de referência no 4x2x3x1, este ano é Mitroglou quem sente a falta das movimentações sempre inteligentes para a ala, o espaço entre-linhas ou as costas da defesa e das decisões sempre coletivamente válidas do companheiro de ataque. O grego voltou a fazer um jogo anónimo, dele só se retirando um cabeceamento, ainda na primeira parte, para excelente defesa de Bruno Varela. É pouco, como já tinha sido pouco em Tondela. Horta começou bem mas foi-se apagando face à qualidade dos dois médios-centro sadinos (Pacheco e Mikel) e acabou por ser Salvio, por um dia capitão, o melhor do Benfica. Com o jogo no impasse, foi o Vitória quem marcou, de bola parada, por Venâncio. E aí o Benfica entrou em modo pressionante, com dois avançados declarados – Mitroglou e Jiménez – e dois extremos – Guedes e Carrillo – ainda com Salvio e Grimaldo a darem largura no ataque desde a posição de laterais. Era muita gente na frente, o que somado ao menor esclarecimento dos cada vez mais desgastados jogadores do Vitória à medida que o jogo se aproximava do fim, podia ter dado em virada do Benfica. Jiménez ainda empatou, de penalti, e Lindelof acertou na barra, na recarga a um livre de Grimaldo que Varela foi buscar junto ao poste. O Benfica deixou dois pontos no relvado onde lhe faltou, acima de tudo, a qualidade de Jonas e onde voltou a provar-se que foi a qualidade que tem na frente a fazer a diferença no campeonato anterior.
2016-08-21
LER MAIS

Último Passe

André Silva mantém a média e torna impossível que não se perceba que é nele que tem de começar o renascimento do FC Porto. Foi mais uma vez com um golo do jovem ponta-de-lança – o terceiro em outros tantos jogos oficiais – que os dragões ganharam ao Estoril, numa partida que se jogou nos 40 metros mais próximos da baliza canarinha mas na qual tiveram de esperar até aos últimos cinco minutos para se colocarem em vantagem. Mas o jogo com o Estoril tem outro protagonista: Layún fez o cruzamento fantástico para o golo da vitória, uma espécie de grito de revolta vindo do melhor assistente da última Liga, de repente colocado na situação de reservista. Nuno Espírito Santo não mostrou, com a escolha do onze, que esteja tão obcecado com o jogo de terça-feira em Roma como a importância da continuidade na Liga dos Campeões talvez justificasse. Só mudou quatro nomes em relação à partida anterior, um deles por obrigação: Layún apareceu na lateral esquerda em vez do castigado Alex Telles. As outras trocas, de Adrian Lopez por Varela, de Danilo por Ruben Neves e André André por Corona, derivando Otávio para o meio-campo, foram depois sendo emendadas à medida que a partida se aproximava do fim com o resultado em branco: Adrian entrou ao intervalo, André André a meio da segunda parte. Mas nem assim o FC Porto mudou de cara. Foi até ao fim uma equipa mais dominadora do que o habitual mas com alguma dificuldade em transformar domínio evidente em golos. É verdade que teve algum infortúnio – duas bolas à barra, num remate de Otávio e num quase autogolo de Denkler, e uma noite grande de Moreira, guarda-redes estorilista – mas também não deixa de ser claro que este Estoril jogou de menos e que tanto na terça-feira, em Roma, como na generalidade dos jogos deste campeonato, vai enfrentar maiores dificuldades, a exigirem outras soluções. Faltam melhores cruzamentos para aproveitar o ponta-de-lança que é André Silva – e daí a importância de Layún, seja a lateral ou a médio – como falta maior intensidade e velocidade face a equipas remetidas aos metros mais defensivos do retângulo de jogo. Faltou perceber se falta capacidade atrás, que o Estoril não chegou lá: esse teste vai ser feito em Roma. E num desafio do qual dependerá em boa parte a capacidade de resolver todos esses problemas. É que sem Liga dos Campeões será certamente mais difícil ir ao mercado buscar argumentos.
2016-08-21
LER MAIS

Último Passe

Meio Slimani foi o suficiente para o Sporting sair de Paços de Ferreira com uma difícil vitória por 1-0. Claro que não foi só ele. Houve um Adrien dos grandes dias, dois defesas-centrais em tarde-sim e melhorias, por exemplo, na combinação entre defesas-laterais e extremos, sobretudo no plano defensivo, onde Gelson parece mais crescido. Mas a questão é que no jogo em que deixou de ter João Mário e recuperou o avançado argelino, o Sporting só teve direito a metade: a metade que luta até à insanidade. Aos que suspeitavam que Slimani estaria desencantado e especulavam que por isso podia não se entregar a 100 por cento, esta foi uma boa resposta. O golo decisivo, obtido por Adrien mesmo a fechar a primeira parte, nasceu de uma insistência do argelino, de uma bola que só ele acreditou que podia ir buscar à linha de fundo, em tackle. Bruno César cuzou-a para Gelson, que a entregou para uma bela finalização de Adrien. Mas a resposta de Slimani não pode ser só a esses. Ao Sporting faltou o Slimani goleador, o jogador que resolve jogos em nome próprio. Teve pelo menos duas ocasiões claras para acabar com o jogo, mas em ambas perdeu a possibilidade de fazer o 2-0. Numa delas, após passe de Gelson, já nem tinha guarda-redes à frente, mas não conseguiu dar bem na bola e esta perdeu-se. Na verdade, ao Sporting fez mais falta esse meio-Slimani que João Mário, que Jorge Jesus disse – e sem se rir – que não tinha sido convocado por causa de uma situação física no último treino, mas que está em vias de se transferir para o Inter de Milão. Teve razão o treinador leonino quando disse que os leões estiveram melhor a defender do que a atacar – e isso notou-se sobretudo nos passes perdidos a meio-campo – mas criaram ainda assim situações de golo suficientes para não terem passado pelo aperto final, quando o Paços se lançou em busca do empate com dois pontas-de-lança (Cícero e Whelton) a forçarem a igualdade numérica na frente pelo corredor central. Nessa altura, pela primeira vez no jogo, o Paços de Ferreira fez figura de mandão e instalou-se no meio-campo leonino, ganhando quase sempre espaço para cruzar. É verdade que nem aí criou autênticas situações de perigo para Rui Patrício, porque o setor mais recuado dos leões funcionou sempre bem, com grandes jogos de Coates e Ruben Semedo. Só que foi tendo livres e cantos em número suficiente para afligir Jesus e para o fazer lamentar-se com os seus botões acerca do jeito que lhe teria dado ter o Slimani inteiro.
2016-08-20
LER MAIS

Último Passe

Cresci na década de 70, quando o Benfica ganhava três campeonatos em cada quatro. A chave dessa hegemonia era sobretudo uma: o controlo do único mercado que estava à mercê, que era o nacional. Por esses tempos, o Benfica tentava contratar todos os jogadores promissores que aparecessem, conseguindo fazê-lo com a maioria, tendo por isso equipas de reservas que se bateriam com qualquer outro emblema do campeonato. Mas por muito que alguns saudosistas vejam na contratação de Rafa a reedição dessa época, há diferenças evidentes entre o presente e esse passado – e não passam apenas pela globalização e por esta ter tornado impossível gizar uma estratégia tão hegemónica com base num mercado limitado. Por outro lado, não acredito que o Benfica tenha aceite pagar 15 milhões de euros (mais Rui Fonte) por Rafa só para chatear Pinto da Costa ou impedir que o FC Porto se reforce com um jogador que o seu treinador queria. Porque nem a fartura financeira na Luz é assim tão grande – que o diga a dimensão do passivo, por mais controlado que esteja – nem os seus dirigentes são loucos ao ponto de gastarem tanto dinheiro por jogadores de que o seu treinador não precise. Rafa é um excelente atacante, com argumentos extraordinários na mudança de velocidade e na tomada de decisão. É jogador de seleção, que pode atuar como extremo ou como segundo avançado, posição na qual o Benfica não tem assim tantas alternativas a Jonas. Portanto, começam logo por se enganar os que se centram na abundância de extremos atualmente existente no plantel do Benfica para defender a irrelevância da contratação do bracarense. Há mais formas de ser útil. Além de que, mesmo para esse lugar, a entrada de Rafa deve ser lida numa base global, onde entram também a contratação – e provável revenda – de Carrillo e a vontade de transferir Salvio. No entanto, a contratação de Rafa extravasa em muito a dimensão puramente futebolística. Aqui, pelo menos tão relevante é a componente do negócio, a estratégia gizada por Luís Filipe Vieira e Jorge Mendes, neste caso com o acordo de António Salvador, presidente do Sp. Braga, cujo objetivo último passa pela valorização do jogador e pela sua entrada num carrossel onde já estão jogadores como Bernardo Silva ou André Gomes, que rendem a cada mudança de clube. Mesmo que seja em circuito mais ou menos fechado, a máquina rende e é preciso continuar a alimentá-la.
2016-08-19
LER MAIS

Último Passe

Mudar uma equipa não é tarefa fácil. Rui Vitória percebeu isso no ano passado, quando se sentiu tentado a abdicar de boa parte da herança de Jorge Jesus no Benfica e só acertou o passo lá para Novembro. Nuno Espírito Santo está a abraçar a tarefa no FC Porto, mas o que mostrou o empate (1-1) com a Roma, no Dragão, na primeira mão do play-off da Liga dos Campeões, foi que a este FC Porto falta pelo menos uma referência aglutinadora que seja uma espécie de treinador em campo, de descodificador, para os dias em que a mensagem não passa à primeira. Como foi o caso. Nuno Espírito Santo quer mudar o “chip” a este FC Porto. E isso significa mudar os momentos de jogo em que mais investe. Basicamente quer abandonar o jogo de posse por vezes pouco incisiva e muito especulativa que caraterizou o período anterior e aproximar-se de um jogo com mais aposta no ataque rápido e no contra-ataque. O foco deixa de estar tato na organização ofensiva e na transição defensiva, para passar a estar mais na organização defensiva e na transição ofensiva. É mais Jesualdo Ferreira e menos Julen Lopetegui. É claro que é possível fazê-lo. Mas contra uma Roma que é forte em ataque posicional, era preciso que a mensagem passasse de forma cristalina, para evitar o que aconteceu nos primeiros 25 minutos do jogo, período no qual o FC Porto podia ter hipotecado a eliminatória. Visto de fora, o que pareceu foi que os jogadores do FC Porto entraram em campo a pensar nas ideias-base do treinador e com a noção de que para as pôr em prática era preciso a Roma ter a bola. Como se pode contra-atacar se o adversário não estiver ao ataque? Daí até ao posicionamento expectante do início da partida foi um pequeno passo que a equipa não devia ter dado e ao qual podem ter ajudado indicações de não ir com tudo para cima do adversário: uma equipa mais experiente saberia distinguir as coisas e manter a intensidade, não confundiria a vontade de apostar na transição ofensiva com a cedência do controlo do jogo, porque saberia que qualquer jogo lhe dá todos os momentos treinados. É só saber esperar. O problema é que a passividade portista no que toca à necessidade de assumir o controlo do jogo equivalia a colocar em confronto aquele que por enquanto ainda é o pior momento da equipa de Nuno Espírito Santo – a organização defensiva – com o melhor da Roma – a organização ofensiva. E o que se passou foi que nesses 25 minutos, os italianos tiveram quatro situações de golo claras, tendo concretizado uma. Só depois do intervalo, quando se viu a perder e, mais ainda, com um jogador a mais, por expulsão de Vermaelen, é que o FC Porto assumiu verdadeiramente o que significa jogar em casa numa eliminatória europeia. Mais intenso, mais rápido, mais agressivo na pressão sobre o condutor da bola, esse FC Porto colocou a Roma em dificuldades e até podia ter ido além do empate, obtido de penalti por André Silva. O empate adia a resolução do play-off para Roma, onde o FC Porto precisa de ganhar ou empatar com golos. Os seis dias que faltam podem servir ao treinador para clarificar conceitos, ainda que não lhe seja possível injetar maturidade tática na equipa a tempo de esta ler as situações com mais clareza sem precisar de passar pelo balneário. Para já, basta-lhe ler uma coisa: uma eventual eliminação deixa as coisas mais complicadas no que toca ao que resta de mercado e fará a equipa entrar mais pressionada em Alvalade, para o jogo com o Sporting, no último fim-de-semana de Agosto.
2016-08-18
LER MAIS

Último Passe

Há pelo menos duas maneiras de olhar para a possibilidade de transferência de Luisão para o Wolverhampton. Uma é fazê-lo segundo o ponto de vista do Benfica e é simples. Outra é fazê-lo segundo o ponto de vista do jogador e é muito mais complexa. Porque este é claramente um negócio mais interessante para o clube do que para o jogador, por mais zeros que tenha o salário que ele venha a receber a jogar pelo 14º classificado do último Championship, o segundo escalão do futebol inglês. Para o Benfica, o potencial negócio é simples. Tem um jogador que ganha um bom salário, mas que não é eterno e que, se querem saber a minha opinião, já não é um dos dois melhores defesas centrais do clube – Jardel e Lindelof estão acima e acho mesmo que Lisandro López também, ainda que esse não tenha nunca tido continuidade suficiente para ter acerca dele um veredicto mais avisado. Em Lisboa desde 2003, Luisão é o jogador com mais tempo de clube, terá seguramente muita influência no balneário, ou não fosse ele capitão, mas por muito que isso custe ouvir, a equipa melhorou quando ele se magoou e teve de ser substituído, na época passada. Sobretudo por uma razão. É que o veterano brasileiro é mais lento que os colegas de posição e, com ele, das duas uma: ou a equipa joga com a defesa menos subida, aumentando o espaço entre setores ou diminuindo a capacidade para pressionar o adversário, ou então passa a ter mais problemas com as bolas nas costas. E, no entanto, Rui Vitória tem feito a equipa com ele a titular… Para Luisão, tudo é mais complicado. O que se disse há tempos foi que o Benfica já lhe teria comunicado que não ia renovar-lhe o contrato no final desta época – o homem, afinal, já tem 35 anos – mas lhe ofereceu um lugar na estrutura. Oferta essa que Luisão estava inclinado a recusar, porque queria continuar a jogar. O que, visto pelos olhos dele, até se percebe. Afinal, repito, Rui Vitória tem feito a equipa do Benfica com ele a titular. O que ele perceberá pior, afinal de contas, é que, assim sendo, não lhe renovem o contrato: ao capitão de equipa, titular da equipa aos 35 anos. A não ser que a titularidade de Luisão nas primeiras partidas da época fosse simplesmente uma condição para que ele pudesse ser colocado noutro clube até ao fecho de mercado, um clube que poderia perder o interesse se soubesse que estava a levar um suplente na curva descendente e não sobretudo um ex-internacional brasileiro, capitão do tricampeão português. Não conheço as motivações de Luisão para sequer admitir sair neste momento do Benfica: se precisa de fazer um último grande contrato para assegurar o futuro da família, se desconfia das motivações de quem lhe oferece um lugar no momento em que decidir pendurar as chuteiras, se pura e simplesmente acha mesmo que precisa de continuar a jogar, mesmo que seja numa equipa muitos patamares abaixo daquele a que está habituado. Conheço e percebo as do Benfica: quer encontrar lugar e orçamento para um defesa-central que possa valorizar-se e criar sérios problemas aos melhores que por lá tem. Como ainda por cima, via Jorge Mendes, tem esta ligação recente ao Wolverhampton, onde já colocou Hélder Costa e João Teixeira, tentou encontrar aqui uma via de saída para o problema. Só que quanto mais olho para o caso, mais me parece que não estão todos na mesma página.
2016-08-17
LER MAIS

Último Passe

Rui Vitória sentiu a necessidade de dizer que não anda “à procura de clones” dos jogadores que perdeu neste início de época, que cada um é aquilo que é e tem as suas próprias caraterísticas. Fê-lo após a vitória do Benfica em Tondela, por 2-0, ainda por cima minutos depois de um golaço de André Horta provar que o miúdo tem mesmo muita categoria e que não tem nada que ser o segundo Renato Sanches. Porque na verdade não tem. As equipas são organismos vivos, que crescem de acordo com o que têm. Levam é tempo a crescer, como se percebe pelo total de situações de golo que o Benfica tem permitido aos adversários que vai encontrando. Uma coisa é certa: o Benfica está hoje muito melhor do que há um ano. Há um ano, com uma pré-época calamitosa, Vitória refreou os ímpetos de mudança, deixando a equipa numa espécie de terra de ninguém tática da qual só a emergência de Renato Sanches, somada à inegável categoria dos seus avançados, a resgatou. Agora, sem um duelo com Jesus a abrir a época, respaldado pelo sucesso que foi a última campanha – foi ele o campeão –, Vitória está a levar a equipa para terrenos que lhe agradam mais. O perfume do futebol de André Horta tem muito mais a ver com o jogar de Vitória que a pujança física de Sanches. Não se trata de dizer se é melhor ou pior: é apenas diferente. E a equipa reage a isso. Em Tondela, sem Jonas, Vitória entrou mais próximo do 4x2x3x1, com Gonçalo Guedes atrás de Mitroglou. O jogo mal conseguido dos dois levou-o a aproximar-se ainda mais à medida que o jogo avançava: primeiro trocou Guedes com Pizzi, alimentando a equipa com a capacidade que o médio transmontano tem para fazer (bem) todos os lugares no meio-campo e ataque. Foi dele, aliás, o livre que Lisandro López aproveitou para inaugurar o marcador, minutos depois de ter entrado para o lugar do lesionado Luisão. Mas ainda que seja mais ou menos claro que a defesa benfiquista tem mais capacidade para controlar a profundidade e as bolas nas costas com o argentino do que com o brasileiro, a verdade é que apesar da troca o Tondela continuou a ameaçar chegar ao empate, perdendo várias situações de golo. Com o resultado em risco, Rui VItória reagiu à investida final do Tondela jogando a partir dos 65 minutos com Samaris ao lado de Fejsa, Pizzi à esquerda e Horta a “10”. Foi assim, neste 4x2x3x1 mais claro, que o miúdo fez o segundo golo, num lance em que serpenteou por entre a defesa adversária antes de marcar e no qual muitos viram sombras de Rui Costa. Mas o melhor mesmo é limitarem-se a pensar nisso, sem o dizer muito alto. Porque se há algo de que Horta não precisa é de se livrar da pressão de ser clone de Renato Sanches para o compararem a um ainda maior ídolo de todos os benfiquistas.
2016-08-14
LER MAIS

Último Passe

O que Jorge Jesus disse acerca das possíveis saídas de João Mário e Slimani, no final da vitória do Sporting sobre o Marítimo (2-0), está dentro da razão e vem muito no sentido do que tem vindo a dizer Bruno de Carvalho ultimamente sobre mercado: os jogadores têm contrato, o clube é que decide se os transfere ou não e nada do que eles possam ansiar tem importância decisiva nos casos. Ou, como disse Jesus de Slimani, “isso, se ele quer sair ou ficar, é igual ao litro”. O que não quer dizer que o facto de eles saírem ou ficarem seja igual para o clube. Porque não é. E da resolução destes casos depende o desfecho da batalha da qualidade que este Sporting vai travar. O que se viu frente ao Marítimo foi uma equipa forte na criação, na sequência do que já fazia na época passada. Com bola, este Sporting continua muito bem. Sem ela, continuou a deixar-se tolher por um par de momentos de desconcentração que já se tinham visto na pré-época e que podiam ter posto em causa o desfecho do jogo: nas duas vezes que chegou à baliza leonina, ainda na primeira parte, o Marítimo devia ter marcado, valendo aos leões uma grande defesa de Rui Patrício frente a Baba e, no segundo lance, as finalizações desastradas de Ghazaryan e Alex Soares. Jesus corrigiu os problemas defensivos ao intervalo, com um puxão de orelhas a Gelson, que passou a estar mais perto de João Pereira, e a troca de Jefferson por Bruno César, lançando os leões para um segundo tempo amplamente dominador. Nada disto quer dizer que a vitória do Sporting tenha sido sequer difícil. Não foi. Porque a equipa da casa teve situações de golo mais do que suficientes para construir um score mais amplo – o que seguramente faria se Slimani estivesse em campo. Alan Ruiz jogou como ponta-de-lança e nem jogou mal: vê-se que tem escola, que tem visão, que apesar de estar longe do seu melhor em termos físicos tem qualidade no último passe. Mas golos é que nem vê-los. João Mário jogou como segundo avançado, assistiu Coates para o 1-0 e provou que não está com a cabeça em Itália – ainda que a sua saída, aos 89 minutos, para ser ovacionado, tenha cheirado a despedida – com uma exibição mexida e presente, nunca se escondendo e aparecendo em três ou quatro situações que teriam dado golo se a finalização deficiente não fosse o que o separa de valer já os 60 milhões da cláusula de rescisão. Bryan Ruiz até marcou um golo, o segundo, mas também se sabe que para ele os adornos estão sempre primeiro e que as conclusões simples dos lances não lhe dão grande satisfação. A questão é que o Sporting não pode abdicar de mais do que um dos seus jogadores mais requisitados se quer ganhar a tal batalha da qualidade – e se esse jogador não for Slimani, tanto melhor, porque é o mais difícil de substituir. Para já, João Mário parece estar na pole position. O próprio Bruno de Carvalho já deixou entender que há limites para a intransigência negocial: o clube deve acautelar os seus interesses, não cedendo a propostas que o penalizam desportivamente sem o beneficiarem no imediato do ponto de vista financeiro, como o empréstimo, mas acabará por vender. E aqui, quanto mais depressa o fizer, mais depressa poderá Jesus começar a construir a equipa com que pretende atacar a Liga.
2016-08-14
LER MAIS

Último Passe

Quem tivesse olhado para a primeira parte da vitória do FC Porto em Vila do Conde, frente ao Rio Ave, por 3-1, poderia ter ficado com a ideia de que o meio-campo do FC Porto estava curto demais para o jogo. Danilo, Herrera e André André tinham dificuldades para assegurar a iniciativa, muitas vezes deixados em inferioridade numérica face ao quarteto formado por Wakaso, Pedro Moreira, Tarantini e Ruben Ribeiro e sobretudo com demasiado espaço para cobrir, face à maior distância entre linhas que a equipa mantinha. A forma como o jogo decorreu até final, porém, pode deixar uma sensação diferente: e se tudo isso for estratégico? E se essa for a maior diferença face ao “Lopeteguismo” e ao FC Porto dos últimos dois anos? Este é, na verdade, um FC Porto filosoficamente diferente. Onde a equipa dos últimos anos procurava movimentos de aproximação, encurtar linhas, promover apoios, a equipa de Nuno Espírito Santo quer abrir grandes espaços, procurar o ataque rápido e dar aos médios condição para que, assim que conseguem superar a primeira zona de pressão do adversário, correrem livres em direção a zonas de decisão. O golo de Herrera foi disso exemplo: o passe de Otávio, inteligente no movimento para trás e depois na forma como chamou Wakaso, ajudou a libertar o mexicano, que face à tal maior distância entre as linhas teve à frente uma auto-estrada até à entrada da área, de onde desempatou o desafio com um belo remate ao ângulo. Esse lance marcou a diferença num jogo que teve uma primeira parte sempre equilibrada e pode muito bem ser uma afirmação de identidade deste novo FC Porto, que tem em André Silva um excelente avançado de área e em Corona mais um velocista, capaz de decidir tanto na ala como ao meio. Há um ano, houve quem achasse que a maior lacuna deste FC Porto era a falta de um 10. Nunca tal me pareceu claro, porque a intensidade dada ao jogo pelos médios – sobretudo quando ainda havia Imbula em boa fase – chegava para assegurar a iniciativa durante a maior parte dos jogos e aquilo que mais fazia falta era um 9 com capacidade para resolver no aperto da área, que Aboubakar nunca foi. Por alguma razão o camaronês está atrás de Depoitre, um clone de André Silva... Esta época fala-se menos do 10, porque os movimentos interiores e para o espaço entre-linhas de Otávio, vindo do lado esquerdo, parecem ter como intenção mascarar a falta de soluções para a segunda linha de médios. Ruben Neves é mais um 6 do que um 8, alternativa a Danilo, portanto, e além dos que jogaram ontem (Herrera e André André) só há Sérgio Oliveira, Evandro e João Carlos Teixeira. Faltará mais classe ali? É possível. Classe nunca fez mal a nenhuma equipa. De qualquer modo, a avaliação deste FC Porto pede mais tempo. A capacidade daquele meio-campo não pode ser medida nem pela primeira parte do jogo, em que a teia desenhada pelos médios do Rio Ave acabrunhou os portistas e lhes roubou o controlo do terreno, nem pela segunda parte, quando aumentou o espaço para as correrias e a baliza de Cássio se tornou mais próxima. Numa época tão longa, o FC Porto vai precisar de jogar de muitas formas, de dominar todos os momentos do jogo. É verdade que isso não me parece assegurado. O próprio treinador disse no final do jogo que a equipa está “em construção”. Mas enquanto conseguir ir construindo em cima de vitórias, está a ganhar tempo para consolidar o processo.
2016-08-12
LER MAIS

Último Passe

A vitória do Benfica na Supertaça, frente ao Sp. Braga, pode ter vindo avolumar as certezas de que os encarnados são os principais candidatos à renovação do título nacional. Mas as dificuldades que o tricampeão sentiu na maior parte da partida frente ao onze de José Peseiro e o facto de, no limite, a Supertaça só ter tomado o caminho da Luz porque Rafa e Pedro Santos foram bastante perdulários na finalização – e Jonas, já se sabe, não perdoa… – terão chegado para temperar algum entusiasmo aos mais eufóricos dos adeptos encarnados. O Benfica, pela forma como alargou o lote de opções à disposição de Rui Vitória, é realmente o maior candidato à vitória final na Liga, mas nada do que se viu ontem permite ter certezas de que venha a ter a tarefa mais facilitada do que na caminhada difícil para o tri. Porque Sporting e FC Porto estão à espreita e, resolvidos os problemas na definição, este Sp. Braga também tem de ser levado a sério. Se é verdade que Cervi parece dar garantias de que, mesmo de forma diferente de Gaitán, pode ocupar a faixa esquerda do ataque encarnado – e se não estiver ele podem estar Carrillo ou Salvio, mesmo que isso implique o desvio de flanco de Pizzi – já a substituição de Renato Sanches não está ainda comprovadamente conseguida. Não é que André Horta tenha feito um mau jogo. Não só não fez como ainda falta ver Danilo naquela posição. Só que, com exceção dos primeiros 20 minutos, em que jogou praticamente dentro da área do Sp. Braga, faltou sempre ao Benfica explosão para aproveitar o balanceamento ofensivo de um adversário que se viu a perder cedo e por isso assumiu a partida. Talvez este seja um Benfica mais à imagem de Rui Vitória, até a caminhar para o 4x2x3x1 predileto do treinador campeão, com jogo mais pensado e menos explosivo: a incorporação de Luisão, obrigando a uma defesa mais baixa no campo, a entrada de Grimaldo e Nelson Semedo, dois laterais mais ofensivos que André Almeida e Eliseu, podem até levar a equipa para aí e conduzir a uma maior participação de Jonas na construção. Mas se houve Benfica entusiasmante ontem, em Aveiro, foi nos primeiros 20 minutos, quando a equipa esteve ligada à corrente máxima e desfez a organização defensiva bracarense. Depois vieram as dúvidas. Essas dúvidas podem também encontrar justificação no valor dos adversários. Ainda que o clima depressivo que se vive em Alvalade à conta dos resultados da pré-época pareça indicar o contrário, o Sporting também é forte candidato. A equipa tem perdido muitos jogos na pré-época? É verdade. E tem revelado desatenções defensivas imperdoáveis. Os resultados nos jogos de preparação, no entanto, não justificam tão acirrados estados de alma, como sabe Jorge Jesus, que já foi campeão depois de pré-temporadas bem piores do que esta e tem muito mais com que se preocupar. O problema de Jesus é que o dia 1 de Setembro nunca mais chega e, com ele, o fecho do mercado e a estabilização do grupo. Rui Patrício, William Carvalho, Adrien Silva e, sobretudo, João Mário e Slimani são muito requisitados. Se todos ficarem, o Sporting só tem de contratar mais um homem para o ataque: assumindo que Alan Ruiz vem suprir a falta de Gutierrez, só há que encontrar uma alternativa credível a Slimani. Jesus pode sempre alegar que continua a não ter a profundidade no plantel para atacar todas as frentes que tem, por exemplo, o Benfica, mas não tem uma equipa pior do que há um ano. Pelo contrário. E há o FC Porto, a quem ainda falta um defesa-central e um médio-ofensivo, mas que apresenta como maior arma para esta época uma coerência que lhe faltou na segunda metade da temporada passada. Arrumado o lopeteguismo que Peseiro teve de gerir, Nuno Espírito Santo começa o processo do zero e pode construir uma equipa segundo as suas próprias ideias. O maior reforço parece veio de dentro do plantel: André Silva parece mais alto, mais forte, mais rápido e tudo somado isso quer dizer que será mais goleador. Ao contrário de Aboubakar, um avançado de grandes espaços, André Silva resolve no primeiro toque e isso faz toda a diferença no 4x3x3 de uma equipa grande. De resto, a chegada de Felipe e Alex Teles, a aposta reiterada em Corona e a entrada do mais contante Otávio para o lugar do imprevisível Brahimi só deixa este FC Porto a precisar de algum talento a meio-campo. Mas também ali o mercado ainda não fechou.
2016-08-08
LER MAIS

Último Passe

O Benfica que venceu o Sp. Braga por 3-0 e conquistou a Supertaça foi um Benfica muito diferente do que ganhou a Liga anterior. Mais do que os seis titulares de hoje que não fizeram parte do onze-base no tricampeonato, notou-se uma maneira diferente de encarar o jogo, aproximando a equipa do ideal de Rui Vitória. No melhor e no pior. Além dos reforços André Horta e Cervi, que ocuparam as posições dos tranferidos Renato Sanches e Gaitán, Rui Vitória chamou ao jogo Júlio César, Nelson Semedo, Luisão e Grimaldo, por impedimentos de diversa ordem de Ederson, André Almeida, Jardel e Eliseu. A equipa, naturalmente, comportou-se de uma forma diferente, mesmo tendo mantido a tónica no jogo de avançados que resolvem. Foi diferente no seu período mais eufórico, quando encostou o Sp. Braga atrás, fruto de cavalgadas constantes dos dois laterais, de um jogo elétrico de Cervi e do contributo de Horta, jogador mais cerebral que Renato Sanches. E foi diferente no longo período menos feliz, em que o Sp. Braga acertou posicionamentos, controlou o meio-campo com um losango, passou a criar as melhores ocasiões de golo e ao Benfica faltaram as explosões que Sanches metia no campo, a aproveitar o espaço que nessas ocasiões sempre aparece, a convidar aos contra-ataques ou aos ataques rápidos. Cervi não é Gaitán: é mais extremo, jogador mais linear, mas fez um grande golo e abriu o apetite para o que aí vem. E Horta não é Renato – julgo que Danilo também não o será. O Benfica 2016/17 pode assim aproximar-se mais do ideal de Rui Vitória, na procura de um jogo mais de posse e no desprezo pelo jogo de transições de que Renato se tornou expoente máximo. Vê-se a projeção dos dois laterais, observam-se triangulações constantes entre eles e os extremos, com o auxílio de Pizzi e André Horta, e acentua-se a participação de Jonas na construção que pode levar a equipa para o 4x2x3x1 e arrumar de vez com a herança de Jesus. As alternativas são muitas, mas apesar do 3-0 o teste não foi perfeito. E não necessariamente por causa das ocasiões de golo perdidas pelos bracarenses. Fico à espera de ver o que será esta equipa com Danilo e se Vitória vai manter a aposta em Luisão, tornando mais complicado o controlo da profundidade defensiva. Disso vai depender o que será o Benfica 2016/17.
2016-08-07
LER MAIS

Último Passe

Chego de férias com a notícia triste da morte de Moniz Pereira. Toca-me a emoção de Fernando Mamede a falar daquele a quem chamou “um pai”. Os contactos que tive com um e com o outro foram sempre demasiado efémeros para ter sobre eles qualquer opinião que não venha dos resultados que foram sempre conseguindo e que provam que Moniz Pereira era um excelente treinador e Mamede um atleta excecional. Mas Mamede recorda como o mestre foi capaz de elevar toda uma geração da indiferença para um patamar de conquistas internacionais, interferindo a nível governamental em 1975 para fazer aprovar um plano que veio transformar o atletismo nacional. E isso, essa missão de uma vida, que teve os primeiros resultados logo nos Jogos Olímpicos de 1976, com a medalha de prata de Carlos Lopes, fez dele muito mais que um treinador. Moniz Pereira era um líder, um ideólogo que via à frente dos outros. Vai a enterrar quando estão a começar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, competição da qual a generalidade do público português já exigirá medalhas e na qual quase todo o desporto nacional se empenha para as obter. Quase? Sim. Porque há sempre o futebol, única modalidade que o país levará aos Jogos sem chamar – nem pouco mais ou menos – os melhores atletas disponíveis, mesmo tendo celebrado o brilhantismo com que a seleção de Rui Jorge conseguiu, há um ano, a qualificação para o Rio de Janeiro. É verdade que muita da responsabilidade da vergonha que foi a convocatória para a seleção caberá à FIFA, que não é capaz de dignificar o torneio olímpico com ajustes na calendarização que tornassem possível a imposição da libertação dos melhores jogadores por parte dos clubes. No que ao futebol diz respeito, estes Jogos Olímpicos serão uma competição quase clandestina, a decorrer em simultâneo com o arranque dos campeonatos nacionais e com a fase decisiva de acesso à Liga dos Campeões. Ainda assim, ao ouvir Fernando Mamede falar do plano apresentado por Moniz Pereira há 40 anos, da forma como ele valorizava os Jogos Olímpicos, não pude deixar de me lembrar da tragicomédia que foi o anúncio da lista de convocados para a seleção olímpica de futebol. A FPF não está ao nível em que estava o atletismo – e o desporto – nacional em 1975 e a prova disso está na conquista do Europeu de França. Mas isso não quer dizer que não lhe faça falta a visão de um Moniz Pereira.
2016-08-01
LER MAIS

Último Passe

E agora, para algo completamente diferente... Portugal ganhou o campeonato da Europa, vencendo a França, a quem não ganhava há 41 anos, em Paris, onde nunca uma equipa portuguesa tinha ganho um jogo de competição, sem Cristiano Ronaldo em 95 dos 120 minutos, por lesão prematura, e com um golo de Éder num remate do meio da rua. Quais eram as probabilidades de isto acontecer? Mínimas. Mas a vitória, conseguida no prolongamento, depois de duas grandes mudanças no xadrez tático e no seguimento de um jogo em que a capacidade de sofrimento foi o argumento principal para contrariar um adversário sempre mais perigoso do ponto de vista ofensivo e mais possante nas manobras pelo meio do campo, acaba por premiar uma equipa que foi isso mesmo: uma equipa, um coletivo indestrutível e inexpugnável. Portugal não ganhou muitos jogos – nos 90 minutos, aliás, só ganhou um – mas não perdeu nenhum em dois anos de competição. E fê-lo utilizando sempre toda a profundidade do seu plantel, acabando por fazer de uma maior frescura física na final uma arma fundamental para melhor controlar a França. O jogo começou muito difícil para Portugal. Fernando Santos manteve o 4x1x3x2, mas o 4x2x3x1 da França deixava os médios portugueses com falta de referências para o seu habitual jogo de encaixe. William tentava preencher a área à frente dos centrais, onde caía preferencialmente Griezmann, mas depois com Renato Sanches e João Mário abertos nas alas, Adrien sofria face a Pogba e Matuidi. O médio português tentava subir em pressão, mas os seus esforços eram regra geral infrutíferos, pois mesmo que encostasse em alguém acabava atropelado pela maior pujança dos opositores. Giroud, cujo futebol dependia sempre mais dos cruzamentos, estava controlado por dois centrais intratáveis no jogo aéreo, mas a França era capaz de lançar vaga sobre vaga de ataque fruto das arrancadas dos homens que chegavam das linhas atrasadas. O primeiro remate até foi português, quando Cédric descobriu uma diagonal de Nani e este lhe deu depois de controlar no peito, mas depois a França tomou conta do campo e bem podia ter chegado ao golo. Uma recuperação alta permitiu a Griezmann chutar à rede lateral de boa posição (aos 7’) e, pouco depois (aos 10’) foi Rui Patrício que, com uma defesa magistral, impediu o Bota de Ouro da competição de marcar de cabeça. Até que se deu o golpe de teatro. Magoado numa entrada de Payet, Ronaldo teve mesmo de sair do campo aos 25’, depois de ter tentado o regresso com um joelho ligado. Fernando Santos chamou Quaresma, mas a equipa não piorou, sobretudo porque o treinador a reorganizou, trocando o 4x1x3x2 por um 4x3x3 que permitia a Portugal encaixar no meio-campo francês. Com Renato mais por dentro, a manter Matuidi em sentido, Adrien passava a ter de ocupar-se “apenas” de Pogba. E o problema aí passaram a ser as movimentações de Sissoko, um monstro de disponibilidade física, que ganhava todos os duelos que disputava. Foi Sissoko, aliás, quem voltou a estar perto do golo, quando aos 34’ se livrou de Adrien e chutou para mais uma excelente defesa de Rui Patrício, neste período o garante do zero na baliza de Portugal. A partir deste momento, porém, com o encaixe tático, a França já só ameaçava em movimentos individuais, fossem eles de Pogba, Sissoko ou Coman, que entrara para o lugar de Payet com o intuito de alargar o campo e forçar o um para um com Cédric. E apesar de Griezmann ter voltado a perder uma ocasião clara, cabeceando ao lado após centro de Coman, Portugal parecia agora mais confortável no jogo. E mais confortável foi ficando com as trocas de Adrien, esgotado, por Moutinho, e sobretudo com a saída de Renato por Éder, dando mais coerência ao 4x3x3 da seleção. Nani, que estava no centro do ataque, muitas vezes a ser alvo de impossíveis bolas aéreas, passou para a direita, deixando a Éder a missão de jogar de costas para a baliza; Quaresma mudou para a esquerda e João Mário baixou para o meio-campo, onde rende muito mais do que como extremo. E assim que chegou ao flanco direito, Nani mostrou o que podia fazer: cruzamento-remate para grande defesa de Lloris, que deteve também a recarga acrobática de Quaresma (aos 80’). A França já tinha então trocado de ponta-de-lança, inserindo em campo Gignac, que pelo jogo de pés e pela forma como defende a bola com o corpo, era muito mais difícil de controlar que Giroud. E GIgnac esteve mesmo à beira de sentenciar a final, já em período de descontos: trabalhou bem sobre Pepe e, na cara de Patrício, chutou ao poste. Aqui, foi a sorte a proteger Portugal e a levar o jogo para um prolongamento onde, no entanto, a equipa nacional já foi melhor, mostrando que a profundidade do plantel é muito importante numa competição-relâmpago como esta: não só Portugal utilizou mais jogadores (só não jogaram os dois guarda-redes suplentes), como mudou cinco titulares da abertura para o encerramento (contra apenas dois da França) e até teve onze dias para fazer os últimos três jogos, enquanto a França desenhou o calendário para os fazer em oito dias. Com Ronaldo empenhadíssimo na motivação dos companheiros antes do prolongamento, a equipa portuguesa entrou melhor nesta fase do jogo, muito fruto da capacidade de luta e de ganhar faltas mostrada por Éder. Didier Deschamps ainda não tinha feito a última substituição quando Raphael Guerreiro acertou na barra num livre direto (aos 108’) que deixara Lloris completamente batido. E já se preparava para colocar em campo Kanté, um médio de contenção, quando Éder inventou o golo da vitória: saiu da esquerda para o meio, foi ganhando espaço e acertou um pontapé forte do meio da rua que fez a bola entrar no canto inferior da baliza francesa. Com onze minutos para jogar, Portugal colocava-se em vantagem. Até final, a ideia foi resistir e vinha bem sonora do banco, onde Ronaldo estava híper-ativo, saindo frequentemente da área técnica e mais parecendo um treinador pela forma como ia gritando para dentro do campo. Deschamps emendou a substituição e fez entrar Martial, mais um homem de ataque, mas a França já não voltou a conseguir criar as situações de perigo que tivera no tempo regulamentar. E no fim foi Ronaldo quem ergueu a taça, lançando a festa em Portugal e em todo o local onde há portugueses.
2016-07-11
LER MAIS

Último Passe

Quando Fernando Santos dizia que só voltava a casa no dia 11 de Julho, depois da final do Europeu, estava a falar a sério. Portugal assegurou a qualificação para o jogo onde vai decidir-se a prova ao bater com inteira justiça o País de Gales por 2-0, com golos de Ronaldo e Nani, a coroar um jogo que só não foi defensivamente perfeito porque a equipa abanou durante uns dez minutos da primeira parte. Mas desta vez nem os que só conseguem ver tacanhez na equipa terão grande margem de manobra, uma vez que Portugal foi claramente a melhor equipa em campo, até do ponto de vista atacante, tendo desperdiçado pelo menos cinco ocasiões claras para construir um resultado mais amplo. É verdade que o foco da equipa continuou a ser não deixar jogar o adversário. Que Fernando Santos construi o seu onze com a ideia firme de anular as principais armas de quem lhe surge pela frente. E, depois de o ter conseguido contra a Croácia, voltou a ser bem sucedido frente a Gales. O 4x4x2 de Fernando Santos, com recusa de pressionar a primeira fase de construção de Gales, tinha como maiores objetivos a anulação de Joe Allen por Adrien Silva, o médio-centro português, e o fecho das linhas de passe dos dois laterais galeses, Gunter e Taylor, através da colocação estratégica de Renato Sanches e João Mário entre eles e os jogadores dos quais mais dependia a criação, que eram Bale e King. Ora, com exceção de oito minutos da primeira parte (entre os 18’ e os 26’), nos quais os dois interiores portugueses perderam um pouco o posicionamento e Gales fez os seus três remates dos primeiros 45’, o plano resultou em pleno. O problema é que Portugal também não conseguia construir: eram raros os momentos de combinação entre os interiores e os seus laterais e os passes longos para Ronaldo esbarravam numa noite inesperadamente perfeita de Collins, que impedia a bola de lá chegar. A primeira parte foi, por isso, demasiado morna e na verdade teve apenas uma situação de perigo verdadeiro: foi quando, aos 44’, Adrien Silva se desamarrou e foi à esquerda para cruzar para um cabeceamento de Ronaldo, em boa posição, sobre a barra. O jogo precisava de um golo para mudar e foi Portugal quem o fez. Já Quaresma, Moutinho e André Gomes aqueciam para dar mais chispa no meio-campo e no ataque quando, ao terceiro canto português, João Mário bateu pela primeira vez curto, para Raphael Guerreiro. O lateral cruzou de forma perfeita e Ronaldo aproveitou o atraso da chegada da bola à zona de definição para se superiorizar à defesa galesa e cabecear para o 1-0. O jogo ia mudar, mas antes que Gales pudesse reagir, os portugueses fizeram o 2-0, após um bom movimento ofensivo, coroado com um remate de fora da área de Ronaldo. A bola parecia ir fraca e em direção às mãos de Hennessey, mas Nani apercebeu-se disso e desviou-a do alcance do guarda-redes galês, fazendo o 2-0. Havia 37 minutos por jogar, mas a urgência de Gales poderia abrir caminho ao ampliar da vantagem. Coleman meteu risco no jogo. Primeiro, trocou o médio mais defensivo, Ledley, por um segundo ponta-de-lança, Vokes, que foi jogar para perto de Robson-Kanu, transformando o sistema num 3x4x1x2, com Bale atrás dos dois avançados. A ideia manteve-se após a troca de Robson-Kanu por Church e acentuou-se a 25 minutos do final, quando Collins deu o lugar a Jonathan Williams. Aí, Gales passou a um 4x4x2, com Allen e Bale a pegarem no jogo alternadamente, Vokes e Church na frente e King e Williams nas alas. Santos, porém, não mudou a estrutura e limitou-se a refrescá-la: Renato Sanches cedeu a vaga a André Gomes, mais contido; Adrien foi trocado por Moutinho, que manteve a posição ao meio; e Nani abriu caminho à entrada de Quaresma. Portugal resistiu sempre a fazer entrar um terceiro central ou até a baixar Danilo no campo e continuou a ter as melhores situações para marcar. Primeiro, num contra-ataque aos 65’, no qual Nani forçou Hennessey a uma defesa incompleta e João Mário recargou de primeira rasar o poste, já com o guarda-redes caído. Depois, aos 70’, quando José Fonte cabeceou um canto de João Mário para nova defesa do guardião galês. Renato Sanches ainda perdeu esse mesmo 3-0 num contra-ataque em que Portugal teve superioridade numérica, mas no qual optou por chutar de fora da área (aos 73’, imediatamente antes de sair). Danilo, aos 78’ podia também ter ampliado a margem, quando aproveitou uma situação de pressão para se isolar na cara do guardião galês e o viu deter-lhe o remate à segunda, já em cima da linha de golo. E por fim Ronaldo, isolado por André Gomes na meia-direita, viu a receção prejudicar-lhe a finalização, que saiu à rede lateral (aos 86’). Nessa altura, porém, já os portugueses viam St. Denis ao longe. Gales caía muito no jogo direto para os pontas-de-lança, ganhando algumas bolas aéreas mas perdendo outras, e só se tornava perigoso quando Bale conseguia espaço. Dois remates de longe da estrela galesa (aos 77’ e aos 80’), ambos defendidos por Rui Patrício, representaram o último estertor de uma equipa que saiu deste Europeu merecidamente aplaudida de pé pelos adeptos mas que não chegou para contrariar a superioridade técnica, tática e sobretudo estratégica de Portugal.
2016-07-06
LER MAIS

Último Passe

Um aproveitamento de 100 por cento nas grandes penalidades, a somar a um penalti defendido por Rui Patrício, permitiu a Portugal carimbar o apuramento para as meias-finais do Europeu, depois de mais um empate – o quinto – da equipa de Fernando Santos nesta fase final. Desta vez, o futebol jogado saldou-se por uma igualdade a um golo: os polacos marcaram logo a abrir, por Lewandowski, tendo os portugueses empatado por Renato Sanches quando Fernando Santos transmitiu alguma clareza tática para dentro do campo, ainda na primeira parte. Cristiano Ronaldo ainda perdeu um par de situações claras para fazer o segundo, mas não vacilou quando se tratou de liderar a equipa no desempate. Aí, além do capitão, Renato Sanches, João Moutinho, Nani e Quaresma também fizeram golo nas suas tentativas, tendo Rui Patrício detido o remate de Blaszczykowski da definição do 5-3 final. Sem Raphael Guerreiro e André Gomes, Fernando Santos colocou finalmente na relva o meio-campo que o país em peso vinha pedindo, mas nem por isso a equipa entrou bem no jogo. Com Wiliam Carvalho atrás de Renato Sanches, Adrien Silva e João Mário, Portugal passou meia-hora numa indefinição tática da qual ninguém se salvava. Ora Cristiano e Nani abriam nas alas deixando a João Mário a missão de aparecer como falso ponta-de-lança; ora o capitão ficava no meio e era Adrien quem mais dele se aproximava, baixando Nani; ora a equipa se aproximava de um 4x3x3 com Adrien e Renato por dentro e João Mário a abrir como extremo... As combinações ofensivas não saíam e, pior do que isso, defensivamente a equipa parecia adormecida. Para cúmulo, a Polónia marcou logo aos 2’, num lance em que alguns portugueses não ficaram isentos de culpas: Cédric falhou a interceção de um passe que encontrou Grosicki na esquerda, este ganhou posição na linha de fundo e, beneficiando de um movimento de Milik, que arrastou os dois centrais portugueses em direção à baliza, deu a bola para a finalização fácil de Lewandowski, que se adiantou a William Carvalho graças a uma melhor e mais rápida leitura do lance. Estava dado o mote para uma meia-hora na qual, mesmo tendo experimentado visar a baliza de Fabianski algumas vezes, Portugal podia ter deitado o jogo a perder, tanta era a desconcentração que a equipa mostrava e que se revelava na perda sucessiva de passes. As melhores ocasiões neste período foram polacas, nelas se contando um remate de Milik ao lado (aos 15’) e uma defesa de Rui Patrício a novo tiro de Lewandowski (aos 17’), mas sobretudo uma troca de passes no lado esquerdo do ataque polaco que, mesmo sem ter criado sensação clara de golo, deixou os portugueses como se fossem meros pinos de treino. Por volta da meia-hora, porém, Fernando Santos parece ter esclarecido as coisas com a equipa. Corrigidas as posições em campo, tendo Portugal assumido um 4x1x3x2 mais clássico, com Renato na direita, João Mário na esquerda e Adrien perto de William, a equipa assentou o jogo. E ato contínuo chegou ao golo, numa bela tabela de Renato com Nani, que o jovem médio concluiu com um remate de pé esquerdo para o fundo da baliza polaca. Houve alguma fortuna na forma como o remate desviou em Krychowiak, fugindo do guarda-redes, mas Portugal encarregar-se-ia nos minutos seguintes de mostrar que merecia essa sorte. Abriu-se aí a melhor fase portuguesa no jogo. E em condições normais esta podia mesmo ter dado origem à primeira vitória portuguesa em 90 minutos. O meio-campo funcionava na forma como era capaz de tirar a bola da zona de pressão polaca e conduzir a equipa a ataques rápidos, como aquele em que Ronaldo se isolou sobre a esquerda e, quando tinha João Mário do outro lado, de baliza aberta, optou por rematar em vez de lhe dar a bola para o que se adivinhava viesse a ser uma conclusão fácil. O remate do capitão, no entanto, acertou na rede lateral (aos 56’). O mesmo Ronaldo acertou mal numa bola já dentro da área (aos 60’), tendo Adrien chutado de ressaca contra um adversário. E até Cédric, num disparo de fora da área, esteve à beira de desempatar (aos 64’). O cansaço de alguns elementos pôs termo a esta boa fase de Portugal. O sinal veio num desvio de Milik, que Rui Patrício deteve com categoria (aos 69’) ou no cartão amarelo mostrado a Adrien pela forma como travou, em falta, um contra-ataque polaco (aos 70’). Mas mesmo com o jogo mais dividido, os portugueses podiam perfeitamente ter ganho. Primeiro num raide de Pepe em que, para evitar que a bola chegasse a Ronaldo, Glik quase fez autogolo (aos 81’). Depois, já em período de compensação, quando João Moutinho (que substituíra Adrien) descobriu mesmo Ronaldo atrás da linha defensiva polaca, mas o capitão luso não foi capaz de desviar o passe alto em direção da baliza do desamparado Fabiánski. O prolongamento foi marcado mais pelo medo de perder do que pela vontade de ganhar. Portugal já tinha lançado Quaresma em vez de João Mário, fazendo-o o jogar pela direita e derivando Renato para a esquerda. Percebendo o cansaço de William, mais uma vez o que mais estava a correr entre os jogadores lusos, Fernando Santos trocou-o então por Danilo, de forma a evitar que essa fadiga se refletisse em falta de cobertura defensiva aos centrais na contenção dos dois pontas-de-lança que Nawalka mantinha em campo e de testar já a solução para a meia-final, uma vez que William viu um amarelo que o afasta do jogo. Ainda assim, com a Polónia a beneficiar nesta fase de alguma falta de agressividade portuguesa no ataque às sobras e a encaminhar o jogo para mais perto da baliza de Rui Patrício, a melhor ocasião de golo pertenceu a Portugal, quando Ronaldo voltou a não acertar bem na bola, desta vez após ficar em boa posição no seguimento de um cruzamento de Eliseu (aos 93’). A verdade é que ninguém desempatou o jogo e este se decidiu mesmo nas grandes penalidades. E aí, 100% de frieza e competência dos marcadores portugueses, tendo Rui Patrício assinado a única defesa do desempate, quando caiu para a sua esquerda para ir buscar o remate de Blaszczykowski. Quaresma não vacilou na hora de bater o penalti decisivo e apurou Portugal para a sétima meia-final do seu historial (já lá tinha estado nos Mundiais de 1966 e 2006 e nos Europeus de 1984, 2000, 2004 e 2012).
2016-07-01
LER MAIS

Último Passe

Quando a Islândia ganhou à Inglaterra logo saíram da multidão uns quantos “especialistas” a dizer, com um sorriso irónico: “ah, e tal, afinal Portugal até fez um grande resultado com os islandeses”. Pois bem: isso é mentira. Portugal tem muito melhor equipa do que a Islândia e devia ter ganho à Islândia. Tal como a Inglaterra, aliás. Não ganharam, nem uns nem outros, por várias razões, quase todas relacionadas com a realidade islandesa. Porque a Islândia pode ser um país pequeno, com recursos muito limitados, desde logo no campo de recrutamento, mas tem uma grande vantagem sobre outras nações mais poderosas: sabe ao que joga. Portugal, já o escrevi aqui, não tem a certeza acerca disso. Vive dividido entre realidades, uma da mais pura megalomania, que manda que queiramos impor o nosso jogo a quem quer que seja, outra de uma pequenez irritante, que nos conduz para um jogo de submissão e cinismo. Estamos entre os dois mundos. A Inglaterra está no primeiro, mesmo que tenha uma equipa demasiado inexperiente para ter sucesso. Mesmo encerrando na sua ideia de jogo contrassensos demasiado poderosos para poder ter sucesso. Faz algum sentido, por exemplo, jogar com três avançados e um “10” à frente de Rooney, o que automaticamente, em nome do equilíbrio da equipa, afasta este também das zonas de finalização? Faz algum sentido, ainda, fazer uma arma da capacidade dos laterais Walker e Rose para correrem todo o corredor e cruzarem se depois se joga com um ponta-de-lança como Kane, que se notabiliza sobretudo pela forma como sai da área? Funciona no Tottenham? É verdade, mas o Tottenham joga na Premier League. E isto é o Europeu, onde há ideias diferentes. Como a da Islândia, por exemplo. E qual é a ideia da Islândia? A Islândia é a equipa mais coerente que está neste Europeu. Tem noção das suas debilidades e do que tem de bom. Sabe que não tem malabaristas, nem super-criativos, nem dribladores, que tem problemas até numa troca rápida de passes. Sabe também que é quase imbatível no ataque às bolas aéreas e na agressividade com que chega às segundas bolas que delas resultam. E não é preciso ser um génio de estratégia futebolística para se perceber como se deve jogar nestas condições: equipa junta atrás, duas linhas bem fechadas, bola longa para Sigthorsson e aposta na capacidade de Bodvarsson, Sigurdsson e Gunarsson para recomeçarem o processo mais à frente. Por fim, investimento total nas bolas paradas ofensivas. É minimal? Claro que sim. A Islândia nunca ganharia o prémio para a equipa com o futebol mais elaborado da competição, mas a verdade é que também nunca pensou sequer em concorrer. Aqui chegados, é preciso reconhecer que, em condições normais, isto não chegaria. Afinal de contas a Islândia jogou sempre assim e nunca tinha sequer atingido uma fase final, quanto mais uns quartos-de-final, ganhando de caminho à Áustria e à Inglaterra (e eliminando a Holanda na fase de qualificação). É aqui que entra em grande força o trabalho de base. Fartos de serem os bombos da festa, os responsáveis pelo futebol na Islândia perceberam que o maior problema que tinham, maior mesmo que as limitações no campo de recrutamento, era a incapacidade para treinar e desenvolver jogadores. Pois se em oito de cada doze meses não se consegue jogar futebol, porque os campos estão gelados, como podem aparecer jogadores? No ano 2000, a Islândia começou a construir pavilhões gigantes, com campos de futebol de relva artificial lá dentro. Até a mais pequena aldeia piscatória tem um, o que permite aos miúdos locais jogar e treinar durante todo o ano em vez de fugirem para modalidades mas de acordo com o meio-ambiente. Depois, o país investiu muito em formação: tem hoje 600 treinadores de elite, um a cada 550 habitantes. Por fim, foi só esperar. A Islândia vai provavelmente perder o jogo dos quartos-de-final com a França, mas a aventura que a trouxe até aqui já terá valido a pena, pela forma como alegrou tanta gente na ilha. E embora eles gostem de alimentar o mito de que só aqui chegaram porque são loucos, porque têm a atitude temerária dos vikings, há muito mais a justificar o que está a suceder. Trabalho e coerência, que se reflete em inteligência competitiva. Eis o segredo da Islândia.
2016-06-28
LER MAIS

Último Passe

Um jogo muito diferente dos três anteriores e até daquilo a que a seleção nacional está habituada permitiu a Portugal atingir os quartos-de-final do Europeu, mercê de uma vitória sobre a Croácia, por 1-0, com um golo de Quaresma a três minutos do final do prolongamento. O golo nasceu de um contra-ataque perfeito e coroou de sucesso a tática do esticão em que Fernando Santos apostou quando percebeu que era impossível tirar o domínio ao adversário e chegar lá através de um futebol mais consistente. Também por isso se falou tão pouco de Ronaldo: o primeiro remate do capitão aconteceu precisamente no lance do golo e exigiu uma defesa enorme a Subasic, tendo Quaresma sido o mais rápido a acorrer ao ressalto para marcar de cabeça na baliza deserta. As maiores virtudes lusitanas, no entanto, tiveram pouco a ver com brilho. Foram a exibição imperial de Pepe no comando da defesa, a disponibilidade física de Adrien para contrariar o jogo de posse do meio-campo croata, o jogo quase sem erros de Cédric e Guerreiro e, depois, quando foi preciso mudar o chip ao jogo, as arrancadas de Renato Sanches, a fustigar um adversário que apesar dos dois dias a mais de recuperação de que dispôs também não estava assim tão fresco. Entre os citados estão várias das alterações feitas por Fernando Santos no onze inicial, revelando uma avaliação perfeita do grupo e do que lhe era exigido. Um jogo não se faz com onze jogadores, mas sim com 14. Um jogo não tem de se ganhar nos primeiros minutos: pode ganhar-se nos últimos. Não costuma ser boa política esperar até lá para o ganhar, mas esta seleção tem-no feito com tanta frequência que dá que pensar. Fernando Santos optou por fazer quatro alterações ao onze que tinha defrontado a Hungria. Por três ordens de razões. Raphael Guerreiro regressou à equipa em vez de Eliseu porque é já o titular da posição e já não estava fisicamente impedido de alinhar. José Fonte ocupou a vaga de Ricardo Carvalho no centro da defesa porque os 38 anos do titular não lhe permitem já uma recuperação física tão rápida como a dos companheiros e a fadiga já se lhe notara no jogo com os húngaros, mas também porque era preciso combater o jogo físico do possante Mandzukic. Cédric e Adrien entraram em vez de Vieirinha e João Moutinho por questões ao mesmo tempo estratégicas e de análise do grupo: o lateral direito conteve bem Perisic e o médio não só inibiu Modric de exercer maior influência no jogo como conseguiu ir à frente municiar o ataque: é dele, por exemplo, a recuperação seguida de passe para Nani no lance em que o atacante sofreu uma grande penalidade não assinalada pelo árbitro. Portugal entrou na mesma em 4x4x2, com André Gomes em vez do reclamado Renato Sanches e se a opção parece revelar que Santos não quer Renato numa ala do seu 4x4x2 – e é evidente que não pode jogar com ele ao meio, só com dois médios – a forma como decorreu o jogo deu-lhe razão. Porque entrando aos 50’, Renato ainda teve tempo de se tornar uma força motriz nas chegadas de Portugal à frente. Nessa altura, com a saída de André Gomes, Portugal passou a um 4x3x3 que serve mais as caraterísticas de Renato mas sacrifica João Mário, que teve de se encostar na esquerda do ataque. E não é a mesma coisa ser ala no meio-campo de quatro ou extremo no ataque a três: João Mário, que joga melhor ao meio, pode desempenhar a primeira função mas terá sempre muitas dificuldades em dar à equipa o jogo pleno de velocidade que a segunda exige, razão pela qual foi depois naturalmente sacrificado para dar entrada a Quaresma, quando o treinador percebeu que não ia lá através do jogo consistente e mais valia apostar na tática do esticão. O 4x4x2 português tentava encaixar no 4x2x3x1 croata. Não havia marcações individuais, mas notava-se que William Carvalho se preocupava muito com as movimentações de Rakitic, o croata que jogava mais perto do ponta-de-lança, e que Adrien subia em pressão para ir buscar Modric, o principal cérebro do jogo axadrezado. O jogo era muito feito de encaixes, mas enquanto Portugal baixava para se organizar defensivamente, a equipa de Ante Cacic pressionava a saída de bola portuguesa, levando os centrais lusos a jogar mutas vezes longo e a perder a bola. Isso levou ao domínio territorial e de posse dos croatas, mas nem por isso a um jogo com ocasiões de golo. Em toda a primeira parte não houve um único remate bem enquadrado com as duas balizas e três dos quatro que saíram ao lado (três da Croácia e um de Portugal) nasceram em lances de bola parada. No segundo tempo, com a entrada de Renato Sanches e a passagem dos portugueses para um 4x3x3 que encaixava ainda melhor no 4x2x3x1 croata, só o desgaste natural das duas equipas permitiu que o jogo partisse um pouco e que começassem a entrar contra-ataques e ataques rápidos. Brozovic esteve perto do golo aos 52’, mas chutou cobre a barra da baliza de Patrício e, aos 57’, foi a vez de Renato chutar ao lado de boa posição, após uma boa tabela com João Mário. Até ao final dos 90’, só um cabeceamento de Vida, após livre de Srna, aos 62’, deixou a defesa de Portugal em cuidados. Fernando Santos atacou o prolongamento com Quaresma em vez de João Mário e percebia-se que o jogo estava para os raides do extremo do Besiktas. Ainda assim, o maior volume de jogo croata deixava Portugal em cuidado permanente. Kalinic chutou ao lado de boa posição aos 97’ e Vida voltou a ameaçar num canto, cabeceando por cima da barra aos 112’. Nessa altura já Portugal trocara Adrien por Danilo, numa tentativa de tapar a entrada da área e ganhar altura nas bolas paradas que a Croácia ia tendo com frequência e nas quais criava sempre perigo. Perdia-se a capacidade de Adrien nos penaltis, mas acabou por não ser necessário lá chegar porque a equipa fez valer os argumentos que tinha em campo. Após um cabeceamento de Perisic detido a meias por Rui Patrício e pelo poste, Quaresma desarmou Strinic perto do bico da área portuguesa, a bola sobrou para Ronaldo que a entregou de imediato a Renato Sanches, tirando a bola da zona de pressão croata. Este, com condições para correr, conduziu um contra-ataque de quatro para quatro por uns 50 metros antes de entregar a Nani na esquerda. Nani cruzou de trivela para o segundo poste onde, em boa posição, Ronaldo obrigou Subasic à primeira defesa do jogo. Quaresma, que tinha acompanhado a jogada, só teve de encostar de cabeça para enviar Portugal para os quartos-de-final.
2016-06-26
LER MAIS

Último Passe

Uma exibição decisiva de Ronaldo, que tal como há quatro anos apareceu no Campeonato da Europa à terceira jornada, chegou a Portugal para empatar a três bolas com a Hungria e apurar-se para os oitavos-de-final do Euro’2016, onde a seleção nacional vai defrontar a Croácia. Autor de dois golos de grande execução e de uma assistência para o primeiro dos três tentos portugueses, marcado por Nani, Ronaldo fez a diferença numa tarde em que os portugueses puderam ainda ver os efeitos da sociedade entre João Mário e Renato Sanches a carrilar jogo para o meio-campo adversário, mas na qual a Fernando Santos terá sobrado uma dúvida: como poderá ter os dois miúdos ao mesmo tempo e não sofrer defensivamente? Na resolução desse dilema estará a chave de um Europeu no qual Portugal ainda não convenceu ninguém, mas onde teve a felicidade de calhar na metade certa do quadro, assegurando que só defrontará Espanha, Itália, Alemanha, França ou Inglaterra se chegar à final. Pode parecer uma loucura estar a falar de final quando a seleção nacional teve de sofrer até para ser terceira classificada num grupo que apurou diretamente a Hungria e a Islândia. Ou quando ainda não ganhou uma única das três partidas que fez. No último dia do Grupo F, porém, o jogo foi mesmo de loucos. Mesmo antecipadamente apurada, a Hungria só desistiu de tentar ganhar nos últimos 20 minutos, quando se centrou mais na vontade de acabar o grupo como primeira classificada e fugir também aos favoritos. A precisar de ganhar para ser primeiro, mas sabendo que o empate lhe dava sempre a qualificação, Portugal também só resolveu meter o jogo no bolso nos últimos dez minutos, quando Fernando Santos substituiu Nani por Danilo, na tentativa de evitar uma surpresa desagradável. É que um quatro golo da Hungria mandava a equipa nacional para casa e, além de os dois golos que os húngaros fizeram na segunda parte já terem saído de livres com desvio na barreira, Rui Patrício ainda viu uma bola tabelar-lhe no poste direito que bem podia ter forçado a equipa a recuperar por uma quarta vez. É que a história do jogo mostrou sempre a Hungria na frente e Portugal a ter de recuperar e depois a ver o seu ímpeto destruído por mais um golo húngaro. Enquanto Bernd Storck resolveu poupar os titulares que já tinham visto um cartão amarelo, assegurando dessa forma que os teria no jogo dos oitavos-de-final, Fernando Santos entrou perto daquela que tem sido para ele a equipa de gala. A exceção era a ausência de Raphael Guerreiro, que, lesionado, dava o lugar a Eliseu. André Gomes mantinha a vaga na esquerda de um meio-campo que, com a reentrada de João Mário para o lugar que tinha sido de Quaresma no jogo com a Áustria, regressava aos quatro elementos, enviando a equipa para o 4x4x2. O problema é que André Gomes pareceu limitado e nunca produziu tanto como nos primeiros jogos e William também baixou a sua influência, condenando Portugal a um jogo atacante mais lento – a isso não terá sido estranho o intenso calor de Lyon – e previsível. Daí que, apesar do domínio territorial português, não aparecessem ocasiões de golo na baliza de Kiraly. Portugal quase se limitava a rondar a área, a ganhar cantos e a chutar de fora da área. E foi a Hungria quem marcou primeiro, aos 19’, por Gera, na sequência de um canto de Dzsudzsak: Ronaldo cortou no ar, Nani completou o alívio para a entrada da área portuguesa, onde o médio húngaro apareceu a chutar sem hipóteses para Rui Patrício. O golo húngaro afetou a produtividade da equipa portuguesa, que levou uns minutos a reentrar no jogo. A reação começou num livre de Ronaldo, que Kiraly teve de se esforçar para desviar para canto, aos 29’, mas só teve continuidade já bem perto do intervalo, quando o mesmo Ronaldo solicitou uma diagonal de Nani e este bateu Kiraly com um remate seco para o ângulo mais próximo. Com 45 minutos por jogar, Fernando Santos decidiu assumir o risco de ir à procura da vitória que garantisse o primeiro lugar do grupo e trocou Moutinho por Renato Sanches, mas antes que a alteração pudesse ter efeito, a Hungria voltou a marcar. Dzsudzsak bateu um livre perto da área, a bola desviou em André Gomes e traiu Rui Patrício, deixando Portugal outra vez fora dos oitavos-de-final. A reação portuguesa, desta vez, foi mais rápida. Três minutos depois, aos 50’, João Mário arrancou pela direita e cruzou para o ataque de Ronaldo à bola. Lang acompanhou bem o capitão português e ter-lhe-ia blocado o remate não tivesse Ronaldo inventado uma solução genial: deixou a bola passar e deu-lhe com o calcanhar do pé direito, deixando Kiraly colado ao solo. A espetacularidade do golo, somada à forma como João Mário e Renato Sanches combinavam na direita, parecia poder carregar a seleção para a vitória. Só que, cinco minutos depois, deu-se mais um episódio da Lei de Murphy: Dzsudzsak voltou a ter um livre, desta vez chutou contra a barreira, mas recuperou o ressalto e deu-lhe com alma, fazendo a bola resvalar em Ricardo Carvalho e trair o desamparado Rui Patrício. O 3-2 anulava o efeito do golo de Ronaldo e da substituição e deixava Portugal outra vez a precisar de recuperar. Fernando Santos chamou então Quaresma, para o lugar do fatigado André Gomes e, com o segundo toque na bola – o primeiro tinha sido para marcar o canto – Quaresma cruzou para o bis de Ronaldo, desta vez de cabeça. Faltava meia-hora para o final da partida e Portugal lançou-se à procura da vitória. A ocasião mais flagrante de golo, porém, pertenceu à Hungria, quando Elek se isolou pela esquerda e chutou violentamente contra o poste da baliza de Rui Patrício. Se antes tivera azar na forma como sofreu os dois golos, desta vez a equipa nacional foi sortuda por não ter de procurar a recuperação por uma quarta vez. A jogar em 4x3x3, com Renato Sanches e João Mário à frente de William, e com Quaresma e Nani a ladear Ronaldo na frente, Portugal apresentava o seu onze mais ofensivo imaginável. O empate no outro jogo mandava os portugueses para o segundo lugar e a metade errada do quadro do sorteio e por isso a equipa ainda procurava o quarto golo. Ronaldo esteve por duas vezes perto do hat-trick, mas o que se via também era alguma tremedeira sempre que a Hungria subia até ao ataque. Por isso, mesmo já com os húngaros a jogar com uma linha de cinco atrás, Fernando Santos resolveu tapar o jogo à frente da sua área e substituir Nani por Danilo a nove minutos do fim. O jogo acabou com os húngaros a recusarem sair para o meio-campo adversário e com a notícia do golo islandês na outra partida, a chutar Portugal do segundo para o terceiro lugar e para a metade mais desejada do quadro. Fernando Santos terá gostado do envolvimento atacante que a equipa conseguiu na segunda parte, com a associação de João Mário a Renato Sanches, mas não pode ter ficado satisfeito com os buracos que a equipa abriu a defender. A solução para o jogo com a Croácia terá de ser outra, provavelmente com Renato e João Mário nas alas, sacrificando André Gomes, e João Moutinho ou até Adrien à frente de William (caso o selecionador desista de recuperar Moutinho, como a substituição ao intervalo pode fazer prenunciar). Dúvidas haverá também acerca da condição de Ricardo Carvalho para um jogo que terá lugar já daqui a três dias – ele que já pareceu menos seguro hoje – como na lateral-esquerda, onde Eliseu não fez esquecer Raphael Guerreiro. O tempo para pensar e recuperar não é muito, mas uma coisa é certa: a Croácia é forte e será preciso muito mais Portugal do que o que se viu na primeira fase para seguir em frente.
2016-06-23
LER MAIS

Último Passe

Portugal melhorou do primeiro para o segundo jogo do Europeu, mas voltou a não conseguir ganhar. Desta vez, nem com 23 finalizações e um penalti, nem com duas bolas nos postes da baliza de Almer, nem com uma mudança de sistema que lhe permitiu fazer os médios jogar com mais frequência dentro do bloco adversário os portugueses conseguiram fazer um único golo à Áustria, saindo do Parque dos Príncipes com um 0-0 que é ao mesmo tempo frustrante e pressionante. Frustrante porque a equipa fez mais por ganhar e em condições normais teria ganho, pressionante porque o resultado deve obriga-la a vencer o último jogo, frente à Hungria, na quarta-feira, para seguir para os oitavos-de-final. No fundo faltou à seleção aquilo que Cristiano Ronaldo pode dar-lhe: golos. O capitão teve tudo para os fazer, mas nem de penalti lá chegou: a 11 minutos do fim, ganhou uma grande penalidade, na sequência de um raid de Raphael Guerreiro na esquerda, mas apesar de ter enganado o guarda-redes, fez a bola esbarrar no poste. O segundo penalti consecutivo falhado por Cristiano Ronaldo na seleção – já tinha permitido a defesa do guarda-redes contra a Bulgária, em Março – pode nem levar o selecionador a mudar a hierarquia dos marcadores, mas terá seguramente levado o capitão de equipa a aproximar-se dos restantes “humanos” e procurar tirar mais de si mesmo daqui para a frente. Além de que enfatizou a falta que os golos dele fazem a uma equipa que já na primeira parte tinha acertado no poste, num cabeceamento de Nani, após cruzamento de André Gomes. E essas nem foram as únicas ocasiões flagrantes desperdiçadas por Portugal, o que justifica a forma efusiva como os adeptos austríacos festejaram o empate no final: ficaram a cantar nas bancadas, apesar de a equipa de Koller continuar em último lugar no Grupo F e sem depender apenas de si própria para se apurar. Ao empate não é alheia também a forma como Fernando Santos geriu a equipa no banco. De início, o técnico corrigiu bem os erros táticos cometidos ante a Islândia mas mexeu mal durante o jogo. A entrada de William para o comando do meio-campo trouxe a Portugal a capacidade de afastar a bola das zonas de pressão, graças à sua maior agilidade no passe longo e à capacidade que tem para ganhar terreno com bola, ao passo que passagem para o 4x3x3 também ajudou João Moutinho e André Gomes a entrarem com bola entre as linhas defensivas adversárias: Moutinho foi mesmo designado pela UEFA, com exagero, é verdade, como o melhor em campo (ainda que tenha estado abaixo do rendimento de William e dos dois laterais). A questão é que, com Portugal a encostar a Áustria às cordas, Fernando Santos demorou a mexer. E quando mexeu permitiu que se instalasse a confusão na equipa. Nunca foi claro o que o treinador quis obter, por exemplo, com a entrada de João Mário: impunha-se que ele (ou Renato Sanches) entrasse até antes do minuto 71, mas para jogar em vez de um dos médios-interiores, de forma a dar mais criatividade naquela zona, mas ao fazê-lo entrar para o lugar de Quaresma na direita e mandá-lo explorar o jogo interior, Santos perdeu o flanco. André Gomes acabou por sair, mas apenas a sete minutos do fim, quando o desespero levou o selecionador à entrada de Éder para jogar ao lado de Cristiano no centro do ataque. E Rafa, o último a ser chamado, acabou por ser quem mais trouxe ao jogo – percebeu-se no final que devia ter ocupado a vaga de um Nani que já estava esgotado muito antes do minuto 89, que foi quando ele entrou no relvado. Ainda assim, em condições normais, Portugal devia ter ganho o jogo. Apesar da largueza que os dois centrais portugueses foram dando a Harnik, o ponta-de-lança solitário dos austríacos, para este poder combinar com os médios, a Áustria só chegou três vezes à baliza de Rui Patrício. Logo aos 3’, de cabeça, Harnik soltou-se atrás da defesa portuguesa para cabecear um cruzamento de Sabitzer, mas fê-lo ao lado. O ponta-de-lança voltou a ameaçar aos 41’, na sequência de um livre lateral que Alaba bateu direto à baliza, mas nessa ocasião Vieirinha evitou que ele fizesse a finalização e cortou junto ao poste. E a abrir a segunda parte Rui Patrício fez a sua única defesa, detendo um remate de longe de Illsanker. Até final, com Alaba (que jogou atrás do ponta-de-lança, a ser completamente dominado por William e a ser substituído) os austríacos limitaram-se a conter as ofensivas de Portugal, que só ficou a dever a si próprio a vitória. E aqui Nani e Ronaldo terão de dividir responsabilidades, pois foram perdendo golos à vez. Aos 12’, Nani ganhou um ressalto e isolou-se face a Almer, mas não conseguiu evitar a mancha do guarda-redes. Dez minutos depois, foi Ronaldo quem teve a bola à frente para marcar, após trabalho de Raphael Guerreiro, mas chutou de pé direito ao lado. Nani acertou no poste aos 29’, de cabeça, após cruzamento de André Gomes e aos 38’ foi outra vez Ronaldo quem cabeceou para o guarda-redes, no seguimento de um canto de Quaresma. Na segunda parte, Nani foi-se apagando e teve de ser Ronaldo a assumir as responsabilidades: chutou de longe para grande defesa de Almer aos 55’, cabeceou para o guarda-redes após o canto de Quaresma aos 56’, bateu um livre em boa posição por cima da barra aos 65’ e acertou no poste com o penalti que ganhou aos 79’. Tanto fogo, sem um único tiro certeiro acaba por deixar a equipa numa posição desconfortável e sem o direito a errar de novo no jogo com a Hungria. Santos parece ter acertado no regresso ao 4x3x3, seja com Nani ou Ronaldo ao meio, mas o pouco que se viu neste jogo parece impor a entrada de Rafa na equipa para o último jogo, onde João Mário e Renato Sanches também podem ter um papel a desempenhar – nem que seja saindo do banco – mas para jogar ao meio. 
2016-06-18
LER MAIS

Último Passe

Portugal vai enfrentar a Áustria numa situação que não é brilhante mas também não é desesperada. Saiu com um ponto do primeiro jogo, precisará de fazer mais três – em dois jogos – para se qualificar, uma vez que os quatro pontos darão quase de certeza para se ser um dos quatro melhores terceiros. Contra a Áustria, a obrigação é a mesma que já era ante a Islândia: ganhar. A forma de procurar essa vitória será, no entanto, diferente, porque as circunstâncias próprias e alheias são diferentes. Na conferência de imprensa no Parque dos Príncipes, Fernando Santos não deu muitas respostas que permitam adivinhar o que lhe vai na mente, ao que o próprio diz para não mostrar o jogo todo ao treinador adversário, mas ainda assim é possível fazer sem ele um exercício de pergunta-resposta no qual se colocam as principais dúvidas e se fornecem alguns esclarecimentos com base no mero senso-comum. Pergunta 1: Fernando Santos vai fazer uma revolução no onze? Resposta: Não. Aliás, o próprio o disse na conferência de imprensa. “Revolução foi em 1974”, brincou. Em Portugal muito se tem falado da falsa partida do Europeu de 2004, quando após a derrota com a Grécia no Dragão, Scolari teria feito uma revolução, indispensável para que a equipa chegasse à final. Mas depois olha-se com mais atenção e verifica-se que, do jogo com a Grécia para a segunda partida, frente à Rússia, que Portugal ganhou por 2-0, Felipão só mudou quatro jogadores: Paulo Ferreira por Miguel, Rui Jorge por Nuno Valente, Fernando Couto por Ricardo Carvalho e Rui Costa por Deco. Ronaldo, por exemplo, continuou no banco e só no terceiro jogo, contra a Espanha, ganhou o lugar a Simão. Por isso, desenganem-se os que querem ver muito sangue antes do jogo com a Áustria. No máximo, Fernando Santos mudará quatro jogadores. Mas o mais provável é que só troque dois ou três. Pergunta 2: Portugal pode jogar com Quaresma, Nani e Ronaldo no onze? Resposta: Pode. Aliás, Fernando Santos já o fez em alguns momentos, embora não de início. Na conferência de imprensa, o selecionador limitou-se a dizer que isso “era uma possibilidade”, o que à saída da sala era interpretado de duas formas diferentes pelos vários jornalistas presentes. Uns diziam terem ficado convencidos de que os “três reis magos” iam jogar desde o início, outros que aquilo que Fernando Santos disse veio apenas engrossar o que acham que é um bluff para assustar os austríacos. A questão deve, por isso ser colocada de uma outra forma. Portugal vai jogar com Quaresma, Nani e Ronaldo no onze? Não me parece a hipótese mais provável, sobretudo por duas razões. A primeira – e fundamental – é que essa alteração deixava a equipa com três jogadores que pouco participam no processo defensivo e que veem o jogo sobretudo de uma forma individual. Olhando para os números de toda a época, Ronaldo soma uma média de 1,8 recuperações ou interceções por jogo, Quaresma tem 4,1 e Nani soma 4,6, enquanto que os dois potenciais sacrificados estão acima: André Gomes com 5,9 e João Mário com 6,2. Depois, porque esse onze não deixaria a Fernando Santos muitas hipóteses de reforçar o ataque se as coisas começassem a correr mal. Acresce a isso, para os defensores da disciplina de caserna, que a alteração iria premiar as declarações “fora da caixa” de Quaresma, que de certa forma desautorizou o treinador ao dizer que estava em condições de ter sido titular contra a Islândia, quando Fernando Santos disse que se o tivesse colocado a jogar corria o risco de ter de o tirar aos 40 minutos. Pergunta 3: Se ainda assim Quaresma entrar, qual será o esquema de Portugal? E quem sai? Resposta: O facto de Quaresma entrar não significa que a equipa mude para o 4x3x3, porque com ele não fica resolvido o problema da colocação de Ronaldo, que ainda hoje Fernando Santos voltou a dizer que “nunca será um avançado-centro” na perspetiva de jogar sozinho na frente. A equipa continuará por isso a jogar em 4x4x2, ainda que a presença em simultâneo dos três atacantes permita uma série de alternativas. Até aqui, o extremo do Besiktas tem alinhado sempre numa das alas do meio-campo, deixando na mesma Ronaldo e Nani no centro do ataque, mas pessoalmente acho que faz mais sentido ter Quaresma e Ronaldo na frente, com Nani a ocupar uma posição no meio-campo, seja como “10” num losango ou como ala esquerda no 4x4x2 mais clássico. Mais difícil é definir quem pode sair. E isso depende muito da arrumação inicial dos jogadores. Em condições normais, seja com Nani e Ronaldo na frente e Quaresma numa ala ou com Ronaldo e Quaresma na frente e Nani numa ala, sairia André Gomes, porque além de ter uma melhor percentagem de passe (84% para 83% em termos médios durante a época), João Mário faz mais passes de rotura (3,1 para 2,7 por jogo) e aparece mais na área (sete passes por jogo contra 2,7 são dentro da área). A questão é que com tanta gente que só vê baliza na frente, Fernando Santos pode sentir-se tentado a manter quem pense o jogo mais atrás, e aí André Gomes ganha algum avanço. Até porque os números defensivos dos dois são muito semelhantes. Diferente será se Santos optar por colocar Nani como “10”: aí sairia Moutinho. Pergunta 4: Quem pode então ser sacrificado nas alterações que Fernando Santos anunciou? Resposta: Fernando Santos disse claramente que ia fazer algumas alterações “para refrescar a equipa”. Uma delas será a troca de médio mais recuado, posição que Danilo dificilmente ocupará. A sua entrada contra a Islândia tinha a ver com um aspeto muito específico do jogo islandês, que era o jogo aéreo. Sem essa ameaça, certamente nem seria necessária a lesão de Danilo para que a equipa passasse a apresentar ali um jogador que arrisca mais nos momentos atacantes, como é o caso de William. As outras alterações não são claras. A não ser que queira colocar Nani a “10”, Santos dará provavelmente pelo menos mais um jogo a Moutinho para que ele possa reganhar o ritmo que lhe vem faltando mas que, assim que o recuperar, fará a diferença nos oitavos-de-final, porque é o jogador mais coletivo desta seleção. Adrien e Renato continuarão certamente à espera. Depois, o jogo de Vieirinha contra a Islândia não foi assim tão mau a ponto de justificar uma alteração na hierarquia – e se o facto de o lateral do Wolfsburg ter estado no golo islandês contribui para algo é para que Fernando Santos não o deixe cair em nome da mera rotatividade que noutras circunstâncias talvez até se justificasse. Pergunta 5: O que precisa Portugal de mudar para ter mais garantias de obter um resultado positivo? Resposta: Primeiro que tudo, tem de melhorar a finalização. A seleção nacional foi a que mais rematou na primeira jornada do Euro, mas só fez um golo, que lhe valeu apenas um ponto. As ocasiões de golo, porém, abundaram – e é bom que todos se consciencializem que contra a Áustria não vão ser tantas, porque os austríacos vão querer jogar mais do que os islandeses. Ainda assim, há que perceber que boa parte do baixo índice de certeza na finalização teve a ver com as condições não tão favoráveis em que muitos dos remates foram feitos. E isso já tem a ver com todo o processo de construção de jogo de Portugal. Por raramente ter conseguido meter gente entre as duas linhas defensivas da Islândia, faltou a Portugal o necessário ponto de apoio nas suas jogadas, de onde pudesse partir um passe de rotura para as alas ou para deixar um dos avançados na cara do guarda-redes. Não apareceram ali Nani nem Ronaldo, da mesma forma que nem João Mário nem André Gomes procuraram o corredor central com a frequência recomendada. João Moutinho também andou sempre mais longe da baliza islandesa do que seria desejável, o que pode ter a ver com o facto de Danilo não assumir tanto a construção. O ataque ao espaço central terá de ser uma das prioridades da equipa no jogo de amanhã, o que pode levar à adoção da solução com o meio-campo em losango. Da mesma forma que terá de o ser a agilidade na transição ofensiva. Pergunta 6: E Ronaldo, o que tem de fazer diferente? Resposta: Ronaldo tem sobretudo que compreender que o futebol é um jogo coletivo e que o facto de ser o melhor finalizador do Mundo não recomenda que seja sempre ele a chutar. A luta do CR7 contra os recordes tem destas coisas: se anda obcecado com os golos que lhe permitam ser o melhor marcador da história dos Europeus, acaba por secar tudo à sua volta, não tomando as decisões que seriam mais recomendáveis em benefício da equipa. E nem falo de livres ou de falta de empenho no processo defensivo: isso já faz parte do pacote. Contra a Islândia, no entanto, Ronaldo optou várias vezes por rematar em situações nas quais havia companheiros melhor colocados para dar seguimento a lances que podiam ter tido outro final. Mas este é um problema que só se resolverá quando Ronaldo marcar o primeiro golo e aliviar um pouco a ansiedade que o come por dentro em cada grande competição internacional.
2016-06-17
LER MAIS

Último Passe

Pouco Ronaldo, um meio-campo incapaz de entrar nas linhas do adversário, a incapacidade para ganhar uma bola aérea que fosse a Sigthórsson e falta de concentração e agressividade no ataque às segundas bolas levaram Portugal a uma falsa partida no Europeu de 2016. O empate com a Islândia, fruto de um golo de Nani e de outro de Birkir Bjarnason, não é grave, porque ainda há mais duas jornadas para trabalhar para a qualificação, mas veio deixar a nu algumas carências da equipa de Fernando Santos. A emendar já frente à Áustria, em Paris, num jogo que até face à derrota dos austríacos, de repente ganhou preponderância. A questão Ronaldo não é das fáceis de resolver, porque não se trata de o trocar ou de o fazer jogar noutras funções. Ronaldo não jogou mal, simplesmente não fez a diferença: não conseguiu fazer uma arrancada imparável, não fez golo nos dois cabeceamentos perigosos de que dispôs nem nos livres que marcou. Fez um jogo de esforço, de entrega, mas sem brilho, com exceção talvez do lance em que, ainda com 0-0, trabalhou em cima de Saevarsson e cruzou para um remate de cabeça de Nani que o guarda-redes Halldórsson deteve. E isso o selecionador não só tem de aceitar como por certo o aceitará até melhor que o próprio Ronaldo. Mesmo estando sempre em jogo, o capitão português não só não assinalou o dia em que igualou as 127 internacionalizações recorde de Figo com uma vitória, como viu Nani suplantá-lo na luta pelo título de melhor em campo. O autor do golo português respondeu da melhor forma à oportunidade que Fernando Santos voltou a dar-lhe face à lesão de Quaresma e foi quem mais perto esteve de ampliar a marca, pelo que dificilmente perderá o lugar frente à Áustria. Já quanto à incapacidade do meio-campo entrar nas linhas islandesas haverá certamente algo a fazer, tanto do ponto de vista tático como até da mudança de elementos. É verdade que a Islândia, até por força do futebol direto que praticava, pouco ou nada se desposicionava: no final, os portugueses tentaram 617 passes, contra 221 do adversário, o que significa que se empenhavam em combinações e jogadas de envolvimento, enquanto a Islândia se limitava a jogar direto em Sigthórsson, subindo depois como um bloco de concreto para atacar as sobras. A questão é que se a primeira bola, a que ia para o gigante número 9 do adversário, era inatingível – creio que ele terá ganho todas as bolas aéreas que disputou –, a segunda já não dependia de estatura: dependia de concentração e agressividade. E aí nem os quatro defesas de Portugal, nem Danilo – que Santos preferiu a William Carvalho, por dar mais capacidade no jogo aéreo e combatividade no ataque às segundas bolas – souberam impor-se aos islandeses. Mesmo tendo feito uma primeira parte de nível médio-alto, Portugal nunca contou com todos os jogadores ao mesmo nível. O melhor período da equipa começou logo a seguir a uma primeira desatenção defensiva, aos 3’: Vieirinha estava projetado no ataque, Pepe foi disputar uma bola perto da linha lateral na zona de meio-campo sem a ganhar, o mesmo aconteceu a Danilo face a Gudmundsson já perto do bico da área, tendo que ser Rui Patrício a impedir que a Islândia fizesse logo ali um golo. A partir daí, porém, mesmo sem ter os dois laterais em noite-sim Portugal assentou o seu jogo. É verdade que Moutinho, não conseguia ganhar as costas a Gunnarsson e Sigurdsson, os dois médios-centro islandeses, e que João Mário, demasiado aberto na esquerda, também não era capaz de ganhar aquele espaço interior, mas os lances mais perigosos passaram a surgir na baliza islandesa. Nani, de cabeça, após o tal trabalho individual de Ronaldo, viu Haldorsson tirar-lhe o golo aos 21’; Ronaldo, também de cabeça, falhou o alvo aos 23’ e não acertou sequer na bola aos 26’, quando Pepe viu a aberta e o isolou face ao guarda-redes num passe longo. E quando Nani marcou, aos 31’, na sequência de uma boa combinação entre Vieirinha e André Gomes na direita, o problema parecia resolvido. Mas não. O intervalo voltou a trazer a desconcentração à defesa portuguesa e, logo aos 50’, duas divididas seguidas perdidas pelos portugueses na direita do ataque islandês resultaram num cruzamento de Gudmundsson. O desentendimento entre Pepe – que seguiu Sigthorson – e Vieirinha, que estava demasiado dentro e não intercetou a bola, resultou num volei de Bjarnasson para dentro da baliza de Patrício. João Mário começava a entrar no jogo e a ativar as subidas de Raphael Guerreiro, mas apesar de voltar a ter quase sempre a bola, Portugal não conseguia criar tantos lances de perigo como na primeira parte. Só aos 63’, quando Vieirinha ganhou a linha de fundo e cruzou rasteiro, Nani esteve perto de marcar, não chegando a conseguir antecipar-se a Ragnar Sigurdsson no ataque à bola. Oito minutos depois, já com Renato Sanches em campo, na tentativa de ocupar o tal espaço entre as linhas defensivas islandesas, foi outra vez Nani quem, desviando de cabeça um livre, fez a bola passar a centímetros do poste. À procura do golo, Santos chamou então Quaresma para ocupar o lugar de João Mário. Até final ainda substituiu André Gomes por Éder, colocando a equipa num 4x2x4, com Ronaldo e Éder ao meio, servidos por Nani e Quaresma nas alas. Mas nem assim, nem com a Islândia a abdicar até de jogar no ponta-de-lança, Portugal chegou ao golo. Quaresma (aos 78’), Pepe (após um canto, aos 82’) e Ronaldo (na sequência de um cruzamento de Nani, aos 85’) ainda ameaçaram, mas o empate já não se desfez, punindo o jogo menos conseguido do meio-campo português e algumas apostas perdidas: Danilo nunca impediu a construção direta da Islândia e pode ceder a vaga a William, que faz a equipa jogar mais; Moutinho e João Mário apareceram pouco entre as linhas islandesas e também não têm o lugar assegurado. Certo é que se Fernando Santos optar por chamar Quaresma à partida de Paris, o sacrificado não será certamente Nani, o melhor dos portugueses em Saint-Etiènne.  
2016-06-14
LER MAIS

Último Passe

Quando alguém perguntou a Fernando Santos se já sabia o onze que ia colocar em jogo frente à Islândia, o selecionador nacional disse que sim. Depois de um par de segundos de pausa, corrigiu: “Quer dizer… Mais ou menos”. Mesmo que Santos a tenha justificado com o facto de ainda ter um treino pela frente, a blague diz-nos sobretudo uma coisa: que não há dúvidas na cabeça do técnico acerca da utilização de Quaresma. Ou tudo não passa de bluff, no que sinceramente não acredito, ou o facto de este ser apenas o primeiro jogo da fase final e de face às facilidades crescentes de apuramento – passam dois, eventualmente três – levará Santos a fugir do risco que ponderaria assumir se tudo se decidisse nestes 90 minutos. Sem Quaresma – é mais avisado pensar assim – reentra no onze Nani, que não oferece à equipa o brilhantismo individual do atacante do Besiktas mas até é coletiva e taticamente mais fiável. Foi com Nani e Ronaldo que o esquema dos dois atacantes móveis melhor funcionou, nos jogos com a Bulgária e a Bélgica, ainda que seja legítimo que se diga que este já não é o Nani de Março. Porque está em pior momento de forma e também porque a perda do lugar na hierarquia pode ter deixado mazelas psicológicas num jogador que, ainda por cima, é mais frágil mentalmente que o sempre crente Quaresma. A Nani resta pensar uma coisa como fator motivacional: nem sempre se tem uma segunda oportunidade de causar uma boa primeira impressão e ele vai tê-la.   Em St. Etiènne para ver o Euro? Cheguei hoje a St. Etiènne e estive já no Geuffroy-Guichard, um estádio que estava no meu imaginário desde que, em criança, quando começaram a chegar a Portugal as primeiras revistas Onze (assim mesmo, sem o sufixo Mondial), imaginava como jogaria a equipa de Robert Herbin, dito a “Esfinge”. O primeiro dia em França foi também o primeiro dia em que não vi um único jogo do Europeu. Entre a viagem, os procedimentos burocráticos para a recolha da acreditação, as conferências de imprensa de Lars Lagerback e Fernando Santos e a necessidade de sair para jantar, foram-se as três partidas do dia. Isto não é novidade para mim, ainda que fosse bem diferente há 24 anos, quando acompanhei no local o meu primeiro Europeu. Em 1992, na Suécia, havia só oito equipas, muito menos jornalistas, maior espaçamento entre os jogos e muito menos confusão para se chegar perto dos jogadores e treinadores, aos quais hoje só se chega por interposta pessoa e depois de recolher senhas para isto e passes para aquilo. Não é um lamento, é uma constatação. Quanto ao futebol, pelo resumo pareceu-me que a Espanha jogou bem e talvez seja mais favorita do que eu esperava. E que a Itália, sendo uma máquina terrivelmente concreta, é tão favorita como eu presumia – nunca se deve riscar uma seleção italiana enquanto ela não se riscar a si mesma. E, por fim, que a Bélgica é tão pouco favorita como eu calculava. Ainda que, pelo que pude ir vendo nas vezes que espreitei para o ecrã gigante no meio da confusão do restaurante em que jantei, se Marc Wilmots de repente conseguir pensar um pouco fora da caixa aquela equipa tem muito para melhorar.   E os golos que não aparecem. O Europeu tem trazido grandes golos, mas poucos golos. O resultado mais frequente é o 1-0. Reflexos de um futebol cada vez mais defensivo? Também. Mas a minha teoria é outra. É reflexo, sim, de uma preocupação excessiva da UEFA com o peso do negócio. É verdade que o alargamento da fase final para 24 países permitiu a chegada a França de mais equipas sem tanta qualidade, abrindo a porta às goleadas. Mas o facto de 16 dessas 24 equipas passarem à fase seguinte faz com que muitas das grandes nações do futebol encarem os primeiros jogos como mero aquecimento para um Europeu que, na realidade, só começa daqui a pouco mais de uma semana: há jogadores a meio-gás, outros a ganhar ritmo. A UEFA consegue assim manter mais gente ligada durante mais tempo à competição, faz crescer as audiências globais, o dinheiro gasto em tudo aquilo que anda à volta do futebol, mas está a tornar esta primeira fase um deserto em termos atacantes.
2016-06-14
LER MAIS

Último Passe

A Alemanha foi a primeira seleção a ganhar por mais de um golo, batendo a Ucrânia por 2-0, mas deixou a ideia de que pode jogar mais assim que resolver para um dos lados o conflito interior que a consome e lhe prejudica a identidade coletiva. De um lado, a faceta-Bayern, o “guardiolismo” que se reflete em vários aspetos do jogo, como a saída obsessivamente curta ou a tendência dos pontas (Muller e Drexler) para explorarem o espaço interior e tem depois um claro exagero na forma como Löw abdica do ponta-de-lança para fazer jogar ali Götze. Do outro, a faceta mais tradicional, que se vê sobretudo em momentos de transição ofensiva como a que possibilitou o segundo golo, por sinal marcado por um bastião do tradicionalismo alemão: Schweinsteiger, o ponto final de um contra-ataque rapidíssimo e feito de acordo com os livros, com preenchimento dos três corredores. Ver uma equipa ser capaz de dominar duas formas assim tão diferentes de jogar com a mesma maestria não é comum. E é isso, a juntar à aliança entre os seus dois corações – Kroos, que lança, e Khedira, que sobe com bola – que pode fazer desta Alemanha a mais forte candidata ao título europeu. Mais ainda se conseguir resolver o problema nas duas áreas, com a chamada de Gómez e de um central que ponha ordem à frente de Neuer.   O paradoxo croata: o que fazer a esta bola? Poucas equipas neste Europeu conseguirão aliar tanta qualidade num onze como a Croácia. Ter um ponta-de-lança como Mandzukic, médios criativos e técnicos como Rakitic ou Modric, um extremo incisivo e rápido como Perisic, outro taticamente inteligente a compensar e a procurar terrenos interiores como Brozovic e até laterais disponíveis para atacar como Srna ou Strinic dá aos croatas a possibilidade de apresentar uma proposta atraente e ao mesmo tempo contundente. A vitória sobre uma Turquia dececionante confirmou algumas destas ideias, mas deixou a nu um paradoxo na ideia de jogo croata. Na verdade, só quando os turcos perderam o posicionamento, depois do golo magistral de Modric, é que a Croácia conseguiu ter bola com continuidade e levá-la pelo corredor central até à zona de serviço do ponta-de-lança. Tanto Rakitic como Modric precisam de pegar no jogo mais atrás. Não são “números dez” puros e condenar um deles a estar ali é o mesmo que tirar-lhe influência no jogo: na primeira parte, Rakitic esteve no bolso de Inan. Esta Croácia tinha tudo a ganhar em inverter o triângulo de meio-campo, em jogar com Badelj atrás dos dois criativos, duplicando as vias de saída de cada ataque. Enquanto o não fizer, só é perigosa numa de duas situações: no jogo pelas alas e quando se vir a ganhar e com espaço para jogar.   Irlanda do Norte ou a coragem que não dá para tudo. Depois da Albânia, apareceu uma segunda equipa demasiado curta para poder estar na fase final de um Europeu. A Irlanda do Norte, que se apresentou em 5x4x1 contra a Polónia mas nem com três centrais conseguiu parar a aliança de Milik com Lewandoski, os pontas-de-lança polacos, mostrou coragem onde a Albânia exibiu dissimulação, mas também não irá longe. O jogo direto dos irlandeses precisaria de mais do que Lafferty para ser perigoso. Davis não chega para tudo e McNair e Norwood, os dois médios-ala, nunca foram capazes de criar desequilíbrios nas faixas. Contra a Alemanha e a Ucrânia não vai ser mais fácil.  
2016-06-12